Guaianas 097

318 visualizações

Publicada em

gs

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
318
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guaianas 097

  1. 1. Dedicação e força de vontade são principais fatores para o sucesso no esporte Assim como todos os atletas, os paraatle- tas enfrentam diversos desafios, lutam por pa- trocínio e superam seus limites corporais, durante os treinos. De acordo com o ortopedista Rogé- rio Teixeira, do Hospital e Maternidade São Luiz, o esforço de um atleta paraolímpico... pág 02 Ano 7 - Número 097 - www.aconteceleste.com.br Tel.: (11) 2031-2364 - raleste@gmail.com 3ª SEMANA DE JULHO/2014 Entenda como funciona a preparação do atleta paraolímpico Programa começará na próxima segunda- -feira, dia 21 de julho, no bairro de Guaianases com intervenções para aprimorar a mobilidade na região. Diversas áre- as que abrangem o dis- trito receberão atenção especial em relação à sinalização viária, Edu- cação e Segurança de Trânsito O programa CET no Seu Bairro - Melhorando a Mobilidade terá início no bairro do Lajeado, em Guaianases, na próxima segunda-feira, dia 21 de julho. As ações desta ini- ciativa inédita incluem a manutenção e instalação de placas de trânsito, revitalização de faixas de travessia de pedestres e lombadas, além de colo- cação de rotatórias e.. Leia na pag 07 “CET no Seu Bairro” chega ao bairro de Guaianases O Projeto tem por fina- lidade promover ações Brincando na Praça faz a alegria das crianças no Lajeado sociais voltadas à popu- lação carente e crianças do Bairro Jardim Lajeado em Guaianases, zona leste de São Paulo. leia na pág 07 Abandonar a posição de vítima e reconhecer as próprias qualidades são os primeiros passos para con- quistar autoconfiança. Pag06 Feminina Como ser uma pessoa confiante Especialistas alertam as piores falhas cometidas que podem acabar com a carreira de qualquer profissional de sucesso.Pág 08 Variedades Alguns erros que podem acabar com sua carreira Atualidade Violência do- méstica contra a mulher O “Mapa da Violência de 2012: homicídios de mulheres do Brasil”, do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, coloca o País em.. Pág 02 Governador tem 54%, Paulo Skaf marca 16%, segundo instituto de pes- quisa, e Alexandre Padi- lha fica com 4%. Pesquisa Datafolha divulgada no último dia 17 mostra crescimento Pesquisa Datafolha mostra vitória de Alckmin no primeiro turno em SP do governador Geraldo Alckmin (PSDB) na dis- puta pelo governo de São Paulo. O tucano passou de 44% para 54% em relação à última sondagem, divulgada em 7 de junho. Pág 04 Fotos:EduardoRocha
  2. 2. Uma publicação do Grupo Acontece de Jornais e Revista As matérias publicadas são de exclusiva responsabilidade dos colaboradores e não representam necessariamente a opinião do Jornal. Os nomes dos colaboradores e representantes comerciais não mantém vínculo empregatício com a empresa. Diretor e Chefe de Redação: Divaldo Rosa MTb: 42.488 • Jornalista (fl): Silmara Galvão Nunes • Representantes Comerciais: Divaldo Rosa • Diretor de Arte: Sérgio Avante • Designer: Ademir Rodrigues • Revisora: Prof. Suseli Corumba • Administração Financeira: Ademir Rodrigues • Distribuição: Mart Press Distrib.de Jornais • Redação e Publicidade • Fone/Fax: 2031-2364 / 2513- 0928 • Av. Guachos, 166 • Cep: 08030-360 • Vila Curuçá - SP - E-mail: raleste@gmail.com (fl = Freelancer) Jornal SUB PREF. DE GUAIANASES Estr. Guaianases, 2565 Jd Helena / Guaianases-SP BANCA COQUINHO Rua Hipolito de Camargo, 460 Guaianases-SP BANCA DE JORNAIS A MUSICAL Rua Salvador Gianetti, 1156 Guaianases-SP BANCA NOVA COQUEIRO Estr. Itaquera Guaianases, 2423 Jd Helena / Guaianases-SP BANCA TEMAS E LETRAS Av. Salvador Gianetti, 564 Guaianases-SP BANCA DE JORNAL A MUSICAL Rua Salvador Gianetti, 1156 Guaianases-SP Atualidade 3ª Semana Julho de 2014 Invepar, Cyrela e C&A oferecem oportunidades para recém-formados, confira! Para auxiliar a busca dos jovens que acabaram de se formar e sonham em conse- guir uma oportunidade de tra- balho nas grandes empresas que operam no País, o fez uma seleção com sete pro- cessos seletivos com vagas de trainee que estão com as inscrições abertas. Confira as vagas clicando nas imagens a seguir. A Invepar recebe inscri- ções para seu programa de trainee em 2014. Os recém- -formados entre julho de 2012 e julho de 2014, nas áreas de administração; ciências eco- nômicas; ciências aeronáuti- cas; engenharias e logística, poderão se inscrever pelo site www.ciadetalentos.com. br/invepar para participar do processo seletivo, que conta- rá com prova online e etapas presenciais. Ao todo são 17 vagas distribuídas entre a Invepar e as empresas do Dedicação e força de von- tade são principais fatores para o sucesso no esporte Assim como todos os atle- tas, os paraatletas enfrentam diversos desafios, lutam por patrocínio e superam seus limites corporais, durante os treinos. De acordo com o or- topedista Rogério Teixeira, do Hospital e Maternidade São Luiz, o esforço de um atleta paraolímpico acaba sendo sempre maior. “Esse esforço também apresenta um seg- mento diferente. No tênis e no basquete, por exemplo, a força do braço é muito maior, pois além de usá-lo para fazer arremessos e rebatidas da bola, tem que usar para mo- O “Mapa da Violência de 2012: homicídios de mulheres do Brasil”, do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, coloca o País em sétimo lugar neste triste ranking. O estudo avalia os índices desse tipo de inci- dência em 84 países e coloca na frente do Brasil apenas El Salvador, Trinidad e Tobago, Guatemala, Rússia, Colômbia e Belize, nesta ordem.Os estados brasileiros com as taxas mais elevadas de violência contra as mulheres são o Espírito Santo, Alagoas e o Paraná, respectivamente com taxas de 9,4, 8,3 e 6,3 homicídios para cada 100 mil mulheres. Dentre as capitais, as maiores taxas estão na Região Norte: Porto Velho, Rio Branco e Manaus. O Disque 180, que recebe denúncias de violência contra a mulher, atende mais de 1,8 Entenda como funciona a preparação do atleta paraolímpicovimentar a cadeira de rodas”. A preparação tem níveis e focos diferentes, dependendo do esporte praticado e das adaptações ao grau de defi- ciência do atleta. Os treinos são feitos com especialistas em esportes paraolímpicos, com foco na musculatura adequada para a modalidade que será disputada. Segundo o Dr. Rogério Teixeira, o paraatleta também segue um acompanhamento médico geral com cardiologis- tas, vasculares, ortopedistas, neurologistas e fisioterapeu- tas. Hoje, as modalidades disputadas por brasileiros são atletismo, basquete, bocha, ciclismo, esgrima, futebol, go- alball, halterofilismo, hipismo, judô, natação, remo, rugby, tênis de mesa, tênis tiro com arco, tiro esportivo, vela e voleibol. O desempenho do paraa- tleta vem sempre carregado de desafios que vão além de alcançar o primeiro lugar. O atleta paraolímpico supe- ra, a cada dia, seus limites corporais auxiliando na sua reabilitação, equilíbrio, coor- denação motora e musculatu- ra. “Percebemos que o atleta paraolímpico mostra mais motivação e força de vontade, pois, ao praticar um esporte está ultrapassando seus li- mites e desenvolvendo seu aprendizado diário”, finaliza. Violência doméstica contra a mulher mil ligações por dia e cerca de 80% das vítimas são agredidas todos os dias ou pelo menos uma vez por semana. Além disso, 40% convive há mais de dez anos com o agressor. Após a análise das chamadas do Dis- que 180, foi possível identificar que 61% das mulheres sofrem agressão física e 23%, violên- cia psicológica. Outro dado que chama a atenção é que em 66% dos casos os filhos presenciam as cenas de violência.Sancio- nada em 2006, a Lei Maria da Penha é um verdadeiro estatuto no combate à violência domés- tica e familiar. Levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) junto aos juizados e va- ras especializadas nestes pro- cessos em todo o País, aponta um crescimento de 106,7% no número de procedimentos ins- taurados com base na Lei Maria da Penha, no período de julho de 2010 a dezembro de 2011. Maior ainda foi o crescimen- to no número de prisões em fla- grante e de prisões preventivas decretadas: aumento de 171% nas prisões, chegando a um total de 26.416.As informações mostram que, ao longo do mes- mo período, 408.013 mil destes procedimentos foram julga- dos e encerrados.Os números mostram que a Lei Maria da Penha tem sido utilizada como ferramenta para interromper a violência contra a mulher e espera-se que nos próximos anos este decreto possa im- pedir que novos atos sejam cometidos. Para isso, é preciso denunciar no telefone 180 ou nas Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher, que to- marão as medidas necessárias para que a justiça seja feita Confira vagas em 7 grandes empresas que estão selecionando trainees grupo. As inscrições vão até dia 28 de julho. A Cyrela também recebe inscrições para programa trainee. A admissão será em janeiro de 2015 e o programa tem duração de 18 meses, abrangendo todo o País. O trainee vai alternar períodos na matriz da Cyrela, locali- zada em São Paulo, e em outras unidades de negócio, como Rio de Janeiro e Porto Alegre. As inscrições vão de 14 de julho a 31 de agosto deste ano. Dentre os benefí- cios oferecidos pela empresa estão salário compatível com as práticas de mercado, vale- -refeição, vale-transporte, as- sistência médica e odontoló- gica, seguro de vida e auxílio moradia (caso o trainee se ausente do lugar de origem). Informações complementares e inscrições devem ser feitas no site da companhia. A BRMalls iniciou seleção dos jovens talentos que irão compor seu quadro de fun- cionários a partir de 2015. O programa de trainees da com- panhia, com sede no Rio de Janeiro, está com inscrições abertas até o dia 7 de setem- bro na internet no site https:// site.vagas.com.br/PagEmpr. asp?e=traineebrmalls. Serão avaliados candidatos com Ensino Superior concluído entre dezembro de 2012 e dezembro de 2014 As vagas são destinadas a profissionais das áreas de administração, arquitetura, ciências con- tábeis, comunicação social (publicidade e propaganda ou propaganda e marketing), economia, engenharias e psicologia. A Danfoss realiza proces- so seletivo para trainee para atuar no Brasil e em outros países. As inscrições do pro- cesso seletivo devem ser fei- tas até 1º de agosto de 2014, pelo site da Cia de Talentos. Para se inscrever, o candidato necessita concluir o curso su- perior entre julho/2012 a julho de 2014.Além disso, é neces- sária experiência em pacote Office, principalmente Excel avançado, além de inglês avançado ou fluente (oral e escrita) e desejável espanhol intermediário. O programa tem dois anos de duração e a primeira etapa consiste em ficar seis meses no Brasil e o restante dos 18 meses na realização de projetos em outros países onde a Danfoss tem filiais. Já a C&A abriu selecio- nará 25 candidatos no seu programa de trainee.As opor- tunidades são para as áreas de operações (lojas), comer- cial, corporativa (finanças e recursos humanos) e de e-commerce. Os interessados podem se inscrever até 28 de agosto. Veja informações completas no site do pro- grama A Lojas Americanas também está com processo seletivo aberto para o trainee. A companhia busca profis- sionais formados entre julho de 2012 e julho de 2014, nas áreas de administração, ciên- cias da computação, ciências e tecnologia, contabilidade, economia, engenharia, esta- tística, marketing, matemática e relações internacionais. As inscrições podem ser realiza- das no site trainees.lasa.com. br até o dia 23 de agosto. A Lafarge seleciona trai- nees para trabalhar em Mi- nas Gerais, Rio de Janeiro, Paraíba e São Paulo. Para participar, os candidatos pre- cisam ser graduados há até dois anos nos cursos de administração, economia e engenharias (ambiental civil, elétrica, mecânica, química, de minas, de segurança do trabalho e de produção). As inscrições vão até 18 de julho e devem ser realizadas no site Vagas.com
  3. 3. Comprometimento Social 3ª Semana Julho de 2014 Programa começará na pró- xima segunda-feira, dia 21 de julho, no bairro de Guaianases com intervenções para apri- morar a mobilidade na região. Diversas áreas que abrangem o distrito receberão atenção es- pecial em relação à sinalização viária, Educação e Segurança de Trânsito O programa CET no Seu Bairro - Melhorando a Mobili- dade terá início no bairro do Lajeado, em Guaianases, na próxima segunda-feira, dia 21 de julho. As ações desta inicia- tiva inédita incluem a manuten- ção e instalação de placas de trânsito, revitalização de faixas de travessia de pedestres e lombadas, além de colocação de rotatórias e recuperação de semáforos. O programa ficará na região até o dia 25 de julho. Adiantamos que o projeto realizará também um diagnós- tico das medidas necessárias, e as modificações serão pla- nejadas e executadas poste- riormente pelas autoridades competentes. Lembrando que no último mês de maio, o pro- grama CET no seu Bairro es- teve no Lajeado, onde houvem 428 solicitações feitas pelos munícipes. Critérios principais usados no programa Unidade móvel instalada em Guaianases reduziu 94% da fila de espera por exames na Região. Para quem não sabe, o Pro- grama Hora Certa Móvel é uma parceria firmada entre a Prefei- tura de São Paulo e o Centro de Integração de Educação e Saúde (Projeto CIES), que visa reduzir ainda mais a fila de espera na rede pública por intermédio do Sistema Único de Saúde (SUS). Sua implantação na Cidade vem conquistando os principais objetivos do projeto e tem re- cebido com frequência fartos elogios dos usuários do siste- ma. Isso porque, em todas as regiões da cidade, as unidades móveis têm conseguido reduzir a fila de espera por exames e procedimentos cirúrgicos, o que resulta de maneira geral em melhor qualidade de vida da população. E mais, as filas por exames foram reduzidas em 94%, em comparação com o ano pas- sado. Só no mês de maio, o exame mais solicitado foi o de Ultrasson, com um total de 3489 atendimentos, seguido pelos exames de Eletroneuro- miografia, com 1211 clientes Espetáculo teatral abor- da por meio de linguagem lúdica a importância da leitura e escrita No dias 02, 03, 09 e 31 a Companhia Teatral Aos Quatro Ventos estará com o espetáculo “A gata ingênua” do dramaturgo cubano Fidél Galvan, na Zona Leste de São Paulo. 02 de agosto Estréia no Instituto Pombas Urbanas ás 19h (Avenida dos Me- tálúrgicos, 2.100 - Cidade Tiradentes. Contato: 11 2285-7758) 03 de agosto no Instituo Alana ás 15h (Rua Erva do Sereno, 608 – Jardim Pantanal – São Miguel. Telefone: 11 2585-7646) 09 de agosto Fábricas de Cultura ás 14h (Rua Henriqueta Noguez Brieba, 281 – Cidade Tiradentes. Telefone: 11 2518-4428) 31 de agosto no Ceu Jambeiro 10h (Avenida José Pinheiro Borges, 60 Companhia Teatral Aos Quatro Ventos leva aos palcos o espetáculo “A gata ingênua – Guaianases. Telefone: 11 2960-2055) Classificação e entrada livre em todas as programações. Em uma fazenda do interior, vive um casal de velhinhos, que tem como animal de estimação uma gata pra lá de preguiçosa. Nessa casa surge um rato que vive devorando a dis- pensa da fazenda, o casal se vê num problema que não sabem como resolver, assim eles ordenam que a gata capture o rato, caso contrário, ela irá morar na rua.Agata, assustada com a situação se vê obrigada e caçar o roedor, porém, por ser preguiçosa e ingênua, nunca aprendeu a ler e escrever, por isso não sabe o que é um rato. E a partir daí, a gata ingênua se mete em grandes confusões e busca do ¨astuto¨ roedor. Além da estreia do dia 02 de agosto no Centro Cultural Arte em Cons- trução (Avenida dos Me- tálurgicos, 2100 – Cidade Tiradentes São Paulo/SP Telefone: 11 2285-7758), a Companhia Teatral aos Quatro Ventos realiza cir- culação com o espetáculo pelas quatro regiões da ca- pital paulista, contribuindo para a democratização á arte para crianças e jovens, de diferentes bairros da capital. Essas são as ações do projeto “O Pulo da Gata In- gênua” com o patrocínio do programa de valorização a iniciativas culturais (VAI) Sobre a Companhia: A formação da Cia Tea- tralAos Quatro Ventos teve inicio em 2010 a partir de cursos livres de iniciação teatral ministrados no Cen- tro Cultural Arte em Cons- trução, sob a coordenação de Marcos Kaju, ator do Grupo Pombas Urbanas. Em 2011, o diretor cuba- no Rolando Hernandéz (Catedra de Teatro Jose Marti), veio ao Brasil para participar do projeto “Re- voada: Por Uma Direção Coletiva de Teatro em Co- munidade”, do Grupo Pom- bas Urbanas. Durante sua estadia, Rolando contri- buiu com os processos de outros grupos do CCAC, dentre eles a Cia Teatral Aos Quatro Ventos, que inicia a partir de então, um estudo sobre o texto “El Gato Simple“ de Fidel Gal- bán Ramirez, dramaturgo e diretor cubano. Fazendo uso do méto- do das ações psicofísicas de Stanislavisky, o estudo contribuiu para a monta- gem de “A Gata ingênua”, primeiro espetáculo da Cia que é destinado a crianças e trata da importância da leitura e escrita. O grupo pesquisa uma linguagem lúdica e divertida que dia- logue diretamente com seu público “CET no Seu Bairro” chega ao bairro de Guaianases Para quem não sabe o Programa CET no Seu Bairro conta com a participação de sete Gerências de Engenha- ria de Tráfego (GETs), sendo elas: Noroeste, Centro-Norte, Leste, Sudeste, Sul, Sudoeste e Oeste. Cada uma indica, por mês, um bairro de sua abran- gência para receber as ações do Programa. Assim, a escolha dos locais é feita a partir do cruzamen- to de informações vindas da CET, das Subprefeituras e de demandas da população por meio do telefone do Trânsito, 1188, e da Gerência de Relacio- namento com os Munícipes, da Companhia. Nos sete primeiros bairros, há 562 pedidos de si- nalização registrados. Outro fator que baliza a se- leção de um bairro é o trabalho desempenhado pela equipe de assessores comunitários da CET. São 28 funcionários que atuam, diariamente, nas áreas das 32 subprefeituras ouvindo a população sobre problemas relacionados ao trânsito e ao transporte. Um pouco mais sobre as ações que a CET vai executar no local Em cada uma das sete regiões haverá ainda a Ge- rência Móvel de Engenharia de Tráfego, que consiste num micro-ônibus equipado com recursos de um escritório. Ele ficará estacionado sempre na terceira semana do mês em um ponto estratégico do bairro, geralmente próximo a escolas, hospitais, Subprefeitura ou um estabelecimento onde exista uma infraestrutura de apoio. Nessa unidade itinerante será possível obter informações gerais sobre o Trânsito bem como receber e cadastrar pe- didos de manutenção/criação de sinalização viária. Na região de Guaianases, essa unidade móvel estará estacionada na Rua Hipólito de Camargo, 415, em frente a Estação CPTM. Também participarão do Programa, além da SPTrans e Coordenação das Subprefeitu- ras, as secretarias de Educação e de Serviços (esta responsável pelo Departamento de Ilumina- ção Pública - ILUME e pela Au- toridade Municipal de Limpeza Urbana - AMLURB), que juntas promoverão ações dentro de suas áreas de atuação. Serviço: CET no Bairro em Guaianases Endereço: Rua Hipólito de Camargo, 415 – em frente à Estação CPTM Data: 21 a 25 de julho Hora Certa Móvel de Guaianases acaba com as filas de espera para atendimentos atendidos. Já em agosto do ano passa- do, e apenas em Guaianases, haviam 9302 solicitações de exames que estavam à espera da realização nos hospitais do sistema de saúde do município. Hoje, a fila diminuiu para 551 e esse número vem caindo ainda mais dia após dia. As carretas do Programa ficam instaladas no mesmo local aproximadamente de dois a três meses, à espera dos pacientes que são encaminha- dos pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Atualmente, a Unidade Móvel se encontra instalada no CEU Jambeiro. O atendimento é feito de segun- da a sexta-feira, das 07 às 20 horas, e aos sábados, das 08 às 18 horas. Um pouco mais sobre o programa Hora Certa Outro diferencial da Rede Hora Certa Móvel na Cidade é a quantidade de pacientes atendidos. O mesmo, é um equipamento de saúde que se integra à rede de atendimento da Cidade, dando assim maior suporte à rede primária, com- posta por ambulatórios. O pro- jeto prevê ainda durante este ano de 2014 a centralização, no mesmo local, de exames de imagem e diagnóstico, além da realização de pequenas cirurgias, o que vem dando mais rapidez do atendimento ao cidadão. A expectativa da Secretaria Municipal de Saúde é que, em seis meses, o projeto seja responsável pela realiza- ção de aproximadamente 215 mil exames. As carretas da Saúde me- dem 15 metros de compri- mento e possuem cem metros quadrados de área, sendo dotadas de quatro salas de atendimento climatizadas, com equipamentos de diagnóstico de alta tecnologia, áreas de esterilização, duas salas de espera, banheiros e elevador para pessoas com mobilidade reduzida, enquanto os boxes destinados a realização de exames têm área de 45 metros quadrados dotada de salas de raio-x ou mamografia digital, ecocardiograma e ultrassom. Rede Hora Certa Móvel Local: Ceu Jambeiro Av. José Pinheiro Borges, 60 Bairro de Guaianases Mais informações pelo telefo- ne:(11) 2960-2055
  4. 4. Política 3ª Semana Julho de 2014 Há exatos 15 anos André Franco Montoro nos deixava. Um homem que deixaria sau- dades não apenas aos corre- ligionários do partido que aju- dou a fundar – PSDB –, mas a todo o povo brasileiro, que hoje desfruta de um legado construído ao longo de uma vida dedicada ao trabalho em Montoro, uma vida dedicada ao bem do coletivo Paulo Tokuzumi prol do bem coletivo. Naquele dia 14 de julho de 1999, aos 83 anos, Montoro nos deixou após sofrer uma parada cardíaca, quando em- barcava para o México, onde participaria de um congresso sobre economia. Sua conduta foi sempre pautada pelo com- promisso com a democracia e com o desenvolvimento do país, exercido até seu último dia de vida. Fervoroso defensor da participação da sociedade nas decisões políticas, tanto na Câmara dos Deputados como no Senado, Montoro assumiu, em 1983, o governo do Estado de São Paulo, em meio a um cenário de reces- são nacional, com alto índice de desemprego e inflação. Mostrou que um governo de sucesso não se faz com apenas um nome e sim com uma equipe afinada, que tem como principal característica o espírito público. Pensando assim, permitiu o ingresso na vida pública de homens com- petentes e comprometidos e a consequente formação de novos quadros na política brasileira, que mais tarde se revelaria essencial para o exercício da democracia. À frente de seu tempo, já apresentava preocupação com um problema anunciado há 15 anos: a estiagem, uma realidade que hoje desafia as condições climáticas. Criou, então, a primeira secretaria de Meio Ambiente, expandiu a rede de água e esgoto e foi responsável por inúmeras obras de infraestrutura no Estado, entre elas a abertura de milhares de quilômetros de estradas vicinais e a amplia- ção do metrô. Montoro foi um dos princi- pais articuladores da conquis- ta do estado democrático de direito no país, incentivando a instituição de diversos me- canismos de participação popular na política. Muitos deles garantidos pela Consti- tuição de 1988, sendo um dos mais emblemáticos o direito ao voto direto e secreto, com igual valor para todos. Falar sobre Montoro nes- ta data é tão oportuno para lembrar também do objetivo que deve inspirar diariamen- te a todos nós, gestores e homens públicos: o com- promisso com o desenvolvi- mento sustentável do país e Montoro oferta de qualidade de vida à população, especialmente neste momento em que se aproxima mais uma grande festa da democracia, durante anos defendida por ele. Paulo Tokuzumi (PSDB) é prefeito da cidade de Suzano. O cálculo tem como base o Projeto de Lei do Senado 268/2011, apre- sentado como conclusão dos trabalhos da Comissão de Reforma Política e que serve de parâmetro para as discussões sobre o tema no Congresso. Nele, em- presas estariam impedidas de doar às campanhas até 2% de seu faturamento bruto obtido no ano anterior à eleição. Com a mudança, ca- beria ao Tesouro Nacional depositar os recursos em uma conta no Banco do Brasil em nome do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), responsável por fazer a divisão do dinheiro entre os partidos de acordo com sua representação no Con- gresso. Para bancar os pleitos de dois em dois anos, os parlamentares chegaram à conclusão de que R$ 7 por eleitor (valores de 2011) seriam suficientes, ou R$ 8,15 considerando a infla- ção do período. Multiplica- do pelos 141,8 milhões de brasileiros aptos a votar, o montante resultaria em R$ 1,155 bilhão, abaixo das despesas eleitorais de 2002, na época bancada por R$ 798 milhões, ou R$ 1,6 bilhão em valores de hoje. Esse dinheiro mal pa- garia a campanha dos 85 principais candidatos a governador dos 26 Esta- dos e do DF. De acordo com levantamento do jor- nal “Folha de S.Paulo”, a previsão de gasto desse Governador tem 54%, Paulo Skaf marca 16%, segundo instituto de pes- quisa, e Alexandre Padi- lha fica com 4%. Pesquisa Datafolha divulgada no último dia 17 mostra crescimento do governador Geraldo Alckmin (PSDB) na dis- puta pelo governo de São Paulo. O tucano passou de 44% para 54% em relação à última sondagem, divulgada em 7 de junho. Este é o primeiro levantamento divulgado após o início oficial do período elei- toral. Já o presidente licen- ciado da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), foi de 21% para 16%, ao passo que o candidato do PT, o ex- -ministro da Saúde Ale- xandre Padilha, passou de 3% para 4%. Os indecisos somam 10%, e 13% votariam branco ou nulo se as eleições fossem hoje. Os demais candidatos na disputa chegam a 4%. Em relação à rejeição, Alckmin tem 19%, Skaf contabiliza 20% e Padi- lha chega a 26%. Os entrevistados tam- bém foram questionados sobre a avaliação do governador. 46% disse- ram que Alckmin faz um governo “ótimo ou bom”, cinco pontos a mais que em junho. Os que dizem que se trata de uma gestão “regular” somam 37%, dois pontos a me- nos, e 14% a classificam como “ruim ou péssima”, quatro pontos a menos. A pesquisa está re- gistrada no Tribunal Re- gional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) sob o número 00010/2014. A margem de erro é de dois pontos, para mais ou para menos. Foram ouvidos 2.029 eleitores em 61 municípios do estado. Com financiamento público, campanhas teriam de se virar com ¼ do valor atual grupo é de R$ 2,1 bilhões este ano. Segundo o TSE, para o posto de senador, os 178 candidatos plane- jam desembolsar até R$ 1 bilhão, enquanto, para os cargos de deputado federal e estadual, as despesas beiram os R$ 900 milhões. Somente os 11 presi- denciáveis projetam gas- tar R$ 918,4 milhões em 2014, 9,6% acima dos R$ 830 milhões declarados na campanha de 2010 e o equivalente a quase tudo (79%) que estaria disponí- vel se o financiamento pú- blico já estivesse valendo. À frente de campanhas políticas em oito países africanos e em toda Amé- rica Latina, o presidente da Associação Brasileira de Consultores Políticos, Carlos Manhanelli, prevê algumas das mudanças que estão por vir quando o financiamento for público e tirar quase 80% do dinheiro hoje em circulação. Autor de 17 livros, Ma- nhanelli acredita que, em um cenário desses, a tele- visão e o rádio vão ganhar ainda mais importância. Como é hoje, diz ele, 60% do dinheiro arrecadado nas campanhas são investidos na propaganda da TV, 20% são destinados ao rádio, enquanto os 20% restan- tes garantem a confecção de bandeiras, santinhos, contratam cabo eleitoral, carros de som e comício, por exemplo. “Não tem jeito. A propaganda de um político funciona como a de um produto: a empresa (ou partido) diz quanto preten- de gastar e nós planejamos as peças de acordo com esse valor.” Para o especialista, a alternativa para as cam- panhas majoritárias (pre- sidente, governador e pre- feito) será “abusar da cria- tividade” e transferir para a TV parte dos investimentos em comício, bandeiras, cabos eleitorais e carros de som. “É um consenso que a televisão é a gran- de prioridade, apesar da importância crescente das redes sociais.” Manhanelli lembra que as despesas com cam- panha crescem à medida que aparecem novas mí- dias. No final da década de 1920, por exemplo, o então governador de São Paulo, Júlio Prestes, fez a primeira inserção políti- ca brasileira no rádio. No final da década de 1950, as campanhas chegaram à TV. “E agora temos a internet. As demandas só aumentam.” Quem deve perder di- nheiro e holofotes com a mudança são os can- didatos a uma vaga no Parlamento. Sem espaço na televisão, o consultor sugere um estudo que radiografe as mídias mais eficazes na região em que o postulante a parlamentar pretende fazer campanha. Ele avalia que os maiores prejudicados serão os can- didatos ao Senado, que precisam viajar por todo o Estado. “O jeito será colar no candidato a governador e presidente e costurar apoio com líderes regionais que falem em seu nome.” Pesquisa Datafolha mostra vitória de Alckmin no primeiro turno em SP
  5. 5. Cotidiano3ª Semana Julho de 2014 Comprou a sua primeira casa ou alugou o seu primeiro apartamento? Parabéns! E agora? Só de pensar em tanto espaço vazio e a forma como vai preenchê-lo dá-lhe arre- pios? Calma! A decoração não é, nem deve ser um “bicho-de- -sete-cabeças”! Afinal de con- tas, se uma casa é o reflexo de quem a habita, estará recheada de coisas que adora e a escolha de tudo isso só pode ser diver- tido! Aproveite estas dicas para começar com o pé direito! Pesquisar, pesquisar, pesqui- sar! A quantidade de livros, re- vistas e conteúdos online que existem sobre decoração são todas elas ferramentas pode- rosas para quem se estreia nas andanças pelo mundo maravilhoso que é o design e a decoração de interiores. Não se assuste com a quantidade de informação existente, mas aproveite-a ao máximo, para descobrir quais as actuais tendências, para se inspirar e descobrir o seu estilo. Imprima ou recorte tudo aquilo que lhe chamou a atenção, colocando- -os numa pasta que pode bem chamar-se “decorar é comigo”! O meu estilo Por esta altura, já terá uma ideia do estilo de decoração que o encanta mais. As inspi- rações que tem coleccionando na sua pasta vão denunciá-lo Estar na zona de conforto pode ser atraente pelo nome. Mas tal status pode gerar a angústia de uma vida impro- dutiva e desgaste nos campos profissionais e pessoais do acomodado. A ideia de dedi- car um tempo para viver em segurança e sem grandes emoções parece inofensivo, mas colocar a vida no piloto- -automático pode ser perigo- so a longo prazo. Sensação de que a vida está paralisada, monótona e com momentos de angústia são os principais sintomas dos acomodados. Segundo a psicóloga e palestrante Meiry Kamia, pesquisas mostram que vencer um desafio traz realização e deixar de superá- -los pode afastar a felicidade. “Muitos acham que vivem um período de segurança e que estão isentos da realida- de e possíveis frustrações, mas é uma ilusão”, diz ela. Ter uma vida ativa e es- pontânea pode ser o remédio para fugir do comodismo. O segredo, garante a coa- ch comportamental Fabiana Koch, é encontrar o equilíbrio entre a rotina e espontanei- dade. “Nosso cérebro quer se- gurança e, por isso, entramos na rotina. Mas precisamos inserir coisas diferentes na nossa vida”. Os passos básicos para decorar uma casa como alguém que adora uma decoração clean, com traços simples, móveis rectos e pou- cos acessórios a adorná-los; ou alguém que precisa de estar rodeado de mil e um objectos e cores, um adepto da decora- ção kitsch ou eclética; se vive sozinho ou se faz parte de um casal, um estilo formal pode perfeitamente ser a vossa cara, ao contrário de uma família nu- merosa que pode viver melhor na companhia de um estilo informal. Com mais ou menos retoques e variações, este será o estilo que, consciente ou in- conscientemente, vai imprimir em toda a decoração da sua casa. Cores & Temas Todos temos as nossas cores preferidas e não há nada mais natural do que uma de- coração que combine com as cores predominantes do seu guarda-roupa! Pode entregar- -se à simplicidade de uma decoração monocromática ou misturar várias cores comple- mentares para um look mais abrangente. Para além das co- res, pode inspirar-se em temas específicos, como uma sala de estar inspirada em jardins e na vida ao ar livre ou num quarto de hóspedes baseado na cultu- ra chinesa ou africana. O tema do seu escritório pode estar fundamentado numa loja ou museu que visitou recentemen- te e cuja disposição ou cores não lhe saem da cabeça! Não se cansa do ambiente propor- cionado pelo seu restaurante preferido? Nada lhe impede de adaptar ou de aplicar “ipsis ver- bis” essa mesma decoração na sua sala de jantar! A inspiração e as boas ideias estão em todo o lado, procure-as com olhos de decorador! Acessórios atraentes Com as fundações bem alicerçadas, o toque final na decoração de uma casa são os acessórios – muitos ou poucos, baratos ou caros – podem ser conjugados até à exaustão, trocados de divisão e mudados cíclica ou sazonalmente.Andar às compras para a sua casa é muito divertido e existem vários truques com estilo, que não exigem uma carteira recheada, ou seja, é possível decorar sem gastar muito! Um de cada vez! Dedique-se a uma divisão de cada vez, não só para equili- brar o orçamento, mas também para se poder entregar a 100% aos 50m2 do escritório, para que nada falhe! É claro que mal comece a envolver-se no mun- do mágico da decoração não vai querer outra coisa e a sua cabeça vai andar a fervilhar de ideias que quer pôr em prática! Tente manter-se concentrado, até porque decorar, por com- pleto, uma única divisão, tem muito que se lhe diga! Não se esqueça que cada espaço requer a escolha de cores e revestimento para paredes e janelas, decisões sobre mobi- liário e se as diferentes peças serão compradas em formato standard ou executadas à me- dida, a aquisição de têxteis-lar, tapetes e carpetes,iluminação, quadros ou molduras para as paredes, utensílios indispen- sáveis e objectos decorativos. Mantenha uma lista actualizada daquilo que pretende com- prar e as diferentes lojas que disponibilizam o que procura (convém sempre visitar mais do que um espaço comercial para comparar preços e níveis de qualidade). Se, pelo meio, vir uma cama ou um candeeiro que adora e que seriam perfeitos para o quarto principal, tome nota e guarde a referência na sua pasta. Conselhos profissionais Se mesmo com estas dicas acha que não será capaz de dar vida à sua casa ou se a sua ideia de decoração é um sofá todo esburacado, uma televisão pousada em cima de uma lata velha de tinta e pilhas de revistas e jornais velhos espalhadas pela sala, então o melhor será mesmo procurar ajuda profissional! Um decora- dor de interiores tratará de tudo e você apenas terá de dizer se gosta ou não e, claro, passar o cheque! O investimento será muito mais elevado, mas terá um serviço de cinco estrelas e a oportunidade de aprender com um verdadeiro especia- lista! Quem sabe não ganha o gosto e o jeito e, depois de completada a primeira divisão, se dedica à decoração da sua casa sozinho! Saia da zona de conforto e arrisque ter uma vida nova 1. Reconhecer que está na zona de conforto Você se identificou com o que foi descrito na reporta- gem? Busque fugir do período de improdutividade. Muitos pensam que o comodismo evita novos medos e frustra- ções. No entanto, o melhor caminho para se proteger é restaurar a autoestima e au- toconfiança. Em casos mais extremos, quando há indícios de depressão, o melhor é bus- car ajuda profissional. “Sair da zona de conforto implica conhecer a própria potencialidade. E abandonar a rotina: como, bebo e durmo, logo existo”, garante o ana- lista comportamental Getúlio Chaves. 2. Elimine a procrastina- ção Após assumir o problema, trate de eliminar pensamentos que justifiquem a procrasti- nação, como “Estou muito cansada”, “Faço amanhã, hoje estou com sono” e “Não vou dar o meu melhor porque mereço descansar”. Meiry explica que é comum buscar justificativas racionais para explicar o medo. “É triste per- ceber que a pessoa apenas trabalha para pagar as contas. Você pode e deve fazer mais”, orienta a psicóloga. 3. Use o passado ao seu favor O passado pode ser uma grande referência na hora de provocar mudanças de comportamento. Relembrar momentos em que teve “frio na barriga”, pode ajudar no processo de reconstrução da própria imagem. “Isso nós tivemos desde a infância. Procure pensar no primeiro emprego e sua capacidade para consegui-lo”, explica Fabiana. Para completar o exercício pense ainda nos benefícios que teve com as situações em que foi corajosa. 4. Enfrente pequenos no- vos desafios Um novo esporte, estilo musical ou até apostar num curso de idiomas. Especialis- tas acreditam que ao aplicar energia em uma ação nova, você poderá ganhar visibilida- de no ambiente de trabalho, aumentar a sociabilidade, e conquistar a autoconfiança. Acostume o corpo a agir mais rápido diante de pequenas ati- vidades, aceite convites para tomar um café, por exemplo. 5. Mude o visual Experimentar um novo corte de cabelo ou até uma nova cor pode provocar mu- danças expressivas. Pontos a mais na autoestima vão agir diretamente na autoconfiança e relações interpessoais. Fa- biana diz que, fazendo isso, a mulher pode se sentir enco- rajada. “Crie metas menores para ajudá-la a chegar ainda mais longe”. 6. Se arrisque Cada pessoa conhece o medo que precisa enfrentar. “Ir ao cinema sozinho pode ser um pesadelo para alguns. O importante é ter disciplina e lembrar que firmou um com- promisso consigo”, orienta Meiry. Vale aproveitar cada oportunidade para fazer coi- sas diferentes, como escolher um novo prato no restaurante, falar com estranhos e até en- frentar uma viagem sozinha. 7. Faça novos amigos Ainda dentro da propos- ta de expandir os círculos sociais, o próximo passo é enfrentar sozinha festas e eventos sociais. O começo pode ser assustador, mas leve cartões de visita na bolsa e distribua. “Uma oportunidade para adicionar novas pessoas no seu dia a dia e ouvir novos discursos”.
  6. 6. Mulher3ª Semana Julho de 2014 Abandonar a posição de vítima e reconhecer as pró- prias qualidades são os pri- meiros passos para conquis- tar autoconfiança. Acreditar nas próprias habilidades e aceitar que é tão capaz quanto os outros em volta é uma tarefa quase impossível para alguns. No entanto, assumir o controle da vida com o título de pes- soa confiante é essencial e traz conquistas que até então seriam inexplicáveis. Não treinar o cérebro para a vitória representa, por exemplo, per- der um desafio antes mesmo de enfrentá-lo. Conquistar a autocon- fiança é uma tarefa diária na construção do ser humano, que só terminará no final da vida. O primeiro contato com a insegurança ocorre já nos primeiros anos da infân- cia, ao ouvir um equivocado aconselhamento paterno ou sofrer bullying na escola, por exemplo. “Sofremos inúmeras inter- ferências nas salas de aula, não somos incentivados com Quando mal colocadas, durante uma discussão ou em um momento de raiva, as pa- lavras têm um grande poder de destruição e recuperar o dano causado por elas pode ser uma tarefa desgastante para o casal. Indiretas, cobranças e xingamentos não resolvem o verdadeiro problema e tornam a relação mais complicada do que realmente é. Mesmo assim, essas fra- ses, que muitas vezes soam injustas e agressivas, podem apontar para um problema que merece mais atenção da parte do casal. Ignorá-las não é o caminho, ao contrário. É preciso encontrar outras for- mas de expor o descontenta- mento, com menos pedras na mão e mais disposição para ouvir o outro lado. “O melhor jeito de resolver uma situação difícil é com objetividade, assertividade e afetuosidade, na hora em que tudo estiver mais calmo e o diálogo acontecer, sem ser no calor do momento, quando a emoção fala mais alto”, ressalta Suely Buriasco, especialista em mediação de conflitos. Outra dica importante é se esforçar para atacar o proble- ma, e não o parceiro. “Frases com rótulos, por exemplos, são ruins porque você acaba criticando a pessoa, e não o problema, que é a causa do descontentamento. Você tem de falar do fato. Ou a pessoa que se sente atacada não tem motivação para mudar”, explica Marcia Luz, psicóloga e escritora. Veja frases perigosas para o relacionamento e como ex- por a mesma coisa de outras formas: “Depois de tudo o que fiz por você” Em vez de demonstrar descontentamento, a frase soa como uma cobrança tardia. “Acho melhor a gente se separar” De acordo com a espe- cialista, essa frase está se tornando comum em brigas e discussões de casais. “As pessoas veem a separação com certa facilidade, como se não fosse nada demais, e sol- tam isso no meio de uma con- versa, para tentar assustar ou fazer o outro lado recuar “Você é igual a seu pai/ sua mãe” Colocar a família do côn- juge no meio de uma briga nunca é uma decisão muito sábia, principalmente se a afirmação soar ofensiva. “Você é chato (a)” Adjetivos depreciativos de- vem ficar de fora de qualquer discussão, ponto final. Além de serem palavras desne- cessárias, que não ajudam a construir uma relação melhor, elas são capazes de magoar o parceiro. . “Meus outros relaciona- mentos não eram assim” Humilhar o outro, compa- rando-o a antigos namorados ou parceiros, também não é uma boa saída para resolver conflitos. “Se eu não te sustentas- se...” Frase errada por si só. Quando duas pessoas re- solvem ficar juntas e dividir as contas, uma espécie de acordo é estabelecido: os dois podem trabalhar ou apenas um dos lados, enquanto o outro se responsabiliza pelas tarefas domésticas, homem ou mulher. Ver-se como o “responsável” pelo sustento do outro é inferiorizá-lo e criar um grande problema na relação. Nesse caso, é melhor adotar uma postura menos egoísta e sugerir um outro acordo, mas sem grosserias. Relacionamento cuidado com as palavras lançadas Como ser uma pessoa confiante elogios ou motivações. Hoje, a educação ainda é focada no não-acerto, desencorajando o aluno”, explica a coach comportamental e palestrante Fabiana Koch. Alcançar a vida adulta, portanto, exige uma autono- mia e representa um processo de desmistificação do que se acreditava ser importante na infância. Para Marcos Sousa, palestrante motivacional e diretor de uma consultoria, manter o nível de confiança alto exige uma constante “co- municação interna”, ou seja, exercitar a voz interior. “É necessário para enten- der que você é o seu maior apoiador. O sucesso tem mais a ver com a comunicação in- terna do que com aquilo que você fala aos outros”, explica. Aparentemente inofensiva e silenciosa, ela pode ser ensurdecedora na cabeça, acredita Sousa. Vitimização da vida Postura corporal, quando a pessoa caminha com o corpo muito baixo, e a falta de proatividade no trabalho e na vida pessoal revelam que a pessoa está construindo uma espécie de esconderijo contra a interação social. Ocorre também um processo de vi- timização da vida, quando se aposta que algo acontecerá dependendo da “vontade de Deus” e dos que o cercam. Técnica do espelho Muitos se perguntam como podem abandonar práticas intrínsecas de pessimismo e desencorajamento. Para as profissionais de comporta- mento, com a decisão de mu- dar o próprio ponto de vista e cobranças pessoais, abre-se uma janela de oportunidade para a autoconfiança. “Uma vez que enxergamos as nossas misérias, automa- ticamente nos tornamos mais tolerantes”, garante Nell.
  7. 7. 3ª Semana Julho de 2014 Copa dos Sonhos Céu Curuçá Para situações como esta foi criada a expressão “chave de ouro”, que, mais do que chave, é chavão: a excelente Copa do Mundo de 2014 não podia ter um campeão menos que excelente. Para valorizar a conquista da Alemanha, a equipe que apresentou o melhor futebol do Mundial, o título veio num jogaço contra uma Argentina bem armada, fechada na defesa e peri- gosa no contra-ataque, que se segurou até o finzinho da prorrogação e poderia muito bem ter vencido, caso a sorte estivesse do seu lado. O torneio realizado no Brasil foi espetacular, emo- cionante, bem disputado, cheio de surpresas e lances sensacionais — nem todos futebolísticos — que ficarão na história. Ocorre que, em termos de futebol propria- mente dito, não mostrou um nível tão alto assim. Coube à Alemanha dar uma aula nesse sentido. Ao longo da competição, a Argentina não passou de uma equipe bem organizada, que a atuação im- pressionante de Mascherano tornava defensivamente sóli- da, mas a verdade é que, sem os lampejos geniais de Messi, dificilmente teria ido tão longe. Escola de samba, axé, passistas e rock and roll: veja o que passou e o que passou longe do Maracanã na cerimônia que antecedeu Alemanha x Argentina. Você se preparou psico- logicamente todos os dias do último mês para o soar dos últimos “o-eaaaaa...” na sua televisão. Mas, ine- vitavelmente, o dia chegou: a Copa do Mundo dá seus últimos suspiros no Brasil e é chegada, também, a hora da cerimônia de encerramento da mesma. Recapitulando: a cerimô- nia de abertura foi bastante contestada pelos telespec- tadores e internautas, como você lembra.Teve playback esquisito, pessoas com fan- tasias estranhas, as calças do cantor Pitbull roubando a cena e (como esquecer) xingamentos à presidente Dilma Rousseff. No encerramento, a coisa foi diferente. Não, o campo Alemanha, a que a Copa merecia Algo semelhante pode ser dito da Holanda de Robben, um coelho de desenho animado com camisa laranja. O Brasil dispensa comentários, mas vale registrar que também an- dou se segurando no brilho de seu astro, Neymar, enquanto este se aguentou em pé. A equipe comandada por Joachim Löw teve trajetória irregular no Mundial. Entre a goleada sobre Portugal que marcou sua estreia em grande estilo e a übergoleada sobre o Brasil que a pôs na final, a seleção alemã andou inconstante. Chegou perto de se atrapalhar na primeira fase contra Gana, que só não venceu o jogo por 2 a 1 graças ao oportunismo quase sobrenatural de Klose. Nas oitavas de final, foi claramente inferior à Argélia durante uns quinze ou vinte minutos do primeiro tempo. Mesmo as- sim, o time de Neuer, Lahm, Kroos, Schweinsteiger, Müller e Götze mostrou, na média de suas partidas, o suficiente para deixar claro que tinha atingido aquele raro ponto de equilíbrio entre o brilho das individualidades e o jogo de conjunto que caracteriza as grandes equipes. Existe no Brasil uma crença bastante difundida de que a Alemanha joga um futebol feio, baseado na força, com jogadores pou- co técnicos. Galvão Bueno costuma brincar dizendo que os alemães jogam “uma coisa parecida com futebol”. Não sei se um dia esse menosprezo brasileiro fez algum sentido, mas sei que há muito tempo não corresponde à realidade — pelo menos desde 1974. Em 2014, chega a ser ridículo, um atestado de cegueira para o que significa jogar futebol. Tetracampeã com todos os méritos, aAlemanha é uma bela equipe, mas convém dei- xar claro: não é um supertime. Quem, após o infame 8 de julho, imaginou estar diante de um esquadrão imbatível descobriu ontem que tal ideia não passava de consolo ilu- sório para nossa própria in- competência. No Maracanã, a Argentina demonstrou que aquele duríssimo placar de 7 a 1 se deveu mais ao der- retimento completo — tático, técnico e emocional — da equipe brasileira. É possível enfrentar a Alemanha, mas para isso carece jogar futebol como gente grande. Foi o que fez aArgentina, mas a parada era dura. Para fechar com ou- tro chavão: venceu o melhor. O melhor e o pior da cerimônia de encerramento do Mundial do Maracanã não encheu, mas a torcida ficou (bem) mais animada com uma ce- rimônia que foi (bem) mais brasileira. Então, aos fatos: 1.Teve porta-bandei- ras Uma das principais recla- mações sobre a abertura foi que não, ela não represen- tava o Brasil. Então, dessa vez decidiram fazer para brasileiro nenhum colocar defeito. Alegorias em cam- po, o batuque da bateria da Grande Rio e... entraram 32 porta-bandeiras, cada uma com o pendão de um dos países participantes da competição. 2.Teve Shakira (mas meio “coberta” de- mais, dizem) O momento mais aguar- dado não demorou muito para chegar. Aos primeiros “la” de La la la, música da Copa que emplacou mais do que a oficial, a plateia se agitou no Maracanã para ver a diva (e mãe de todas as maria-chuteira deste mun- do - Salve, Piqué) Shakira arrasar no centro do campo. E ela mandou bem. Sem es- peculações sobre playback desta vez. 3. Teve cocar de papel Carlinhos Brown apa- receu com um cocar. Apa- rentemente feito de carto- lina. Sem mais no quesito “figurino de apresentação escolar”. 4. Teve sambadinha no solo de guitarra Ao fim do show de rebo- lado de Shakira, subiram ao palco Wyclef Jean, Carlos Santana e Alexandre Pires para tocar a música Dar um jeito. E, durante um solo de guitarra do mestre Santana, Alexandre Pires, mostrando senso de oportunidade, deu uma belíssima sambadinha. 5.Teve Ivete , Ivete entrou em campo com pompa e circunstân- cia, deu uma banda com o Fuleco e subiu ao palco para arrasar com um vestido verde.Foi a hora de todos cantarem juntos um medley de hits da morena. Teve Fes- ta, Sorte Grande e outros conhecidos do público. 6 .Teve famosos mil na platéia Dos futebolistas aos não futebolistas: teve Pelé, Can- navaro, Beckham, e teve Rihanna, Gisele (que levou a taça da Copa junto com Puyol para seu lugar no campo), Mick Jagger (que se recusou a dizer para quem torcia, graças a Deus), entre outros. O Projeto tem por finali- dade promover ações sociais voltadas à população carente e crianças do Bairro Jardim Lajeado em Guaianases, zona leste de São Paulo. O nome foi em homenagem ao pai da atual coordenadora do projeto, Beatriz Clemente. “Meu pai foi um líder comu- nitário que lutava por moradias e melhorias no bairro, ele mo- rava vizinho aqui da praça onde existia uma favela” disse-nos Beatriz. O Projeto promoveu neste domingo, 20/07, a ativi- dade Brincando na Praça, que Brincando na Praça faz a alegria das crianças no Lajeado trouxe crianças e moradores para a praça “Buraco do Sapo” na Rua Itaberaba-açu, s/n no Jardim Lajeado. As atividades de roda de capoeira, pintura em rosto, brincadeiras lúdicas, pula-pula fizeram a alegria das crianças durante toda a tarde desse domingo. “Não temos auxílio de ne- nhum órgão público, procura- mos os comerciantes locais e pedimos ajuda, hoje mesmo obtivemos doações de re- frigerantes para quem esta trabalhando, para os voluntá- rios, que estão cuidando das crianças, vestido de palhaço. A subprefeitura mandou fazer a limpeza da praça, garantiu a presença da GCM e doação de mudas que estamos plantando, visando a melhoria desta praça e seu entorno e esperamos que a população tome conta da praça, pois interessa a todos, moradores e comerciantes” continua Beatriz “No dia 23/08 pretendemos realizar um evento no CEU La- jeado, um Show de Talentos, a idéia é lavar a população para usar o equipamento”, completa Beatriz. Fotos:EduardoRocha
  8. 8. 3ª Semana Julho de 2014 Variedade A quarta aventura da saga “Transformers”, em que gi- gantescos robôs alienígenas se disfarçam de carros entre outras máquinas numa batalha sem-fim contra os inimigos che- ga às telonas nesta quinta-feira. Com direção de Michael Bay, “Transformers: A Era da Extin- ção” tem como protagonistas Mark Wahlberg, Stanley Tucci, Nicola Peltz, Sophia Myles e TJ Miller. Na nova trama, Autobots e Deceptions, os gigantescos ro- bôs alienígenas, desaparecem, alguns anos após o grande confronto, em Chicago. Atual- mente, eles são caçados pelos humanos, que não desejam passar por apuros novamente. Cade, vivido por Mark Wahl- berg, encontra um caminhão abandonado, que é Optimus Especialistas alertam as piores falhas cometidas que podem acabar com a carreira de qualquer profissional de sucesso. Ou seja, fique atento com as dicas e seja um colega de trabalho digno de respeito e admiração no seu local de trabalho. Não saber lidar com abor- recimentos: Se você é um pro- fissional muito motivado, lidar com contratempos como perder algum cliente importante ou não ter suas ideias reconhecidas em uma reunião pode ser com- plicado. “Amaioria das pessoas ambiciosas e bem instruídas é muito perfeccionista”, diz Glo Harris, coach executivo. “Quan- do elas cometem um erro, ou “falham” em sua opinião, isto é desanimador e paralisante”. As decepções no trabalho podem impedir de fazer perguntas cruciais ou aceitar certas res- ponsabilidades que o impul- sionariam. Não se autopromover: É importante saber se valorizar, principalmente ao fazer um trabalho bem feito e não ser “Transformers 4” chega aos cinemasPrime, o líder dos Autobots. Ao ajudar a trazê-lo de volta à vida, Cade e sua filha Tessa entram na mira das autoridades americanas. Para o diretor, foi um desafio fazer este filme. “É um filme muito, muito complicado, no qual 4 mil pessoas trabalha- ram”, afirma, acrescentando que, o esforço valeu a pena. “Foi muito bom dar novos ares, mudar os atores, dar uma nova vida à franquia. Uma coisa que sempre fazemos é dar uma cara nova a todos os veículos. Nesse filme, Optimus Prime passou por uma reforma com- pleta. Portanto, ele é um veículo totalmente novo”, conta. Bumblebee também foi re- desenhado. “Pegamos um Chevrolet Camaro Super Sport, retiramos toda a frente dele e cortamos toda a parte traseira, que ficou muito mais larga. Além disso, o capô, o teto e a traseira tem agora listras, o que deixa o veículo com estilo mais agressivo”, comenta Ja- mes Desmond, gerente geral de produção do longa que na China, onde foi parcialmente filmado, arrecadou US$ 92 mi- lhões em seu final de semana de estréia lá. Mark Wahlberg que inter- preta Cade um comerciante de peças automotivas que encon- tra um caminhão abandonado, o qual ele jamais poderia ima- ginaria ser o líder dosAutobots, Optimus Prime, que até então estava desaparecido e sendo caçado. “A ideia dele (Cade) é pegar o caminhão e basica- mente estudar a tecnologia, aprender com ela e aplicá-la em suas invenções. E, é claro, existe uma grande recompensa e uma caçada a qualquer Au- tobot, a qualquer Transformer que restar na Terra.Ao invés de entregá-lo, ele tenta estudar a tecnologia”, explica o ator. “Acho que Mark Wahlberg fez-me mudar de ideias. Quan- do trabalhei com ele, em “Pain and Gain”, ele me disse ‘Eu adoraria fazer um Transformers contigo’. E é fantástico trabalhar com ele. Esta foi uma maneira de reinventar tudo. Quando se vê o filme percebe-se que ele expande, verdadeiramente, o universo”, adianta Michael Bay, adiantando que, não descarta a possibilidade filmar a quinta sequência de “Transformers”. “Estou certo de que farão outra, não sei se estarei envolvido. Nunca se sabe”, disse o diretor. Veja alguns erros que podem acabar com sua carreira sucesso ou reconhecimento pessoal, você trabalha apenas com objetivos individuais ao in- vés de metas que contribuiriam para todo o grupo. Pense desta forma: seu chefe não está inte- ressado em seus benefícios, e sim o que é melhor para a em- presa. Se suas ações também ajudam a companhia, você será mais valorizado. Não pedir por feedback: Grande parte dos empregados passa por uma avaliação anual, mas você deve ter este tipo de feedback durante todo o ano. “O chefe comum, mesmo em grandes empresas, não é treinado para entregar uma avaliação eficaz”, diz Dewett. Amaioria delas transfere o foco para os eventos recentes ou os mais importantes, o que deixa grande parte do seu trabalho esquecida ou sem um retor- no. O que fazer: É importante avaliar seus esforços frequen- temente, e analisar o que você funciona bem e o que não. “As pessoas bem sucedidas sabem disto e procuram pelos colegas sinceros e direitos por um feedback construtivo”, conta Dewett. “Este tipo de comporta- mento é uma característica dos bons profissionais”. Recusar novas funções: Fa- zer somente aquilo para o que você foi contratado é um grande erro. “Se tudo o que você faz já está listado na descrição da vaga, é impossível ir além”, diz o especialista Dan Schawbel. Pense no seu escritório como um campo de batalha: todos têm as mesmas qualificações, as mesmas boas atitudes e a mesma atenção aos detalhes. Sair da sua zona de conforte pode ser o diferencial que seu chefe estava esperava para dar aquela promoção para você, e não para seu companheiro de mesa. O que fazer: Ao invés de focar-se apenas nas tarefas tí- picas da sua função, pergunte- -se o que você vai precisar para conseguir uma boa oportunida- de. “Para justificar aumentos de salários e mudanças de cargo, você tem de sair da descrição específica do seu emprego e aceitar responsabilidades adi- cionais”, explica Schawbel. Mas tenha em mente que qualquer trabalho extra deve ajudar a desenvolver suas habilidades e impulsionar outros bons pro- jetos; não se sobrecarregue. Pense em suas obrigações primeiro e veja se é possível tomar conta de outras coisas. reconhecido. “Algumas pesso- as acham que a autopromoção é pouco profissional”, diz Todd Dewett, coach de desenvol- vimento de liderança. O que fazer: a não ser que seu chefe venha até você e diga que fez um bom trabalho, não assuma que ele tenha notado. “Boa par- te dos ambientes de trabalho são ambientes bem competi- tivios”, explica Dewett. Deixar seu espaço livre permite que outras pessoas se beneficiem. Ser individualista: Ter uma posição ativa no ambiente de trabalho também é importante. Mas ao focar-se apenas no seu

×