SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 76
2. Cinematografia
DFCH454 – Linguagem do Cinema e do Audiovisual
Prof. Cristiano Canguçu
Definições de “plano”
Etimologia: a imagem projetada numa superfície plana
1. Camadas de profundidade em um campo (cf. definição
adiante) qualquer, em oposição às outras camadas mais
próximas ou distantes. Primeiro, segundo, terceiro planos...
2. Demarcação espacial: “quadro”, ou “enquadramento”.
Categorizado sob uma escala de planos;
3. Demarcação temporal: o segmento de duração entre dois
cortes, i.e., “tomada”.
AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico
de cinema. Campinas, SP: Papirus, 2003. Tradução
Plano e campo
Historiador da arte Ernst Gombrich (“Arte e Ilusão”): nossa
percepção simultaneamente apreende a tela da pintura e do
cinema enquanto espaços bidimensionais e tridimensionais:
• Plano – bidimensional, limitado pelo quadro ou moldura;
• Campo – espaço tridimensional imaginário, percebido pelo
espectador a partir da tela bidimensional do filme.
Outro espaço imaginário : o “fora-de-campo” é o espaço
ficcional não mostrado, porém suposto a partir de indícios do
campo. Ex: os personagens que não aparecem, em “Amor à flor
da pele” (Wong Kar-Wai).
Plano como duração (tomadas)
• Na película, o limite é em torno de 10 minutos (festim
diabólico). No cinema digital, uma tomada, pode durar de
centésimos de segundo a horas.
• Os planos duradouros costumam ser chamados de planos-
sequências, pois se construiria uma sequência (cena) inteira
em um único plano.
• Em geral, a duração dos planos tem ficado cada vez mais
curta, com filmes cada vez mais rápidos.
Plano como duração (tomadas)
• Medidas da Duração Média dos Planos (ASL – Average Shot
Lenght) de Hollywood, através das décadas, feitas pelos
historiadores do cinema Barry Salt & David Bordwell:
• 1920: 4-6 segundos (impacto do cinema soviético)
• 1930-50: 8-11 segundos (início do cinema sonoro)
• 1960: 6-8 segundos
• 1970: 5-8 segundos
• 1980: 5-7 segundos
• 1990: 3-6 segundos
• 2000: ainda mais rápidos, mas ainda não houve mensuração
exaustiva
Escala de planos
• A distância entre a câmera e o objeto enquadrado.
Consequentemente, o tamanho relativo dos objetos em
relação ao quadro.
• A figura humana é o parâmetro implícito das escalas de
planos, americana ou francesa.
Plano-geral
Spartacus(StanleyKubrick,EUA,
1960)
Plano-geral
• Plan général, em francês.
• Extreme long shot, em inglês.
• Cenário vasto e completo, frequentemente paisagens naturais.
• Pessoas vistas a grande distância.
• Geralmente usado para apresentar o espaço da ação, como no
início de 2001: Uma odisséia no espaço...
Plano-geral: 2001
• Exemplo: o início de 2001: Uma odisséia no espaço.
Plano-conjunto
Onascimentodeumanação(D.W.
Griffith,EUA,1915)
Plano-conjunto
• Plan d'ensemble, em francês
• Extreme long shot, em inglês (a escala americana não
distingue entre plano-geral e plano-conjunto).
• O plano-conjunto, ou plano de conjunto, mostra pessoas a
distância, descrevendo suas relações especiais em um cenário
ou ambiente específico.
• Atuação principalmente corporal, sem enfatizar o rosto.
• Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse
tipo de plano...
Plano-conjunto:
Paul Thomas Anderson
• Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse
tipo de plano.
Plano-médio
Glóriafeitadesangue(Stanley
Kubrick,EUA,1960)
Plano-médio
• Pessoa em pé por inteiro, ocupando aproximadamente a
altura do plano.
• Usado para retratar ações físicas, que envolvem o corpo
inteiro.
• Plan moyen, em francês.
• Long shot, em inglês.
Plano-médio: cenas de dança
• Boa parte das cenas de dança no cinema usam plano médio.
Plano-médio: Chaplin
• Atores de comédia física como sabem aproveitar os planos
médios, como em algumas esquetes de Chaplin.
Plano-americano
Trêshomensemconflito(Sergio
Leone,Itália,1966)
Plano-americano
• Plan américain, em francês.
• Medium long shot, em inglês.
• Pessoa enquadrada a meia-perna, acima do joelho. Permite a
atuação corporal e gesticulação livre dos atores.
• Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas
ou mais pessoas (4:3), podendo também retratar o cenário
mantendo o ator na frente (widescreen).
Plano-americano (4:3)
• Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas
ou mais pessoas (4:3).
Plano-americano (widescreen)
• Pode também retratar o cenário mantendo o ator na frente
(widescreen).
Plano-próximo (cintura)
Plano-próximo (busto)
Omeninodopijamalistrado(Mark
Herman,EUA,2008)
Plano-próximo
• Da cintura, ou do busto para cima.
• A possibilidade de gesticulação é reduzida, concentrando a
atuação no torso, nas mãos e no rosto.
• Muito usado para diálogos com pessoas sentadas.
• Plan rapproché, em francês.
• Em inglês, distingue-se o medium shot do medium close-up –
respectivamente, o enquadramento na cintura e no busto.
Primeiro-plano
Oiluminado(StanleyKubrick,UK,
1981)
Primeiro-plano
• Gros plan, em francês .
• Close-up, em inglês.
• Cabeça com pescoço e, possivelmente, parte dos ombros.
Objeto de perto.
• A atuação é concentrada na expressão facial e no olhar.
• Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de
cada vez, intercalando campo e contracampo.
• O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro-
plano para retratar gestos manuais.
Primeiro-plano: Casablanca
• Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de
cada vez.
Primeiro-plano:
Robert Bresson
• O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro-
plano para retratar gestos manuais.
Plano-detalhe
Réquiemparaumsonho(Darren
Aronofsky,EUA,2000)
Plano-detalhe
• Très gros plan, em francês
• Extreme close-up, em inglês.
• Objeto pequeno, pormenor de objeto ou do corpo humano.
• Atuação restrita à parte do corpo retratada.
• Muito usado para retratar o olhar.
• Também usado para chamar atenção para objetos e detalhes
cênicos.
• Diretores como Quentin Tarantino e Edgar Wright são
conhecidos pelo uso abundante do plano-detalhe...
Plano-detalhe: o olhar
• Muito usado para retratar o olhar...
Plano-detalhe:
Réquiem para um Sonho
• ...ou para chamar atenção para objetos e detalhes cênicos. Ex:
Réquiem para um sonho (Darren Aronofsky).
Plano-detalhe: Tarantino
• Diretores como Quentin Tarantino são conhecidos pelo uso
abundante do plano-detalhe.
Plano-detalhe: Edgar Wright
• Edgar Wright é um diretor conhecido pelo uso dos planos-
detalhes para fins cômicos.
Escala de planos
• Há duas escalas de planos principais: a americana (comum em
livros sobre TV) e a francesa (maioria dos livros sobre cinema).
• 1) o chamado “plano-médio”, que na escala americana significa
“plano-cintura” e na escala francesa, “plano-pessoa-inteira”;
• 2) o close-up que, em francês, significa “plano-detalhe” e em
inglês, “primeiro-plano”. Os americanos chamam o plano-detalhe
de “extreme close-up”.
• Traduções francesas não padronizadas: plan rapproché (plano-
próximo, plano aproximado); gros plan (primeiro-plano,
grande plano); très gros plan (plano-detalhe, primeiríssimo
plano)...
Escala de planos
• Toda escolha artística implica em rejeitar possibilidades
alternativas.
• Ex: a decupagem moderna, bastante fechada nos rostos,
controla o ritmo e a atenção de forma muito mais enérgica,
mas deixa de lado as possibilidades da encenação.
• Há também questões econômicas: aluguel do ator, mais
câmeras, picotar as atuações e escolher os melhores
momentos de várias tomadas.
Ângulosdecâmera
Ângulo ascendente
Guerradosmundos(Steven
Spielberg,EUA,2005)
Ângulo ascendente
Onomedarosa(Jean-Jacques
Annaud,1986)
Ângulo ascendente
Arizonanuncamais(Joel&Ethan
Coen,1987)
Ângulo ascendente
• Low angle shot, em inglês.
• Contre-plongée, em francês.
• Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de
baixo para cima.
• Em geral, cria sensação de imponência do tema retratado.
• Muito usado por cineastas como Tarantino e Yasujiro Ozu...
Ângulo ascendente: Tarantino
• Muito usado por cineastas como Tarantino...
Ângulo Ascendente: Ozu
• ...e Yasujiro Ozu.
Ângulo descendente
Opagadordepromessas(Anselmo
Duarte,1962)
Ângulo descendente
CidadãoKane(OrsonWelles,1941)
Ângulo descendente
Aonda(DennisGansel,2008)
Ângulo descendente
• High angle shot, em inglês.
• Plongée, em francês.
• Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de
cima para baixo.
• Diminui as pessoas retratadas.
Ângulo descendente:
A Conversação
• Exemplo: A conversação (Francis Ford Coppola).
Ângulo descendente (aéreo)
• Plano aéreo ou aerial shot: inclinação próxima de 90°
Ângulo descendente (aéreo)
• usada para ressaltar a espacialidade de uma ação...
Ângulo descendente (aéreo)
• ..também usado para chamar a atenção para objetos cênicos
(Wes Anderson)
Movimentosdecâmera
Panorâmica
• Movimento de rotação da câmera sobre sua base. Pode ser
horizontal ou vertical, fazendo um arco convexo do ponto de
vista da câmera.
• Pan (horizontal) ou tilt (vertical), em inglês.
• Exemplo: Thelma & Louise
Travelling
• Translação da câmera pelo espaço. Pode ser horizontal ou
vertical. Quando segue um personagem, chamamos de
travelling de acompanhamento; quando se aproxima de algo,
chama-se travelling-in; quando se afasta, travelling-out.
• Em inglês há inúmeras variedades: tracking shot, dolly shot,
crane shot, crab, boom, a depender da técnica utilizada e da
direção do movimento.
• Ex: travellings de seguimento em O Iluminado (Stanley
Kubrick) e em Darren Aronofsky; travelling lateral em
Weekend (Jean-Luc Godard).
Diferenças terminológicas
• Os anglófonos preferem termos mais técnicos, a depender de
como foi feito o movimento: “tilt” (travelling vertical) é feito
com tilt plates; tracking shot e dollying referem-se aos trilhos
(tracks) nos quais punha-se um carrinho (dolly) com a câmera;
fala-se também de “crane shot”, quando o plano é feito com
gruas (cranes).
• A classificação francesa é mais simples, sem deduzir como o
plano foi feito: panorâmica consiste em movimento de
rotação e travelling, de translação. Quando há ambos, fala-se
em pano-travelling.
Distância focal
• Distância, medida em milímetros, entre o centro
óptico da lente e o ponto de foco (a
película/sensor) para que a imagem projetada, de
um objeto no infinito, esteja focada.
Distância focal
• Distâncias focais em películas de 35mm
(ou sensores full frame, como a Canon
5D):
• grande-angular (<35mm)
• lente normal (35-50mm)
• teleobjetiva (>50mm).
• Padrões diferentes nos outros formatos de
película e em vídeo/digital.
Distância focal
Distância focal
• Quanto mais longa é a focal, mais estreito é o ângulo de
campo, ou seja, há menor área de visualização.
Profundidade de campo
• Medida entre a menor e a maior distância
em que a imagem é nítida.
• Aumentam a profundidade de campo:
• maior distância entre objetiva e objeto
fotografado
• menor abertura do diafragma
• (o que depende de maior quantidade de luz)
• menor distância focal
Lente normal
• Ângulos similares à visão humana
JejumdeAmor(HowardHawks,
1940)
Lente normal
• Porém, menor campo de visão que nossas retinas
Lente grande-angular
• Maior ângulo de visão
• Portanto, mais cenário visível [importante para planos-gerais]
• Maior sensação de distância do objeto que as outras lentes
Lente grande-angular
• Acentua a perspectiva: objetos mais próximos aparentam ser
muito maiores do que aparentariam na visão normal.
Pérfida(WilliamWyler,1941)
Lente grande-angular
• As linhas de convergência da perspectiva linear ficam mais
angulosas.
InvernodeSangueemVeneza
(NicolasRoeg,1973)
Lente grande-angular
• Closes distorcidos, muito mais volumosos que o normal.
Grandeangularvs.lentenormal
Lente grande-angular
• Criam escorços exagerados.
QuandoVoamasCegonhas
(MikhailKalatozov,1957)
Lente grande-angular
• Maior profundidade de campo que lentes com maior
distância focal.
CidadãoKane(OrsonWelles,1941)
Lente grande-angular
• Soy Cuba emprega sistematicamente a lente grande-angular.
SoyCuba(MikhailKalatozov,1964)
Lente teleobjetiva
• Imagem mais “próxima” que o ponto de onde foi tirada (muito
usada para “cobertura” das cenas.
Lente teleobjetiva
• Perspectiva mais achatada, comprimindo grupos de pessoas.
Tootsie(SydneyPollack,1982)
Lente teleobjetiva
• Efeito de “andar sem sair do lugar”.
Aprimeiranoitedeumhomem
(MikeNichols,1967)
Lente teleobjetiva
• Linhas convergentes ficam mais paralelas.
Aeternidadeeumdia(Theo
Angelopoulos,1998)
Lente teleobjetiva
• Objetos mais distantes não ficam tão pequenos quanto
deveriam, comprimindo primeiro e segundo planos.
Koyaanisqatsi(GodfreyReggio,
1982)
Lente teleobjetiva
• Menor profundidade de campo. Usa-se muito o efeito de
“foco móvel” em teleobjetivas, como meio expressivo para
guiar a atenção do espectador.
ÚltimoTangoemParis(Bernardo
Bertolucci,1972)
Distâncias focais (resumo)
• O fotógrafo Stephen Eastwood criou uma tabela de distorções
por lentes de diferentes distâncias focais, aplicadas a retratos.
• Um vídeo comparativo dos efeitos das mudanças de lentes.
Zoom-travelling
• O zoom-travelling (ou “dolly zoom”), usado em muitos filmes,
expõe claramente as distorções ópticas das pequenas e
grandes distâncias focais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfUNIP. Universidade Paulista
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Vinícius Souza
 
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)#Jão Pablo
 
Aula 5 - A Equipe De Filmagem
Aula 5 - A Equipe De FilmagemAula 5 - A Equipe De Filmagem
Aula 5 - A Equipe De FilmagemFernando
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematograficaprofealbattaiola
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisualMarcioveras
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualFeliciano Novo
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLaércio Góes
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPedro Almeida
 
Produção Audiovisual - A função do som pdf
Produção Audiovisual - A  função do som pdfProdução Audiovisual - A  função do som pdf
Produção Audiovisual - A função do som pdfUNIP. Universidade Paulista
 

Mais procurados (20)

PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
 
Escala de planos
Escala de planosEscala de planos
Escala de planos
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual
 
Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02
 
Plano cinematógrafico
Plano cinematógraficoPlano cinematógrafico
Plano cinematógrafico
 
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
Resumo de planos e ângulos de câmera (TPA - ETECJRM)
 
Aula 5 - A Equipe De Filmagem
Aula 5 - A Equipe De FilmagemAula 5 - A Equipe De Filmagem
Aula 5 - A Equipe De Filmagem
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisual
 
Planos
PlanosPlanos
Planos
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização Audiovisual
 
O papel criador da câmera
O papel criador da câmeraO papel criador da câmera
O papel criador da câmera
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
 
Produção em TV
Produção em TVProdução em TV
Produção em TV
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
 
Produção Audiovisual - A função do som pdf
Produção Audiovisual - A  função do som pdfProdução Audiovisual - A  função do som pdf
Produção Audiovisual - A função do som pdf
 
Produção cinematógrafiaca
Produção cinematógrafiacaProdução cinematógrafiaca
Produção cinematógrafiaca
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
 
3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène
 

Destaque

07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinemaCristiano Canguçu
 
9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialistaCristiano Canguçu
 
8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"Cristiano Canguçu
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Mauricio Fonteles
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteConrado Melo
 
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueiraManual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueiraLuara Schamó
 
Aprender com o Cinema
Aprender com o CinemaAprender com o Cinema
Aprender com o CinemaValéria Dias
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosAndreia Filipa Cardoso
 
Aula de Fotografia
Aula de FotografiaAula de Fotografia
Aula de FotografiaJoyce Gomes
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4crislautert
 

Destaque (20)

01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
 
4. Montagem e continuidade
4. Montagem e continuidade4. Montagem e continuidade
4. Montagem e continuidade
 
07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema
 
9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista
 
8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"
 
Como estudar
 Como estudar Como estudar
Como estudar
 
6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
 
Metodo japones
Metodo japonesMetodo japones
Metodo japones
 
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueiraManual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
 
Aprender com o Cinema
Aprender com o CinemaAprender com o Cinema
Aprender com o Cinema
 
Raccord e elipse
Raccord e elipseRaccord e elipse
Raccord e elipse
 
Montagem
MontagemMontagem
Montagem
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
 
Aula de Fotografia
Aula de FotografiaAula de Fotografia
Aula de Fotografia
 
Cinemas de vanguarda
Cinemas de vanguardaCinemas de vanguarda
Cinemas de vanguarda
 
5. Som e música
5. Som e música5. Som e música
5. Som e música
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
 
Cinema
Cinema Cinema
Cinema
 

Semelhante a 2. Cinematografia (16)

RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
 
Cinematografia Básica
Cinematografia BásicaCinematografia Básica
Cinematografia Básica
 
Linguagem cinematográfica
Linguagem cinematográficaLinguagem cinematográfica
Linguagem cinematográfica
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
 
Interface celtx
Interface celtxInterface celtx
Interface celtx
 
Bruna Alves
Bruna AlvesBruna Alves
Bruna Alves
 
Vídeo noções básicas
Vídeo   noções básicasVídeo   noções básicas
Vídeo noções básicas
 
Planos de gravação
Planos de gravaçãoPlanos de gravação
Planos de gravação
 
Filmologia 1
Filmologia 1Filmologia 1
Filmologia 1
 
FINAL.pptx
FINAL.pptxFINAL.pptx
FINAL.pptx
 
Trabalho cinema
Trabalho  cinemaTrabalho  cinema
Trabalho cinema
 
Audiovisual
AudiovisualAudiovisual
Audiovisual
 
Introdução ao cinema
Introdução ao cinemaIntrodução ao cinema
Introdução ao cinema
 
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
 
Definições de Planos.docx
Definições de Planos.docxDefinições de Planos.docx
Definições de Planos.docx
 
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentosEstética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
 

Mais de Cristiano Canguçu

Mais de Cristiano Canguçu (6)

Béla Balázs
Béla BalázsBéla Balázs
Béla Balázs
 
André Bazin
André BazinAndré Bazin
André Bazin
 
Siegfried Kracauer
Siegfried KracauerSiegfried Kracauer
Siegfried Kracauer
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
 
Realismo (introdução)
Realismo (introdução)Realismo (introdução)
Realismo (introdução)
 
Hugo Münsterberg
Hugo MünsterbergHugo Münsterberg
Hugo Münsterberg
 

Último

CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 

Último (20)

CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 

2. Cinematografia

  • 1. 2. Cinematografia DFCH454 – Linguagem do Cinema e do Audiovisual Prof. Cristiano Canguçu
  • 2. Definições de “plano” Etimologia: a imagem projetada numa superfície plana 1. Camadas de profundidade em um campo (cf. definição adiante) qualquer, em oposição às outras camadas mais próximas ou distantes. Primeiro, segundo, terceiro planos... 2. Demarcação espacial: “quadro”, ou “enquadramento”. Categorizado sob uma escala de planos; 3. Demarcação temporal: o segmento de duração entre dois cortes, i.e., “tomada”. AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas, SP: Papirus, 2003. Tradução
  • 3. Plano e campo Historiador da arte Ernst Gombrich (“Arte e Ilusão”): nossa percepção simultaneamente apreende a tela da pintura e do cinema enquanto espaços bidimensionais e tridimensionais: • Plano – bidimensional, limitado pelo quadro ou moldura; • Campo – espaço tridimensional imaginário, percebido pelo espectador a partir da tela bidimensional do filme. Outro espaço imaginário : o “fora-de-campo” é o espaço ficcional não mostrado, porém suposto a partir de indícios do campo. Ex: os personagens que não aparecem, em “Amor à flor da pele” (Wong Kar-Wai).
  • 4. Plano como duração (tomadas) • Na película, o limite é em torno de 10 minutos (festim diabólico). No cinema digital, uma tomada, pode durar de centésimos de segundo a horas. • Os planos duradouros costumam ser chamados de planos- sequências, pois se construiria uma sequência (cena) inteira em um único plano. • Em geral, a duração dos planos tem ficado cada vez mais curta, com filmes cada vez mais rápidos.
  • 5. Plano como duração (tomadas) • Medidas da Duração Média dos Planos (ASL – Average Shot Lenght) de Hollywood, através das décadas, feitas pelos historiadores do cinema Barry Salt & David Bordwell: • 1920: 4-6 segundos (impacto do cinema soviético) • 1930-50: 8-11 segundos (início do cinema sonoro) • 1960: 6-8 segundos • 1970: 5-8 segundos • 1980: 5-7 segundos • 1990: 3-6 segundos • 2000: ainda mais rápidos, mas ainda não houve mensuração exaustiva
  • 6. Escala de planos • A distância entre a câmera e o objeto enquadrado. Consequentemente, o tamanho relativo dos objetos em relação ao quadro. • A figura humana é o parâmetro implícito das escalas de planos, americana ou francesa.
  • 8. Plano-geral • Plan général, em francês. • Extreme long shot, em inglês. • Cenário vasto e completo, frequentemente paisagens naturais. • Pessoas vistas a grande distância. • Geralmente usado para apresentar o espaço da ação, como no início de 2001: Uma odisséia no espaço...
  • 9. Plano-geral: 2001 • Exemplo: o início de 2001: Uma odisséia no espaço.
  • 11. Plano-conjunto • Plan d'ensemble, em francês • Extreme long shot, em inglês (a escala americana não distingue entre plano-geral e plano-conjunto). • O plano-conjunto, ou plano de conjunto, mostra pessoas a distância, descrevendo suas relações especiais em um cenário ou ambiente específico. • Atuação principalmente corporal, sem enfatizar o rosto. • Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse tipo de plano...
  • 12. Plano-conjunto: Paul Thomas Anderson • Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse tipo de plano.
  • 14. Plano-médio • Pessoa em pé por inteiro, ocupando aproximadamente a altura do plano. • Usado para retratar ações físicas, que envolvem o corpo inteiro. • Plan moyen, em francês. • Long shot, em inglês.
  • 15. Plano-médio: cenas de dança • Boa parte das cenas de dança no cinema usam plano médio.
  • 16. Plano-médio: Chaplin • Atores de comédia física como sabem aproveitar os planos médios, como em algumas esquetes de Chaplin.
  • 18. Plano-americano • Plan américain, em francês. • Medium long shot, em inglês. • Pessoa enquadrada a meia-perna, acima do joelho. Permite a atuação corporal e gesticulação livre dos atores. • Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas ou mais pessoas (4:3), podendo também retratar o cenário mantendo o ator na frente (widescreen).
  • 19. Plano-americano (4:3) • Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas ou mais pessoas (4:3).
  • 20. Plano-americano (widescreen) • Pode também retratar o cenário mantendo o ator na frente (widescreen).
  • 23. Plano-próximo • Da cintura, ou do busto para cima. • A possibilidade de gesticulação é reduzida, concentrando a atuação no torso, nas mãos e no rosto. • Muito usado para diálogos com pessoas sentadas. • Plan rapproché, em francês. • Em inglês, distingue-se o medium shot do medium close-up – respectivamente, o enquadramento na cintura e no busto.
  • 25. Primeiro-plano • Gros plan, em francês . • Close-up, em inglês. • Cabeça com pescoço e, possivelmente, parte dos ombros. Objeto de perto. • A atuação é concentrada na expressão facial e no olhar. • Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de cada vez, intercalando campo e contracampo. • O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro- plano para retratar gestos manuais.
  • 26. Primeiro-plano: Casablanca • Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de cada vez.
  • 27. Primeiro-plano: Robert Bresson • O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro- plano para retratar gestos manuais.
  • 29. Plano-detalhe • Très gros plan, em francês • Extreme close-up, em inglês. • Objeto pequeno, pormenor de objeto ou do corpo humano. • Atuação restrita à parte do corpo retratada. • Muito usado para retratar o olhar. • Também usado para chamar atenção para objetos e detalhes cênicos. • Diretores como Quentin Tarantino e Edgar Wright são conhecidos pelo uso abundante do plano-detalhe...
  • 30. Plano-detalhe: o olhar • Muito usado para retratar o olhar...
  • 31. Plano-detalhe: Réquiem para um Sonho • ...ou para chamar atenção para objetos e detalhes cênicos. Ex: Réquiem para um sonho (Darren Aronofsky).
  • 32. Plano-detalhe: Tarantino • Diretores como Quentin Tarantino são conhecidos pelo uso abundante do plano-detalhe.
  • 33. Plano-detalhe: Edgar Wright • Edgar Wright é um diretor conhecido pelo uso dos planos- detalhes para fins cômicos.
  • 34. Escala de planos • Há duas escalas de planos principais: a americana (comum em livros sobre TV) e a francesa (maioria dos livros sobre cinema). • 1) o chamado “plano-médio”, que na escala americana significa “plano-cintura” e na escala francesa, “plano-pessoa-inteira”; • 2) o close-up que, em francês, significa “plano-detalhe” e em inglês, “primeiro-plano”. Os americanos chamam o plano-detalhe de “extreme close-up”. • Traduções francesas não padronizadas: plan rapproché (plano- próximo, plano aproximado); gros plan (primeiro-plano, grande plano); très gros plan (plano-detalhe, primeiríssimo plano)...
  • 35. Escala de planos • Toda escolha artística implica em rejeitar possibilidades alternativas. • Ex: a decupagem moderna, bastante fechada nos rostos, controla o ritmo e a atenção de forma muito mais enérgica, mas deixa de lado as possibilidades da encenação. • Há também questões econômicas: aluguel do ator, mais câmeras, picotar as atuações e escolher os melhores momentos de várias tomadas.
  • 40. Ângulo ascendente • Low angle shot, em inglês. • Contre-plongée, em francês. • Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de baixo para cima. • Em geral, cria sensação de imponência do tema retratado. • Muito usado por cineastas como Tarantino e Yasujiro Ozu...
  • 41. Ângulo ascendente: Tarantino • Muito usado por cineastas como Tarantino...
  • 42. Ângulo Ascendente: Ozu • ...e Yasujiro Ozu.
  • 46. Ângulo descendente • High angle shot, em inglês. • Plongée, em francês. • Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de cima para baixo. • Diminui as pessoas retratadas.
  • 47. Ângulo descendente: A Conversação • Exemplo: A conversação (Francis Ford Coppola).
  • 48. Ângulo descendente (aéreo) • Plano aéreo ou aerial shot: inclinação próxima de 90°
  • 49. Ângulo descendente (aéreo) • usada para ressaltar a espacialidade de uma ação...
  • 50. Ângulo descendente (aéreo) • ..também usado para chamar a atenção para objetos cênicos (Wes Anderson)
  • 52. Panorâmica • Movimento de rotação da câmera sobre sua base. Pode ser horizontal ou vertical, fazendo um arco convexo do ponto de vista da câmera. • Pan (horizontal) ou tilt (vertical), em inglês. • Exemplo: Thelma & Louise
  • 53. Travelling • Translação da câmera pelo espaço. Pode ser horizontal ou vertical. Quando segue um personagem, chamamos de travelling de acompanhamento; quando se aproxima de algo, chama-se travelling-in; quando se afasta, travelling-out. • Em inglês há inúmeras variedades: tracking shot, dolly shot, crane shot, crab, boom, a depender da técnica utilizada e da direção do movimento. • Ex: travellings de seguimento em O Iluminado (Stanley Kubrick) e em Darren Aronofsky; travelling lateral em Weekend (Jean-Luc Godard).
  • 54. Diferenças terminológicas • Os anglófonos preferem termos mais técnicos, a depender de como foi feito o movimento: “tilt” (travelling vertical) é feito com tilt plates; tracking shot e dollying referem-se aos trilhos (tracks) nos quais punha-se um carrinho (dolly) com a câmera; fala-se também de “crane shot”, quando o plano é feito com gruas (cranes). • A classificação francesa é mais simples, sem deduzir como o plano foi feito: panorâmica consiste em movimento de rotação e travelling, de translação. Quando há ambos, fala-se em pano-travelling.
  • 55. Distância focal • Distância, medida em milímetros, entre o centro óptico da lente e o ponto de foco (a película/sensor) para que a imagem projetada, de um objeto no infinito, esteja focada.
  • 56. Distância focal • Distâncias focais em películas de 35mm (ou sensores full frame, como a Canon 5D): • grande-angular (<35mm) • lente normal (35-50mm) • teleobjetiva (>50mm). • Padrões diferentes nos outros formatos de película e em vídeo/digital.
  • 58. Distância focal • Quanto mais longa é a focal, mais estreito é o ângulo de campo, ou seja, há menor área de visualização.
  • 59. Profundidade de campo • Medida entre a menor e a maior distância em que a imagem é nítida. • Aumentam a profundidade de campo: • maior distância entre objetiva e objeto fotografado • menor abertura do diafragma • (o que depende de maior quantidade de luz) • menor distância focal
  • 60. Lente normal • Ângulos similares à visão humana JejumdeAmor(HowardHawks, 1940)
  • 61. Lente normal • Porém, menor campo de visão que nossas retinas
  • 62. Lente grande-angular • Maior ângulo de visão • Portanto, mais cenário visível [importante para planos-gerais] • Maior sensação de distância do objeto que as outras lentes
  • 63. Lente grande-angular • Acentua a perspectiva: objetos mais próximos aparentam ser muito maiores do que aparentariam na visão normal. Pérfida(WilliamWyler,1941)
  • 64. Lente grande-angular • As linhas de convergência da perspectiva linear ficam mais angulosas. InvernodeSangueemVeneza (NicolasRoeg,1973)
  • 65. Lente grande-angular • Closes distorcidos, muito mais volumosos que o normal. Grandeangularvs.lentenormal
  • 66. Lente grande-angular • Criam escorços exagerados. QuandoVoamasCegonhas (MikhailKalatozov,1957)
  • 67. Lente grande-angular • Maior profundidade de campo que lentes com maior distância focal. CidadãoKane(OrsonWelles,1941)
  • 68. Lente grande-angular • Soy Cuba emprega sistematicamente a lente grande-angular. SoyCuba(MikhailKalatozov,1964)
  • 69. Lente teleobjetiva • Imagem mais “próxima” que o ponto de onde foi tirada (muito usada para “cobertura” das cenas.
  • 70. Lente teleobjetiva • Perspectiva mais achatada, comprimindo grupos de pessoas. Tootsie(SydneyPollack,1982)
  • 71. Lente teleobjetiva • Efeito de “andar sem sair do lugar”. Aprimeiranoitedeumhomem (MikeNichols,1967)
  • 72. Lente teleobjetiva • Linhas convergentes ficam mais paralelas. Aeternidadeeumdia(Theo Angelopoulos,1998)
  • 73. Lente teleobjetiva • Objetos mais distantes não ficam tão pequenos quanto deveriam, comprimindo primeiro e segundo planos. Koyaanisqatsi(GodfreyReggio, 1982)
  • 74. Lente teleobjetiva • Menor profundidade de campo. Usa-se muito o efeito de “foco móvel” em teleobjetivas, como meio expressivo para guiar a atenção do espectador. ÚltimoTangoemParis(Bernardo Bertolucci,1972)
  • 75. Distâncias focais (resumo) • O fotógrafo Stephen Eastwood criou uma tabela de distorções por lentes de diferentes distâncias focais, aplicadas a retratos. • Um vídeo comparativo dos efeitos das mudanças de lentes.
  • 76. Zoom-travelling • O zoom-travelling (ou “dolly zoom”), usado em muitos filmes, expõe claramente as distorções ópticas das pequenas e grandes distâncias focais.