ASSEVIM – Associação Educacional do Vale do Itajaí-Mirim
INFRAESTRUTURA URBANA
Professora Jaqueline Andrade
FICHA DE LEITU...
uma malha de vias expressas. Cada vez mais solo vira estacionamento, para
acomodar um número sempre crescente de automóvei...
Muitos deles nasceram sem as devidas preocupações de como funcionariam e
se comunicariam com o restante da de cidade.
Ness...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fichamento jane jacobs carlos eduardo silva

536 visualizações

Publicada em

Fichamento da Parte 4 do livro Morte e Vida das Grandes Cidades de Jane Jacobs

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
536
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fichamento jane jacobs carlos eduardo silva

  1. 1. ASSEVIM – Associação Educacional do Vale do Itajaí-Mirim INFRAESTRUTURA URBANA Professora Jaqueline Andrade FICHA DE LEITURA – Morte e Vida de Grandes Cidades – Jane Jacobs Acadêmico: Carlos Eduardo Silva JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. 3.ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011, p. 357-499. Esse fichamento é exclusivo da parte 4, Táticas Diferes, do livro Morte e Vida de Grandes Cidades e divide-se em 6 capítulos. Ressaltasse que o livro foi lançado no ano de 1961 nos Estados Unidos. A subvenção de moradias Primeiramente deve-se esclarecer que o termo subvenção denota o subsídio do governo para as moradias da população. Assunto muito atual no Brasil hoje. Jacobs defende apenas o subsídio financeiro do governo e não a ação direta no governo da criação dessas unidades habitacionais. Deixando para a iniciativa privada a demanda de projetar e executar, sem distinção das construções não subsidiadas para evitar a segregação. Ou seja, realizar edifícios e não conjuntos habitacionais, seguindo os mesmos padrões e normas de construções do mercado. As construções dessas moradias serviriam como ferramentas de planejamento urbano. Como por exemplo, estimulando o crescimento de um bairro em detrimento de outro. Erosão das cidades ou redução dos automóveis Os automóveis ganharam força na vida das pessoas com o ideal das anticidades através do surgimento dos subúrbios que aumentou a distância do deslocamento das pessoas. Nas palavras de Jacobs (2011, p. 389), a erosão das cidades funciona como se fossem garfadas: (...)primeiro, em pequenas porções, depois uma grande garfada. Por causa do congestionamento de veículos, alarga-se uma rua aqui, outra é retificada ali, uma avenida larga é transformada em via de mão única, instalam-se sistemas de sincronização de semáforos para o trânsito fluir rápido, duplicam-se pontes quando sua capacidade se esgota, abre-se uma via expressa acolá e por fim
  2. 2. uma malha de vias expressas. Cada vez mais solo vira estacionamento, para acomodar um número sempre crescente de automóveis quando eles não estão sendo usados. Enfim, quanto mais espaço é dado aos carros, mais necessários eles serão e necessitaram de mais espaço, ficando nesse ciclo vicioso. A autora expõe que os problemas de mobilidade das cidades não devem ser atribuídos somente ao automóvel em si, mas sim no foco exclusivo nele praticado pelas cidades além do seu uso em grandes quantidades. O carro pode fazer parte do cenário das cidades, porém com o uso reduzido. Para Jacobs(2011, p.404), “a questão não é a redução de automóveis na cidade, mas a redução de automóveis pelas cidades”. Ou seja, deve-se oferecer condições mais favoráveis a outros meios de transportes em vez dos carros. Para se planejar uma área livre de automóveis, deve-se atentar à necessidade de solucionar a forma como as empresas irão receber os veículos de abastecimento de mercadorias. Ordem visual: limitações e potencialidades Nessa etapa tratasse das ações que visam o desenho eficaz das cidades. Para Jacobs (2011, p.420) “só a complexidade e a vitalidade de usos dão às regiões das cidades estrutura e forma adequadas”. Complementando, “para que haja uma ordem funcional na cidade, é necessário haver intensidade e diversidade”(JACOBS, 2011, p.423). Sendo as ruas as paisagens principais da cidade, seria interessante combinar traçados ortogonais com ruas irregulares nas regiões com a malha viária mais espaçada para tornar a região mais aprazível ao pedestre. Resultado esse que também pode se obter “quebrando” ruas retas com grandes prédios de interesse público, praças ou parques. Com esse recorte visual consegue-se uma imagem menos pragmática e mais amistosa. Mas esse controle da imagem da cidade não deve ser tão rígido por parte dos planejadores. Preferencialmente, os marcos devem surgir espontaneamente e não intencionalmente. Na falta de referências, a própria rua pode desempenhar esse papel, através dos seus elementos como árvores, revestimento de calçada, entre outros. Projetos de revitalização As revitalizações servem para corrigir erros do passado, principalmente aqueles que tangem os conjuntos habitacionais.
  3. 3. Muitos deles nasceram sem as devidas preocupações de como funcionariam e se comunicariam com o restante da de cidade. Nesse intuito, Jacobs sita três sugestões de intervenções pertinentes: reforma e reintegração do local à cidade, promover a segurança dentro dos edifícios e extinguir o limite de renda máxima dos seus moradores. Unidades territoriais de gestão e planejamento Incialmente, a autora aborda um tema recorrente do planejamento das cidades. Elas estão afundadas em burocracias, falhas administrativas e falta de coordenação dos setores envolvidos. Em sua visão, grande parte dessa problemática parte do tamanho das cidades, propondo dessa forma que essas deveriam ser dividas em distritos administrativos. Citando o exemplo de Nova York que no ano de 1947 foi mapeada de acordo com unidades administrativas viáveis, baseado em distritos urbanos empíricos. Sendo que até a década de 60 era o mapeamento mais compreensível e lógico da cidade. No intuito de tentar criar uma metodologia para a criação dos distritos administrativos, Jacobs expõem que seus tamanhos não devem extrapolar o tamanho de 5,7 quilômetros e englobar uma população entre 50 mil a 200 mil pessoas. O tipo de problema que é a cidade A autora passa grande parte desse capítulo, conjecturando a metodologia ideal para a análise das cidades por parte dos planejadores urbanos. Chegando a conclusão que a forma mais praticada que é a comparação entre duas variáveis não alcança resultados úteis. Ponto de bastante interesse foi a revelação de que a admiração do homem pela natureza é a causa da destruição da mesma. As pessoas são atraídas a viverem em proximidade com as áreas de natureza abundante e com a posterior ocupação em massa ocasiona os problemas de desmatamento, poluição e etc.

×