SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
A Crise do Império Português e a União Ibérica Miguel Leitão de Andrade: estampa da batalha de Alcácer-Quibir;  Miscelânea ; 1629
Juan Pantoja de la Cruz Carlos V   (1500-1558)  Filipe II  (1556 -1598) Real Monasterio de San Lorenzo de El Escorial Nos meados do séc. XVI, a Espanha dominava um vasto império marítimo e colonial. wikipedia
Possessões europeias de Carlos V wikipedia Possessões ultramarinas
O centro monetário localiza-se em Espanha, são as minas mexicanas e peruanas que abastecem de prata a cunhagem europeia. A economia imperial portuguesa entra na órbita espanhola.  Casa de Contratación  Catedral de Palência.
 
Cristóvão Lopes:  D. João III  e  D. Catarina de Áustria ; 1545 – 50; MNAA D. João III morreu em 1557, sucedendo-lhe no trono o neto  D. Sebastião.
Sentenças para a ensinança e doutrina do príncipe D. Sebastião ; iluminura atribuída a António Fernandes; c. 1554. D.  Sebastião tinha apenas três anos de idade, pelo que a regência foi atribuída a sua avó, D. Catarina, e ao cardeal D. Henrique. Em 1568, com catorze anos, sobe ao poder e mantém uma ideia fixa: organizar uma expedição militar ao Norte de África. Cristóvão de Morais D. Sebastião 1571 MNAA
Batalha de Alcácer Quibir. Panfleto volante ilustrado de grande formato, com gravura em madeira de Hans Rogel (Augsburgo; 1578); in RAMALHEIRA, Ana Maria Pinhão:  Alcácer Quibir e D. Sebastião na Alemanha. Representações Historiográficas e Literárias (1578 – ca. 1800);  Coimbra; Minerva; 2002. No dia 4 de Agosto de 1578, os exércitos comandados por D. Sebastião são derrotados em  Alcácer-Quibir . O próprio rei morre sem descendentes. O número de baixas nunca foi determinado, mas foram, seguramente, mais de uma dezena de milhar. Foi a maior tragédia militar da história de Portugal.
Cardeal Rei D. Henrique 1512 - 1580 Sucedeu-lhe no trono o seu tio-avô, o  cardeal D. Henrique  que viria, no entanto, a morrer em 1580, igualmente sem descendentes. Abre-se uma crise dinástica.
D. Manuel I 1496 - 1521 2º 1500 D. Maria 1482 - 1517 Carlos I 1516 - 1556 1526 D. Isabel 1502 - 1539 1525 D. Catarina 1507 - 1578 D. João III 1521 - 1557 Carlos III  de Sabóia 1486 - 1553 Beatriz 1504 - 1538 1521 Manuel Felisberto 1528 - 1580 D. Luís 1506 - 1555 D. António Prior do Crato 1531-1595 D. Henrique 1512-1580 D. Fernando:1507 – 1534, duque da Guarda e Trancoso D. Afonso: 1509 – 1540, cardeal D. Maria: 1511- 1513 D. Isabel  de Bragança D. António 1516 D. João 1537-1554 D. Joana 1535-1573 D. Sebastião 1557-1578 Filipe II 1580-1598 D. Maria 1538-1577 Alexandre Farnese 1542-1592 Ranuccio I Farnese 1569 -1622 Catarina  de  Bragança 1540 - 1614 D. João de Bragança D. Duarte 1514-1540
Em 1580, o  duque de Alba  comanda as tropas que entram em Lisboa à frente de mais de 23 000 homens. A partir de Setúbal, sobe a Lisboa sem encontrar oposição. O prior do Crato reúne 8 000 homens mal treinados, incluindo escravos e prisioneiros libertos. A 25 de Agosto, trava-se o recontro de  Alcântara.  A trupe de D. António é desbaratada em meia hora. O prior é ferido e foge.
D. António refugia-se nos Açores, onde resiste durante algum tempo angariando o apoio francês. Em 1583, porém, uma poderosa armada espanhola destroça os navios franceses. D. António exila-se em Londres. Aí, convence a rainha a apoiar as suas pretensões a troco de 5 milhões de ducados. Em caso de sucesso, Portugal pagaria uma renda perpétua anual de 300 000 ducados. Prometeu o saque de Lisboa durante 12 dias, liberdade de comércio na metrópole e no ultramar para os ingleses! Autorizou a fixação de guarnições inglesas nos fortes nacionais. Providenciaria a nomeação de bispos ingleses para as sés portuguesas. A 27 de Maio, Francis Drake desembarca em Peniche trazendo o prior. Não se verificou o entusiasmo prometido. Marcharam sobre Lisboa conforme planeado, mas sem sucesso. D. António regressaria a Londres, de onde foi convidado a retirar-se. Morreu em Paris em 1595.
Filipe II entrou em Portugal, dirigindo-se a  Tomar , para onde convocara as Cortes. A União é selada juridicamente em Abril. O rei compromete-se, em seu nome e de seus sucessores, a  respeitar a identidade portuguesa , num documento de 25 capítulos. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Aceitou  abolir as barreiras alfandegárias  com Castela. Comprometeu-se a  retirar das fortalezas nacionais as tropas castelhanas , entregando os postos de comando a portugueses. Quando se ausentasse, seria acompanhado por um  Conselho de Portugal  formado por 5 membros. Em 18 de Abril de 1581, promulgou um  Perdão Geral , amnistiando todos os que se lhe opuserem.
Filipe II é, finalmente, rei de Espanha, da Península unificada. O cardeal Granvelle, secretário do rei, chega a propor que  Lisboa se torne capital do reino . Filipe permanece em Portugal durante dois anos. Cria um tribunal de 1ª instância no Norte de Portugal. Publica as  Ordenações Filipinas   que vigorarão até meados do séc. XIX! Antoine Perrenot de Granvelle
O Cardeal Arquiduque Alberto de Áustria é nomeado vice-rei de Portugal. Criou o Conselho da Fazenda, centralizando num só órgão a administração fiscal que assim se moderniza. Forte de S. Filipe Setúbal Cria a Armada do Mar Oceano, uma esquadra de vigilância. Funda o Consulado e Casa de Negócio Mercantil. Promove a construção de fortalezas em Portugal e no Império.
Algumas obras edificadas no tempo de Filipe II S. Vicente de Fora Lisboa Torreão de Tércio Destruído pelo terramoto de 1755 Tomar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalGonaloNuno2
 
RestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De PortugalRestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De PortugalSílvia Mendonça
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.manuela016
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVDina Baptista
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinasticacattonia
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsCarlos Vieira
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaRui Neto
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoClaudia Ribeiro
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Maria Gomes
 
Dinastia filipina.
Dinastia filipina.Dinastia filipina.
Dinastia filipina.Mariana Gil
 
Reis de portugal 2ª Dinastia
Reis de portugal 2ª DinastiaReis de portugal 2ª Dinastia
Reis de portugal 2ª Dinastiakhistoria
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões FrancesasJorge Almeida
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
União ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoUnião ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoRainha Maga
 

Mais procurados (20)

D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugal
 
RestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De PortugalRestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
RestauraçãO Da IndependêNcia De Portugal
 
Dom sancho I
Dom sancho IDom sancho I
Dom sancho I
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.
 
Os Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IVOs Maias, capítulos I a IV
Os Maias, capítulos I a IV
 
D.sancho I
D.sancho ID.sancho I
D.sancho I
 
"O Príncipe Nabo"
"O Príncipe Nabo""O Príncipe Nabo"
"O Príncipe Nabo"
 
D. joao i História
D. joao i HistóriaD. joao i História
D. joao i História
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império Português
 
Teste a aia 2
Teste a aia 2Teste a aia 2
Teste a aia 2
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da Independência
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugal
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
 
Dinastia filipina.
Dinastia filipina.Dinastia filipina.
Dinastia filipina.
 
Reis de portugal 2ª Dinastia
Reis de portugal 2ª DinastiaReis de portugal 2ª Dinastia
Reis de portugal 2ª Dinastia
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
União ibérica & restauração
União ibérica & restauraçãoUnião ibérica & restauração
União ibérica & restauração
 

Destaque

Tenentismo T.81
Tenentismo T.81Tenentismo T.81
Tenentismo T.81Dianesi
 
Republica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos Sales
Republica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos SalesRepublica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos Sales
Republica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos SalesJoão Victor Pinto Ferrari
 
Revolução Tenentista - Prof. Altair Aguilar
Revolução Tenentista - Prof. Altair AguilarRevolução Tenentista - Prof. Altair Aguilar
Revolução Tenentista - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Colonização inglesa, francesa e holandesa
Colonização inglesa, francesa e holandesaColonização inglesa, francesa e holandesa
Colonização inglesa, francesa e holandesaPrefeitura de Tremembé
 
Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.BiaHonorato
 
republica oligárquica
republica oligárquica republica oligárquica
republica oligárquica Felipe Borges
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquicaYgor Henrique
 
Características gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xviiCaracterísticas gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xviiTomás Garcez
 
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIXDaniel Alves Bronstrup
 
República Velha (Oligárquica)
República Velha (Oligárquica)República Velha (Oligárquica)
República Velha (Oligárquica)eiprofessor
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoAnabela Sobral
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIinessalgado
 

Destaque (20)

Diapositivas ingles geminis castillo.
Diapositivas ingles geminis castillo.Diapositivas ingles geminis castillo.
Diapositivas ingles geminis castillo.
 
Tenentismo T.81
Tenentismo T.81Tenentismo T.81
Tenentismo T.81
 
Republica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos Sales
Republica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos SalesRepublica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos Sales
Republica Oligárquica - Prudente de Moraes e Campos Sales
 
Revolução Tenentista - Prof. Altair Aguilar
Revolução Tenentista - Prof. Altair AguilarRevolução Tenentista - Prof. Altair Aguilar
Revolução Tenentista - Prof. Altair Aguilar
 
Colonização inglesa, francesa e holandesa
Colonização inglesa, francesa e holandesaColonização inglesa, francesa e holandesa
Colonização inglesa, francesa e holandesa
 
Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.Movimento Tenentista.
Movimento Tenentista.
 
republica oligárquica
republica oligárquica republica oligárquica
republica oligárquica
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
Brasil república (oligárquica) questões sociais parte ii
Brasil república (oligárquica) questões sociais parte iiBrasil república (oligárquica) questões sociais parte ii
Brasil república (oligárquica) questões sociais parte ii
 
Características gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xviiCaracterísticas gerais da europa no século xvii
Características gerais da europa no século xvii
 
Tenentismo
TenentismoTenentismo
Tenentismo
 
Tenentismo
TenentismoTenentismo
Tenentismo
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
Tenentismo 3º. ano
Tenentismo   3º. anoTenentismo   3º. ano
Tenentismo 3º. ano
 
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
3ão - Revoluções e Unificações na Europa séc XIX
 
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
 
República Velha (Oligárquica)
República Velha (Oligárquica)República Velha (Oligárquica)
República Velha (Oligárquica)
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 

Semelhante a União Ibérica e Crise do Império Português

29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauraçãoCarla Freitas
 
Exposição 1º dezembro slideshare
Exposição   1º dezembro slideshareExposição   1º dezembro slideshare
Exposição 1º dezembro slidesharejoanaformacao
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembroguest9ca549
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembroguest9ca549
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembroguest9ca549
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaJosPedroSilva11
 
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandescristianoperinpissolato
 
1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreiros
1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreiros1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreiros
1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreirosmanuelahistoria
 
Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docx
Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docxRestauração da Independência quem foi aclamado rei.docx
Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docxsonia afonso
 
B4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauraçãoB4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauraçãoCarlos Vaz
 
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01becastanheiradepera
 
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 16403   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640Hist8
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power pointAna Paiva
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Carmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragançaCarmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragançaCarmo Silva
 

Semelhante a União Ibérica e Crise do Império Português (20)

29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
 
Exposição 1º dezembro slideshare
Exposição   1º dezembro slideshareExposição   1º dezembro slideshare
Exposição 1º dezembro slideshare
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
 
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
172 abcd brasil colonial 1580 1644 dominio espanhol, brasil holandes
 
1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreiros
1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreiros1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreiros
1 De Dezembro 1640 - EB 2,3, Cabreiros
 
Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docx
Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docxRestauração da Independência quem foi aclamado rei.docx
Restauração da Independência quem foi aclamado rei.docx
 
B4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauraçãoB4 – da união ibérica à restauração
B4 – da união ibérica à restauração
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
 
D.sebastião
D.sebastiãoD.sebastião
D.sebastião
 
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 16403   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
 
1 De Dezembro De 1640
1 De Dezembro De 16401 De Dezembro De 1640
1 De Dezembro De 1640
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power point
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Os Rivais De Portugal No Brasil
Os Rivais De Portugal No BrasilOs Rivais De Portugal No Brasil
Os Rivais De Portugal No Brasil
 

Mais de Hist8

3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos EstudosHist8
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãOHist8
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte BarrocasHist8
 
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. XviiiHist8
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo RegimeHist8
 
2 Holandeses E Ingleses
2   Holandeses E Ingleses2   Holandeses E Ingleses
2 Holandeses E InglesesHist8
 
3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma3 A Contra Reforma
3 A Contra ReformaHist8
 
A Arte Renascentista
A  Arte RenascentistaA  Arte Renascentista
A Arte RenascentistaHist8
 
5 A íNdia E O Brasil
5   A íNdia E O Brasil5   A íNdia E O Brasil
5 A íNdia E O BrasilHist8
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaHist8
 
4 A Rivalidade Luso Castelhana
4  A Rivalidade Luso Castelhana4  A Rivalidade Luso Castelhana
4 A Rivalidade Luso CastelhanaHist8
 
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançAHist8
 
2 Ceuta E Ilhas
2  Ceuta E Ilhas2  Ceuta E Ilhas
2 Ceuta E IlhasHist8
 
1 ExpansãO
1  ExpansãO1  ExpansãO
1 ExpansãOHist8
 
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade NacionalA Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade NacionalHist8
 
Crises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. XivCrises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. XivHist8
 
GóTico
GóTicoGóTico
GóTicoHist8
 
RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNicoHist8
 
Cultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãOCultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãOHist8
 

Mais de Hist8 (19)

3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
 
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
 
2 Holandeses E Ingleses
2   Holandeses E Ingleses2   Holandeses E Ingleses
2 Holandeses E Ingleses
 
3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma
 
A Arte Renascentista
A  Arte RenascentistaA  Arte Renascentista
A Arte Renascentista
 
5 A íNdia E O Brasil
5   A íNdia E O Brasil5   A íNdia E O Brasil
5 A íNdia E O Brasil
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
 
4 A Rivalidade Luso Castelhana
4  A Rivalidade Luso Castelhana4  A Rivalidade Luso Castelhana
4 A Rivalidade Luso Castelhana
 
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
 
2 Ceuta E Ilhas
2  Ceuta E Ilhas2  Ceuta E Ilhas
2 Ceuta E Ilhas
 
1 ExpansãO
1  ExpansãO1  ExpansãO
1 ExpansãO
 
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade NacionalA Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
 
Crises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. XivCrises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. Xiv
 
GóTico
GóTicoGóTico
GóTico
 
RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNico
 
Cultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãOCultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãO
 

União Ibérica e Crise do Império Português

  • 1. A Crise do Império Português e a União Ibérica Miguel Leitão de Andrade: estampa da batalha de Alcácer-Quibir; Miscelânea ; 1629
  • 2. Juan Pantoja de la Cruz Carlos V (1500-1558) Filipe II (1556 -1598) Real Monasterio de San Lorenzo de El Escorial Nos meados do séc. XVI, a Espanha dominava um vasto império marítimo e colonial. wikipedia
  • 3. Possessões europeias de Carlos V wikipedia Possessões ultramarinas
  • 4. O centro monetário localiza-se em Espanha, são as minas mexicanas e peruanas que abastecem de prata a cunhagem europeia. A economia imperial portuguesa entra na órbita espanhola. Casa de Contratación Catedral de Palência.
  • 5.  
  • 6. Cristóvão Lopes: D. João III e D. Catarina de Áustria ; 1545 – 50; MNAA D. João III morreu em 1557, sucedendo-lhe no trono o neto D. Sebastião.
  • 7. Sentenças para a ensinança e doutrina do príncipe D. Sebastião ; iluminura atribuída a António Fernandes; c. 1554. D. Sebastião tinha apenas três anos de idade, pelo que a regência foi atribuída a sua avó, D. Catarina, e ao cardeal D. Henrique. Em 1568, com catorze anos, sobe ao poder e mantém uma ideia fixa: organizar uma expedição militar ao Norte de África. Cristóvão de Morais D. Sebastião 1571 MNAA
  • 8. Batalha de Alcácer Quibir. Panfleto volante ilustrado de grande formato, com gravura em madeira de Hans Rogel (Augsburgo; 1578); in RAMALHEIRA, Ana Maria Pinhão: Alcácer Quibir e D. Sebastião na Alemanha. Representações Historiográficas e Literárias (1578 – ca. 1800); Coimbra; Minerva; 2002. No dia 4 de Agosto de 1578, os exércitos comandados por D. Sebastião são derrotados em Alcácer-Quibir . O próprio rei morre sem descendentes. O número de baixas nunca foi determinado, mas foram, seguramente, mais de uma dezena de milhar. Foi a maior tragédia militar da história de Portugal.
  • 9. Cardeal Rei D. Henrique 1512 - 1580 Sucedeu-lhe no trono o seu tio-avô, o cardeal D. Henrique que viria, no entanto, a morrer em 1580, igualmente sem descendentes. Abre-se uma crise dinástica.
  • 10. D. Manuel I 1496 - 1521 2º 1500 D. Maria 1482 - 1517 Carlos I 1516 - 1556 1526 D. Isabel 1502 - 1539 1525 D. Catarina 1507 - 1578 D. João III 1521 - 1557 Carlos III de Sabóia 1486 - 1553 Beatriz 1504 - 1538 1521 Manuel Felisberto 1528 - 1580 D. Luís 1506 - 1555 D. António Prior do Crato 1531-1595 D. Henrique 1512-1580 D. Fernando:1507 – 1534, duque da Guarda e Trancoso D. Afonso: 1509 – 1540, cardeal D. Maria: 1511- 1513 D. Isabel de Bragança D. António 1516 D. João 1537-1554 D. Joana 1535-1573 D. Sebastião 1557-1578 Filipe II 1580-1598 D. Maria 1538-1577 Alexandre Farnese 1542-1592 Ranuccio I Farnese 1569 -1622 Catarina de Bragança 1540 - 1614 D. João de Bragança D. Duarte 1514-1540
  • 11. Em 1580, o duque de Alba comanda as tropas que entram em Lisboa à frente de mais de 23 000 homens. A partir de Setúbal, sobe a Lisboa sem encontrar oposição. O prior do Crato reúne 8 000 homens mal treinados, incluindo escravos e prisioneiros libertos. A 25 de Agosto, trava-se o recontro de Alcântara. A trupe de D. António é desbaratada em meia hora. O prior é ferido e foge.
  • 12. D. António refugia-se nos Açores, onde resiste durante algum tempo angariando o apoio francês. Em 1583, porém, uma poderosa armada espanhola destroça os navios franceses. D. António exila-se em Londres. Aí, convence a rainha a apoiar as suas pretensões a troco de 5 milhões de ducados. Em caso de sucesso, Portugal pagaria uma renda perpétua anual de 300 000 ducados. Prometeu o saque de Lisboa durante 12 dias, liberdade de comércio na metrópole e no ultramar para os ingleses! Autorizou a fixação de guarnições inglesas nos fortes nacionais. Providenciaria a nomeação de bispos ingleses para as sés portuguesas. A 27 de Maio, Francis Drake desembarca em Peniche trazendo o prior. Não se verificou o entusiasmo prometido. Marcharam sobre Lisboa conforme planeado, mas sem sucesso. D. António regressaria a Londres, de onde foi convidado a retirar-se. Morreu em Paris em 1595.
  • 13.
  • 14. Aceitou abolir as barreiras alfandegárias com Castela. Comprometeu-se a retirar das fortalezas nacionais as tropas castelhanas , entregando os postos de comando a portugueses. Quando se ausentasse, seria acompanhado por um Conselho de Portugal formado por 5 membros. Em 18 de Abril de 1581, promulgou um Perdão Geral , amnistiando todos os que se lhe opuserem.
  • 15. Filipe II é, finalmente, rei de Espanha, da Península unificada. O cardeal Granvelle, secretário do rei, chega a propor que Lisboa se torne capital do reino . Filipe permanece em Portugal durante dois anos. Cria um tribunal de 1ª instância no Norte de Portugal. Publica as Ordenações Filipinas que vigorarão até meados do séc. XIX! Antoine Perrenot de Granvelle
  • 16. O Cardeal Arquiduque Alberto de Áustria é nomeado vice-rei de Portugal. Criou o Conselho da Fazenda, centralizando num só órgão a administração fiscal que assim se moderniza. Forte de S. Filipe Setúbal Cria a Armada do Mar Oceano, uma esquadra de vigilância. Funda o Consulado e Casa de Negócio Mercantil. Promove a construção de fortalezas em Portugal e no Império.
  • 17. Algumas obras edificadas no tempo de Filipe II S. Vicente de Fora Lisboa Torreão de Tércio Destruído pelo terramoto de 1755 Tomar