História da Arte: Pintura mural

898 visualizações

Publicada em

História da Arte: Pintura mural

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
898
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Arte: Pintura mural

  1. 1. Pintura (superfícies) Pintura é a atividade artística que consiste na aplicação de pigmentos coloridos em um plano bidimensional, geralmente em uma superfície previamente preparada para tal uso. A superfície de aplicação dos pigmentos também pode variar, desde murais e paredes até as telas próprias para pintura. A pintura pode ser vinculada tanto à produção de imagens decorativas quanto imagens de reapresentação, seja esta figurativa ou abstrata.
  2. 2. A pintura mural constitui pois, uma das primeiras formas de expressão artística do homem, já nas cavernas observamos desenhos e pinturas rupestres, a pintura mural tem raízes no instinto primitivo dos povos de decorar seu ambiente e de usar as superfícies das paredes para expressar idéias, emoções e crenças.
  3. 3. Uma das primeiras formas que o ser humano encontrou para deixar seus vestígios foi a pintura. A arte rupestre consistiu na maneira utilizada para se ilustrar sonhos e cenas do cotidiano. Símbolos da vida, da morte, de céu e da terra foram encontrados nas paredes das cavernas.
  4. 4. Pintura Rupestre é um tipo de arte feita pelos homens pré-históricos nas paredes das cavernas. Como os homens desta época não tinham um sistema de escrita desenvolvido, utilizam os desenhos como uma forma de comunicação. Retratavam nestas pinturas cenas do cotidiano como, por exemplo, a caça, animais, descobertas, plantas, rituais etc. Toca do Morcego – Serra da Capivara - PI Toca do Salitre - Serra da Capivara - PI
  5. 5. Aqui no Brasil existem vários exemplos deste tipo de arte no estado do Piauí, no sítio arqueológico do Parque Nacional da Serra da Capivara, localizado no município de São Raimundo Nonato. Toca do Boqueirão da Pedra Furada Serra da Capivara - PI Xique-xique IV Seridó - RN
  6. 6. Figuras de animais, GO Lapa do Rezar, em Januária/MG Monte Alegre - Paraíba Pintura rupestre do parque nacional da Serra da Capivara, no Piauí. Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí.
  7. 7. Entre os egípcios os murais eram empregados para decorar palácios e monumentos funerários. A pintura Egípcia se destaca em procurar refletir os movimentos dos corpos e por apresentar preocupação com a delicadeza das formas. A decoração colorida era um poderoso elemento de complementação das atitudes religiosas.
  8. 8. Suas características gerais são: * ausência de profundidade; * colorido com tinta chapada, sem claro-escuro e sem indicação do relevo; e * Lei da Frontalidade que determinava que o tronco da pessoa fosse representado sempre de frente, enquanto sua cabeça, suas pernas e seus pés eram vistos de perfil.
  9. 9. O tamanho das pessoas e objetos não caracterizavam necessariamente a distância um do outro e sim a importância do objeto, o poder e o nível social. O Faraó representava os homens junto aos deuses e os deuses junto aos homens, assim como era responsável pelo bem-estar do povo, sendo considerado também como um próprio Deus.
  10. 10. A maior parte das pinturas romanas que conhecemos hoje provém das cidades de Pompéia e Herculano, que foram soterradas pela erupção do Vesúvio em 79 a.C. Os estudiosos da pintura existente em Pompéia classificam a decoração das paredes internas dos edifícios em quatro estilos:
  11. 11. Primeiro estilo: recobrir as paredes de uma sala com uma camada de gesso pintado; que dava impressão de placas de mármore. Segundo estilo: os artistas começaram então a pintar painéis que criavam a ilusão de janelas abertas por onde eram vistas paisagens com animais, aves e pessoas, formando um grande mural. Terceiro estilo: representações fiéis da realidade e valorizou a delicadeza dos pequenos detalhes. Quarto estilo: um painel de fundo vermelho, tendo ao centro uma pintura, geralmente cópia de obra grega, imitando um cenário teatral.
  12. 12. A nitidez da cor e a precisão do traçado dos perfis caracterizou a pintura mural da Idade Média e, em especial, a das construções românicas, nas quais costumavam receber afrescos as abóbadas e os painéis laterais das igrejas, com figuras religiosas. No século XIII, os trabalhos de Gioto deram extraordinário impulso à pintura mural e, a partir de então, surgiram grandes mestres dessa técnica. Cenas da vida de Cristo Lamentação, Giotto - afresco, 200 x 185 cm, Cappela Scrovegni, Pádua.
  13. 13. No Renascimento, foram criadas algumas obras-primas do muralismo, como os afrescos da capela Sistina, por Michelangelo, e a “Última ceia”, de Leonardo da Vinci.
  14. 14. Principais características: perspectiva, uso do claro-escuro (para reforçar a sugestão de volume dos corpos), realismo (mundo é pensado como uma realidade a ser compreendida cientificamente, e não apenas admirada), inicia-se o uso da tela e da tinta à óleo, pintura e escultura que antes eram detalhes de obras arquitetônicas, tornam-se independentes, surgimento de artistas com um estilo pessoal, diferente dos demais, já que o período é marcado pelo ideal de liberdade e, conseqüentemente, pelo individualismo.
  15. 15. Capela Sistina (Vaticano) Michelangelo Detalhe – Expulsão de Adão e Eva do paraíso
  16. 16. Com o interesse progressivo por tapeçarias e vitrais para uso na decoração de interiores, a pintura mural entrou em decadência no Ocidente. Depois dos murais pintados por Rubens, Tiepolo e Delacroix, houve poucas obras importantes após o Renascimento. No século XX, no entanto, a pintura mural ressurgiu, com todo vigor. O muralismo ressurgia com um gênero mais expressionista e abstrato a partir de grupos cubistas e fauvistas, em Paris, e se manifestou nos trabalhos de Picasso, Matisse, Léger, Miró e Chagall; Janela - Matisse
  17. 17. Guernica (350 x 782 cm) Pablo Picasso
  18. 18. Wall of the Sun (Parede do sol) – 1500 x 220 cm – Miró Wall of the Moon (Parede da lua) – 750x220cm – Miró Murais produzidos por Miró para a sede da UNESCO
  19. 19. A pintura mural, ressurgiu nas primeiras décadas do século XX no México, coincidente com um movimento revolucionário. Um dos principais artistas deste movimento foi Diego Rivera, que tivera contato direto com uma vanguarda artística européia e se impressionara profundamente com os afrescos renascentistas italianos. A temática da maioria dos murais era relacionada com a situação política do México. Os revolucionários (1957-65) David Siqueiros Sonho de uma tarde de domingo no parque central – Diego Rivera, afresco, (1947-8) O banquete dos ricos, enquanto os trabalhadores lutam – Orozco, afresco, (1923)
  20. 20. Siqueiros e Rivera, juntos com José Clemente Orozco, dominaram a pintura muralista mexicana. Orozco era o mais manifestamente expressionista dos três e entre seus temas figuram a conquista e a evangelização do país. A obra de Rivera, o mais conhecido internacionalmente, tem como tema mais freqüentes o indigenismo, a industrialização e a história do México. Siqueiros, o mais revolucionário e inconformista, imprimiu a sua obra uma exaltação da liberdade e um sentido anti-capitalista. Mural de Diego Rivera
  21. 21. O graffiti é uma forma de arte contemporânea de características essencialmente urbanas. São pinturas e desenhos feitos nos muros e paredes públicos. Não é simplesmente uma pichação, mas uma expressão artística. Tem a intenção de interferir na paisagem da cidade, transmitindo diferentes idéias. Não se trata, portanto, de poluição visual. Nas Artes Visuais, a palavra grafite, ou graffito (em italiano), significa marca ou inscrição feita em um muro, e é o nome dado às inscrições feitas em paredes desde o Império Romano. Grafismo, por sua vez, é a maneira de traçar linhas e curvas sob um ponto de vista estético.
  22. 22. No período contemporâneo, as primeiras manifestações dessa forma de arte surgiram em Paris, durante a chamada revolução cultural, em maio de 1968. A estética do grafite é bastante associada ao hip-hop, uma forma de expressão artística que também surgiu nas ruas.
  23. 23. Nos Estados Unidos, um importante artista grafiteiro foi Jean-Michel Basquiat (1960- 1988). Original de uma família haitiana, Basquiat buscou, para sua arte, raízes na experiência da exclusão social, no universo dos migrantes e no repertório cultural dos afro-americanos. Ao longo da década de 1970, seus "textos pintados" tomam os muros de Nova York, principalmente nos bairros que eram redutos de intelectuais e artistas, tornando Basquiat conhecido. Graffiti de Basquiat
  24. 24. Graffiti de Basquiat
  25. 25. O grafite foi introduzido no Brasil no final da década de 1970, em São Paulo. Os brasileiros por sua vez não se contentaram com o grafite norte- americano, então começaram a incrementar a arte com um toque brasileiro, o estilo do grafite brasileiro é reconhecido entre os melhores de todo o mundo. Muitas polêmicas giram em torno desse movimento artístico, pois de um lado o grafite é desempenhado com qualidade artística, e do outro não passa de poluição visual e vandalismo. A pichação ou vandalismo é caracterizado pelo ato de escrever em muros, edifícios, monumentos e vias públicas.
  26. 26. Alex Vallauri (1949-1987) é considerado um dos precursores do grafite no Brasil. Etíope, chegou a São Paulo em 1965. Estudou gravura e formou-se em Comunicação Visual pela FAAP. Em 1978, passou a fazer grafites em espaços públicos da cidade. Produziu silhuetas de figuras, utilizando tinta spray sobre moldes de papelão. Em sua produção destaca-se a série A Rainha do Frango Assado Uma das reproduções da série A Rainha do Frango Assado – Alex Vallauri
  27. 27. Outros Grafiteiros Ficou anonimamente famoso com a sua streetart, com os seus graffiti inicialmente pintados em Bristol na Inglaterra, mas depois em várias outras cidades do mundo. Sua técnica é a do estêncil (molde vazado) que ele prepara cuidadosamente em casa e na rua basta o tempo para fixá-los e utilizar o spray.
  28. 28. Gêmeos idênticos, Gustavo e Otávio começaram sua trajetória na street art em meados dos anos 1980, retratando as culturas regionais do Brasil nos muros de São Paulo. O trabalho da dupla está ligado a sua vivência na cidade e mescla elementos do folclore nacional com outros ligados ao desenvolvimento da arte nascida nas ruas.
  29. 29. • Os materiais utilizados pelos grafiteiros vão desde tradicionais latas de spray até o látex. • Principais termos e gírias utilizadas nessa arte; • Grafiteiro/writter: o artista que pinta. • Bite: imitar o estilo de outro grafiteiro. • Crew: é um conjunto de grafiteiros que se reúnem para pintar juntos. • Tag: é assinatura de grafiteiro. • Toy: é o grafiteiro iniciante. • Spot: lugar onde é praticada a arte do graffiti. Luminárias inspiradas no Graffiti
  30. 30. Links com moldes para imprimir: www.spraypaintstencils.com www.momentodaarte.com.br/cursos/dicas www.fazfacil.com.br/artesanato/estencil.html Estêncil (do inglês stencil), chamado também de Molde Vazado, é um desenho ou ilustração que representa um número, letra, símbolo tipográfico ou qualquer outra forma ou imagem, figurativa ou abstrata, que possa ser delineada por corte ou perfuração em papel, papelão, plástico, radiografia, metal ou em outros materiais. Podem ser aplicados nas mais variadas superfícies, como tecidos, móveis, paredes, vasos, objetos de madeira, gesso, cerâmica etc.

×