SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Estágio Supervisionado
R2
Programa Especial de Formação
Prof. Ms. A.J.A.S. Junior
E-mail: atletcpower@hotmail.com
http://www.facebook.com/dimitry.junior
 https://twitter.com/atletcpower
ESTÁGIO
A implementação do estágio supervisionado
justifica-se pelo que estabelece a Lei 9394/96,
artigo 61:
I – a associação entre teorias e práticas, inclusive
mediante a capacitação em serviço;
II – aproveitamento da formação e experiências
anteriores em instituições de ensino e de outras
atividades.
LEI QUE AMPARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO
Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
LEI Nº 12.014, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.
Altera o art. 61 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com a finalidade de
discriminar as categorias de trabalhadores que se devem considerar profissionais da
educação.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu
sanciono a seguinte Lei:
Art. 1o O art. 61 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a
seguinte redação:
“Art. 61. Consideram-se profissionais da educação escolar básica os que, nela estando
em efetivo exercício e tendo sido formados em cursos reconhecidos, são:
I – professores habilitados em nível médio ou superior para a docência na educação
infantil e nos ensinos fundamental e médio;
II – trabalhadores em educação portadores de diploma de pedagogia, com habilitação
em administração, planejamento, supervisão, inspeção e orientação educacional, bem
como com títulos de mestrado ou doutorado nas mesmas áreas;
III – trabalhadores em educação, portadores de diploma de
curso técnico ou superior em área pedagógica ou afim.
Parágrafo único. A formação dos profissionais da educação, de modo a atender às
especificidades do exercício de suas atividades, bem como aos objetivos das
diferentes etapas e modalidades da educação básica, terá como fundamentos:
I – a presença de sólida formação básica, que propicie o conhecimento dos
fundamentos científicos e sociais de suas competências de trabalho;
II – a associação entre teorias e práticas, mediante estágios supervisionados e
capacitação em serviço;
III – o aproveitamento da formação e experiências anteriores, em instituições de
ensino e em outras atividades.” (NR)
Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 6 de agosto de 2009; 188o da Independência e 121o da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Fernando Haddad
Este texto não substitui o publicado no DOU de 7.8.2009
A sugestão é que o estágio seja realizado nos
três tipos de atividades/modalidades
(observação, regência e participação),
entretanto, é obrigatória a atividade de
observação, sendo facultativas as demais
atividades.
NORMAS GERAIS
O estágio curricular supervisionado de 300 horas será efetivado da seguinte forma:
I – 270 horas de estágio:
A – Observação /Regência ou Participação no Ensino Fundamental II ( de preferência
na disciplina da licenciatura pretendida): 90 horas;
B – Observação / Regência ou Participação no Ensino Médio (de preferência na
disciplina da licenciatura pretendida): 90 horas;
C – Observação / Regência ou Participação no Ensino Médio ou EJA (de preferência
na disciplina da licenciatura pretendida): 90 horas ;
D – 30 horas para a Elaboração do relatório final.
-----------------------------------------
300 de estagio Supervisionado +100 horas de atividade complementar
OBJETIVOS
Adquirir habilidades e competências para atuar
no contexto da educação com atitude científica –
pautada na observação cuidadosa da realidade,
na análise
sistemática de dados, na avaliação criteriosa de
variáveis – para, a partir daí, planejar e
desenvolver intervenções pertinentes
ESPECÍFICOS
Os Estágios Supervisionados do curso de licenciatura
em Educação Física têm como propósito articular
teoria e prática, configurando-se num mecanismo de
dinamização, atualização e aperfeiçoamento do curso,
sendo suas finalidades:
I – Garantir a compreensão teórica das condições
concretas e históricas em que se realiza a ação prática;
II – Instrumentalizar o acadêmico no sentido de sua
qualificação para a inserção no mundo do trabalho;
Redução do Estágio
Alunos que já lecionam ou lecionaram como
professores contratados em instituições de
ensino público ou privado, regularmente
oficializadas, e que ministram ou ministraram
aula no mesmo nível de educação de sua
habilitação, poderão ter a carga horária total de
estágio a ser cumprida reduzida em até
cinquenta por cento (50%) conforme dispensa
formalizada pelo professor de estágio.
PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO
 Neste caso, o aluno estagiário será
dispensado de acordo os seguintes critérios e
apresentação de documento comprobatório:
 • Redução em 25% para aqueles que
lecionaram até 6 meses.
• Redução em 50% para aqueles que
lecionaram acima de 12 meses.
Orientações para a dispensa de horas do Estágio
Curricular Supervisionado
 1º) O aluno deverá preencher o formulário de solicitação;
 2º) O aluno deverá entregar o pedido de dispensa, juntamente com a
documentação exigida para a mesma ao coordenador do curso que
frequenta;
 3º) o coordenador do curso deverá encaminhará a solicitação de
dispensa de horas para o docente responsável pela disciplina da qual o
aluno deseja abater as horas de estágio. Nesse encaminhamento é
necessário que o coordenador aponte o limite de horas que podem ser
abatidas, de acordo com o que existe de decisão neste assunto para cada
curso, respeitando-se o limite de 150 horas.
 4) O docente responsável pela disciplina, ao receber o encaminhamento
do coordenador do curso, deverá anexar na planilha de horas do aluno o
pedido de abatimento de horas com a documentação que garante esse
abatimento, apontando na planilha as horas abatidas.
Toda solicitação passará por uma análise da reitoria que dará a
palavra/aceite final
LOCAIS DE REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO
I – escolas públicas estaduais e/ou municipais,
II – escolas privadas;
III – qualquer que seja a instituição escolhida
para o estágio, a mesma deverá ser legalizada
e/ou autorizada.
DEVERES DO ESTAGIÁRIO
 I – Preencher a ficha de identificação;
 II - Manter atualizado o registro de frequência;
 III – Planejar sob a orientação do docente orientador, o
projeto de estágio;
 IV- Elaborar relatório parcial de atividades;
 V – Realizar auto-avaliação crítica;
 VI – observar os princípios da ética profissional mantendo
absoluto sigilo sobre os problemas que, eventualmente,
venha a conhecer;
NOTA
Será atribuída nota de 0,0 (zero) a 10,0 (dez).
 Será considerado aprovado nas disciplinas de
estágio curricular supervisionado o estudante
que obtiver média aritmética igual ou superior
a 7,0 (sete) e alcançar o mínimo de frequência
igual a 75% das aulas constantes na carga
horária curricular e 100% de frequência nas
atividades práticas do estágio.
 O aluno-estagiário deve realizar observações,
participações ou regências, sempre
com a orientação do
professor da disciplina.
DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES/
MODALIDADES
ATIVIDADES DE OBSERVAÇÃO
 O momento da observação se caracteriza pelo
acompanhamento da ação do professor no contexto da sala de
aula, de laboratórios e dos demais espaços adequados para o
processo ensino-aprendizagem.
 Que permitam ao estagiário um espaço de reflexão sobre a
realidade vivenciada.
 A prática desenvolvida pelo professor deve ser observada
quanto a aspectos relevantes como: conceitos, procedimentos,
postura didática, material utilizado, dinâmicas etc.
 PÁGINA 08 DO MANUAL
PONTOS A SEREM CONSIDERADOS
 Leitura da escola e da sala de aula: destacando objetivos, clareza,
coerência,
 adequação.
 Professor: postura, conhecimento e domínio do conteúdo, metodologia
 adotada etc.
 Aluno: interesse, participação, relacionamento, desempenho,
comportamento etc.
 Relacionamento: em relação ao professor com os alunos, dos alunos com
o professor e dos alunos entre si.
 Procedimento metodológico do professor: adequação, coerência,
diversificação, linha pedagógica adotada.
 Avaliação do desempenho do aluno: quanto à forma e sistematização.
 Outros
PARTICIPAÇÃO
O momento da participação deve possibilitar ao
estagiário a oportunidade de colaborar com o
professor e a escola em atividades de ensino de
modo geral.
Recomendamos, no entanto, que essa
participação seja proposta pelo professor
responsável pela sala ou executada de acordo
com a rotina escolar estabelecida.
Página 09 do manual
 Quando solicitado o estagiário poderá: preparar o
material didático para uma atividade específica, dar
assistência à aprendizagem, corrigir exercícios e provas.
 Elaborar programação de atividades, dirigir atividades no
horário de intervalo escolar, sempre seguindo as
orientações do professor responsável pela sala.
REGÊNCIA
O momento da regência deve proporcionar ao
estagiário a oportunidade de ministrar aulas ou
desenvolver atividades diretamente relacionadas ao
processo ensino aprendizagem, sob a orientação do
professor responsável pela sala.
Página 09 do manual
SUGESTÕES DE ATIVIDADES
 Planejar e desenvolver projetos interdisciplinares de
atividades educacionais, sobre temas sugeridos pelo contexto
da escola, de sala de aula, por alunos ou pelo docente da
classe;
 Projetos de produção de materiais didáticos ou instrucionais
como: jogos, atividades, textos, cartazes, álbuns seriados etc.;
 Planejar e ministrar aulas solicitadas ou sugeridas pelo
professor da classe e com acompanhamento deste;
 Outras atividades planejadas e desenvolvidas pelo aluno
estagiário em que haja participação de alunos da escola
estagiada.
REGISTROS
Fichas
Será enviado um Arquivo em Word para todos
os alunos, sendo assim a única coisa que
precisarão fazer será inserir as informações.
MODELOS DE FICHAS
RELATÓRIO FINAL
Será enviado um Arquivo em Word para todos
os alunos, sendo assim a única coisa que
precisarão fazer será inserir as informações.
ORIENTAÇÕES PARA
A APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO
 Até seis meses após o último dia de aula , o aluno deverá
entregar dois volumes de documentos:
 1º Pasta de estágio (contendo relatório final e todas as fichas
preenchidas – digitadas ou manuscritas);
 2º Monografia com 35 laudas /páginas;
FORMATAÇÃO DO RELATÓRIO
 Apresentação- O relatório final de estágio supervisionado
deve ser encadernado em Brochura.
 b) Espaçamento:
 1,5 (um e meio) para o texto geral.
 Simples - deve ser usado apenas em tabelas longas, notas
de rodapé, notas de fim de texto, títulos com mais de
uma linha, nas referências bibliográficas e divisões
secundárias do sumário, segundo as normas da ABNT
(Associação Brasileira de Normas Técnicas).
 Parágrafo: 1 tab ou 1 tabulação
 Margens / Numeração das páginas
 -As margens devem ter as seguintes dimensões:
 Superior: 3 cm
 Inferior: 2 cm
 Esquerda: 3 cm
 Direita: 2 cm
 -Numeração das páginas: as páginas devem ser
numeradas a partir da página da introdução. Inserir no
final da página (rodapé). Alinhada a Direita.
 Papel / Fonte (tipo e tamanho)
 Papel: Tamanho: A4 (210 x 297 mm) Cor: Branco
 Alinhamento: Justificado
 Fonte:
 -Texto: Tamanho: 12/ Tipo: Arial/ Estilo: Normal
 -Títulos: Tamanho: 14 em Negrito /Tipo: Arial/
Estilo: Normal
 -Subtítulos: Tamanho 12 em negrito / Tipo:
Arial/ Estilo: Normal
SEQUÊNCIA DAS PÁGINAS
 Capa
 Folha de rosto
 Folha de Aprovação
 Agradecimentos (opcional)
 Dedicatória (opcional)
 Epígrafe (opcional)
 Sumário
 Introdução
 Texto/Corpo do trabalho (Dividido em Tópicos ).
 Referências (Bibliográficas e outras);
 Anexos
 Documentos do estágio/aluno/
 Currículo do aluno
 Capa Final
ORGANIZAÇÃO DO RELATÓRIO
Cuidados na escrita do trabalho
Escreva em terceira pessoa
Ao invés de escrever
• Objetivamos com esta pesquisa...
Escreva
• Esta pesquisa objetiva...
Cuidado com textos
vagos
“realizou uma série de entrevistas”
“foram realizadas visitas às escolas da região”
... nem todos...
... praticamente todos...
... vários deles ...
Metáforas, analogias,
gírias
O norte da pesquisa...
O combustível da pesquisa...
Caminho a percorrer...
Maré fraca nas matrículas...
Os resultados deixam a desejar...
Número um no coração dos alunos...
...a nível de...
...estourar como uma bomba...
...fechar com chave de ouro...
Metáforas, analogias,
gírias
O norte da pesquisa...
O combustível da pesquisa...
Caminho a percorrer...
Maré fraca nas matrículas...
Os resultados deixam a desejar...
Número um no coração dos alunos...
...a nível de...
...estourar como uma bomba...
...fechar com chave de ouro...
Evite palavras muito enfáticas
Adjetivos: magnífico, maravilhoso, sensacional,
espetacular,esplêndido, genial...
Superlativos: competentíssimo, extremamente importante...
Verbos fortes: infernizar, enfurecer, maravilhar...
Temos plena convicção que...
Todo pesquisador... Todo profissional...
Certamente...
Sem dúvida alguma...
Nunca/Sempre
Cuidado com as
pérolas
•“o desempenho tem sido calamitoso...”
•“dezenas de milhões de brasileiros galgaram...”
•“de olho neste filão,...”
•“eles são mais pé-no-chão...”
•“o principal surto de crescimento...”
•“X% de evasão escolar não chegam a assustar...”
•“colocou a classe sob a luz dos holofotes...”
•“enorme público”
•“foi feita uma grande observação”
Pérolas na Metodologia
• “Foram diversas conversas informais com educadores...”
• “Foi utilizada a pesquisa qualitativa, observacional e de estudo
de caso”
• “Foram feitas posteriormente entrevistas com a equipe...”
• Este trabalho tem o objetivo de ser um projeto único e
holístico...”
• “Foi utilizado o primeiro e único estudo acerca dessa teoria no
Brasil”
• “Entrevistas com pacientes reais...”
• “Através da coleta de dados internos da escola estudada...”
Problemas mais comuns
• Aluno se “apodera” da informação e não cita a fonte
• Gráficos sem a informação da fonte ou do ano da publicação
• Referencial bibliográfico pobre ou incompleto
• Siglas sem explicação
• Método confuso
• Linguagem coloquial em excesso
• Não segue a estrutura informada
• Objetivo pouco delimitado / falta de clareza
• Conclusão que ultrapassa os dados ou que não alcança os
objetivos
Links úteis
Dicas sobre TCC
http://noticias.universia.com.br/tag/especial-monografia/
Normas ABNT
https://www.youtube.com/watch?v=zSE05nQ9ZmY
Formatando do Word
https://www.youtube.com/watch?v=4nyRfo12QYM
Manual
http://www.utfpr.edu.br/dibib/normas-para-elaboracao-de-trabalhos-academicos/normas_trabalhos_utfpr.pdf
Links úteis
Monografando
Plataforma que formata trabalhos acadêmicos
http://www.baixaki.com.br/download/monografando.htm
Formatação de textos acadêmicos
http://fastformat.co/
Cite This for Me (em inglês)
Resolve os problemas de citação e coloca no formato ABNT
https://www.citethisforme.com/
Links úteis
Teses USP - http://www.teses.usp.br
Scielo - http://scielo.br/
Mais Monografia
http://www.maismonografia.com.br/como-fazer-tcc.htm
Slideshare
http://pt.slideshare.net
A sabedoria é o principal; adquire, pois, a sabedoria: sim com tudo o
que possuis, adquire o conhecimento (Provérbios 4.7).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemGerdian Teixeira
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Joao Balbi
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de ejaPaulo Sérgio
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxProfLeandrodosSantos
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMALeandro Marques
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemCleyton Carvalho
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Giselle Coutinho
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarMaryanne Monteiro
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosLinda-maria12
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professorcarmemlima
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialDirce Cristiane Camilotti
 

Mais procurados (20)

Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de eja
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMAEja – Formação e prática de professores - IFMA
Eja – Formação e prática de professores - IFMA
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e InovadorasEducação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Apresentação estágio 1
Apresentação estágio 1Apresentação estágio 1
Apresentação estágio 1
 
Estagio de observação
Estagio de observaçãoEstagio de observação
Estagio de observação
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
 
Plano de aula didatica
Plano de aula  didaticaPlano de aula  didatica
Plano de aula didatica
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Dissertação do Mestrado
Dissertação do MestradoDissertação do Mestrado
Dissertação do Mestrado
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 

Semelhante a Estagio supervisionado

1 manual de estagio
1 manual de estagio1 manual de estagio
1 manual de estagioWando Lima
 
Proposta rad final
Proposta rad finalProposta rad final
Proposta rad finalVitor Dias
 
Proposta rad final
Proposta rad finalProposta rad final
Proposta rad finalVitor Dias
 
0 --orientaes-gerais
0 --orientaes-gerais0 --orientaes-gerais
0 --orientaes-geraisAlan Carti
 
INFORMATIVO UCSAL
INFORMATIVO UCSALINFORMATIVO UCSAL
INFORMATIVO UCSALUcsal
 
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...www.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
RELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdf
RELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdfRELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdf
RELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdfluigiMassachusetts
 
Manual de atividades complementares 2015 direito (1)
Manual de atividades complementares 2015 direito (1)Manual de atividades complementares 2015 direito (1)
Manual de atividades complementares 2015 direito (1)Direito Fasec
 
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado Língua Ingle...
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado  Língua Ingle...Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado  Língua Ingle...
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado Língua Ingle...Fabione Gomes
 
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado  Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado Fabione Gomes
 
Pratica Profissional Supervisionada
Pratica Profissional SupervisionadaPratica Profissional Supervisionada
Pratica Profissional SupervisionadaMadalena10
 
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplinaManual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplinafamiliaestagio
 
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdfMANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdfHELENO FAVACHO
 
RESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
RESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETORESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
RESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETOAntônio Fernandes
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoriaEmanuel Bento
 

Semelhante a Estagio supervisionado (20)

1 manual de estagio
1 manual de estagio1 manual de estagio
1 manual de estagio
 
Manual do estagio utramig
Manual do estagio utramigManual do estagio utramig
Manual do estagio utramig
 
Ped normas ecs
Ped normas ecsPed normas ecs
Ped normas ecs
 
Proposta rad final
Proposta rad finalProposta rad final
Proposta rad final
 
Proposta rad final
Proposta rad finalProposta rad final
Proposta rad final
 
0 --orientaes-gerais
0 --orientaes-gerais0 --orientaes-gerais
0 --orientaes-gerais
 
INFORMATIVO UCSAL
INFORMATIVO UCSALINFORMATIVO UCSAL
INFORMATIVO UCSAL
 
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
 
Regulamento 2008[1]
Regulamento 2008[1]Regulamento 2008[1]
Regulamento 2008[1]
 
RELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdf
RELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdfRELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdf
RELATORIO ESTAGIO ENGENHARIA CIVIL.pdf
 
Manual de atividades complementares 2015 direito (1)
Manual de atividades complementares 2015 direito (1)Manual de atividades complementares 2015 direito (1)
Manual de atividades complementares 2015 direito (1)
 
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado Língua Ingle...
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado  Língua Ingle...Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado  Língua Ingle...
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado Língua Ingle...
 
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado  Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado
Resolução 04 2013 regulamento estágio curricular supervisionado
 
Sabrina tce
Sabrina tceSabrina tce
Sabrina tce
 
Pratica Profissional Supervisionada
Pratica Profissional SupervisionadaPratica Profissional Supervisionada
Pratica Profissional Supervisionada
 
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplinaManual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
 
Manual estagio
Manual estagioManual estagio
Manual estagio
 
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdfMANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
 
RESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
RESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETORESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
RESOLUÇÃO SEE-MG nº 2018 de 06 janeiro 2012. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoria
 

Mais de Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU

Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoFaculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoFaculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisadoAprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisadoFaculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 

Mais de Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU (20)

Atletismo introdução
Atletismo  introduçãoAtletismo  introdução
Atletismo introdução
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Aula mini atletismo
Aula mini atletismoAula mini atletismo
Aula mini atletismo
 
Atletismo integrado
Atletismo integradoAtletismo integrado
Atletismo integrado
 
Principios gerais da corrida e saltos
Principios gerais da corrida e saltosPrincipios gerais da corrida e saltos
Principios gerais da corrida e saltos
 
Manual de treinamento de atletismo
Manual de treinamento de atletismoManual de treinamento de atletismo
Manual de treinamento de atletismo
 
Atletismo
Atletismo  Atletismo
Atletismo
 
Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem   Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem
 
Formas de intervenção psicomotora
Formas de intervenção psicomotoraFormas de intervenção psicomotora
Formas de intervenção psicomotora
 
Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais
 
metodologia científica da pesquisa
 metodologia científica da pesquisa metodologia científica da pesquisa
metodologia científica da pesquisa
 
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
 
Fundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológicaFundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológica
 
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicaçãoTecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
Tecnologias educacionais e tecnologias da informação e comunicação
 
Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem  Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem
 
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisadoAprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
Aprendizagem e cognição neuroanatomia em necessidades especiais revisado
 
Apresentação metodologia da pesquisa
Apresentação   metodologia da pesquisaApresentação   metodologia da pesquisa
Apresentação metodologia da pesquisa
 
Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais Tecnologias educacionais
Tecnologias educacionais
 
Prática pedagógica, didática geral e inovação tecnológica
Prática pedagógica, didática geral e inovação tecnológicaPrática pedagógica, didática geral e inovação tecnológica
Prática pedagógica, didática geral e inovação tecnológica
 
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpoMetodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
Metodologia do ensino de artes visuais e linguagem do corpo
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Estagio supervisionado

  • 1. Estágio Supervisionado R2 Programa Especial de Formação Prof. Ms. A.J.A.S. Junior E-mail: atletcpower@hotmail.com http://www.facebook.com/dimitry.junior  https://twitter.com/atletcpower
  • 2. ESTÁGIO A implementação do estágio supervisionado justifica-se pelo que estabelece a Lei 9394/96, artigo 61: I – a associação entre teorias e práticas, inclusive mediante a capacitação em serviço; II – aproveitamento da formação e experiências anteriores em instituições de ensino e de outras atividades.
  • 3. LEI QUE AMPARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.014, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. Altera o art. 61 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com a finalidade de discriminar as categorias de trabalhadores que se devem considerar profissionais da educação. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o O art. 61 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 61. Consideram-se profissionais da educação escolar básica os que, nela estando em efetivo exercício e tendo sido formados em cursos reconhecidos, são: I – professores habilitados em nível médio ou superior para a docência na educação infantil e nos ensinos fundamental e médio; II – trabalhadores em educação portadores de diploma de pedagogia, com habilitação em administração, planejamento, supervisão, inspeção e orientação educacional, bem como com títulos de mestrado ou doutorado nas mesmas áreas;
  • 4. III – trabalhadores em educação, portadores de diploma de curso técnico ou superior em área pedagógica ou afim. Parágrafo único. A formação dos profissionais da educação, de modo a atender às especificidades do exercício de suas atividades, bem como aos objetivos das diferentes etapas e modalidades da educação básica, terá como fundamentos: I – a presença de sólida formação básica, que propicie o conhecimento dos fundamentos científicos e sociais de suas competências de trabalho; II – a associação entre teorias e práticas, mediante estágios supervisionados e capacitação em serviço; III – o aproveitamento da formação e experiências anteriores, em instituições de ensino e em outras atividades.” (NR) Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 6 de agosto de 2009; 188o da Independência e 121o da República. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Fernando Haddad Este texto não substitui o publicado no DOU de 7.8.2009
  • 5. A sugestão é que o estágio seja realizado nos três tipos de atividades/modalidades (observação, regência e participação), entretanto, é obrigatória a atividade de observação, sendo facultativas as demais atividades.
  • 6. NORMAS GERAIS O estágio curricular supervisionado de 300 horas será efetivado da seguinte forma: I – 270 horas de estágio: A – Observação /Regência ou Participação no Ensino Fundamental II ( de preferência na disciplina da licenciatura pretendida): 90 horas; B – Observação / Regência ou Participação no Ensino Médio (de preferência na disciplina da licenciatura pretendida): 90 horas; C – Observação / Regência ou Participação no Ensino Médio ou EJA (de preferência na disciplina da licenciatura pretendida): 90 horas ; D – 30 horas para a Elaboração do relatório final. ----------------------------------------- 300 de estagio Supervisionado +100 horas de atividade complementar
  • 7. OBJETIVOS Adquirir habilidades e competências para atuar no contexto da educação com atitude científica – pautada na observação cuidadosa da realidade, na análise sistemática de dados, na avaliação criteriosa de variáveis – para, a partir daí, planejar e desenvolver intervenções pertinentes
  • 8. ESPECÍFICOS Os Estágios Supervisionados do curso de licenciatura em Educação Física têm como propósito articular teoria e prática, configurando-se num mecanismo de dinamização, atualização e aperfeiçoamento do curso, sendo suas finalidades: I – Garantir a compreensão teórica das condições concretas e históricas em que se realiza a ação prática; II – Instrumentalizar o acadêmico no sentido de sua qualificação para a inserção no mundo do trabalho;
  • 9. Redução do Estágio Alunos que já lecionam ou lecionaram como professores contratados em instituições de ensino público ou privado, regularmente oficializadas, e que ministram ou ministraram aula no mesmo nível de educação de sua habilitação, poderão ter a carga horária total de estágio a ser cumprida reduzida em até cinquenta por cento (50%) conforme dispensa formalizada pelo professor de estágio.
  • 10. PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO  Neste caso, o aluno estagiário será dispensado de acordo os seguintes critérios e apresentação de documento comprobatório:  • Redução em 25% para aqueles que lecionaram até 6 meses. • Redução em 50% para aqueles que lecionaram acima de 12 meses.
  • 11. Orientações para a dispensa de horas do Estágio Curricular Supervisionado  1º) O aluno deverá preencher o formulário de solicitação;  2º) O aluno deverá entregar o pedido de dispensa, juntamente com a documentação exigida para a mesma ao coordenador do curso que frequenta;  3º) o coordenador do curso deverá encaminhará a solicitação de dispensa de horas para o docente responsável pela disciplina da qual o aluno deseja abater as horas de estágio. Nesse encaminhamento é necessário que o coordenador aponte o limite de horas que podem ser abatidas, de acordo com o que existe de decisão neste assunto para cada curso, respeitando-se o limite de 150 horas.  4) O docente responsável pela disciplina, ao receber o encaminhamento do coordenador do curso, deverá anexar na planilha de horas do aluno o pedido de abatimento de horas com a documentação que garante esse abatimento, apontando na planilha as horas abatidas. Toda solicitação passará por uma análise da reitoria que dará a palavra/aceite final
  • 12. LOCAIS DE REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO I – escolas públicas estaduais e/ou municipais, II – escolas privadas; III – qualquer que seja a instituição escolhida para o estágio, a mesma deverá ser legalizada e/ou autorizada.
  • 13. DEVERES DO ESTAGIÁRIO  I – Preencher a ficha de identificação;  II - Manter atualizado o registro de frequência;  III – Planejar sob a orientação do docente orientador, o projeto de estágio;  IV- Elaborar relatório parcial de atividades;  V – Realizar auto-avaliação crítica;  VI – observar os princípios da ética profissional mantendo absoluto sigilo sobre os problemas que, eventualmente, venha a conhecer;
  • 14. NOTA Será atribuída nota de 0,0 (zero) a 10,0 (dez).  Será considerado aprovado nas disciplinas de estágio curricular supervisionado o estudante que obtiver média aritmética igual ou superior a 7,0 (sete) e alcançar o mínimo de frequência igual a 75% das aulas constantes na carga horária curricular e 100% de frequência nas atividades práticas do estágio.
  • 15.  O aluno-estagiário deve realizar observações, participações ou regências, sempre com a orientação do professor da disciplina.
  • 17. ATIVIDADES DE OBSERVAÇÃO  O momento da observação se caracteriza pelo acompanhamento da ação do professor no contexto da sala de aula, de laboratórios e dos demais espaços adequados para o processo ensino-aprendizagem.  Que permitam ao estagiário um espaço de reflexão sobre a realidade vivenciada.  A prática desenvolvida pelo professor deve ser observada quanto a aspectos relevantes como: conceitos, procedimentos, postura didática, material utilizado, dinâmicas etc.  PÁGINA 08 DO MANUAL
  • 18. PONTOS A SEREM CONSIDERADOS  Leitura da escola e da sala de aula: destacando objetivos, clareza, coerência,  adequação.  Professor: postura, conhecimento e domínio do conteúdo, metodologia  adotada etc.  Aluno: interesse, participação, relacionamento, desempenho, comportamento etc.  Relacionamento: em relação ao professor com os alunos, dos alunos com o professor e dos alunos entre si.  Procedimento metodológico do professor: adequação, coerência, diversificação, linha pedagógica adotada.  Avaliação do desempenho do aluno: quanto à forma e sistematização.  Outros
  • 19. PARTICIPAÇÃO O momento da participação deve possibilitar ao estagiário a oportunidade de colaborar com o professor e a escola em atividades de ensino de modo geral. Recomendamos, no entanto, que essa participação seja proposta pelo professor responsável pela sala ou executada de acordo com a rotina escolar estabelecida. Página 09 do manual
  • 20.  Quando solicitado o estagiário poderá: preparar o material didático para uma atividade específica, dar assistência à aprendizagem, corrigir exercícios e provas.  Elaborar programação de atividades, dirigir atividades no horário de intervalo escolar, sempre seguindo as orientações do professor responsável pela sala.
  • 21. REGÊNCIA O momento da regência deve proporcionar ao estagiário a oportunidade de ministrar aulas ou desenvolver atividades diretamente relacionadas ao processo ensino aprendizagem, sob a orientação do professor responsável pela sala. Página 09 do manual
  • 22. SUGESTÕES DE ATIVIDADES  Planejar e desenvolver projetos interdisciplinares de atividades educacionais, sobre temas sugeridos pelo contexto da escola, de sala de aula, por alunos ou pelo docente da classe;  Projetos de produção de materiais didáticos ou instrucionais como: jogos, atividades, textos, cartazes, álbuns seriados etc.;  Planejar e ministrar aulas solicitadas ou sugeridas pelo professor da classe e com acompanhamento deste;  Outras atividades planejadas e desenvolvidas pelo aluno estagiário em que haja participação de alunos da escola estagiada.
  • 23. REGISTROS Fichas Será enviado um Arquivo em Word para todos os alunos, sendo assim a única coisa que precisarão fazer será inserir as informações.
  • 25.
  • 26.
  • 27. RELATÓRIO FINAL Será enviado um Arquivo em Word para todos os alunos, sendo assim a única coisa que precisarão fazer será inserir as informações.
  • 28. ORIENTAÇÕES PARA A APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO  Até seis meses após o último dia de aula , o aluno deverá entregar dois volumes de documentos:  1º Pasta de estágio (contendo relatório final e todas as fichas preenchidas – digitadas ou manuscritas);  2º Monografia com 35 laudas /páginas;
  • 29. FORMATAÇÃO DO RELATÓRIO  Apresentação- O relatório final de estágio supervisionado deve ser encadernado em Brochura.  b) Espaçamento:  1,5 (um e meio) para o texto geral.  Simples - deve ser usado apenas em tabelas longas, notas de rodapé, notas de fim de texto, títulos com mais de uma linha, nas referências bibliográficas e divisões secundárias do sumário, segundo as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).  Parágrafo: 1 tab ou 1 tabulação
  • 30.  Margens / Numeração das páginas  -As margens devem ter as seguintes dimensões:  Superior: 3 cm  Inferior: 2 cm  Esquerda: 3 cm  Direita: 2 cm  -Numeração das páginas: as páginas devem ser numeradas a partir da página da introdução. Inserir no final da página (rodapé). Alinhada a Direita.  Papel / Fonte (tipo e tamanho)
  • 31.  Papel: Tamanho: A4 (210 x 297 mm) Cor: Branco  Alinhamento: Justificado  Fonte:  -Texto: Tamanho: 12/ Tipo: Arial/ Estilo: Normal  -Títulos: Tamanho: 14 em Negrito /Tipo: Arial/ Estilo: Normal  -Subtítulos: Tamanho 12 em negrito / Tipo: Arial/ Estilo: Normal
  • 32. SEQUÊNCIA DAS PÁGINAS  Capa  Folha de rosto  Folha de Aprovação  Agradecimentos (opcional)  Dedicatória (opcional)  Epígrafe (opcional)  Sumário  Introdução  Texto/Corpo do trabalho (Dividido em Tópicos ).  Referências (Bibliográficas e outras);  Anexos  Documentos do estágio/aluno/  Currículo do aluno  Capa Final
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Cuidados na escrita do trabalho
  • 39. Escreva em terceira pessoa Ao invés de escrever • Objetivamos com esta pesquisa... Escreva • Esta pesquisa objetiva...
  • 40. Cuidado com textos vagos “realizou uma série de entrevistas” “foram realizadas visitas às escolas da região” ... nem todos... ... praticamente todos... ... vários deles ...
  • 41. Metáforas, analogias, gírias O norte da pesquisa... O combustível da pesquisa... Caminho a percorrer... Maré fraca nas matrículas... Os resultados deixam a desejar... Número um no coração dos alunos... ...a nível de... ...estourar como uma bomba... ...fechar com chave de ouro...
  • 42. Metáforas, analogias, gírias O norte da pesquisa... O combustível da pesquisa... Caminho a percorrer... Maré fraca nas matrículas... Os resultados deixam a desejar... Número um no coração dos alunos... ...a nível de... ...estourar como uma bomba... ...fechar com chave de ouro...
  • 43. Evite palavras muito enfáticas Adjetivos: magnífico, maravilhoso, sensacional, espetacular,esplêndido, genial... Superlativos: competentíssimo, extremamente importante... Verbos fortes: infernizar, enfurecer, maravilhar... Temos plena convicção que... Todo pesquisador... Todo profissional... Certamente... Sem dúvida alguma... Nunca/Sempre
  • 44. Cuidado com as pérolas •“o desempenho tem sido calamitoso...” •“dezenas de milhões de brasileiros galgaram...” •“de olho neste filão,...” •“eles são mais pé-no-chão...” •“o principal surto de crescimento...” •“X% de evasão escolar não chegam a assustar...” •“colocou a classe sob a luz dos holofotes...” •“enorme público” •“foi feita uma grande observação”
  • 45. Pérolas na Metodologia • “Foram diversas conversas informais com educadores...” • “Foi utilizada a pesquisa qualitativa, observacional e de estudo de caso” • “Foram feitas posteriormente entrevistas com a equipe...” • Este trabalho tem o objetivo de ser um projeto único e holístico...” • “Foi utilizado o primeiro e único estudo acerca dessa teoria no Brasil” • “Entrevistas com pacientes reais...” • “Através da coleta de dados internos da escola estudada...”
  • 46. Problemas mais comuns • Aluno se “apodera” da informação e não cita a fonte • Gráficos sem a informação da fonte ou do ano da publicação • Referencial bibliográfico pobre ou incompleto • Siglas sem explicação • Método confuso • Linguagem coloquial em excesso • Não segue a estrutura informada • Objetivo pouco delimitado / falta de clareza • Conclusão que ultrapassa os dados ou que não alcança os objetivos
  • 47. Links úteis Dicas sobre TCC http://noticias.universia.com.br/tag/especial-monografia/ Normas ABNT https://www.youtube.com/watch?v=zSE05nQ9ZmY Formatando do Word https://www.youtube.com/watch?v=4nyRfo12QYM Manual http://www.utfpr.edu.br/dibib/normas-para-elaboracao-de-trabalhos-academicos/normas_trabalhos_utfpr.pdf
  • 48. Links úteis Monografando Plataforma que formata trabalhos acadêmicos http://www.baixaki.com.br/download/monografando.htm Formatação de textos acadêmicos http://fastformat.co/ Cite This for Me (em inglês) Resolve os problemas de citação e coloca no formato ABNT https://www.citethisforme.com/
  • 49. Links úteis Teses USP - http://www.teses.usp.br Scielo - http://scielo.br/ Mais Monografia http://www.maismonografia.com.br/como-fazer-tcc.htm Slideshare http://pt.slideshare.net
  • 50. A sabedoria é o principal; adquire, pois, a sabedoria: sim com tudo o que possuis, adquire o conhecimento (Provérbios 4.7).