Aula6 01 2015

660 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
660
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula6 01 2015

  1. 1. Abordagem Familiar na Estratégia de Saúde da Família Angela Machado Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa em Atenção Primária à Saúde LIPAPS/FCM/HUPE/ UERJ
  2. 2. “A unidade familiar pode ser vista como uma grande fundição emocional, um cadinho cheio de paixão na qual nossas realidades mais profundas, o sentido de quem somos e do mundo à nossa volta começam a se estabelecer e tomar forma. É dentro do enclave da família de nossos primeiros anos que aprendemos os padrões de ser, tanto de natureza saudável quanto psicológica, que serão gradualmente assimilados e se tornarão parte fundamental de nossa própria experiência interior”.
  3. 3. FAMÍLIA é a reunião de 2 ou mais pessoas relacionadas ou ligadas biológica, emocional ou legalmente (Carter e McGoldrick, 1989; McDaniel et al., 1990). O conceito pode se estender abrangendo uniões como casais de gays ou lésbicas, relacionamentos fora do casamento, famílias de pais/mães solteiros, casais sem filhos ou ambientes domésticos compostos de amigos. A função permaneceu constante: fornecer um ambiente seguro para o crescimento, que promova bem-estar físico, psicológico e social de seus membros (Berzof et al., 1996; Woods e Hollis, 1990).
  4. 4. FAMÍLIA – definições Trata-se de um sistema de indivíduos que mantém consigo alguma relação de vínculo e compromisso necessários à sobrevivência, como alimentação, abrigo, proteção, afeto e socialização, no todo ou em parte, sendo parentes consanguíneos ou não. “a experiência humana de identidade tem dois elementos: um sentido de pertencimento e um sentido de ser separado. O laboratório em que estes ingredientes são misturados e administrados é a família, a matriz da identidade”. Minuchin “a família é um sistema movendo-se através do tempo”. McGoldrick e Carter
  5. 5. TEORIA SISTÊMICA •Etiologia das enfermidades é circular, não linear. •Mudanças em parte do sistema produzem mudanças em todo o sistema. •Família influi na doença, e a doença influi na família Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  6. 6. • Funções da família - Promover um ambiente suficientemente bom para o caminhar em direção à independência - Matriz do desenvolvimento de vínculos afetivos e sociais - Modelagem dos papéis sexuais Abordagem Familiar na ESF
  7. 7. MATERNAGEM = Espaço de mediação Inclui holding, satisfação das necessidades fisiológicas e provisão ambiental que organiza o meio ambiente de acordo com as necessidades daquele bebê. Necessidade x desejo
  8. 8. FUNÇÃO PATERNA •Proteger a díade mãe-bebê do meio externo •Ajudar na ruptura do cordão umbilical simbólico da relação anterior, através do estabelecimento das relações triangulares •Estabelecimento de limites adequados
  9. 9. O CICLO DE VIDA DA FAMÍLIA • processo complexo envolvendo três ou quatro gerações que se movimentam juntas ao longo do tempo • mudanças ocorrem simultaneamente no ciclo de vida de duas ou mais gerações • eventos que geram perturbações em um determinado subsistema afetam os demais • vive sob um fluxo constante de ansiedade (vertical e horizontalmente) Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  10. 10. Estressores horizontais Ciclo de vida familiar Estressores verticais transgeracionalidade
  11. 11. FLUXO VERTICAL •padrões de relacionamento transmitidos através de gerações (atitudes, expectativas, valores e regras) levados de uma geração à seguinte, mantendo vivos os “temas” familiares •orienta as vidas de seus membros Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  12. 12. FLUXO HORIZONTAL •ansiedade provocada pelos estresses que afetam a família ao longo do tempo •são eventos imprevisíveis que podem romper o equilíbrio e atingir o processo do ciclo vital (adoecimento crônico, nascimento de uma criança deficiente, etc.) •excesso de estresse no eixo horizontal = forte tendência à disfunção •pressão no eixo vertical = ruptura brusca em um sistema sobrecarregado de estresse Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  13. 13. EVENTOS NORMAIS FASES DO CICLO FAMILIAR Casamento Nascimento do primeiro filho Nascimento do último filho Filhos em idade escolar* Adolescência dos filhos* Saída do primeiro filho Aposentadoria* Saída do último filho Velhice* Morte do primeiro cônjuge Morte do cônjuge restante FASE I: Formação FASE II: Expansão FASE III: Final da Expansão FASE IV: Contração FASE V: Final da Contração FASE V: Dissolução
  14. 14. CICLO DA VIDA FAMILIAR - Formação do casal: Compromisso na relação Redefinir relação com a família extensa - Gravidez e Parto Acolher a criança Ser pais e esposos
  15. 15. CICLO DA VIDA FAMILIAR - Famílias com crianças pequenas > formar equipe parental > negociar relação com a família extensa - Famílias com adolescentes > relação com o filho para movimentar-se dentro e fora da família - Adultos jovens > reenfocar assuntos maritais e profissionais > enfrentar incapacidade/morte dos pais > “ninho vazio”
  16. 16. CICLO DA VIDA FAMILIAR - Contração familiar > manter o funcionamento apesar das perdas - Morte e luto > enfrentar perda de esposo, família e amigos > preparação para a própria morte
  17. 17. Elementos que devem ser valorizados pelo médico : DINÂMICA FAMILIAR • REGRAS: Normas implícitas/explícitas arcabouço das relações. • CRENÇAS. Ideologia familiar que dá sentido às normas. • LIMITES: Pertencimento ao sistema . TRÍADES: Relações baseadas em semelhanças e diferenças (alianças e coligações). Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  18. 18. Elementos que devem ser valorizados pelo médico : ESTRUTURAFAMILIAR • COESÃO: Intensidade do vínculo emocional (fusionada>conectada>separada>desligada). • ADAPTABILIDADE: Equílibrio entre necessidade, mudança e visão do mundo (rígida>flexível>estruturada>caótica). • COMUNICACÃO: Base da relação (clara e direta vs distorcidas). • ALIANÇA (proximidade) e COLIGAÇÃO (aliança em conflito). Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  19. 19. Percepção do contexto familiar • Qual a realidade em que vive a família? • Como funcionam as ligações e os vínculos que a família apresenta? • Que crenças podem ser identificadas na família? • É possível perceber um projeto ou sonho de futuro na família?
  20. 20. Percepção do contexto familiar • Qual a realidade em que vive a família? • Como funcionam as ligações e os vínculos que a família apresenta? • Que crenças podem ser identificadas na família? • É possível perceber um projeto ou sonho de futuro na família?
  21. 21. Comportamento em Relação à Saúde-Doença • O Sentido de Controle da Doença • Crenças sobre a Etiologia da Doença • A Suscetibilidade à Doença e o Estresse Familiar • O Impacto da Doença Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  22. 22. COMO A DOENÇA CRÔNICA AFETA A FAMÍLIA? • Mudanças na rotina diária • Compartilhar responsabilidade por cuidados • Experiência de fortes emoções: culpa, raiva, tristeza, medo, ansiedade e depressão • Manter um senso de vida “normal”, permitindo a integração do paciente na vida familiar sem se sentir culpado por estar doente Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  23. 23. PERGUNTAS CIRCULARES COM AS FAMÍLIAS: ATRIBUIÇÃO •O que pensam ser a causa da doença? •O que faria melhorar a doença? •Seria igual se tivesse acontecido com outra pessoa da família? Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  24. 24. IMPACTO DA DOENÇA SOBRE A FAMÍLIA •O que mudou no ambiente familiar ? . A doença afetou seus planos de vida (de que abriram mão por causa da doença)? •Quem mais é afetado pela doença ? •Como seria a vida se a doença não tivesse ocorrido? •Seria igual se tivesse acontecido com outra pessoa da família? Quem sofre mais com a doença e como sofrem os outros membros? Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  25. 25. IMPACTO DA DOENÇA SOBRE A FAMÍLIA •De que maneira vocês se ajudam uns aos outros? •Vocês costumam conversar sobre sentimentos (medo, insegurança, tristeza, culpa)? •Que funções (quem é o cuidador, quem é cuidado, o provedor, o dependente, etc.) e papéis (a vítima, o culpado, o preocupado, o eficiente, etc.) mudaram depois da doença ? •O que acreditam que melhoraria a situação da família em relação a lidar com a doença? Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  26. 26. CLASSIFICAÇÃO Famílias Funcionais (onde o desenvolvimento do casal e filhos se faz de forma harmônica, os conflitos superados – indivíduos autônomos com capacidade de compartilhar); Famílias Disfuncionais (estruturas rígidas,sem intimidade, sem flexibilidade, sem divisão de poder – adultos deprimidos, transtornos psiquiátricos, crianças com transtornos de conduta); Famílias Severamente Disfuncionais – (comunicação difícil, são gravemente desorganizadas e isoladas – suscetível ao aparecimento de transtornos graves – desesperança, depressão, cinismo,...) Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  27. 27. INVESTIGAÇÃO FAMILIAR NA ATENÇÃO PRIMÁRIA •Investigação de Rotina • Relação Médico-Paciente • Utilização do Genograma Javier García-Campayo Hospital Miguel Servet Universidad de Zaragoza, Espanha
  28. 28. DEFINIÇÂO de RISCO Identificação de fatores que acentuam distúrbios, problemas e respostas desadaptadas. (Garmezy, 1996) FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO DE RISCO > Escala de Risco Familiar (Escala de Coelho) > Genograma / Ecomapa
  29. 29. GENOGRAMA FORMATO GRÁFICO: INFORMAÇÃO MÉDICA DESTACADA VISÃO SISTÊMICA CONSTRUÇÃO DOVÍNCULO PLANO DE CUIDADO AÇÕES DE:  PROMOÇÃO  PREVENÇÃO  ATENÇÃO  REABILITAÇÃO
  30. 30. GENOGRAMA
  31. 31. Abordagem Familiar na ESF
  32. 32. PADRÕES ORGANIZACIONAIS • Flexibilidade • capacidade adaptativa • Vínculos • Suporte mútuo, colaboração e envolvimento • Recursos sociais e econômicos • Mobilização de redes familiares, sociais e comunitárias
  33. 33. Família é uma pequena sociedade composta por um homem que não ganha o suficiente, de uma mulher que não cuida da casa como devia cuidar e de alguns filhos que estão cada vez mais impossíveis. Millôr Fernandes
  34. 34. OBRIGADA

×