SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM
EDUCAÇÃO- MESTRADO EM EDUCAÇÃO
Prof. Dr. Thomé E. Tavares Filho
SÍNDROME DO AUTISMO
AUTISMO
Conceito
Autismo é uma síndrome definida por
alterações presentes desde idades muito
precoces, tipicamente antes dos três anos de
idade, e que se caracteriza sempre por desvios
qualitativos na comunicação, na interação social
e no uso da imaginação.(Mello, 2004, p.14)
CAUSAS
As causas são desconhecidas. Acredita-se que a
origem do autismo esteja em anormalidades em
alguma parte do cérebro ainda não definida de
forma conclusiva e, provavelmente, de origem
genética. Admite-se a causa por problemas
relacionados a fatos ocorridos durante a
gestação ou no momento do parto.
MANIFESTAÇÕES MAIS
COMUNS
-Pode manifestar-se desde os primeiros dias
de vida
-Comprometimento nas áreas de interação
social
-Comprometimento na área de comunicação
-Comprometimento na área comportamental
-Geralmente não procuram contato ocular
-Apresenta estereotipias (movimentos
repetitivos) com as mãos ou com o corpo,
(morder-se, morder as roupas, puxar os
cabelos)
-Problemas de sono
-30% dos casos, apresenta epilepsia
MANIFESTAÇÕES MAIS
COMUNS
Autismo: É um distúrbio de comportamento
que consiste em uma tríade de dificuldade:
1- Dificuldade de comunicação: Dificuldade
de utilizar com sentido todos os aspectos da
comunicação verbal e não verbal. Ex.: Gestos,
expressões faciais, linguagem corporal, ritmo e
modulação na linguagem verbal.
2- Dificuldade de socialização: A dificuldade
em relacionar-se com os outros, a incapacidade
de compartilhar sentimentos, gestos e emoções
e a dificuldade na discriminação entre
diferentes pessoas.
3- Dificuldade no uso da imaginação: Se
caracteriza por rigidez e inflexibilidade e se
estende as várias áreas do pensamento,
linguagem e comportamento da criança.
Dificuldades em processos criativos.
DIAGNÓSTICO DO
AUTISMO
É feito basicamente através da avaliação do
quadro clínico. Não existem testes
laboratoriais específicos para a detecção do
autismo.
DIAGNÓSTICO DO
AUTISMO
É feito basicamente através da avaliação do
quadro clínico. Não existem testes
laboratoriais específicos para a detecção do
autismo.
TIPOS MAIS USUAIS DE
INTERVENÇÃO
TEACCH – Tratamento e educação para
crianças autistas e com distúrbios
correlatos da comunicação
O Teacch foi desenvolvido nos anos 60 no
Departamento de Psiquiatria da Faculdade de
Medicina da Universidade da Carolina do
Norte, Estados Unidos, e atualmente é muito
utilizado em várias partes do mundo.
O Teacch foi idealizado e desenvolvido pelo
Dr. Eric Schoppler, e atualmente tem como
responsável o Dr. Gary Mesibov.
O método Teacch utiliza uma avaliação
chamada PEP-R (Perfil Psicoeducacional
Revisado) para avaliar a criança, levando em
conta os seus pontos fortes e suas maiores
dificuldades, tornando possível um programa
individualizado.
O TEACCH baseia na organização do ambiente
físico através de rotinas - organizadas em
quadros, painéis ou agendas - e sistemas de
trabalho, de forma a adaptar o ambiente para
tornar mais fácil para a criança compreendê-lo,
assim como compreender o que se espera dela.
Através da organização do ambiente e das
tarefas da criança, o TEACCH visa desenvolver
a independência da criança de modo que ela
necessite do professor para o aprendizado, mas
que possa também passar grande parte de seu
tempo ocupando-se de forma independente.
ABA – Análise aplicada do
comportamento
O tratamento comportamental analítico do
autismo visa ensinar à criança habilidades que
ela não possui, através da introdução destas
habilidades por etapas. Cada habilidade é
ensinada, em geral, em esquema individual,
inicialmente apresentando-a associada a uma
indicação ou instrução.
Quando necessário, é oferecido algum apoio
(como por exemplo, apoio físico), que deverá
ser retirado tão logo seja possível, para não
tornar a criança dependente dele. A resposta
adequada da criança tem como conseqüência
a ocorrência de algo agradável para ela, o que
na prática é uma recompensa. Quando a
recompensa é utilizada de forma consistente,
a criança tende a repetir a mesma resposta.
PECS – Sistema de
comunicação através da troca
de figuras
O PECS foi desenvolvido para ajudar
crianças e adultos autistas e com outros
distúrbios de desenvolvimento a adquirir
habilidades de comunicação.
O sistema é utilizado primeiramente com
indivíduos que não se comunicam ou que
possuem comunicação mas a utilizam com
baixa eficiência.
O PECS visa ajudar a criança a
perceber que através da comunicação ela
pode conseguir muito mais rapidamente as
coisas que deseja, estimulando-a assim a
comunicar-se, e muito provavelmente a
diminuir drasticamente problemas de
conduta.
O PECS tem sido bem aceito em vários
lugares do mundo, pois não demanda
materiais complexos ou caros, é
relativamente fácil de aprender, pode ser
aplicado em qualquer lugar e quando bem
aplicado apresenta resultados
inquestionáveis na comunicação através de
cartões em crianças que não falam, e na
organização da linguagem verbal em
crianças que falam, mas que precisam
organizar esta linguagem.
Autismo
Os Sintomas da Doença
- USA PESSOAS COMO FERRAMENTAS
- RESISTE A MUDANÇAS DE ROTINA
- NÃO SE MISTURA COM OUTRAS CRIANÇAS
- APEGO NÃO APROPRIADO A OBJETOS
- NÃO MANTÉM CONTATO VISUAL
- AGE COMO SE FOSSE SURDO
- RESISTE AO APRENDIZADO
- NÃO DEMONSTRA MEDO DE PERIGOS
- RISOS E MOVIMENTOS NÃO APROPRIADOS
- RESISTE AO CONTATO FÍSICO
- ACENTUADA HIPERATIVIDADE FÍSICA
- GIRA OBJETOS DE MANEIRA BIZARRA PECULIAR
- ÀS VEZES É AGRESSIVO DESTRUTIVO
- MODO E COMPORTAMENTO INDIFERENTE E ARREDIO
O autismo é uma doença encontrada em todo o mundo e em famílias
de todas as raças e classes.
Até hoje, não foi determinada a sua causa.
Mas com orientação correta, muita coisa pode ser feita.
O Professor e o Autismo
O papel do professor de um aluno com autismo é
semelhante ao intérprete trascultural: alguém que
entende ambas as culturas e é capaz de traduzir as
expectativas e procedimentos de um ambiente não-
autístico para o aluno com autismo. Desta forma, para
ensinar um aluno com autismo, devemos entender muito
bem a sua história, suas características particulares e os
pontos fortes e os déficits associados a esta síndrome.
As Crianças com Autismo tem atraso
mental?
Infelizmente cerca de 70 a 80% apresentam uma
defasagem intelectual importante. Cerca de 70 tem
inteligência abaixo de 50 em testagens de QI; 20%
apresentam um QI entre 50 – 70 e apenas 20% tem um QI
acima de 70. A maioria mostra uma variação muito grande
com relação ao que obviamente podem fazer e oscilam
muito de época para época. Não se sabe explicar
exatamente o porquê da associação entre autismo e a
deficiência mental, mais que o atraso mental está
relacionado ao mesmo problema básico que gerou o
autismo. Por outro lado por não conseguirem
adequadamente com o meo ambiente, aumentam ainda
mais a sua defasagem intelectual.
Transtornos se manifestam nos
primeiros anos de vida e,
frequentemente, estão associados
com algum grau de retardo mental.
Prejuízos sofridos pela criança autista:
Prejuízo qualitativo na interação social,
manifestado pelo menos dois dos seguintes
aspectos:
a) Prejuízo acentuado no uso de múltiplos
comportamentos não-verbais tais como
contato visual direto, expressão fácil
postura corporais e gestos para regular a
interação social;
b) Fracasso em desenvolver relacionamentos
com seus pares apropriados ao nível do
desenvolvimento;
c) Falta de tentativa espontânea de compartilhar
prazer, interesses ou realizações com outras
pessoas (ex: não mostrar, trazer ou apontar
objetos de interesse) falta de reciprocidade
social ou emocional;
2) Prejuízos qualitativos da comunicação,
manifestados por pelo menos um dos seguintes
aspectos:
a)Atraso ou ausência total de desenvolvimento
da linguagem falada;
b)Em indivíduos com fala adequada, acentuado
prejuízo na capacidade de iniciar ou
desenvolver uma conversação;
c) Uso esteriotipado e repetitivo da
linguagem ou linguagem idiossincrática, falta
de jogos os brincadeiras de imitação social
variados e espontâneos apropriados ao nível
do desenvolvimento;
3) Padrões restritos e repetitivos de
comportamentos, interesses, e ativdades,
manifestados por pelo menos um dos seguintes
aspectos:
a)Preocupação insistente com um ou mais
padrões estereotipados e restritos de interesse,
anormais em intensidade ou foco;
b)Adesão aparentemente inflexível a rotinas
ou rituais específicos e não-funcionais;
c) Maneiras motores esteriotipados e repetitivos
(ex: agitar ou torcer mãos ou dedos, ou
movimentos complexos de todo o corpo);
d) Preocupação persistente com partes de
objetos;
4) Atrasos ou funcionamento anormal em pelo
menos uma das seguintes áreas, com início antes
dos 3 anos de idade: 1) interação social; 2)
linguagem para fins de comunicação social, ou
4) jogos imaginativos ou símbolos.
Portanto, sobre o AUTISMO INFANTIL, a CID. 10 diz tratar-se
de “um transtorno invasivo de desenvolvimento
definido pela presença de desenvolvimento
anormal e/ou comprometido que se manifesta
antes da idade de 3 anos e pelo tipo
característico de funcionamento anormal em
todas as três áreas de interação social,
comunicação e comportamento restrito e
repetitivo. Sublinha que o trantorno ocorre em
GAROTOS três ou quatro vezes mais frequentemente que
em GAROTAS.
O B R I G A D
o !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Autismo
AutismoAutismo
Autismoluis
 
O AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidado
O AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidadoO AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidado
O AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidadoMarilia Mesquita
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoAurivan
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularJanderly Reis
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDeisiane Cazaroto
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoamorimjuvenal
 
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & RealidadeAutismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & RealidadeAutismo & Realidade
 
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGDTRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGDEmanoele freitas
 
Autismo orientação para os pais
Autismo   orientação para os paisAutismo   orientação para os pais
Autismo orientação para os paisRosane Domingues
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre AutismoTathiane Cuesta
 

Mais procurados (20)

Espectro Autismo
Espectro AutismoEspectro Autismo
Espectro Autismo
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Palestra Autismo
Palestra AutismoPalestra Autismo
Palestra Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
O AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidado
O AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidadoO AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidado
O AUTISMO NA PERSPECTIVA DO CUIDADOR: uma construção e reconstrução do cuidado
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
Transtorno Global do Desenvolvimento
Transtorno Global do DesenvolvimentoTranstorno Global do Desenvolvimento
Transtorno Global do Desenvolvimento
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
 
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & RealidadeAutismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
Autismo e inclusão: Questões Jurídicas - Autismo & Realidade
 
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICIDAutismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
 
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGDTRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Autismo orientação para os pais
Autismo   orientação para os paisAutismo   orientação para os pais
Autismo orientação para os pais
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
 

Semelhante a Autismo: sintomas, causas e tipos de intervenção

Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoAutismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoCaminhos do Autismo
 
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdfApresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdfMakelimWandaBauerman
 
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdfApresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdfEdziaSouzaNascimento
 
Prof luciano autismo letramento e autismo
Prof luciano autismo   letramento e autismoProf luciano autismo   letramento e autismo
Prof luciano autismo letramento e autismoSimoneHelenDrumond
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Anaí Peña
 
Apresentac3a7c3a3o autismo
Apresentac3a7c3a3o autismoApresentac3a7c3a3o autismo
Apresentac3a7c3a3o autismoAgenilda Lima
 
Autismo ou perturbações do espetro do autismo
Autismo  ou perturbações do espetro do autismo Autismo  ou perturbações do espetro do autismo
Autismo ou perturbações do espetro do autismo Ana Rita Costa
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1fabinhodragon
 
Jair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Jair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUSJair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Jair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUSAutismo & Realidade
 
entre dois mundo
entre dois mundoentre dois mundo
entre dois mundoange44
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdflojakeuke
 
Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015ClinicaAssis
 
Autismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfAutismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfClarisseAmaral
 

Semelhante a Autismo: sintomas, causas e tipos de intervenção (20)

Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoAutismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
 
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdfApresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
 
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdfApresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
Apresentacao Sra. Sueli Cabral.pdf
 
Prof luciano autismo letramento e autismo
Prof luciano autismo   letramento e autismoProf luciano autismo   letramento e autismo
Prof luciano autismo letramento e autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Apresentac3a7c3a3o autismo
Apresentac3a7c3a3o autismoApresentac3a7c3a3o autismo
Apresentac3a7c3a3o autismo
 
Contexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismoContexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismo
 
Autismo ou perturbações do espetro do autismo
Autismo  ou perturbações do espetro do autismo Autismo  ou perturbações do espetro do autismo
Autismo ou perturbações do espetro do autismo
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Prof luciano autismo
Prof luciano autismoProf luciano autismo
Prof luciano autismo
 
Jair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Jair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUSJair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
Jair de Jesus Mari - 30mai14 1º Congresso A&R SUS
 
entre dois mundo
entre dois mundoentre dois mundo
entre dois mundo
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
 
Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015
 
exemplo.pptx
exemplo.pptxexemplo.pptx
exemplo.pptx
 
Autismo marisa
Autismo  marisaAutismo  marisa
Autismo marisa
 
Apresentacao claudia mascarenhas
Apresentacao claudia mascarenhasApresentacao claudia mascarenhas
Apresentacao claudia mascarenhas
 
Autismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfAutismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdf
 

Autismo: sintomas, causas e tipos de intervenção

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO- MESTRADO EM EDUCAÇÃO Prof. Dr. Thomé E. Tavares Filho
  • 3. AUTISMO Conceito Autismo é uma síndrome definida por alterações presentes desde idades muito precoces, tipicamente antes dos três anos de idade, e que se caracteriza sempre por desvios qualitativos na comunicação, na interação social e no uso da imaginação.(Mello, 2004, p.14)
  • 4. CAUSAS As causas são desconhecidas. Acredita-se que a origem do autismo esteja em anormalidades em alguma parte do cérebro ainda não definida de forma conclusiva e, provavelmente, de origem genética. Admite-se a causa por problemas relacionados a fatos ocorridos durante a gestação ou no momento do parto.
  • 5. MANIFESTAÇÕES MAIS COMUNS -Pode manifestar-se desde os primeiros dias de vida -Comprometimento nas áreas de interação social -Comprometimento na área de comunicação -Comprometimento na área comportamental -Geralmente não procuram contato ocular
  • 6. -Apresenta estereotipias (movimentos repetitivos) com as mãos ou com o corpo, (morder-se, morder as roupas, puxar os cabelos) -Problemas de sono -30% dos casos, apresenta epilepsia MANIFESTAÇÕES MAIS COMUNS
  • 7. Autismo: É um distúrbio de comportamento que consiste em uma tríade de dificuldade: 1- Dificuldade de comunicação: Dificuldade de utilizar com sentido todos os aspectos da comunicação verbal e não verbal. Ex.: Gestos, expressões faciais, linguagem corporal, ritmo e modulação na linguagem verbal.
  • 8. 2- Dificuldade de socialização: A dificuldade em relacionar-se com os outros, a incapacidade de compartilhar sentimentos, gestos e emoções e a dificuldade na discriminação entre diferentes pessoas. 3- Dificuldade no uso da imaginação: Se caracteriza por rigidez e inflexibilidade e se estende as várias áreas do pensamento, linguagem e comportamento da criança. Dificuldades em processos criativos.
  • 9. DIAGNÓSTICO DO AUTISMO É feito basicamente através da avaliação do quadro clínico. Não existem testes laboratoriais específicos para a detecção do autismo. DIAGNÓSTICO DO AUTISMO É feito basicamente através da avaliação do quadro clínico. Não existem testes laboratoriais específicos para a detecção do autismo.
  • 10. TIPOS MAIS USUAIS DE INTERVENÇÃO TEACCH – Tratamento e educação para crianças autistas e com distúrbios correlatos da comunicação O Teacch foi desenvolvido nos anos 60 no Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, Estados Unidos, e atualmente é muito utilizado em várias partes do mundo.
  • 11. O Teacch foi idealizado e desenvolvido pelo Dr. Eric Schoppler, e atualmente tem como responsável o Dr. Gary Mesibov. O método Teacch utiliza uma avaliação chamada PEP-R (Perfil Psicoeducacional Revisado) para avaliar a criança, levando em conta os seus pontos fortes e suas maiores dificuldades, tornando possível um programa individualizado.
  • 12. O TEACCH baseia na organização do ambiente físico através de rotinas - organizadas em quadros, painéis ou agendas - e sistemas de trabalho, de forma a adaptar o ambiente para tornar mais fácil para a criança compreendê-lo, assim como compreender o que se espera dela. Através da organização do ambiente e das tarefas da criança, o TEACCH visa desenvolver a independência da criança de modo que ela necessite do professor para o aprendizado, mas que possa também passar grande parte de seu tempo ocupando-se de forma independente.
  • 13. ABA – Análise aplicada do comportamento O tratamento comportamental analítico do autismo visa ensinar à criança habilidades que ela não possui, através da introdução destas habilidades por etapas. Cada habilidade é ensinada, em geral, em esquema individual, inicialmente apresentando-a associada a uma indicação ou instrução.
  • 14. Quando necessário, é oferecido algum apoio (como por exemplo, apoio físico), que deverá ser retirado tão logo seja possível, para não tornar a criança dependente dele. A resposta adequada da criança tem como conseqüência a ocorrência de algo agradável para ela, o que na prática é uma recompensa. Quando a recompensa é utilizada de forma consistente, a criança tende a repetir a mesma resposta.
  • 15. PECS – Sistema de comunicação através da troca de figuras O PECS foi desenvolvido para ajudar crianças e adultos autistas e com outros distúrbios de desenvolvimento a adquirir habilidades de comunicação. O sistema é utilizado primeiramente com indivíduos que não se comunicam ou que possuem comunicação mas a utilizam com baixa eficiência.
  • 16. O PECS visa ajudar a criança a perceber que através da comunicação ela pode conseguir muito mais rapidamente as coisas que deseja, estimulando-a assim a comunicar-se, e muito provavelmente a diminuir drasticamente problemas de conduta.
  • 17. O PECS tem sido bem aceito em vários lugares do mundo, pois não demanda materiais complexos ou caros, é relativamente fácil de aprender, pode ser aplicado em qualquer lugar e quando bem aplicado apresenta resultados inquestionáveis na comunicação através de cartões em crianças que não falam, e na organização da linguagem verbal em crianças que falam, mas que precisam organizar esta linguagem.
  • 18. Autismo Os Sintomas da Doença - USA PESSOAS COMO FERRAMENTAS - RESISTE A MUDANÇAS DE ROTINA - NÃO SE MISTURA COM OUTRAS CRIANÇAS - APEGO NÃO APROPRIADO A OBJETOS - NÃO MANTÉM CONTATO VISUAL - AGE COMO SE FOSSE SURDO - RESISTE AO APRENDIZADO - NÃO DEMONSTRA MEDO DE PERIGOS - RISOS E MOVIMENTOS NÃO APROPRIADOS - RESISTE AO CONTATO FÍSICO - ACENTUADA HIPERATIVIDADE FÍSICA - GIRA OBJETOS DE MANEIRA BIZARRA PECULIAR
  • 19. - ÀS VEZES É AGRESSIVO DESTRUTIVO - MODO E COMPORTAMENTO INDIFERENTE E ARREDIO O autismo é uma doença encontrada em todo o mundo e em famílias de todas as raças e classes. Até hoje, não foi determinada a sua causa. Mas com orientação correta, muita coisa pode ser feita.
  • 20. O Professor e o Autismo O papel do professor de um aluno com autismo é semelhante ao intérprete trascultural: alguém que entende ambas as culturas e é capaz de traduzir as expectativas e procedimentos de um ambiente não- autístico para o aluno com autismo. Desta forma, para ensinar um aluno com autismo, devemos entender muito bem a sua história, suas características particulares e os pontos fortes e os déficits associados a esta síndrome.
  • 21. As Crianças com Autismo tem atraso mental? Infelizmente cerca de 70 a 80% apresentam uma defasagem intelectual importante. Cerca de 70 tem inteligência abaixo de 50 em testagens de QI; 20% apresentam um QI entre 50 – 70 e apenas 20% tem um QI acima de 70. A maioria mostra uma variação muito grande com relação ao que obviamente podem fazer e oscilam muito de época para época. Não se sabe explicar exatamente o porquê da associação entre autismo e a deficiência mental, mais que o atraso mental está relacionado ao mesmo problema básico que gerou o autismo. Por outro lado por não conseguirem adequadamente com o meo ambiente, aumentam ainda mais a sua defasagem intelectual.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Transtornos se manifestam nos primeiros anos de vida e, frequentemente, estão associados com algum grau de retardo mental.
  • 28. Prejuízos sofridos pela criança autista: Prejuízo qualitativo na interação social, manifestado pelo menos dois dos seguintes aspectos: a) Prejuízo acentuado no uso de múltiplos comportamentos não-verbais tais como contato visual direto, expressão fácil postura corporais e gestos para regular a interação social;
  • 29. b) Fracasso em desenvolver relacionamentos com seus pares apropriados ao nível do desenvolvimento; c) Falta de tentativa espontânea de compartilhar prazer, interesses ou realizações com outras pessoas (ex: não mostrar, trazer ou apontar objetos de interesse) falta de reciprocidade social ou emocional;
  • 30. 2) Prejuízos qualitativos da comunicação, manifestados por pelo menos um dos seguintes aspectos: a)Atraso ou ausência total de desenvolvimento da linguagem falada; b)Em indivíduos com fala adequada, acentuado prejuízo na capacidade de iniciar ou desenvolver uma conversação;
  • 31. c) Uso esteriotipado e repetitivo da linguagem ou linguagem idiossincrática, falta de jogos os brincadeiras de imitação social variados e espontâneos apropriados ao nível do desenvolvimento;
  • 32. 3) Padrões restritos e repetitivos de comportamentos, interesses, e ativdades, manifestados por pelo menos um dos seguintes aspectos: a)Preocupação insistente com um ou mais padrões estereotipados e restritos de interesse, anormais em intensidade ou foco; b)Adesão aparentemente inflexível a rotinas ou rituais específicos e não-funcionais;
  • 33. c) Maneiras motores esteriotipados e repetitivos (ex: agitar ou torcer mãos ou dedos, ou movimentos complexos de todo o corpo); d) Preocupação persistente com partes de objetos; 4) Atrasos ou funcionamento anormal em pelo menos uma das seguintes áreas, com início antes dos 3 anos de idade: 1) interação social; 2) linguagem para fins de comunicação social, ou 4) jogos imaginativos ou símbolos.
  • 34. Portanto, sobre o AUTISMO INFANTIL, a CID. 10 diz tratar-se de “um transtorno invasivo de desenvolvimento definido pela presença de desenvolvimento anormal e/ou comprometido que se manifesta antes da idade de 3 anos e pelo tipo característico de funcionamento anormal em todas as três áreas de interação social, comunicação e comportamento restrito e repetitivo. Sublinha que o trantorno ocorre em GAROTOS três ou quatro vezes mais frequentemente que em GAROTAS.
  • 35. O B R I G A D o !