Envelhecimento ativo e snoezlen - vantagens paar idosos

400 visualizações

Publicada em

vantagens das salas de snoezelen para os idosos - incrementar a sua qualidade de vida

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
400
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Envelhecimento ativo e snoezlen - vantagens paar idosos

  1. 1. 1 Envelhecimento ativo e Snoezelen Vantagens para a população idosa, com e sem processos de demência Autores: Vaz de Almeida, Cristina; Mendes, Rita; Gonçalves, Ana* Resumo Este artigo visa fazer uma abordagem sobre a importância das salas de Snoezelen para a população idosa, contribuindo para um maior envelhecimento ativo, seja de pessoas com demência ou em processos normais de envelhecimento. São abordadas várias perspectivas e opiniões sobre o apoio deste tipo de estruturas alternativas na vida dos idosos, que lhes permitem uma vida com maior capacitação, estimulação e num lato sentido, uma maior dignidade. Pesem embora as estratégias iniciais do Snoezlen se orientassem para crianças e pessoas com deficiência, é larga a evidência comprovada já em muitos países, para além da Holanda, génese desta metodologia, que comprova a existência de claros benefícios para as pessoas idosas através dos estímulos sensoriais que se obtêm através destes equipamentos. Vários estudos sugerem que o contexto Snoezelen, para além de contribuir para a inibição de comportamentos agitados, estabiliza o humor e fomenta as relações interpessoais da população idosa com os seus cuidadores formais e informais. Tags: envelhecimento ativo, idosos, senescência, senilidade, estímulos sensoriais, snoezlen «O envelhecimento rápido da população europeia durante as próximas décadas e a iminente reforma da geração do «baby-boom» apresenta verdadeiros desafios. Muitas pessoas temem que a vida passe a ser mais
  2. 2. 2 difícil nas sociedades mais idosas onde passaremos a viver, sendo inevitáveis as tensões ou até mesmo o conflito aberto entre as gerações. László Andor Comissário responsável pelo Emprego, os Assuntos Sociais e a Inclusão. Introdução A publicação «Contribuição da UE para um envelhecimento ativo e solidariedade entre as gerações», editado em 2012, no Ano Europeu do envelhecimento Ativo e Solidariedade entre Gerações vem reforçar que «Apesar de velhice não ser sinónimo de incapacidade, o risco de possuir uma disfunção física ou mental aumenta drasticamente na terceira idade. Ajudar os inúmeros idosos que, em conjunto com as barreiras no ambiente, são afetados por alguma forma de incapacidade a ultrapassar estas barreiras é um meio importante de promover o envelhecimento ativo» A estratégia europeia reforça no seu ponto 7 os caminhos para a Saúde «incluindo igual acesso a cuidados de saúde de elevada qualidade (p. 15) e promoção da reabilitação e dos cuidados preventivos, cruciais para um envelhecimento saudável (p. 11)». Entende-se por envelhecimento ativo “a possibilidade de envelhecer com saúde e autonomia, continuando a participar plenamente na sociedade enquanto cidadão ativo. Independentemente da idade, todos podem continuar a desempenhar um papel na sociedade e a usufruir de uma boa qualidade de vida», in site do AEEAS 2012. http://europa.eu/ey2012/ey2012main.jsp?catId=971&langId=pt Dados 1 de janeiro de 2010 87 milhões de pessoas commais de 65 anos 17,4% da população total Populaçãoentre 65 e 79 anos: 63,6 milhões Populaçãocom mais de 80 anos: 23,5 milhões
  3. 3. 3 Em 12 de julho de 2012, o Comité Económico e Social Europeu decidiu, nos termos do artigo 29.º, n.º 2, do Regimento, elaborar um parecer de iniciativa sobre o Ano Europeu da Saúde Mental. Nesta avaliação o CESE refere que «No plano individual, a saúde mental é a condição para o indivíduo realizar o seu potencial intelectual e emocional. Socialmente, a saúde mental é um recurso para a coesão social, bem como para o bem-estar social e a prosperidade económica (…). A prevenção e a sensibilização são tarefas que incumbem a toda a sociedade (…) são especialmente importantes as recomendações e boas práticas europeias, nomeadamente as que visam reduzir adequadamente a psiquiatria hospitalar e o consumo de medicamentos, a fim de contribuir para criar centros de apoio e outras formas de ajuda alternativas. Importaria questionar mais (…) de que forma se pode promover ativamente a inclusão através do desenvolvimento eficaz de estruturas de cuidados centradas nas pessoas e do apoio à família como primeiro local de aprendizagem na vida de uma pessoa». De acordo com o estudo realizado por Roberto Carneiro et all, «Envelhecimento da População: Dependência, Ativação e Qualidade», as projecções para o crescimento da população aponta para que as pessoas com mais de 65 anos deverão aumentar de 19% em 2011 para 32% em 2050. A população com mais de 80 anos deverá ultrapassar o valor de 1 milhão na década de 40, atingindo 1,3 milhões no final do período de projecção. O peso da população idosa (65+) no total aumenta progressivamente de 19,2% em 2011 para 32,0% em 2060. Neste grupo etário, de acordo com as projeções disponíveis, o peso da população com mais de 80 anos de idade poderá passar de 4,5% em 2010 para 5,8% em 2020 e 10,9% em 2050. Ilustração 1 - Sala de Snoezelen - Manipulação de fibras óticas
  4. 4. 4 Uma das orientações evidenciadas nesse estudo é que «Todos estes indicadores sugerem desafios significativos no ajustamento da sociedade portuguesa ao peso crescente da população idosa». Snoezelen – Vantagens para a população idosa com e sem demência “Imagine que está deitado numa cadeira acolchoada, enquanto como fundo ouve as ondas suaves do oceano e sente o cheiro a lavanda. Bem-vindo ao Snoezelen.” (Yudkowsky, 2012) Nesta activa procura de formatos inovadores que contribuam para a promoção da reabilitação e dos cuidados preventivos, cruciais para um envelhecimento saudável, a abordagem através do contexto Snoezelen, que tem por base uma teoria de estimulação sensorial encontra enquadramento dentro das estratégias operacionais que contribuem para uma melhor saúde da população idosa, seja no seu processo de envelhecimento normal (senescência) ou de senilidade (processos de demência). O seu objetivo primordial é proporcionar um espaço multisensorial que disponibilize aos utilizadores segurança, novidade, conforto e estimulação, através do uso controlado de estímulos. Neste sentido, e no caminho para um maior envelhecimento ativo, onde o contributo das soluções visam ainda a prevenção do isolamento social das pessoas idosas, e onde as capacidades cognitivas, físicas, sensoriais e as emoções devem ser estimuladas, o contexto Snoezelen vem possibilitar a sua utilização numa vasta amplitude populacional, nomeadamente pessoas com problemas de desenvolvimento, acidentes vasculares cerebrais, problemas de saúde mental e deficiência intelectual, entre outros. Ilustração 2 Sistema Límbico
  5. 5. 5 O contexto Snoezlen permite a exploração/estimulação dos vários sentidos: olfativos, visuais, tácteis, propriocetivos, auditivos e/ou gustativos, dependendo apenas das necessidades e desejos da pessoa. Este conceito é abrangente, permitindo ao profissional um elevado grau de autonomia na avaliação do perfil do utilizador e escolha da intervenção. Tendo em consideração os objetivos delineados, esta abordagem tem largas vantagens, como por exemplo, quando aplicada num contexto de lar de idosos. A abordagem através da filosofia Snoezelen tem como principais objetivos:  Maior bem-estar e relaxamento da pessoa;  Facilitar as relações interpessoais;  Promover a descoberta e a comunicação. Para isso tem em conta princípios que guiama intervenção, nomeadamente:  O uso de estímulos controlados pela pessoa - confere ao seu utilizador um maior sentido de independência e influência sobre o meio envolvente;  Combinação ou individualidade de estímulos – a sala de Snoezelen permite a conjugação dos seus equipamentos ou o seu uso isolado, restabelecendo à pessoa o seu direito de escolha, de que muitas vezes se encontra privada;  Ambiente multissensorial – apresenta estímulos que apelam aos sentidos do Ser Humano, sendo que a exploração do espaço é possível sem que para isso seja necessário por a uso capacidades cognitivas complexas. Base neurológica O Ser Humano apresenta duas categorias ao nível dos sentidos: os sentidos remotos e os sentidos de contacto. Os sentidos remotos incluem a visão e a audição. Os sentidos de contacto incluem o paladar, o tato, o olfato e o sistema vestibular. Desta forma, a estimulação sensorial é percecionada através dos sentidos remotos e de contacto, que enviam impulsos ao cérebro, sendo estes processados ao nível do sistema límbico.
  6. 6. 6 A abordagem em contexto Snoezelen ativa o sistema límbico. Este sistema está relacionado com o controlo de emoções e com o instinto, e é uma das últimas estruturas a ser afetada pela demência. (Pinkey, 1999). Vantagens para os idosos A demência refere-se à perda de capacidades cerebrais relacionadas com raciocínio, linguagem e comportamento. No entanto, também no processo natural do envelhecimento, ocorrem perdas, tais como: memória, atenção, orientação espaço- temporal, audição, visão, entre outros. Perdas como as acima mencionadas podem gerar respostas inadequadas aos estímulos do meio envolvente. De acordo com a Organização Mundial de Saúde 25% das pessoas com idade superior a sessenta e cinco anos sofrem de algum tipo de perturbação psiquiátrica, sendo a depressão a mais frequente até aos setenta e cinco anos. Segundo Ana Eliza Marques Castro na sua tese sobre Programa de estimulação cognitiva em idosos Institucionalizados, «Numa perspectiva de promoção da saúde mental, a depressão pode ser evitada com programas de prevenção que visem a integração da pessoa idosa em diversas actividades físicas, de animação e de estimulação cognitiva (EC), assimcomo a educação para idosos com doença crónica, a activação comportamental, a reestruturação cognitiva, (o treino de estratégias/competências de resolução de problemas), (o recurso a) grupos de apoio, entre outras estratégias (Fiske, Wetherell & Gatz, 2009). Ilustração 3 -a filosofia Snoezelen é decisiva, podendo os seus equipamentos seralusivos a aspectos da Natureza, como colunas de bolhas, projeções de paisagens e música relaxante
  7. 7. 7 Moffat et al. (1993) acredita que muitos dos comportamentos exibidos por pessoas com deficits cognitivos severos são grandemente provocados por privações sensoriais. Foi também comprovado que os níveis de felicidade e interesse aumentaram, o medo e tristeza diminuíram, os pessoas pareciam apreciar as sessões e o os cuidadores formais conseguiram estabelecer uma melhor relação durante o período em que foi utilizada uma abordagem no contexto Snoezelen (Moffat et al., 1993). Pinkney (1998) afirma que a falta de respostas adequadas por parte de pessoas com demência, se deve ao facto de a estimulação à qual estão expostos ser demasiado sofisticada. Durante o processo evolutivo de uma demência é comum observar perdas ao nível da memória e da linguagem. Muitas vezes, as pessoas estão privadas das relações/convivência com os seus familiares, sendo este um processo doloroso não só para o pessoa, mas também para os seus cuidadores informais que se vêem numa situação difícil. Ainda num estudo realizado pela Dra. Patricia Schofiel, da Universidade de Sheffield, foi observado que a população idosa que sofre de dor crónica atinge um maior estado de relaxamento num contexto de sala de Snoezelen. A autora afirma ainda que, no processo de life review, um dos mais importantes nesta população, a filosofia Snoezelen é decisiva, podendo os seus equipamentos ser alusivos a aspectos da Natureza, como colunas de bolhas, projeções de paisagens e música relaxante. Estes equipamentos evocam a reminiscência, promovendo o bem-estar e comunicação entre os pessoas, melhorando as relações interpessoais. Num outro estudo realizado num lar de idosos, localizado em Shangri La, uma das profissionais de saúde que acompanha os pessoas à sala de Snoezelen, afirma: “No inverno, tento visitar a sala de Snoezelen com os pessoas, duas a três vezes por semana. O Sol e a luz são importantes para as pessoas idosas. É capacitador.” Também Loew & Silverstone (1971) realizaram um estudo em que confirmaram que pessoas idosas com demência podem apresentar comportamentos inadequados devido à privação sensorial, que mais tarde foi confirmada por Kuhn (2000). Este
  8. 8. 8 último autor afirmou que o mais importante é que a pessoa se sinta suportada e valorizada, o que é possível no contexto Snoezelen, já que as capacidades cognitivas, normalmente afetadas, não são requisitadas a um nível complexo. Como neste contexto não existem as noções de “certo” e “errado”, qualquer ação da pessoa sobre o meio será aceite, aumentado o sentido de competência e eficácia do mesmo. Num estudo realizado por Baker et al. (1997) com pessoas com Alzheimer e Demência Vascular, os autores comprovaram que, através da abordagem em contexto Snoezelen, evidenciavam-se diferenças a três níveis, nomeadamente:  Longo-prazo: diminuição do comportamento social agitado no contexto habitacional;  Curto-Prazo: melhoria no comportamento e estado de espírito depois de concluída a sessão;  Durante a sessão: os pessoas iniciavam conversação espontaneamente, evocavam memórias com maior frequência e a duração da conversação aumentava comparativamente com os momentos em que estavam fora da sala multissensorial. O estudo acima mencionado sugere que o contexto Snoezelen pode facilitar a expressão verbal e a evocação de memórias, talvez por promover a concentração das Nas sessões de Snoezelen, evidenciam-se diferenças a 3 níveis, nomeadamente: Curto-Prazo: melhoria no comportamento e estado de espírito depois de concluída a sessão Longo-prazo diminuição do comportamento social agitado no contexto habitacional Durante a sessão As pessoasiniciavam conversação espontaneamente, evocavammemórias com maior frequência
  9. 9. 9 pessoas. Sugere também que a abordagem em questão tem resultados benéficos na prevenção de comportamentos típicos dos padrões de demência. Desta forma, os estudos sugerem que o contexto Snoezelen não só inibe comportamentos agitados, como estabiliza o humor e fomenta as relações interpessoais da população idosa com os seus cuidadores formais e informais. Vantagens para os cuidadores formais e informais De acordo com o Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre o Ano Europeu da Saúde Mental – Melhor emprego, melhor qualidade de vida, «uma abordagem respeitadora dos direitos humanos assume a maior importância». Neste sentido o CESE vem reforçar que «Os serviços médicos e psicossociais devem apoiar as pessoas que deles necessitem e desenvolver as suas potencialidades de autoajuda no sentido da capacitação. (…) salienta ainda o parecer que os profissionais que prestam diversos tipos de serviços precisam de desenvolver as suas capacidades, com vista a compreenderem melhor os problemas de saúde mental e as perturbações psicossociais. BENEFÍCIOS DO SNOEZLEN O contexto Snoezelen pode facilitar a expressão verbal e a evocação de memórias Fomentaas relações interpessoaisdapopulação idosa com os seus cuidadoresformais e informais Tem resultados benéficos na prevenção de comportamentos típicos dos padrões de demência Inibe comportamentos agitados Estabiliza o humor estudorealizadopor Baker et al.(1997)
  10. 10. 10 De acordo com Verheul (2004), também o profissional que acompanha a pessoa, retira benefícios da abordagem do Snoezlen, uma vez que devido à promoção da comunicação oferecida, este espaço fomenta a relação terapêutica, aspeto que se torna transversal, influenciando todas as intervenções relacionadas com a pessoa em questão. No artigo «Reabilitação cognitiva em idosos institucionalizados: um estudo piloto», in Revista Terapia Ocupacional Univ. São Paulo conclui-se que a intervenção de terapia ocupacional teve efeitos significativos no desempenho cognitivo de idosos. O Terapeuta Ocupacional visa, com a sua atuação, restabelecer as perdas físicas, mentais e sociais, que causam desequilíbrios nos idosos. Este age como um facilitador através do estímulo, gerando uma melhoria na auto-estima da pessoa mais velha, esteja ela com as suas capacidades cognitivas mais ou menos estáveis. Através deste processo, a pessoa idosa tem mais condições para lidar com as suas potencialidades e, a partir daí construir pontes de relacionamento com o meio onde se integra. Algumas das abordagens do TerapeutaOcupacional com a pessoaidosacom incapacidade físicae/oumental num processo de prevençãoe reabilitação: Utilizar técnicas/estratégias que visem a manutenção das capacidades/competências atuais do idoso, contribuindo para a sua qualidade de vida Utilizartécnicas/estratégiasespecificasque visematenuar as perdas inerentes ao processo de envelhecimento,permitindoàpessoao desempenhosatisfatório das suas atividadessignificativas Adaptar/estruturar o ambiente e/ou as tarefas, por forma a promovero maior grau de autonomia possivel durante a participação ocupacional Integrar a pessoa idosa na sua própria comunidade, (...) promovendo relações interpessoais;
  11. 11. 11 De acordo com o artigo «A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso», in http://www.profala.com/artto9.htm, «procura-se que o idoso tenha um desempenho mais independente possível, enfatizando as áreas de auto-cuidado, do trabalho remunerado ou não, do lazer, da manutenção de seus direitos e papéis sociais. Ainda de acordo com este artigo, são objetivos gerais da Terapia Ocupacional em geriatria e gerontologia: 1. Integrar a pessoa idosa na sua própria comunidade, tornando-a o mais independente possível e em contato com pessoas de todas as idades, promovendo relações interpessoais; 2. Incentivar, encorajar e estimular o idoso a continuar a fazer planos, ter ambições e aspirações; 3. Contribuir para o ajustamento psicoemocional do idoso; 4. Manter o nível de atividade, alterando o ambiente se necessário. 5. Enfatizar os aspectos preventivos do envelhecimento prematuro e de promoção da saúde; 6. Reabilitar o idoso com incapacidade física e/ou mental. Pensamos que é de realçar a importância de um grande leque de profissionais especializados na intervenção com idosos. Nestes grupos multidisciplinares integram- se quase obrigatoriamente os assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, psicólogos, entre outros que, cada vez mais se vão especializando e aprofundando os seus conhecimentos e competências para intervir de forma mais eficaz neste grupo de pessoas mais velhas, que crescem exponencialmente de ano para ano, a nível europeu e mundial, com desafios próprios e com soluções cada vez mais amplas e integradoras. Estamos efectivamente numa nova era de pensamento/ação, onde a realidade nos posiciona numa sociedade mais envelhecida e com outro tipo de questões em que devem ser feitas reflexões antecipadas sobre os caminhos a desenvolver, por certo de forma muito mais integrada e transversal. Segundo Roberto Carneiro «o isolamento social pode comprometer o envelhecimento ativo». Neste sentido a promoção de estratégias de proximidade vem dar mais consistência ao combate à solidão da população idosa. A partilha de compromissos com entidades que possam dividir algumas tarefas permite também aos cuidadores, particularmente aos informais, recobrar as forças das responsabilidades do cuidar de pessoas que estão em processos de demência ou alterações dos processos cognitivos.
  12. 12. 12 Verheul (2004) acreditava que seria comum que a rede de suporte das pessoas com incapacidades se poderia sentir, diversas vezes, sobrecarregada e exausta. A utilização de uma sala multissensorial deixa o utilizador mais alerta durante a visita dos seus familiares e facilita a comunicação. Um dos cuidadores afirma, relativamente a uma das pessoas do serviço em questão: “Descobri um novo lado dela que nunca tinha visto antes; está mais aberta à comunicação.” O Plano Nacional de Saúde Mental 2007—2016 realça na pag. 28 que nos casos da saúde mental, «As vertentes da reabilitação profissional, de reabilitação residencial e da participação social têm necessariamente que ser desenvolvidas fora dos serviços de saúde e integradas na comunidade. Exigem, por isso, outros recursos e metodologias e pressupõem uma partilha das responsabilidades entre a saúde mental e os outros sectores. Vem ainda destacar esta reflexão que «O estabelecimento de um orçamento nacional para a saúde mental constitui uma medida fundamental para a implementação das reformas preconizadas neste Plano». Neste sentido, e por todas as vantagens percebidas em diversos estudos e evidências, sobre o contributo das salas de Snoezlen para um envelhecimento activo e para uma melhoria generalizada do estado de bem-estar biopsicossocial da população idosa, esta é uma opção que deve ser seriamente considerada na intervenção com idosos feitas em Portugal, tendo em conta o seu custo – benefício evidente. CHECKLIST DE PLANEAMENTO DE UMA SALA DE SNOEZELEN Sala • Porta alargada • Boa ventilação; • Design colorido; • Paredes livres para projetar; • Chão antiderrapante; • Espaços abertos para cadeirasderodas; • Aquecimento; • Formas de aquecimento; • Casas debanho e água corrente nas proximidades; • Cabidepara casacoseprateleira para sapatos na entrada. Iluminação • Luzes de teto ajustáveis; • Luzes indiretas adicionais; • Luzes portáteis (candeeiros); • Iluminação deelementos ajustável individualmente; • Toda a iluminação deveser ajustável.
  13. 13. 13 Locais para sentar e descansar • Confortável e ajustável a diferentes grupos; • Áreas calmas eisoladas; • Áreas de descanso; • Cobertores, almofadas eobjetos antialérgicosdiferentes tamanhos; Bola de espelhos  Não colocar no centro da sala;  Rotação lenta (1 rotação por minuto). Luzes  Direcionadasà bola deespelho (giratóriasparailuminar outros elementos);  Com ou sem roda de cores. Projetor de líquidos  Equipamento básico:três discos (1/2 rotações por minuto). As imagens podem ser,por exemplo: céu com nuvens e pôr do sol;  Giratórios. Fibra ótica e/ou cortina de fibras e fonte  Fibras de3 a 5m (velocidadede luzajustável);  Com ou sem discos decores;  Fios de fibras fundidasnas extremidades e em boas condições (sem danos). Música  Aparelhagem com controlo remoto e amplificador (som adaptado ao tamanho da sala);  Colunas nos cantos da sala. Equipamento adicional  Luz negra  Tubos fluorescentes na entrada ou como divisor da sala (ajustável);  Tapetes de estrelas,com roda de cores integrada (rotação lenta);  Projetor de slides;  Divisores da sala;  Redes mosquiteira;  Armário para materiais,ferramentas e sistema de som (branco e discreto). Áreas de projeção  Materiais dedecoração em espelho (para paredes e teto);  Materiais fluorescentes;  Materiais para estimulação táctil. Medidas de segurança  Saída assinaladapor sinal luminoso;  Assentos feitos com materiais não inflamáveis;  Sem materiais cortantes ou esquinas na mobília (protetores de cantos);  Sem puxadores e chaves que se destaquem;  Degraus iluminados ou assinaladospor tiras fluorescentes;  Extintores afixados perto da porta;  Telefone (móvel) com números de emergência (perto ou dentro da sala);  Todos os materiais técnicos devem ser marcados comas diretrizes VDE (https://www.vde.com/en/Pages/Homepage.aspx) e ser aprovados pela TÜV (http://www.tuv.pt/);  Instalação dematerial técnico deve ser feita por especialistas e eletricistas;  Corrente parcialmente transformada em 12V ou 24V, baixa voltagem;  Fios de fibras óticasdevem ser fundidos nas extremidades e sem danos. Traduzido e Adaptado de “Snoezelen materials homemade” Ad Verheul.
  14. 14. 14 Referências bibliográficas Baker, R., Dowling, Z., Wareign, L., Dawson, J., Assey, J. (1997). Snoezelen: its Long-Term and Short- Therm Effects on Older People with Dementia. British Journal of Occupational Therapy, 60 (5), 213-218. Boham, J. (2013). Snoezelen Therapy For Elderly Persons With Challenging Behavior And Dementia. Degree Thesis of Human Ageing and Elderly Services.Helsinki: Arcada University of Applied Sciences. Bryant, W. (1991). Creative group work with confused elderly people: a development of sensory integration therapy. British Journal of Occupational Therapy, 54 (5), 187-192. Hanley, I. (1988). Individualised reality orientation. Glen Caple, Dumfries: Orientation Aids, 1988: 2 (5), 20-21. Contribuição da UE para um envelhecimento ativo e solidariedadeentre as gerações ,2012 Hedman, S. (2008). Building a multisensory room for elderly care. In M. Sirkkola, P. Veikkola & T. Ala - Opas (Eds.), Multisensory Work: Interdisciplinary approach to multisensory methods (pp. 34-42). Hämeenlinna: Hank University of Applier Sciendes,editors. Kuhn D., Ortigara A. & Kasayka R.E. (2000). Dementia Care Mapping: an innovative tool to measure person-centred care.Alzheimer’s Care Quarterly 1, 7–15. Loew C. & Silverstone B. (1971). A program of intensified stimulation and response fa -cilitation for the senileaged. The Gerontologist 11, 341–347. Moffat, N., Barker, P., Pinkney, L., Garside, M., Freeman, C. (1993). Snoezelen, an experience for people with dementia. Chesterfield: Rompa. Pinkney, L. (1998). Exploring the Myth of Multisensory Environments. British Journal of Occupational Therapy, 61 (8), 365-366. O Plano Nacional deSaúde Mental 2007—2016 Roberto Carneiro et all,«Envelhecimento da População:Dependência, Ativação e Qualidade»,2012 Verheul, A. (2007). Snoezelen materials homemade. Netherlands: Ad Verheul, Ede. Yudkowsky, R. The Magical World of Snoezelen. http://melabev.org/761/ 18.05.14 21:26. Autores* Cristina Vaz de Almeida, Diretora do Serviço de Gestão de Produtos de Apoio (SGPA) Rita Mendes, Terapeuta Ocupacional do SGPA Ana Gonçalves, estágio académico SGPA

×