SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Métodos de pesquisa para internet
FRAGOSO et al.
Construção de amostras
Raquel S. Gomes
Seminário de Pesquisa em L. A.
AMOSTRA OU CORPUS
Avançar ou aprimorar o
conhecimento sobre o mundo que
nos cerca.
PESQUISA
EMPÍRICA
Parte ou subconjunto da realidade
escolhido para ser o foco da atenção do
pesquisador.
O caráter analítico da pesquisa empírica e sua
subdivisão artificial da realidade podem levar ao
Empiricismo / Cartesianismo e a uma pressuposição
ingênua da objetividade e neutralidade da ciência.
Pesquisa sobre internet → FALÁCIA: ao especificar
a internet como universo de observação
implicitamente damos abrigo à ideia de ruptura
entre o mundo “dentro” da rede e “fora” dela.
Campo de investigação difícil de recortar
Escala Heterogeneidade Dinamismo
@ nos últimos 10 anos o n. de computadores conectados à
internet cresceu mais de dez vezes;
@ estima-se que quase 2 milhões de pessoas acessem à
rede;
@ há dez anos o n. de páginas indexáveis era de 800
milhões, hoje, em torno de 21 bilhões;
@ Facebook - 2004: 1 milhão de membros, 2010: 400
milhões.
Recorte de
amostras na
internet
Imensidão
Autossimilaridade
Tais questões colocam em cheque estratégias de
seleção de amostras consolidadas tanto na
pesquisa quantitativa como na qualitativa.
As particularidades temáticas de cada investigação,
os desdobramentos das matrizes teóricas adotadas,
os objetivos e as condições de elaboração da
pesquisa precisam ser levados em conta no processo
de construção da amostra, sob pena de não
comprometer a viabilidade do processo e a validade
dos resultados.
1. Amostragens e exemplos nos primeiros anos
da pesquisa na internet
@ atenção às novidades e às rupturas com as tecnologias
de comunicação anteriores;
@ oposição entre “real” e “virtual”;
@ elogio de um suposto poder libertário do “ciberespaço”;
@ destaque de casos extremos;
@ amostras de baixa diversidade, cujo potencial de
generalização é muito limitado;
@ amostras intencionais.
Primeira fase de pesquisas na internet:
Independente do tipo de amostra com que estejam
trabalhando, todos os pesquisadores têm
obrigação de explicitar seus processos de seleção
e recorte.
Não se pode generalizar a partir de uma amostra
intencional ou de casos particulares.
Erro comum,
que ocorreu
com frequência
devido a:
Observação limitada
Ausência de corpo
substancial de pesquisa
Oposição ideológica
entre comunidade local
e cidadão virtual
Por outro lado...
O trabalho com amostras intencionais e casos
extremos é importante nas novas áreas de
conhecimento e nas pesquisas cujos objetos têm
origem recente, porque esse tipo de amostragem é
adequado para registrar a existência de situações ou
elementos até então desconhecidos.
É necessária a descrição sistemática da amostra pelo
registro de suas características. Descrições
incompletas prestam-se melhor a textos persuasivos.
Predominância desse tipo de texto devido à euforia e
à assunção de que apenas o que acontecia na internet
era relevante para compreender a internet.
DESCOLAMENTO DO REAL
2. Amostragens quantitativas na internet
Amostra
representativa:
Tamanho não pode ser definido de
antemão, pois é consequência das
características dos métodos de
seleção e recorte utilizados e do
grau de generalização pretendido.
Amostra grande: pode
resultar em
redundância ou
desperdício de
recursos.
Amostra pequena: pode
não conseguir abranger
a variedade de casos
relevantes.
O problema reside em determinar o tamanho da
amostra de tal forma que ofereça confiabilidade
suficiente para os objetivos da investigação e não
suponha um aumento desnecessário dos custos e
tempo de realização.
Desvio-padrão Intervalo de confiança
Devido às dimensões, ao dinamismo e à
heterogeneidade da internet, a representatividade
estatística só costuma ser possível com amostras
muito grandes, de larga escala.
É fundamental interpretar os indicadores levando
em conta seus entrecruzamentos:
DADOS COMPLEXOS
3. Amostragens qualitativas na internet
DETALHES SINGULARIDADES APROFUNDAMENTO
Na internet →
O imperativo e os benefícios da
combinação de procedimentos
quantitativos e qualitativos já foram
destacados por diversos autores
(Sudweeks e Simoff, 1999; Hine, 2005;
Thelwall, 2009; Fragoso, 2009).
A pesquisa qualitativa visa uma compreensão
aprofundada e holística dos fenômenos em
estudo e, para tanto, os contextualiza e reconhece
seu caráter dinâmico, notadamente na pesquisa
social.
↵
As amostras qualitativas são tipicamente intencionais:
Pesquisas qualitativas adotam um movimento
iterativo de ida e vinda entre a coleta de dados e a
análise.
A escolha das estratégias de construção de amostras
decorre:
@ do problema de pesquisa;
@ das características do universo observado;
@ da vinculação teórica do pesquisador;
@ do tempo e dos recursos disponíveis para a pesquisa.
As estratégias podem se alterar
Muitas vezes um novo critério de recorte,
estabelecido com a intenção de reduzir o tamanho de
uma amostra, resulta na abertura de uma outra gama
de casos, retornando o tamanho da amostra à
grandeza anterior.
ORKUT
Representações de lugares
geográficos na internet
@ universo de pesquisa bastante reduzido;
@ parcela específica da web;
@ fração bem definida da internet.
“Brasileiro”
“Gaúcho”
“Carioca”
}
• Mais de 1000 resultados;
• Eu amo ser brasileiro(a) !!!:
204.490 usuários;
• EU ME ORGULHO DE SER
GAÚCHO: 85.292 usuários.
Seleção dos agrupamentos de comunidades mais
populosas, cujos limites foram identificados quando
se verificava queda abrupta do número de membros
entre uma comunidade e a seguinte.
Necessidade de redução:
247 comunidades → amostra bruta
53 comunidades → amostra afinada
@ sucessivos movimentos de recorte;
@ amostra representativa;
@ intencionalmente dirigida.
homogeneidade não autoriza a generalização
4. Considerações finais
Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários
Probabilísticas
ou estatísticas
Amostras
quantitativas,
que pretendem
ser modelos
reduzidos do
universo de
pesquisa.
Aleatórias
simples
A seleção visa que
cada elemento do
universo de
pesquisa tenha
tanta chance de
ser escolhido
quanto qualquer
outro.
Em amostras
pequenas, a
seleção aleatória
simples pode
causar grandes
distorções.
Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários
Aleatórias
sistemáticas
A seleção aleatória
é direcionada por
conhecimentos
sobre a proporção
da ocorrência de
cada tipo de
elemento no
universo da
pesquisa.
Estratificadas
A seleção é
realizada com base
em uma lista e
conforme
intervalos
(geralmente
numéricos)
previamente
definidos.
Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários
Intencionais
Amostras
qualitativas,
cujos elementos
são selecionados
conforme
critérios que
derivam do
problema de
pesquisa, das
características do
universo
observado e das
condições e
métodos de
observação e
análise.
Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários
Casos
extremos
A seleção é dirigida
aos casos que se
destacam dos
demais por
excesso ou falta de
peculiaridades
relevantes para o
problema de
pesquisa.
A observação
dos extremos
ajuda a perceber
características
que passariam
despercebidas
em elementos
mais próximos
ao padrão médio
do universo de
pesquisa.
Por
intensidade
Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários
Por intensidade
Máxima
heterogeneidade
Máxima
homogeneidade
Casos típicos
Em bola de neve
Por critério
Teórico ou
conceitual
Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários
Comprobatória
Contraditória
Emergente
Por conveniência
Em bola de neve
Probabilísticas
ou intencionais
Multiescalar ou
estratificada
Agregada ou por
conglomerados
(clusters)
O B R I G A D A!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Métodos de pesquisa para internet

A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...
A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...
A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...Kadu Fernandiz
 
Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...
Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...
Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...Leticia Strehl
 
Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...
Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...
Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...Matheus Albergaria
 
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para PlanejamentoMétodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para PlanejamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Metodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de Interação
Metodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de InteraçãoMetodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de Interação
Metodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de InteraçãoVanessa Souza Pereira
 
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informaçãoEstudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informaçãoRonaldo Araújo
 
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades onlineNetnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades onlinePaperCliQ Comunicação
 
Contato: estrutura e dinâmica de redes sociais
Contato: estrutura e dinâmica de redes sociaisContato: estrutura e dinâmica de redes sociais
Contato: estrutura e dinâmica de redes sociaisTazio Vanni
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de Amostras
Estatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de AmostrasEstatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de Amostras
Estatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de AmostrasMarcus Araújo
 
Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)
Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)
Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)Luiz Agner
 
Joana peixoto internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...
Joana peixoto   internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...Joana peixoto   internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...
Joana peixoto internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...Lívia Neiva
 
Drogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexa
Drogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexaDrogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexa
Drogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexaIpub Ufrj
 
Palestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e UsabilidadePalestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e UsabilidadeLuiz Agner
 

Semelhante a Métodos de pesquisa para internet (20)

A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...
A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...
A Análise de Conteúdo em Plataformas de Interação Online: Aplicação Comparati...
 
Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...
Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...
Do Lume ao Super 8: a contribuição das bibliotecas para a cultura e a infraes...
 
Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...
Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...
Quem você conhece? Uma análise exploratória de redes sociais a partir de dado...
 
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para PlanejamentoMétodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
Métodos e Técnicas de Análise da Informação para Planejamento
 
TCC Vanessa Souza Pereira
TCC Vanessa Souza PereiraTCC Vanessa Souza Pereira
TCC Vanessa Souza Pereira
 
Web analitics gomez_castro_versão_web
Web analitics gomez_castro_versão_webWeb analitics gomez_castro_versão_web
Web analitics gomez_castro_versão_web
 
Metodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de Interação
Metodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de InteraçãoMetodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de Interação
Metodologias de Pesquisa para Espaços Virtuais de Interação
 
Seminário Sociologia na era do Big Data
Seminário Sociologia na era do Big DataSeminário Sociologia na era do Big Data
Seminário Sociologia na era do Big Data
 
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informaçãoEstudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Estado da arte da Altmetria
Estado da arte da AltmetriaEstado da arte da Altmetria
Estado da arte da Altmetria
 
Aula mestrado
Aula mestradoAula mestrado
Aula mestrado
 
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades onlineNetnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
Netnografia - antropologia aplicada no estudo de comunidades online
 
Contato: estrutura e dinâmica de redes sociais
Contato: estrutura e dinâmica de redes sociaisContato: estrutura e dinâmica de redes sociais
Contato: estrutura e dinâmica de redes sociais
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de Amostras
Estatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de AmostrasEstatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de Amostras
Estatística Aplicada à Administração - Aula 10: Principais Tipos de Amostras
 
Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)
Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)
Defesa de Tese - Luiz Agner (PUC-Rio, 2007)
 
Joana peixoto internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...
Joana peixoto   internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...Joana peixoto   internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...
Joana peixoto internet e conhecimento - workshop ensino médio e mídias agos...
 
Drogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexa
Drogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexaDrogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexa
Drogas: métodos e achados preliminares de uma questão complexa
 
Palestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e UsabilidadePalestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
Palestra - Arquitetura de Informação e Usabilidade
 
2a edicao polyteck_online
2a edicao polyteck_online2a edicao polyteck_online
2a edicao polyteck_online
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Último

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 

Último (20)

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 

Métodos de pesquisa para internet

  • 1. Métodos de pesquisa para internet FRAGOSO et al. Construção de amostras Raquel S. Gomes Seminário de Pesquisa em L. A.
  • 2. AMOSTRA OU CORPUS Avançar ou aprimorar o conhecimento sobre o mundo que nos cerca. PESQUISA EMPÍRICA Parte ou subconjunto da realidade escolhido para ser o foco da atenção do pesquisador. O caráter analítico da pesquisa empírica e sua subdivisão artificial da realidade podem levar ao Empiricismo / Cartesianismo e a uma pressuposição ingênua da objetividade e neutralidade da ciência.
  • 3. Pesquisa sobre internet → FALÁCIA: ao especificar a internet como universo de observação implicitamente damos abrigo à ideia de ruptura entre o mundo “dentro” da rede e “fora” dela. Campo de investigação difícil de recortar Escala Heterogeneidade Dinamismo @ nos últimos 10 anos o n. de computadores conectados à internet cresceu mais de dez vezes; @ estima-se que quase 2 milhões de pessoas acessem à rede; @ há dez anos o n. de páginas indexáveis era de 800 milhões, hoje, em torno de 21 bilhões; @ Facebook - 2004: 1 milhão de membros, 2010: 400 milhões.
  • 4. Recorte de amostras na internet Imensidão Autossimilaridade Tais questões colocam em cheque estratégias de seleção de amostras consolidadas tanto na pesquisa quantitativa como na qualitativa. As particularidades temáticas de cada investigação, os desdobramentos das matrizes teóricas adotadas, os objetivos e as condições de elaboração da pesquisa precisam ser levados em conta no processo de construção da amostra, sob pena de não comprometer a viabilidade do processo e a validade dos resultados.
  • 5. 1. Amostragens e exemplos nos primeiros anos da pesquisa na internet @ atenção às novidades e às rupturas com as tecnologias de comunicação anteriores; @ oposição entre “real” e “virtual”; @ elogio de um suposto poder libertário do “ciberespaço”; @ destaque de casos extremos; @ amostras de baixa diversidade, cujo potencial de generalização é muito limitado; @ amostras intencionais. Primeira fase de pesquisas na internet:
  • 6. Independente do tipo de amostra com que estejam trabalhando, todos os pesquisadores têm obrigação de explicitar seus processos de seleção e recorte. Não se pode generalizar a partir de uma amostra intencional ou de casos particulares. Erro comum, que ocorreu com frequência devido a: Observação limitada Ausência de corpo substancial de pesquisa Oposição ideológica entre comunidade local e cidadão virtual
  • 7. Por outro lado... O trabalho com amostras intencionais e casos extremos é importante nas novas áreas de conhecimento e nas pesquisas cujos objetos têm origem recente, porque esse tipo de amostragem é adequado para registrar a existência de situações ou elementos até então desconhecidos. É necessária a descrição sistemática da amostra pelo registro de suas características. Descrições incompletas prestam-se melhor a textos persuasivos. Predominância desse tipo de texto devido à euforia e à assunção de que apenas o que acontecia na internet era relevante para compreender a internet. DESCOLAMENTO DO REAL
  • 8. 2. Amostragens quantitativas na internet Amostra representativa: Tamanho não pode ser definido de antemão, pois é consequência das características dos métodos de seleção e recorte utilizados e do grau de generalização pretendido. Amostra grande: pode resultar em redundância ou desperdício de recursos. Amostra pequena: pode não conseguir abranger a variedade de casos relevantes.
  • 9. O problema reside em determinar o tamanho da amostra de tal forma que ofereça confiabilidade suficiente para os objetivos da investigação e não suponha um aumento desnecessário dos custos e tempo de realização. Desvio-padrão Intervalo de confiança Devido às dimensões, ao dinamismo e à heterogeneidade da internet, a representatividade estatística só costuma ser possível com amostras muito grandes, de larga escala. É fundamental interpretar os indicadores levando em conta seus entrecruzamentos: DADOS COMPLEXOS
  • 10. 3. Amostragens qualitativas na internet DETALHES SINGULARIDADES APROFUNDAMENTO Na internet → O imperativo e os benefícios da combinação de procedimentos quantitativos e qualitativos já foram destacados por diversos autores (Sudweeks e Simoff, 1999; Hine, 2005; Thelwall, 2009; Fragoso, 2009). A pesquisa qualitativa visa uma compreensão aprofundada e holística dos fenômenos em estudo e, para tanto, os contextualiza e reconhece seu caráter dinâmico, notadamente na pesquisa social. ↵
  • 11. As amostras qualitativas são tipicamente intencionais: Pesquisas qualitativas adotam um movimento iterativo de ida e vinda entre a coleta de dados e a análise. A escolha das estratégias de construção de amostras decorre: @ do problema de pesquisa; @ das características do universo observado; @ da vinculação teórica do pesquisador; @ do tempo e dos recursos disponíveis para a pesquisa. As estratégias podem se alterar
  • 12. Muitas vezes um novo critério de recorte, estabelecido com a intenção de reduzir o tamanho de uma amostra, resulta na abertura de uma outra gama de casos, retornando o tamanho da amostra à grandeza anterior. ORKUT Representações de lugares geográficos na internet @ universo de pesquisa bastante reduzido; @ parcela específica da web; @ fração bem definida da internet. “Brasileiro” “Gaúcho” “Carioca” } • Mais de 1000 resultados; • Eu amo ser brasileiro(a) !!!: 204.490 usuários; • EU ME ORGULHO DE SER GAÚCHO: 85.292 usuários.
  • 13. Seleção dos agrupamentos de comunidades mais populosas, cujos limites foram identificados quando se verificava queda abrupta do número de membros entre uma comunidade e a seguinte. Necessidade de redução: 247 comunidades → amostra bruta 53 comunidades → amostra afinada @ sucessivos movimentos de recorte; @ amostra representativa; @ intencionalmente dirigida. homogeneidade não autoriza a generalização
  • 14. 4. Considerações finais Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários Probabilísticas ou estatísticas Amostras quantitativas, que pretendem ser modelos reduzidos do universo de pesquisa. Aleatórias simples A seleção visa que cada elemento do universo de pesquisa tenha tanta chance de ser escolhido quanto qualquer outro. Em amostras pequenas, a seleção aleatória simples pode causar grandes distorções.
  • 15. Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários Aleatórias sistemáticas A seleção aleatória é direcionada por conhecimentos sobre a proporção da ocorrência de cada tipo de elemento no universo da pesquisa. Estratificadas A seleção é realizada com base em uma lista e conforme intervalos (geralmente numéricos) previamente definidos.
  • 16. Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários Intencionais Amostras qualitativas, cujos elementos são selecionados conforme critérios que derivam do problema de pesquisa, das características do universo observado e das condições e métodos de observação e análise.
  • 17. Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários Casos extremos A seleção é dirigida aos casos que se destacam dos demais por excesso ou falta de peculiaridades relevantes para o problema de pesquisa. A observação dos extremos ajuda a perceber características que passariam despercebidas em elementos mais próximos ao padrão médio do universo de pesquisa. Por intensidade
  • 18. Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários Por intensidade Máxima heterogeneidade Máxima homogeneidade Casos típicos Em bola de neve Por critério Teórico ou conceitual
  • 19. Tipo de amostra Suptipos Procedimentos Comentários Comprobatória Contraditória Emergente Por conveniência Em bola de neve Probabilísticas ou intencionais Multiescalar ou estratificada Agregada ou por conglomerados (clusters)
  • 20. O B R I G A D A!