Riscos e catástrofes

3.978 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.978
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
70
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Riscos e catástrofes

  1. 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA - FUNDÃO Departamento de Ciências Sociais e Humanas Área Curricular Disciplinar: Geografia 8º Ano 2010/2011
  2. 2. Catástrofes Naturais - fenómenos naturais - provocam elevada destruição material vida (seres vivos) - podem alterar a superfície da Terra Estão associadas:  Alterações climáticas  Dinâmica interna da Terra  Condições atmosféricas/meteorológicas
  3. 3. CATÁSTROFES NATURAIS Origens/Causas As dimensões das catástrofes dependem: • da intensidade dos fenómenos • da preparação do Homem para as enfrentar Dinâmica interna da Terra Condições meteorológicas Não actuam de forma contínua e uniforme. Têm picos de actividade com grande impacto na superfície da Terra e nas actividades do Homem. São muito frequentes à superfície da Terra. As dimensões das catástrofes são muito variáveis.
  4. 4. Dinâmica interna da Terra - Erupções vulcânicas - Sismos - Tsunamis (maremotos) Condições meteorológicas  de curta duração  de longa duração - Tornado/ Tromba de Água - Cheias/Inundações - Furacão/Ciclone/Tufão - Avalanches- Movimentos de Vertente Desabamentos/Derrocadas /Desmoronamentos/ Deslizamentos de Terra/Avalanchas - Vaga de Frio - Vaga de calor - Seca Dependem da dinâmica da Terra e condições meteorológicas
  5. 5. Dinâmica interna da Terra Vulcões: fendas na superfície terrestre por onde se libertam gases, cinzas e lava. - Erupções vulcânicas Sinais de Alerta/previsão: - Libertação de fumo - Abertura de pequenas fendas nas vertentes - Comportamento de alguns animais
  6. 6. Dinâmica interna da Terra - Sismos Movimentos da crosta terrestre, rápidos e mais ou menos intensos. Sinais de alerta/previsão: - Abalos promontórios - Comportamento dos animais -Variação do nível da água nos poços
  7. 7. Dinâmica interna da Terra - Tsunamis (maremotos) Sismo com epicentro submarino provocando frequentemente ondas gigantes. Como se forma a onda mortal 1. A ruptura causada pelo tremor no leito do mar empurra a água para cima, dando início à onda. 2. A onda gigante move-se nas profundezas do oceano a velocidade altíssima. 3. Ao se aproximar da terra, a onda perde velocidade, mas fica mais alta. 4. Então a onda avança por terra, destruindo tudo o que se encontra seu caminho.
  8. 8. Condições meteorológicas (de curta duração) - Tornado/Tromba de Água Coluna de vento (água) que gira rapidamente sobre si própria.
  9. 9. É um fenómeno meteorológico. Caracteriza-se por um turbilhão violento de ar que gira sobre si mesmo e que se estende desde as nuvens até à superfície terrestre. Origem: Junção de uma massa de ar quente com uma massa de ar frio e uma corrente ascendente
  10. 10. Grau de destruição muito elevado - danificação ou desmoronamento de edifícios e muros - projecção de objectos (viaturas e coberturas) - ameaça significativa para as vidas humanas
  11. 11. Grau  Designaçã o  Velocidad e do vento (km/h)  Tipo de danos    F0     Fraco        64-117     Danos em antenas e chaminés. Raízes de árvores abaladas,  ramos  partidos  e  derrube  das  mais  expostas.  Danos  nas  sinalizações públicas.     F1     Moderado     118-180     Vidros de janelas partidos; desprendimento ou descasque da  superfície  de  coberturas.  Casas  pré-fabricadas  arrancadas  das fundações ou tombadas; anexos podem ser destruídos.  Árvores  arrancadas  pela  raiz  ou  partidas.  Veículos  deslocados para fora da rota.     F2        Significativ o     181-253     Telhados projectados; casas de madeira ou pré-fabricadas e  anexos  destruídos.  Árvores  de  grande  porte  rachadas  ou  arrancadas  pela  raiz.  Objectos  pequenos  actuam  como  projécteis.     F3     Severo     254-332     Colapso de telhados e paredes de casas de boa construção;  construções  com  estruturas  metálicas  arrancadas  do  solo.  Comboios saem dos carris. Grande parte das árvores mais  expostas ao vento arrancadas do solo e projectadas.     F4        Devastado r     333-418     Colapso  de  casas  de  boa  construção;  estruturas  com  fundações  fracas  projectadas  a  alguma  distância.  Veículos  arrastados. Objectos grandes actuam como projécteis.     F5     Incrível     419-512     Casas  com  estruturas  sólidas  arrancadas  das  fundações  e  transportadas  para  distâncias  consideráveis.  Objectos  do  tamanho  de  um  automóvel  projectados  a  distâncias  superiores a 100 metros. Estruturas de betão reforçado com  aço fortemente danificadas.     F6        Inconcebív el     513-610     Se acontecer, os seus efeitos não são muito diferentes dos  associados a  F4  e F5 mas aplicados a novos materiais de  construção.  Atingem sobretudo as regiões temperadas
  12. 12. Condições meteorológicas (de curta duração) - Cheias/Inundações Provocadas por: precipitações moderadas e permanentes ou por precipitações repentinas e de elevada intensidade. Faz aumentar o caudal dos cursos de água, originando o extravase do leito normal e a inundação das margens Excesso de precipitação em relação às quantidades habituais
  13. 13. Riscos de cheia são agravados por acções do Homem: - Destruição do coberto vegetal - Assoreamento dos rios - Ocupação das margens dos rios/ Construção em leito de cheia/ Impermeabilização do solo - Descargas de barragens - Regularização dos rios
  14. 14. Prejuízos resultantes das cheias são frequentemente Avultados: perda de vidas humanas e bens.
  15. 15. A prevenção das cheias é de extrema importância. Quanto tempo dura uma Cheia? Depende das características da bacia hidrográfica do rio. Bacias de pequenas dimensões: as cheias formam-se rapidamente, por vezes (em escassas horas) Bacias de grandes dimensões: demora mais tempo a instalar-se, permitindo um aviso mais atempado às populações. Demoram também mais tempo a desaparecer, podendo demorar mesmo vários dias.
  16. 16. Podemos prever uma Cheia? - observações meteorológicas  Avisar atempadamente as populações através dos meios de comunicação social (jornais, rádio, televisão), ou de comunicados no site do SNPC, e recomendar medidas de auto - protecção adequadas. - conhecimento das descargas das barragens Prevenção: - Regularização do caudal dos rios - Preservação do coberto vegetal - Não construir em leito de cheia - Não construir em áreas baixas - Limpeza regular das sarjetas e colectores de água - Limpeza das vias de comunicação e canais de escoamento
  17. 17. Condições meteorológicas (de curta duração) - Furacão/Ciclone/Tufão Enormes sistemas de baixas pressões em que o ar ascende violentamente e em espiral, em torno de um centro mais calmo. Formam-se: Sobre os oceanos (latitude 8°-15° N e Sul) Onde a temperatura da água do mar é elevada (27°)
  18. 18. Previsão: Meteorológica
  19. 19. - Movimentos de vertente Condições meteorológicas - Avalanchas - Desabamentos/Derrocadas/Desmoronamentos/ Deslizamentos de Terra São frequentes: Grau de destruição: regiões de montanha e regiões húmidas relacionado com a inclinação das vertentes
  20. 20. Associados a: - Fenómenos atmosféricos (precipitação intensa) - Erosão (devido à destruição da vegetação) - Força da gravidade (os corpos têm tendência a descer pelas vertentes) Movimentos de vertente - Construções e escavações (edifícios/estradas/…) - Actividade sísmica - Actividade vulcânica
  21. 21. Condições meteorológicas (de curta duração) - Desabamentos/Derrocadas/Desmoronamentos/Deslizamentos de Terra
  22. 22. Previsão: meteorológica (previsão de precipitação intensa) Prevenção: - Não destruir a vegetação das vertentes - Não construir em declives acentuados - Evitar a prática de ski em áreas instáveis - Retenção de encostas para evitar deslizamentos de terra
  23. 23. Condições meteorológicas (de curta duração) - Avalanches Deslizamento de gelo ou neve instável numa vertente.
  24. 24. Condições meteorológicas (de longa duração) - Vaga de Frio Sucessão de dias com valores de temperatura muito baixos. As vagas de frio podem estar associadas a outros fenómenos meteorológicos, como: - queda de neve - ventos fortes - formação de gelo
  25. 25. Consequências: Previsão: meteorológica Maior mortalidade humana
  26. 26. Condições meteorológicas (de longa duração) - Vaga de calor Sucessão de dias com temperaturas muito mais elevadas do que o habitual e humidade relativa baixa. Consequências: Saúde humana (devido ao aumento da poluição) Previsão: meteorológica Fogos florestais
  27. 27. Condições meteorológicas (de longa duração) - Seca Sempre que ocorre carência de água. Origem: - valores de precipitação anormalmente baixos, durante um período mais ou menos longo Pode prolongar-se durante anos.
  28. 28. Consequências da seca: - Destruição de culturas - Morte de animais - Escassez de alimentos/Fome - Incêndios - Erosão/desertificação - Desenvolvimento de pragas de insectos - Degradação da água (devido à concentração de poluentes
  29. 29. Previsão de uma seca A previsão de secas é essencialmente climatológica. Os recursos hídricos fornecem dados importantes.
  30. 30. MEDIDA + IMPORTANTE PARA MINIMIZAR OS EFEITOS DAS SECAS - alteração do comportamento individual de cada pessoa no que respeita ao consumo de água antes e durante a evolução de uma seca Prevenção dos efeitos das secas
  31. 31. Previsão/Prevenção/Protecção

×