SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
Oficina para Elaboração do Plano de Aplicação Plurianual dos Recursos da Cobrança na Bacia Hidrográfica do rio Doce – PAP DOCE Documentos Norteadores 23 e 24 novembro de 2011 – Governador Valadares/MG Nelson Neto de Freitas Gerente de Gestão de Recursos Hídricos AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS
Oficina para Elaboração do Plano de Aplicação Plurianual dos Recursos da Cobrança na Bacia Hidrográfica do rio Doce – PAP DOCE Documentos Norteadores Plano Integrado e Planos de Ações Contrato de Gestão Pacto das Águas
Plano Integrado e Plano de Ações (PIRH e PARHs)
Diagnóstico “ A bacia que temos” Prognóstico “ A visão de futuro da bacia” PIRH e Planos de Ações “ Metas, Programas e Ações para atingir os objetivos almejados pela bacia” 2a Etapa 3a Etapa PIRH Doce: etapas 1a Etapa
PIRH Doce: principais produtos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PIRH Doce:  Objetivos, Metas, Programas e Ações 7   Metas   Superiores 7 Questões Referenciais 7 Objetivos Prog. (16) Sub. (04) Estudos e proj. (08) 03 04 01 01 02 02 02 01 04 05 03 66  Metas de Gestão Qualidade da água Quantidade de água Enchentes Universalização Saneamento Incremento Áreas Protegidas Implementação Instrumentos Implementação Ações Plano Ações e Indicadores Estudos e Projetos Obras e Serviços Levantamentos e Cadastros Articulação
PIRH Doce:  Questões Referenciais e Objetivos QUESTÃO REFERENCIAL SITUAÇÃO ATUAL E TENDENCIAL OBJETIVO I.   Qualidade da água – Enquadramento A qualidade da água não respeita a expectativa de enquadramento. Esta situação deve permanecer em um cenário sem uma gestão integrada dos recursos hídricos. Melhoria gradativa da qualidade da água nos trechos mais críticos Atendimento ao Enquadramento II. Disponibilidade de água - balanços hídricos Observado déficit nos balanços hídricos em determinados trechos de rios, segundo as simulações realizadas, que indicam uma situação de maior restrição no cenário futuro sem gestão. Demandas de irrigação elevadas na porção inferior da bacia, sem base de informações consistente Atingir um cenário onde não ocorram déficits hídricos. Nesta situação, haveria o atendimento pleno dos usos consuntivos. Eliminar, reduzir ou gerenciar as situações de conflito de uso, durante todo o ano, predominando os usos mais nobres. III. Suscetibilidade a enchentes Ocorrência frequente de enchentes /inundações em zonas urbanas, ao longo do curso do rio Doce e de alguns afluentes, sendo previsíveis maiores impactos no cenário sem gestão. Redução de danos quando da ocorrência de enchentes IV. Universalização do saneamento Sub-bacias com indicadores de abastecimento de água, esgotamento sanitário ou coleta de resíduos sólidos abaixo da média estadual, com a tendência de manutenção do quadro a médio prazo. Aumento dos indicadores de saneamento ambiental até o atingimento da média Estadual V. Incremento de áreas legalmente protegidas O total das áreas sob proteção legal, na forma de UCs corresponde a 1,5% da área total da Bacia. Algumas bacias afluentes não possuem unidades de conservação integral As APP’s, principalmente matas ciliares, encontram-se bastante alteradas pelo uso antrópico. O número de UCs pode sofrer elevação, mas de forma desordenada na situação sem gestão. Atingir o valor de 10% de áreas sob proteção formal, com pelo menos uma unidade de conservação de proteção integral em cada bacia afluente Instituir uma ação consistente de recomposição de APP na área da bacia VI. Implementação dos Instrumentos de Gestão de Recursos Hídricos Dos instrumentos previstos na legislação – plano de bacia, enquadramento, outorga, cobrança, sistema de informações, apenas a outorga está implementada, parcialmente, e o Plano de Bacia e o Enquadramento estão sendo implementados. Sem uma gestão efetiva, esta situação de baixa velocidade de implantação do sistema de gestão de recursos hídricos deve ser mantida.  Implementação de todos os Instrumentos de Gestão dos Recursos Hídricos (plano de bacia, enquadramento, outorga, cobrança, sistema de informações) VII. Implementação das ações do PIRH Doce A implementação do PIRH Doce exigirá uma estrutura gerencial capaz de integrar diversas ações distintas, estabelecendo procedimentos de planejamento constantes e eficazes. Na situação sem uma gestão integrada, não há ambiente propício para a realização do PIRH. Estabelecer uma estrutura organizacional (material, recursos humanos e de procedimentos) que dê suporte ao gerenciamento das ações do PIRH Doce
PIRH Doce:  Questões Referenciais e Metas superiores QUESTÃO REFERENCIAL DESCRIÇÃO DA META I.   Qualidade da água Em até 20 anos (ou no ano de 2030), as águas superficiais da bacia do rio Doce terão classes de uso da água compatíveis ou melhores do que a classe 2 em toda a extensão da bacia, considerando-se indicadores tais como:  DBO; OD; pH; temperatura; cor; turbidez; e coliformes fecais ou totais. II. Disponibilidade de água Em 20 anos (ou no ano de 2030), não são observados conflitos pelo uso da água, sendo que a demanda atual e futura projetada é atendida pela vazão de referência atual ou suplementada pela implantação de medidas estruturais e não estruturais que elevem este valor de referência até o mínimo suficiente para atender àquelas demandas. III. Suscetibilidade a enchentes Em 20 anos, as perdas de vidas humanas na bacia devidas às cheias são reduzidas a zero e as perdas econômicas são reduzidas a 10% do valor atual, com ações locais para combater as enchentes/inundações de origem convectiva e com ações regionais, para combater as de origem frontal.  IV. Universalização do saneamento Em 2030, as coberturas dos serviços de esgotamento sanitário nas áreas urbanas e rurais da bacia, esgotamento pluvial das cidades com mais de 5.000 habitantes e de recolhimento, tratamento e destinação final de resíduos sólidos são iguais ou superiores à média dos estados em que cada bacia está localizada, enquanto que o abastecimento de água atinge a 100% dos núcleos residenciais. A redução da carga orgânica dos esgotos sanitários é da ordem de 90% até o ano de 2020, considerando o patamar expresso na CIPE rio Doce. No mesmo ano, todos os municípios são atendidos por aterros sanitários e unidades de triagem e compostagem. V. Incremento de áreas legalmente protegidas Até o ano 2030, a bacia do rio Doce apresenta uma elevação do número de unidades de conservação efetivamente implantadas e manejadas, atingindo um patamar de 10% de seu território com restrição de uso, para conservação e preservação ambiental, em cada UPGRH/UA. O grau de conservação das Unidades de Conservação (UCs) e Áreas de Preservação Permanente (APPs) é suficiente para contemplar a totalidade dos biomas de interesse, bem como buscar a formação de corredores ecológicos eficientes para a dispersão e conservação das espécies de fauna e flora identificadas como de importância e relevância para a bacia. VI. Implementação dos Instrumentos de Gestão de Recursos Hídricos No prazo máximo de dois anos, a bacia do rio Doce apresenta um enquadramento aprovado e implantado, com cenários evolutivos possíveis; um sistema de outorga que considere os critérios definidos pelos Comitês de Bacia e órgãos gestores, sendo as informações de fácil acesso e auditáveis, e as retiradas e os lançamentos devidamente localizados e monitorados; um sistema de informações hidroclimatológicas consistente e operacional, (...); um sistema de cobrança pelo uso da água aceito pelos usuários de água e pela população da bacia, (...)  VII. Implementação das ações do PIRH Doce As ações previstas no PIRH Doce são implantadas de acordo com os cronogramas e os custos previstos, sendo que o arranjo institucional e os recursos disponibilizados são suficientes para a obtenção de níveis satisfatórios de eficiência da gestão integrada dos recursos hídricos
Hierarquia das Metas: PIRH Doce:  Objetivos, Metas, Programas e Ações Relevância Urgência Soma Hierarquia Cor símbolo Alta (3) Alta (3) 6 1 Média (2) 5 2 Baixa (1) 4 3 Média (2) Alta (3) 5 2 Média (2) 4 3 Baixa (1) 3 4 Baixa (1) Alta (3) 4 3 Média (2) 3 4 Baixa (1) 2 5
Hierarquia das Metas: PIRH Doce:  Objetivos, Metas, Programas e Ações
Programas do Plano:
Hierarquia dos Programas P 11 - Programa de Saneamento da Bacia P 12 - Programa de Controle de Atividades Geradoras de Sedimentos P 13 – Programa de Apoio ao controle de efluentes em pequenas e micro empresas P 21 - Programa de Incremento de Disponibilidade Hídrica- P 22 - Programa de Incentivo ao Uso Racional da Água na Agricultura P 23 - Programa de Redução de Perdas no Abastecimento Público de Água P 24 - Implementação do Programa “Produtor de Água” P 25 – Ações de convivência com a seca P 25.a Estudos para avaliação dos efeitos das possíveis mudanças climáticas globais nas relações entre disponibilidades e demandas hídricas e proposição de medidas adaptativas P 31 - Programa de Convivência com as Cheias P 41 - Programa de Universalização do Saneamento P 42 – Programa de Expansão do Saneamento Rural P 51 - Programa de Avaliação Ambiental para Definição de Áreas com Restrição de Uso P 51.a Projeto Restrição de uso das áreas de entorno de aproveitamentos hidrelétricos P 52 - Programa de Recomposição de APP’s e nascentes P 52.a – Projeto de recuperação de lagoas assoreadas e degradadas P 61 - Programa de Monitoramento e Acompanhamento da Implementação da Gestão Integrada dos Recursos Hídricos  P 61 1 Sub-programa Cadastramento e manutenção do cadastro dos usuários de recursos hídricos da Bacia P 61 2 Sub-programa Fortalecimento dos Comitês na Bacia segundo o arranjo institucional elaborado no âmbito do plano e objetivando a consolidação dos Sistemas Estaduais de Gerenciamento de Recursos Hídricos. P 61 3 Sub-programa   Gestão das Águas subterrâneas P 61 4 Sub-programa Revisão e Harmonização dos Critérios de Outorga P 61.a Projeto Desenvolvimento de um Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce P 61.b Estudos complementares para elaboração de proposta de enquadramento dos corpos d’água P 61.c Projeto Diretrizes para a Gestão da Região do Delta do Rio Doce, assim como da região da Planície Costeira do Espírito Santo na bacia do Rio Doce P 61.d Projeto - Consolidação de mecanismos de articulação e integração da fiscalização exercida pela ANA, IGAM e IEMA na bacia P 61.e – Projeto Avaliação da aceitação da proposta de cobrança P 62 - Programa de Monitoramento dos Recursos Hídricos  P 62 1 Sub-programa de levantamentos de dados para preenchimento de falhas ou lacunas de informações constatadas no Diagnóstico da Bacia P 71 - Programa de Comunicação do Programa de Ações P 72 – Programa de Educação Ambiental P 73 - Programa de Treinamento e Capacitação P 11 - Programa de Saneamento da Bacia P 12 - Programa de Controle de Atividades Geradoras de Sedimentos P 13 – Programa de Apoio ao controle de efluentes em pequenas e micro empresas P 21 - Programa de Incremento de Disponibilidade Hídrica- P 22 - Programa de Incentivo ao Uso Racional da Água na Agricultura P 23 - Programa de Redução de Perdas no Abastecimento Público de Água P 24 - Implementação do Programa “Produtor de Água” P 25 – Ações de convivência com a seca P 25.a Estudos para avaliação dos efeitos das possíveis mudanças climáticas globais nas relações entre disponibilidades e demandas hídricas e proposição de medidas adaptativas P 31 - Programa de Convivência com as Cheias P 41 - Programa de Universalização do Saneamento P 42 – Programa de Expansão do Saneamento Rural P 51 - Programa de Avaliação Ambiental para Definição de Áreas com Restrição de Uso P 51.a Projeto Restrição de uso das áreas de entorno de aproveitamentos hidrelétricos P 52 - Programa de Recomposição de APP’s e nascentes P 52.a – Projeto de recuperação de lagoas assoreadas e degradadas P 61 - Programa de Monitoramento e Acompanhamento da Implementação da Gestão Integrada dos Recursos Hídricos  P 61 1 Sub-programa Cadastramento e manutenção do cadastro dos usuários de recursos hídricos da Bacia P 61 2 Sub-programa Fortalecimento dos Comitês na Bacia segundo o arranjo institucional elaborado no âmbito do plano e objetivando a consolidação dos Sistemas Estaduais de Gerenciamento de Recursos Hídricos. P 61 3 Sub-programa   Gestão das Águas subterrâneas P 61 4 Sub-programa Revisão e Harmonização dos Critérios de Outorga P 61.a Projeto Desenvolvimento de um Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce P 61.b Estudos complementares para elaboração de proposta de enquadramento dos corpos d’água P 61.c Projeto Diretrizes para a Gestão da Região do Delta do Rio Doce, assim como da região da Planície Costeira do Espírito Santo na bacia do Rio Doce P 61.d Projeto - Consolidação de mecanismos de articulação e integração da fiscalização exercida pela ANA, IGAM e IEMA na bacia P 61.e – Projeto Avaliação da aceitação da proposta de cobrança P 62 - Programa de Monitoramento dos Recursos Hídricos  P 62 1 Sub-programa de levantamentos de dados para preenchimento de falhas ou lacunas de informações constatadas no Diagnóstico da Bacia P 71 - Programa de Comunicação do Programa de Ações P 72 – Programa de Educação Ambiental P 73 - Programa de Treinamento e Capacitação
Programas: Espacialização por UPGRHs / UAs
CONTRATO DE GESTÃO
CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)     2011 2012 2013 2014 2015 União   3.195.258 12.781.031 15.388.794 17.852.529 22.238.697 Espírito Santo   124.678 374.034 440.716 520.427 614.704 Minas Gerais   1.578.040 4.734.121 5.601.220 6.702.555 7.734.044 Piranga 499.423 1.498.268 1.770.421 2.109.898 2.452.231 Santo Antônio 92.028 276.083 327.184 393.545 449.964 Suaçui 143.619 430.858 511.992 621.097 699.449 Manhuaçu 122.552 367.657 435.485 522.969 599.657 Caratinga 156.357 469.071 556.342 670.891 763.600 Piracicaba 564.061 1.692.184 1.999.796 2.384.154 2.769.143
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO DA  BACIA DO RIO DOCE CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
[object Object],[object Object],CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
“ Pacto das Águas” ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Elaboração do Plano de Aplicação Plurianual dos Recursos da Cobrança na bacia Hidrográfica do rio Doce – PAP DOCE Documentos Norteadores
 
Brandina de Amorim Carlos Leonardo Kulnig Cinelli Fernanda  Laus de Aquino Flávia Simões Ferreira Rodrigues Isadora Lobão Mori José Carlos de Queiroz Ludmila Alves Rodrigues Mariana Rodrigues Lírio Nelson Neto de Freitas Osman Fernandes Silva Rosana Mendes Evangelista Tânia Regina Dias da Silva Vera Maria da Costa Nascimento Vivyanne Graça Mello Oliveira Fabiano Henrique da Silva Alves Juliana Vilela Pinto Laura Jovelina Andrade Machado Max Ferreira Alves Equipe GERÊNCIA DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS – GERHI/SAG + UAR GV Rodrigo Flecha Ferreira Alves (Superintendente SAG/ANA) MUITO OBRIGADO! Nelson Neto de Freitas Gerente de Gestão de Recursos Hídricos [email_address] (61) 2109.5209 www.ana.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Sr. Eduardo Topazio - INEMA
Palestra Sr. Eduardo Topazio - INEMAPalestra Sr. Eduardo Topazio - INEMA
Palestra Sr. Eduardo Topazio - INEMAequipeagroplus
 
Palestra Prof. Everardo Mantovani
Palestra Prof. Everardo MantovaniPalestra Prof. Everardo Mantovani
Palestra Prof. Everardo Mantovaniequipeagroplus
 
Prognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept RosadoPrognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept RosadoDouglas Rammon
 
27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandes
27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandes27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandes
27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandesAnne Bezerra
 
Resumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de ÁguaResumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de ÁguaCBH Rio das Velhas
 
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapParecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapCBH Rio das Velhas
 
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de ÁguaPlano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de ÁguaCBH Rio das Velhas
 
Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água CBH Rio das Velhas
 
Apresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruskiApresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruskiequipeagroplus
 
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde MedeirosVazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde MedeirosCBH Rio das Velhas
 
Bacia hidrográfica rio santana
Bacia hidrográfica rio santanaBacia hidrográfica rio santana
Bacia hidrográfica rio santanaKleber Ferreira
 
A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...
A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...
A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...CBH Rio das Velhas
 
Programa Pró-Mananciais - Copasa
Programa Pró-Mananciais - CopasaPrograma Pró-Mananciais - Copasa
Programa Pró-Mananciais - CopasaCBH Rio das Velhas
 
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...CBH Rio das Velhas
 
Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...
Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...
Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...fcmatosbh
 
Oficio - Programa Nacional Conversao de Multas - Ibama
Oficio - Programa Nacional Conversao de Multas - IbamaOficio - Programa Nacional Conversao de Multas - Ibama
Oficio - Programa Nacional Conversao de Multas - IbamaCBH Rio das Velhas
 

Mais procurados (20)

Palestra Sr. Eduardo Topazio - INEMA
Palestra Sr. Eduardo Topazio - INEMAPalestra Sr. Eduardo Topazio - INEMA
Palestra Sr. Eduardo Topazio - INEMA
 
Palestra Prof. Everardo Mantovani
Palestra Prof. Everardo MantovaniPalestra Prof. Everardo Mantovani
Palestra Prof. Everardo Mantovani
 
Prognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept RosadoPrognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept Rosado
 
Programa Produtor de Água
Programa Produtor de ÁguaPrograma Produtor de Água
Programa Produtor de Água
 
27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandes
27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandes27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandes
27 apresentacao-cristovao-vicente-scapulatempo-fernandes
 
Resumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de ÁguaResumo - Projeto Produtor de Água
Resumo - Projeto Produtor de Água
 
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapParecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
 
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de ÁguaPlano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
Plano de Trabalho - Projeto Produtores de Água
 
Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água Anexo III - Proposta Produtor de Água
Anexo III - Proposta Produtor de Água
 
Apresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruskiApresentacao_FernandoPruski
Apresentacao_FernandoPruski
 
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde MedeirosVazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
 
Bacia hidrográfica rio santana
Bacia hidrográfica rio santanaBacia hidrográfica rio santana
Bacia hidrográfica rio santana
 
PES COURSE - RECIFE (Implementing PES programs – Case Study PES Water, Brazil...
PES COURSE - RECIFE (Implementing PES programs – Case Study PES Water, Brazil...PES COURSE - RECIFE (Implementing PES programs – Case Study PES Water, Brazil...
PES COURSE - RECIFE (Implementing PES programs – Case Study PES Water, Brazil...
 
A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...
A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...
A legislação Europeia e a avaliação ecológica dos rios - Portugal, União Euro...
 
Programa Pró-Mananciais - Copasa
Programa Pró-Mananciais - CopasaPrograma Pró-Mananciais - Copasa
Programa Pró-Mananciais - Copasa
 
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos SantosPrograma Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
Programa Produtor de Água_Devanir Garcia dos Santos
 
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
Apresentacao politica de gestao do risco de inundacoes em belo horizonte - ba...
 
Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...
Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...
Matos e Dias (2012) A gestão dos recursos hídricos em MG e a situação da Baci...
 
Oficio - Programa Nacional Conversao de Multas - Ibama
Oficio - Programa Nacional Conversao de Multas - IbamaOficio - Programa Nacional Conversao de Multas - Ibama
Oficio - Programa Nacional Conversao de Multas - Ibama
 
Projeto 123
Projeto 123Projeto 123
Projeto 123
 

Semelhante a Pap doce nov2011

Cartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio Pará
Cartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio ParáCartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio Pará
Cartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio ParáAgência Peixe Vivo
 
Gestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdf
Gestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdfGestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdf
Gestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdfHELENO FAVACHO
 
Monitoramento quantitativo como instrumento
Monitoramento quantitativo como instrumentoMonitoramento quantitativo como instrumento
Monitoramento quantitativo como instrumentoWelber Ferreira
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiaNilton Goulart
 
Diagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdf
Diagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdfDiagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdf
Diagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdfEdineiaKoelerGege
 
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza  Rio das Velhas - statusSeminario Revitaliza  Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - statusCBH Rio das Velhas
 
Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...
Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...
Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...Instituto Besc
 
Apresentação Plano Diretor SCBH
Apresentação Plano Diretor SCBHApresentação Plano Diretor SCBH
Apresentação Plano Diretor SCBHCBH Rio das Velhas
 
Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2
Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2
Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2Nilton Goulart
 
Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...
Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...
Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...Andréa Vasconcelos
 
Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...
Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...
Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...Fernando S. Marcato
 
2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...
2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...
2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...George Porto Ferreira
 
Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...
Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...
Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...CBH Rio das Velhas
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbientePDDI RMVA
 
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbaciasMinicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbaciasequipeagroplus
 
Módulo 3_Gerenciamento Integrado.pdf
Módulo 3_Gerenciamento Integrado.pdfMódulo 3_Gerenciamento Integrado.pdf
Módulo 3_Gerenciamento Integrado.pdfAlexPinheiroFeitosa
 

Semelhante a Pap doce nov2011 (20)

Cartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio Pará
Cartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio ParáCartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio Pará
Cartilha Cobrança pelo Uso da Água CBH Rio Pará
 
Gestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdf
Gestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdfGestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdf
Gestão Ambiental - Escassez de Recursos Hídricos.pdf
 
Monitoramento quantitativo como instrumento
Monitoramento quantitativo como instrumentoMonitoramento quantitativo como instrumento
Monitoramento quantitativo como instrumento
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Diagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdf
Diagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdfDiagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdf
Diagnóstico_Apresentação_Consultas_Públicas_PERHES.pdf
 
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza  Rio das Velhas - statusSeminario Revitaliza  Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - status
 
Aula rec hid gestao
Aula rec hid gestaoAula rec hid gestao
Aula rec hid gestao
 
Cultivando mananciais
Cultivando mananciaisCultivando mananciais
Cultivando mananciais
 
Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...
Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...
Compatibilizando os Usos da Água, por Osman Fernandes da Silva, Agência Nacio...
 
Apresentação Plano Diretor SCBH
Apresentação Plano Diretor SCBHApresentação Plano Diretor SCBH
Apresentação Plano Diretor SCBH
 
Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2
Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2
Aspectos conceituais do gerenciamento de recursos hídricos2
 
Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...
Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...
Recarga de Manancial com Água de Reúso - Uma Alternativa Para a Conservação d...
 
Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...
Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...
Recarga de manancial com água de reúso – Uma alternativa para a conservação d...
 
2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...
2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...
2018 - Soluções em Software livre para apoio à tomada de decisão na gestão de...
 
Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...
Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...
Conjuntura das bacias hidrográficas do Paranaíba, Paraíba do Sul e Grande - M...
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
 
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
 
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbaciasMinicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
 
Módulo 3_Gerenciamento Integrado.pdf
Módulo 3_Gerenciamento Integrado.pdfMódulo 3_Gerenciamento Integrado.pdf
Módulo 3_Gerenciamento Integrado.pdf
 

Mais de Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce

Mais de Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce (20)

Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
 
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
 
Apresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ES
Apresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ESApresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ES
Apresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ES
 
Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015
Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015
Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015
 
Publicacao pacuera pch_fortuna_ii
Publicacao pacuera pch_fortuna_iiPublicacao pacuera pch_fortuna_ii
Publicacao pacuera pch_fortuna_ii
 
Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03
Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03
Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03
 
Apresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagem
Apresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagemApresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagem
Apresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagem
 
Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
 
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
 
18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA
18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA
18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA
 
18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia
18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia
18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia
 
18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico
18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico
18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico
 
18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme
18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme
18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme
 
Abc 17.03.2015
Abc   17.03.2015Abc   17.03.2015
Abc 17.03.2015
 
18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo
 
Produtor de água brasilia 2015
Produtor de água brasilia 2015Produtor de água brasilia 2015
Produtor de água brasilia 2015
 
Seminário ana 18mar15 tnc
Seminário ana 18mar15   tncSeminário ana 18mar15   tnc
Seminário ana 18mar15 tnc
 
18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo
 
17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta
17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta
17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta
 
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Jorge Enoch Furquim W. Lima
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Jorge Enoch Furquim W. Lima17/03 - Tarde - Mesa 2 - Jorge Enoch Furquim W. Lima
17/03 - Tarde - Mesa 2 - Jorge Enoch Furquim W. Lima
 

Pap doce nov2011

  • 1. Oficina para Elaboração do Plano de Aplicação Plurianual dos Recursos da Cobrança na Bacia Hidrográfica do rio Doce – PAP DOCE Documentos Norteadores 23 e 24 novembro de 2011 – Governador Valadares/MG Nelson Neto de Freitas Gerente de Gestão de Recursos Hídricos AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS
  • 2. Oficina para Elaboração do Plano de Aplicação Plurianual dos Recursos da Cobrança na Bacia Hidrográfica do rio Doce – PAP DOCE Documentos Norteadores Plano Integrado e Planos de Ações Contrato de Gestão Pacto das Águas
  • 3. Plano Integrado e Plano de Ações (PIRH e PARHs)
  • 4. Diagnóstico “ A bacia que temos” Prognóstico “ A visão de futuro da bacia” PIRH e Planos de Ações “ Metas, Programas e Ações para atingir os objetivos almejados pela bacia” 2a Etapa 3a Etapa PIRH Doce: etapas 1a Etapa
  • 5.
  • 6. PIRH Doce: Objetivos, Metas, Programas e Ações 7 Metas Superiores 7 Questões Referenciais 7 Objetivos Prog. (16) Sub. (04) Estudos e proj. (08) 03 04 01 01 02 02 02 01 04 05 03 66 Metas de Gestão Qualidade da água Quantidade de água Enchentes Universalização Saneamento Incremento Áreas Protegidas Implementação Instrumentos Implementação Ações Plano Ações e Indicadores Estudos e Projetos Obras e Serviços Levantamentos e Cadastros Articulação
  • 7. PIRH Doce: Questões Referenciais e Objetivos QUESTÃO REFERENCIAL SITUAÇÃO ATUAL E TENDENCIAL OBJETIVO I. Qualidade da água – Enquadramento A qualidade da água não respeita a expectativa de enquadramento. Esta situação deve permanecer em um cenário sem uma gestão integrada dos recursos hídricos. Melhoria gradativa da qualidade da água nos trechos mais críticos Atendimento ao Enquadramento II. Disponibilidade de água - balanços hídricos Observado déficit nos balanços hídricos em determinados trechos de rios, segundo as simulações realizadas, que indicam uma situação de maior restrição no cenário futuro sem gestão. Demandas de irrigação elevadas na porção inferior da bacia, sem base de informações consistente Atingir um cenário onde não ocorram déficits hídricos. Nesta situação, haveria o atendimento pleno dos usos consuntivos. Eliminar, reduzir ou gerenciar as situações de conflito de uso, durante todo o ano, predominando os usos mais nobres. III. Suscetibilidade a enchentes Ocorrência frequente de enchentes /inundações em zonas urbanas, ao longo do curso do rio Doce e de alguns afluentes, sendo previsíveis maiores impactos no cenário sem gestão. Redução de danos quando da ocorrência de enchentes IV. Universalização do saneamento Sub-bacias com indicadores de abastecimento de água, esgotamento sanitário ou coleta de resíduos sólidos abaixo da média estadual, com a tendência de manutenção do quadro a médio prazo. Aumento dos indicadores de saneamento ambiental até o atingimento da média Estadual V. Incremento de áreas legalmente protegidas O total das áreas sob proteção legal, na forma de UCs corresponde a 1,5% da área total da Bacia. Algumas bacias afluentes não possuem unidades de conservação integral As APP’s, principalmente matas ciliares, encontram-se bastante alteradas pelo uso antrópico. O número de UCs pode sofrer elevação, mas de forma desordenada na situação sem gestão. Atingir o valor de 10% de áreas sob proteção formal, com pelo menos uma unidade de conservação de proteção integral em cada bacia afluente Instituir uma ação consistente de recomposição de APP na área da bacia VI. Implementação dos Instrumentos de Gestão de Recursos Hídricos Dos instrumentos previstos na legislação – plano de bacia, enquadramento, outorga, cobrança, sistema de informações, apenas a outorga está implementada, parcialmente, e o Plano de Bacia e o Enquadramento estão sendo implementados. Sem uma gestão efetiva, esta situação de baixa velocidade de implantação do sistema de gestão de recursos hídricos deve ser mantida. Implementação de todos os Instrumentos de Gestão dos Recursos Hídricos (plano de bacia, enquadramento, outorga, cobrança, sistema de informações) VII. Implementação das ações do PIRH Doce A implementação do PIRH Doce exigirá uma estrutura gerencial capaz de integrar diversas ações distintas, estabelecendo procedimentos de planejamento constantes e eficazes. Na situação sem uma gestão integrada, não há ambiente propício para a realização do PIRH. Estabelecer uma estrutura organizacional (material, recursos humanos e de procedimentos) que dê suporte ao gerenciamento das ações do PIRH Doce
  • 8. PIRH Doce: Questões Referenciais e Metas superiores QUESTÃO REFERENCIAL DESCRIÇÃO DA META I. Qualidade da água Em até 20 anos (ou no ano de 2030), as águas superficiais da bacia do rio Doce terão classes de uso da água compatíveis ou melhores do que a classe 2 em toda a extensão da bacia, considerando-se indicadores tais como: DBO; OD; pH; temperatura; cor; turbidez; e coliformes fecais ou totais. II. Disponibilidade de água Em 20 anos (ou no ano de 2030), não são observados conflitos pelo uso da água, sendo que a demanda atual e futura projetada é atendida pela vazão de referência atual ou suplementada pela implantação de medidas estruturais e não estruturais que elevem este valor de referência até o mínimo suficiente para atender àquelas demandas. III. Suscetibilidade a enchentes Em 20 anos, as perdas de vidas humanas na bacia devidas às cheias são reduzidas a zero e as perdas econômicas são reduzidas a 10% do valor atual, com ações locais para combater as enchentes/inundações de origem convectiva e com ações regionais, para combater as de origem frontal. IV. Universalização do saneamento Em 2030, as coberturas dos serviços de esgotamento sanitário nas áreas urbanas e rurais da bacia, esgotamento pluvial das cidades com mais de 5.000 habitantes e de recolhimento, tratamento e destinação final de resíduos sólidos são iguais ou superiores à média dos estados em que cada bacia está localizada, enquanto que o abastecimento de água atinge a 100% dos núcleos residenciais. A redução da carga orgânica dos esgotos sanitários é da ordem de 90% até o ano de 2020, considerando o patamar expresso na CIPE rio Doce. No mesmo ano, todos os municípios são atendidos por aterros sanitários e unidades de triagem e compostagem. V. Incremento de áreas legalmente protegidas Até o ano 2030, a bacia do rio Doce apresenta uma elevação do número de unidades de conservação efetivamente implantadas e manejadas, atingindo um patamar de 10% de seu território com restrição de uso, para conservação e preservação ambiental, em cada UPGRH/UA. O grau de conservação das Unidades de Conservação (UCs) e Áreas de Preservação Permanente (APPs) é suficiente para contemplar a totalidade dos biomas de interesse, bem como buscar a formação de corredores ecológicos eficientes para a dispersão e conservação das espécies de fauna e flora identificadas como de importância e relevância para a bacia. VI. Implementação dos Instrumentos de Gestão de Recursos Hídricos No prazo máximo de dois anos, a bacia do rio Doce apresenta um enquadramento aprovado e implantado, com cenários evolutivos possíveis; um sistema de outorga que considere os critérios definidos pelos Comitês de Bacia e órgãos gestores, sendo as informações de fácil acesso e auditáveis, e as retiradas e os lançamentos devidamente localizados e monitorados; um sistema de informações hidroclimatológicas consistente e operacional, (...); um sistema de cobrança pelo uso da água aceito pelos usuários de água e pela população da bacia, (...) VII. Implementação das ações do PIRH Doce As ações previstas no PIRH Doce são implantadas de acordo com os cronogramas e os custos previstos, sendo que o arranjo institucional e os recursos disponibilizados são suficientes para a obtenção de níveis satisfatórios de eficiência da gestão integrada dos recursos hídricos
  • 9. Hierarquia das Metas: PIRH Doce: Objetivos, Metas, Programas e Ações Relevância Urgência Soma Hierarquia Cor símbolo Alta (3) Alta (3) 6 1 Média (2) 5 2 Baixa (1) 4 3 Média (2) Alta (3) 5 2 Média (2) 4 3 Baixa (1) 3 4 Baixa (1) Alta (3) 4 3 Média (2) 3 4 Baixa (1) 2 5
  • 10. Hierarquia das Metas: PIRH Doce: Objetivos, Metas, Programas e Ações
  • 12. Hierarquia dos Programas P 11 - Programa de Saneamento da Bacia P 12 - Programa de Controle de Atividades Geradoras de Sedimentos P 13 – Programa de Apoio ao controle de efluentes em pequenas e micro empresas P 21 - Programa de Incremento de Disponibilidade Hídrica- P 22 - Programa de Incentivo ao Uso Racional da Água na Agricultura P 23 - Programa de Redução de Perdas no Abastecimento Público de Água P 24 - Implementação do Programa “Produtor de Água” P 25 – Ações de convivência com a seca P 25.a Estudos para avaliação dos efeitos das possíveis mudanças climáticas globais nas relações entre disponibilidades e demandas hídricas e proposição de medidas adaptativas P 31 - Programa de Convivência com as Cheias P 41 - Programa de Universalização do Saneamento P 42 – Programa de Expansão do Saneamento Rural P 51 - Programa de Avaliação Ambiental para Definição de Áreas com Restrição de Uso P 51.a Projeto Restrição de uso das áreas de entorno de aproveitamentos hidrelétricos P 52 - Programa de Recomposição de APP’s e nascentes P 52.a – Projeto de recuperação de lagoas assoreadas e degradadas P 61 - Programa de Monitoramento e Acompanhamento da Implementação da Gestão Integrada dos Recursos Hídricos P 61 1 Sub-programa Cadastramento e manutenção do cadastro dos usuários de recursos hídricos da Bacia P 61 2 Sub-programa Fortalecimento dos Comitês na Bacia segundo o arranjo institucional elaborado no âmbito do plano e objetivando a consolidação dos Sistemas Estaduais de Gerenciamento de Recursos Hídricos. P 61 3 Sub-programa Gestão das Águas subterrâneas P 61 4 Sub-programa Revisão e Harmonização dos Critérios de Outorga P 61.a Projeto Desenvolvimento de um Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce P 61.b Estudos complementares para elaboração de proposta de enquadramento dos corpos d’água P 61.c Projeto Diretrizes para a Gestão da Região do Delta do Rio Doce, assim como da região da Planície Costeira do Espírito Santo na bacia do Rio Doce P 61.d Projeto - Consolidação de mecanismos de articulação e integração da fiscalização exercida pela ANA, IGAM e IEMA na bacia P 61.e – Projeto Avaliação da aceitação da proposta de cobrança P 62 - Programa de Monitoramento dos Recursos Hídricos P 62 1 Sub-programa de levantamentos de dados para preenchimento de falhas ou lacunas de informações constatadas no Diagnóstico da Bacia P 71 - Programa de Comunicação do Programa de Ações P 72 – Programa de Educação Ambiental P 73 - Programa de Treinamento e Capacitação P 11 - Programa de Saneamento da Bacia P 12 - Programa de Controle de Atividades Geradoras de Sedimentos P 13 – Programa de Apoio ao controle de efluentes em pequenas e micro empresas P 21 - Programa de Incremento de Disponibilidade Hídrica- P 22 - Programa de Incentivo ao Uso Racional da Água na Agricultura P 23 - Programa de Redução de Perdas no Abastecimento Público de Água P 24 - Implementação do Programa “Produtor de Água” P 25 – Ações de convivência com a seca P 25.a Estudos para avaliação dos efeitos das possíveis mudanças climáticas globais nas relações entre disponibilidades e demandas hídricas e proposição de medidas adaptativas P 31 - Programa de Convivência com as Cheias P 41 - Programa de Universalização do Saneamento P 42 – Programa de Expansão do Saneamento Rural P 51 - Programa de Avaliação Ambiental para Definição de Áreas com Restrição de Uso P 51.a Projeto Restrição de uso das áreas de entorno de aproveitamentos hidrelétricos P 52 - Programa de Recomposição de APP’s e nascentes P 52.a – Projeto de recuperação de lagoas assoreadas e degradadas P 61 - Programa de Monitoramento e Acompanhamento da Implementação da Gestão Integrada dos Recursos Hídricos P 61 1 Sub-programa Cadastramento e manutenção do cadastro dos usuários de recursos hídricos da Bacia P 61 2 Sub-programa Fortalecimento dos Comitês na Bacia segundo o arranjo institucional elaborado no âmbito do plano e objetivando a consolidação dos Sistemas Estaduais de Gerenciamento de Recursos Hídricos. P 61 3 Sub-programa Gestão das Águas subterrâneas P 61 4 Sub-programa Revisão e Harmonização dos Critérios de Outorga P 61.a Projeto Desenvolvimento de um Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce P 61.b Estudos complementares para elaboração de proposta de enquadramento dos corpos d’água P 61.c Projeto Diretrizes para a Gestão da Região do Delta do Rio Doce, assim como da região da Planície Costeira do Espírito Santo na bacia do Rio Doce P 61.d Projeto - Consolidação de mecanismos de articulação e integração da fiscalização exercida pela ANA, IGAM e IEMA na bacia P 61.e – Projeto Avaliação da aceitação da proposta de cobrança P 62 - Programa de Monitoramento dos Recursos Hídricos P 62 1 Sub-programa de levantamentos de dados para preenchimento de falhas ou lacunas de informações constatadas no Diagnóstico da Bacia P 71 - Programa de Comunicação do Programa de Ações P 72 – Programa de Educação Ambiental P 73 - Programa de Treinamento e Capacitação
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)     2011 2012 2013 2014 2015 União   3.195.258 12.781.031 15.388.794 17.852.529 22.238.697 Espírito Santo   124.678 374.034 440.716 520.427 614.704 Minas Gerais   1.578.040 4.734.121 5.601.220 6.702.555 7.734.044 Piranga 499.423 1.498.268 1.770.421 2.109.898 2.452.231 Santo Antônio 92.028 276.083 327.184 393.545 449.964 Suaçui 143.619 430.858 511.992 621.097 699.449 Manhuaçu 122.552 367.657 435.485 522.969 599.657 Caratinga 156.357 469.071 556.342 670.891 763.600 Piracicaba 564.061 1.692.184 1.999.796 2.384.154 2.769.143
  • 21.
  • 22.
  • 23. CONTRATO DE GESTÃO (ANA / IBIO)
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.  
  • 30. Brandina de Amorim Carlos Leonardo Kulnig Cinelli Fernanda Laus de Aquino Flávia Simões Ferreira Rodrigues Isadora Lobão Mori José Carlos de Queiroz Ludmila Alves Rodrigues Mariana Rodrigues Lírio Nelson Neto de Freitas Osman Fernandes Silva Rosana Mendes Evangelista Tânia Regina Dias da Silva Vera Maria da Costa Nascimento Vivyanne Graça Mello Oliveira Fabiano Henrique da Silva Alves Juliana Vilela Pinto Laura Jovelina Andrade Machado Max Ferreira Alves Equipe GERÊNCIA DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS – GERHI/SAG + UAR GV Rodrigo Flecha Ferreira Alves (Superintendente SAG/ANA) MUITO OBRIGADO! Nelson Neto de Freitas Gerente de Gestão de Recursos Hídricos [email_address] (61) 2109.5209 www.ana.gov.br