SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
O CONTRATO DIDÁTICO QUE REGE AS
       SITUAÇÕES DE ENSINO E
           APRENDIZAGEM
                       São regras
                         próprias
                      da escola que




   REGULAM             ESTABELECEM              MODELAM
  a relação que o      direitos e deveres      os papéis dos
aluno e o professor       em relação às     diferentes atores do
  mantêm com o        situações de ensino   processo educativo
   conhecimento         e aprendizagem
DIREITOS E DEVERES EM RELAÇÃO ÀS
SITUAÇÕES DE ENSINO APRENDIZAGEM
    DOS CONTEÚDOS ESCOLARES
                 O imaginário social está povoado
                  de crenças e expectativas sobre os
                  papéis que professor e aluno
                  mantêm na rotina escolar.
                 EX: Historicamente, a
                  responsabilidade pela correção de
                  uma produção de texto sempre foi
                  do professor.Se tivermos como
                  objetivo didático que o próprio aluno
                  analise criticamente suas
                  produções e consequentemente
                  corrigí-los, tanto o papel do
                  professor quanto do aluno está
                  sendo subvertido.
O QUE ACONTECE ?

   ALUNOS: Passam a assumir parte da responsabilidade
    que era exclusivamente do professor (corrigir textos).

   PROFESSOR: Assume uma nova responsabilidade,
    que é a de ensinar os alunos a desenvolver atitude
    crítica e procedimentos de análise. Precisará fazer um
    tipo de correção diferente da que fazia-se até então.
RESULTADO


   Esse novo objetivo cria novas necessidades para a
    prática; e exige mudanças em um CONTRATO DIDÁTICO
    antigo em relação à correção de textos produzidos.

   Se compreendemos a implicação disso, fica mais fácil
    entender, por exemplo, as eventuais resistências dos
    alunos em realizar o árduo trabalho de revisão do que
    produzem.
PRESENÇA DE UM CONTRATO DIDÁTICO

   A inexistência de um contrato claro e compartilhado por todos,
    favorece a projeção de diferentes representações dos envolvidos
    nas relações que tem lugar na escola, dessa forma acabam sendo
    inevitáveis os mal-entendidos e frequentes conflitos.

   Diante disso, a presença de um contrato bem elaborado e
    socializado com todos da escola, pode evitar interpretações
    distorcidas que, ainda assim, certamente acontecerão.

   As representações pessoais em relação ao contrato interferem
    consideravelmente nas relações educativas.
A FALTA DE UM CONTRATO EXPLÍCITO
         PODE OCASIONAR

                PROJEÇÃO DE
               REPRESENTAÇÕES
                  PESSOAIS A
                   RESPEITO




                                     das obrigações
das normas e         das            recíprocas e dos
    regras     responsabilidades   papéis que cabem
                                       a cada um
COMO REORGANIZAR O CONTRATO
              DIDÁTICO ?


   Quando os acontecimentos e as situações escolares
    estão sendo interpretados de acordo com as
    perspectivas e expectativas pessoais do educador é
    preciso uma reorganização do contrato didático , que
    implica em uma razoável capacidade de análise e de
    distanciamento por parte dos educadores para que se
    possa identificar quais são de fato os problemas, pois
    não se pode encontrar soluções para problemas que
    não forem identificados adequadamente.
CONTINUAÇÃO


   É preciso desvendar o contrato que rege as relações
    que têm lugar na escola e estabelecer quais são as
    modificações desejáveis, analisando suas prováveis
    consequências.

   Compartilhar com todos as novas bases nas quais se
    assentam os direitos e deveres atuais dos atores do
    processo educativo.
                                         Simone Alves
                                          Vânia Barros
                                      JUNHO DE 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
Claudia Elisabete Silva
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
Joao Balbi
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
Pauta formativa pnaic 4º encontro
Pauta formativa pnaic   4º encontroPauta formativa pnaic   4º encontro
Pauta formativa pnaic 4º encontro
pnaicdertsis
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Docência "in loco"
 

Mais procurados (20)

ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
A importancia do planejamento
A importancia do planejamentoA importancia do planejamento
A importancia do planejamento
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Conceitos taxonomia de bloom
Conceitos taxonomia de bloomConceitos taxonomia de bloom
Conceitos taxonomia de bloom
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
 
Ppt avaliação
Ppt avaliaçãoPpt avaliação
Ppt avaliação
 
Oficina para elaboração de itens do SPAECE
Oficina para elaboração de itens do SPAECEOficina para elaboração de itens do SPAECE
Oficina para elaboração de itens do SPAECE
 
Formacao humanas bncc
Formacao humanas   bnccFormacao humanas   bncc
Formacao humanas bncc
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Pauta formativa pnaic 4º encontro
Pauta formativa pnaic   4º encontroPauta formativa pnaic   4º encontro
Pauta formativa pnaic 4º encontro
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
 
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
 
SAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdfSAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdf
 
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
 
Planejamento Pedagógico
Planejamento PedagógicoPlanejamento Pedagógico
Planejamento Pedagógico
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO -  SIMULADO COM 50 QUESTÕESALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO -  SIMULADO COM 50 QUESTÕES
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
 
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASAVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
 

Destaque (8)

Competencia leitora - PNLD
Competencia leitora - PNLDCompetencia leitora - PNLD
Competencia leitora - PNLD
 
O planejamento previo
O planejamento previoO planejamento previo
O planejamento previo
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Hipóteses de leitura
Hipóteses de leituraHipóteses de leitura
Hipóteses de leitura
 
Estratégias de leitura 5 ano
Estratégias de leitura 5 anoEstratégias de leitura 5 ano
Estratégias de leitura 5 ano
 
Projeto de leitura - 4º e 5º anos
Projeto de leitura - 4º e 5º anosProjeto de leitura - 4º e 5º anos
Projeto de leitura - 4º e 5º anos
 
3 estratégias de leitura
3  estratégias de leitura3  estratégias de leitura
3 estratégias de leitura
 
Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2
 

Semelhante a O contrato didático que rege as situações de

Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
moniquests
 
Educandos e educadores 03 09
Educandos e educadores 03 09Educandos e educadores 03 09
Educandos e educadores 03 09
Glória Melo
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Monica Oliveira
 
4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso
4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso
4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso
Andrea Cortelazzi
 

Semelhante a O contrato didático que rege as situações de (20)

4
44
4
 
Tese
TeseTese
Tese
 
Analise psicologica em sala
Analise psicologica em salaAnalise psicologica em sala
Analise psicologica em sala
 
A eficacia-das-escolas-nao-se-mede
A eficacia-das-escolas-nao-se-medeA eficacia-das-escolas-nao-se-mede
A eficacia-das-escolas-nao-se-mede
 
Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
 
Compreender a (in)disciplina na sala de aula: uma análise das relações de con...
Compreender a (in)disciplina na sala de aula: uma análise das relações de con...Compreender a (in)disciplina na sala de aula: uma análise das relações de con...
Compreender a (in)disciplina na sala de aula: uma análise das relações de con...
 
Educandos e educadores 03 09
Educandos e educadores 03 09Educandos e educadores 03 09
Educandos e educadores 03 09
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
 
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.pptPAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
 
Lima e santos
Lima e santosLima e santos
Lima e santos
 
Eixo2
Eixo2Eixo2
Eixo2
 
As relações interativas em sala de aula
As relações interativas em sala de aulaAs relações interativas em sala de aula
As relações interativas em sala de aula
 
Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06
 
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNOS NO INÍCIO DA DOCÊNCIA DE UMA JOVEM PROFESSORA UNIVE...
 
Indisciplina na sala de aula algumas reflexoes
Indisciplina na sala de aula  algumas reflexoesIndisciplina na sala de aula  algumas reflexoes
Indisciplina na sala de aula algumas reflexoes
 
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
 
INGRESSO PROFISSIONAL: O APRENDIZADO DA DOCÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR
INGRESSO PROFISSIONAL: O APRENDIZADO DA DOCÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLARINGRESSO PROFISSIONAL: O APRENDIZADO DA DOCÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR
INGRESSO PROFISSIONAL: O APRENDIZADO DA DOCÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR
 
4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso
4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso
4. Lerner. DéLia. Ler Escrever Escola. Paulo Deloroso
 
Apresentação ler e escrever
Apresentação ler e escreverApresentação ler e escrever
Apresentação ler e escrever
 
Bibliotecarbe6
Bibliotecarbe6Bibliotecarbe6
Bibliotecarbe6
 

Mais de formacaodecoordenadores

Mais de formacaodecoordenadores (8)

O contexto escolar
O contexto escolarO contexto escolar
O contexto escolar
 
A concepção de ensino e aprendizagem
A concepção de ensino e aprendizagemA concepção de ensino e aprendizagem
A concepção de ensino e aprendizagem
 
A crença do aluno na capacidade de aprender
A crença do aluno na capacidade de aprenderA crença do aluno na capacidade de aprender
A crença do aluno na capacidade de aprender
 
A intervenção pedagógica
A intervenção pedagógicaA intervenção pedagógica
A intervenção pedagógica
 
A relação da familia com a aprendizagem
A relação da familia com a aprendizagemA relação da familia com a aprendizagem
A relação da familia com a aprendizagem
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aulaGestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
Organização em função dos objetivos
Organização em função dos objetivosOrganização em função dos objetivos
Organização em função dos objetivos
 
A relação da família com a aprendizagem
A relação da família com a aprendizagemA relação da família com a aprendizagem
A relação da família com a aprendizagem
 

O contrato didático que rege as situações de

  • 1. O CONTRATO DIDÁTICO QUE REGE AS SITUAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM São regras próprias da escola que REGULAM ESTABELECEM MODELAM a relação que o direitos e deveres os papéis dos aluno e o professor em relação às diferentes atores do mantêm com o situações de ensino processo educativo conhecimento e aprendizagem
  • 2. DIREITOS E DEVERES EM RELAÇÃO ÀS SITUAÇÕES DE ENSINO APRENDIZAGEM DOS CONTEÚDOS ESCOLARES  O imaginário social está povoado de crenças e expectativas sobre os papéis que professor e aluno mantêm na rotina escolar.  EX: Historicamente, a responsabilidade pela correção de uma produção de texto sempre foi do professor.Se tivermos como objetivo didático que o próprio aluno analise criticamente suas produções e consequentemente corrigí-los, tanto o papel do professor quanto do aluno está sendo subvertido.
  • 3. O QUE ACONTECE ?  ALUNOS: Passam a assumir parte da responsabilidade que era exclusivamente do professor (corrigir textos).  PROFESSOR: Assume uma nova responsabilidade, que é a de ensinar os alunos a desenvolver atitude crítica e procedimentos de análise. Precisará fazer um tipo de correção diferente da que fazia-se até então.
  • 4. RESULTADO  Esse novo objetivo cria novas necessidades para a prática; e exige mudanças em um CONTRATO DIDÁTICO antigo em relação à correção de textos produzidos.  Se compreendemos a implicação disso, fica mais fácil entender, por exemplo, as eventuais resistências dos alunos em realizar o árduo trabalho de revisão do que produzem.
  • 5. PRESENÇA DE UM CONTRATO DIDÁTICO  A inexistência de um contrato claro e compartilhado por todos, favorece a projeção de diferentes representações dos envolvidos nas relações que tem lugar na escola, dessa forma acabam sendo inevitáveis os mal-entendidos e frequentes conflitos.  Diante disso, a presença de um contrato bem elaborado e socializado com todos da escola, pode evitar interpretações distorcidas que, ainda assim, certamente acontecerão.  As representações pessoais em relação ao contrato interferem consideravelmente nas relações educativas.
  • 6. A FALTA DE UM CONTRATO EXPLÍCITO PODE OCASIONAR PROJEÇÃO DE REPRESENTAÇÕES PESSOAIS A RESPEITO das obrigações das normas e das recíprocas e dos regras responsabilidades papéis que cabem a cada um
  • 7. COMO REORGANIZAR O CONTRATO DIDÁTICO ?  Quando os acontecimentos e as situações escolares estão sendo interpretados de acordo com as perspectivas e expectativas pessoais do educador é preciso uma reorganização do contrato didático , que implica em uma razoável capacidade de análise e de distanciamento por parte dos educadores para que se possa identificar quais são de fato os problemas, pois não se pode encontrar soluções para problemas que não forem identificados adequadamente.
  • 8. CONTINUAÇÃO  É preciso desvendar o contrato que rege as relações que têm lugar na escola e estabelecer quais são as modificações desejáveis, analisando suas prováveis consequências.  Compartilhar com todos as novas bases nas quais se assentam os direitos e deveres atuais dos atores do processo educativo.  Simone Alves  Vânia Barros  JUNHO DE 2012