SlideShare uma empresa Scribd logo
POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Ana Paula Elisângela Euni Ivete Selma
Por que uma Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem? Porque os homens apresentam algumas peculiaridades em relação às mulheres nos quesitos: MORTALIDADE MORBILIDADE ASPECTOS SOCIOCULTURAIS
MORTALIDADE - A cada 3 pessoas que morrem no Brasil, 2 são HOMENS. A cada 5 pessoas que morrem de 20 a 30 anos, 4 são HOMENS. Os Homens vivem 7,6 anos a menos, em média, do que as mulheres.
Principais causas de mortalidade na população masculina - Causas externas - Ap. circulatório - Neoplasias - Ap. digestivo - Ap. respiratório
MORBILIDADE Os homens, entre outros problemas, apresentam mais: - Doenças do coração (infarto, AVC) - Cânceres (pulmonar, próstata, pele) - Colesterol elevado - Diabetes - Pressão alta
ASPECTOS SOCIOCULTURAIS -  Tem medo de descobrir doenças; - Acham quer nunca vão adoecer e por isso não se cuidam - Não procuram os serviços de saúde e não seguem os tratamentos recomendados - Estão mais expostos aos acidentes de trânsitos e de  trabalho; - Utilizam álcool e outras drogas em maior quantidade; - Estão envolvidos na maioria das situações de violência não praticam atividade física com regularidade;
 
Por que os homens não se cuidam e não procuram os serviços de saúde? Socioculturais Barreiras Institucionais -  Estereótipos de gênero - O pensamento mágico - Medo que descubra doenças - O papel de provedor - O papel de “cuidar” Estratégias de comunicação não privilegiam os homens Inadequação dos serviços de saúde * Horários de funcionamento * Dificuldades de acesso * Presença de mulher no exame do toque retal
A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, foi lançada no dia 27 de agosto de 2009. PORTARIA Nº 1944
PÚBLICO ALVO Atendimento da população masculina de 20 a 59 anos.
OBJETIVO GERAL Facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde, contribuindo para a redução das causas de morbidade, mortalidade e atuação nos aspectos socioculturais.
É uma resposta à observação de que as doenças que afetam o sexo masculino são um problema de saúde pública.
1. Organizar rede de atenção à saúde a fim de garantir uma linha de cuidados integrais, tendo a Estratégia Saúde da Família (ESF) como porta de entrada; 2. Apoiar ações e atividades de promoção de saúde para facilitar o acesso da população masculina aos serviços de saúde; 3. Qualificar profissionais de saúde para o atendimento dos homens; 4. Incorporar o homem no planejamento reprodutivo e no compartilhamento aos  cuidados da saúde familiar; 5. Construir parcerias com a sociedade civil organizada para promover a saúde do homem. OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRIORITÁRIOS
PLANO DE AÇÃO NACIONAL (2009-2011) OBJETIVOS: O Plano apresenta as intenções e os resultados a serem buscados, em um período de tempo determinado (2009-2011), expressos em diretrizes, objetivos, metas e ações e deverá num primeiro momento: * A elaboração de plano piloto em 26 Estados e DF e em 26 Municípios (um por Estado) selecionados pelo Ministério; * A geração de subsídios aos gestores no desenvolvimento de estratégias e ações voltadas para a saúde do Homem, inserindo-as em seus respectivos Planos de Saúde Estadual e Municipal.
EIXOS *  Eixo I : Implantação da Política Nacional de atenção Integral à Saúde do Homem; *  Eixo II e III : Promoção de saúde, informação e comunicação; *  Eixo IV : Participação, relações institucionais e controle social; *  Eixo V : Implantação e expansão do sistema de atenção à saúde do homem; *  Eixo VI : Qualificação de profissionais da saúde; *  Eixo VII : Insumos, equipamentos e recursos humanos; *  Eixo VIII : Sistemas de informação; *  Eixo IX : Avaliação do Projeto-piloto.
O processo de construção do Plano de Ação Nacional (2009-2011) foi realizado de forma participativa através de reuniões com representantes de sociedades médicas e da sociedade civil, universidades, gestores estaduais e municipais, profissionais da saúde, além das Secretarias do Ministério da Saúde .
A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, portanto, além de evidenciar os principais fatores de morbitalidade explicita o reconhecimento de determinantes sociais que resultam na vulnerabilidade da população masculina aos agravos à saúde, considerando que representações sociais sobre a masculinidade vigente comprometem o acesso à atenção integral, bem como repercutem de modo crítico na vulnerabilidade dessa população à situações de violência e de risco para a saúde.
 
Eles não reconhecem a doença como algo inerente à condição do homem, por isso acham que os serviços de saúde são destinados às mulheres, crianças e idosos”, outra dificuldade é que eles não acreditam em profilaxia, o que prejudica o trabalho em prevenção.
A Área Técnica de Saúde do Homem promoveu três oficinas de trabalho no inicio deste mês (maio) de 2010  Capacitando 54 municípios
Todas as Oficinas aconteceram em Brasília, contando com um total de 143 participantes.  Oficina I - Regiões: Sul e Sudeste – 03 e 04/05/2010  Oficina II – Região Nordeste – 05 e 06/05/2010  Oficina III – Regiões Centro-Oeste e Norte– 07 e 08/05/2010
A intenção é reunir lado a lado, o conjunto de experiências acumuladas de cobertura da população masculina e os responsáveis pela estratégia de expansão. Com isso, espera-se ganhar em qualidade e acelerar o desenvolvimento do processo.
http://portal.saude.gov.br/portal/saude DISQUE SAÚDE 0800 61 1997

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
Alanna Alexandre
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
feraps
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Karina Pereira
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Sus
SusSus
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Sanny Pereira
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
irisneth duarte
 
Saude do homem
Saude do homem Saude do homem
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
Joice Lins
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Neto Pontes
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
Carla Couto
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
SUS
SUSSUS
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
Gustavo Henrique
 
Estrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamíliaEstrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamília
Marcos Nery
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
Carla Brochi
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
ssuser1b1803
 

Mais procurados (20)

Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Sus
SusSus
Sus
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
 
Saude do homem
Saude do homem Saude do homem
Saude do homem
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
 
Estrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamíliaEstrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamília
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
 

Semelhante a Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem

Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
guestb6b45808
 
Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
Cida Ilha
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
eriiclima
 
Politica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homemPolitica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homem
Ketinlly
 
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
Jamessonjr Leite Junior
 
Livro pnaish 2018
Livro pnaish 2018Livro pnaish 2018
Livro pnaish 2018
rejanefranca
 
Co4221
Co4221Co4221
Co4221
Ketinlly
 
Saude do homem
Saude do homemSaude do homem
Saude do homem
Márcia Oliveira
 
Saude do Homem.ppt
Saude do Homem.pptSaude do Homem.ppt
Saude do Homem.ppt
EnfermagemUniavan
 
DOC-20230314-WA0051..pptx
DOC-20230314-WA0051..pptxDOC-20230314-WA0051..pptx
DOC-20230314-WA0051..pptx
AndreiaCosta151227
 
Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...
Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...
Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...
EstvoManuel2
 
Slide - Indicadores de Saúde OK .pptx
Slide - Indicadores de Saúde OK .pptxSlide - Indicadores de Saúde OK .pptx
Slide - Indicadores de Saúde OK .pptx
JosefaFelix
 
HISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGO
HISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGOHISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGO
HISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGO
ubaldojose
 
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXIDesafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Centro Universitário Ages
 
Paim j. desafio da saude coletiva
Paim j. desafio da saude coletivaPaim j. desafio da saude coletiva
Paim j. desafio da saude coletiva
Socorro Carneiro
 
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.pptGÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
JessiellyGuimares
 
sus_saude_brasil_3ed.pdf
sus_saude_brasil_3ed.pdfsus_saude_brasil_3ed.pdf
sus_saude_brasil_3ed.pdf
DayannaCarolina7
 
ABC do SUS.pdf
ABC do SUS.pdfABC do SUS.pdf
ABC do SUS.pdf
Bruno Barbosa
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
JessiellyGuimares
 

Semelhante a Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (20)

Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
 
Politica nacional homem
Politica nacional homemPolitica nacional homem
Politica nacional homem
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
 
Politica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homemPolitica nacional atencao_homem
Politica nacional atencao_homem
 
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011Saúde do homem   aula - jamesson - ses - humanização 2011
Saúde do homem aula - jamesson - ses - humanização 2011
 
Livro pnaish 2018
Livro pnaish 2018Livro pnaish 2018
Livro pnaish 2018
 
Co4221
Co4221Co4221
Co4221
 
Saude do homem
Saude do homemSaude do homem
Saude do homem
 
Saude do Homem.ppt
Saude do Homem.pptSaude do Homem.ppt
Saude do Homem.ppt
 
DOC-20230314-WA0051..pptx
DOC-20230314-WA0051..pptxDOC-20230314-WA0051..pptx
DOC-20230314-WA0051..pptx
 
Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...
Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...
Saude do Homem_nordeste.pptxPolitica nacional de atençao integral a saude do ...
 
Slide - Indicadores de Saúde OK .pptx
Slide - Indicadores de Saúde OK .pptxSlide - Indicadores de Saúde OK .pptx
Slide - Indicadores de Saúde OK .pptx
 
HISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGO
HISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGOHISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGO
HISTORIA DO SUS E AÇÃO DO PSICOLOGO
 
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXIDesafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
 
Paim j. desafio da saude coletiva
Paim j. desafio da saude coletivaPaim j. desafio da saude coletiva
Paim j. desafio da saude coletiva
 
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.pptGÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
 
sus_saude_brasil_3ed.pdf
sus_saude_brasil_3ed.pdfsus_saude_brasil_3ed.pdf
sus_saude_brasil_3ed.pdf
 
ABC do SUS.pdf
ABC do SUS.pdfABC do SUS.pdf
ABC do SUS.pdf
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
 

Mais de Faculdade União das Américas

Debatendo o uso de drogas
Debatendo o uso de drogasDebatendo o uso de drogas
Debatendo o uso de drogas
Faculdade União das Américas
 
Violencia contra mulher
Violencia contra mulherViolencia contra mulher
Violencia contra mulher
Faculdade União das Américas
 
Trabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do IdosoTrabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do Idoso
Faculdade União das Américas
 
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da FamíliaTrabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Faculdade União das Américas
 
Trabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde MentalTrabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde Mental
Faculdade União das Américas
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Faculdade União das Américas
 
Serviço Social e Educação
Serviço Social e EducaçãoServiço Social e Educação
Serviço Social e Educação
Faculdade União das Américas
 

Mais de Faculdade União das Américas (8)

Debatendo o uso de drogas
Debatendo o uso de drogasDebatendo o uso de drogas
Debatendo o uso de drogas
 
Violencia contra mulher
Violencia contra mulherViolencia contra mulher
Violencia contra mulher
 
Trabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do IdosoTrabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do Idoso
 
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da FamíliaTrabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
 
Trabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde MentalTrabalho Saúde Mental
Trabalho Saúde Mental
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
 
Serviço Social e Educação
Serviço Social e EducaçãoServiço Social e Educação
Serviço Social e Educação
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem

  • 1. POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Ana Paula Elisângela Euni Ivete Selma
  • 2. Por que uma Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem? Porque os homens apresentam algumas peculiaridades em relação às mulheres nos quesitos: MORTALIDADE MORBILIDADE ASPECTOS SOCIOCULTURAIS
  • 3. MORTALIDADE - A cada 3 pessoas que morrem no Brasil, 2 são HOMENS. A cada 5 pessoas que morrem de 20 a 30 anos, 4 são HOMENS. Os Homens vivem 7,6 anos a menos, em média, do que as mulheres.
  • 4. Principais causas de mortalidade na população masculina - Causas externas - Ap. circulatório - Neoplasias - Ap. digestivo - Ap. respiratório
  • 5. MORBILIDADE Os homens, entre outros problemas, apresentam mais: - Doenças do coração (infarto, AVC) - Cânceres (pulmonar, próstata, pele) - Colesterol elevado - Diabetes - Pressão alta
  • 6. ASPECTOS SOCIOCULTURAIS - Tem medo de descobrir doenças; - Acham quer nunca vão adoecer e por isso não se cuidam - Não procuram os serviços de saúde e não seguem os tratamentos recomendados - Estão mais expostos aos acidentes de trânsitos e de trabalho; - Utilizam álcool e outras drogas em maior quantidade; - Estão envolvidos na maioria das situações de violência não praticam atividade física com regularidade;
  • 7.  
  • 8. Por que os homens não se cuidam e não procuram os serviços de saúde? Socioculturais Barreiras Institucionais - Estereótipos de gênero - O pensamento mágico - Medo que descubra doenças - O papel de provedor - O papel de “cuidar” Estratégias de comunicação não privilegiam os homens Inadequação dos serviços de saúde * Horários de funcionamento * Dificuldades de acesso * Presença de mulher no exame do toque retal
  • 9. A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, foi lançada no dia 27 de agosto de 2009. PORTARIA Nº 1944
  • 10. PÚBLICO ALVO Atendimento da população masculina de 20 a 59 anos.
  • 11. OBJETIVO GERAL Facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde, contribuindo para a redução das causas de morbidade, mortalidade e atuação nos aspectos socioculturais.
  • 12. É uma resposta à observação de que as doenças que afetam o sexo masculino são um problema de saúde pública.
  • 13. 1. Organizar rede de atenção à saúde a fim de garantir uma linha de cuidados integrais, tendo a Estratégia Saúde da Família (ESF) como porta de entrada; 2. Apoiar ações e atividades de promoção de saúde para facilitar o acesso da população masculina aos serviços de saúde; 3. Qualificar profissionais de saúde para o atendimento dos homens; 4. Incorporar o homem no planejamento reprodutivo e no compartilhamento aos cuidados da saúde familiar; 5. Construir parcerias com a sociedade civil organizada para promover a saúde do homem. OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRIORITÁRIOS
  • 14. PLANO DE AÇÃO NACIONAL (2009-2011) OBJETIVOS: O Plano apresenta as intenções e os resultados a serem buscados, em um período de tempo determinado (2009-2011), expressos em diretrizes, objetivos, metas e ações e deverá num primeiro momento: * A elaboração de plano piloto em 26 Estados e DF e em 26 Municípios (um por Estado) selecionados pelo Ministério; * A geração de subsídios aos gestores no desenvolvimento de estratégias e ações voltadas para a saúde do Homem, inserindo-as em seus respectivos Planos de Saúde Estadual e Municipal.
  • 15. EIXOS * Eixo I : Implantação da Política Nacional de atenção Integral à Saúde do Homem; * Eixo II e III : Promoção de saúde, informação e comunicação; * Eixo IV : Participação, relações institucionais e controle social; * Eixo V : Implantação e expansão do sistema de atenção à saúde do homem; * Eixo VI : Qualificação de profissionais da saúde; * Eixo VII : Insumos, equipamentos e recursos humanos; * Eixo VIII : Sistemas de informação; * Eixo IX : Avaliação do Projeto-piloto.
  • 16. O processo de construção do Plano de Ação Nacional (2009-2011) foi realizado de forma participativa através de reuniões com representantes de sociedades médicas e da sociedade civil, universidades, gestores estaduais e municipais, profissionais da saúde, além das Secretarias do Ministério da Saúde .
  • 17. A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, portanto, além de evidenciar os principais fatores de morbitalidade explicita o reconhecimento de determinantes sociais que resultam na vulnerabilidade da população masculina aos agravos à saúde, considerando que representações sociais sobre a masculinidade vigente comprometem o acesso à atenção integral, bem como repercutem de modo crítico na vulnerabilidade dessa população à situações de violência e de risco para a saúde.
  • 18.  
  • 19. Eles não reconhecem a doença como algo inerente à condição do homem, por isso acham que os serviços de saúde são destinados às mulheres, crianças e idosos”, outra dificuldade é que eles não acreditam em profilaxia, o que prejudica o trabalho em prevenção.
  • 20. A Área Técnica de Saúde do Homem promoveu três oficinas de trabalho no inicio deste mês (maio) de 2010  Capacitando 54 municípios
  • 21. Todas as Oficinas aconteceram em Brasília, contando com um total de 143 participantes. Oficina I - Regiões: Sul e Sudeste – 03 e 04/05/2010 Oficina II – Região Nordeste – 05 e 06/05/2010 Oficina III – Regiões Centro-Oeste e Norte– 07 e 08/05/2010
  • 22. A intenção é reunir lado a lado, o conjunto de experiências acumuladas de cobertura da população masculina e os responsáveis pela estratégia de expansão. Com isso, espera-se ganhar em qualidade e acelerar o desenvolvimento do processo.