Successfully reported this slideshow.

Aula 7 THAU 1 Unip Introdução ao François Ascher

4.329 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Aula 7 THAU 1 Unip Introdução ao François Ascher

  1. 1. Aula 6IntroduçãoFrançois Ascher
  2. 2. François Ascher.Os novos princípios do urbanismo.São Paulo: Romano Guerra, 2010.Paradigmas do Urbanismo: A Contribuiçãode François Ascher.Autor: Naspolini, Vicente.Disponível em:http://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/92292/269341.pdf?sequence=1
  3. 3. O Urbanismo é uma ciência?
  4. 4. UrbanismoProblema entre discurso e práticaCarga ideológica nos debatesDisputas entre paradigmas
  5. 5. Século XIX - XXTransformação de valores“ o preconceito contra os processos mecânicos ésubstituído por uma apreciação mítica dos valoresindustriais”*Carta de Atenas 1933Urbanismo ModernoBrasíliaChandigarh* Benevolo, L. 1998. p374
  6. 6. Segunda metade do século XX1945-1999A partir da década de 50 os valores racionais, funcionalistas ecientificistas sintetizados no urbanismo moderno passam a serquestionadosTransformação de valores10 º CIAM 1959 (último)Team XJaap Bakema, Georges Candilis, Aldo van Eyck, Giancarlo De Carlo, Alison e Peter Smithson eShadrach Woods.Cidades como estruturas complexasVelocidade das transformaçõesPropostas e estruturas mais flexíveisQuestionamento dos paradigmas do urbanismo moderno
  7. 7. Team X
  8. 8. Peter e Alison Smithson 1958 Concurso para Berlim Oriental. representa uma matriz de ruas elevadas etorres modernas sobrepostas ao centro histórico daquela cidade. “É uma crítica óbvia do planejamentotabula rasa de arquitetos como Le Corbusier, que sonhava em arrasarvastas áreas da paisagem urbanapara impor sua visão de uma cidade motorizada. No entanto, o modelo Smithson também ressalta aobsolescência da cidade velha, deixando claro que suas cúpulas românticos, cutucando-se através da redede auto-estradas, passarelas e escadas rolantes, foram substituídos por uma cidade do futuro.”Disponível em:http://www.nytimes.com/2006/09/27/arts/design/27ten.html
  9. 9. Peter e Alison Smithson 1958 Concurso para Berlim Oriental. representa uma matriz de ruas elevadas etorres modernas sobrepostas ao centro histórico daquela cidade. “É uma crítica óbvia do planejamentotabula rasa de arquitetos como Le Corbusier, que sonhava em arrasarvastas áreas da paisagem urbanapara impor sua visão de uma cidade motorizada. No entanto, o modelo Smithson também ressalta aobsolescência da cidade velha, deixando claro que suas cúpulas românticos, cutucando-se através da redede auto-estradas, passarelas e escadas rolantes, foram substituídos por uma cidade do futuro.”Disponível em:http://www.nytimes.com/2006/09/27/arts/design/27ten.html
  10. 10. ARCHIGRAMDisponível em:http://www.archigram.net/about.htmlMaishttp://openbuildings.com/buildings/walking-city-profile-39003
  11. 11. Arata Isozaki. City in theAir, 1960. Silkscreen de1990."Outra imagem famosa,quase um totem dometabolimo, com aspontes habitáveis danova cidade passandodesdenhosamente porcima das ruínas deculturas urbanasanteriores e docontaminado presente,procedimento tambémproposto por outrosautores não-japoneses,especialmente YonaFriedman"(BANHAM, 1976:56)
  12. 12. Kisho Kurokawa.Projeto de Cidade emHélice para Tóquio, 1961."Este projeto, talvez omais reconhecível dosmetabolistas japoneses,foi pensado inicialmentecomo proposta parareconstrução do bairrode Ginza, em Tóquio,mas posteriormenteassumiu uma vidaindependente naspáginas das revistas,como símbolo definitivodo metabolismo.(BANHAM,1976:56)
  13. 13. Arata Isozaki. City in theSky, 1962
  14. 14. Arata Isozaki. City in theSky, 1962
  15. 15. Kisho Kurokawa. Nagakin CapsuleTower, Tóquio, 19701960, Japão - Publicado o manifesto“Metabolism: A Proposal for a NewUrbanism”. Autores: Kisho Kurokawa eoutros1960, Inauguração de Brasília
  16. 16.  Superstudio“Monumento Continuo”1969
  17. 17.  Superstudio“Monumento Continuo”1969Marie Theres Stauffer, 2008:"[...] O Monumento Continuo do grupo Superstudio e a No-Stop¬ City do grupo Archizoomforam desenvolvidos em diversas versões entre 1969 e 1972, sendo ambos publicados emrevistas de arquitetura italianas e internacionais. [...] Na primeira publicação de cadaprojeto, em 1969, ambos foram intitulados ‘Discorsi per immagini, o que pode sertraduzido literalmente como ‘discurso através das imagens. Este conceito designa um tipoespecífico de projeto concebido não como aquele que será de fato construído, mas simque foi pensado como uma declaração teórica. [...] As duas utopias não devem, dessamaneira, ser entendidas como visões de antecipação do futuro, mas como crítica radical àarquitetura construída e imaginária da sociedade moderna. [...]
  18. 18. Século XXVelocidade das transformações nas cidades e nos espaços e cidades é maior que a elaboração de novos fundamentos ou paradigmas no urbanismo.Defasagem entre propostas urbanísticas e meios de produção e modos de vida
  19. 19. ModernidadeX Pos modernidade
  20. 20. François AscherTerceira Revolução Urbana ModernaTerceira fase da modernização da sociedade.Novos paradigmas econômicos e sociais+Tecnologias da informação e comunicação+Nova organização econômicaImpactos sobre o territórioImpactos sobre a cidade, nova organização da cidade

×