O slideshow foi denunciado.
Programa de Estágio Hospital Municipal Dr. Moysés DeutschMaterial elaborado por:Setor QualidadeCIHDOTTEquipe SEESMTEquipe ...
Missão, Visão e Valores do Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch                                               Missão“Inte...
Regulamento para estágios curriculares        Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch                             Normas no ...
§ Para estágio realizado em Centro Cirúrgico é necessária roupa privativa que           deverá ser fornecida pela escola e...
16. Ao término do horário de estágio o professor e os estagiários deverão deixar o local de    estágio em ordem e passar p...
Evasão                 Data e horário: registrar as condições em que o paciente se evadiu (com roupa própria ou da        ...
Nutrição/             Anotar tipo de dieta oferecida (geral, leve, branda, pastosa, hipossódica, para diabéticos,Hidrataçã...
Diurese         Ausência/presença de diurese (se sonda ou balanço hídrico); características (cor, odor);                  ...
·   Informar o resultado das condutas implementadas;         ·   Na alta hospitalar:             ü Documentar a avaliação ...
§ Clínica Médica e Cirúrgica:            · Cursos de nível técnico (auxiliar e técnico de enfermagem) – solicitamos       ...
35. Em caso de perda, roubo ou extravio do crachá da Instituição Hospitalar, será cobrado    da Instituição Educacional 10...
Serviço de Controle de Infecção Hospitalar                                          SCIHO SCIH promove ações relativas à v...
d- Uso de aventais limpos não estéreis: Utilizar como barreira física, quando existir a      possibilidade de sujar/contam...
Transporte                                      Privativo                                     com porta            Uso pel...
Transporte                                     Privativo      Se contato    Uso pelo                                      ...
HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH                    ORGANIZAÇÃO SOCIALEstr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela –...
GARANTINDO UM AMBIENTE HOSPITALAR SEGURO E SAUDÁVEL“É obrigatório a todos os trabalhadores – funcionários, estagiários e c...
GUIA DE ORIENTAÇÃO DO COLABORADOR – NOTIFICAÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS1 – Definição do evento adverso  · Evento Adverso: Qual...
Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante                                      CIHDOTT     ...
Onde Procurar?                               Contudo o trabalho da CIHDOTT depende em muito da ajuda de                   ...
Plano de Gerenciamento de Resíduos em Serviços de SaúdeClassificação dos Resíduos     I- Resíduos - Grupo A:     GRUPO A: ...
Segregação e Acondicionamento     Os resíduos serão segregados pelo agente gerador obedecendo à seguinte regrabásica:     ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hospital M'boi Mirim-Cartilha regulamento estágio professor e escola-janeiro 2010

4.831 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Hospital M'boi Mirim-Cartilha regulamento estágio professor e escola-janeiro 2010

  1. 1. Programa de Estágio Hospital Municipal Dr. Moysés DeutschMaterial elaborado por:Setor QualidadeCIHDOTTEquipe SEESMTEquipe SCIHEquipe de Treinamento e Desenvolvimento Equipe de Treinamento e Desenvolvimento: Rosangela Schmidt Lombardi Laide Costa da Silva Luciana Honório Viana Karen Ferreira da Costa Coordenação de Recursos Humanos HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  2. 2. Missão, Visão e Valores do Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch Missão“Integrar o SUS, assumindo a assistência hospitalar da rede de saúde na região do M’BoiMirim, fornecer serviços de qualidade e contribuir na formação de recursos humanos e noaprimoramento do sistema de saúde”. Visão“Ser reconhecido, pela comunidade, usuários e colaboradores, como exemplo de assistênciahospitalar de qualidade e modelo de integração com a rede de serviços de saúde”. Valores Respeito, integridade, trabalho em equipe, comprometimento e profissionalismo. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  3. 3. Regulamento para estágios curriculares Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch Normas no campo de estágio1. O professor e o aluno receberão na escola a cartilha contendo as orientações sobre: segurança, scih e rotinas do Hospital e do setor aonde o estágio será desenvolvido.2. No dia da integração ou 1º dia de estágio, os professores/escola deverão entregar para o setor de treinamento e desenvolvimento os documentos dos professores e dos alunos, termo de compromisso assinado em três vias pelo aluno/professor e pela escola e planilha de controle de recebimento das cartilhas devidamente assinadas.3. No dia da integração, os alunos e os professores, entrarão pelo acesso principal do hospital e aguardarão ser chamados para a integração que irá acontecer, com o objetivo de conhecer a instituição, apresentação do campo de estágio e receber orientações gerais quanto a segurança e rotinas do Hospital e do setor aonde o estágio será desenvolvido.4. A partir do 1º dia de estágio os estagiários deverão entrar pelo acesso dos funcionários, portando apenas uma nécessaire pequena com pertences pessoais (caneta, lápis, borracha, tesoura, garrote e termômetro) e caderneta para anotação. Fica proibida entrada de material com mercúrio. O Hospital não se responsabiliza por perdas de pertences pessoais. § O professor já deverá estar aguardando por sua turma com os crachás para início das atividades no campo de estágio. § Os estagiários deverão trazer o mínimo de pertences pessoais, pois o nosso bolsão não tem capacidade para o número de estagiários que temos circulando pela instituição, portanto solicitamos que bolsas e pertences pessoais sejam deixados no carro do professor ou de algum colega de estágio.5. Os alunos e professores deverão seguir as normas de segurança desde a sua entrada até a sua saída da instituição. § Não obstruir a passagem de carros e ambulâncias seguindo pela calçada ou guia, pois existe o perigo de atropelamento. § Não obstruir a entrada de funcionários, pois isso causa atrasos à chegada do colaborador ao seu setor. § Não ficar brincando nos elevadores enquanto a sua turma não estiver completa, pois isso também gera atrasos aos colaboradores.6. O professor e os estagiários deverão comparecer ao campo de estágio com uniforme da escola ou de roupa branca (sem transparências e decotes) e avental branco com identificação da escola. Zelar pela higiene e aparência: Manter unhas curtas e limpas e esmalte de cor clara, para as mulheres cabelo curto ou preso, para os homens cabelo curto e barba feita ou aparada, usar adornos pessoais discretos. Não usar piercing durante as horas de estágio. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  4. 4. § Para estágio realizado em Centro Cirúrgico é necessária roupa privativa que deverá ser fornecida pela escola em caráter de uniforme. § Para estágio de graduação realizado em Centro de Parto Humanizado (CPH) será liberado roupa privativa do hospital para os alunos que estiverem em sala de parto cesárea, puerpério e observação e PPP, nos consultórios, ambulatório, sala de cardiotoco e sala de medicação os alunos usarão o uniforme da escola com o avental branco. § Para estágio de nível técnico realizado em Centro de Parto Humanizado (CPH) é necessária roupa privativa que deverá ser fornecida pela escola em caráter de uniforme. § Nos demais setores onde a roupa privativa é utilizada pelos colaboradores, os alunos usarão o uniforme da escola e avental branco com identificação da escola.7. O professor de estágio deverá manter diariamente folha de freqüência dos alunos.8. Os alunos deverão permanecer somente nas áreas e unidades determinadas para o estágio.9. O grupo juntamente com o professor de estágio deverá participar da passagem de plantão, devendo chegar as 06:50h, as 12:50h ou as 18:50h; ou na saída as 13:00h ou as 19:00h.10. O professor responsável pelos alunos não deverá em hipótese nenhuma se ausentar do campo de estágio, pois é responsável legal por todas as atitudes dos seus alunos. Se o professor se ausentar do campo de estágio o mesmo fica anulado para esse dia.11. Os estagiários somente poderão entrar em campo de estágio com a presença do professor e não devem permanecer no setor sem a presença do mesmo. Exceção será tratada na comissão.12. O professor deverá elaborar uma escala diária de serviço para os alunos, a ser fixada no campo de estágio, em local visível, com a ciência do enfermeiro responsável pelo setor. § Sempre procurar desenvolver um diálogo amigável e profissional com os enfermeiros responsáveis pelo setor, tirando dúvidas quanto às rotinas da instituição, evitando assim erros.13. O supervisor de estágio deve chegar 15 (quinze) minutos antes do inicio do plantão para elaborar escala de serviço ou deixar pronto no dia anterior.14. A escola deverá fornecer os equipamentos de proteção individual – EPI’s aos estagiários e docentes (luva de procedimento, máscara cirúrgica, luva de procedimento de látex estéril) de acordo com o cálculo feito por aluno e entregue a escola. A escola poderá entregar ao setor de treinamento e desenvolvimento os EPI’s no final de cada mês.15. A escola deverá fornecer os equipamentos de proteção individual – EPI’s aos estagiários e docentes, a máscara n95 e óculos de acrílico como material de bolso do aluno e professor. § O professor não deverá permitir que o aluno realize os procedimentos sem o material de bolso (óculos de acrílico). § A máscara n95 é necessária se o aluno for ter contato com pacientes que estejam em isolamento e que precise deste material. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  5. 5. 16. Ao término do horário de estágio o professor e os estagiários deverão deixar o local de estágio em ordem e passar plantão para o profissional responsável pelo setor. § Os alunos e professores deverão ter cuidado especial ao manipular prontuários, prescrições e documentos dos pacientes, evitando assim misturar documentos de um paciente no prontuário ou prancheta de outro. § O professor será responsável por verificar se os alunos sob sua responsabilidade deixaram o quarto, o posto A, o expurgo e todo material utilizado para o atendimento ao paciente em ordem antes de passar o plantão. § O professor também é responsável pelas informações passadas em plantão pelos alunos ao final do estágio de cada dia.17. Os estagiários deverão zelar pelos materiais e conservação do patrimônio do campo de estágio. Ocorrendo quebra de equipamento este deverá ser assumido pelo aluno e pela escola.18. O professor e os estagiários não devem utilizar impressos oficiais do hospital como rascunho e não retirar impressos oficiais do hospital para usar como modelo.19. As anotações e evoluções de enfermagem deverão ter o carimbo do professor e deverão ser verificados pelo professor antes que o aluno escreva no impresso no prontuário do paciente, pois o mesmo não pode sofrer rasuras. § As anotações, evoluções e prescrição de enfermagem devem ser realizadas em caneta azul e a checagem em caneta vermelha. § As anotações devem ser completas, objetivas, claras, concisas, legíveis, pontuais e cronológicas. § As anotações devem ser precedidas de data e hora, conter nome do aluno e carimbo do professor ao final de cada registro. § Atentar para ortografia e caligrafia corretas, com letra legível e termos corretos. § Não deixar linhas em branco ou espaços entre as anotações. § Medicação “bolada”, deve ser justificada na anotação. § Conter apenas abreviaturas previstas em literatura. § O que é importante registrar na Anotação de Enfermagem (exemplos): Admissão Nome completo do paciente, data e horário da admissão, procedência, acompanhante, condições de locomoção (deambulando, cadeira de rodas, maca), condições de higiene, anotar dados informados pelo paciente e/ou familiares (queixas como dor, náuseas, cansaço, desconforto, inquietações, pertences) relacionados ao motivo da internação, procedimentos/cuidados realizados conforme prescrição ou rotina institucional, anotar orientações feitas ao paciente e/ou familiares. Transferência de Data e horário, motivo da transferência, setor de destino, e forma de transporte, medicação unidade/setor (relatar a entrega ou não dos medicamentos dos horários subseqüentes e informar pendências com a farmácia se houver); dieta enteral (registrar se houve comunicação ao S.N.D. – Serviço de Nutrição e Dietética sobre a transferência); pertences (registrar a transferência dos pertences juntamente com o paciente, principalmente próteses); procedimentos/cuidados realizados (punção de acesso venoso, instalação de oxigênio, sinais vitais, etc). Encaminhamento Horário, local de encaminhamento (radiografia, tomografia, radioterapia), condições gerais de Pacientes para do paciente e de locomoção (alerta, sonolento, deambulando, de maca, de cadeira de rodas, Exames ou com venóclise, com medicamento em bomba de infusão contínua, com cateteres), Procedimentos intercorrências (sangramento, lipotímia, queixas álgicas), retorno (horário, condições gerais do paciente). HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  6. 6. Evasão Data e horário: registrar as condições em que o paciente se evadiu (com roupa própria ou da instituição, com algum dispositivo (como cateterização de veia, drenos, curativo), registrar conduta tomada: comunicado ao enfermeiro, ao médico e familiares.Alta Data e horário, condições gerais e de locomoção (alerta, deambulando, maca ou cadeira de rodas); procedimentos/cuidados realizados conforme prescrição ou rotina institucional (mensuração de sinais vitais, curativos, retirada de cateteres, etc); anotar orientações feitas ao paciente e/ou familiares, pertences (anotar se foi entregue ou não, incluindo próteses). Obs.: Alta a pedido: anotar conforme Norma da Instituição.Acompanhamento Horário, descrever o tipo de procedimento. Ex.: passagem de intracth, flebotomia, punçãode Procedimento lombar, drenagem de tórax, paracentese, etc; nome do profissional médico que realizou oMédico procedimento, local anatômico do procedimento, intercorrências, agitação, sangramento, ao término do procedimento (anotar o horário, condições gerais e orientações feitas ao paciente), caso seja colhido algum material e este encaminhado, anotar local (anatomo patológico, laboratório).Pré-operatório Procedimentos realizados no pré-operatório, conforme prescrição ou rotina institucional (banho, higiene oral, mensuração de sinais vitais, retirada e guarda de próteses, roupas íntimas, presença e local de dispositivos – acesso venoso, sondas, local de tricotomia, condições da pele, etc); tempo de jejum, orientações prestadas, administração de pré- anestésico, encaminhamento/transferência para o centro cirúrgico, conferência de prontuário e exames pré-operatórios.Trans-operatório Recepção no centro cirúrgico e encaminhamento à sala cirúrgica, orientações prestadas, procedimentos/cuidados realizados conforme prescrição ou rotina institucional (posicionamento do paciente, instalação e/ou retirada de eletrodos, monitor, placa de bisturi e outros dispositivos – acesso venoso, sondas, etc); composição da equipe cirúrgica, conferência de prontuário e exames pré-operatórios, dados do horário de início e término da cirurgia conforme preconizado pela instituição, tipo de curativo e local, intercorrências durante o ato cirúrgico, encaminhamento a recuperação anestésica.Pós-operatório Posicionamento no leito e instalação de equipamentos (monitores, grades no leito, etc); sinais e sintomas observados (cianose, palidez cutânea, algia, náuseas, vômitos, tremores, hipotensão, etc); características e local do curativo cirúrgico conforme prescrição ou rotina institucional, instalação e/ou retirada de dispositivos conforme prescrição ou rotina institucional (sondas, acesso venoso, etc); orientações prestadas, encaminhamento/transferência de unidade ou alta hospitalar.Atendimento à Registrar o horário da detecção dos sinais de ausência de pulso (periférico e central),P.C.R. ausência de movimentos respiratórios e ausência de resposta verbal e motora, registrar os sinais observados, anotar a conduta tomada. Ex.: chamado o enfermeiro e o médico, registrar intervenções médicas e da enfermagem, registrar as respostas das ações de enfermagem, condutas tomadas na transferência, se ocorrer, a anotação deve ser feita logo após o atendimento realizado, com todas as condutas e procedimentos realizados.Óbito Registrar o horário que o médico constatou o óbito. Ex.: (horário) constatado óbito pelo Dr. (nome do médico), certificar com o médico se o óbito será atestado ou não, e se será encaminhado ao IML ou S. V. O, anotar a retirada de cateteres, drenos, equipamentos para suporte, anotar o preparo do corpo realizado (higiene, tamponamento, colocação de próteses, curativo, vestimenta, identificação do corpo), anotar os pertences encaminhados juntamente com o corpo, anotar o horário do encaminhamento do corpo ao necrotério, IML ou S.V.O., registrar se foi comunicado à família para o comparecimento no hospital com documentação do paciente. Nunca se deve comunicar à família sobre o óbito pelo telefone, quem deve relatar o ocorrido à família é o médico responsável pelo paciente. Verificar sempre o protocolo da instituição.Acesso Venoso Local da inserção; tipo de acesso; dispositivo utilizado; tempo de permanência (para controlePeriférico de troca de acordo com as normas da SCIH); motivo de troca ou retirada; sinais e sintomas observados e possíveis intercorrências (transfixação, hematomas, extravasamento, presença de algia, edema, hiperemia, etc); permeabilizado com soro; se foi realizado curativo de fixação.Acesso Venoso Localização e tipo de catéter, presença de exsudato, hiperemia, dor, calor no local deCentral inserção, aspecto da fixação (se houver), tempo de permanência, aspecto do curativo. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  7. 7. Nutrição/ Anotar tipo de dieta oferecida (geral, leve, branda, pastosa, hipossódica, para diabéticos,Hidratação dieta por sonda); aceitação ou não do alimento (referir à quantidade do alimento consumido); dieta por sonda (quantidade da dieta e da hidratação, presença de refluxo gástrico); jejum (cirurgia ou exames); razões de sua recusa (disfagia, mastigação dolorosa, falta de apetite, náusea, etc); formas de administração (necessidade de auxílio ou não). Obs.: No caso de dietas administradas via sonda, importante citar os cuidados prestados antes e após a administração.Sono e Repouso Quantidade e qualidade do sono e repouso.Mudança de Horário; posição (dorsal, ventral, lateral direita ou esquerda); medidas de proteção (coxins,decúbito etc); sinais e sintomas (observações cutâneas, etc).Dor Localização e características; intensidade (contínua ou intermitente); providências adotadas de acordo com protocolo da instituição.Administração de Somente a checagem do(s) item(s) cumprido(s) ou não, através de símbolos, não cumpre(m)Medicamentos os requisitos legais de validação de um documento, por isso a importância de registrar, por escrito, na anotação de enfermagem a administração ou não da medicação. Item (ns) da prescrição medicamentosa administrada(s). Se injetável, também registrar o local onde foi administrado: IM (glúteo, vasto lateral, etc); EV (antebraço, dorso da mão, região cefálica, etc); SC (abdome, região posterior do braço, coxa, etc) e ID. Não esquecer de fazer referência se do lado esquerdo ou direito. No caso de administrar através de um dispositivo já existente, como intracath, duplo lumem, acesso venoso periférico, injetor lateral do equipo ou outro, anotar por onde foi administrado o medicamento endovenoso. No caso de não administrar o medicamento, apontar o motivo.Cuidado Corporal Data e horário; tipo de banho (imersão, aspersão, de leito); tempo de permanência no banho de imersão, tolerância e resistência do paciente; aspersão (deambulando, cadeira de banho, auxílio); no leito, verificar a ocorrência de irritação de pele, alergia ao sabão, hiperemia nas proeminências ósseas, realização de massagem de conforto com aplicação de hidratante. Anotar os locais.Cuidados com o Horário do xampu ou tratamento realizado; condições do couro cabeludo e dos cabelos;couro cabeludo material utilizado.Higiene Oral Presença de prótese total/parcial (caso seja necessário sua retirada, identificar e entregar ao responsável da família ou do hospital); condições da higiene (fez só, com auxilio ou realizado pelo profissional); sinais e sintomas observados (hiperemia, lesões, condição da arcada dentária, etc).Higiene Íntima Motivo da higiene íntima; aspecto do aparelho genital; presença de secreção, edema, hiperemia.Integridade Pele está íntegra, presença de lesões, hiperemias, escoriações.Cutânea/Mucosa Anotar o aspecto e localização.Lesões (realização Localização, extensão, características (limpo, seco, tecido necrótico/esfacelos), exsudatode curativos) (coloração, quantidade, odor), condições da borda e da pele ao redor da ferida, condições do curativo (oclusivo, compressivo, sujidade), queixas referidas (algia, prurido), horário da realização do procedimento.Drenos Localização, tipo de dreno (Kher, Tubular, Nelaton, Penrose, de Tórax), débito (volume, cor, consistência, característica, se há oscilação em extensão – tórax), hora da troca do coletor, aspecto da inserção (hiperemia, lesão, presença de secreção, algia, condições da pele), aspecto do curativo, queixas referidas.Ostomias Localização, material utilizado, saída de débito (características, volume (s/n), freqüência, odor, cor), características da ostomia (retração, prolapso, edema), sangramento, higienização da ostomia, característica da pele ao redor (lesão, hiperemia, edema, secreção), anotar as orientações realizadas ao paciente.Locomoção/ Condições da locomoção e motilidade (deambula com auxílio, acamado, não se movimentaMotilidade no leito, realizado mudança de decúbito, sentado em poltrona). HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  8. 8. Diurese Ausência/presença de diurese (se sonda ou balanço hídrico); características (cor, odor); presença de anormalidades (hematúria, piúria, disúria, etc); forma de eliminação (espontânea, via uripen, sonda vesical de demora, ostomias urinárias). Evacuação Episódios, quantidade (pequena, média, grande); consistência (pastosa, líquida e semipastosa); via de eliminação (reto, ostomias); características (cor, odor, consistência, quantidade); queixas.v Evolução de Enfermagem § Deve ser realizada diariamente pelo enfermeiro para todos os pacientes internados ou em observação. § Dar continuidade a evolução total ou parcialmente na vigência de alterações no estado do paciente. § Para elaborar a evolução de enfermagem, realizar: entrevista e exame físico. § Consultar: · Evolução e Prescrição Médica e de Enfermagem anteriores, Anotação de Enfermagem, Listagem de Problemas, Pedidos e Resultados de exames complementares. § Deve avaliar os resultados esperados, finalizar ou modificar o plano assistencial e conter: · Dias de internação; · Hipótese diagnóstica; · Dias de pós-operatório e tipo de cirurgia; · Atividade permitida ao paciente (repouso absoluto ou relativo); · Dependência para higiene e alimentação; · Alteração dos SSVV nas 24 horas; · Adequação do volume urinário nas 24 horas associado ao peso (1ml/kg/h); · Aceitação alimentar; · Função intestinal; · Sono e Repouso; · Exame Físico e necessidades psicoespirituais; · Justificativa de suspensão de uma prescrição; · Resultados de Exames; · Medicação Especial; · Problemas do histórico (antecedentes pessoais e cirúrgicos)/avaliação de risco de importância no dia; · Resolução dos problemas abordados e de novos identificados ou a serem abordados; · Resultado dos cuidados prescritos; · Transferência interna (entre unidades); · Registrar a avaliação do estado geral do paciente; · Nortear o planejamento da assistência a ser prestada; HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  9. 9. · Informar o resultado das condutas implementadas; · Na alta hospitalar: ü Documentar a avaliação das condições gerais apresentadas pelo paciente ao deixar o hospital; ü Registrar a orientação realizada e a entrega do resumo de alta hospitalar; ü Fazer resumo das orientações ministradas por ocasião da alta, direcionadas para o auto-cuidado no domicílio.v Prescrição de Enfermagem § Deve ser realizada diariamente em impresso próprio, exclusivamente pelo enfermeiro. § Deve ser continuamente atualizada. § A 1ª deve ser realizada no momento da admissão, com o objetivo de oferecer cuidados eficientes e organizados. § A seqüência dos itens a serem prescritos não é rígida, pois o fator de maior importância é a abordagem global dos problemas identificados no período de 24 horas. § A prescrição é revalidada e refeita caso o paciente necessite de uma nova conduta. § A prescrição de enfermagem é cumprida pelas diferentes categorias funcionais (enfermeiro, técnico e auxiliar de enfermagem) da equipe de enfermagem e o cuidado prestado é checado e rubricado por quem o realiza. § Toda prescrição deve conter assinatura/ rubrica e COREN na linha imediatamente abaixo dos horários. § Sempre que a conduta prescrita deixar de ser executada, deverá ser circulada e justificada no impresso Anotação de Enfermagem. § Quando uma conduta é suspensa, o enfermeiro deve circular e registrar “suspenso”.20. O professor deverá seguir as orientações dadas pela Instituição hospitalar e os enfermeiros do setor quanto às áreas de desenvolvimento do estágio. § Pronto Socorro: · Cursos de nível técnico (auxiliar e técnico de enfermagem) – só deverão passar em estágio no setor de observação. · Cursos de Graduação e Pós-Graduação (Enfermagem) – durante o período diurno poderão realizar o seu estágio nos setores de observação, avaliação de risco, emergência e sala de medicação. Respeitando os espaços e não sobrecarregando o setor com alunos. · Cursos de Graduação e Pós-Graduação (Enfermagem) – durante o período noturno poderão realizar o seu estágio nos setores de observação, avaliação de risco e emergência. Para o setor sala de medicação deverá ser consultado previamente a equipe de enfermeiros do Pronto Socorro se será viável a realização do estágio. Respeitando os espaços e não sobrecarregando o setor com alunos. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  10. 10. § Clínica Médica e Cirúrgica: · Cursos de nível técnico (auxiliar e técnico de enfermagem) – solicitamos que nos primeiros estágios o professor assuma um quarto de 04 pacientes. · Cursos de Graduação e Pós-Graduação (Enfermagem) – solicitamos que nos primeiros estágios o professor assuma um quarto de 04 pacientes. · Cursos de Graduação e Pós-Graduação (Enfermagem) – solicitamos que nos estágios mais avançados o professor avalie os alunos e se sentir que os alunos estão preparados faça a divisão da turma e deixe um aluno para cada paciente. Ex: se turma de 08 alunos, assumir dois quartos de 04 pacientes.21. O professor deverá seguir a orientação passada pela Instituição Hospitalar na planilha de técnicas de enfermagem que podem ser desenvolvidas pelos alunos.22. Cumprir todas as regras de segurança da Instituição Hospitalar.23. Cumprir as rotinas, políticas e normas da instituição.24. Em caso de acidentes no campo de estágio, comunique o responsável pelo grupo de estagiários e o enfermeiro da Unidade que iniciará o processo assistencial. O estagiário e o professor deverão informar a escola de origem para dar os devidos prosseguimentos do acidente.25. Não fumar, ler revistas e livros, tomar lanches e fazer trabalhos manuais, utilizar aparelhos sonoros e visuais no campo de estágio. O lanche deverá ser consumido na copa ou na lanchonete.26. O estagiário deve zelar pela tranqüilidade do paciente, usando tom de voz baixa, ser discreto e solícito, manter sigilo profissional. § Não esquecer que o paciente que está hospitalizado, precisa de tranqüilidade para a sua recuperação, por isso devemos falar em voz baixa e procurar prestar o melhor atendimento possível. § Não transmitir informações de pacientes a pessoas estranhas. § Verificar com o enfermeiro responsável pelo setor como funciona o fluxo de informações a familiares antes de passar qualquer informação sigilosa. § Não comentar nada que se refira ao paciente em corredores, elevadores, ônibus e arredores do hospital e em reuniões familiares.27. Não é permitido o uso de telefone do campo de estágio para assuntos particulares.28. O telefone celular deverá ficar desligado e não deverá ser usado no campo de estágio.29. Não é permitido receber pessoas estranhas no local de estágio.30. É proibido todo e qualquer tipo de comércio nas dependências do hospital.31. No término dos estágios, o coordenador da escola juntamente com o docente deverá encaminhar a avaliação do campo em formulário próprio da Instituição Hospitalar para o setor de Treinamento.32. O crachá deverá estar sempre em local visível nas dependências da Instituição Hospitalar. O professor será responsável por retirar os crachás no 1º dia de estágio e devolver os mesmos no último dia de estágio no setor de treinamento (RH).33. É vetado o uso do crachá em horário que não esteja acontecendo o estágio.34. O aluno e o professor deverão utilizar o crachá da escola juntamente com o crachá da Instituição Hospitalar. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  11. 11. 35. Em caso de perda, roubo ou extravio do crachá da Instituição Hospitalar, será cobrado da Instituição Educacional 10,00 reais para confecção da 2ª via.36. O professor e o estagiário que quiserem vaga de estacionamento deverão acertar direto com a empresa Personal.37. O professor e o estagiário que quiserem realizar refeição no refeitório do Hospital deverão comprar ticket no setor Financeiro da Instituição que fica no andar térreo.38. Qualquer problema o professor e/ou aluno deverá procurar pelo setor de Treinamento e Desenvolvimento. Ø Horário de atendimento do setor de Treinamento e Desenvolvimento: das 07:00h as 12:00h e das 13:00h as 18:00h de 2ª a 6ª feira. Ø Telefone: 5832-2561 (enfermeira Rosangela) ou 5832-2560 (enfermeira Laide). Ø e-mail: rosangela.lombardi@hmbm.org.br ou laide.andrade@hmbm.org.br HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  12. 12. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar SCIHO SCIH promove ações relativas à vigilância das infecções hospitalares, adequação,implementação e supervisão das normas e rotinas técnico-operacionais, visando à prevençãoe controle das infecções hospitalares, capacitação do quadro de funcionário e profissionais dainstituição, no que diz respeito à prevenção e controle das infecções hospitalares e usoracional de antimicrobianos, germicidas e materiais médico-hospitalares, assim como avigilância epidemiológica de doenças de notificação compulsória.É composto por 02 médicas e 02 enfermeiras.O setor funciona de segunda à sexta, das 07 às 18. Ramal: 2535.Precauções e Isolamentos: 1- Precaução Padrão 2- Precaução de Contato 3- Precaução para Aerossol 4- Precaução para Gotículas 5- Precaução de Contato e para Aerossol 6- Precaução de Contato e para Gotículas A Antes e após apó Ao contato Se risco de Descarte contato com com sangue respingos adequado cada paciente e secreções secreç A1- Precaução Padrão: São indicadas para o atendimento de todos os pacientes. Pretendeevitar a transmissão por sangue, fluídos corporais, secreções e excreções com ou semsangue visível, pele não íntegra e mucosas.Consiste em: a- Higienização das mãos (com água e sabão, água e sabão degermante, preparações alcoólicas). b- Uso de luvas de procedimento: Utilizar sempre que entrar em contato com sangue e líquidos corporais; secreções e excreções; membranas mucosas; pele lesada; artigos/superfícies sujos com material biológico. Trocar após cada procedimento realizado no paciente. Desprezar imediatamente após uso. c- Uso de máscara e óculos de proteção: Utilizar quando houver a possibilidade da ocorrência de respingos de material biológico sobre as membranas mucosas da boca e olho, durante a realização de procedimentos no paciente, ou manuseio com artigos/materiais contaminados. Óculos: limpá-los com água e sabão e desinfetar com álcool 70% após uso. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  13. 13. d- Uso de aventais limpos não estéreis: Utilizar como barreira física, quando existir a possibilidade de sujar/contaminar, com material biológico, as roupas e pele do profissional da saúde. Desprezar imediatamente após uso no caso dos descartáveis. e- Limpeza e desinfecção de artigos equipamentos e superfícies: Na presença de matéria orgânica, limpar com água e sabão, e em seguida, desinfetar com álcool 70% ou outro desinfetante quando recomendado. f- Material pérfuro-cortante: Não reencapar agulhas. Não remover manualmente agulhas usadas de seringas descartáveis. Não dobrar, quebrar ou manipular agulhas usadas e colocar os pérfuro-cortantes em recipientes adequados (à prova de perfurações). Respeitar rigorosamente as orientações de montagem e limite para preenchimento das caixas rígidas para pérfuro-cortante. Transporte Se contato Uso Secreções Secreç Privativo com o individual contidas paciente2- Precauções de Contato: Indicada para pacientes colonizados ou infectados por agentestransmissíveis por contato direto (quando se toca o paciente) ou indireto (ao tocar objetos ousuperfícies que circundam o paciente) e que tenham alta importância epidemiológica:Bactérias multirresistentes (ver documento Situações Especiais em Isolamentos), pacientescom diarréia por Clostridium difficile e outros agentes transmissíveis por via fecal/oral como E.coli O157: H7, Shigella, rotavírus e hepatite A e que sejam usuários de fraldas ou que sejamincontinentes.Consiste em: a- Quarto privativo preferencialmente. b- Materiais e equipamentos de cuidado devem ser usados exclusivamente para um único paciente. Se isto não for possível, a desinfecção deste material é recomendada entre o uso entre cada paciente. c- Uso de luvas ao entrar no quarto. Trocá-las quando manipular matéria orgânica mesmo que se trate de cuidados com o mesmo paciente. Antes de sair do quarto, remover as luvas e lavar as mãos com sabão anti-séptico, evitar recontaminá-las ao sair do quarto. d- Os aventais de isolamento são de uso único, devendo ser descartados em hamper a cada uso, exceto para os auxiliares e técnicos de enfermagem que poderão utilizar o mesmo avental durante todo o período do plantão, cuidando para este permaneça pendurado no interior do quarto, pela face externa, evitando assim a contaminação. Ressaltamos que se houver contaminação grosseira ou sujidade aparente no avental, este deverá ser descartado e substituído por outro. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  14. 14. Transporte Privativo com porta Uso pelo Uso pelo Uso pelo fechada profissional profissional paciente3- Precauções para Aerossol: Indicada para pacientes com doenças cujo agente etiológicose transmite por inalação e que permanecem longos períodos de tempo suspensos no arcomo em casos de tuberculose laríngea ou pulmonar, sarampo, varicela e herpes zosterdisseminado. Consiste em: a- Quarto privativo: As portas devem ser mantidas obrigatoriamente fechadas. b- Uso de máscaras: Todos os trabalhadores que entram no quarto do doente deverão utilizar a máscara N95. Podem ser utilizadas por até 30 dias, bastando para isso que se mantenham secas e íntegras. Além disso, são de uso individual e não podem ficar guardadas nos quartos dos doentes, pois ao entrar no quarto elas já devem estar em uso. c- O transporte do paciente deve ser limitado ao essencial com o paciente sempre utilizando máscara comum (cirúrgica). Transporte Uso pelo Uso pelo Uso pelo Privativo profissional profissional paciente4- Precauções de Gotículas: Indicada para pacientes com doenças transmissíveis pelatosse, espirro, ao falar e durante procedimento como aspiração de árvore respiratória,endoscopia, etc. Ex.: Haemophilus influenzae tipo b; Neisseria meningitidis; Streptococcuspneumoniae multirresistente; Difteria faringeana; Pneumonia por micoplasma; Coqueluche;Infecções estreptocócicas - faringite, pneumonia, escarlatina em crianças; Infecções virais -adenovírus, influenza, caxumba, parvovírus B19, rubéola.Consiste em: a- Quarto privativo ou coletivo para pacientes com o mesmo diagnóstico clínico (a porta poderá ser mantida aberta). A distância mínima entre dois pacientes ou entre pacientes e visitantes deve ser de um metro. b- Máscara comum (cirúrgica) ao entrar no quarto. c- Transporte do paciente deve ser limitado ao mínimo possível, e quando inevitável o paciente deve usar máscara cirúrgica. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  15. 15. Transporte Privativo Se contato Uso pelo Uso Uso pelo com porta com o profissional profissional paciente fechada paciente5- Precaução de contato e para aerossol: Indicada para pacientes com disseminação deprecaução de contato e de aerossol. Ex: Herpes Zoster e Varicela. Transporte Se contato Uso pelo Uso Uso pelo Privativo com o profissional profissional paciente paciente6- Precaução de contato e para gotículas: Indicado para pacientes em precaução decontato e de gotículas. Ex: Adenovírus.Higienização das MãosA higienização das mãos é a medida individual mais simples e menos dispendiosa paraprevenir a propagação das infecções relacionadas à assistência à saúde. Recentemente, otermo “lavagem das mãos” foi substituído por “higienização das mãos” devido à maiorabrangência deste procedimento. O termo engloba a higienização simples, a higienizaçãoanti-séptica, a fricção anti-séptica e a anti-sepsia cirúrgica das mãos, que serão abordadasmais adiante.As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistênciaprestada aos pacientes, pois a pele é um possível reservatório de diversos microrganismos,que podem se transferir de uma superfície para outra, por meio de contato direto (pele compele), ou indireto, através do contato com objetos e superfícies contaminados. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  16. 16. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIALEstr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  17. 17. GARANTINDO UM AMBIENTE HOSPITALAR SEGURO E SAUDÁVEL“É obrigatório a todos os trabalhadores – funcionários, estagiários e colaboradores – garantir asegurança dos pacientes, acompanhantes e demais trabalhadores, utilizando de todos osmeios disponíveis, através da prevenção e das boas práticas de saúde e segurança.”SEESMT – Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e em Medicina do TrabalhoPara cada atividade deve ser consultado o responsável do setor sobre os Equipamentos deProteção Individual – EPI’s e Equipamentos de Proteção Coletiva – EPC’s.Alguns EPI´s são de uso padrão obrigatório para a maioria das atividades:· Máscara (N95 e Cirúrgica);· Luvas de Procedimento;· Óculos de Segurança (Padrão do Hospital).Estes EPI´s protegem contra respingos de sangue, secreções, fluidos corpóreos e excreções,e contra aerossóis biológicos e, em conjunto com a Higienização das Mãos, previnem amaioria das doenças ocupacionais transmissíveis como: Conjuntivites, Tuberculose, InfluenzaA H1N1, Bronqueolite, Caxumba, Coqueluxe, Herpes, Varicela, Sarampo, Rubéola, Diarréiase muitas doenças de contato.Estes EPI’s protegem ainda contra acidentes com produtos químicos e farmacêuticos quepodem causar lesões cutâneas e oculares, e alergias.Outras práticas são obrigatórias e evitam a maior parte dos acidentes biológicos:· NUNCA re-encapar as agulhas (é proibido por lei – NR-32);· Os materiais perfurocortantes devem SEMPRE ser desprezados nas caixas de descarte apropriadas (caixas amarelas para perfurocortantes), sendo obrigação do trabalhador ou estagiário que utilizou o objeto descartá-lo corretamente, conforme NR-32;· NUNCA desconectar manualmente as agulhas das seringas (é proibido por lei – NR-32);· Ao utilizar material perfurocortante, garantir a imobilização do paciente, solicitar ajuda sempre que necessário;· NUNCA utilizar os próprios dedos ou parte do próprio corpo como anteparo;· Utilizar sempre material de apoio;· NUNCA utilizar as lâminas de bisturi desmontadas;· NUNCA utilizar materiais como agulhas, bisturis e pinças para fins não especificados;· NUNCA arremessar ou negligenciar materiais contaminados: seu descarte correto deve ser garantido;· É obrigatória a vacinação contra hepatite B (três doses) em todos profissionais de saúde, procure o posto de saúde mais próximo – é gratuito.COMO PROCEDER EM CASO DE ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO§ LAVE imediatamente a área afetada com água e sabão neutro (não espremer a lesão). Se o local atingido for olho, boca ou nariz (mucosas), lavar somente com água ou soro fisiológico;§ COMUNIQUE o Responsável pelo grupo de estagiários e a Enfermeira da Unidade, que iniciará o processo assistencial.“Todo Acidente com risco de infecção deverá ser considerado como emergência MÉDICA”Em caso de acidente típico (biológicos, quedas, torções, contusões, cortes, etc.), oprimeiro atendimento será feito no Hospital M’ Boi Mirim. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  18. 18. GUIA DE ORIENTAÇÃO DO COLABORADOR – NOTIFICAÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS1 – Definição do evento adverso · Evento Adverso: Qualquer ocorrência desfavorável ao paciente e que não tem necessariamente relação causal com o tratamento. · Evento Adverso Potencialmente Grave: Evento inesperado que poderia ter resultado em dano físico ou moral grave, antecipando o óbito, provocando perda de órgão ou função. · Evento Adverso Grave: Evento inesperado que resultou em dano físico ou moral grave, antecipando o óbito, provocando perda de órgão ou função.2 – Processo PROCESSO DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Comunica Preenche a Se o evento requer uma Sim Identifica o evento Adota ações É grave? supervisor, gerente notificação de ação emergente das adverso imediatas da área e diretoria eventos adversos áreas de apoio: Não Funcionário Comunica Ramal - 5000 supervisor da área Recebe e analisa o Acompanha a Fechamento evento Confirma Sim implantação da Verifica a eficácia Eficaz? do evento Qualidade gravidade? ação corretiva da ação corretiva adverso Não Sim Não Analisa com os Áreas Analisa com os envolvidos e define Realiza as ações Responsáveis envolvidos ações corretivas corretivas definidas Analisa com os Comissão de envolvidos e define Risco ações corretivasRealizado por: Karina Silva da Cruz Validado por: Ana Cristina Rossetti Rev. 1 Data: 14/07/20093 – Sensibilização3.1 – O objetivo da notificação do evento adverso não é punir e sim realizar melhorias doprocesso, com levantamento de necessidades de recursos humanos e materiais e ações paraevitar reincidência do erro.3.2 – É importante fazer um planejamento das atividades de trabalho a fim de que o eventoadverso seja notificado com maior brevidade possível para melhorias do processo.3.3 – Eventos que são computados nos indicadores institucionais devem ser notificados comoevento adverso.3.4 – NA DÚVIDA, NOTIFIQUE O EVENTO! HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  19. 19. Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante CIHDOTT A Comissão de Transplante do hospital Moyses Deutsch – M’Boi Mirim, tem porfinalidade cuidar dos processos de doação de órgãos e tecidos para transplante,desenvolvendo junto a educação continuada estratégias de treinamento e captação dosprofissionais envolvidos com a doação, tendo assim por objetivo o aumento no número dedoadores, ajudando a mais de 600 000 mil brasileiros que aguardam na fila de transplantes aobter um órgão. Mas quem pode ser um doador? Existem dois tipos de doadores: os doadores vivos que só podem doar os órgãos semcorrer o risco de vida e aptidão vital. Os órgãos e tecidos que podem ser doados em vida são:medula óssea, um dos rins, parte do fígado, parte do pulmão em situações excepcionais, eparte do pâncreas. Sendo que a doação em vida o próprio doador escolhe para quem vai doarseus órgãos ou parte deles conforme a lei Nº. 9.434 de 04 de fevereiro de 1997 que autoriza adoação de doador vivo para parentes até 4º (quarto) grau e cônjuges, portanto, para nãoparentes é necessário autorização judicial. (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004) Já os doadores não vivos ou doadores cadavéricos: são os pacientes com diagnósticode morte encefálica considerado um potencial doador, para sair da condição de potencialdoador para doador seus órgãos devem estar com ausência de contra indicações clinicas elaboratoriais à doação, como: insuficiência de algum órgão ou doenças infecto-contagiosas.Os órgãos e tecidos que podem ser doados são: Córneas, coração, cartilagem, fígado,intestino, ossos, pâncreas, pulmão, rins, válvulas cardíacas, veias e pele. (ABTO, 2006). Como faço para ser um doador? Para ser um doador a única forma é avisando a família o desejo de que após a morte uma ou mais partes do seu corpo possam ser utilizados para beneficiar uma ou mais vidas que aguardam por um órgão ou tecido na lista de espera da Central de Captação de Órgãos. A doação é realizada pelos familiares de até 2º (segundo) grau (pai, mãe, filho, avós, irmãos) do potencial doador. Este tipo de doação Então a melhor forma de tornar seu desejo uma realidade é conversando com seus familiares sobre sua vontade, parece uma atitude simples, mas que repercute deuma maneira muito positiva quando os familiares se deparam com a situação e recordam dodesejo do falecido. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  20. 20. Onde Procurar? Contudo o trabalho da CIHDOTT depende em muito da ajuda de todos, principalmente no reconhecimento dos pacientes que estão em possível morte encefálica, bem como ser informados dos casos de óbitos que ocorrem no hospital. O paciente em morte encefálica é aquele que atinge uma pontuação na escala de coma de glasgow de 3, não apresentando nenhuma resposta aos estímulos. Contudo este paciente não pode estar sobre efeito de sedação, porque implica em falsos sinais de morte encefálica, por isso é importante sempredescartar essa situação (sedação) ao realizar uma avaliação. Já possíveis doadores de tecidos (córnea, ossos e pele) são os indivíduos que foram aóbito por parada cardíaca, o profissional deve identificar imediatamente esse óbito paraviabilizar a captação destes tecidos, caso haja a autorização dos familiares. Para solicitar a comissão de transplante do hospital, basta ligar no plantãoadministrativo do hospital no ramal 2550 ou 2581. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  21. 21. Plano de Gerenciamento de Resíduos em Serviços de SaúdeClassificação dos Resíduos I- Resíduos - Grupo A: GRUPO A: Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suascaracterísticas de maior virulência ou concentração, podem apresentar risco de infecção. II - Resíduos - Grupo B: Segundo a Resolução CONAMA 358 de 29/04/05 os Resíduos do Grupo B sãodefinidos como: GRUPO B: Resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco àsaúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade,corrosividade, reatividade e toxicidade. III- Resíduos - Grupo C: São os resíduos provenientes de descartes de material radioativo. Esta atividade não érealizada no Hospital Municipal M Boi Mirim IV- Resíduos - Grupo D: Resíduos que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou aomeio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares. V- Resíduos - Grupo EGRUPO E: Materiais perfurocortantes ou escarificantes, tais como: lâminas de barbear,agulhas, escalpes, ampolas de vidro, brocas, limas endodônticas, pontas diamantadas,lâminas de bisturi, lancetas; tubos capilares; micropipetas; lâminas e lamínulas; espátulas; etodos os utensílios de vidro quebrados no laboratório (pipetas, tubos de coleta sanguínea eplacas de Petri) e outros similares.Segregação, Acondicionamento e Manuseio de Resíduos Segregação: Consistem na separação dos resíduos no momento e local de suageração, de acordo com as características físicas, químicas, biológicas, o seu estado físico eos riscos envolvidos. Acondicionamento: Consiste no ato de embalar os resíduos segregados, em sacos ourecipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura. A capacidadedos recipientes de acondicionamento deve ser compatível com a geração diária de cada tipode resíduo. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500
  22. 22. Segregação e Acondicionamento Os resíduos serão segregados pelo agente gerador obedecendo à seguinte regrabásica: Acondicionamento Galão resistente, Caixa rígido, com Grupo de Resíduos Saco Saco de tampa rosqueada Saco Saco Saco Branco Preto Perfuro e vedante, ou Azul Amarelo Vermelho Cortante embalagem original Grupo A X Infectantes Grupo B X* X Químicos Grupo D X Comuns Grupo D X X X Reciclado Grupo E X Perfurocortantes · Os resíduos do grupo B são acondicionados em saco branco identificado com etiqueta específica. HOSPITAL MUNICIPAL DR. MOYSÉS DEUTSCH ORGANIZAÇÃO SOCIAL Estr. Do M’boi Mirim, nº 5203 – Jardim Ângela – São Paulo/SP Tel.: (11) 5832-2500

×