SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Mais de três milhões de cariocas já foram beneficiados pela expansão da Atenção
Primária implantada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no Rio de Janeiro desde
2009. Em oito anos, a cidade passou de uma cobertura da estratégia Saúde da Família
de 3,5% para 70% da população, com mais de mil equipes de saúde. O médico de
família e comunidade (MFC) é fundamental para o avanço da Atenção Primária. É esse
profissional que coordena os cuidados dos pacientes sob sua responsabilidade e atua
na organização do sistema, garantindo maior eficiência nas ações em saúde.
O Programa de Residência em Medicina de Família e
Comunidade (PRMFC) da Secretaria Municipal de Saúde do
Rio de Janeiro é o maior programa de residência do País,
em comparação não apenas com Medicina da Família, mas
também com outras especialidades.
A Residência em Medicina de Família e Comunidade da SMS foi
criada em 2011 com a abertura de 60 vagas. Hoje, são oferecidas
150 vagas por ano, todas credenciadas pelo MEC, sendo 300
residentes atuando nas unidades da SMS a cada ano.
O programa é estratégico para qualificar a rede de atenção à saúde: tem enfoque clínico,
que prioriza o treinamento de médicos residentes para oferecer uma carteira de serviços de
saúde abrangente, com acesso e resolutividade para a Atenção Primária.
O PRMFC valoriza o trabalho profissional em formação em Medicina da Família e Comu-
nidade por acreditar que este é um investimento estratégico para fortalecer a Atenção
Primária à Saúde. A política já triplicou os rendimentos dos médicos residentes, o que
permite dedicação integral à formação profissional.
Residência em Medicina de Família e
Comunidade do Rio de Janeiro
ONDE ESTAMOS
Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da
Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (PRMFC-SMS/RJ)
E-mail: residenciamfc.smsrio@gmail.com • Telefones: (21)2210-1573/ 99586-3701
AP 1.0
1 - CF Estácio de Sá
2 - CF Nélio de Oliveira
AP 2.1
3 - CMS Manoel José Ferreira
4 - CF Santa Marta
5 - CMS João Barros Barreto
6 - CF Rinaldo de Lamare
7 - CF Maria do Socorro Silva e Souza
AP 3.1
8 - CF Felippe Cardoso
9 - CF Aloysio Augusto Novis
10 - CF Zilda Arns
11 - CF Assis Valente
12 - CF Maria Sebastiana De Oliveira AP: Área de Planejamento
CMS: Centro Municipal de Saúde / CF: Clínica da Família
AP 3.2
13 - CF Sergio Nicolau Amim
14 - CF Bárbara Starfield
15 - CF Anthídio Dias da Silveira
AP 3.3
16 - CF Dante Romanó
17 - CF Maria de Azevedo
18 - CF Marcos Valadão
19 - CF Souza Marques
AP 4.0
20 - CF Pe José De Azevedo Tiúba
21 - CF Helena Besserman Vianna
AP 5.2
22 - CF Dalmir de Abreu Salgado
23 - CF Hans Dohmann
24 - CF Alkindar Soares Filho
25 - CF Sonia Maria Ferreira Machado
AP 5.3
26 - CF Ilzo de Motta de Mello
Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade
Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro
Aprendizagem na prática.
Excelência em infraestrutura.
Vivência para se orgulhar do SUS.
Folder02.indd 1 01/09/16 12:11
Infraestrutura e Tecnologia de Ponta
O treinamento ocorre em Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde, que
possuem infraestrutura adequada para o trabalho das equipes de saúde da família.
Com layout apropriado e humanizado, as clínicas possuem toda a estrutura
necessária para uma excelente formação de médicos de família e comunidade.
•	 Consultórios amplos, equipados e climatizados;
•	 Unidades informatizadas;
•	 Prontuários eletrônicos integrados com todo o sistema;
•	 Clínicas equipadas com eletrocardiograma, aparelhos de raio-X e ultrassonografia;
•	 Exames laboratoriais;
•	 Capacidade de realizar pequenos
procedimentos cirúrgicos.
Programa Político Pedagógico
O programa possui módulos teóricos voltados para a formação específica do médico
de família e comunidade, seguindo a recomendação da Sociedade Brasileira de
Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) e da comissão nacional de Residências
Médicas (CNRM). São seis horas semanais de conteúdo pedagógico divididas em:
•	 Sessão clínica (2h/semana);
•	 Discussão de temas clínicos divididos em 5 eixos temáticos: cardiovascular,materno-
infantil,saúde mental e Indiferenciados I e II;
•	 Seminários e/ou oficinas de capacitação a cada três meses realizados nos Observatórios
de Tecnologia de Informação em saúde - espaços multimídia com videoconferência,
projetados para a realização de aulas e outras atividades (12h);
•	 Oficinas semanais com capacitação de preceptores;
•	 Matriciamento com preceptores de outras especialidades, como dermatologia e
psiquiatria.
Medicina de Família no Exterior
Não há fronteiras para o aprendizado. Os residentes da SMS são estimulados a realizar
os estágios em países que tenham estabelecido convênio com SBMFC ou com a própria
SMS, como Portugal, Espanha, Itália, Uruguai e Peru.
Os residentes também podem optar por estagiar em outros serviços, como geriatria,
equipes de população de rua, cuidados paliativos, equipe de saúde de área fluvial
em áreas ribeirinhas, assim como outras cidades do Brasil com Atenção Primaria
estruturada.
Além disso, o programa possibilita que os residentes participem de cursos e eventos
para estarem atualizados profissionalmente.
Preceptores Qualificados
Com excelente nível de formação em Medicina e Família e Comunidade, o grupo de
preceptores é um dos principais diferenciais do PRMFC. Os preceptores são responsáveis
pela formação teórica, pela atuação do residente em serviço e pela condução das
discussões nas sessões clínicas.
Retorno Profissional e Financeiro
Os profissionais da rede de atenção primária são incentivados a investirem em suas
formações, por meio de um plano de carreira proposto pela Secretaria Municipal de
Saúde. É oferecido um adicional salarial para:
•	 Especialista em MFC;
•	 Profissionais que exercem funções de preceptoria;
•	 Possuam responsabilidades técnicas nas clínicas da família;
•	 Possuam mestrado e/ou doutorado na área de saúde pública/MFC.
Ao término do programa, o residente tem a oportunidade de continuar atuando
na atenção primária do Rio de Janeiro – uma rede em franca expansão e com um
mercado muito promissor para os profissionais especializados em medicina de família
e comunidade. Hoje, 80% dos residentes permanecem na rede municipal após a
formação, proporcionando continuidade e melhoria significativa no atendimento à
saúde da população carioca.
Folder02.indd 2 01/09/16 12:11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ampliação do Acesso a par0ir da inserção de DIU por Enfer7eiro na APS de Fl...
Ampliação do Acesso a par0ir da  inserção de DIU por Enfer7eiro  na APS de Fl...Ampliação do Acesso a par0ir da  inserção de DIU por Enfer7eiro  na APS de Fl...
Ampliação do Acesso a par0ir da inserção de DIU por Enfer7eiro na APS de Fl...Portal da Inovação em Saúde
 
MFC na Graduação e pos graduação
MFC na Graduação e pos graduaçãoMFC na Graduação e pos graduação
MFC na Graduação e pos graduaçãoLeonardo Savassi
 
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...Portal da Inovação em Saúde
 
Implantação de Protocolos de Enfermagem para ampliação do acesso na Atenção...
Implantação de Protocolos de  Enfermagem para ampliação do  acesso na Atenção...Implantação de Protocolos de  Enfermagem para ampliação do  acesso na Atenção...
Implantação de Protocolos de Enfermagem para ampliação do acesso na Atenção...Portal da Inovação em Saúde
 
Plano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrioPlano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrioBrenner Cardoso
 
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...Portal da Inovação em Saúde
 
Sistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgênciasSistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgênciasbiblisaocamilo
 
Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...
Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...
Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...Anais IV CBED
 
Amq exemplo matriz intervenção (1)
Amq exemplo matriz intervenção (1)Amq exemplo matriz intervenção (1)
Amq exemplo matriz intervenção (1)Janice Paulino
 
Festival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e PronasFestival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e PronasABCR
 

Mais procurados (20)

Ampliação do Acesso a par0ir da inserção de DIU por Enfer7eiro na APS de Fl...
Ampliação do Acesso a par0ir da  inserção de DIU por Enfer7eiro  na APS de Fl...Ampliação do Acesso a par0ir da  inserção de DIU por Enfer7eiro  na APS de Fl...
Ampliação do Acesso a par0ir da inserção de DIU por Enfer7eiro na APS de Fl...
 
MFC na Graduação e pos graduação
MFC na Graduação e pos graduaçãoMFC na Graduação e pos graduação
MFC na Graduação e pos graduação
 
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
CIRCUITO EU SOU SUS – PRÉ-NATAL: UMA ESTRATÉGIA PARA FORTALECER A ADESÃO AO P...
 
Implantação de Protocolos de Enfermagem para ampliação do acesso na Atenção...
Implantação de Protocolos de  Enfermagem para ampliação do  acesso na Atenção...Implantação de Protocolos de  Enfermagem para ampliação do  acesso na Atenção...
Implantação de Protocolos de Enfermagem para ampliação do acesso na Atenção...
 
Plano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrioPlano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrio
 
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúdePlanificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
 
Roda de Conversa Infância e Adolescência
Roda de Conversa Infância e AdolescênciaRoda de Conversa Infância e Adolescência
Roda de Conversa Infância e Adolescência
 
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental PaulistanaRoda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
Roda de Conversa Infância e Adolescência. Rede Sampa - Saúde Mental Paulistana
 
Atenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no ParanáAtenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no Paraná
 
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO  CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
APOIO MATRICIAL DE ENFERMAGEM NO CUIDADO À PESSOA COM FERIDA: Inovando e For...
 
O papel do estado na organização da Redes de Atenção à Saúde nas regiões de s...
O papel do estado na organização da Redes de Atenção à Saúde nas regiões de s...O papel do estado na organização da Redes de Atenção à Saúde nas regiões de s...
O papel do estado na organização da Redes de Atenção à Saúde nas regiões de s...
 
Artigo perícia médica
Artigo perícia médicaArtigo perícia médica
Artigo perícia médica
 
O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...
O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...
O papel da Gestão Estadual no processo de expansão da Planificação da Atenção...
 
Sistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgênciasSistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgências
 
O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...
O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...
O matriciamento como ferramenta para a integração entre a APS e a AAE na Regi...
 
Câmara Temática Saúde
Câmara Temática SaúdeCâmara Temática Saúde
Câmara Temática Saúde
 
Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...
Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...
Dr. Neuranides - Atuação dos órgãos reguladores da profissão (19/09/2012 - Ma...
 
Amq exemplo matriz intervenção (1)
Amq exemplo matriz intervenção (1)Amq exemplo matriz intervenção (1)
Amq exemplo matriz intervenção (1)
 
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no ParanáModelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
 
Festival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e PronasFestival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e Pronas
 

Semelhante a Residência em MFC do RJ capacita 300 médicos/ano

Respostas para a folha dirigida
Respostas para a folha dirigidaRespostas para a folha dirigida
Respostas para a folha dirigidaJamildo Melo
 
Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1Sara Américo
 
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em PernambucoApresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em PernambucoFolha de Pernambuco
 
MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas Gerais
MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas GeraisMFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas Gerais
MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas GeraisLeonardo Savassi
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...DaviCarvalho66
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipalBi_Oliveira
 
Programa Mais Médicos - Análise e Informações
Programa Mais Médicos - Análise e InformaçõesPrograma Mais Médicos - Análise e Informações
Programa Mais Médicos - Análise e InformaçõesVitor Quarenta
 

Semelhante a Residência em MFC do RJ capacita 300 médicos/ano (20)

Jornal sbmfc
Jornal sbmfcJornal sbmfc
Jornal sbmfc
 
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdfSAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
SAUDE DIREITO DE TODOS.pdf
 
RMMFC Betim (ACEMFC)
RMMFC Betim (ACEMFC)RMMFC Betim (ACEMFC)
RMMFC Betim (ACEMFC)
 
Respostas para a folha dirigida
Respostas para a folha dirigidaRespostas para a folha dirigida
Respostas para a folha dirigida
 
Brasília Saudável
Brasília SaudávelBrasília Saudável
Brasília Saudável
 
AULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptxAULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptx
 
Beltrame evora claunara
Beltrame evora claunaraBeltrame evora claunara
Beltrame evora claunara
 
Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1
 
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em PernambucoApresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
Apresentação sobre os impactos e avanços do Mais Médicos em Pernambuco
 
MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas Gerais
MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas GeraisMFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas Gerais
MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas Gerais
 
Aula residencia hrms
Aula residencia hrmsAula residencia hrms
Aula residencia hrms
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
 
Programa Mais Médicos - Análise e Informações
Programa Mais Médicos - Análise e InformaçõesPrograma Mais Médicos - Análise e Informações
Programa Mais Médicos - Análise e Informações
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZAA ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
A Rede
A RedeA Rede
A Rede
 
Anvisa
AnvisaAnvisa
Anvisa
 

Mais de Inaiara Bragante

Mais de Inaiara Bragante (20)

Parecer
ParecerParecer
Parecer
 
Calendário SET_FEVEREIRO
Calendário SET_FEVEREIROCalendário SET_FEVEREIRO
Calendário SET_FEVEREIRO
 
Calendário temas aulas 2019 R1 e R2s
Calendário temas aulas 2019  R1 e R2sCalendário temas aulas 2019  R1 e R2s
Calendário temas aulas 2019 R1 e R2s
 
2017 é o ano do galo calendário teórico- r1
2017 é o ano do galo   calendário teórico- r12017 é o ano do galo   calendário teórico- r1
2017 é o ano do galo calendário teórico- r1
 
Artigo23 05 2017
Artigo23 05 2017Artigo23 05 2017
Artigo23 05 2017
 
D.o. 17 03-2016 (1)
D.o. 17 03-2016 (1)D.o. 17 03-2016 (1)
D.o. 17 03-2016 (1)
 
D.o. 17 03-2016
D.o. 17 03-2016D.o. 17 03-2016
D.o. 17 03-2016
 
Revista cremerj
Revista cremerjRevista cremerj
Revista cremerj
 
Memoria dr. roberto sánchez
Memoria dr. roberto sánchezMemoria dr. roberto sánchez
Memoria dr. roberto sánchez
 
Testes diagnósticos
Testes diagnósticosTestes diagnósticos
Testes diagnósticos
 
Carta aos residentes i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
Carta aos residentes   i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgaçãoCarta aos residentes   i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
Carta aos residentes i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
 
Residência
ResidênciaResidência
Residência
 
Residencia Uerj Donato
Residencia Uerj DonatoResidencia Uerj Donato
Residencia Uerj Donato
 
Formação em mfc donato
Formação em mfc donatoFormação em mfc donato
Formação em mfc donato
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
 
Raciocínio clínico
Raciocínio clínicoRaciocínio clínico
Raciocínio clínico
 
Raciocínio clínico
Raciocínio clínicoRaciocínio clínico
Raciocínio clínico
 
Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)
 
Ultimasvagas
UltimasvagasUltimasvagas
Ultimasvagas
 
Aula6 01 2015
Aula6 01 2015Aula6 01 2015
Aula6 01 2015
 

Último

Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxIgrejaBblica1
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 

Último (13)

Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 

Residência em MFC do RJ capacita 300 médicos/ano

  • 1. Mais de três milhões de cariocas já foram beneficiados pela expansão da Atenção Primária implantada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no Rio de Janeiro desde 2009. Em oito anos, a cidade passou de uma cobertura da estratégia Saúde da Família de 3,5% para 70% da população, com mais de mil equipes de saúde. O médico de família e comunidade (MFC) é fundamental para o avanço da Atenção Primária. É esse profissional que coordena os cuidados dos pacientes sob sua responsabilidade e atua na organização do sistema, garantindo maior eficiência nas ações em saúde. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade (PRMFC) da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro é o maior programa de residência do País, em comparação não apenas com Medicina da Família, mas também com outras especialidades. A Residência em Medicina de Família e Comunidade da SMS foi criada em 2011 com a abertura de 60 vagas. Hoje, são oferecidas 150 vagas por ano, todas credenciadas pelo MEC, sendo 300 residentes atuando nas unidades da SMS a cada ano. O programa é estratégico para qualificar a rede de atenção à saúde: tem enfoque clínico, que prioriza o treinamento de médicos residentes para oferecer uma carteira de serviços de saúde abrangente, com acesso e resolutividade para a Atenção Primária. O PRMFC valoriza o trabalho profissional em formação em Medicina da Família e Comu- nidade por acreditar que este é um investimento estratégico para fortalecer a Atenção Primária à Saúde. A política já triplicou os rendimentos dos médicos residentes, o que permite dedicação integral à formação profissional. Residência em Medicina de Família e Comunidade do Rio de Janeiro ONDE ESTAMOS Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (PRMFC-SMS/RJ) E-mail: residenciamfc.smsrio@gmail.com • Telefones: (21)2210-1573/ 99586-3701 AP 1.0 1 - CF Estácio de Sá 2 - CF Nélio de Oliveira AP 2.1 3 - CMS Manoel José Ferreira 4 - CF Santa Marta 5 - CMS João Barros Barreto 6 - CF Rinaldo de Lamare 7 - CF Maria do Socorro Silva e Souza AP 3.1 8 - CF Felippe Cardoso 9 - CF Aloysio Augusto Novis 10 - CF Zilda Arns 11 - CF Assis Valente 12 - CF Maria Sebastiana De Oliveira AP: Área de Planejamento CMS: Centro Municipal de Saúde / CF: Clínica da Família AP 3.2 13 - CF Sergio Nicolau Amim 14 - CF Bárbara Starfield 15 - CF Anthídio Dias da Silveira AP 3.3 16 - CF Dante Romanó 17 - CF Maria de Azevedo 18 - CF Marcos Valadão 19 - CF Souza Marques AP 4.0 20 - CF Pe José De Azevedo Tiúba 21 - CF Helena Besserman Vianna AP 5.2 22 - CF Dalmir de Abreu Salgado 23 - CF Hans Dohmann 24 - CF Alkindar Soares Filho 25 - CF Sonia Maria Ferreira Machado AP 5.3 26 - CF Ilzo de Motta de Mello Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro Aprendizagem na prática. Excelência em infraestrutura. Vivência para se orgulhar do SUS. Folder02.indd 1 01/09/16 12:11
  • 2. Infraestrutura e Tecnologia de Ponta O treinamento ocorre em Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde, que possuem infraestrutura adequada para o trabalho das equipes de saúde da família. Com layout apropriado e humanizado, as clínicas possuem toda a estrutura necessária para uma excelente formação de médicos de família e comunidade. • Consultórios amplos, equipados e climatizados; • Unidades informatizadas; • Prontuários eletrônicos integrados com todo o sistema; • Clínicas equipadas com eletrocardiograma, aparelhos de raio-X e ultrassonografia; • Exames laboratoriais; • Capacidade de realizar pequenos procedimentos cirúrgicos. Programa Político Pedagógico O programa possui módulos teóricos voltados para a formação específica do médico de família e comunidade, seguindo a recomendação da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) e da comissão nacional de Residências Médicas (CNRM). São seis horas semanais de conteúdo pedagógico divididas em: • Sessão clínica (2h/semana); • Discussão de temas clínicos divididos em 5 eixos temáticos: cardiovascular,materno- infantil,saúde mental e Indiferenciados I e II; • Seminários e/ou oficinas de capacitação a cada três meses realizados nos Observatórios de Tecnologia de Informação em saúde - espaços multimídia com videoconferência, projetados para a realização de aulas e outras atividades (12h); • Oficinas semanais com capacitação de preceptores; • Matriciamento com preceptores de outras especialidades, como dermatologia e psiquiatria. Medicina de Família no Exterior Não há fronteiras para o aprendizado. Os residentes da SMS são estimulados a realizar os estágios em países que tenham estabelecido convênio com SBMFC ou com a própria SMS, como Portugal, Espanha, Itália, Uruguai e Peru. Os residentes também podem optar por estagiar em outros serviços, como geriatria, equipes de população de rua, cuidados paliativos, equipe de saúde de área fluvial em áreas ribeirinhas, assim como outras cidades do Brasil com Atenção Primaria estruturada. Além disso, o programa possibilita que os residentes participem de cursos e eventos para estarem atualizados profissionalmente. Preceptores Qualificados Com excelente nível de formação em Medicina e Família e Comunidade, o grupo de preceptores é um dos principais diferenciais do PRMFC. Os preceptores são responsáveis pela formação teórica, pela atuação do residente em serviço e pela condução das discussões nas sessões clínicas. Retorno Profissional e Financeiro Os profissionais da rede de atenção primária são incentivados a investirem em suas formações, por meio de um plano de carreira proposto pela Secretaria Municipal de Saúde. É oferecido um adicional salarial para: • Especialista em MFC; • Profissionais que exercem funções de preceptoria; • Possuam responsabilidades técnicas nas clínicas da família; • Possuam mestrado e/ou doutorado na área de saúde pública/MFC. Ao término do programa, o residente tem a oportunidade de continuar atuando na atenção primária do Rio de Janeiro – uma rede em franca expansão e com um mercado muito promissor para os profissionais especializados em medicina de família e comunidade. Hoje, 80% dos residentes permanecem na rede municipal após a formação, proporcionando continuidade e melhoria significativa no atendimento à saúde da população carioca. Folder02.indd 2 01/09/16 12:11