SlideShare uma empresa Scribd logo
Relação entre médicos:
Considerações éticas e legais
Rosália Toledo Veiga Ometto
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-Graduação em Direito Médico e Hospitalar
Sócia fundadora e administradora da Ometto Advogados Associados.
Advogada atuante em Direito Médico e Responsabilidade Civil há vinte anos.
Bacharel (1992) e Mestre em Direito Civil pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco – USP (2004).
Especialista em Direito Empresarial pela PUC – SP (2010).
Autora da obra “Responsabilidade Civil do Médico Cirurgião” (Ed. Unimed, 2ª ed., 2007)
e coautora do “Código Civil Interpretado Artigo por Artigo” (Ed. Manole, 6ª ed., 2013)
Membro titular da Comissão de Estudos sobre Planos de Saúde e Assistência Médica da OAB-SP.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
2
• 1. Apresentação do tema: relação entre médicos
1.1. Educação.
1.2. Respeito.
1.3. Limites.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
3
• 2. Relação entre médicos: considerações éticas
Código de Ética Médica
Resolução CFM nº 1.931, de 17 de setembro de 2009.
artigos 47 a 57
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
4
2.1. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 47. CEM. Usar de sua posição hierárquica para impedir, por motivo de crença
religiosa, convicção filosófica, política, interesse econômico ou qualquer outro, que não
técnico-científico ou ético, que as instalações e os demais recursos da instituição sob sua
direção, sejam utilizados por outros médicos no exercício da profissão , particularmente
se forem os únicos existentes no local.
•Tutela: direito do médico e do paciente.
•Delito ético próprio: Diretores (clínico e técnico).
•Impedimento que não tenha justo motivo.
•Com justo motivo independe da divergência de interesses.
•Independe de danos para configuração do ilícito ético.
•Não se admite mera tentativa.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
5
2.2. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 48. CEM. Assumir emprego, cargo ou função para suceder médico demitido ou
afastado em represália à atitude de defesa de movimentos legítimos da categoria ou da
aplicação deste Código.
•Princípios fundamentais CEM: médicos devem se respeitar (XVII)
•E solidários na defesa da profissão (XV e XVIII)
•Problemática da Prefeitura SP 1990. Hoje é diferente?
•Ilícito ético comum.
•Não basta afastamento. E o movimento não pode ser abusivo.
•Afastamento ou demissão em defesa de movimento legítimo, não há ilícito.
•Independe de dano. Não se admite tentativa.
•Maioria pena “C”, com penas “B” e “D”
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
6
2.3. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 49. CEM. Assumir condutas contrárias a movimentos legítimos da categoria médica
com a finalidade de obter vantagens.
•Conduta contra movimento legítimo com fim de vantagem.
•Ilícito ético comum.
•Conduta ativa ou omissiva.
•Movimento legítimo, ou seja, não abusivo.
•Fim principal: vantagem, de qualquer espécie, própria ou para terceiros.
•Não há necessidade de consumação da vantagem, apenas a finalidade.
•Não se admite tentativa.
•Maioria pena “C”, com penas “B” e “D”.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
7
2.4. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art.50. CEM. Acobertar erro ou conduta antiética de médico.
•Solidariedade é diferente de acobertar erros e condutas antiéticas.
•Ilícito ético comum.
•Conduta ativa, finalidade de acobertar.
•Art. 57, conduta passiva.
•Configuração necessário que o infrator tenha certeza de que a conduta
praticada foi errada ou antiética.
•Há necessidade da conduta ser provada.
•Não há necessidade de comprovação de danos. Não cabe tentativa.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
8
2.5. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 51. CEM. Praticar concorrência desleal com outro médico.
•É mais relacionada à atividade mercantil, comercial. Dissonante com o
espírito do CEM. É ilícito penal, nos termos do art. 196 da Lei 9.279/1996.
Detenção de 03 (três) meses a 01 (um) ano, ou multa.
•Busca evitar subterfúgios para obter maior clientela que o outro médico.
•Assuntos mais relacionados à publicidade imoderada, relação com óticas
e divulgação de especialidades não reconhecidas.
•Ilícito ético comum. Conduta ativa.
•Apenas cobrança mais barata não gera concorrência desleal.
•Não depende de dano comprovado nem se admite tentativa.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
9
2.6. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 52. CEM. Desrespeitar a prescrição ou o tratamento de paciente, determinados por
outro médico, mesmo quando em função de chefia ou de auditoria, salvo em situação de
indiscutível benefício para o paciente, devendo comunicar imediatamente o fato ao
médico responsável. (Retificação conforme DOU de 13.10.2009).
•Ilícito ético comum. Conduta ativa ou omissiva.
•Necessidade de comunicação entre os médicos.
•Independe de dano, caso haja dano, pena pode ser aumentada.
•Independe da condição de chefia ou de auditoria.
•Não pode trocar a conduta sem indiscutível benefício.
•Médico não está obrigado a homologar atestados médicos.
•Não se admite tentativa.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
10
2.7. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 53. CEM. Deixar de encaminhar o paciente que lhe foi enviado para procedimento
especializado de volta ao médico assistente e, na ocasião, fornecer-lhe as devidas
informações sobre o ocorrido no período em que por ele se responsabilizou.
•Médico especializado tem que encaminhar de volta o paciente com
informações, se necessário, caso em que o especialista é um fim em si,
sem razão técnica para o retorno.
•Delito ético comum. Não há especialidade destacada, mas procedimento
especializado. Prova do desvio de paciente.
•Consumação manter para si ou para outro médico o paciente.
•Informação dos procedimentos adotados e condutas realizadas.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
11
2.8. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 54. CEM. Deixar de fornecer a outro médico informações sobre o quadro clínico de
paciente, desde que autorizado por este ou por seu representante legal.
•Informações solicitadas por médico. Quando pelo paciente, art. 88 CEM.
•Informações mesmo quando solicitados por médico não assistente, como
no caso de médico da família. Dever de manter sigilo.
•Necessidade de autorização.
•Ilícito ético comum. Conduta passiva.
•Independe de dano. Não cabe imputação por tentativa.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
12
2.9. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 55. CEM. Deixar de informar ao substituto o quadro clínico dos pacientes sob sua
responsabilidade ao ser substituído ao fim do seu turno de trabalho.
•Troca de plantão.
•Informações contidas no prontuário com riqueza da descrição verbal.
•Ilícito ético comum. Conduta passiva.
•A anotação no prontuário bastará para afastar a incidência, por motivos
alheios à vontade do médico que encerra o turno. (Rec. CFM 4345-
058/2000).
•Prontuário legível (art. 87 CEM)
•Independe de danos e não cabe imputação por tentativa.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
13
2.10. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 56. CEM. Utilizar-se de sua posição hierárquica para impedir que seus subordinados
atuem dentro dos princípios éticos.
•Objetivo da Medicina não é o médico, mas sim a saúde do ser humano.
•Ilícito ético próprio, depende da caracterização da posição hierárquica
superior. Não só Diretor Técnico e Clínico mas qualquer médico na posição
de chefia.
•Eticamente o médico não está obrigado a acatar ordens ilegais ou
antiéticas (Princípios fundamentais, item VIII do CEM).
•Independe de dano e não comporta tentativa.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
14
2.11. Relação entre médicos: considerações éticas
É vedado ao médico:
Art. 57. CEM. Deixar de denunciar atos que contrariem os postulados éticos à comissão
de ética da instituição em que exerce seu trabalho profissional e, se necessário, ao
Conselho Regional de Medicina.
•Solidariedade é diferente de acobertar erros e condutas antiéticas,
mesmo que de não médicos.
•Ilícito ético comum. Conduta passiva, finalidade de deixar de denunciar.
•Conduta típica mais ampla que a do Art. 50 (conduta ativa).
•Em geral resultante da não comunicação à Comissão de Ética da
instituição. (Res. CFM nº 1.812/2007).
•Configuração necessário que o infrator tenha certeza de que a conduta
praticada foi errada ou antiética.
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
15
3. Relação entre médicos: considerações legais
3.1. Relações civis
3.2. Relações cooperativas
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
16
3. Relação entre médicos: considerações legais
3.1. Relações civis
a) Relação entre o cirurgião e a equipe.
b) Anestesiologista.
c) Médico auxiliar. Neurocirurgia.
d) Plantonista. Médico assistente. Especialista.
e) Auditores.
f) Perito judicial. Assistente técnico.
g) Incapacidade. Psiquiatria.
h) Diretor médico medicina de grupo, filantropia, autogestões e médico
credenciado
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
17
3. Relação entre médicos: considerações legais
3.2. Relações cooperativistas
3.2.1. Especificidades Cooperativa:
a) Livre acesso.
b) Autonomia.
c) Singularidade de voto.
d) Proporcionalidade da utilização – sobras e despesas.
3.2.2. Cooperativas médicas:
a) Relação entre médicos cooperados.
b) Auditor médico cooperado.
c) Diretor médico de cooperativa médica e médico cooperado
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
18
4. Conclusões
4.1. Critérios científicos.
4.2. Autonomia e responsabilidade.
•Sites:
•CREMESP
http://www.cremesp.org.br/
• Conselho Federal de Medicina
http://portal.cfm.org.br/
•Portal Nacional da Saúde - Unimed do Brasil
http://www.unimed.com.br/pct/index.jsp?cd_canal=49146
Relação entre médicos: considerações éticas e legais
EPD – Escola Paulista de Direito
Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar
19
Obrigado.
Rosália Toledo Veiga Ometto
rosalia@omettoadvogados.adv.br
Sócia fundadora e administradora da Ometto Advogados Associados.
Advogada atuante em Direito Médico e Responsabilidade Civil há vinte anos.
Bacharel (1992) e Mestre em Direito Civil pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco – USP (2004).
Especialista em Direito Empresarial pela PUC – SP (2010).
Autora da obra “Responsabilidade Civil do Médico Cirurgião” (Ed. Unimed, 2ª ed., 2007)
e coautora do “Código Civil Interpretado Artigo por Artigo” (Ed. Manole, 6ª ed., 2013)
Membro titular da Comissão de Estudos sobre Planos de Saúde e Assistência Médica da OAB-SP.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Relação entre médicos EPD 280913

Código deontológico dos Médico
Código deontológico dos MédicoCódigo deontológico dos Médico
Código deontológico dos Médicoceliamagalhaes
 
Pela criação de direitos humanos para os pacientes
Pela criação de direitos humanos para os pacientesPela criação de direitos humanos para os pacientes
Pela criação de direitos humanos para os pacientesOncoguia
 
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M GRicardo Nascimento
 
AULA 02 PSICO.pdf
AULA 02 PSICO.pdfAULA 02 PSICO.pdf
AULA 02 PSICO.pdfNAILANENAI
 
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmgRicardo Nascimento
 
Codigo de Etica Medicos.pdf
Codigo de Etica Medicos.pdfCodigo de Etica Medicos.pdf
Codigo de Etica Medicos.pdfArmandoJUtui
 
Estratégias para manter seu consultório sem ops descredenciamento2
Estratégias para manter seu consultório sem ops   descredenciamento2Estratégias para manter seu consultório sem ops   descredenciamento2
Estratégias para manter seu consultório sem ops descredenciamento2Vicente Andrade
 
Principais pontos do codigo de etica medica do estudante
Principais pontos do codigo de etica medica do estudantePrincipais pontos do codigo de etica medica do estudante
Principais pontos do codigo de etica medica do estudantegisa_legal
 
Código de ética
Código de ética Código de ética
Código de ética JaqueRamos3
 
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptxUFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptxNome Sobrenome
 
Relação com pacientes e familiares e ouvidoria palestra curso de ética médi...
Relação com pacientes e familiares e ouvidoria   palestra curso de ética médi...Relação com pacientes e familiares e ouvidoria   palestra curso de ética médi...
Relação com pacientes e familiares e ouvidoria palestra curso de ética médi...Dr. Icaro Alves Alcântara
 
PUCPR Aspectos Legais - Aula 6 exercicio legal e ilegal da medicina
PUCPR Aspectos Legais - Aula 6   exercicio legal e ilegal da medicinaPUCPR Aspectos Legais - Aula 6   exercicio legal e ilegal da medicina
PUCPR Aspectos Legais - Aula 6 exercicio legal e ilegal da medicinaalcindoneto
 
A perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relaçãoA perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relaçãoJ. C.
 

Semelhante a Relação entre médicos EPD 280913 (20)

Código deontológico dos Médico
Código deontológico dos MédicoCódigo deontológico dos Médico
Código deontológico dos Médico
 
éTica na saúde
éTica na saúdeéTica na saúde
éTica na saúde
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Pela criação de direitos humanos para os pacientes
Pela criação de direitos humanos para os pacientesPela criação de direitos humanos para os pacientes
Pela criação de direitos humanos para os pacientes
 
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
 
AULA 02 PSICO.pdf
AULA 02 PSICO.pdfAULA 02 PSICO.pdf
AULA 02 PSICO.pdf
 
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
 
Codigo de Etica Medicos.pdf
Codigo de Etica Medicos.pdfCodigo de Etica Medicos.pdf
Codigo de Etica Medicos.pdf
 
Estratégias para manter seu consultório sem ops descredenciamento2
Estratégias para manter seu consultório sem ops   descredenciamento2Estratégias para manter seu consultório sem ops   descredenciamento2
Estratégias para manter seu consultório sem ops descredenciamento2
 
Principais pontos do codigo de etica medica do estudante
Principais pontos do codigo de etica medica do estudantePrincipais pontos do codigo de etica medica do estudante
Principais pontos do codigo de etica medica do estudante
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Código de ética
Código de ética Código de ética
Código de ética
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Fisioterapeuta
FisioterapeutaFisioterapeuta
Fisioterapeuta
 
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptxUFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
UFCD - 6558 -Act. Técnico Auxiliar de Saude.pptx
 
Privacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidadePrivacidade e confidencialidade
Privacidade e confidencialidade
 
Relação com pacientes e familiares e ouvidoria palestra curso de ética médi...
Relação com pacientes e familiares e ouvidoria   palestra curso de ética médi...Relação com pacientes e familiares e ouvidoria   palestra curso de ética médi...
Relação com pacientes e familiares e ouvidoria palestra curso de ética médi...
 
Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido
 
PUCPR Aspectos Legais - Aula 6 exercicio legal e ilegal da medicina
PUCPR Aspectos Legais - Aula 6   exercicio legal e ilegal da medicinaPUCPR Aspectos Legais - Aula 6   exercicio legal e ilegal da medicina
PUCPR Aspectos Legais - Aula 6 exercicio legal e ilegal da medicina
 
A perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relaçãoA perícia médica a ética e a relação
A perícia médica a ética e a relação
 

Mais de Rosalia Ometto

Desafios e Oportunidades LGPD | OAB Cantanduva
Desafios e Oportunidades LGPD | OAB CantanduvaDesafios e Oportunidades LGPD | OAB Cantanduva
Desafios e Oportunidades LGPD | OAB CantanduvaRosalia Ometto
 
Dicas básicas LGPD sem juridiquês
Dicas básicas LGPD sem juridiquês Dicas básicas LGPD sem juridiquês
Dicas básicas LGPD sem juridiquês Rosalia Ometto
 
LGPD Implementando no seu Escritorio
LGPD Implementando no seu EscritorioLGPD Implementando no seu Escritorio
LGPD Implementando no seu EscritorioRosalia Ometto
 
Documentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB Guarulhos
Documentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB GuarulhosDocumentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB Guarulhos
Documentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB GuarulhosRosalia Ometto
 
Dicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais
Dicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados PessoaisDicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais
Dicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados PessoaisRosalia Ometto
 
LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521
LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521
LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521Rosalia Ometto
 
LGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/Paraíba
LGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/ParaíbaLGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/Paraíba
LGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/ParaíbaRosalia Ometto
 
Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020
Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020
Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020Rosalia Ometto
 
Lei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPD
Lei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPDLei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPD
Lei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPDRosalia Ometto
 
Adolescente: Direito de Escolha
Adolescente: Direito de EscolhaAdolescente: Direito de Escolha
Adolescente: Direito de EscolhaRosalia Ometto
 
Assédio no ambiente de trabalho
Assédio no ambiente de trabalhoAssédio no ambiente de trabalho
Assédio no ambiente de trabalhoRosalia Ometto
 
Ser Mulher: direitos e escolhas
Ser Mulher: direitos e escolhasSer Mulher: direitos e escolhas
Ser Mulher: direitos e escolhasRosalia Ometto
 
Paciênte com câncer: direitos e escolhas.
Paciênte com câncer: direitos e escolhas. Paciênte com câncer: direitos e escolhas.
Paciênte com câncer: direitos e escolhas. Rosalia Ometto
 
Palestra Ser Mulher: Direitos e Escolhas
Palestra Ser Mulher: Direitos e EscolhasPalestra Ser Mulher: Direitos e Escolhas
Palestra Ser Mulher: Direitos e EscolhasRosalia Ometto
 
Paciênte com câncer: direitos e escolhas
Paciênte com câncer: direitos e escolhasPaciênte com câncer: direitos e escolhas
Paciênte com câncer: direitos e escolhasRosalia Ometto
 
Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha
Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha
Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha Rosalia Ometto
 
Assédio Moral e Direito de Escolha
Assédio Moral e Direito de EscolhaAssédio Moral e Direito de Escolha
Assédio Moral e Direito de EscolhaRosalia Ometto
 
Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...
Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...
Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...Rosalia Ometto
 
Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07
Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07
Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07Rosalia Ometto
 
Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513
Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513
Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513Rosalia Ometto
 

Mais de Rosalia Ometto (20)

Desafios e Oportunidades LGPD | OAB Cantanduva
Desafios e Oportunidades LGPD | OAB CantanduvaDesafios e Oportunidades LGPD | OAB Cantanduva
Desafios e Oportunidades LGPD | OAB Cantanduva
 
Dicas básicas LGPD sem juridiquês
Dicas básicas LGPD sem juridiquês Dicas básicas LGPD sem juridiquês
Dicas básicas LGPD sem juridiquês
 
LGPD Implementando no seu Escritorio
LGPD Implementando no seu EscritorioLGPD Implementando no seu Escritorio
LGPD Implementando no seu Escritorio
 
Documentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB Guarulhos
Documentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB GuarulhosDocumentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB Guarulhos
Documentos Essenciais para Profissionais da Saúde OAB Guarulhos
 
Dicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais
Dicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados PessoaisDicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais
Dicas básicas sobre LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais
 
LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521
LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521
LGPD na área de Saúde | Unama Belém PA | 260521
 
LGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/Paraíba
LGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/ParaíbaLGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/Paraíba
LGPD na Saúde | Comissão de Direito Médico e da Saúde OAB/Paraíba
 
Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020
Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020
Dicas LGPD Ometto Advocacia Setembro 2020
 
Lei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPD
Lei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPDLei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPD
Lei Geral de Proteção de Dados - Dicas básicas para compreender a LGPD
 
Adolescente: Direito de Escolha
Adolescente: Direito de EscolhaAdolescente: Direito de Escolha
Adolescente: Direito de Escolha
 
Assédio no ambiente de trabalho
Assédio no ambiente de trabalhoAssédio no ambiente de trabalho
Assédio no ambiente de trabalho
 
Ser Mulher: direitos e escolhas
Ser Mulher: direitos e escolhasSer Mulher: direitos e escolhas
Ser Mulher: direitos e escolhas
 
Paciênte com câncer: direitos e escolhas.
Paciênte com câncer: direitos e escolhas. Paciênte com câncer: direitos e escolhas.
Paciênte com câncer: direitos e escolhas.
 
Palestra Ser Mulher: Direitos e Escolhas
Palestra Ser Mulher: Direitos e EscolhasPalestra Ser Mulher: Direitos e Escolhas
Palestra Ser Mulher: Direitos e Escolhas
 
Paciênte com câncer: direitos e escolhas
Paciênte com câncer: direitos e escolhasPaciênte com câncer: direitos e escolhas
Paciênte com câncer: direitos e escolhas
 
Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha
Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha
Palestra CLQ Adolescente: direito de escolha
 
Assédio Moral e Direito de Escolha
Assédio Moral e Direito de EscolhaAssédio Moral e Direito de Escolha
Assédio Moral e Direito de Escolha
 
Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...
Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...
Responsabilidade civil do médico: aspectos jurídicos e práticos. OAB Salto 02...
 
Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07
Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07
Palestra Responsabilidade civil do cardiologista intervencionista 20.06.07
 
Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513
Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513
Aula Estrutura da Saúde no Brasil EPD 250513
 

Relação entre médicos EPD 280913

  • 1. Relação entre médicos: Considerações éticas e legais Rosália Toledo Veiga Ometto EPD – Escola Paulista de Direito Pós-Graduação em Direito Médico e Hospitalar Sócia fundadora e administradora da Ometto Advogados Associados. Advogada atuante em Direito Médico e Responsabilidade Civil há vinte anos. Bacharel (1992) e Mestre em Direito Civil pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco – USP (2004). Especialista em Direito Empresarial pela PUC – SP (2010). Autora da obra “Responsabilidade Civil do Médico Cirurgião” (Ed. Unimed, 2ª ed., 2007) e coautora do “Código Civil Interpretado Artigo por Artigo” (Ed. Manole, 6ª ed., 2013) Membro titular da Comissão de Estudos sobre Planos de Saúde e Assistência Médica da OAB-SP.
  • 2. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 2 • 1. Apresentação do tema: relação entre médicos 1.1. Educação. 1.2. Respeito. 1.3. Limites.
  • 3. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 3 • 2. Relação entre médicos: considerações éticas Código de Ética Médica Resolução CFM nº 1.931, de 17 de setembro de 2009. artigos 47 a 57
  • 4. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 4 2.1. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 47. CEM. Usar de sua posição hierárquica para impedir, por motivo de crença religiosa, convicção filosófica, política, interesse econômico ou qualquer outro, que não técnico-científico ou ético, que as instalações e os demais recursos da instituição sob sua direção, sejam utilizados por outros médicos no exercício da profissão , particularmente se forem os únicos existentes no local. •Tutela: direito do médico e do paciente. •Delito ético próprio: Diretores (clínico e técnico). •Impedimento que não tenha justo motivo. •Com justo motivo independe da divergência de interesses. •Independe de danos para configuração do ilícito ético. •Não se admite mera tentativa.
  • 5. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 5 2.2. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 48. CEM. Assumir emprego, cargo ou função para suceder médico demitido ou afastado em represália à atitude de defesa de movimentos legítimos da categoria ou da aplicação deste Código. •Princípios fundamentais CEM: médicos devem se respeitar (XVII) •E solidários na defesa da profissão (XV e XVIII) •Problemática da Prefeitura SP 1990. Hoje é diferente? •Ilícito ético comum. •Não basta afastamento. E o movimento não pode ser abusivo. •Afastamento ou demissão em defesa de movimento legítimo, não há ilícito. •Independe de dano. Não se admite tentativa. •Maioria pena “C”, com penas “B” e “D”
  • 6. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 6 2.3. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 49. CEM. Assumir condutas contrárias a movimentos legítimos da categoria médica com a finalidade de obter vantagens. •Conduta contra movimento legítimo com fim de vantagem. •Ilícito ético comum. •Conduta ativa ou omissiva. •Movimento legítimo, ou seja, não abusivo. •Fim principal: vantagem, de qualquer espécie, própria ou para terceiros. •Não há necessidade de consumação da vantagem, apenas a finalidade. •Não se admite tentativa. •Maioria pena “C”, com penas “B” e “D”.
  • 7. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 7 2.4. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art.50. CEM. Acobertar erro ou conduta antiética de médico. •Solidariedade é diferente de acobertar erros e condutas antiéticas. •Ilícito ético comum. •Conduta ativa, finalidade de acobertar. •Art. 57, conduta passiva. •Configuração necessário que o infrator tenha certeza de que a conduta praticada foi errada ou antiética. •Há necessidade da conduta ser provada. •Não há necessidade de comprovação de danos. Não cabe tentativa.
  • 8. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 8 2.5. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 51. CEM. Praticar concorrência desleal com outro médico. •É mais relacionada à atividade mercantil, comercial. Dissonante com o espírito do CEM. É ilícito penal, nos termos do art. 196 da Lei 9.279/1996. Detenção de 03 (três) meses a 01 (um) ano, ou multa. •Busca evitar subterfúgios para obter maior clientela que o outro médico. •Assuntos mais relacionados à publicidade imoderada, relação com óticas e divulgação de especialidades não reconhecidas. •Ilícito ético comum. Conduta ativa. •Apenas cobrança mais barata não gera concorrência desleal. •Não depende de dano comprovado nem se admite tentativa.
  • 9. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 9 2.6. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 52. CEM. Desrespeitar a prescrição ou o tratamento de paciente, determinados por outro médico, mesmo quando em função de chefia ou de auditoria, salvo em situação de indiscutível benefício para o paciente, devendo comunicar imediatamente o fato ao médico responsável. (Retificação conforme DOU de 13.10.2009). •Ilícito ético comum. Conduta ativa ou omissiva. •Necessidade de comunicação entre os médicos. •Independe de dano, caso haja dano, pena pode ser aumentada. •Independe da condição de chefia ou de auditoria. •Não pode trocar a conduta sem indiscutível benefício. •Médico não está obrigado a homologar atestados médicos. •Não se admite tentativa.
  • 10. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 10 2.7. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 53. CEM. Deixar de encaminhar o paciente que lhe foi enviado para procedimento especializado de volta ao médico assistente e, na ocasião, fornecer-lhe as devidas informações sobre o ocorrido no período em que por ele se responsabilizou. •Médico especializado tem que encaminhar de volta o paciente com informações, se necessário, caso em que o especialista é um fim em si, sem razão técnica para o retorno. •Delito ético comum. Não há especialidade destacada, mas procedimento especializado. Prova do desvio de paciente. •Consumação manter para si ou para outro médico o paciente. •Informação dos procedimentos adotados e condutas realizadas.
  • 11. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 11 2.8. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 54. CEM. Deixar de fornecer a outro médico informações sobre o quadro clínico de paciente, desde que autorizado por este ou por seu representante legal. •Informações solicitadas por médico. Quando pelo paciente, art. 88 CEM. •Informações mesmo quando solicitados por médico não assistente, como no caso de médico da família. Dever de manter sigilo. •Necessidade de autorização. •Ilícito ético comum. Conduta passiva. •Independe de dano. Não cabe imputação por tentativa.
  • 12. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 12 2.9. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 55. CEM. Deixar de informar ao substituto o quadro clínico dos pacientes sob sua responsabilidade ao ser substituído ao fim do seu turno de trabalho. •Troca de plantão. •Informações contidas no prontuário com riqueza da descrição verbal. •Ilícito ético comum. Conduta passiva. •A anotação no prontuário bastará para afastar a incidência, por motivos alheios à vontade do médico que encerra o turno. (Rec. CFM 4345- 058/2000). •Prontuário legível (art. 87 CEM) •Independe de danos e não cabe imputação por tentativa.
  • 13. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 13 2.10. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 56. CEM. Utilizar-se de sua posição hierárquica para impedir que seus subordinados atuem dentro dos princípios éticos. •Objetivo da Medicina não é o médico, mas sim a saúde do ser humano. •Ilícito ético próprio, depende da caracterização da posição hierárquica superior. Não só Diretor Técnico e Clínico mas qualquer médico na posição de chefia. •Eticamente o médico não está obrigado a acatar ordens ilegais ou antiéticas (Princípios fundamentais, item VIII do CEM). •Independe de dano e não comporta tentativa.
  • 14. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 14 2.11. Relação entre médicos: considerações éticas É vedado ao médico: Art. 57. CEM. Deixar de denunciar atos que contrariem os postulados éticos à comissão de ética da instituição em que exerce seu trabalho profissional e, se necessário, ao Conselho Regional de Medicina. •Solidariedade é diferente de acobertar erros e condutas antiéticas, mesmo que de não médicos. •Ilícito ético comum. Conduta passiva, finalidade de deixar de denunciar. •Conduta típica mais ampla que a do Art. 50 (conduta ativa). •Em geral resultante da não comunicação à Comissão de Ética da instituição. (Res. CFM nº 1.812/2007). •Configuração necessário que o infrator tenha certeza de que a conduta praticada foi errada ou antiética.
  • 15. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 15 3. Relação entre médicos: considerações legais 3.1. Relações civis 3.2. Relações cooperativas
  • 16. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 16 3. Relação entre médicos: considerações legais 3.1. Relações civis a) Relação entre o cirurgião e a equipe. b) Anestesiologista. c) Médico auxiliar. Neurocirurgia. d) Plantonista. Médico assistente. Especialista. e) Auditores. f) Perito judicial. Assistente técnico. g) Incapacidade. Psiquiatria. h) Diretor médico medicina de grupo, filantropia, autogestões e médico credenciado
  • 17. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 17 3. Relação entre médicos: considerações legais 3.2. Relações cooperativistas 3.2.1. Especificidades Cooperativa: a) Livre acesso. b) Autonomia. c) Singularidade de voto. d) Proporcionalidade da utilização – sobras e despesas. 3.2.2. Cooperativas médicas: a) Relação entre médicos cooperados. b) Auditor médico cooperado. c) Diretor médico de cooperativa médica e médico cooperado
  • 18. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 18 4. Conclusões 4.1. Critérios científicos. 4.2. Autonomia e responsabilidade. •Sites: •CREMESP http://www.cremesp.org.br/ • Conselho Federal de Medicina http://portal.cfm.org.br/ •Portal Nacional da Saúde - Unimed do Brasil http://www.unimed.com.br/pct/index.jsp?cd_canal=49146
  • 19. Relação entre médicos: considerações éticas e legais EPD – Escola Paulista de Direito Pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar 19 Obrigado. Rosália Toledo Veiga Ometto rosalia@omettoadvogados.adv.br Sócia fundadora e administradora da Ometto Advogados Associados. Advogada atuante em Direito Médico e Responsabilidade Civil há vinte anos. Bacharel (1992) e Mestre em Direito Civil pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco – USP (2004). Especialista em Direito Empresarial pela PUC – SP (2010). Autora da obra “Responsabilidade Civil do Médico Cirurgião” (Ed. Unimed, 2ª ed., 2007) e coautora do “Código Civil Interpretado Artigo por Artigo” (Ed. Manole, 6ª ed., 2013) Membro titular da Comissão de Estudos sobre Planos de Saúde e Assistência Médica da OAB-SP.