SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
A Arte Renascentista
A arquitectura renascentista inspirou-se na arquitectura clássica, rejeitando os modelos medievais.
FILIPPO BRUNELLESCHI  (Florença: 1377-1446) http://www.paradoxplace.com/Perspectives/Italian%20Images/Single%20frames/Portraits/Brunelleschi.htm Um dos pioneiros e dos mais importantes arquitectos renascentistas. Inventor do método da perspectiva.
Em 1418, ganha o concurso para concluir a cúpula de Santa Maria del Fiore. A catedral gótica havia sido iniciada por  Arnolfo di Cambio . Sta Mª del Fiore; Florença;1420-36
O desafio consistia em cobrir o edifício, com uma dimensão próxima do Panteão, sem recorrer aos arcos ogivados, nem às soluções góticas. Brunelleschi  construiu duas cúpulas, de secção octogonal, uma envolvendo a outra.
A cúpula só seria concluída em 1461
A  Brunelleschi se deve ainda a criação da perspectiva linear, caracterizada por um ponto de fuga único: Igreja de S. Lourenço - interior; 1440-1465
A descoberta das leis da perspectiva permite a representação bidimensional de objectos tridimensionais. Esta descoberta determina a passagem da Idade Média para o Renascimento e não tem uma base empírica mas racional e geométrica. Trata-se de um instrumento de conhecimento científico e de apropriação das regras de representação espacial.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Além de Brunelleschi, destaquem-se ainda  LEON BATTISTA ALBERTI  (Florença 1404 – Roma 1472) Auto-retrato;1435 O Palácio Rucellai de Florença inspira-se no modelo do Coliseu. Três andares com as 3 ordens sobrepostas:
Donato Bramante Templete de S. Pedro, em Montorio (Roma, 1502), edificado no local onde, segundo a tradição S. Pedro fora crucificado.
Miguel Ângelo  Basílica de S.  Pedro; Roma
Andrea Palladio , cuja obra mais famosa é a  Villa Capra ,  em Vicenza, conhecida por  La Rotonda . 1572
Os pintores inspiraram-se na observação do mundo natural. O corpo humano  torna-se  uma tema preferencial de estudo e produção artística, tal como outras cenas da mitologia clássica. O Nascimento de Vénus  de  Sandro Botiticeli (Florença 1445 – Florença 1510) representa o nascimento da deusa, da espuma do mar. Brota de uma concha e é empurrada para terra pelos ventos que sopram. Aí, uma mulher aguarda-a para a cobrir com um manto. 1486; Uffizi
Leonardo da Vinci  (1452-1519)   estudou profundamente a anatomia humana
As cenas religiosas são temas comuns, como esta Última Ceia que Leonardo pintou entre 1495 e 1496, no refeitório do mosteiro de Santa Maria delle Grazie, em Milão. O momento é quando Cristo anuncia que será traído por um dos apóstolos. Cada apóstolo é um ser único, não apenas fisionómica, mas psicologicamente.  Nota a perspectiva linear com o ponto de fuga atrás da cabeça de Cristo.
A sua obra mais famosa é a Gioconda, actualmente no Museu do Louvre e onde podemos observar a técnica do  sfumato , isto é, a gradação suave da cor e transição das zonas sombrias para outras mais iluminadas
A pintura a óleo, que permite esse tipo de trabalho, fora inventada pelo pintor flamengo Jan van Eyck (c. 1390 – 1441) Jan Van Eyck A Virgem do Chanceler Rolin 1435
Outros autores merecem referência, como  Fra Angelico (c. 1395 – 1455) Anunciação Museu do Prado Madrid 1430 - 1432
Rafael  1483  -1520 Auto-retrato 1506 Galleria degli Uffizi Na  Sala della Segnatura , Rafael celebra os ideais humanistas da Roma renascentista dos papas, sintetizando a herança clássica com a espiritualidade cristã. A obra que mais se destaca é a  Escola de Atenas :
Miguel Ângelo Buonarroti (1475-1564)
O seu trabalho mais célebre é o tecto da Capela Sistina O trabalho duraria de 1508 até 1512. Miguel Ângelo escolheu como tema principal a Criação do Mundo e do Homem até ao pecado original. Representou ainda o Génesis, começando na separação da luz e da escuridão e acabando no escárnio de Noé.
Paulo III, papa em 1534, nomeou Miguel Ângelo, arquitecto, pintor e escultor do Vaticano, fixando-o em Roma. Dá-lhe depois a missão de pintar um fresco na frontaria da Capela Sistina, o  Juízo Final , que concluiu em 1541. Jesus Cristo é representado como um Deus olímpico, o que mereceria grandes críticas durante a Contra-Reforma.
Juízo Final
Criação de Adão
Masaccio  (1401-1428) Este fresco representa o dogma da  Santíssima Trindade , ressaltando as conotações humanas e terrenas de Deus, posto que Cristo é colocado no centro da composição, traçada com um rigor geométrico impressionante, de acordo com o antropocentrismo renascentista.  O espaço é representado de forma racional e rigorosa.  Destaque para a presença dos dois encomendantes e para a estrutura piramidal da composição. 1426: Santa Maria Novella; Florença
S. Jerónimo 1521 Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa Albrecht Durer 1471 - 1528 1500 Alte Pinakothek, Munique
A  escultura  torna-se independente da arquitectura. Recupera-se o nu. Miguel Ângelo David Galleria dell'Academia Florença 1501-1504
DONATELLO (Florença: 1386-1466) Em 1434 Donatello executou um  David  para os Medici. Trata-se da primeira estátua em vulto perfeito desde a Antiguidade. A estátua é fundida em bronze pelo método da cera perdida, técnica redescoberta pelo artista. David c. 1434 Museo del Bargello Florença
Andrea Verrochio ; Lorenzo de Medici;  National Gallery of Art; Washington;1480s Lorenzo Ghiberti   (1378 – 1455);  Portas do Paraíso;  (reprodução); baptistério de Florença.
Em Portugal, desenvolve-se a  arte manuelina .
 
 
 
 
 
No reinado de  D. João III (1521 – 1557), introduz-se o gosto renascentista.
Capela de Nª. Srª. Da Conceição Tomar Igreja de Nª Srª da Graça Évora
Na pintura devem destacar-se os nomes de Jorge Afonso  (1470 ? – 1540 ?), pintor régio de D. Manuel e D. João IIII Aparição de Cristo à Virgem;  1515; Museu Nacional do Azulejo; Lisboa Anunciação ; 1510; MNAA
E Vasco Fernandes, dito  Grão Vasco , activo em Viseu entre 1501 e 1542. A sua obra mais emblemática é o  S. Pedro  , executado para a Sé em 1535.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
Ana Barreiros
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento escultura
Laguat
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
Ana Barreiros
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
cattonia
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
teresagoncalves
 

Mais procurados (20)

Arte do Renascimento
Arte do RenascimentoArte do Renascimento
Arte do Renascimento
 
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
miguel ângelo
miguel  ângelomiguel  ângelo
miguel ângelo
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento escultura
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacio
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Pintura renascentista
Pintura renascentistaPintura renascentista
Pintura renascentista
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
A arte renascentista
A arte renascentistaA arte renascentista
A arte renascentista
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 

Destaque

Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
complementoindirecto
 
Arte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentistaArte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentista
Sofia Pais
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquitetura
Carlos Vieira
 
CN: Ocorrência de falhas e dobras
CN: Ocorrência de falhas e dobrasCN: Ocorrência de falhas e dobras
CN: Ocorrência de falhas e dobras
nelsonesim
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
Cláudia Moura
 

Destaque (6)

Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
 
Arte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentistaArte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentista
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquitetura
 
CN: Ocorrência de falhas e dobras
CN: Ocorrência de falhas e dobrasCN: Ocorrência de falhas e dobras
CN: Ocorrência de falhas e dobras
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
 

Semelhante a A Arte Renascentista

Michelangelo Buonarroti 1.3
Michelangelo Buonarroti  1.3Michelangelo Buonarroti  1.3
Michelangelo Buonarroti 1.3
Fogarasi Levente
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
Gustavoxa1
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
Gustavoxa1
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
Gustavoxa1
 
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
Camila Mirka
 

Semelhante a A Arte Renascentista (20)

Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
arte
artearte
arte
 
O Renascimento - 7º Ano (2016)
O Renascimento  - 7º Ano (2016)O Renascimento  - 7º Ano (2016)
O Renascimento - 7º Ano (2016)
 
Mistura 2
Mistura 2Mistura 2
Mistura 2
 
Michelangelo Buonarroti 1.3
Michelangelo Buonarroti  1.3Michelangelo Buonarroti  1.3
Michelangelo Buonarroti 1.3
 
Michelangelo Buonarroti
Michelangelo BuonarrotiMichelangelo Buonarroti
Michelangelo Buonarroti
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Aula 02 - O renascimento.pptx
Aula 02 - O renascimento.pptxAula 02 - O renascimento.pptx
Aula 02 - O renascimento.pptx
 
3 renascimento e arte grega
3 renascimento e arte grega3 renascimento e arte grega
3 renascimento e arte grega
 
A Arte renascentista
A Arte renascentista A Arte renascentista
A Arte renascentista
 
Renascençapp2012
Renascençapp2012Renascençapp2012
Renascençapp2012
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
RENASCIMENTO ITALIANO- 7ª ANO
 
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
 
Renascimento intelectual
Renascimento intelectualRenascimento intelectual
Renascimento intelectual
 
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
Arterenascentista2 110226062956-phpapp01
 

Mais de Hist8

3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
Hist8
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
Hist8
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
Hist8
 
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
Hist8
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
Hist8
 
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 16403   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
Hist8
 
2 Holandeses E Ingleses
2   Holandeses E Ingleses2   Holandeses E Ingleses
2 Holandeses E Ingleses
Hist8
 
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRicaA Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
Hist8
 
3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma
Hist8
 
5 A íNdia E O Brasil
5   A íNdia E O Brasil5   A íNdia E O Brasil
5 A íNdia E O Brasil
Hist8
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
Hist8
 
4 A Rivalidade Luso Castelhana
4  A Rivalidade Luso Castelhana4  A Rivalidade Luso Castelhana
4 A Rivalidade Luso Castelhana
Hist8
 
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
Hist8
 
2 Ceuta E Ilhas
2  Ceuta E Ilhas2  Ceuta E Ilhas
2 Ceuta E Ilhas
Hist8
 
1 ExpansãO
1  ExpansãO1  ExpansãO
1 ExpansãO
Hist8
 
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade NacionalA Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
Hist8
 
Crises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. XivCrises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. Xiv
Hist8
 
GóTico
GóTicoGóTico
GóTico
Hist8
 
RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNico
Hist8
 
Cultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãOCultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãO
Hist8
 

Mais de Hist8 (20)

3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos3   O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
3 O Iluminismo Na Europa E Em Portugal. A Reforma Pombalina Dos Estudos
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
 
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
 
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 16403   O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
3 O ComéRcio AçUcareiro E A RestauraçãO De 1640
 
2 Holandeses E Ingleses
2   Holandeses E Ingleses2   Holandeses E Ingleses
2 Holandeses E Ingleses
 
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRicaA Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
A Crise Do ImpéRio PortuguêS E A UniãO IbéRica
 
3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma
 
5 A íNdia E O Brasil
5   A íNdia E O Brasil5   A íNdia E O Brasil
5 A íNdia E O Brasil
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
 
4 A Rivalidade Luso Castelhana
4  A Rivalidade Luso Castelhana4  A Rivalidade Luso Castelhana
4 A Rivalidade Luso Castelhana
 
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA3   Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
3 Do Bojador Ao Cabo Da Boa EsperançA
 
2 Ceuta E Ilhas
2  Ceuta E Ilhas2  Ceuta E Ilhas
2 Ceuta E Ilhas
 
1 ExpansãO
1  ExpansãO1  ExpansãO
1 ExpansãO
 
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade NacionalA Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
A Revol. 1383 E A FormaçãO Da Identidade Nacional
 
Crises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. XivCrises E Revol. No SéC. Xiv
Crises E Revol. No SéC. Xiv
 
GóTico
GóTicoGóTico
GóTico
 
RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNico
 
Cultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãOCultura, Arte E ReligiãO
Cultura, Arte E ReligiãO
 

A Arte Renascentista

  • 2. A arquitectura renascentista inspirou-se na arquitectura clássica, rejeitando os modelos medievais.
  • 3. FILIPPO BRUNELLESCHI (Florença: 1377-1446) http://www.paradoxplace.com/Perspectives/Italian%20Images/Single%20frames/Portraits/Brunelleschi.htm Um dos pioneiros e dos mais importantes arquitectos renascentistas. Inventor do método da perspectiva.
  • 4. Em 1418, ganha o concurso para concluir a cúpula de Santa Maria del Fiore. A catedral gótica havia sido iniciada por Arnolfo di Cambio . Sta Mª del Fiore; Florença;1420-36
  • 5. O desafio consistia em cobrir o edifício, com uma dimensão próxima do Panteão, sem recorrer aos arcos ogivados, nem às soluções góticas. Brunelleschi construiu duas cúpulas, de secção octogonal, uma envolvendo a outra.
  • 6. A cúpula só seria concluída em 1461
  • 7. A Brunelleschi se deve ainda a criação da perspectiva linear, caracterizada por um ponto de fuga único: Igreja de S. Lourenço - interior; 1440-1465
  • 8. A descoberta das leis da perspectiva permite a representação bidimensional de objectos tridimensionais. Esta descoberta determina a passagem da Idade Média para o Renascimento e não tem uma base empírica mas racional e geométrica. Trata-se de um instrumento de conhecimento científico e de apropriação das regras de representação espacial.
  • 9.
  • 10. Além de Brunelleschi, destaquem-se ainda LEON BATTISTA ALBERTI (Florença 1404 – Roma 1472) Auto-retrato;1435 O Palácio Rucellai de Florença inspira-se no modelo do Coliseu. Três andares com as 3 ordens sobrepostas:
  • 11. Donato Bramante Templete de S. Pedro, em Montorio (Roma, 1502), edificado no local onde, segundo a tradição S. Pedro fora crucificado.
  • 12. Miguel Ângelo Basílica de S. Pedro; Roma
  • 13. Andrea Palladio , cuja obra mais famosa é a Villa Capra , em Vicenza, conhecida por La Rotonda . 1572
  • 14. Os pintores inspiraram-se na observação do mundo natural. O corpo humano torna-se uma tema preferencial de estudo e produção artística, tal como outras cenas da mitologia clássica. O Nascimento de Vénus de Sandro Botiticeli (Florença 1445 – Florença 1510) representa o nascimento da deusa, da espuma do mar. Brota de uma concha e é empurrada para terra pelos ventos que sopram. Aí, uma mulher aguarda-a para a cobrir com um manto. 1486; Uffizi
  • 15. Leonardo da Vinci (1452-1519) estudou profundamente a anatomia humana
  • 16. As cenas religiosas são temas comuns, como esta Última Ceia que Leonardo pintou entre 1495 e 1496, no refeitório do mosteiro de Santa Maria delle Grazie, em Milão. O momento é quando Cristo anuncia que será traído por um dos apóstolos. Cada apóstolo é um ser único, não apenas fisionómica, mas psicologicamente. Nota a perspectiva linear com o ponto de fuga atrás da cabeça de Cristo.
  • 17. A sua obra mais famosa é a Gioconda, actualmente no Museu do Louvre e onde podemos observar a técnica do sfumato , isto é, a gradação suave da cor e transição das zonas sombrias para outras mais iluminadas
  • 18. A pintura a óleo, que permite esse tipo de trabalho, fora inventada pelo pintor flamengo Jan van Eyck (c. 1390 – 1441) Jan Van Eyck A Virgem do Chanceler Rolin 1435
  • 19. Outros autores merecem referência, como Fra Angelico (c. 1395 – 1455) Anunciação Museu do Prado Madrid 1430 - 1432
  • 20. Rafael 1483 -1520 Auto-retrato 1506 Galleria degli Uffizi Na Sala della Segnatura , Rafael celebra os ideais humanistas da Roma renascentista dos papas, sintetizando a herança clássica com a espiritualidade cristã. A obra que mais se destaca é a Escola de Atenas :
  • 22. O seu trabalho mais célebre é o tecto da Capela Sistina O trabalho duraria de 1508 até 1512. Miguel Ângelo escolheu como tema principal a Criação do Mundo e do Homem até ao pecado original. Representou ainda o Génesis, começando na separação da luz e da escuridão e acabando no escárnio de Noé.
  • 23. Paulo III, papa em 1534, nomeou Miguel Ângelo, arquitecto, pintor e escultor do Vaticano, fixando-o em Roma. Dá-lhe depois a missão de pintar um fresco na frontaria da Capela Sistina, o Juízo Final , que concluiu em 1541. Jesus Cristo é representado como um Deus olímpico, o que mereceria grandes críticas durante a Contra-Reforma.
  • 26. Masaccio (1401-1428) Este fresco representa o dogma da Santíssima Trindade , ressaltando as conotações humanas e terrenas de Deus, posto que Cristo é colocado no centro da composição, traçada com um rigor geométrico impressionante, de acordo com o antropocentrismo renascentista. O espaço é representado de forma racional e rigorosa. Destaque para a presença dos dois encomendantes e para a estrutura piramidal da composição. 1426: Santa Maria Novella; Florença
  • 27. S. Jerónimo 1521 Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa Albrecht Durer 1471 - 1528 1500 Alte Pinakothek, Munique
  • 28. A escultura torna-se independente da arquitectura. Recupera-se o nu. Miguel Ângelo David Galleria dell'Academia Florença 1501-1504
  • 29. DONATELLO (Florença: 1386-1466) Em 1434 Donatello executou um David para os Medici. Trata-se da primeira estátua em vulto perfeito desde a Antiguidade. A estátua é fundida em bronze pelo método da cera perdida, técnica redescoberta pelo artista. David c. 1434 Museo del Bargello Florença
  • 30. Andrea Verrochio ; Lorenzo de Medici; National Gallery of Art; Washington;1480s Lorenzo Ghiberti (1378 – 1455); Portas do Paraíso; (reprodução); baptistério de Florença.
  • 31. Em Portugal, desenvolve-se a arte manuelina .
  • 32.  
  • 33.  
  • 34.  
  • 35.  
  • 36.  
  • 37. No reinado de D. João III (1521 – 1557), introduz-se o gosto renascentista.
  • 38. Capela de Nª. Srª. Da Conceição Tomar Igreja de Nª Srª da Graça Évora
  • 39. Na pintura devem destacar-se os nomes de Jorge Afonso (1470 ? – 1540 ?), pintor régio de D. Manuel e D. João IIII Aparição de Cristo à Virgem; 1515; Museu Nacional do Azulejo; Lisboa Anunciação ; 1510; MNAA
  • 40. E Vasco Fernandes, dito Grão Vasco , activo em Viseu entre 1501 e 1542. A sua obra mais emblemática é o S. Pedro , executado para a Sé em 1535.