SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
GENOGRAMA FAMILIAR




              Realizado por:
              Inês Tavares nº16
              Catarina Sanches nº7
              Cristiana Silva nº9
O QUE É UM GENOGRAMA FAMILIAR?
    O Genograma consiste numa técnica que visa
  representar de forma gráfica o desenho familiar ou
   árvore familiar, e é através deste instrumento que
  podemos obter uma visão geral da nossa estrutura
                         familiar.
   O uso do Genograma no campo da terapia familiar é
        geralmente associado à teoria dos sistemas
         familiares de Bowen, desde 1979 até 1991.
     Bowen foi renomeado em 1972 por Guerin, como
                   Genograma Familiar.




                      Murray Bowen
 No início de seu trabalho, com famílias, Bowen
   propôs a utilização de um diagrama familiar, no
  qual ajudaria a atribuir e a organizar importantes
   dados sobre o sistema familiar multigeracional.
 O Genograma de forma geral consegue englobar e
    ser aplicado a diversas áreas do conhecimento
                   humano como na
  medicina, enfermagem, psicologia, serviço social
                  entre outras áreas.
COMO CONSTRUIR UM GENOGRAMA?

    O Genograma permite a identificação de padrões
         repetitivos de tendências hereditárias.


                  Genograma
                   Simples:
         Um Genograma Simples deve conter um
     símbolo que represente a figura masculina, um
            símbolo que represente a figura
      feminina, linhas que indiquem a sua relação e
      símbolos que indiquem o final da sua relação.
PRINCIPAIS
               SÍMBOLOS:

         Símbolo
            Feminino:



                         Relação

 Símbolo                Conjugal:
 Masculino:
 Filia
 ção:




           Irmã
           os:
   A relação da filiação e dos irmãos diferem-se da
     relação conjugal, pois, a linha que une os seus
               indivíduos, vêm de cima.
 Símbolode                Símbolode
 Falecimento:              separação:




             Separaçãocom filho (a
             guarda da mãe) :
 Informaçõesque o
     símbolo deve conter:
Idade
              41             Esta seta
                        indica, que se trata
           J.S.B.        do indivíduo foco
Iniciais                    da terapia.
           Bancário
   do      Alcoolista      Informações
 nome      Diabético
                        gerais, médicas e
  (se                   psicológicas. E só
necess                  deve conter o que
 ário)                    for revelante
                           para o caso.
EXEMPLO DE GENOGRAMAS
      SIMPLES:
GENOGRAMA COMPLEXO:

 Para um genograma ser complexo, tem de se
     utilizar um maior número de símbolos.
 Caso se optar por um genograma complexo, é
necessário colocar uma legenda para que qualquer
   pessoa compreenda o que genograma está a
                   representar.
SÍMBOLOS
             EXTRA:




Animal                  Sexo
   de
estimaçã                descon
    o                   hecido

            Gravide
               z
LINHAS DE
        RELACIONAMENTO:

 Criança
                          Animal
adotada                      de
                          estimaçã
       Gravida  de           o
            gémeos
LINHAS DE
         RELACIONAMENTO:




 Pais
     de               Pais  de gémeos
 gémeos                    idênticos
EXEMPLO DE GENOGRAMAS
     FAMILIARES:
Fim!


Esperoque tenham
     gostado..

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARCassia Dias
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidadeLuisa Sena
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoAroldo Gavioli
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Cintia Colotoni
 
Idoso: relações familiares
Idoso: relações familiaresIdoso: relações familiares
Idoso: relações familiaresDouglas Tedesco
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeJesiele Spindler
 
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaConsulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaCentro Universitário Ages
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularCENAT Cursos
 
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOOS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOZoel Alvarenga
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Como fazer Genogramas
Como fazer GenogramasComo fazer Genogramas
Como fazer Genogramas
 
Genograma e Ecomapa
Genograma e EcomapaGenograma e Ecomapa
Genograma e Ecomapa
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Idoso: relações familiares
Idoso: relações familiaresIdoso: relações familiares
Idoso: relações familiares
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção BásicaConsulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
Consulta de enfermagem ao idoso na Atenção Básica
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
 
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOOS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
 
Como fazer Genogramas
Como fazer GenogramasComo fazer Genogramas
Como fazer Genogramas
 
Abordagem Familiar
Abordagem FamiliarAbordagem Familiar
Abordagem Familiar
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 

Mais de inesaalexandra

Comissão de proteção de crianças e jovens (2)
Comissão de proteção de crianças e jovens (2)Comissão de proteção de crianças e jovens (2)
Comissão de proteção de crianças e jovens (2)inesaalexandra
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov   Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov inesaalexandra
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov inesaalexandra
 
Declaração universal dos direitos humanos
Declaração universal dos direitos humanosDeclaração universal dos direitos humanos
Declaração universal dos direitos humanosinesaalexandra
 
Normalização e conflito
Normalização e conflitoNormalização e conflito
Normalização e conflitoinesaalexandra
 
Currículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitivaCurrículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitivainesaalexandra
 
Currículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitivaCurrículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitivainesaalexandra
 
Revolução industrial e francesa
Revolução industrial e francesaRevolução industrial e francesa
Revolução industrial e francesainesaalexandra
 
Revolução industrial e francesa ines e ion
Revolução industrial e francesa   ines e ionRevolução industrial e francesa   ines e ion
Revolução industrial e francesa ines e ioninesaalexandra
 
Fatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalhoFatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalhoinesaalexandra
 
Fatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalhoFatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalhoinesaalexandra
 
Power point importância do brincar
Power point   importância do brincarPower point   importância do brincar
Power point importância do brincarinesaalexandra
 
Se eu fosse um brinquedo
Se eu fosse um brinquedoSe eu fosse um brinquedo
Se eu fosse um brinquedoinesaalexandra
 

Mais de inesaalexandra (20)

Apresentação (1)
Apresentação (1)Apresentação (1)
Apresentação (1)
 
Comissão de proteção de crianças e jovens (2)
Comissão de proteção de crianças e jovens (2)Comissão de proteção de crianças e jovens (2)
Comissão de proteção de crianças e jovens (2)
 
Jardim de infância
Jardim de infância  Jardim de infância
Jardim de infância
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov   Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
 
áRvore de natal
áRvore de nataláRvore de natal
áRvore de natal
 
Declaração universal dos direitos humanos
Declaração universal dos direitos humanosDeclaração universal dos direitos humanos
Declaração universal dos direitos humanos
 
Normalização e conflito
Normalização e conflitoNormalização e conflito
Normalização e conflito
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
John watson.
John watson.John watson.
John watson.
 
Currículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitivaCurrículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitiva
 
Currículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitivaCurrículo de orientação cognitiva
Currículo de orientação cognitiva
 
Revolução industrial e francesa
Revolução industrial e francesaRevolução industrial e francesa
Revolução industrial e francesa
 
Revolução industrial e francesa ines e ion
Revolução industrial e francesa   ines e ionRevolução industrial e francesa   ines e ion
Revolução industrial e francesa ines e ion
 
Fatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalhoFatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalho
 
Fatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalhoFatores de satisfação no trabalho
Fatores de satisfação no trabalho
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Power point importância do brincar
Power point   importância do brincarPower point   importância do brincar
Power point importância do brincar
 
Se eu fosse um brinquedo
Se eu fosse um brinquedoSe eu fosse um brinquedo
Se eu fosse um brinquedo
 

Genograma familiar

  • 1. GENOGRAMA FAMILIAR Realizado por: Inês Tavares nº16 Catarina Sanches nº7 Cristiana Silva nº9
  • 2. O QUE É UM GENOGRAMA FAMILIAR?  O Genograma consiste numa técnica que visa representar de forma gráfica o desenho familiar ou árvore familiar, e é através deste instrumento que podemos obter uma visão geral da nossa estrutura familiar.
  • 3. O uso do Genograma no campo da terapia familiar é geralmente associado à teoria dos sistemas familiares de Bowen, desde 1979 até 1991.  Bowen foi renomeado em 1972 por Guerin, como Genograma Familiar.  Murray Bowen
  • 4.  No início de seu trabalho, com famílias, Bowen propôs a utilização de um diagrama familiar, no qual ajudaria a atribuir e a organizar importantes dados sobre o sistema familiar multigeracional.  O Genograma de forma geral consegue englobar e ser aplicado a diversas áreas do conhecimento humano como na medicina, enfermagem, psicologia, serviço social entre outras áreas.
  • 5. COMO CONSTRUIR UM GENOGRAMA?  O Genograma permite a identificação de padrões repetitivos de tendências hereditárias. Genograma Simples:  Um Genograma Simples deve conter um símbolo que represente a figura masculina, um símbolo que represente a figura feminina, linhas que indiquem a sua relação e símbolos que indiquem o final da sua relação.
  • 6. PRINCIPAIS SÍMBOLOS:  Símbolo Feminino:  Relação  Símbolo Conjugal: Masculino:
  • 7.  Filia ção:  Irmã os:
  • 8. A relação da filiação e dos irmãos diferem-se da relação conjugal, pois, a linha que une os seus indivíduos, vêm de cima.
  • 9.  Símbolode  Símbolode Falecimento: separação:  Separaçãocom filho (a guarda da mãe) :
  • 10.  Informaçõesque o símbolo deve conter: Idade 41 Esta seta indica, que se trata J.S.B. do indivíduo foco Iniciais da terapia. Bancário do Alcoolista Informações nome Diabético gerais, médicas e (se psicológicas. E só necess deve conter o que ário) for revelante para o caso.
  • 12. GENOGRAMA COMPLEXO:  Para um genograma ser complexo, tem de se utilizar um maior número de símbolos.  Caso se optar por um genograma complexo, é necessário colocar uma legenda para que qualquer pessoa compreenda o que genograma está a representar.
  • 13. SÍMBOLOS EXTRA: Animal  Sexo de estimaçã descon o hecido  Gravide z
  • 14. LINHAS DE RELACIONAMENTO:  Criança Animal adotada de estimaçã  Gravida de o gémeos
  • 15. LINHAS DE RELACIONAMENTO:  Pais de  Pais de gémeos gémeos idênticos
  • 16. EXEMPLO DE GENOGRAMAS FAMILIARES:
  • 17.