SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
• O cinema nasceu em França originado pelos
  irmãos Lumière;
• É considerado a Sétima Arte;
• Rapidamente esta arte se
  universaliza, encontrando excelentes cultores
  na Europa, América e Ásia;
• "Empregados deixando a Fábrica Lumière“ foi
  o primeiro audiovisual exibido na história;
• Como não conseguiam conjugar a imagem com
  o som, os filmes até 1926, eram mudos;
• Em 1927, Warner Brothers lançou um filme com
  som, do qual obteve o nome de “The Jazz
  Singer”;
• O cinema de todos os “mass media”, foi aquele
  que contribuiu mais para a difusão dos modelos
  socioculturais e também de diversos
  comportamentos.
ANÁLISE DE DOCUMENTOS:
                              Inquérito sobre o
                              que o público
                              quando ia ao cinema
                              procurava.




                             Inquérito sobre o
                             interesse dos
                             espectadores.




 Documento baseado no
 sonho e na evasão (página
 161 do manual)
• O cinema era bastante utilizado na
  propaganda de regimes, inclusive na
  Alemanha, na Rússia e na França;
• Entre os primeiros filmes que já referi,
  alguns como de ficção e de documentário
  destacaram-se nesta época;
• Com esta arte, após a depressão nos
  Estados Unidos da América, a industria
  recupera-se e com isto, Hollywood vive os
  seus anos de “ouro” nos anos de 1938 e
  1939;
• Assim o cinema torna-se, não só um
  “hobbie” mas sim, uma forma de revelar a
  sociedade.
• Um filme mudo é um filme que não
  possui a trilha sonora de
  acompanhamento que corresponde
  diretamente às imagens exibidas, sendo
  esta lacuna substituída normalmente por
  músicas ou efeitos sonoros executados no
  momento da exibição. Nos filmes mudos
  para o entretenimento, o diálogo é
  transmitido através de gestos
  suaves, mimica e letreiros explicativos;
• Longa-metragem é uma
  obra cinematográfica com duração
  superior a sessenta minutos. Este padrão
  é no entanto discutível, visto haver quem
  o estabeleça para valores de tempo
  superiores ou inferiores em cerca de dez
  minutos. Em língua inglesa é designado
  como feature film.
• Curta-metragem é o nome que se dá a um
  filme de pequena duração. Define-se
  curta-metragem como filme com duração
  de até 30 minutos, de intenção
  estética, informativa, educacional ou
  publicitária, geralmente exibido como
  complemento de um programa
  cinematográfico. O género que é mais
  utilizado em formato de curta-metragem
  foram as animações.
• Documentário é
  um género cinematográfico que se
  caracteriza pelo compromisso com a
  exploração da realidade. O filme
  documentário foi pela primeira vez
  teorizado por Dziga Vertov (1896-
  1954), que desenvolveu o conceito de
  «cinema-verdade» , defendendo a ideia
  da fiabilidade do olho da câmara, a seu
  ver mais fiel à realidade que o olho
  humano, visto ser uma reprodução
  mecânica do visível . O
  termo documentário é descrito em 1879
  pelo dicionário francês Littré como
  adjetivo referente a algo «que tem
  carácter de documento».
• Um filme em 3-D digital usa um ou dois
  projetores digitais para reproduzir a imagem
  na tela. Estruturas com dois projetores
  utilizam um deles para reproduzir a imagem
  para o olho esquerdo e o outro, para o olho
  direito. A luz que forma cada imagem é
  polarizada a fim de igualar as lentes
  correspondentes.
• A maioria dos sistemas de um único projetor
  utiliza um dispositivo de polarização
  posicionado acima da lente do projetor. Esse
  dispositivo é uma placa polarizada que
  permite a passagem de luz para apenas uma
  das duas imagens de cada vez.
• Em sistemas de um único projetor, cada
  olho enxerga sua imagem para cada quadro
  do filme, de duas a três vezes, numa
  sucessão extremamente rápida. Seu cérebro
  interpreta isso como uma imagem
  tridimensional contínua.
• Cinema 4D é uma aplicação 3D para
  retoque de filmes muito popular, devido a
  sua ferramenta 3D, Pintura de
  Corpos (BodyPaint), e igualmente popular
  na criação de filmes. É um programa de
  computador comercial multiplataforma
  para modelagem
  3D, texturização, iluminação, e
  animação 3D, desenvolvido pela
  empresa alemã MAXON Computer GmbH.
  Este programa é capaz de fazer
  modelagem procedural e poligonal. Já foi
  usado em alguns filmes/animações. O
  lançamento do CINEMA 4D trouxe
  melhorias em diversos
  módulos, principalmente no tempo e
  qualidade da renderização com
  iluminação global, animação não-linear, e
  integração do Projection Man.
• O cinema em Portugal surgiu ainda no
  século XIX, graças a Aurélio de Reis, que
  apresentou no porto os seus primeiros
  filmes sem som;
• Aos poucos, o cinema deixa a fase de
  exibições em feiras e passa a ser uma
  verdadeira indústria cinematográfica com
  uma divulgação mais alargada;
• O sucesso do cinema mudo português
  surgiu com filmes como “Maria do mar” e
  “Douro”. Os primeiros filmes sonoros
  foram “A severa” (Leitão de Barros) e “A
  Canção de Lisboa” (Cotinelli Telmo);
• Tal como todas as atividades que estão
  ligadas à cultura, o cinema não escapou
  ao controlo do regime do Estado Novo; A
  ideologia conservadora estava presente
  nas personagens e na história dos filmes
  fazendo sempre apelo aos ideais do
  regime;
• O cinema português entra em decadência
  a partir dos anos 50, na sequência da
  vigilância apertada da censura do Estado
  Novo.
O Cinema depois da Revolução:
Século XXI- traços gerais
Charlie Chaplin
Vídeo de apresentação:
Trabalho  cinema

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Powerpoint Os Loucos Anos 20
Powerpoint Os Loucos Anos 20Powerpoint Os Loucos Anos 20
Powerpoint Os Loucos Anos 20isabel mgm
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicosSílvia Faim
 
Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?becastanheiradepera
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Inês Moreira
 
Charlie Chaplin
Charlie Chaplin Charlie Chaplin
Charlie Chaplin Michele Pó
 
Powerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livroPowerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livroCristina Marcelino
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"VniaRodrigues30
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 

Mais procurados (20)

Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
Powerpoint Os Loucos Anos 20
Powerpoint Os Loucos Anos 20Powerpoint Os Loucos Anos 20
Powerpoint Os Loucos Anos 20
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicos
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
 
Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?
 
A mulher nos anos 20
A mulher  nos anos 20A mulher  nos anos 20
A mulher nos anos 20
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Cultura de Massas
Cultura de MassasCultura de Massas
Cultura de Massas
 
Charlie Chaplin
Charlie Chaplin Charlie Chaplin
Charlie Chaplin
 
Powerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livroPowerpoint apresentação de livro
Powerpoint apresentação de livro
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
A Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudoA Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudo
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 

Destaque

Apresentação Final Sobre Filmes
Apresentação Final Sobre FilmesApresentação Final Sobre Filmes
Apresentação Final Sobre FilmesFilmes
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do CinemaMichele Pó
 
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)Mauricio Mallet Duprat
 
A emancipação feminina trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.
A emancipação feminina   trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.A emancipação feminina   trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.
A emancipação feminina trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.Iva Leão
 
Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 20Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 2000199600
 

Destaque (6)

Apresentação Final Sobre Filmes
Apresentação Final Sobre FilmesApresentação Final Sobre Filmes
Apresentação Final Sobre Filmes
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)CINEMA - Parte 1 (O início da história)
CINEMA - Parte 1 (O início da história)
 
A emancipação feminina trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.
A emancipação feminina   trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.A emancipação feminina   trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.
A emancipação feminina trabalho para história- iva leão, 9ºg, nº9.
 
Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 20Emancipação feminina - Anos 20
Emancipação feminina - Anos 20
 

Semelhante a Trabalho cinema

Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCarolinaMagalhes54
 
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxCAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxTATE9
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx gabiimedeiros
 
Trabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinemaTrabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinemaPaulo R Corrêa
 
Luz-câmera-ação.pptx
Luz-câmera-ação.pptxLuz-câmera-ação.pptx
Luz-câmera-ação.pptxGianotedeBrito
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)Mauricio Mallet Duprat
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoriaatovirtual
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostilaCarlos Zaranza
 
Cinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimentoCinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimentolorers
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinemaladybru
 
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
[HAVC] Cinema: Manoel de OliveiraRicardo Sousa
 
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfcinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfWeslleyDias8
 
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdfComponente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdfPauloPaulo83
 

Semelhante a Trabalho cinema (20)

Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
 
Cinema1
Cinema1Cinema1
Cinema1
 
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxCAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
 
Trabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinemaTrabalho meios e linguagens 2 - cinema
Trabalho meios e linguagens 2 - cinema
 
Luz-câmera-ação.pptx
Luz-câmera-ação.pptxLuz-câmera-ação.pptx
Luz-câmera-ação.pptx
 
Aguas mil
Aguas milAguas mil
Aguas mil
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
 
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Albertocurso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
 
Documento filmico
Documento filmicoDocumento filmico
Documento filmico
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoria
 
José Val del Omar
José Val del OmarJosé Val del Omar
José Val del Omar
 
Seminario animacao
Seminario animacaoSeminario animacao
Seminario animacao
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostila
 
Cinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimentoCinema, o mundo em movimento
Cinema, o mundo em movimento
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
 
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
[HAVC] Cinema: Manoel de Oliveira
 
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfcinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
 
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdfComponente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
Componente Curricular Eletiva HUMANASEDUCAODIGITAL.pdf
 
power-point1.pptx
power-point1.pptxpower-point1.pptx
power-point1.pptx
 

Último

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Trabalho cinema

  • 1.
  • 2. • O cinema nasceu em França originado pelos irmãos Lumière; • É considerado a Sétima Arte; • Rapidamente esta arte se universaliza, encontrando excelentes cultores na Europa, América e Ásia; • "Empregados deixando a Fábrica Lumière“ foi o primeiro audiovisual exibido na história; • Como não conseguiam conjugar a imagem com o som, os filmes até 1926, eram mudos; • Em 1927, Warner Brothers lançou um filme com som, do qual obteve o nome de “The Jazz Singer”; • O cinema de todos os “mass media”, foi aquele que contribuiu mais para a difusão dos modelos socioculturais e também de diversos comportamentos.
  • 3. ANÁLISE DE DOCUMENTOS: Inquérito sobre o que o público quando ia ao cinema procurava. Inquérito sobre o interesse dos espectadores. Documento baseado no sonho e na evasão (página 161 do manual)
  • 4. • O cinema era bastante utilizado na propaganda de regimes, inclusive na Alemanha, na Rússia e na França; • Entre os primeiros filmes que já referi, alguns como de ficção e de documentário destacaram-se nesta época; • Com esta arte, após a depressão nos Estados Unidos da América, a industria recupera-se e com isto, Hollywood vive os seus anos de “ouro” nos anos de 1938 e 1939; • Assim o cinema torna-se, não só um “hobbie” mas sim, uma forma de revelar a sociedade.
  • 5. • Um filme mudo é um filme que não possui a trilha sonora de acompanhamento que corresponde diretamente às imagens exibidas, sendo esta lacuna substituída normalmente por músicas ou efeitos sonoros executados no momento da exibição. Nos filmes mudos para o entretenimento, o diálogo é transmitido através de gestos suaves, mimica e letreiros explicativos;
  • 6. • Longa-metragem é uma obra cinematográfica com duração superior a sessenta minutos. Este padrão é no entanto discutível, visto haver quem o estabeleça para valores de tempo superiores ou inferiores em cerca de dez minutos. Em língua inglesa é designado como feature film. • Curta-metragem é o nome que se dá a um filme de pequena duração. Define-se curta-metragem como filme com duração de até 30 minutos, de intenção estética, informativa, educacional ou publicitária, geralmente exibido como complemento de um programa cinematográfico. O género que é mais utilizado em formato de curta-metragem foram as animações.
  • 7. • Documentário é um género cinematográfico que se caracteriza pelo compromisso com a exploração da realidade. O filme documentário foi pela primeira vez teorizado por Dziga Vertov (1896- 1954), que desenvolveu o conceito de «cinema-verdade» , defendendo a ideia da fiabilidade do olho da câmara, a seu ver mais fiel à realidade que o olho humano, visto ser uma reprodução mecânica do visível . O termo documentário é descrito em 1879 pelo dicionário francês Littré como adjetivo referente a algo «que tem carácter de documento».
  • 8. • Um filme em 3-D digital usa um ou dois projetores digitais para reproduzir a imagem na tela. Estruturas com dois projetores utilizam um deles para reproduzir a imagem para o olho esquerdo e o outro, para o olho direito. A luz que forma cada imagem é polarizada a fim de igualar as lentes correspondentes. • A maioria dos sistemas de um único projetor utiliza um dispositivo de polarização posicionado acima da lente do projetor. Esse dispositivo é uma placa polarizada que permite a passagem de luz para apenas uma das duas imagens de cada vez. • Em sistemas de um único projetor, cada olho enxerga sua imagem para cada quadro do filme, de duas a três vezes, numa sucessão extremamente rápida. Seu cérebro interpreta isso como uma imagem tridimensional contínua.
  • 9. • Cinema 4D é uma aplicação 3D para retoque de filmes muito popular, devido a sua ferramenta 3D, Pintura de Corpos (BodyPaint), e igualmente popular na criação de filmes. É um programa de computador comercial multiplataforma para modelagem 3D, texturização, iluminação, e animação 3D, desenvolvido pela empresa alemã MAXON Computer GmbH. Este programa é capaz de fazer modelagem procedural e poligonal. Já foi usado em alguns filmes/animações. O lançamento do CINEMA 4D trouxe melhorias em diversos módulos, principalmente no tempo e qualidade da renderização com iluminação global, animação não-linear, e integração do Projection Man.
  • 10. • O cinema em Portugal surgiu ainda no século XIX, graças a Aurélio de Reis, que apresentou no porto os seus primeiros filmes sem som; • Aos poucos, o cinema deixa a fase de exibições em feiras e passa a ser uma verdadeira indústria cinematográfica com uma divulgação mais alargada; • O sucesso do cinema mudo português surgiu com filmes como “Maria do mar” e “Douro”. Os primeiros filmes sonoros foram “A severa” (Leitão de Barros) e “A Canção de Lisboa” (Cotinelli Telmo);
  • 11. • Tal como todas as atividades que estão ligadas à cultura, o cinema não escapou ao controlo do regime do Estado Novo; A ideologia conservadora estava presente nas personagens e na história dos filmes fazendo sempre apelo aos ideais do regime; • O cinema português entra em decadência a partir dos anos 50, na sequência da vigilância apertada da censura do Estado Novo.
  • 12. O Cinema depois da Revolução: