SlideShare uma empresa Scribd logo

Como estudar

Boas práticas de estudo e preparação de seminários

1 de 15
Baixar para ler offline
O que são teorias?
Teorias não são simples hipóteses, afirmações soltas, ou
“achismos”, mas tentativas de responder a problemas de
pesquisa, i.e.:
• questões complexas;
• de natureza geral; e
• com respostas não-evidentes.
1
O que é um texto teórico?
Um texto teórico (artigo, tratado, ensaio, etc.) é aquele que se
propõe a:
• enunciar;
• desenvolver;
• e sustentar uma teoria.
Compreender um texto teórico implica em:
• analisar seus conceitos fundamentais;
• reconstruir a sua argumentação
Evitar as reações superficiais
É válido concordar ou discordar de qualquer tese de qualquer
autor, desde que se analisar e reconstrua o seu percurso
argumentativo.
Não satisfazem aos requisitos desta disciplina:
• Simplesmente dar-lhe um rótulo (“elitista”, “populista”,
“ultrapassado”, “transgressor”, “ingênuo”, “positivista”, “pós-
moderno”, etc.); ou
• Afirmar conclusões próprias, sem sustentá-las e sem discutir com
as leituras obrigatórias (“na verdade, é X”).
• Tratar questões teóricas como pura e simplesmente opinativas
(“o autor acredita em X”);
Componentes do texto teórico
Todo texto teórico (artigo, ensaio, tratado, etc.) é um texto
argumentativo que se insere num contexto de investigação,
questionamentos e debates de ideias.
Assim, cabe ao leitor prestar atenção em três aspectos textuais:
1. Circunstância;
2. Substância e justificação;
3. Dialética.
Componentes do texto teórico
1. Circunstância
• Problema de pesquisa (questão que se discute);
• Contexto (quando, onde, circunstâncias);
• Autoria (vinculação e trajetória do autor);
Componentes do texto teórico
2. Substância e justificação
• Tese (conclusão defendida no texto);
• Conceitos (noções abstratas que classificam e generalizam
fenômenos ou objetos no mundo, para ajudar a compreendê-los);
• Premissas (argumentos que sustentam a tese);
• Evidências (informações concretas que sustentam a tese);
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como estudar filosofia
Como estudar filosofiaComo estudar filosofia
Como estudar filosofiasuperego
 
Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia CientíficaRafael Ávila
 
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)Dionísio Carmo-Neto
 
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFEPalestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFEUniversidade de São Paulo
 
Curso artigo junho2013 parte 2a
Curso artigo junho2013 parte 2aCurso artigo junho2013 parte 2a
Curso artigo junho2013 parte 2aNanda Guzman
 
Aula 01 IntroduçãO E MéTodos
Aula 01   IntroduçãO E MéTodosAula 01   IntroduçãO E MéTodos
Aula 01 IntroduçãO E MéTodosProfGilson Malta
 
Matriz_1_teste_filosofia
Matriz_1_teste_filosofiaMatriz_1_teste_filosofia
Matriz_1_teste_filosofiaIsabel Moura
 
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnocolegiomb
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosóficoRolando Almeida
 
Como realizar um Trabalho Científico
Como realizar um Trabalho CientíficoComo realizar um Trabalho Científico
Como realizar um Trabalho Científicoligasmedicas
 

Mais procurados (20)

Instrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosoficoInstrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosofico
 
Aula 6 normas da apa
Aula 6  normas da apaAula 6  normas da apa
Aula 6 normas da apa
 
Como estudar filosofia
Como estudar filosofiaComo estudar filosofia
Como estudar filosofia
 
Método lógico para redação científica
Método lógico para redação científicaMétodo lógico para redação científica
Método lógico para redação científica
 
Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia Científica
 
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
 
Redação Científica
Redação CientíficaRedação Científica
Redação Científica
 
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFEPalestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE
 
Curso artigo junho2013 parte 2a
Curso artigo junho2013 parte 2aCurso artigo junho2013 parte 2a
Curso artigo junho2013 parte 2a
 
Partesdotrabalho
PartesdotrabalhoPartesdotrabalho
Partesdotrabalho
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
mm
mmmm
mm
 
Aula 01 IntroduçãO E MéTodos
Aula 01   IntroduçãO E MéTodosAula 01   IntroduçãO E MéTodos
Aula 01 IntroduçãO E MéTodos
 
Matriz_1_teste_filosofia
Matriz_1_teste_filosofiaMatriz_1_teste_filosofia
Matriz_1_teste_filosofia
 
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Analise Argumentativa
Analise  ArgumentativaAnalise  Argumentativa
Analise Argumentativa
 
Como realizar um Trabalho Científico
Como realizar um Trabalho CientíficoComo realizar um Trabalho Científico
Como realizar um Trabalho Científico
 
Matriz_1 teste
Matriz_1 teste Matriz_1 teste
Matriz_1 teste
 

Destaque

9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialistaCristiano Canguçu
 
8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"Cristiano Canguçu
 
07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinemaCristiano Canguçu
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Mauricio Fonteles
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosAndreia Filipa Cardoso
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4crislautert
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6crislautert
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Mauricio Mallet Duprat
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteConrado Melo
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Mauricio Mallet Duprat
 

Destaque (17)

9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista
 
8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"
 
6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa
 
4. Montagem e continuidade
4. Montagem e continuidade4. Montagem e continuidade
4. Montagem e continuidade
 
2. Cinematografia
2. Cinematografia2. Cinematografia
2. Cinematografia
 
07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema
 
3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène
 
01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
 
5. Som e música
5. Som e música5. Som e música
5. Som e música
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
 

Semelhante a Como estudar

aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxZoraide6
 
My trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteisMy trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteisIFSC
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABRenata Aquino
 
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014Helio de Miranda
 
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSModelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSRodrigo Sampaio
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxFSCCarvalho
 
Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisa
Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisaPrograma institucional iniciacao -projeto de pesquisa
Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisaCidinha Santos
 
MTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptx
MTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptxMTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptx
MTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptxAlanBrando7
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioAdriele Leal
 
Redação do texto científico i
Redação do texto científico iRedação do texto científico i
Redação do texto científico iPaola Barbosa Dias
 
Como estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosóficoComo estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosóficoAndré Augusto da Fonseca
 
Aula 6 estrutura do trabalho de n2
Aula 6   estrutura do trabalho de n2Aula 6   estrutura do trabalho de n2
Aula 6 estrutura do trabalho de n2Psicologia_2015
 
Resumos e fichamentos - TCC - versão pública
Resumos e fichamentos - TCC - versão públicaResumos e fichamentos - TCC - versão pública
Resumos e fichamentos - TCC - versão públicaErika Zuza
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo7 de Setembro
 

Semelhante a Como estudar (20)

aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptx
 
My trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteisMy trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteis
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
 
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
Carla Dieguez - Plano de projeto de pesquisa - FESP 2014
 
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSModelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
 
Aula 9 e 10
Aula 9 e 10Aula 9 e 10
Aula 9 e 10
 
Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisa
Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisaPrograma institucional iniciacao -projeto de pesquisa
Programa institucional iniciacao -projeto de pesquisa
 
MTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptx
MTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptxMTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptx
MTC - Projeto de Pesquisa e Normas ABNT.pptx
 
15.ppt
15.ppt15.ppt
15.ppt
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
Redação do texto científico i
Redação do texto científico iRedação do texto científico i
Redação do texto científico i
 
Como estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosóficoComo estudar um texto científico ou filosófico
Como estudar um texto científico ou filosófico
 
Aula 6 estrutura do trabalho de n2
Aula 6   estrutura do trabalho de n2Aula 6   estrutura do trabalho de n2
Aula 6 estrutura do trabalho de n2
 
Resumos e fichamentos - TCC - versão pública
Resumos e fichamentos - TCC - versão públicaResumos e fichamentos - TCC - versão pública
Resumos e fichamentos - TCC - versão pública
 
Aula dissertação
Aula dissertaçãoAula dissertação
Aula dissertação
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Modelo de fichamento
Modelo de fichamentoModelo de fichamento
Modelo de fichamento
 
Aula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucciAula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucci
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
 

Mais de Cristiano Canguçu

Mais de Cristiano Canguçu (6)

Béla Balázs
Béla BalázsBéla Balázs
Béla Balázs
 
André Bazin
André BazinAndré Bazin
André Bazin
 
Siegfried Kracauer
Siegfried KracauerSiegfried Kracauer
Siegfried Kracauer
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
 
Realismo (introdução)
Realismo (introdução)Realismo (introdução)
Realismo (introdução)
 
Hugo Münsterberg
Hugo MünsterbergHugo Münsterberg
Hugo Münsterberg
 

Último

2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 

Último (20)

2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 

Como estudar

  • 1. O que são teorias? Teorias não são simples hipóteses, afirmações soltas, ou “achismos”, mas tentativas de responder a problemas de pesquisa, i.e.: • questões complexas; • de natureza geral; e • com respostas não-evidentes. 1
  • 2. O que é um texto teórico? Um texto teórico (artigo, tratado, ensaio, etc.) é aquele que se propõe a: • enunciar; • desenvolver; • e sustentar uma teoria. Compreender um texto teórico implica em: • analisar seus conceitos fundamentais; • reconstruir a sua argumentação
  • 3. Evitar as reações superficiais É válido concordar ou discordar de qualquer tese de qualquer autor, desde que se analisar e reconstrua o seu percurso argumentativo. Não satisfazem aos requisitos desta disciplina: • Simplesmente dar-lhe um rótulo (“elitista”, “populista”, “ultrapassado”, “transgressor”, “ingênuo”, “positivista”, “pós- moderno”, etc.); ou • Afirmar conclusões próprias, sem sustentá-las e sem discutir com as leituras obrigatórias (“na verdade, é X”). • Tratar questões teóricas como pura e simplesmente opinativas (“o autor acredita em X”);
  • 4. Componentes do texto teórico Todo texto teórico (artigo, ensaio, tratado, etc.) é um texto argumentativo que se insere num contexto de investigação, questionamentos e debates de ideias. Assim, cabe ao leitor prestar atenção em três aspectos textuais: 1. Circunstância; 2. Substância e justificação; 3. Dialética.
  • 5. Componentes do texto teórico 1. Circunstância • Problema de pesquisa (questão que se discute); • Contexto (quando, onde, circunstâncias); • Autoria (vinculação e trajetória do autor);
  • 6. Componentes do texto teórico 2. Substância e justificação • Tese (conclusão defendida no texto); • Conceitos (noções abstratas que classificam e generalizam fenômenos ou objetos no mundo, para ajudar a compreendê-los); • Premissas (argumentos que sustentam a tese); • Evidências (informações concretas que sustentam a tese);
  • 7. Componentes do texto teórico 3. Dialética • Antíteses (respostas rejeitadas pelo autor); • Contra-argumentos (como ele justifica tal rejeição); • Ressalvas (limites impostos à própria tese).
  • 8. Como analisar conceitos Algumas perguntas a fazer ao tentar compreender conceitos: • Quais os casos-modelo (usos básicos e centrais) do conceito? • Qual seu limite (quais contraexemplos não cabem nele)? ; • Como se compara com casos e conceitos afins? • Qual o problema subjacente à proposição do conceito?
  • 9. Sugestão de prática de estudo Antes de ler, prestar atenção em: • Contexto: autor, obra, corrente, título, palavras-chave, resumo; • Estrutura: sumário (há um capítulo chave?), introdução, conclusão;
  • 10. Sugestão de prática de estudo Primeira leitura (rápida): • Ler o texto sem pausas; • Sublinhar dúvidas, conceitos importantes, teses;
  • 11. Sugestão de prática de estudo Segunda leitura (analítica, com anotações): • Ter dicionário à mão; • Copiar referência ABNT e trechos citáveis; • Anotações em tópicos (parafraseados): ideias e argumentos centrais, referências e críticas do autor; • Anotar dúvidas, concordâncias e discordâncias suas.
  • 12. Preparação de seminários 1. Apresentar o contexto (circunstâncias, autoria) do texto; 2. Identificar claramente o problema teórico discutido; 3. Enunciar quais outras respostas (antíteses) são rejeitadas; 4. Explicar o porquê (contra-argumentos) da sua recusa; 5. Indicar a resposta (tese) defendida no texto; 6. Examinar como esta é sustentada (premissas/evidências); 7. Sublinhar os limites e ressalvas da teoria. Não esquecer de apresentar e explicar os conceitos pertinentes durante o seminário.
  • 13. Bibliografia BAGGINI, Julian; FOSL, Peter. As ferramentas dos filósofos: um compêndio sobre conceitos e métodos filosóficos. São Paulo: Loyola, 2008. BOOTH, Wayne et al. A arte da pesquisa. São Paulo: Martins Fontes, 2000. CONCEPT. In: Wikipedia, the Free Encyclopedia. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Concept>. MARTINICH, A.P. Ensaio filosófico: O que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 2002.
  • 14. Bibliografia MURCHO, Desidério. A natureza da filosofia e o seu ensino. Educação & Filosofia, Uberlândia, v.22, n.44, 2008. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/1968/1642 ______. Definição. in: BRANQUINHO, João et al. (orgs.). Enciclopédia de Termos Lógico-Filosóficos. São Paulo: Martins Fontes, 2006. ______. Estudar filosofia: uma abordagem. in: Crítica na rede. Disponível em: <http://criticanarede.com/estudarfilosofia.html>. ______. Filosofia, investigação e ensino na universidade. in: MAAMAR, Adriana (org.). Filosofia na Universidade. Ijuí, RS: Unijuí, 2006
  • 15. Bibliografia PHILOSOPHICAL Theory. in: Wikipedia, the Free Encyclopedia. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Philosophical_theory>. PRYOR, James. Como se escreve um ensaio de filosofia. in: Crítica na rede. Disponível em: <http://criticanarede.com/fil_escreverumensaio.html>. THEORY. in: Wikipedia, the Free Encyclopedia. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Theory>. WILSON, John. Pensar com conceitos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.