SlideShare uma empresa Scribd logo

Um primeiro-olhar-sobre-a-gestalt

F
F

Abordagem humanistica e fenomenologica

Um primeiro-olhar-sobre-a-gestalt

1 de 25
Baixar para ler offline
Abordagens Humanistas e
Fenomenológicas
Professora: Mireilly Moura
Alunos: Brenna, Dayane, Gabriela, Karol,
Katia, Marco e Solane
Um primeiro olhar sobre a
gestalt
Gestalt uma terapia do contato
Mas o que é, de fato, a gestalt?
 Palavra alemã que significa algo como:
“dar forma ao que esta diante dos nossos olhos”
 O exato seria dizer Gestaltung, palavra que indica uma ação
prevista, em curso ou acabada, que implica um processo de
dar forma, uma “formação”.
 Ela trouxe a ideia de que o todo é maior e diferente do que a
soma das partes
Ex.: quando alguém olha para um automóvel, vê um carro, e
não quatro rodas, portas de metal, um motor, poltronas etc...
 As coisas ganham sentido pela forma como estão
organizadas e pelo contexto em que estão.
 Para compreender um comportamento é preciso ter uma
visão sintética, percebe-lo no conjunto mais amplo do
contexto global.
Solane
A terapia: unidade, saúde,
santidade
• Para a GT os objetivos terapêuticos estão ligados à
definição atual de saúde dada pela OMS
(Organização Mundial da Saúde), onde a saúde
deixa de ser a ausência de doenças e passa a ser um
estado de completo bem-estar físico, mental e
social. Nesta perspectiva mais global, a terapia
passa a visar o desenvolvimento do bem estar
harmonioso, e não a cura, ou a reparação de
alguma doença a partir de um referencial de
normalidade estatística. A GT valoriza a saúde como
um estado de harmonia, equilíbrio, crescimento
pessoal por meio da integração de polaridades,
onde o direito à diferença, a originalidade,
singularidade e individualidade são valorizadas,
diferenciando-se muito das visões normalizadoras,
centradas na adaptação social.
Solane
A quem então se destina a Gestalt?
• A Gestalt é hoje praticada em contextos e com objetivos
muito diferentes: em psicoterapia individual face a face,
em terapia de casais, em terapia familiar, em grupos
contínuos de terapia, mas também em grupos de
desenvolvimento pessoal do potencial individual, assim
como em instituições ou ainda em empresas do setor
industrial ou comercial.
Trabalha distúrbios físicos, psicossomáticos ou
psíquicos, dificuldade com problemas existenciais
Solane
História e Geografia da gestalt
• Inicialmente europeia, foi introduzida na
Alemanha a partir de 1962 e ensinada
desde 1972
• Difundiu se rapidamente nos países
germânicos e anglo-saxões e hoje penetra
em todos os continentes
• Teve o ponto de partida com o trabalho do
psicoterapeuta e psiquiatra alemão
Friedrich Salomon Perls
• 1968 movimento da “contracultura” –
revalorizar o ser em relação ao ter,
emancipar o saber em relação ao poder
Dayane
Anúncio

Recomendados

Psicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialPsicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialÉrika Renata
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialSara Campagnaro
 
Entendimento de ser humano segundo o existencialismo
Entendimento de ser humano segundo o existencialismoEntendimento de ser humano segundo o existencialismo
Entendimento de ser humano segundo o existencialismoBruno Carrasco
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Alexandre Simoes
 
Psicologia gestalt
Psicologia gestaltPsicologia gestalt
Psicologia gestaltDorothy Dias
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensBruno Carrasco
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaFábio Nogueira, PhD
 
Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia Maria Santos
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoBruno Carrasco
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoSilvia Cintra
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoBruno Carrasco
 
Avaliacão psicometria teoria da medida
Avaliacão psicometria teoria da medidaAvaliacão psicometria teoria da medida
Avaliacão psicometria teoria da medidaMárcia Nascimento
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaAdriane Fernandes
 

Mais procurados (20)

Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao Existencialismo
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimo
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Teoria da Gestalt
Teoria da GestaltTeoria da Gestalt
Teoria da Gestalt
 
Teoria da Gestalt
Teoria da GestaltTeoria da Gestalt
Teoria da Gestalt
 
Algumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapiaAlgumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapia
 
Grupos Terapêuticos
Grupos TerapêuticosGrupos Terapêuticos
Grupos Terapêuticos
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Avaliacão psicometria teoria da medida
Avaliacão psicometria teoria da medidaAvaliacão psicometria teoria da medida
Avaliacão psicometria teoria da medida
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 

Semelhante a Um primeiro-olhar-sobre-a-gestalt

aula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOS
aula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOSaula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOS
aula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOSfatimamalta27
 
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALA CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALDIONE FRANCISCATO
 
Não Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens Terapeutas
Não Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens TerapeutasNão Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens Terapeutas
Não Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens TerapeutasUniversité de Montréal
 
Rehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencial
Rehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencialRehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencial
Rehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencialÉrika Renata
 
psicologia da gestalt.pptx
psicologia da gestalt.pptxpsicologia da gestalt.pptx
psicologia da gestalt.pptxDaiana Moreira
 
Frederick S Perls e Gestal.ppt
Frederick S Perls e Gestal.pptFrederick S Perls e Gestal.ppt
Frederick S Perls e Gestal.pptwolfninja1
 
Resumo humanismo
Resumo humanismoResumo humanismo
Resumo humanismokellidoors
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02Jordano Santos Cerqueira
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEndriely Teodoro
 
Introduçao a psicologia existencial
Introduçao  a psicologia existencialIntroduçao  a psicologia existencial
Introduçao a psicologia existencialfelipe fernandes
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasGSArt Web Solutions
 
Filosofia clínica um instrumento útil em sala de aula
Filosofia clínica um instrumento útil em sala de aulaFilosofia clínica um instrumento útil em sala de aula
Filosofia clínica um instrumento útil em sala de aulaAparecido Alcântara
 
Filosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aula
Filosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aulaFilosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aula
Filosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aulaAparecido Alcântara
 

Semelhante a Um primeiro-olhar-sobre-a-gestalt (20)

aula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOS
aula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOSaula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOS
aula de psicologia sobre GT CONCEITOS BÁSICOS
 
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONALA CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
A CONTRIBUIÇÃO DA GESTALT NA LIDERANÇA ORGANIZACIONAL
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Não Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens Terapeutas
Não Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens TerapeutasNão Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens Terapeutas
Não Tenha Pressa: Sete Lições para Jovens Terapeutas
 
Rehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencial
Rehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencialRehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencial
Rehfeld, a. a prática clínica fenomenológico existencial
 
psicologia da gestalt.pptx
psicologia da gestalt.pptxpsicologia da gestalt.pptx
psicologia da gestalt.pptx
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
Kurt goldstein
Kurt goldsteinKurt goldstein
Kurt goldstein
 
Frederick S Perls e Gestal.ppt
Frederick S Perls e Gestal.pptFrederick S Perls e Gestal.ppt
Frederick S Perls e Gestal.ppt
 
Resumo humanismo
Resumo humanismoResumo humanismo
Resumo humanismo
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 02
 
Existencial- Humanista.pdf
Existencial- Humanista.pdfExistencial- Humanista.pdf
Existencial- Humanista.pdf
 
Texto 11 -
Texto 11 -Texto 11 -
Texto 11 -
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
Introduçao a psicologia existencial
Introduçao  a psicologia existencialIntroduçao  a psicologia existencial
Introduçao a psicologia existencial
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
 
Filosofia clínica um instrumento útil em sala de aula
Filosofia clínica um instrumento útil em sala de aulaFilosofia clínica um instrumento útil em sala de aula
Filosofia clínica um instrumento útil em sala de aula
 
Filosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aula
Filosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aulaFilosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aula
Filosofia Clínica: um instrumental útil em sala de aula
 

Um primeiro-olhar-sobre-a-gestalt

  • 1. Abordagens Humanistas e Fenomenológicas Professora: Mireilly Moura Alunos: Brenna, Dayane, Gabriela, Karol, Katia, Marco e Solane
  • 2. Um primeiro olhar sobre a gestalt Gestalt uma terapia do contato
  • 3. Mas o que é, de fato, a gestalt?  Palavra alemã que significa algo como: “dar forma ao que esta diante dos nossos olhos”  O exato seria dizer Gestaltung, palavra que indica uma ação prevista, em curso ou acabada, que implica um processo de dar forma, uma “formação”.  Ela trouxe a ideia de que o todo é maior e diferente do que a soma das partes Ex.: quando alguém olha para um automóvel, vê um carro, e não quatro rodas, portas de metal, um motor, poltronas etc...  As coisas ganham sentido pela forma como estão organizadas e pelo contexto em que estão.  Para compreender um comportamento é preciso ter uma visão sintética, percebe-lo no conjunto mais amplo do contexto global. Solane
  • 4. A terapia: unidade, saúde, santidade • Para a GT os objetivos terapêuticos estão ligados à definição atual de saúde dada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), onde a saúde deixa de ser a ausência de doenças e passa a ser um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Nesta perspectiva mais global, a terapia passa a visar o desenvolvimento do bem estar harmonioso, e não a cura, ou a reparação de alguma doença a partir de um referencial de normalidade estatística. A GT valoriza a saúde como um estado de harmonia, equilíbrio, crescimento pessoal por meio da integração de polaridades, onde o direito à diferença, a originalidade, singularidade e individualidade são valorizadas, diferenciando-se muito das visões normalizadoras, centradas na adaptação social. Solane
  • 5. A quem então se destina a Gestalt? • A Gestalt é hoje praticada em contextos e com objetivos muito diferentes: em psicoterapia individual face a face, em terapia de casais, em terapia familiar, em grupos contínuos de terapia, mas também em grupos de desenvolvimento pessoal do potencial individual, assim como em instituições ou ainda em empresas do setor industrial ou comercial. Trabalha distúrbios físicos, psicossomáticos ou psíquicos, dificuldade com problemas existenciais Solane
  • 6. História e Geografia da gestalt • Inicialmente europeia, foi introduzida na Alemanha a partir de 1962 e ensinada desde 1972 • Difundiu se rapidamente nos países germânicos e anglo-saxões e hoje penetra em todos os continentes • Teve o ponto de partida com o trabalho do psicoterapeuta e psiquiatra alemão Friedrich Salomon Perls • 1968 movimento da “contracultura” – revalorizar o ser em relação ao ter, emancipar o saber em relação ao poder Dayane
  • 7. História e Geografia da gestalt • Uma arte de viver, síntese coerente de várias correntes filosóficas, metodológicas e terapêuticas no qual o todo é diferente da soma de suas partes. • Se situa na interseção entre a psicanalise, as terapias psicocorporais de inspiração reichiana, o psicodrama, o sonho-desperto, os grupos de encontro, as abordagens fenomenológica e existencial, as filosofias orientais. Dayane
  • 8. História e Geografia da gestalt • Dá ênfase à tomada de consciência da experiência atual, “o aqui e agora” e reabilita a percepção emocional e corporal • Perspectiva unificadora do ser humano • Favorece um contato autêntico com os outros e consigo mesmo • Desmascara nossas evitações • Não objetiva simplesmente explicar as origens de nossas dificuldades, mas experimentar pistas para soluções novas Dayane
  • 9. História e Geografia da gestalt • Cada um é responsável por suas escolhas e suas evitações • O trabalho é geralmente individualizado • Busca favorecer a tomada de consciência global da forma como funcionamos e de nossos processos:  De ajustamento criador ao meio  De integração da experiência presente de nossas evitações e de nossos mecanismos de defesa ou resistência o Busca a coerência interna do estar-no-mundo global para descobrir e elaborar o próprio estilo de vida Dayane
  • 10. História e Geografia da gestalt • Incita a se conhecer melhore a aceitar se tal como é. “Ser o que sou, antes de ser de outra maneira: é a “teoria paradoxal da mudança”...É no momento em que me aceito como sou, que me torno capaz de mudar”(Beisser, 1970) • O essencial da Gestalt não esta em suas técnicas, mas no espirito geral do qual ela procede e que as justificam • É preciso dar-se conta do que acontece consigo, podendo assim reencontrar o seu equilíbrio. Dayane
  • 11. Algumas Técnicas • Awareness (do inglês, “estar ciente) • O que ocorre quando o paciente combina as informações levantadas durante a terapia e percebe o que esta acontecendo com ele, um passo decisivo para mudar sentimentos e atitudes para reduzir o sofrimento • O exercício de awareness costuma ser usado como aquecimento, favorecendo, se for o caso, a partir do que sinto no momento, a emergência de uma “situação inacabada” anterior • Responde a quatro questões chave: • O que você esta fazendo agora? • O que você sente neste momento? • O que você esta evitando? • O que você quer, o que espera de mim? Gabi/Katia
  • 12. Algumas Técnicas • O hot seat – Cadeira reservada ao lado da do terapeuta para o cliente que desejar trabalhar sentar voluntariamente. • Cadeira vazia – Local para projetar um personagem imaginário com o qual deseja se relacionar • Dramatização – Ênfase que favorece a conscientização, a awareness, propondo uma ação visível e tangível, que mobiliza o corpo e a emoção e permite assim que o cliente viva a situação intensamente. Gabi/Katia
  • 13. Algumas Técnicas • O Monodrama – Variante do psicodrama, onde o próprio protagonista desempenha, alternadamente os diferentes papéis da situação evocada por ele. • As polaridades – Com o monodrama podemos explorar as polaridades opostas de uma relação (amor e ódio) • A amplificação – Tornar mais explicito o que esta implícito, projetar na cena exterior o que ocorre na cena interior Gabi/Katia
  • 14. Algumas Técnicas • Interpelação direta (falar com... E não falar de...) – Evitamos falar de alguém (presente ou ausente): dirigimos a palavra diretamente à pessoa, permitindo passar de uma reflexão interna de ordem intelectual, a um contato relacional de ordem emocional. • Trabalho com sonho – O sonho é abordado por uma descrição, seguida da “dramatização” sucessiva dos diversos elementos do sonho, com os quais o cliente é convidado a se identificar sucessivamente – em palavras e gestos – sendo cada um desses elementos considerado uma Gestalt inacabada ou uma expressão parcial do próprio sonhador. Gabi/Katia
  • 15. Algumas Técnicas • A expressão metafórica – É utilizado técnicas de expressão artística: desenho ou pintura, modelagem ou escultura, produção musical, dança e outros. Gabi/Katia
  • 16. A árvore genealógica da gestalt • A árvore Genealógica da Gestalt-terapia se estende por inúmeras raízes, nutridas por diversas correntes filosóficas e terapêuticas provenientes tanto da Europa quanto das Américas e do Oriente que fizeram parte do arsenal cultural de seu fundador, o judeu alemão Fritz Perls Marco
  • 17. O que reteve das correntes • Da fenomenologia: – Que é mais importante descrever do que explicar; – Que o essencial é a vivencia imediata; – Que nossa percepção do mundo e do que nos rodeia é dominada por fatores subjetivos irracionais, que lhe conferem um sentido diferente para cada um; Marco
  • 18. O que reteve das correntes • Do existencialismo: – os princípios e pressupostos do existencialismo nos ajudam a fazer a transposição para a Gestalt já que para ambos a existência é a grande interrogação; – A singularidade de cada existência humana e a noção de responsabilidade de cada pessoa que participa ativamente da construção de seu projeto existencial e confere um sentido original ao que acontece e ao mundo que a rodeia, criando sua relativa liberdade. Marco
  • 19. O que reteve das correntes • A Gestalt ratifica a premissa em que cada ser humano é visto como sendo o único responsável pelas suas escolhas, e esse modo de pensar influencia de modo relevante as intervenções do terapeuta na prática clínica. Existe uma outra importante contribuição do existencialismo que é o viver a experiência no aqui-e- agora. • Noel Salathe considera a Gestalt como um canal terapêutico do existencialismo, que aborda cinco proposições existenciais fundamentais: a finitude, a responsabilidade, a solidão, a imperfeição e o absurdo. Marco
  • 20. Batismo agitado de uma criança bastarda • Gestalt terapia é uma abordagem fenomenológica e existencialista de origem essencialmente europeia. • A escolha da denominação gerou controvérsia entre os criadores que temiam ser confundidos com a Psicologia da Gestalt, surgiram sugestões: – Psicanálise existencial – Terapia integrativa – Terapia da concentração – Terapia existencial Karol
  • 21. A psicologia da gestalt ou teoria da gestalt • Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 – 1943) Bibliografia mais conhecida: Pensamento Produtivo KURT KOFFKA (1886 – 1941) Percepção: uma Introdução a Teoria da Gestalt WOLFGANG KÖHLER (1887 – 1967) Porta Voz do movimento insight Karol
  • 22. A psicologia da gestalt ou teoria da gestalt • Desenvolvida por Chrinstiam von Ehrenfels, filósofo e psicólogo, a Psicologia da Gestalt estuda as sensações (dado psicológico) de espaço-forma e tempo-forma (o dado físico). • As bases dessa teoria psicológica foram estruturadas a partir desses estudos, que estabeleciam a forma e sua percepção, por Max Wertheimer, Wolfgang Köhler e Kurt Koffka. • A Teoria da Gestalt estuda a percepção e a sensação do movimento, os processos psicológicos envolvidos diante de um estímulo e como este é percebido pelo sujeito. Karol
  • 23. A polissemia das formas • Percepção personalizada da realidade • É a visão subjetiva que confere um forma simbólica • É um conjunto significativo, não necessariamente por si mesmo, mas sobre tudo para mim • Qualquer fenômeno observado nunca é uma realidade objetiva em si, mas uma inter-relação global entre o próprio fenômeno e o seu meio momentâneo Brenna
  • 24. A polissemia das formas Brenna
  • 25. A polissemia das formas Brenna