SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
ARQUITETURA MODERNA E PÓS-MODERNA:
                        MUDANÇA DE PARADIGMA




Gabriel Franco
Renata Fraga
Ana Maria de Souza Martins Farias



RESUMO

         Este artigo pretende introduzir uma análise, ainda que breve, das tendências
arquitetônicas do século XX reconhecidas como movimento moderno e pós-moderno. São
apresentadas as características desses movimentos, considerando um recorte histórico de
seu processo, seus expoentes e obras produzidas a partir das concepções que se inserem
no contexto artístico e cultural do movimento moderno e do pós-moderno. É importante
também destacar que a pluralidade e a diversidade são características fundamentais da
pós-modernidade. Para tanto, evolução, construção e realidade técnica das referidas
tendências, objetos da pesquisa e fundamentação teórica da análise e estudos foram
aliados à apresentação de imagens representativas dos dados colhidos a partir da pesquisa
e da análise de informações imprescindíveis ao trabalho. Assim foi possível discutir as
diversas tendências da arquitetura no final do século XX e início do século XXI.

PALAVRAS-CHAVE

        Arquitetura moderna, arquitetura pós-moderna, diversidade.

ABSTRACT

          This article aims to introduce an analysis, however briefly, of the architectural
trends of the twentieth century recognized as the modern and post-modern movements.
The characteristics of these movements are presented, including a historical overview of
their process, and their exponents and works produced from the conceptions that are in the
artistic and cultural context of the modern and post-modern movements. It is important
to note that plurality and diversity are fundamental characteristics of post-modernity.
Therefore, the development, construction, and technical reality of these trends, the object
of research and theoretical grounding and studies, was coupled with the presentation of
representative images of the data collected from the research and analysis of indispensable
information for the work. Thus, it is possible to discuss the various aspects of architecture
in the late twentieth and early twenty-first centuries.

         Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais (ISSN 1980-1784) - v. 11 - n.11 - 2010
KEYWORDS

             Modern architecture, post-modern architecture, diversity.

     1. INTRODUÇÃO

              A produção arquitetônica internacional do movimento moderno foi desenvolvida
     a partir do final do século XIX até a primeira metade do século XX.

              Uma das principais características dos modernos era a rejeição dos estilos
     históricos do passado, representada pela repulsa ao ornamento e exemplificada pela
     obra de Adolf Loos, Ornamento é Crime (1908), um ensaio que critica a preocupação
     dos profissionais da arquitetura com o supérfluo e o superficial (SÁ, 2005, p.83). Loos
     foi um dos pioneiros da arquitetura moderna. Precursor da nova objetividade, procurou
     sempre a solução mais simples para seus projetos e métodos de construção, empregando
     apenas ocasionalmente motivos ornamentais como elementos articuladores. Apresentou
     uma concepção arquitetônica baseada na funcionalidade. Suas obras mais célebres e
     importantes são a moradia Steiner (1910) e a moradia de Michaelplatz (1910-1911), em
     Viena, e a residência Tzara, em Paris.

               Os modernos viam o ornamento como um elemento típico dos estilos históricos,
     incompatível com os seus conceitos. Eles estavam atrelados às ideias das vanguardas
34   artísticas das décadas de 1910 e 1920, destacando-se aquelas que objetivavam a criação
     de peças e espaços abstratos e geométricos.

              Dois outros aspectos do movimento moderno merecem menção: o primeiro definido
     pelo conceito de que “menos é mais” – “less is more”, frase cunhada pelo arquiteto Mies
     van der Rohe; e o segundo norteado pela ideia de que “a forma segue a função“ – “form
     follows function”, do arquiteto proto-moderno Louis Sullivan, também traduzida como
     forma é função. Segundo Sá (2005, p. 86), a funcionalidade, outro conceito bastante
     significativo, é utilizada por Loos para justificar a ausência de ornamentos.

             Igualmente merecem destaque as ideias da época, a industrialização, economia
     e a recém-descoberta noção do “design” que conferem ao arquiteto a responsabilidade
     pela correta e socialmente justa construção do ambiente a ser habitado. As edificações
     devem trazer consigo elementos de economicidade, limpeza visual e utilidade, necessários
     ao pragmatismo característico do movimento arquitetônico em questão.

             No tocante ao pós-moderno na arquitetura, identificado cronologicamente na
     segunda metade do século XX, quando é possível observar uma série de novas propostas
     arquitetônicas, fica evidenciado o objetivo de estabelecer uma crítica à arquitetura
     moderna.

             Para SANTOS (1987) o pós-moderno é o nome aplicado às mudanças ocorridas
     nas ciências e nas artes, em sociedades avançadas, como Estados Unidos, Inglaterra e

                     Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Itália. Esse movimento surge no final dos anos cinquenta nas artes e na computação com
o início da criação da cultura virtual, expandindo-se na década de 1960 com o movimento
“Pop-art”. Na década de 1970, cresce através da filosofia, como crítica à cultura ocidental
e alastra-se discutindo o modo de vida da sociedade moderna industrial dos anos que se
sucederam ao segundo pós-guerra.

        Deste modo, o movimento pós-moderno caracteriza-se como uma crítica ao
movimento moderno na arquitetura e no urbanismo que, principalmente após a segunda
guerra mundial, ficou centrado em soluções racionalistas e na busca da funcionalidade
na cidade, como foi previsto na Carta de Atenas: é o lugar para morar, trabalhar, circular
e que proporciona o lazer. Cidade setorizada. Cidade que passou a ser criticada como a
cidade do anonimato, fato que gerou também a segregação socioespacial nas cidades.

        A casa era a “máquina de morar” para atender os imperativos da vida moderna.
Assim, são geradas habitações sem identidade, segundo os críticos do movimento
moderno. Philippe Bourdon, ao escrever seu livro Le Corbusier em Pessac (1967),
afirma que eram muito positivas e vitais as transformações realizadas pelos usuários dos
complexos habitacionais projetados por Le Corbusier em Pessac, pois Bourdon considerava
que os moradores queriam em suas casas não o aspecto de “máquina de morar” e sim a
expressão da idéia arquetípica de lar (MONTANER, 2001).

         Dessas críticas, a partir dos anos 60 até o início dos anos 90, do século XX,
figuras como Robert Venturi, Philip Johnson e Michael Graves nos Estados Unidos,                       35
Aldo Rossi na Itália, além de James Stirling e Michael Wilford na Inglaterra, entre
outros, tornam realidade um novo pensamento sobre a produção arquitetônica. Segundo
(MONTANER, 2001, p.152):

                                     Venturi defende que os espaços devem ser existenciais e propõe
                                     uma interpretação de toda a história da arquitetura desde sua
                                     capacidade para criar significados; os símbolos constituem a
                                     primeira necessidade do homem.


         Muitos arquitetos adotaram padrões de ornamento e formas de composição
antigas. A cidade histórica foi reestudada em busca da reabilitação da escala humana
no urbanismo. A cultura popular tornou-se inspiração para profissionais de arquitetura,
houve também a congregação entre o novo e o antigo, fusão convencionada como
contextualismo histórico.

         É sobre a mudança de postura arquitetônica que este artigo pretende discutir,
ou seja, o objetivo central é tratar da passagem do movimento moderno para a chamada
pós-modernidade na arquitetura.

        A metodologia adotada neste artigo foi o estudo de alguns clássicos que discutem
a mudança de paradigma referida, como Josef Maria Montaner, Paolo Portuguesi, David
Harvey, Leonardo Benevollo, entre outros que abordam o tema.


                Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Para a discussão, o artigo está estruturado da seguinte forma: o movimento
     moderno, a passagem para a pós-modernidade, as diversas tendências pós-modernas
     entre as décadas de 1960 e 1970 e conclusões.

     2. OS CAMINHOS DO MOVIMENTO MODERNO

     2.1. MOVIMENTO MODERNO

             A arquitetura moderna é o termo usado para caracterizar a arquitetura produzida
     durante grande parte do século XX.

             É possível traçar três motivações que justificam a origem da arquitetura moderna.
     Na primeira, vale considerar que o ideário arquitetônico moderno está ligado ao projeto
     de modernidade, há uma visão de mundo iluminista. A arquitetura realiza inovações
     tecnológicas que emergiram com a Revolução Industrial e com as diversas propostas
     urbanísticas e sociais realizadas por teóricos da época.

             A segunda motivação evidencia as grandes alterações que ocorreram no século
     XIX no mundo, quando as artes redefiniam o seu papel na sociedade. Destacam-se nessa
     época os movimentos “Arts & Crafts”, “Art Nouvau” e “Art Decó”.

              A partir de 1890 destaca-se, sob a liderança de William Morris, o movimento de
36   Arts & Crafts, que valorizava a produção artesanal, recusando os princípios da produção
     industrial, projeta-se na defesa do artesanato criativo como alternativa à mecanização e
     à produção em massa. Buscava revalorizar o trabalho manual e recuperava a dimensão
     estética dos objetos produzidos industrialmente para o uso cotidiano.

            Menos radical que o movimento “Arts & Crafts”, o “Art Nouveau” possuía
     uma atitude menos resistente à indústria, privilegiava os novos materiais do mundo
     moderno como o ferro, o vidro e o cimento, assim como a racionalidade das ciências e da
     engenharia.

              No entanto, o estilo que veio com a intenção de integrar a arte, a lógica industrial
     e a sociedade de massa, reunindo os princípios básicos da produção em série foi o “Art
     Decó”, transformando-se em um estilo de massa.

             A arquitetura, o mobiliário, os objetos e ilustrações realizados sob o movimento
     “Art Decó” se caracterizavam pelo uso das formas geométricas, diferente do “Art
     Noveau”, que utilizava as formas assimétricas dificultando a produção em série como
     pretendia a indústria.

               A terceira motivação surge justamente na origem do movimento moderno,
     quando ocorrem profundas transformações sociais e estéticas propostas pelas vanguardas
     artísticas das décadas de 10 e 20 de século XX, pois o movimento moderno não foi só um
     estilo, foi também uma causa (KOPP, 1990).

                      Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
2.1.1. Os novos materiais

         O século XIX foi o momento de grandes avanços da engenharia e das invenções
técnicas, por conta do uso de novos materiais como o ferro, vidro, cimento, alumínio e
materiais plásticos. O início da arquitetura moderna na segunda metade do século XIX,
ou seja, quando do surgimento dos primeiros grandes edifícios de estrutura metálica e
com origem na engenharia constituíam uma forma de expressão completamente nova,
colocando de lado as formas do passado.

        Os primeiros exemplos de transformação estilística, no século XIX, se encontram
em grandes construções técnicas como o “Crystal Palace” de Joseph Paxton, a “Galérie
des Machines” de Charles Dutert (arquiteto) e Victor Contamin (engenheiro) e a
famosíssima Torre Eiffel de Gustave Eiffel. Esses exemplos ainda hoje são significativos,
pois conseguiram transformar a paisagem urbana mais rapidamente do que dezenas de
monumentos, palácios e igrejas (GYMPEL, 2001).

         A utilização dos novos materiais e as novas técnicas resultou em uma gama
de experiências construtivas na arquitetura moderna como: traves muito longas que
deixavam livres grandes paredes e até toda a fachada, mediante o recuo dos pilares de
apoio; a eliminação das paredes de sustentação, a possibilidade de construir edifícios
destacados do solo, apoiando-se em pilotis, janelas de canto, placas projetadas para
o exterior, escadas suspensas; completa liberdade na concepção da planta, graças
ao desaparecimento das paredes divisórias e à sua desvinculação da estrutura de             37
sustentação vertical e, finalmente, a possibilidade de edificar a construção sem estar
sujeito à existência prévia das paredes.

2.1.2. Os grandes nomes da nova escola

        Dos diversos arquitetos do movimento moderno, Le Corbusier, juntamente com
Frank Lloyd Wright, Walter Groupius e Mies van der Rohe representam o quadro dos
grandes artífices de uma definitiva renovação da arquitetura. Eles souberam criar em
torno de suas obras um interesse vivo e um debate mais aceso.

         Le Corbusier nasceu em 1887 em - La Chaux de-Fonds na Suíça, e recebeu os
seus primeiros ensinamentos numa escola artesanal. Construiu o seu primeiro edifício aos
17 anos e em 1919 fundou a revista “L´esprit nouveau” que se tornou um órgão de
divulgação do movimento purista, de inspiração cubista. Em 1914, Le Corbusier já havia
projetado a Villa de Savoye, em Poissy e o Pavilhão Suíço na Cidade Universitária de
Paris. A partir dessas realizações, Le Corbusier atingiu um lugar de primeiro plano entre
os mestres da arquitetura moderna (GIEDION, 2004).




                Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Foto 1: Villa de Savoye de Le Corbusier
     Fonte: GIEDION, 2004.


              A sua obra foi se afirmando com as vivendas construídas em Garches em 1926 e a
38   de Carthage em 1928. A vivenda de Garches se destaca pelo resultado obtido através da
     concentração do peso do edifício sobre finos pilares em concreto, tornando possível a livre
     articulação da planta e sua leveza em suspensão. Já na Villa de Savoye o arquiteto faz
     uso dos seus famosos pilotis que permitem que o espaço verde circundante se introduza
     por entre os próprios pilares que sustentam a casa (GIEDION, 2004).

               Além das suas construções inovadoras para a arquitetura moderna, Le Corbusier
     se destacava por seus textos literários, jornalísticos e estéticos, que serviram para agitar os
     críticos e levar ideias não só para grupos de adeptos da área, mas para a intelectualidade
     em geral. Uma das suas afirmações mais típicas era a definição da casa como “une
     machine à habiter” - uma máquina de morar: os telhados ajardinados, as janelas em
     fita, os pilares recuados, a construção separada do solo ao qual fica ligada através dos
     pilotis. Essas ideias surpreenderam o público (GIEDION, 2004).

              Outra característica marcante de Le Corbusier se define nos seus cinco princípios
     teóricos e práticos, segundo Giedion (2004):

              •   O pilotis, que deve ser deixado livre, erguendo-se o edifício do solo.
              •   A independência funcional entre estrutura e vedação não só no caso das
                  paredes externas, mas também em relação às divisórias internas.
              •   A planta livre.
              •   A fachada livre, que é consequência direta do esqueleto estrutural independente.
              •   O terraço jardim.

                      Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Até hoje, nota-se a importância das influências exercidas pelas obras de Le
Corbusier sobre a arquitetura moderna. Ele influenciou pelo menos duas gerações
de arquitetos espalhados pelo mundo, e ainda permanece a herança estilística de sua
mensagem, tal como se perpetuou o eco de sua personalidade, que soube dominar toda
uma fase da arquitetura.

        Outro expoente que alcançou o mesmo respeito na arquitetura moderna foi
Frank Lloyd Wright. Destacava-se por defender uma arquitetura orgânica, que tem
como característica rejeitar as formas rígidas e mecânicas, muito usadas no conceito
da “casa, máquina de habitar”. Propõe uma arquitetura em perfeita harmonia com o
meio envolvente, a natureza. Um exemplo seria a Casa Kaufmann - a Casa da Cascata,
perfeitamente enquadrada à natureza, como se fizesse parte da própria paisagem.

        Adequados ao declive do terreno, os materiais usados confundem-se com as
rochas e a água parece fluir da própria casa. O edifício é símbolo do organicismo, pois
apresenta uma forte relação com a natureza, numa completa integração. Exemplo de
uma arquitetura funcional e ao mesmo tempo orgânica (GIEDION, 2004).

        A extraordinária novidade figurativa, a capacidade de se adaptar a diferentes
terrenos, climas e ambientes, e a contínua mutação da dimensionalidade espacial, são as
qualidades que fizeram Wright um dos pouquíssimos realizadores de uma arquitetura
simultaneamente humana e tecnicamente evolutiva.
                                                                                               39
       Outros grandes nomes do movimento moderno foram Walter Gropius e Mies
van der Rohe, vinculados à “Escola Bauhaus”.

2.1.3. A escola de Bauhaus

         A Escola Bauhaus foi de grande importância para o movimento moderno tanto
para “design” quanto para arquitetura, sendo uma das primeiras escolas de “design”
do mundo. Ela foi fundada por Walter Groupius, arquiteto alemão, cujo trabalho se
destacou pelo desenvolvimento de uma arquitetura social, que conjugou as necessidades
do indivíduo com as da coletividade.

         A Escola de Bauhaus combate “a arte pela arte” e estimulava a livre criação com
a finalidade de ressaltar a personalidade do homem. Segundo Gropius, o mais importante
era formar homens ligados aos fenômenos culturais e sociais mais expressivos do mundo
moderno. A pesquisa conjunta de artistas, mestre de oficinas e alunos era muito usada no
ensino em Bauhaus, pois para Gropius a unidade arquitetônica só podia ser obtida pela
tarefa coletiva, que incluía os mais diferentes tipos de criação como a pintura, a música, a
dança, a fotografia e o teatro (GROPIUS, 1974).

        Bauhaus foi concebida como uma escola livre de artes e ofícios apta a preparar
os seus estudantes para o conhecimento das diferentes formas de artes aplicadas,
a arte industrial e ao artesanato. Outro detalhe importante da escola era o aspecto

                Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
arquitetônico. Ao construir a Bauhaus, Gropius aplicou à arquitetura princípios que
     vinham amadurecendo no âmbito das artes visuais graças às correntes de vanguarda da
     época (GROPIUS, 1974).




     Foto 2: livro da Bauhaus
     Fonte: GROPIUS, 1974.


             Junto com Gropius na Escola “Bauhaus” destacou-se Mies van der Rohe, com
     uma arquitetura limpa, transparente, formada por grandes lâminas de vidro, que utilizava
40
     com estruturas independentes em aço. A disciplina rígida de Mies van der Rohe exerceu
     profunda influência a arquitetura moderna, que ele começou a produzir na Europa e se
     propagou para a arquitetura americana na década de 1950.

             Mies van der Rohe produzia uma arquitetura que procurava a forma pura, como
     a sua famosa frase, “menos é mais”, com uma busca constante de espaços interiores
     fluídos e contínuos (GIEDION, 2004).

     2.2. TRANSIÇÃO: MODERNO X PÓS-MODERNO

               As transformações inerentes ao segundo pós-guerra materializada nos movimentos
     culturais da década de 50 do século XX marcaram a transição entre o moderno e o pós-moderno.

             Novas propostas de caráter metodológico se inserem em todos os campos da
     produção artísticas atingindo a arquitetura. Esse período coincide com o desaparecimento
     dos grandes mestres do movimento moderno, a exemplo de Le Corbusier. Uma vanguarda
     de arquitetos propõe projetos com novas formas e símbolos inéditos, com vínculo no
     resgate do passado (MONTANER, 2001).

             A publicação da obra Linguagem da arquitetura pós-moderna de Charles
     Jencks, em 1977, referencia as transformações de forma irrefutável, consolidando uma
     nova consciência no modo de pensar, agir e sentir.


                      Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Como consequência, novas publicações introduzem e predizem a pós-modernidade
na arquitetura. Os contextos históricos dos movimentos estudantis parisienses e da
Primavera de Praga enaltecem a necessidade de uma postura liberal-social-humanista,
não apenas textos e projetos e enfatizam a existência de uma nova escola materialmente.
Em 15 de julho de 1972, às 15h32min, a demolição do conjunto residencial Pruitt-Igol em
Saint-Louis elimina um referencial do urbanismo racionalista, marca um novo paradigma
na arquitetura do futuro (BENEVOLO, 1994).




                                                                                             41

Foto 3: conjunto residencial Pruitt-Igol
Fonte: MONTANER, 2001


2.3. O PÓS-MODERNISMO

        É compreendido como o ideal arquitetônico que tem como principal objetivo
contrapor aos pressupostos levantados pela arquitetura moderna, o estilo internacional e
seus seguidores.

         O pós-modernismo surge nos anos 60 do século XX, no contexto histórico da
contracultura, em uma fase de total transformação com ideias e estratégias projectuais
diferentes das defendidas e criadas pelo período moderno, tecendo, desta forma, a grande
crítica ao estilo internacional, ao tempo em que reavaliava a importância do contexto
histórico no desenvolvimento de novos projetos de arquitetura.

         Dentro do período, destacaram-se na nova conceituação arquitetônica de
profissionais como Robert Venturi, Charles Moore, Aldo Rossi, Michael Graves, Robert
Stren, Leon Krier que inseriram uma série de novos e discordantes conceitos arquitetônicos
fundamentais, tornando o período pós-moderno um momento de grande pluralidade no
que se diz respeito às temáticas de projetos (MONTANER, 2001).



                  Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Na diversidade de conceitos de arquitetura desenvolvida no pós-modernismo,
     destacam-se diferentes correntes arquitetônicas e seus defensores, o que tornou os
     últimos anos do século XX um caleidoscópio, com diversas tendências, que serão descritas
     a seguir de forma breve.

     2.3.1. Archigram

              Uma das tendências da década de 1960 foi a chamada de “arquitetura
     tecnológica”, desenvolvida principalmente na Grã-Bretanha nas mãos de arquitetos como
     Peter Cook, Warren Chalk, David Greene, Ron Herron e Michael Webb. Tinha por
     principal objetivo desenvolver uma arquitetura fundamentada no processo industrial,
     na ideia que existe uma racionalidade escondida no mundo da tecnologia e da ciência,
     gerando, desta forma, “uma arquitetura descartável, trocável e produtível como qualquer
     objeto de consumo” (MONTANER, 2001).




42




     Foto 4: Walking City. Ron Herron, 1964
     Fonte: MONTANER, 2001.


              A arquitetura passaria a ser um produto industrial, no qual esse produto poderia
     ser inserido em qualquer parte do mundo, independente das características particulares,
     pertencentes aos locais onde seria inserida.



                      Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Para o Archigram, a arquitetura era entendida como um pacote de peças que
poderiam ser substituídas.

        Muitos desses ideais de arquitetura foram apresentados pela revista criada pelo
próprio grupo, a Archigram, pois o movimento ficou somente no mundo das ideias sem
sequer uma única edificação construída, mas com ideais que serviram de fundamentos
para os mais variados projetos de arquitetura e urbanismo.

2.3.2. Metabolistas Japoneses

        Desenvolvida principalmente no Japão da década de 60, esse movimento teve
como principal representante o arquiteto Kenzo Tange, integrante do grupo metabolista
e profundamente influenciado pela arquitetura de Le Corbusier, apresentava a vontade
de ressaltar as formas estruturais, deixa aparente o funcionamento do edifício em sua
maioria em concreto armado, juntamente com elementos tradicionais e naturais da
arquitetura e da cultura japonesa.




                                                                                            43




Foto 5: Baía de Tokio. Kenzo Tange, Tokio 1960
Fonte: MONTANER (2001)



         O campo de atuação do grupo metabolista era compreendido desde o desenho
industrial até o desenho urbano, fato de grande relevância, pois o Japão nesse período
produziu estudos e planejamento em escala urbana inspirados nos ideais do Archigram
(MONTANER, 2001).

       Dentro do grupo dos metabolistas podem-se destacar arquitetos como Kenzo
Tange, Kiyonori Kikutake, Kisho Kurokawa, Masato Otaka e Fumihico Maki.


                 Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
2.3.3. Neo-produtivistas

              Baseado no desenvolvimento da alta tecnologia da construção vigente nos anos 60,
     surgiu o grupo defensor do neo-produtivismo, evidenciado nos EUA e na Inglaterra. O grupo
     foi influenciado pelos teóricos do Archigram, destacando-se o arquiteto Norman Foster e
     sua equipe, que tinham por preferência mudar um determinado ambiente já existente ao
     invés de compreendê-lo e valorizá-lo. Outros arquitetos da mesma tendência que podem
     ser citados são Kevin Roche e John Dinkeloo, cujo exemplo pode ser observado na foto
     abaixo, o edifício do College Life Insurance Co, de Indianápolis, em 1973.




     Foto 6: Prédio do College Life Insurance Co. – Indianápolis, - projetado em 1973
44
     Fonte: MONTANER, 2001.


              O desenvolvimento do estilo arquitetônico é observado nos arranha-céus da
     cidade de Nova Iorque que utilizavam materiais construtivos mais modernos nas edificações
     mais rápidas, impulsionado pelo desenvolvimento acelerado das cidades, possuindo uma
     plasticidade desafiadora, resistente e confortável (MONTANER, 2001).

            O desenvolvimento do estilo é observado também na Alemanha, Espanha e na
     América Latina com o nome de “Arquitetura do desenvolvimento”.

     2.3.4. Alta tecnologia

             A alta tecnologia é uma corrente da Arquitetura Pós-Moderna que encontrava no
     desenvolvimento tecnológico fundamentos para o desenvolvimento de uma arquitetura
     voltada à construção de edificações que valorizavam a utilização principalmente do aço e
     do vidro denominadas como mega-estruturas (MONTANER, 2001).

             Os arquitetos High-Tech, como eram conhecidos, desenvolviam projetos onde se
     destacavam a grandiosidade dos seus prédios unida à possibilidade de ampliação sem
     deixar de lado um caráter futurista e lúdico, característica encontrada pelo fato de nas
     edificações desse período toda a estrutura interna na edificação ser exposta de forma com
     que o prédio interagisse com seu visitante.


                       Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Foto 7: Centro Georges Pompidou, Renzo Piano e Richard Rogers, Paris.
Fonte: MONTANER, 2001.


        Essa forma de pensar arquitetura sofreu um grande golpe com a chegada da crise           45
do final da década de 70, em que se destaca uma falência do sistema tecnológico vigente
unido ao alto valor que era necessário para o desenvolvimento dessa arquitetura de alta
tecnologia (MONTANER, 2001).

       Na arquitetura de alta tecnologia destacaram-se os arquitetos Renzo Piano e
Richard Rogers, com o Centro Pompidou em Paris, que marcou também a criação de
uma nova tipologia arquitetônica, o Centro de Culturas.

2.3.5. Contextualismo histórico

         Fundamentado na ideia da aceitação da pluralidade e diversidade cultural das
diferentes sociedades, o contextualismo histórico surgiu com o fim de implementar
na arquitetura e no urbanismo os aspectos culturais, econômicos, tecnológicos e
históricos de cada lugar, evidenciando nos projetos das edificações a face individual
de cada grupo.

         Dentro do contextualismo histórico destacam-se as obras de Aldo Rossi, que
levam para a arquitetura as tradições e ideias de grupos sociais e características históricas,
respeitando a preexistência. Em seu livro, A arquitetura das cidades, lançado em 1966,
Rossi analisa e comprova que o estudo tipológico é fundamental tanto no momento de
análise quanto para o desenvolvimento do projeto.


                 Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Foto 8: Centro Administrativo Regional em Trieste , Itália - 1974
     Fonte: MONTANER, 2001.


              No método de projetar em arquitetura, baseado na tipologia arquitetônica como
     resultado da combinação de elementos arquitetônicos que possibilitam Rossi a utilizar
46   repertórios já definidos, como colunas, muralhas, janelas quadradas, torres em forma de
     cones ou minaretes (MONTANER, 2001). A exemplo do projeto do Centro Administrativo
     Regional em Trieste, projetado em 1974.

     2.3.6. Arquitetura comunicativa

             Altamente contrários às concepções da arquitetura moderna, os seguidores
     da arquitetura comunicativa acreditavam que a arquitetura moderna tinha perdido a
     capacidade de transmitir os significados e os valores simbólicos essenciais a cada edificação.




                       Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Foto 9: O grande Pato, Robert Venturi
Fonte: MONTANER, 2001.


         Os defensores desse movimento defendem uma arquitetura simbólica, complexa
e contraditória, desenvolvendo a ideia de edifício - anúncio evidenciado em sua segunda
obra literária Aprendendo com Las Vegas (MONTANER, 2001).

        A arquitetura comunicativa teve como marca uma arquitetura epidérmica, que
leva elementos externos para chamar atenção dos usuários chamando muitas vezes seus                             47
projetos de edifício propaganda. Segundo (MONTANER, 2001)

                                      Quando Venturi desenvolve uma ideia de edifício propaganda está se
                                      situando nas antípodas de Adolf Loos e de seu conceito da casa como
                                      máquina despida por fora e como singular, cálida e comunicativa por
                                      dentro. Para Venturi trata-se do organismo contrário: máquina funcional
                                      e anônima por dentro e obra singular, comunicativa e pública por fora.


        A exemplo da casa Vanna Venturi, projetada por Venturi na Pensilvânia, em 1962.




Foto 10:Casa Vanna Venturi, Robert Venturi
Fonte: MONTANER, 2001.


                 Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
2.3.7. A busca da identidade na arquitetura

             Além das diversas correntes arquitetônicas que se materializam na espacialização
     dos edifícios, entre as décadas de 1960 e 1970, houve também um novo olhar para as
     identidades locais, levando-se em consideração que o estilo internacional pregado pela
     arquitetura e urbanismo moderno do segundo pós-guerra, não atendia as necessidades
     da humanidade de forma homogênea. Assim se passou a observar o relativismo cultural
     e antropológico.

              Para MONTANER (2001), ao longo dos anos sessenta e setenta ocorreu um
     fenômeno novo no mundo da arquitetura e do urbanismo, pois houve o entendimento
     de que nem todas as sociedades podem ser compreendidas com os mesmos padrões
     culturais e de desenvolvimento, assumindo que a cultura ocidental não é a única existente.

            Autores da antropologia como Lévi-Strauss abordaram a diversidade cultural, a
     exemplo da obra do mesmo autor, Tristes trópicos, que dedica um capítulo à arquitetura,
     quando critica o modo de projetar as casa e as cidades, sem levar em consideração as
     condições culturais e climáticas, como ocorria em países da América Latina e do Oriente
     Médio.

             Desta forma, por um lado existia a busca pela identidade perdida, na forma
     da cidade e na expressão das edificações, principalmente nos países do terceiro
48   mundo, que para os críticos do movimento moderno era de fundamental importância,
     uma vez que as soluções dadas a cidades e a edificações dos grandes conjuntos
     habitacionais propostos em diversas partes do mundo haviam transformado os
     bairros em lugares sem identidade, com uma arquitetura considerada repetitiva.
     E por outro lado emergia também preocupações com os recursos naturais e as
     fontes de energia que necessitavam ser preservadas, pois o padrão capitalista de
     consumo não considerava o esgotamento desses recursos, o que levou a se pensar
     na sustentabilidade na arquitetura.

     2.3.8. Arquitetura sustentável

             A partir da metade do século XX, no segundo pós-guerra, a grave crise
     socioambiental do planeta ficou cada vez mais evidente. Pode-se dizer que essa crise
     era o resultado da proposta de desenvolvimento traçada unilateralmente pelos países
     mais ricos, para acelerar o desenvolvimento econômico, em muitos casos sem procurar
     preservar os recursos naturais, nem se preocupar com o desenvolvimento social dos países
     mais pobres.

             Nos anos sessenta e setenta houve uma perda da esperança e confiança na ciência
     e na tecnologia e começou a emergir uma forte corrente na busca de retorno à natureza,
     no sentido de produzir um ambiente urbano construído mais humano e que respeitasse
     mais o meio ambiente.



                     Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Outro fato que levou a se pensar na sustentabilidade e na necessidade da revisão
do uso das fontes energéticas foi a crise do petróleo na década de 1970, que estimulou
mundialmente as pesquisas energéticas de produtos e gasto de energia não fósseis que
influenciou também a ampliação das pesquisas mundiais para reduzir a dependência de
fontes energéticas.

         Nesse contexto, o mundo, em especial segmentos da comunidade acadêmica,
intelectuais e governantes de diversas partes do mundo, despertou para a necessidade
de preservar o meio ambiente, na perspectiva de conservar a natureza, fato que não
vinha ocorrendo, pois a natureza estava sendo utiliza apenas como geradora de lucros, e
formando uma sociedade voltada para o consumo.

         O olhar dos teóricos se voltou também para a produção da arquitetura e do
urbanismo, fazendo críticas à inadequação do padrão de consumo praticado, que
utilizavam tecnologias que não aproveitavam os recursos naturais.

        A arquitetura sustentável passou a envolver principalmente a eficiência energética
na construção e manutenção da edificação, aproveitando as estruturas preexistentes,
especificação de materiais utilizados, no campo do urbanismo e do planejamento territorial
e passou a haver maior preocupação com a proteção da natureza.

        Na arquitetura contemporânea passou a ser fundamental que um projeto
arquitetônico seja planejado usando as feições naturais, como exposição à luz ou o                  49
aproveitamento da direção natural dos ventos. O movimento evidencia a consciência
da preservação das áreas verdes no entorno da construção ou até mesmo levar essas
áreas para o alto dos edifícios. Parecido com o que aconteceu no passado aos Jardins
suspensos da Babilônia, essa opção ajuda a melhorar o conforto térmico do local.

        Os materiais ecológicos na arquitetura sustentável são aplicados para reduzir os impactos
ambientais e, em alguns casos, para a redução dos custos, podendo ser citados: o adobe, tintas
sem componentes voláteis tóxicos, materiais reciclados como garrafas pet, madeira certificada,
ou de curto ciclo de renovação, bambu e outros materiais que levem às tecnologias limpas.

         Os materiais regionais também são priorizados na construção sustentável, pois
reduzem o percurso de transporte e emissão de gás carbônico da queima do combustível
e priorizam o desenvolvimento do comércio/indústria regional.

         Desta forma houve efetivamente pela primeira vez a aplicação, mesmo que de
forma limitada no caso do Brasil, de energia eólica, energia solar, energia das marés e
outros tipos de energias renováveis (RUANO, 1999).

        A arquitetura e o urbanismo sustentáveis passaram a proporcionar um novo
marco referencial para as atividades humanas, redefinindo o modelo de desenvolvimento
das comunidades com entornos edificados harmônicos e equilibrados, que aos poucos
tendem a se converter em um conceito básico e essencial.

                 Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
3. CONCLUSÃO

              Na evolução histórica do século XX, a fusão do pragmatismo americano e
     europeu característico do posicionamento de primazia na condição de potências mundiais,
     combinado com a onda pós-marxista e pós-estruturalista que o mundo sofreu em 1968,
     contribuiu sobremaneira para o surgimento das mudanças de paradigma no método de
     projetar em arquitetura.

             Figuras ilustres e referenciais circularam nos dois contextos produzindo um
     conjunto conceitual imprescindível ao avanço da arquitetura. Segundo David Harvey,
     (1993, p. 22),

                                          Os sentimentos modernistas podem ter sido solapados,
                                          desconstruídos, superados ou ultrapassados, mas há pouca certeza
                                          quanto à coerência ou ao significado dos sistemas de pensamento
                                          que possam tê-los substituído. Essa incerteza torna peculiarmente
                                          difícil avaliar, interpretar e explicar a mudança que todos concordam
                                          ter ocorrido.


            Segundo o mesmo autor, o pós-modernismo insere um cisma radical com o
     modernismo ou é apenas uma revolta no interior deste último contra certa forma de “alto
     modernismo” representada, digamos, na arquitetura de Mies van der Rohe (HARVEY,1993).

50           Uma nova realidade proposta buscou projetar de forma irrefutável uma realidade
     marcada pela combinação da alta tecnologia construtiva vigente com elementos da
     arquitetura de outros momentos históricos.

             Impossível determinar, entretanto, o fim da modernidade, pois os princípios
     modernos ainda permeiam a formação de alguns profissionais, e a pós- modernidade
     ainda é um processo em curso que vem se transformando desde o final da década de
     1990.

              Essa breve análise não pretende esgotar um tema tão complexo e diverso, porém
     não pode deixar de trazer para as suas últimas considerações modificações importantes
     sofridas ao longo dos anos oitenta e noventa como a metodologia projectual de Peter
     Eisenman, as modificações da geometria que de acordo com as novas formas das
     edificações, para serem representadas já não podem contar apenas com os recursos
     da geometria euclidiana e a geometria mongena que dominaram a representação dos
     projetos no movimento moderno.

              Com a pós-modernidade, além dos historicismos revivalistas, das ideias de
     desconstrução surgiram também novas morfologias arquitetônicas que para serem
     representadas não podem mais utilizar os recursos convencionais da geometria, como já
     foi citado, e sim devem utilizar outras modalidades geométricas como as da geometria
     dos fractais, geometria topológica e geometria biônica, que só se consolidam com uso de
     softwares específicos de computação gráfica, para modelagens tridimensionais.

                     Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
Essas novas modalidades de representação fazem parte dos avanços das
tecnologias herdadas da arquitetura moderna que não podem ser desprezadas pela
arquitetura contemporânea. Outro aspecto importante desse momento é a preocupação
e/ou responsabilidade com o meio ambiente, que foi extremamente desgastado pelo
padrão de exploração excessiva que o planeta sofreu durante todo o século XX, o que
gerou a ideia de uma arquitetura sustentável.

        Esses aspectos formam um conjunto de novas posturas arquitetônicas que no final
do século XX e início do século XXI dão origem a novos paradigmas, que se distanciam
dos paradigmas definidos pela racionalidade e funcionalidade da arquitetura moderna.



SOBRE OS AUTORES

         Gabriel Mendonça Franco (gabrielmmff@gmail.com) e Renata Monteiro Fraga
(renatamfraga@hotmail.com) são graduandos do 5º período do curso de Arquitetura e
Urbanismo pela Universidade Tiradentes. O presente trabalho foi originado a partir de
práticas de pesquisa documental impressa sob a orientação da professora Ana Maria de
Souza Martins Farias. Ana Maria de Souza Martins Farias (anmsmfarias@yahoo.com) é
professora da disciplina Teoria da Arquitetura e Urbanismo III do curso de Arquitetura e
Urbanismo da Universidade Tiradentes, graduada em Arquitetura e Urbanismo, Mestre
em Sociologia Urbana pela UFPB e Doutora em História Urbana pela UFPE.
                                                                                           51

REFERÊNCIAS

BENEVOLO, Leonardo. A arquitetura no novo milênio. São Paulo: Estação Liberdade,
2007.

______. O último capítulo da arquitetura moderna. Lisboa: Presença, 1994.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. São
Paulo: Editora PINI, 1990.

DORFLES, Gillo. A arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1986. v. 3.

GIEDION, Sigfried. Espaço tempo e arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GOSSEL, Peter; LEUTHAUSER, Grabraiele. Arquitetura: no século XX. Alemanha: Benedikt
Taschen, 1996.

GROPIUS, Walter. A nova arquitetura Bauhaus. São Paulo: Perspectiva, 1974.

GYMPEL, Jan. História da Arquitetura: da antiguidade aos nossos dias. Colônia:
Konemam, 2001.

                Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.

     KOPP, Anatole. Quando o moderno não era um estilo e sim uma causa. São Paulo:
     Nobel,1990.

     MONTANER, Josep Maria. Depois do movimento moderno: arquitetura da segunda
     metade do século XX. Barcelona: Gustavo Gili, 2001.

     PORTOGHESI, Paolo. Depois da arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

     RAJA, Raffaele. Arquitetura pós-industrial. São Paulo: Editora Perspectiva, 1993.

     RIBEIRO, Fabíola Macêdo. Insinuações Semióticas em Arquitetura: do Pós-
     Modernismo aos Blobjects. http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arquitextos.asp.
     Acesso: 20 abril,2010.

     RUANO, Miguel. Eco-urbanismo entornos humanos sostenibles: 60 proyectos.
     Barcelona: Gustavo Gili, 1999.

     SÁ, Marcos Morais. Ornamentos e modernismo. Rio de Janeiro: Racco, 2005.

     SANTOS, Jair Ferreira de. O que é Pós-Moderno. São Paulo: Brasiliense, 1987.
52




                     Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arteArquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arteSor Sergio Flores
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA
DESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICADESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA
DESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICALuciana Santos
 
03 os caminhos da arquitetura contemporânea
03 os caminhos da arquitetura contemporânea03 os caminhos da arquitetura contemporânea
03 os caminhos da arquitetura contemporâneaVítor Santos
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaViviane Marques
 
O funcionalismo na arquitectura
O funcionalismo na arquitecturaO funcionalismo na arquitectura
O funcionalismo na arquitecturacatarinaferrao
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40
Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40
Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40Caio Talarico
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barrocaVítor Santos
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9Carlos Pinheiro
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romanticaAndreia Ramos
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura modernaCristiane Kröhling Bernardi
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Arquitetura
HCA 11º, Espaço Virtual, ArquiteturaHCA 11º, Espaço Virtual, Arquitetura
HCA 11º, Espaço Virtual, ArquiteturaValeriya Rozhkova
 

Mais procurados (20)

Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna
 
Arquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arteArquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arte
 
Aula arte realista
Aula   arte realistaAula   arte realista
Aula arte realista
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA
DESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICADESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA
DESIGN DE INTERIORES - UNID I INTRODUÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA
 
03 os caminhos da arquitetura contemporânea
03 os caminhos da arquitetura contemporânea03 os caminhos da arquitetura contemporânea
03 os caminhos da arquitetura contemporânea
 
Oscar Niemeyer
Oscar Niemeyer Oscar Niemeyer
Oscar Niemeyer
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquitetura
 
O funcionalismo na arquitectura
O funcionalismo na arquitecturaO funcionalismo na arquitectura
O funcionalismo na arquitectura
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40
Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40
Frank Lloyd Wright - Arquitetura Orgânica e a Brodacare City: Anos 30 e 40
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romantica
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Arquitetura
HCA 11º, Espaço Virtual, ArquiteturaHCA 11º, Espaço Virtual, Arquitetura
HCA 11º, Espaço Virtual, Arquitetura
 

Destaque

Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerraThau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerraCristiane Kröhling Bernardi
 
Pós-modernismo slide
Pós-modernismo slidePós-modernismo slide
Pós-modernismo slideMarietamorais
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxAna Barreiros
 
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap ii
Arquitetura da cidade   aldo rossi - cap iiArquitetura da cidade   aldo rossi - cap ii
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap iiCarlos Elson Cunha
 
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap i
Arquitetura da cidade   aldo rossi - cap iArquitetura da cidade   aldo rossi - cap i
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap iCarlos Elson Cunha
 
Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerraThau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerraCristiane Kröhling Bernardi
 
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Development Workshop Angola
 
A vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xixA vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xixAnabela Sobral
 
Mudanças Na Agricultura
Mudanças Na AgriculturaMudanças Na Agricultura
Mudanças Na Agriculturamanuelao
 
3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista   3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista Ruth L
 
Movimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xxMovimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xxTainá Nabhan
 

Destaque (20)

Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerraThau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
 
O pós modernismo
O pós modernismoO pós modernismo
O pós modernismo
 
Pós-modernismo slide
Pós-modernismo slidePós-modernismo slide
Pós-modernismo slide
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap ii
Arquitetura da cidade   aldo rossi - cap iiArquitetura da cidade   aldo rossi - cap ii
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap ii
 
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap i
Arquitetura da cidade   aldo rossi - cap iArquitetura da cidade   aldo rossi - cap i
Arquitetura da cidade aldo rossi - cap i
 
Thau 3
Thau 3Thau 3
Thau 3
 
Arquitetura da cidade
Arquitetura da cidadeArquitetura da cidade
Arquitetura da cidade
 
Pós modernidade ok
Pós modernidade okPós modernidade ok
Pós modernidade ok
 
Principais tendencias europeias no pós guerra
Principais tendencias europeias no pós guerraPrincipais tendencias europeias no pós guerra
Principais tendencias europeias no pós guerra
 
Aldo rossi
Aldo rossiAldo rossi
Aldo rossi
 
Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerraThau arq 1  aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
Thau arq 1 aula 2 arquitetura moderna segundo pos guerra
 
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
 
Modernismo 3
Modernismo 3Modernismo 3
Modernismo 3
 
A vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xixA vida na cidade na segunda metade do século xix
A vida na cidade na segunda metade do século xix
 
Mudanças Na Agricultura
Mudanças Na AgriculturaMudanças Na Agricultura
Mudanças Na Agricultura
 
3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista   3ª Fase Modernista
3ª Fase Modernista
 
Significado das Cores
Significado das CoresSignificado das Cores
Significado das Cores
 
Movimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xxMovimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xx
 
Aldo rossi
Aldo rossiAldo rossi
Aldo rossi
 

Semelhante a Arquitetura Moderna e Pós-Moderna: Uma Análise de Paradigmas

Album de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAlbum de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAndressa Baptista
 
Resenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves BruandResenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves BruandIZIS PAIXÃO
 
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaPlanejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaInstituto_Arquitetos
 
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdfEmilioBarbosa9
 
Resumo texto (ainda moderno) 2
Resumo  texto (ainda moderno) 2Resumo  texto (ainda moderno) 2
Resumo texto (ainda moderno) 2Iala Almeida
 
Bernard Tschumi
Bernard Tschumi    Bernard Tschumi
Bernard Tschumi Leretch Ary
 
(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao DesignMarcio Duarte
 
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011Aridson Andrade
 

Semelhante a Arquitetura Moderna e Pós-Moderna: Uma Análise de Paradigmas (20)

Brutalismo
BrutalismoBrutalismo
Brutalismo
 
Luis Barragan
Luis BarraganLuis Barragan
Luis Barragan
 
Arthur girotto
Arthur girottoArthur girotto
Arthur girotto
 
Album de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAlbum de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao Design
 
O estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colinO estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colin
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Arquitetura
 
Resenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves BruandResenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves Bruand
 
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaPlanejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
 
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
 
Cor na arquitectura
Cor na arquitecturaCor na arquitectura
Cor na arquitectura
 
Resumo texto (ainda moderno) 2
Resumo  texto (ainda moderno) 2Resumo  texto (ainda moderno) 2
Resumo texto (ainda moderno) 2
 
Arquitetura protomoderna
Arquitetura protomodernaArquitetura protomoderna
Arquitetura protomoderna
 
Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013
 
Bernard Tschumi
Bernard Tschumi    Bernard Tschumi
Bernard Tschumi
 
(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design
 
Teoria Do Design Aula02 Revisado 2009
Teoria Do Design Aula02 Revisado 2009Teoria Do Design Aula02 Revisado 2009
Teoria Do Design Aula02 Revisado 2009
 
1387 2761-1-sm
1387 2761-1-sm1387 2761-1-sm
1387 2761-1-sm
 
4616 9209-1-sm
4616 9209-1-sm4616 9209-1-sm
4616 9209-1-sm
 
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
 

Arquitetura Moderna e Pós-Moderna: Uma Análise de Paradigmas

  • 1. ARQUITETURA MODERNA E PÓS-MODERNA: MUDANÇA DE PARADIGMA Gabriel Franco Renata Fraga Ana Maria de Souza Martins Farias RESUMO Este artigo pretende introduzir uma análise, ainda que breve, das tendências arquitetônicas do século XX reconhecidas como movimento moderno e pós-moderno. São apresentadas as características desses movimentos, considerando um recorte histórico de seu processo, seus expoentes e obras produzidas a partir das concepções que se inserem no contexto artístico e cultural do movimento moderno e do pós-moderno. É importante também destacar que a pluralidade e a diversidade são características fundamentais da pós-modernidade. Para tanto, evolução, construção e realidade técnica das referidas tendências, objetos da pesquisa e fundamentação teórica da análise e estudos foram aliados à apresentação de imagens representativas dos dados colhidos a partir da pesquisa e da análise de informações imprescindíveis ao trabalho. Assim foi possível discutir as diversas tendências da arquitetura no final do século XX e início do século XXI. PALAVRAS-CHAVE Arquitetura moderna, arquitetura pós-moderna, diversidade. ABSTRACT This article aims to introduce an analysis, however briefly, of the architectural trends of the twentieth century recognized as the modern and post-modern movements. The characteristics of these movements are presented, including a historical overview of their process, and their exponents and works produced from the conceptions that are in the artistic and cultural context of the modern and post-modern movements. It is important to note that plurality and diversity are fundamental characteristics of post-modernity. Therefore, the development, construction, and technical reality of these trends, the object of research and theoretical grounding and studies, was coupled with the presentation of representative images of the data collected from the research and analysis of indispensable information for the work. Thus, it is possible to discuss the various aspects of architecture in the late twentieth and early twenty-first centuries. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais (ISSN 1980-1784) - v. 11 - n.11 - 2010
  • 2. KEYWORDS Modern architecture, post-modern architecture, diversity. 1. INTRODUÇÃO A produção arquitetônica internacional do movimento moderno foi desenvolvida a partir do final do século XIX até a primeira metade do século XX. Uma das principais características dos modernos era a rejeição dos estilos históricos do passado, representada pela repulsa ao ornamento e exemplificada pela obra de Adolf Loos, Ornamento é Crime (1908), um ensaio que critica a preocupação dos profissionais da arquitetura com o supérfluo e o superficial (SÁ, 2005, p.83). Loos foi um dos pioneiros da arquitetura moderna. Precursor da nova objetividade, procurou sempre a solução mais simples para seus projetos e métodos de construção, empregando apenas ocasionalmente motivos ornamentais como elementos articuladores. Apresentou uma concepção arquitetônica baseada na funcionalidade. Suas obras mais célebres e importantes são a moradia Steiner (1910) e a moradia de Michaelplatz (1910-1911), em Viena, e a residência Tzara, em Paris. Os modernos viam o ornamento como um elemento típico dos estilos históricos, incompatível com os seus conceitos. Eles estavam atrelados às ideias das vanguardas 34 artísticas das décadas de 1910 e 1920, destacando-se aquelas que objetivavam a criação de peças e espaços abstratos e geométricos. Dois outros aspectos do movimento moderno merecem menção: o primeiro definido pelo conceito de que “menos é mais” – “less is more”, frase cunhada pelo arquiteto Mies van der Rohe; e o segundo norteado pela ideia de que “a forma segue a função“ – “form follows function”, do arquiteto proto-moderno Louis Sullivan, também traduzida como forma é função. Segundo Sá (2005, p. 86), a funcionalidade, outro conceito bastante significativo, é utilizada por Loos para justificar a ausência de ornamentos. Igualmente merecem destaque as ideias da época, a industrialização, economia e a recém-descoberta noção do “design” que conferem ao arquiteto a responsabilidade pela correta e socialmente justa construção do ambiente a ser habitado. As edificações devem trazer consigo elementos de economicidade, limpeza visual e utilidade, necessários ao pragmatismo característico do movimento arquitetônico em questão. No tocante ao pós-moderno na arquitetura, identificado cronologicamente na segunda metade do século XX, quando é possível observar uma série de novas propostas arquitetônicas, fica evidenciado o objetivo de estabelecer uma crítica à arquitetura moderna. Para SANTOS (1987) o pós-moderno é o nome aplicado às mudanças ocorridas nas ciências e nas artes, em sociedades avançadas, como Estados Unidos, Inglaterra e Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 3. Itália. Esse movimento surge no final dos anos cinquenta nas artes e na computação com o início da criação da cultura virtual, expandindo-se na década de 1960 com o movimento “Pop-art”. Na década de 1970, cresce através da filosofia, como crítica à cultura ocidental e alastra-se discutindo o modo de vida da sociedade moderna industrial dos anos que se sucederam ao segundo pós-guerra. Deste modo, o movimento pós-moderno caracteriza-se como uma crítica ao movimento moderno na arquitetura e no urbanismo que, principalmente após a segunda guerra mundial, ficou centrado em soluções racionalistas e na busca da funcionalidade na cidade, como foi previsto na Carta de Atenas: é o lugar para morar, trabalhar, circular e que proporciona o lazer. Cidade setorizada. Cidade que passou a ser criticada como a cidade do anonimato, fato que gerou também a segregação socioespacial nas cidades. A casa era a “máquina de morar” para atender os imperativos da vida moderna. Assim, são geradas habitações sem identidade, segundo os críticos do movimento moderno. Philippe Bourdon, ao escrever seu livro Le Corbusier em Pessac (1967), afirma que eram muito positivas e vitais as transformações realizadas pelos usuários dos complexos habitacionais projetados por Le Corbusier em Pessac, pois Bourdon considerava que os moradores queriam em suas casas não o aspecto de “máquina de morar” e sim a expressão da idéia arquetípica de lar (MONTANER, 2001). Dessas críticas, a partir dos anos 60 até o início dos anos 90, do século XX, figuras como Robert Venturi, Philip Johnson e Michael Graves nos Estados Unidos, 35 Aldo Rossi na Itália, além de James Stirling e Michael Wilford na Inglaterra, entre outros, tornam realidade um novo pensamento sobre a produção arquitetônica. Segundo (MONTANER, 2001, p.152): Venturi defende que os espaços devem ser existenciais e propõe uma interpretação de toda a história da arquitetura desde sua capacidade para criar significados; os símbolos constituem a primeira necessidade do homem. Muitos arquitetos adotaram padrões de ornamento e formas de composição antigas. A cidade histórica foi reestudada em busca da reabilitação da escala humana no urbanismo. A cultura popular tornou-se inspiração para profissionais de arquitetura, houve também a congregação entre o novo e o antigo, fusão convencionada como contextualismo histórico. É sobre a mudança de postura arquitetônica que este artigo pretende discutir, ou seja, o objetivo central é tratar da passagem do movimento moderno para a chamada pós-modernidade na arquitetura. A metodologia adotada neste artigo foi o estudo de alguns clássicos que discutem a mudança de paradigma referida, como Josef Maria Montaner, Paolo Portuguesi, David Harvey, Leonardo Benevollo, entre outros que abordam o tema. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 4. Para a discussão, o artigo está estruturado da seguinte forma: o movimento moderno, a passagem para a pós-modernidade, as diversas tendências pós-modernas entre as décadas de 1960 e 1970 e conclusões. 2. OS CAMINHOS DO MOVIMENTO MODERNO 2.1. MOVIMENTO MODERNO A arquitetura moderna é o termo usado para caracterizar a arquitetura produzida durante grande parte do século XX. É possível traçar três motivações que justificam a origem da arquitetura moderna. Na primeira, vale considerar que o ideário arquitetônico moderno está ligado ao projeto de modernidade, há uma visão de mundo iluminista. A arquitetura realiza inovações tecnológicas que emergiram com a Revolução Industrial e com as diversas propostas urbanísticas e sociais realizadas por teóricos da época. A segunda motivação evidencia as grandes alterações que ocorreram no século XIX no mundo, quando as artes redefiniam o seu papel na sociedade. Destacam-se nessa época os movimentos “Arts & Crafts”, “Art Nouvau” e “Art Decó”. A partir de 1890 destaca-se, sob a liderança de William Morris, o movimento de 36 Arts & Crafts, que valorizava a produção artesanal, recusando os princípios da produção industrial, projeta-se na defesa do artesanato criativo como alternativa à mecanização e à produção em massa. Buscava revalorizar o trabalho manual e recuperava a dimensão estética dos objetos produzidos industrialmente para o uso cotidiano. Menos radical que o movimento “Arts & Crafts”, o “Art Nouveau” possuía uma atitude menos resistente à indústria, privilegiava os novos materiais do mundo moderno como o ferro, o vidro e o cimento, assim como a racionalidade das ciências e da engenharia. No entanto, o estilo que veio com a intenção de integrar a arte, a lógica industrial e a sociedade de massa, reunindo os princípios básicos da produção em série foi o “Art Decó”, transformando-se em um estilo de massa. A arquitetura, o mobiliário, os objetos e ilustrações realizados sob o movimento “Art Decó” se caracterizavam pelo uso das formas geométricas, diferente do “Art Noveau”, que utilizava as formas assimétricas dificultando a produção em série como pretendia a indústria. A terceira motivação surge justamente na origem do movimento moderno, quando ocorrem profundas transformações sociais e estéticas propostas pelas vanguardas artísticas das décadas de 10 e 20 de século XX, pois o movimento moderno não foi só um estilo, foi também uma causa (KOPP, 1990). Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 5. 2.1.1. Os novos materiais O século XIX foi o momento de grandes avanços da engenharia e das invenções técnicas, por conta do uso de novos materiais como o ferro, vidro, cimento, alumínio e materiais plásticos. O início da arquitetura moderna na segunda metade do século XIX, ou seja, quando do surgimento dos primeiros grandes edifícios de estrutura metálica e com origem na engenharia constituíam uma forma de expressão completamente nova, colocando de lado as formas do passado. Os primeiros exemplos de transformação estilística, no século XIX, se encontram em grandes construções técnicas como o “Crystal Palace” de Joseph Paxton, a “Galérie des Machines” de Charles Dutert (arquiteto) e Victor Contamin (engenheiro) e a famosíssima Torre Eiffel de Gustave Eiffel. Esses exemplos ainda hoje são significativos, pois conseguiram transformar a paisagem urbana mais rapidamente do que dezenas de monumentos, palácios e igrejas (GYMPEL, 2001). A utilização dos novos materiais e as novas técnicas resultou em uma gama de experiências construtivas na arquitetura moderna como: traves muito longas que deixavam livres grandes paredes e até toda a fachada, mediante o recuo dos pilares de apoio; a eliminação das paredes de sustentação, a possibilidade de construir edifícios destacados do solo, apoiando-se em pilotis, janelas de canto, placas projetadas para o exterior, escadas suspensas; completa liberdade na concepção da planta, graças ao desaparecimento das paredes divisórias e à sua desvinculação da estrutura de 37 sustentação vertical e, finalmente, a possibilidade de edificar a construção sem estar sujeito à existência prévia das paredes. 2.1.2. Os grandes nomes da nova escola Dos diversos arquitetos do movimento moderno, Le Corbusier, juntamente com Frank Lloyd Wright, Walter Groupius e Mies van der Rohe representam o quadro dos grandes artífices de uma definitiva renovação da arquitetura. Eles souberam criar em torno de suas obras um interesse vivo e um debate mais aceso. Le Corbusier nasceu em 1887 em - La Chaux de-Fonds na Suíça, e recebeu os seus primeiros ensinamentos numa escola artesanal. Construiu o seu primeiro edifício aos 17 anos e em 1919 fundou a revista “L´esprit nouveau” que se tornou um órgão de divulgação do movimento purista, de inspiração cubista. Em 1914, Le Corbusier já havia projetado a Villa de Savoye, em Poissy e o Pavilhão Suíço na Cidade Universitária de Paris. A partir dessas realizações, Le Corbusier atingiu um lugar de primeiro plano entre os mestres da arquitetura moderna (GIEDION, 2004). Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 6. Foto 1: Villa de Savoye de Le Corbusier Fonte: GIEDION, 2004. A sua obra foi se afirmando com as vivendas construídas em Garches em 1926 e a 38 de Carthage em 1928. A vivenda de Garches se destaca pelo resultado obtido através da concentração do peso do edifício sobre finos pilares em concreto, tornando possível a livre articulação da planta e sua leveza em suspensão. Já na Villa de Savoye o arquiteto faz uso dos seus famosos pilotis que permitem que o espaço verde circundante se introduza por entre os próprios pilares que sustentam a casa (GIEDION, 2004). Além das suas construções inovadoras para a arquitetura moderna, Le Corbusier se destacava por seus textos literários, jornalísticos e estéticos, que serviram para agitar os críticos e levar ideias não só para grupos de adeptos da área, mas para a intelectualidade em geral. Uma das suas afirmações mais típicas era a definição da casa como “une machine à habiter” - uma máquina de morar: os telhados ajardinados, as janelas em fita, os pilares recuados, a construção separada do solo ao qual fica ligada através dos pilotis. Essas ideias surpreenderam o público (GIEDION, 2004). Outra característica marcante de Le Corbusier se define nos seus cinco princípios teóricos e práticos, segundo Giedion (2004): • O pilotis, que deve ser deixado livre, erguendo-se o edifício do solo. • A independência funcional entre estrutura e vedação não só no caso das paredes externas, mas também em relação às divisórias internas. • A planta livre. • A fachada livre, que é consequência direta do esqueleto estrutural independente. • O terraço jardim. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 7. Até hoje, nota-se a importância das influências exercidas pelas obras de Le Corbusier sobre a arquitetura moderna. Ele influenciou pelo menos duas gerações de arquitetos espalhados pelo mundo, e ainda permanece a herança estilística de sua mensagem, tal como se perpetuou o eco de sua personalidade, que soube dominar toda uma fase da arquitetura. Outro expoente que alcançou o mesmo respeito na arquitetura moderna foi Frank Lloyd Wright. Destacava-se por defender uma arquitetura orgânica, que tem como característica rejeitar as formas rígidas e mecânicas, muito usadas no conceito da “casa, máquina de habitar”. Propõe uma arquitetura em perfeita harmonia com o meio envolvente, a natureza. Um exemplo seria a Casa Kaufmann - a Casa da Cascata, perfeitamente enquadrada à natureza, como se fizesse parte da própria paisagem. Adequados ao declive do terreno, os materiais usados confundem-se com as rochas e a água parece fluir da própria casa. O edifício é símbolo do organicismo, pois apresenta uma forte relação com a natureza, numa completa integração. Exemplo de uma arquitetura funcional e ao mesmo tempo orgânica (GIEDION, 2004). A extraordinária novidade figurativa, a capacidade de se adaptar a diferentes terrenos, climas e ambientes, e a contínua mutação da dimensionalidade espacial, são as qualidades que fizeram Wright um dos pouquíssimos realizadores de uma arquitetura simultaneamente humana e tecnicamente evolutiva. 39 Outros grandes nomes do movimento moderno foram Walter Gropius e Mies van der Rohe, vinculados à “Escola Bauhaus”. 2.1.3. A escola de Bauhaus A Escola Bauhaus foi de grande importância para o movimento moderno tanto para “design” quanto para arquitetura, sendo uma das primeiras escolas de “design” do mundo. Ela foi fundada por Walter Groupius, arquiteto alemão, cujo trabalho se destacou pelo desenvolvimento de uma arquitetura social, que conjugou as necessidades do indivíduo com as da coletividade. A Escola de Bauhaus combate “a arte pela arte” e estimulava a livre criação com a finalidade de ressaltar a personalidade do homem. Segundo Gropius, o mais importante era formar homens ligados aos fenômenos culturais e sociais mais expressivos do mundo moderno. A pesquisa conjunta de artistas, mestre de oficinas e alunos era muito usada no ensino em Bauhaus, pois para Gropius a unidade arquitetônica só podia ser obtida pela tarefa coletiva, que incluía os mais diferentes tipos de criação como a pintura, a música, a dança, a fotografia e o teatro (GROPIUS, 1974). Bauhaus foi concebida como uma escola livre de artes e ofícios apta a preparar os seus estudantes para o conhecimento das diferentes formas de artes aplicadas, a arte industrial e ao artesanato. Outro detalhe importante da escola era o aspecto Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 8. arquitetônico. Ao construir a Bauhaus, Gropius aplicou à arquitetura princípios que vinham amadurecendo no âmbito das artes visuais graças às correntes de vanguarda da época (GROPIUS, 1974). Foto 2: livro da Bauhaus Fonte: GROPIUS, 1974. Junto com Gropius na Escola “Bauhaus” destacou-se Mies van der Rohe, com uma arquitetura limpa, transparente, formada por grandes lâminas de vidro, que utilizava 40 com estruturas independentes em aço. A disciplina rígida de Mies van der Rohe exerceu profunda influência a arquitetura moderna, que ele começou a produzir na Europa e se propagou para a arquitetura americana na década de 1950. Mies van der Rohe produzia uma arquitetura que procurava a forma pura, como a sua famosa frase, “menos é mais”, com uma busca constante de espaços interiores fluídos e contínuos (GIEDION, 2004). 2.2. TRANSIÇÃO: MODERNO X PÓS-MODERNO As transformações inerentes ao segundo pós-guerra materializada nos movimentos culturais da década de 50 do século XX marcaram a transição entre o moderno e o pós-moderno. Novas propostas de caráter metodológico se inserem em todos os campos da produção artísticas atingindo a arquitetura. Esse período coincide com o desaparecimento dos grandes mestres do movimento moderno, a exemplo de Le Corbusier. Uma vanguarda de arquitetos propõe projetos com novas formas e símbolos inéditos, com vínculo no resgate do passado (MONTANER, 2001). A publicação da obra Linguagem da arquitetura pós-moderna de Charles Jencks, em 1977, referencia as transformações de forma irrefutável, consolidando uma nova consciência no modo de pensar, agir e sentir. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 9. Como consequência, novas publicações introduzem e predizem a pós-modernidade na arquitetura. Os contextos históricos dos movimentos estudantis parisienses e da Primavera de Praga enaltecem a necessidade de uma postura liberal-social-humanista, não apenas textos e projetos e enfatizam a existência de uma nova escola materialmente. Em 15 de julho de 1972, às 15h32min, a demolição do conjunto residencial Pruitt-Igol em Saint-Louis elimina um referencial do urbanismo racionalista, marca um novo paradigma na arquitetura do futuro (BENEVOLO, 1994). 41 Foto 3: conjunto residencial Pruitt-Igol Fonte: MONTANER, 2001 2.3. O PÓS-MODERNISMO É compreendido como o ideal arquitetônico que tem como principal objetivo contrapor aos pressupostos levantados pela arquitetura moderna, o estilo internacional e seus seguidores. O pós-modernismo surge nos anos 60 do século XX, no contexto histórico da contracultura, em uma fase de total transformação com ideias e estratégias projectuais diferentes das defendidas e criadas pelo período moderno, tecendo, desta forma, a grande crítica ao estilo internacional, ao tempo em que reavaliava a importância do contexto histórico no desenvolvimento de novos projetos de arquitetura. Dentro do período, destacaram-se na nova conceituação arquitetônica de profissionais como Robert Venturi, Charles Moore, Aldo Rossi, Michael Graves, Robert Stren, Leon Krier que inseriram uma série de novos e discordantes conceitos arquitetônicos fundamentais, tornando o período pós-moderno um momento de grande pluralidade no que se diz respeito às temáticas de projetos (MONTANER, 2001). Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 10. Na diversidade de conceitos de arquitetura desenvolvida no pós-modernismo, destacam-se diferentes correntes arquitetônicas e seus defensores, o que tornou os últimos anos do século XX um caleidoscópio, com diversas tendências, que serão descritas a seguir de forma breve. 2.3.1. Archigram Uma das tendências da década de 1960 foi a chamada de “arquitetura tecnológica”, desenvolvida principalmente na Grã-Bretanha nas mãos de arquitetos como Peter Cook, Warren Chalk, David Greene, Ron Herron e Michael Webb. Tinha por principal objetivo desenvolver uma arquitetura fundamentada no processo industrial, na ideia que existe uma racionalidade escondida no mundo da tecnologia e da ciência, gerando, desta forma, “uma arquitetura descartável, trocável e produtível como qualquer objeto de consumo” (MONTANER, 2001). 42 Foto 4: Walking City. Ron Herron, 1964 Fonte: MONTANER, 2001. A arquitetura passaria a ser um produto industrial, no qual esse produto poderia ser inserido em qualquer parte do mundo, independente das características particulares, pertencentes aos locais onde seria inserida. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 11. Para o Archigram, a arquitetura era entendida como um pacote de peças que poderiam ser substituídas. Muitos desses ideais de arquitetura foram apresentados pela revista criada pelo próprio grupo, a Archigram, pois o movimento ficou somente no mundo das ideias sem sequer uma única edificação construída, mas com ideais que serviram de fundamentos para os mais variados projetos de arquitetura e urbanismo. 2.3.2. Metabolistas Japoneses Desenvolvida principalmente no Japão da década de 60, esse movimento teve como principal representante o arquiteto Kenzo Tange, integrante do grupo metabolista e profundamente influenciado pela arquitetura de Le Corbusier, apresentava a vontade de ressaltar as formas estruturais, deixa aparente o funcionamento do edifício em sua maioria em concreto armado, juntamente com elementos tradicionais e naturais da arquitetura e da cultura japonesa. 43 Foto 5: Baía de Tokio. Kenzo Tange, Tokio 1960 Fonte: MONTANER (2001) O campo de atuação do grupo metabolista era compreendido desde o desenho industrial até o desenho urbano, fato de grande relevância, pois o Japão nesse período produziu estudos e planejamento em escala urbana inspirados nos ideais do Archigram (MONTANER, 2001). Dentro do grupo dos metabolistas podem-se destacar arquitetos como Kenzo Tange, Kiyonori Kikutake, Kisho Kurokawa, Masato Otaka e Fumihico Maki. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 12. 2.3.3. Neo-produtivistas Baseado no desenvolvimento da alta tecnologia da construção vigente nos anos 60, surgiu o grupo defensor do neo-produtivismo, evidenciado nos EUA e na Inglaterra. O grupo foi influenciado pelos teóricos do Archigram, destacando-se o arquiteto Norman Foster e sua equipe, que tinham por preferência mudar um determinado ambiente já existente ao invés de compreendê-lo e valorizá-lo. Outros arquitetos da mesma tendência que podem ser citados são Kevin Roche e John Dinkeloo, cujo exemplo pode ser observado na foto abaixo, o edifício do College Life Insurance Co, de Indianápolis, em 1973. Foto 6: Prédio do College Life Insurance Co. – Indianápolis, - projetado em 1973 44 Fonte: MONTANER, 2001. O desenvolvimento do estilo arquitetônico é observado nos arranha-céus da cidade de Nova Iorque que utilizavam materiais construtivos mais modernos nas edificações mais rápidas, impulsionado pelo desenvolvimento acelerado das cidades, possuindo uma plasticidade desafiadora, resistente e confortável (MONTANER, 2001). O desenvolvimento do estilo é observado também na Alemanha, Espanha e na América Latina com o nome de “Arquitetura do desenvolvimento”. 2.3.4. Alta tecnologia A alta tecnologia é uma corrente da Arquitetura Pós-Moderna que encontrava no desenvolvimento tecnológico fundamentos para o desenvolvimento de uma arquitetura voltada à construção de edificações que valorizavam a utilização principalmente do aço e do vidro denominadas como mega-estruturas (MONTANER, 2001). Os arquitetos High-Tech, como eram conhecidos, desenvolviam projetos onde se destacavam a grandiosidade dos seus prédios unida à possibilidade de ampliação sem deixar de lado um caráter futurista e lúdico, característica encontrada pelo fato de nas edificações desse período toda a estrutura interna na edificação ser exposta de forma com que o prédio interagisse com seu visitante. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 13. Foto 7: Centro Georges Pompidou, Renzo Piano e Richard Rogers, Paris. Fonte: MONTANER, 2001. Essa forma de pensar arquitetura sofreu um grande golpe com a chegada da crise 45 do final da década de 70, em que se destaca uma falência do sistema tecnológico vigente unido ao alto valor que era necessário para o desenvolvimento dessa arquitetura de alta tecnologia (MONTANER, 2001). Na arquitetura de alta tecnologia destacaram-se os arquitetos Renzo Piano e Richard Rogers, com o Centro Pompidou em Paris, que marcou também a criação de uma nova tipologia arquitetônica, o Centro de Culturas. 2.3.5. Contextualismo histórico Fundamentado na ideia da aceitação da pluralidade e diversidade cultural das diferentes sociedades, o contextualismo histórico surgiu com o fim de implementar na arquitetura e no urbanismo os aspectos culturais, econômicos, tecnológicos e históricos de cada lugar, evidenciando nos projetos das edificações a face individual de cada grupo. Dentro do contextualismo histórico destacam-se as obras de Aldo Rossi, que levam para a arquitetura as tradições e ideias de grupos sociais e características históricas, respeitando a preexistência. Em seu livro, A arquitetura das cidades, lançado em 1966, Rossi analisa e comprova que o estudo tipológico é fundamental tanto no momento de análise quanto para o desenvolvimento do projeto. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 14. Foto 8: Centro Administrativo Regional em Trieste , Itália - 1974 Fonte: MONTANER, 2001. No método de projetar em arquitetura, baseado na tipologia arquitetônica como resultado da combinação de elementos arquitetônicos que possibilitam Rossi a utilizar 46 repertórios já definidos, como colunas, muralhas, janelas quadradas, torres em forma de cones ou minaretes (MONTANER, 2001). A exemplo do projeto do Centro Administrativo Regional em Trieste, projetado em 1974. 2.3.6. Arquitetura comunicativa Altamente contrários às concepções da arquitetura moderna, os seguidores da arquitetura comunicativa acreditavam que a arquitetura moderna tinha perdido a capacidade de transmitir os significados e os valores simbólicos essenciais a cada edificação. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 15. Foto 9: O grande Pato, Robert Venturi Fonte: MONTANER, 2001. Os defensores desse movimento defendem uma arquitetura simbólica, complexa e contraditória, desenvolvendo a ideia de edifício - anúncio evidenciado em sua segunda obra literária Aprendendo com Las Vegas (MONTANER, 2001). A arquitetura comunicativa teve como marca uma arquitetura epidérmica, que leva elementos externos para chamar atenção dos usuários chamando muitas vezes seus 47 projetos de edifício propaganda. Segundo (MONTANER, 2001) Quando Venturi desenvolve uma ideia de edifício propaganda está se situando nas antípodas de Adolf Loos e de seu conceito da casa como máquina despida por fora e como singular, cálida e comunicativa por dentro. Para Venturi trata-se do organismo contrário: máquina funcional e anônima por dentro e obra singular, comunicativa e pública por fora. A exemplo da casa Vanna Venturi, projetada por Venturi na Pensilvânia, em 1962. Foto 10:Casa Vanna Venturi, Robert Venturi Fonte: MONTANER, 2001. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 16. 2.3.7. A busca da identidade na arquitetura Além das diversas correntes arquitetônicas que se materializam na espacialização dos edifícios, entre as décadas de 1960 e 1970, houve também um novo olhar para as identidades locais, levando-se em consideração que o estilo internacional pregado pela arquitetura e urbanismo moderno do segundo pós-guerra, não atendia as necessidades da humanidade de forma homogênea. Assim se passou a observar o relativismo cultural e antropológico. Para MONTANER (2001), ao longo dos anos sessenta e setenta ocorreu um fenômeno novo no mundo da arquitetura e do urbanismo, pois houve o entendimento de que nem todas as sociedades podem ser compreendidas com os mesmos padrões culturais e de desenvolvimento, assumindo que a cultura ocidental não é a única existente. Autores da antropologia como Lévi-Strauss abordaram a diversidade cultural, a exemplo da obra do mesmo autor, Tristes trópicos, que dedica um capítulo à arquitetura, quando critica o modo de projetar as casa e as cidades, sem levar em consideração as condições culturais e climáticas, como ocorria em países da América Latina e do Oriente Médio. Desta forma, por um lado existia a busca pela identidade perdida, na forma da cidade e na expressão das edificações, principalmente nos países do terceiro 48 mundo, que para os críticos do movimento moderno era de fundamental importância, uma vez que as soluções dadas a cidades e a edificações dos grandes conjuntos habitacionais propostos em diversas partes do mundo haviam transformado os bairros em lugares sem identidade, com uma arquitetura considerada repetitiva. E por outro lado emergia também preocupações com os recursos naturais e as fontes de energia que necessitavam ser preservadas, pois o padrão capitalista de consumo não considerava o esgotamento desses recursos, o que levou a se pensar na sustentabilidade na arquitetura. 2.3.8. Arquitetura sustentável A partir da metade do século XX, no segundo pós-guerra, a grave crise socioambiental do planeta ficou cada vez mais evidente. Pode-se dizer que essa crise era o resultado da proposta de desenvolvimento traçada unilateralmente pelos países mais ricos, para acelerar o desenvolvimento econômico, em muitos casos sem procurar preservar os recursos naturais, nem se preocupar com o desenvolvimento social dos países mais pobres. Nos anos sessenta e setenta houve uma perda da esperança e confiança na ciência e na tecnologia e começou a emergir uma forte corrente na busca de retorno à natureza, no sentido de produzir um ambiente urbano construído mais humano e que respeitasse mais o meio ambiente. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 17. Outro fato que levou a se pensar na sustentabilidade e na necessidade da revisão do uso das fontes energéticas foi a crise do petróleo na década de 1970, que estimulou mundialmente as pesquisas energéticas de produtos e gasto de energia não fósseis que influenciou também a ampliação das pesquisas mundiais para reduzir a dependência de fontes energéticas. Nesse contexto, o mundo, em especial segmentos da comunidade acadêmica, intelectuais e governantes de diversas partes do mundo, despertou para a necessidade de preservar o meio ambiente, na perspectiva de conservar a natureza, fato que não vinha ocorrendo, pois a natureza estava sendo utiliza apenas como geradora de lucros, e formando uma sociedade voltada para o consumo. O olhar dos teóricos se voltou também para a produção da arquitetura e do urbanismo, fazendo críticas à inadequação do padrão de consumo praticado, que utilizavam tecnologias que não aproveitavam os recursos naturais. A arquitetura sustentável passou a envolver principalmente a eficiência energética na construção e manutenção da edificação, aproveitando as estruturas preexistentes, especificação de materiais utilizados, no campo do urbanismo e do planejamento territorial e passou a haver maior preocupação com a proteção da natureza. Na arquitetura contemporânea passou a ser fundamental que um projeto arquitetônico seja planejado usando as feições naturais, como exposição à luz ou o 49 aproveitamento da direção natural dos ventos. O movimento evidencia a consciência da preservação das áreas verdes no entorno da construção ou até mesmo levar essas áreas para o alto dos edifícios. Parecido com o que aconteceu no passado aos Jardins suspensos da Babilônia, essa opção ajuda a melhorar o conforto térmico do local. Os materiais ecológicos na arquitetura sustentável são aplicados para reduzir os impactos ambientais e, em alguns casos, para a redução dos custos, podendo ser citados: o adobe, tintas sem componentes voláteis tóxicos, materiais reciclados como garrafas pet, madeira certificada, ou de curto ciclo de renovação, bambu e outros materiais que levem às tecnologias limpas. Os materiais regionais também são priorizados na construção sustentável, pois reduzem o percurso de transporte e emissão de gás carbônico da queima do combustível e priorizam o desenvolvimento do comércio/indústria regional. Desta forma houve efetivamente pela primeira vez a aplicação, mesmo que de forma limitada no caso do Brasil, de energia eólica, energia solar, energia das marés e outros tipos de energias renováveis (RUANO, 1999). A arquitetura e o urbanismo sustentáveis passaram a proporcionar um novo marco referencial para as atividades humanas, redefinindo o modelo de desenvolvimento das comunidades com entornos edificados harmônicos e equilibrados, que aos poucos tendem a se converter em um conceito básico e essencial. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 18. 3. CONCLUSÃO Na evolução histórica do século XX, a fusão do pragmatismo americano e europeu característico do posicionamento de primazia na condição de potências mundiais, combinado com a onda pós-marxista e pós-estruturalista que o mundo sofreu em 1968, contribuiu sobremaneira para o surgimento das mudanças de paradigma no método de projetar em arquitetura. Figuras ilustres e referenciais circularam nos dois contextos produzindo um conjunto conceitual imprescindível ao avanço da arquitetura. Segundo David Harvey, (1993, p. 22), Os sentimentos modernistas podem ter sido solapados, desconstruídos, superados ou ultrapassados, mas há pouca certeza quanto à coerência ou ao significado dos sistemas de pensamento que possam tê-los substituído. Essa incerteza torna peculiarmente difícil avaliar, interpretar e explicar a mudança que todos concordam ter ocorrido. Segundo o mesmo autor, o pós-modernismo insere um cisma radical com o modernismo ou é apenas uma revolta no interior deste último contra certa forma de “alto modernismo” representada, digamos, na arquitetura de Mies van der Rohe (HARVEY,1993). 50 Uma nova realidade proposta buscou projetar de forma irrefutável uma realidade marcada pela combinação da alta tecnologia construtiva vigente com elementos da arquitetura de outros momentos históricos. Impossível determinar, entretanto, o fim da modernidade, pois os princípios modernos ainda permeiam a formação de alguns profissionais, e a pós- modernidade ainda é um processo em curso que vem se transformando desde o final da década de 1990. Essa breve análise não pretende esgotar um tema tão complexo e diverso, porém não pode deixar de trazer para as suas últimas considerações modificações importantes sofridas ao longo dos anos oitenta e noventa como a metodologia projectual de Peter Eisenman, as modificações da geometria que de acordo com as novas formas das edificações, para serem representadas já não podem contar apenas com os recursos da geometria euclidiana e a geometria mongena que dominaram a representação dos projetos no movimento moderno. Com a pós-modernidade, além dos historicismos revivalistas, das ideias de desconstrução surgiram também novas morfologias arquitetônicas que para serem representadas não podem mais utilizar os recursos convencionais da geometria, como já foi citado, e sim devem utilizar outras modalidades geométricas como as da geometria dos fractais, geometria topológica e geometria biônica, que só se consolidam com uso de softwares específicos de computação gráfica, para modelagens tridimensionais. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 19. Essas novas modalidades de representação fazem parte dos avanços das tecnologias herdadas da arquitetura moderna que não podem ser desprezadas pela arquitetura contemporânea. Outro aspecto importante desse momento é a preocupação e/ou responsabilidade com o meio ambiente, que foi extremamente desgastado pelo padrão de exploração excessiva que o planeta sofreu durante todo o século XX, o que gerou a ideia de uma arquitetura sustentável. Esses aspectos formam um conjunto de novas posturas arquitetônicas que no final do século XX e início do século XXI dão origem a novos paradigmas, que se distanciam dos paradigmas definidos pela racionalidade e funcionalidade da arquitetura moderna. SOBRE OS AUTORES Gabriel Mendonça Franco (gabrielmmff@gmail.com) e Renata Monteiro Fraga (renatamfraga@hotmail.com) são graduandos do 5º período do curso de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Tiradentes. O presente trabalho foi originado a partir de práticas de pesquisa documental impressa sob a orientação da professora Ana Maria de Souza Martins Farias. Ana Maria de Souza Martins Farias (anmsmfarias@yahoo.com) é professora da disciplina Teoria da Arquitetura e Urbanismo III do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Tiradentes, graduada em Arquitetura e Urbanismo, Mestre em Sociologia Urbana pela UFPB e Doutora em História Urbana pela UFPE. 51 REFERÊNCIAS BENEVOLO, Leonardo. A arquitetura no novo milênio. São Paulo: Estação Liberdade, 2007. ______. O último capítulo da arquitetura moderna. Lisboa: Presença, 1994. DEL RIO, Vicente. Introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. São Paulo: Editora PINI, 1990. DORFLES, Gillo. A arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1986. v. 3. GIEDION, Sigfried. Espaço tempo e arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 2004. GOSSEL, Peter; LEUTHAUSER, Grabraiele. Arquitetura: no século XX. Alemanha: Benedikt Taschen, 1996. GROPIUS, Walter. A nova arquitetura Bauhaus. São Paulo: Perspectiva, 1974. GYMPEL, Jan. História da Arquitetura: da antiguidade aos nossos dias. Colônia: Konemam, 2001. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010
  • 20. HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993. KOPP, Anatole. Quando o moderno não era um estilo e sim uma causa. São Paulo: Nobel,1990. MONTANER, Josep Maria. Depois do movimento moderno: arquitetura da segunda metade do século XX. Barcelona: Gustavo Gili, 2001. PORTOGHESI, Paolo. Depois da arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2002. RAJA, Raffaele. Arquitetura pós-industrial. São Paulo: Editora Perspectiva, 1993. RIBEIRO, Fabíola Macêdo. Insinuações Semióticas em Arquitetura: do Pós- Modernismo aos Blobjects. http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arquitextos.asp. Acesso: 20 abril,2010. RUANO, Miguel. Eco-urbanismo entornos humanos sostenibles: 60 proyectos. Barcelona: Gustavo Gili, 1999. SÁ, Marcos Morais. Ornamentos e modernismo. Rio de Janeiro: Racco, 2005. SANTOS, Jair Ferreira de. O que é Pós-Moderno. São Paulo: Brasiliense, 1987. 52 Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - v. 11 - n.11 - 2010