U. c. p.d aluna 900962 - e-fólio c

3.046 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada no âmbito da Unidade Curricular: Psicologia do desenvolvimento da Universidade Aberta.
Esta apresentação descreve as ideias do senso comum que a sociedade tem face à velhice e o porquê de não podermos aceitar tais ideias

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.046
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
127
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

U. c. p.d aluna 900962 - e-fólio c

  1. 1. Unidade Curricular: Psicologia do Desenvolvimento<br />A velhice na actualidade<br />Nome: Maria da Graça D. F. Nunes<br />Nº de Aluno: 900962<br />Turma: 4<br />Data: 29 de Maio de 2010<br />
  2. 2. A realidade Portuguesa<br />O seguinte gráfico apresenta as projecções da população jovem e idosa residente em Portugal , entre 2000 e 2050  <br />Através destas projecções podemos referir que existe uma diferença significativa no que respeita ao aumento da população idosa, resultado da melhoria das condições e aumento da esperança média de vida no futuro em contraste com o nº de jovens, resultado da baixa natalidade que afecta o nosso país.<br /> Fonte: INE. 2003. Projecções da População Residente em Portugal 2000-2050.<br />Lisboa: INE (adaptado<br />
  3. 3. O que é afinal a velhice?<br />O conceito de velhice remete-nos sobretudo para a noção de idade, embora este, por si só, não seja um indicador das transformações dependentes do envelhecimento.<br />Assim, as alterações e aceleração do processo de envelhecimento que surgem com a idade relacionam-se com um conjunto de factores como: condições de vida, doenças, predisposição genética, tipo de trabalho.<br />Para alguns ,um indicador de velhice poderá ser o envelhecimento cronológico e para outros o declínio físico.<br />
  4. 4. A forma como a sociedade encara o idoso varia consoante:<br /><ul><li>O tempo histórico em que nos encontramos;
  5. 5. A forma como a velhice é encarada em cada cultura e condições económicas de cada país;
  6. 6. A função que podem desempenhar na sociedade.</li></li></ul><li>Ideias do senso Comum face à velhice<br />Velhice na sociedade actual<br />
  7. 7. A verdade é que…<br />O envelhecimento é universal mas não afecta todos da mesma forma e no mesmo espaço de tempo:<br />1- A nível físico: Apesar da modificação acelerada da capacidade de funcionamento dos órgãos, músculos e aparência física estas não têm de estar presentes e afectar necessariamente todos os sujeitos ;<br />2- A nível cognitivo: Os problemas cognitivos que surgem nesta idade relacionam-se com vários factores, como depressão, inactividade, medicamentos, isolamento, solidão, pobreza e falta de cuidados pessoais. No entanto estes problemas são menos valorizados na velhice e muitas vezes ignorados por se fazer uma má associação entre características da idade e depressão, por exemplo. Ao nível da memória os testes demonstram que podem ter bons resultados se lhes forem dadas correctamente as indicações da realização dos mesmos;<br />
  8. 8. 3- A nível psicossocial – A velhice supõe a passagem por vários estádios de desenvolvimento nos quais os idosos passam por diferentes estados pessoais que são influenciados , quer por problemas físicos e psicológicos.<br /> O seu auto-conceito vai sofrendo alterações durante este percurso e no final da vida o idoso faz uma avaliação sobre a sua caminhada. Quando essa avaliação é positiva as pessoas ajustam-se à nova realidade e por isso é um bom indicador de bem - estar psicológico, resultando daqui a sabedoria. Quando a avaliação é negativa ele desenvolve sentimentos de fracasso ,desespero e renuncia originando mau estar que o pode levar ao isolamento. <br />Podemos então dizer que:<br />“(…) o factor idade não serve para esclarecer quem é velho e e quem o não é, e que a velhice deverá ser entendida como um processo individual moldado pelo habitus do colectivo de pertença do sujeito formando, portanto, um grupo heterogéneo. “<br /> Vaz, Ester, et al. (2003).Configurações na velhice. (http://ceaa_novo.ufp.pt/files/artigos/ANTROPOlogicas07/ANTROPO07-08.pdf) ANTROPOlógicas, Nº7.pp-1-15<br />
  9. 9. A sociedade deve olhar os idosos de outra maneira porque:<br />A esperança média de vida dos idosos aumentou e por isso eles devem ser parte integrante do todo que é a sociedade, visto que ainda têm um papel importante a desempenhar;<br />Este período poderá ser importante para a concretização de projectos de vida que até então não foram possíveis e por isso a sociedade deve estar mais aberta a esta realidade;<br />São um suporte importante da vida familiar muitas vezes ao ajudarem os filhos, por exemplo a tomar conta dos netos;<br />As ideias e pré conceitos generalizados sobre a velhice não passam disso mesmo e por isso devem ser desmistificadas ;<br />A experiência de vida e que adquiriram fá-los olhar ao mundo com mais saber… sabedoria e por isso são um bem precioso que a sociedade não pode, nem deve desperdiçar.<br />
  10. 10. Para pensar….<br />Vamos contrariar a realidade pré concebida sobre a velhice e pensar que um dia, inevitavelmente todos seremos idosos e que podemos e devemos contribuir para melhorar e enriquecer esta etapa da vida que deve ser vivida na plenitude com o amor e o respeito de todos. Cabe-nos a nós escolher como queremos terminar a nossa existência…<br />Para ver e reflectir…<br />http://www.youtube.com/watch?v=lh_DlzgghMI&feature=related<br />
  11. 11. Bibliografia:<br />Ferreira, A. (4 de Dezembro de 2009) 10% dos idosos sofrem de depressão. http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1438511<br /> D.N.<br />Vaz, Ester, et al. (2003).Configurações na velhice. (http://ceaa_novo.ufp.pt/files/artigos/ANTROPOlogicas07/ANTROPO07-08.pdf) ANTROPOlógicas, Nº7.pp-1-15<br />Tavares, F. et al.( 2007)Manual de Psicologia do Desenvolvimento e aprendizagem. Porto Editora, pp: 98-105<br />

×