SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Erivelton Marinheiro da Silva
Estudante do 5º período de Medicina da Universidade do Estado do Amazonas - UEA
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
FUNÇÃO DO SNA

Tem por finalidade regular a atividade visceral do
corpo (músculos involuntários e glândulas).
Langley (1903): Podemos considerar “como fibras
autonômicas aquelas que dão origem aos reflexos em
tecidos autonômicos, e que são incapazes de originar
diretamente a sensação”.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO:
ANATOMIA

É composto por três divisões anatômicas:
1- Sistema Nervoso Autônomo SIMPÁTICO;
2- Sistema Nervoso Autônomo PARASSIMPÁTICO;
3- Sistema Nervoso ENTÉRICO.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO:
ANATOMIA
Sistema Nervoso Autônomo SIMPÁTICO
Cadeia simpática paravertebral localizada entre T1 a L2
Vínculo com S.N.C e órgãos periféricos;
Via eferente com dois neurônios;
Sinapses nos gânglios autônomos;
Corpos celulares no corno lateral da medula espinal.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO:
ANATOMIA SIMPÁTICO
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO:
ANATOMIA
Sistema Nervoso Autônomo PARASSIMPÁTICO
Localização no tronco encefálico [emergência dos nervos cranianos
III(oculomotor), VII (facial), IX(Glossofaríngeo) e X (Vago)] e S2 a S4.
Vínculo com S.N.C e órgãos periféricos;
Via eferente com dois neurônios;
Sinapses nos gânglios autônomos;
Corpos celulares no corno lateral da medula espinal.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO:
PARASSIMPÁTICO NO TRONCO ENCEFÁLICO
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO:
PARASSIMPÁTICO NA MEDULA (S2 a S4)
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Sistema Nervoso Autônomo ENTÉRICO
Corpos dos neurônios localizados nos plexos intramurais
da parede do intestino;
Alguns neurônios atuam como quimiorreceptores e
mecanorreceptores;
Os nervos do simpático e parassimpático terminam em
neurônios entéricos.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Princípios da Regulação
Não são somente oponentes fisiológicos;
Em alguns lugares tem produção de efeitos opostos;
Ex: mm. Liso do intestino, bexiga e no coração.
Outros predomina só um sistema;
Ex: vasos sanguíneos, glândulas sudoríparas(simpático)
e músculo ciliar do olho(parassimpático);
No dia a dia agem do modo continuo.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Regulação Central da função visceral
Ocorre em dois pontos: cérebro e tronco cerebral.
As respostas produzidas no hemisfério cerebral
tendem a ser canalizadas pelo hipotálamo.
Diversos grupos neuronais em diferentes níveis
influenciam a atividade autonômica.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Fisiologia do SNA
 Controle da musculatura lisa (visceral e vascular);
 As secreções exócrinas (e algumas endócrinas);
 Frequência e a força de contração cardíaca;
 Certos processos metabólicos;
 Atividade simpática aumenta em situações de estresse;
 A parassimpática predomina durante a saciedade e repouso;
 Em normalidade, ambos exercem o controle fisiológico continuo
sobre órgãos específicos.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo
Os principais neurotransmissores do SNA são:
1 – Acetilcolina.
- Age nos receptores nicotínicos e muscarínicos.
2 – Norepinefrina.
- Age nos receptores muscarínicos.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo
Os
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo
 Os neurônios pré-ganglionares são colinérgicos, e a
transmissão ocorre através de receptores nicotínicos de
Ach.
 Todas as fibras simpáticas pós-ganglionares (menos da
glândula sudorípara - muscarínicos) liberam noradrenalina
que pode agir em receptores α e β.
 Fibras do parassimpático pós-sináptico são colinergicos,
atuando em receptores muscarínicos de órgãos-alvo.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
PRINCÍPIO DE DALE
“Um neurônio maduro libera o mesmo transmissor
(ou transmissores) em todas as suas sinapses.”

M.M. DALE
PROFESSOR SENIOR DO DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE OXFORD, OXFORD, REINO
UNIDO
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
SUPERSENSIBILIDADE POR DESNERVAÇÃO
Nervo seccionado torna-se supersensível.
Mecanismos responsáveis pela supersensibilização:
1 – Proliferação de receptores;
2 – Perda de mecanismos de remoção de transmissor;
- Perda parcial da colinesterase.
3 – Aumento da responsividade juncional.
- células da musculatura lisa parcialmente despolarizada e
hiperexcitaveis.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
SUPERSENSIBILIDADE POR DESNERVAÇÃO
A supersensibilidade pode ocorrer de modo menos
acentuado mesmo sem secção do nervo, em casos de
bloqueio farmacológico.
Cuidados com os efeitos rebotes.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
MODULAÇÃO PRÉ-SINAPTICA
Interações heterotrópicas.
- Um neurotransmissor afeta a liberação do outro.
Interações homotrópicas.
- Retroalimentação (feedback) autoinibitória.
Inibição dos canais de cálcio e abertura dos canais de
potássio.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
MODULAÇÃO PÓS-SINAPTICA
Mediadores químicos que agem aumentando ou
inibindo alguns canais iônicos ou receptores específicos
nos neurônios pós sinápticos.
Ex: substância p, opióides, benzodiazepínicos.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
COTRANSMISSÃO
Mais de um neurotransmissor é liberado do neurônio.
Autorregulação.
Mais de um alvo.
Essa liberação tem como vantagem a permanência
mais prolongada de transmissão sináptica.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
TÉRMINO DA AÇÃO DOS TRANSMISSORES
Mecanismo para o rápido processamento do
neurotransmissor.(ex: enzima acetilcolinesterase)
Captura ativa do neurotransmissor por proteínas
transportadoras. (ex: NET, SERT, DAT)
Esse transportadores são importantes alvos para fármacos
psicoativos. (antidepressivos, ansiolíticos e estimulantes)
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Principios Gerais da Transmissão Química
TÉRMINO DA AÇÃO DOS TRANSMISSORES
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Hiperidrose Localizada Congênita
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Incontinência urinária por Destruição do cone medular
Caracteriza-se por paralisia da atividade reflexa e
voluntária.
Não há consciência sobre a repleção da bexiga.
Iniciação da micção é impossível
Tônus do detrusor abolido: incontinência por
transbordamento
Anestesia em sela.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Incontinência urinária por Destruição do cone medular
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Síndrome de Bernard-Horner
Enoftalmia unilateral
Miose
Ptose palpebral
Anidrose
Causas:
Lesão do gânglio cervical estrelado;
Interrupção das fibras pré-ganglionares na coluna
intermediolateral
Trauma cervical
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Síndrome de Bernard-Horner
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Pupila de Adie
Degeneração do gânglio ciliar e fibras
parassimpáticas.
Pupila afetada é discretamente dilatada em ambiente
luminoso.
Pouca reação a luz.
Reação à proximidade preservada.
Pupila de Adil + anidrose segmentar  síndrome de
Ross
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Pupila de Adie
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Paralisia autonômica aguda
Acometimento do parassimpático e simpático
Anidrose, hipotensão ortostática, paralisia dos
reflexos pupilares, perda do lacrimejamento e da
salivação, impotência, disfunção vesical e intestinal e
perda da resposta pilomotora e vasomotora.
Fadiga, aumento de proteínas do líquor.
Idiopático, pós-infecciosa ou paraneoplásica (raro).
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Neuropatia Sensorial e Autônoma Hereditária Tipo III ou
Síndrome de Riley-Day
Mutação em proteína relacionada a IkappaB
Condição congênita com falência da formação de
neurônios simpáticos de primeira e segunda ordem.
Preservação do parassimpático, com exceção do gânglio
esfenopalatino.
* Hipotensão; Labilidade da pressão arterial; Distúrbio de
regulação da temperatura; vômitos cíclicos; desnervação
pupilar, ausência de lacrimação.
* Hipoacusia; labilidade emocional; insensibilidade a dor;
ausência de papilas fungiformes na língua
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Neuropatia Sensorial e Autônoma Hereditária Tipo III ou
Síndrome de Riley-Day
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Neuropatia autonômica diabética
Afeta indivíduos com Diabetes tipos 1 e 2 de longa
evolução.
Manifestações em todos os sistemas com inervação
autonômica.
Reduz a percepção da hipoglicemia
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
Afecções do SNA
Neuropatia autonômica diabética
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Obrigado pela atenção.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
RANG, H.P; DALE, M.M. Rang & Dale Farmacologia:
Tradução da 7ª edição, Churchill Livingstone, Elsevier.
Slideshare;http://www.slideshare.net/caio_maximino/
aula-6-biomedicina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosJaqueline Almeida
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsPharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsCarlos D A Bersot
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicosAula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicosIrisdalva Oliveira
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaDr. Rafael Higashi
 
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.Karen Zanferrari
 

Mais procurados (20)

Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamicsPharmacokinetics and pharmacodynamics
Pharmacokinetics and pharmacodynamics
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
 
Anestesia venosa
Anestesia venosaAnestesia venosa
Anestesia venosa
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicosAula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
Aula 4 drogas colinérgicas e bloqueadores colinergicos
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
 
7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi7. farmacologia tgi
7. farmacologia tgi
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
 

Semelhante a Sistema nervoso autônomo

Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPgarciabohrerdaniel
 
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011neuroliga-nortemineira
 
A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...
A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...
A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...fernandoalvescosta3
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo Talina Carla
 
Sistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o EstresseSistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o EstresseMaíra Cerqueira
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoOlavo Valente
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSimone Maia
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoOlavo Valente
 
Aula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptx
Aula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptxAula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptx
Aula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptxLeilaFortes3
 
Sistema nervoso victor c speirs
Sistema nervoso   victor c speirsSistema nervoso   victor c speirs
Sistema nervoso victor c speirsJamile Vitória
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulabymau90
 

Semelhante a Sistema nervoso autônomo (20)

Fisiologia SNA.pptx
Fisiologia SNA.pptxFisiologia SNA.pptx
Fisiologia SNA.pptx
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
 
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
 
A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...
A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...
A disfunção autonômica cardíaca, caracterizada pelo desbalanço entre a ativid...
 
Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
 
Sistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o EstresseSistema Neuroendócrino e o Estresse
Sistema Neuroendócrino e o Estresse
 
Sistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomoSistema nervoso autônomo
Sistema nervoso autônomo
 
Sna enfermagem
Sna  enfermagemSna  enfermagem
Sna enfermagem
 
Sna enfermagem
Sna  enfermagemSna  enfermagem
Sna enfermagem
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
 
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso AutônomoSistema Nervoso Autônomo
Sistema Nervoso Autônomo
 
Sistema nervoso
Sistema nervoso Sistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso visceral
Sistema nervoso visceralSistema nervoso visceral
Sistema nervoso visceral
 
Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1
 
Aula 6 Biomedicina
Aula 6 BiomedicinaAula 6 Biomedicina
Aula 6 Biomedicina
 
Aula 6 Biomedicina
Aula 6 BiomedicinaAula 6 Biomedicina
Aula 6 Biomedicina
 
Aula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptx
Aula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptxAula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptx
Aula 02 Fisiologia Humana_Sistema Nervoso Autônomo-parte I - 26-08-20.pptx
 
Sistema nervoso victor c speirs
Sistema nervoso   victor c speirsSistema nervoso   victor c speirs
Sistema nervoso victor c speirs
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aula
 

Último

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (7)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

Sistema nervoso autônomo

  • 1. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Erivelton Marinheiro da Silva Estudante do 5º período de Medicina da Universidade do Estado do Amazonas - UEA
  • 2. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO FUNÇÃO DO SNA Tem por finalidade regular a atividade visceral do corpo (músculos involuntários e glândulas). Langley (1903): Podemos considerar “como fibras autonômicas aquelas que dão origem aos reflexos em tecidos autonômicos, e que são incapazes de originar diretamente a sensação”.
  • 3. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO: ANATOMIA É composto por três divisões anatômicas: 1- Sistema Nervoso Autônomo SIMPÁTICO; 2- Sistema Nervoso Autônomo PARASSIMPÁTICO; 3- Sistema Nervoso ENTÉRICO.
  • 4. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO: ANATOMIA Sistema Nervoso Autônomo SIMPÁTICO Cadeia simpática paravertebral localizada entre T1 a L2 Vínculo com S.N.C e órgãos periféricos; Via eferente com dois neurônios; Sinapses nos gânglios autônomos; Corpos celulares no corno lateral da medula espinal.
  • 6. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO: ANATOMIA Sistema Nervoso Autônomo PARASSIMPÁTICO Localização no tronco encefálico [emergência dos nervos cranianos III(oculomotor), VII (facial), IX(Glossofaríngeo) e X (Vago)] e S2 a S4. Vínculo com S.N.C e órgãos periféricos; Via eferente com dois neurônios; Sinapses nos gânglios autônomos; Corpos celulares no corno lateral da medula espinal.
  • 9. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Sistema Nervoso Autônomo ENTÉRICO Corpos dos neurônios localizados nos plexos intramurais da parede do intestino; Alguns neurônios atuam como quimiorreceptores e mecanorreceptores; Os nervos do simpático e parassimpático terminam em neurônios entéricos.
  • 10. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Princípios da Regulação Não são somente oponentes fisiológicos; Em alguns lugares tem produção de efeitos opostos; Ex: mm. Liso do intestino, bexiga e no coração. Outros predomina só um sistema; Ex: vasos sanguíneos, glândulas sudoríparas(simpático) e músculo ciliar do olho(parassimpático); No dia a dia agem do modo continuo.
  • 11. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Regulação Central da função visceral Ocorre em dois pontos: cérebro e tronco cerebral. As respostas produzidas no hemisfério cerebral tendem a ser canalizadas pelo hipotálamo. Diversos grupos neuronais em diferentes níveis influenciam a atividade autonômica.
  • 12. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Fisiologia do SNA  Controle da musculatura lisa (visceral e vascular);  As secreções exócrinas (e algumas endócrinas);  Frequência e a força de contração cardíaca;  Certos processos metabólicos;  Atividade simpática aumenta em situações de estresse;  A parassimpática predomina durante a saciedade e repouso;  Em normalidade, ambos exercem o controle fisiológico continuo sobre órgãos específicos.
  • 13. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo Os principais neurotransmissores do SNA são: 1 – Acetilcolina. - Age nos receptores nicotínicos e muscarínicos. 2 – Norepinefrina. - Age nos receptores muscarínicos.
  • 14. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo Os
  • 15. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo
  • 16. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Transmissores no Sistema Nervoso Autônomo  Os neurônios pré-ganglionares são colinérgicos, e a transmissão ocorre através de receptores nicotínicos de Ach.  Todas as fibras simpáticas pós-ganglionares (menos da glândula sudorípara - muscarínicos) liberam noradrenalina que pode agir em receptores α e β.  Fibras do parassimpático pós-sináptico são colinergicos, atuando em receptores muscarínicos de órgãos-alvo.
  • 17. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química PRINCÍPIO DE DALE “Um neurônio maduro libera o mesmo transmissor (ou transmissores) em todas as suas sinapses.” M.M. DALE PROFESSOR SENIOR DO DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE OXFORD, OXFORD, REINO UNIDO
  • 18. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química SUPERSENSIBILIDADE POR DESNERVAÇÃO Nervo seccionado torna-se supersensível. Mecanismos responsáveis pela supersensibilização: 1 – Proliferação de receptores; 2 – Perda de mecanismos de remoção de transmissor; - Perda parcial da colinesterase. 3 – Aumento da responsividade juncional. - células da musculatura lisa parcialmente despolarizada e hiperexcitaveis.
  • 19. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química SUPERSENSIBILIDADE POR DESNERVAÇÃO A supersensibilidade pode ocorrer de modo menos acentuado mesmo sem secção do nervo, em casos de bloqueio farmacológico. Cuidados com os efeitos rebotes.
  • 20. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química MODULAÇÃO PRÉ-SINAPTICA Interações heterotrópicas. - Um neurotransmissor afeta a liberação do outro. Interações homotrópicas. - Retroalimentação (feedback) autoinibitória. Inibição dos canais de cálcio e abertura dos canais de potássio.
  • 21. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química MODULAÇÃO PÓS-SINAPTICA Mediadores químicos que agem aumentando ou inibindo alguns canais iônicos ou receptores específicos nos neurônios pós sinápticos. Ex: substância p, opióides, benzodiazepínicos.
  • 22. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química COTRANSMISSÃO Mais de um neurotransmissor é liberado do neurônio. Autorregulação. Mais de um alvo. Essa liberação tem como vantagem a permanência mais prolongada de transmissão sináptica.
  • 23. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química TÉRMINO DA AÇÃO DOS TRANSMISSORES Mecanismo para o rápido processamento do neurotransmissor.(ex: enzima acetilcolinesterase) Captura ativa do neurotransmissor por proteínas transportadoras. (ex: NET, SERT, DAT) Esse transportadores são importantes alvos para fármacos psicoativos. (antidepressivos, ansiolíticos e estimulantes)
  • 24. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Principios Gerais da Transmissão Química TÉRMINO DA AÇÃO DOS TRANSMISSORES
  • 25. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Hiperidrose Localizada Congênita
  • 26. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Incontinência urinária por Destruição do cone medular Caracteriza-se por paralisia da atividade reflexa e voluntária. Não há consciência sobre a repleção da bexiga. Iniciação da micção é impossível Tônus do detrusor abolido: incontinência por transbordamento Anestesia em sela.
  • 27. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Incontinência urinária por Destruição do cone medular
  • 28. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Síndrome de Bernard-Horner Enoftalmia unilateral Miose Ptose palpebral Anidrose Causas: Lesão do gânglio cervical estrelado; Interrupção das fibras pré-ganglionares na coluna intermediolateral Trauma cervical
  • 29. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Síndrome de Bernard-Horner
  • 30. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Pupila de Adie Degeneração do gânglio ciliar e fibras parassimpáticas. Pupila afetada é discretamente dilatada em ambiente luminoso. Pouca reação a luz. Reação à proximidade preservada. Pupila de Adil + anidrose segmentar  síndrome de Ross
  • 31. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Pupila de Adie
  • 32. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Paralisia autonômica aguda Acometimento do parassimpático e simpático Anidrose, hipotensão ortostática, paralisia dos reflexos pupilares, perda do lacrimejamento e da salivação, impotência, disfunção vesical e intestinal e perda da resposta pilomotora e vasomotora. Fadiga, aumento de proteínas do líquor. Idiopático, pós-infecciosa ou paraneoplásica (raro).
  • 33. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Neuropatia Sensorial e Autônoma Hereditária Tipo III ou Síndrome de Riley-Day Mutação em proteína relacionada a IkappaB Condição congênita com falência da formação de neurônios simpáticos de primeira e segunda ordem. Preservação do parassimpático, com exceção do gânglio esfenopalatino. * Hipotensão; Labilidade da pressão arterial; Distúrbio de regulação da temperatura; vômitos cíclicos; desnervação pupilar, ausência de lacrimação. * Hipoacusia; labilidade emocional; insensibilidade a dor; ausência de papilas fungiformes na língua
  • 34. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Neuropatia Sensorial e Autônoma Hereditária Tipo III ou Síndrome de Riley-Day
  • 35. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Neuropatia autonômica diabética Afeta indivíduos com Diabetes tipos 1 e 2 de longa evolução. Manifestações em todos os sistemas com inervação autonômica. Reduz a percepção da hipoglicemia
  • 36. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Afecções do SNA Neuropatia autonômica diabética
  • 38. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS RANG, H.P; DALE, M.M. Rang & Dale Farmacologia: Tradução da 7ª edição, Churchill Livingstone, Elsevier. Slideshare;http://www.slideshare.net/caio_maximino/ aula-6-biomedicina

Notas do Editor

  1. {}