SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES
DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA
PROFESSORA: SANDRA HELENA CAMPOS CARDOSO
 
O homem e sua eterna busca de sentido:O homem e sua eterna busca de sentido:
Uma abordagem logoterapêuticaUma abordagem logoterapêutica
Liliane Félix Ribeiro
Maylla Candeia
Rebecca Alves Aguiar Athayde
Yordan B. Gouveia
João Pessoa – PB
Junho de 2009
Introdução
O psiquiatra e psicoterapeuta austríaco Viktor Emil Frankl (1905-
1997), se destacou como o idealizador e pai da escola psicológica
fenomenológica, existencial e humanista, conhecida como Logoterapia.
Pode-se dizer que Frankl acrescentou à psicoterapia uma visaõ
pluridimensinal, livrando-a da hegemônica ênfase no plano somático e
instintual.
Neste trabalho, pretendemos explorar a vida e teoria de Frankl,
enfatizando os aspectos que compõem a compreensão apropriada da visão da
personalidade dos sujeitos humanos segundo a Logoterapia, ressaltado suas
formulações basilares sobre a “vontade de sentido”, valores e religiosidade, os
quais, de acordo com nossa compreensão, representam as proposições básicas
para entender a perspectiva de homem da Logoterapia.
Viktor Emil Frankl (1905-2005)
• Psiquiatra e neurologista.
• Viktor Emil Frankl nasceu em Viena, na Áustria, em
26 de março de 1905.
• Viktor cresceu em uma família cheia de tradições e
calor humanos.
• Entre 1914 a 1918, ele e sua família estavam em situação econômica
deficitária.
• Frankl (1989) aos treze anos de idade ouviu de um professor de Ciências
dizer que a vida era resultado do processo de combustão, indignado levantou-
se e perguntou:
• Quando tinha quinze anos de idade,
Frankl passou a se corresponder com
Sigmund Freud.
• Em 1921, deu sua primeira conferência,
sobre o tema "A respeito do sentido da
vida". -Em 1925, como estudante de
medicina, Frankl encontra-se
pessoalmente com Freud e se aproxima
do círculo intelectual liderado por Alfred
Adler.
• No ano seguinte, ele é excluído da
Association de Psychologie Individuelle,
em razão de suas divergências com
Adler.
• Por volta de 1926, utilizou pela primeira vez o termo
“Logoterapia”, ao expressar questionamentos sobre o sentido da
vida em uma conferência proferida em Viena. Nos anos
seguintes, Frankl se dedicou a construir e a trabalhar em centros
de consultas para os jovens que necessitavam de ajuda
psicológica e moral, objetivando reduzir os altos índices de
suicídio na Europa, com o apoio de alguns dos autores
supracitados (XAUSA, 1986).
• Em 1928, Frankl organiza Centros de
Aconselhamento Juvenil em Viena, e outras
seis cidades, e começou a trabalhar na Clínica
Universitária Psiquiátrica.
• 1930, Frankl trabalhou no centro
neurológico da clínica da universidade, na
clínica psiquiátrica de Steinhof e no
Rotschildospital.
• De 1933 a 1936, Frankl foi diretor do
pavilhão das mulheres suicidas do Hospital
Psiquiátrico de Viena.
• Em 1942 sua família foi deportada da Áustria
pelos nazistas. Em 1945 Frankl foi enviado para
Auschwitz, recebendo a tatuagem de prisioneiro nº
119.104 (Frizzotti,1998 ).
• Doutor em Medicina e Filosofia (MD, PhD).
• Professor da Universidade de Viena, San Diego, Harvard, Stanford,
Dallas, Pittsburgh e outras universidades da Europa, América e Ásia.
• Diretor da Policlínica de Viena durante 25 anos.
• Doutor Honoris Causa de universidades do Brasil (PUCRS), França,
Polônia, Áustria, Argentina, Harvard, San Diego, Cincinatti, Rockfort,
entre outras.
• Ex-presidente da Sociedade de
Psicoterapia da Áustria.
• Autor de extensa obra de psicologia.
• Fundador da chamada “Terceira
Escola de Psicoterapia deViena -
Logoterapia”.
• Obra básica: “O homem em busca de sentido”. Um bestseller em
diversos países, relato da experiência do autor em campos de
concentração da qual resultou sua teoria psicológica-existencial.
Comendo apenas uma tigela de sopa aguada e uma pequena ração de pão.
Longas horas de trabalho em condições meteorológicas extremas - frio de
20 graus abaixo de zero, e todas as falhas imagináveis. Confrontando
atrocidades, mortes e doenças a cada dia. Frankl se apoiou em vários
aspectos para lograr sobreviver: Frankl foi apoiado, em várias maneiras
para garantir a sobrevivência, principalmente pelo seu grupo de trabalho
que se mostrava grato por Frankl lhe ter dado atenção quando contou de
seus casos amorosos e conflitos matrimonias, e de tal forma Frankl o
impressionou com uma diagnose característica sobre a pessoa do Capo e
alguns conselhos terapêuticos (Frankl, 1987).
O amor que sentia por sua família e
sua esposa lhe deu a força para
continuar lutando. Um momento
significativo foi quando um outro
prisioneiro indagou sobre o destino
de suas esposas. O jovem médico
começou a pensar em sua própria
esposa, e percebeu que ela estava
presente dentro dele: “A salvação do
homem está no amor e só no amor.
Eu percebi como é que um homem
que não tem nada neste mundo ainda
pode conhecer bem-aventurança,
seja apenas por um breve momento,
na contemplação de sua amada”
(Frankl,1963, p. 59).
A experiência da natureza - aguardava com expectativa a hora do pôr do sol na
Baviera floresta, e que dava sentido ao seu dia. A experiência de arte -
cumpridos nos poucos tempos livres para recitar poesia, cantar e recordar obras
de teatro(Frankl, 1987).
O senso de humor também foi um elemento importante para a sobrevivência:
contar piadas e rir de alegria porque tinha ouvido as sirenes anunciando
bombardeamentos, lhes permitia parar o trabalho pesado (Frankl, 1987).
A experiência da espiritualidade: Orava dia e noite no barracão, sempre que
possível; o grupo cantou e rezou salmos em hebraico. Para Frankl, a oração é um
diálogo íntimo com os amigos mais íntimos.
Os aportes teóricos metodológicos da
teoria estão baseados na influência da
fenomenologia e do existencialismo e
este se constitui como um método de
relação interpessoal e de análise
psicológica.
Estas não são técnica de cura da
perturbação mental, mas objetiva
facilitar no sujeito um
autoconhecimento, uma
autoconsciência, uma auto-
compreensão e um autodeterminação.
Possibilitam uma autonomia
psicológica, que ajuda no crescimento
pessoal e no encontro do indivíduo
com a autenticidade da sua existência.
A Fenomenologia
Procura estudar os fenômenos, descrevendo-os, interrogando-os e
abordando-os a partir de sua própria existência. A explicação dos
fenômenos não é feita a partir de conceitos prévios, crenças ou afirmações
sobre o mesmo, traçado por um referencial teórico.
O Existencialismo
Pondera a importância da essência do homem, destacando
principalmente a liberdade individual, a responsabilidade e a
subjetividade, enfatizando com isso o homem como individuo
responsável pela construção do seu mundo.
Muitos autores construíram suas teorias definindo as principais finalidades
da psicoterapia existencial:
• Procura de si próprio (May, 1958);
• Tornar-se mais autêntico na relação consigo próprio e com os outros
(Bugental, 1978);
• Superar os dilemas, tensões, paradoxos e desafios do viver (Van
Deurzen-Smith, 2002);
• Facilitar um modo mais autêntico de existir (Cohn, 1997);
• Promover o encontro consigo próprio para assumir a sua existência e
projetá-la mais livremente no mundo (Villegas, 1989);
• Aumentar a autoconsciência, aceitar a liberdade e ser capaz de usar as
suas possibilidades de existir (Erthal, 1999);
• Viktor Emil Frankl (1984).
A teoria frankliana é menos
retrospectiva e menos
introspectiva, dirigindo o
foco de abordagem mais
para o futuro e não para o
presente ou passado do
paciente como as demais
terapias.
Frankl X
Princípio do Prazer de
Freud
• Visão psicanalítica: A personalidade pode ser explicada com base em um
passado determinado por tendências instintivas, sendo elas que decidem pelo
homem.
Frankl X
Principio do Poder
de Adler
• Visão da Psicologia Individual : A experiências traumáticas durante a infância
poderá criar uma imagem distorcida de si mesmo e do mundo em que vive,
desenvolvendo com isso, sentimentos de que seu ambiente é um meio hostil e
punitivo e de que é impossibilitado de fazer face às tarefas da vida.
• Tais teorias apresentam uma idéia reducionista e distorcida do ser
humano, como um ser estruturado apenas por uma dimensão
psicofísica e condicionada internamente;
• Compreendem o homem isolado, e, em seguida, absolutizam um
campo ou dimensão do ser humano renunciando a
multidimencionalidade do mesmo.
• Essas visões de homem tendem a fechar a existência dele em um
humanismo sem perspectiva de futuro, fazendo-se prevalecer um
“homem” instintivo e deixando de lado o “homem” criativo.
Para Victor Frankl,
“o passado não decide todo o
destino do homem. O homem
não é apenas aquilo que ele é, é
também aquilo que decide ser...
Com o futuro, necessidade,
fatalidade e determinismo
abrange-se apenas uma parte da
condição humana” (Citado por
Peter,1999 p. 18).
Com a Logoterapia, surge a
outra metade da explicação
da personalidade humana: “a
liberdade do homem não é a
liberdade dos
condicionamentos; é, antes, a
liberdade de tomar atitude
em qualquer condição em
que se encontre” ( Citado por
Peter,1999 p. 18).
Esta premissa ontológica ou antropológica dimensional torna-se o
alicerce de sua teoria, dando a ela um caráter metodológico que visa
instituir critérios que englobam as características da multiplicidade
e da unidade que constitui o homem de forma holística.
A partir da concepção da ontologia
ou antropologia dimensional atestada
por Frankl o ser humano passa de
uma entidade apenas biológica e
psicológica para uma espiritual.
Transforma as bases em que se
fundamentava as distintas escolas
psicológicas.
Instala uma lacuna ontológica que reparte dois campos
fundamentalmente distintos dentro da estrutura total dessa entidade
chamada homem. Trata-se, de um lado, da existência, algo
essencialmente espiritual, e, de outro, de tudo aquilo que compete à
facticidade, se compõe de elementos tanto psicológicos e fisiológicos .
O homem é um ser para além de um corpo orgânico, abre-se ao
psiquismo, tomando consciência de sua capacidade de existir para
além de si mesmo, isto é, a inscrição do psíquico lhe consente
chegar e apreender um sentido último.
Apesar desse antagonismo noopsíquico, onde o espírito do homem
se contrapõe ao psíquico e ao físico, ele deve ser visto de forma
completa, em sua tridimensionalidade, como um ser bio-psíquico-
espiritual.
“...no homem, porém, nada é
meramente biológico, assim
como nada é meramente
espiritual. Cada célula de
seu corpo participa da
espiritualidade e todo ato da
criatividade espiritual é
alimentado por sua dinâmica
vital” (Peter, 1999 p.23).
Implicações religiosas da Logoterapia
• A Religião e a Logoterapia constituem
esferas diferente e autônomas
• O sistema terapêutico da Logoterapia não
renuncia sua forte ligação com a religião,
todavia rejeita qualquer tentativa de
submeter à psicoterapia à religião,
advertindo contra o perigo de adentrar o
campo da teologia.
• Podemos afirmar que a religião não
contém a imunidade das crises e angústias;
tampouco a psicoterapia nos faz alcançar o
plano da graça.
“Não cremos na necessidade de que o analista seja o salvador e o
libertador, nem que a psicologia do profundo sirva para solicitar aquela
compreensão do processo de libertação universal, que nos intelectuais é
defeituosa. Nem a psicoterapia está a serviço da religião, nem a religião
é meio para conseguir os fins da psicoterapia. J.H. Schultz observou
com justeza que‘ assim como não pode existir neurose copta cristão ou
budista, também não pode existir uma ciência psicoterapíca que se
inspire numa determinada orientação confessional” ( Frankl, V., Teoria
e terapia delle neurosi, op. cit., p. 194.)
• A atitude particular da Logoterapia no que diz respeito à religião é
de neutralidade, diferenciação, autonomia e abertura.
• Não pode haver uma fusão entre essas duas dimensões, nem quando
uma está motivada a explorar a outra.
• A Logoterapia localiza no inconsciente espiritual o centro da
verdadeira pessoa profunda, ou seja, localiza nele a sede de toda ação
humana. Conseqüentemente, as decisões existenciais se provêm do
Eu-espiritual.
Liberdade de vontade, vontade de sentido e sentido da
vida
A liberdade de vontade diz respeito ao fundamento antropológico
que embasa a Logoterapia. Viktor Frankl (1992) concebe o ser
humano como sendo consciente e responsável, formando, assim, uma
unidade ontológica. Tais pressupostos humanos (consciência e
responsabilidade) implicam na resolução de duas questões: “Pelo que
o ser humano se sente responsável” e, “Perante quem ele se sente
responsável” (Frankl, 1990).
Frankl afirma que é a própria
pessoa que precisa decidir se
deve interpretar a tarefa de sua
vida como sendo responsável
perante a sociedade ou perante
a sua própria consciência.
Sendo assim, a consciência da
responsabilidade, perante algo
ou alguém, constituiria a
essência da existência humana
(Aquino, 2009).
• Para Frankl cada indivíduo é confrontado com um valor específico no
mundo, onde ele se torna único e insubstituível. Reconhecendo as
pessoas como conscientes e responsáveis implica-se no reconhecimento
da liberdade da vontade humana. A liberdade aponta-se como o campo
das possibilidades da condição humana e é a antítese da idéia do
destino.
• Segundo a Logoterapia, a liberdade é compreendida como uma
possibilidade de escolha perante as situações. A cada segundo, o
indivíduo depara-se com múltiplas possibilidades de escolha, dentre as
quais apenas uma poderá ser realizada.
A vontade de sentido
Refere-se ao interesse contínuo do
homem pelo significado para a sua
vida. Segundo Frankl, o homem
busca um sentido para sua
existência, independentemente das
outras necessidades.
A teoria de Frankl concebe a
vontade de sentido como interesse
primeiro e último do ser humano,
isto é, “apelar para a vontade de
sentido significa melhor fazer com
que resplandeça o sentido e deixe a
vontade querê-lo ou não” (Frankl,
1992).
Vontade de sentido
Frankl ainda trata do conceito de
autotranscendência da existência
humana, dizendo que a motivação
para o sentido consiste em orientar a
própria vida para além de si mesmo,
para algo ou alguém, estando em
oposição ao egocentrismo. Assim,
para Frankl, o homem só é
completamente ele mesmo e só se
torna homem, quando fica absorvido
pela dedicação a uma tarefa, quando
consegue esquecer-se de si mesmo
tendo em vista uma causa ou o amor a
uma pessoa (Aquino, 2009).
Há de que se salientar, que o
sentido existencial encontra-se
sempre no mundo, ou seja,
fora do sujeito, como uma
pessoa a amar, uma obra a
realizar ou uma atitude a
tomar, que faz do homem um
ser único e irrepetível
(Aquino, 2009).
Sentido da vida
Na concepção de Frankl (1993), o sentido se relaciona a uma
situação singular como também a sentidos universais de modo que
princípios morais e éticos se cristalizam ao longo da história na
sociedade.
Frankl (2003) advoga que o sentido de vida é diferente de pessoa
para pessoa, de uma hora para outra e de situação para situação. Na
concepção de Frankl (1989b) os sentidos são únicos e mutáveis e
não faltam nunca, pois a vida não deixa de ter sentido.
Frankl afirma que a morte é a instância que impele o indivíduo a tomar
consciência da responsabilidade sobre o seu existir no mundo e,
conseqüentemente, do sentido de sua existência. Ele afirma que se nossa
existência fosse ilimitada temporalmente, adiaríamos constantemente
qualquer ação.
Ele afirma que o indivíduo comum concebe três formas de encontrar um
sentido na vida, sendo estas: a capacidade de amar, trabalhar e suportar o
sofrimento. Tais valores existenciais representam caminhos por meio dos
quais o ser humano pode encontrar significado para a vida (Aquino, 2009).
Frankl afirma que até mesmo no
sofrimento pode ser extraído
algum sentido, como coragem,
intrepidez e dignidade. Desta
forma, o sofrimento configura-se
como o mais profundo dos
sentidos (Aquino, 2009).
Ele diz que o mundo pelo qual o
ser humano transcende a si mesmo
é um mundo pleno de sentido (que
constituem as razões e motivações
para agir) e preenchido por outros
seres humanos (que constituem as
pessoas para amar) (Aquino,
2009).
As três principais categorias de valores
Frankl define valores como sendo “sentidos universais que se
cristalizam em situações típicas que uma sociedade ou, ainda, a
humanidade deve enfrentar”.
As três principais categorias de valores que fomentam a realização
existencial, segundo Frankl (2003) são: valores criativos, valores
vivenciais e valores atitudinais.
Valores criativos
Remete-se a idéia de proporcionar
significado ao tornar-se envolvido
em projetos de vida na arte, música,
escrita, invenção, dentre outros.
Frankl afirma que a criatividade é
uma função do inconsciente
espiritual, ou seja, a consciência. A
irracionalidade da produção artística
é a mesma que a intuição que nos
permite reconhecer os bons (Boeree,
1998).
Valores vivenciais
Dentre os valores vivenciais, o amor que se sente por outra pessoa é o mais
importante. Através dele podemos permitir que o outro se sinta amado, e ao
fazê-lo, sentimo-nos realizados. Frankl afirma que o amor é a melhor e a
mais alta meta para a qual o homem pode aspirar.
O amor é o reconhecimento da singularidade de cada um com o outro, com
uma intuitiva compreensão de todo o seu potencial como seres humanos.
Valores atitudinais
•Havia um médico cuja mulher tinha morrido terrivelmente. Frankl perguntou a ele,
"se você tivesse morrido antes dela, como teria sido para ela?" O médico respondeu
que teria sido incrivelmente difícil para ela. Frankl, em seguida, salientou que,
através da morte, primeiramente dela, ele a havia poupado do sofrimento, mas agora
ele tinha que pagar o preço por sobreviver. Em outras palavras, angústia é o preço
que pagamos por amor. Para o médico, este pensamento deu a morte de sua mulher
e de sua própria dor, um significado, o que, por sua vez, permitiu-lhe lidar com ela.
Seu sofrimento torna-se algo mais: com significado, o sofrimento foi suportado com
dignidade (Boeree, 1998).
Incluem atitudes como compaixão, sofrimento,
bravura, bom senso de humor, dentre outros.
Mas, o principal deles é o sofrimento.
Vazio existencial, conformismo e totalitarismo
O vazio existencial aparece principalmente na juventude, e é manifestado pelo
tédio, e pela sensação de que a vida não tem sentido (Boeree, 1998).
Tal sentimento encontra-se presente na vida de cada pessoa, e emerge diante de
situações especiais e estressantes.
• Difusão a partir do século XX: perda de alguns instintos básicos que regulam
o comportamento e asseguram sua existência; tradições (serviam de apoio para
seu comportamento e agora se encontram em declínio). Deste modo, nenhum
instinto ou tradição lhe diz o que deve fazer, por vezes, ele deseja fazer o que
os outros fazem (conformismo), ou ele faz o que outras pessoas querem que ele
faça (totalitarismo) (Boeree, 1998).
Sobre a liberdade e a auto-transcendência
Para Frankl o ser humano tem por
essência de sua existência sua
disposição à autotranscendência,
sendo esta significante da
capacidade do homem de sair de si
mesmo e voltar-se para algo ou
alguém que está além de si próprio.
Assim, o ser humano apresenta-se
como um ser aberto ao mundo e
dirigido para um sentido, e
necessita de um fundamento para a
felicidade e o prazer.
Assim, o interesse que se
encontra no cerne do ser
humano não é o olhar para si
mesmo, mas volver o olhar
para o mundo exterior, em
busca de um sentido. A
pessoa se auto-realiza
justamente na proporção em
que “esquece de si mesmo”
enquanto se dedica a um
trabalho ou a uma pessoa.
Supra Sentido, a descoberta de sentido e projeto de
vida
A locução verbal Supra Sentido
assume a concepção que se refere
diretamente ao sentido que ultrapassa
a finitude do intelecto humano,
referindo-se a uma dimensão
transcendental. Ao passar-se por
momentos de extremo sofrimento, se
requer que suporte a incapacidade
racionalmente o sentido incondicional
da vida e as circunstâncias. A este
sentido, deu-se o nome de supra
sentido. Este só é aprendido pela fé,
pela confiança e pelo amor, ou seja,
por meios que não o da racionalidade
Técnica terapêutica da Logoterapia
• Na prática médica, sobretudo nas atuais
orientações teóricas da psicologia, se
realiza um corte dimensional do homem.
• A ciência ressalta a dimensão biológica,
os fatos somáticos, mas não pode esconder
aquilo que se referem a humanidade do
homem.
• Para superar este obstáculo, a proposta
da logoterapia é incluir necessariamente a
dimensão espiritual.
• Para a Logoterapia, a prática de um médico não se restringe à
cura do organismo, mas sobretudo do sujeito cujo organismo
doente pertence.
• No plano somático, o ser humano está sujeito ao desgaste. Na
pessoa espiritual, o sujeito se conserva são, livre e responsável.
• A doença deteriora o corpo e perturba a mente, mas não destrói
a possibilidade do homem assumir determinada atitude diante
dela.
• Mesmo quando há uma neurose ou psicose, o doente é ser
exclusivamente humano, ou seja, a dimensão propriamente humana
permanece ainda intacta.
• O indivíduo doente não é responsável por seus dilaceramentos.
Contudo, resta ao sujeito a possibilidade de tomar uma atitude diante
de seus próprios desgastes psicofísicos.
• A logoterapia, é uma abordagem apropriada para o tratamento de
transtornos existenciais relacionados com a frustração do sentido de
vida.
• Aumentar o entusiasmo pela vida e despertar a suas habilidade de
autotranscendência, parecem ser motivos de prevenção de crises.
• Percebe-se que a logoterapia pode ser aplicada em grupo,
facilitando desvendar os significados e oferecendo uma mudança de
percepção e interpretação dos fatos da realidade.
Considerações finais
O presente trabalho objetivou explanar um pouco acerca da vida e obra do austríaco
Viktor Frankl, bem como da abordagem por ele fundada, a Logoterapia.
Apresentou-se aqui, acepções para o termo “sentido da vida”, como sentido concreto da
cada situação experienciada pelo sujeito. Tal termo concerne o alicerce a mencionada
abordagem frankliana, sendo essencial para uma compreensão mais exata sobre o
pensamento do autor.
Este trabalho tentou ainda, apontar o enfoque teórico sobre o sujeito transcendental, os
valores, o vazio existencial, o suprassentido, assim como outros sentidos-chave na
Logoterapia.
Por fim, o texto foi articulado de modo a transmitir para o leitor como a abordagem
supracitada insere-se no contexto clínico, e como os conceitos são utilizados no
tratamento psicoterapêutico.
A teoria de Frankl vem apontando algo muito relevante o qual foi tratado aqui, o
declínio ou esgotamento das tradições. Tal esgotamento é refletido na crescente falta de
propósito ou vazio existencial. Ao deparar-se com esta constante “ausência de”, o
homem começa a buscar um sentido para supri-la e é nesta busca que o homem tenta
transcender o concreto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitáriaOs 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitáriamarcelydantasingrid
 
235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologico235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologicoJeanne Araujo
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesExistencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesBruno Carrasco
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introduçãoChrys Souza
 
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISEAula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISELudmila Moura
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Inteligencia emocional
Inteligencia emocionalInteligencia emocional
Inteligencia emocional
 
Palestra cuidando de quem cuida!
Palestra cuidando de quem cuida!Palestra cuidando de quem cuida!
Palestra cuidando de quem cuida!
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
Os 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitáriaOs 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitária
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologico235566559 plantao-psicologico
235566559 plantao-psicologico
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesExistencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
 
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISEAula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
psicologia social
psicologia socialpsicologia social
psicologia social
 

Semelhante a O homem e sua eterna busca de sentido

Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxJessicaDassi
 
Em Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentração
Em Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentraçãoEm Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentração
Em Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentraçãoAssinoê Oliveira
 
EmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdf
EmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdfEmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdf
EmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdfJACKSON SIMOES
 
Psicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialPsicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialÉrika Renata
 
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdfAna Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdfJordanPrazeresFreita
 
Psicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptxPsicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptxHellenFonsecadeSousa
 
As sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptx
As sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptxAs sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptx
As sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptxAbimaelCorradaSilva1
 
Piscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifaPiscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifa27101992
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismovenon84
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismovenon84
 
Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp01
Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp01Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp01
Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp0127101992
 

Semelhante a O homem e sua eterna busca de sentido (20)

Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
 
Em Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentração
Em Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentraçãoEm Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentração
Em Busca De Sentido: Um psicólogo no campo de concentração
 
EmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdf
EmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdfEmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdf
EmBuscaDeSentido-ViktorFrankl.pdf
 
Psicanalistas
PsicanalistasPsicanalistas
Psicanalistas
 
Psicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialPsicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencial
 
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdfAna Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
 
Cap 5 - Psicanalise.pdf
Cap 5 - Psicanalise.pdfCap 5 - Psicanalise.pdf
Cap 5 - Psicanalise.pdf
 
Psicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptxPsicanálise introdução aula 1..pptx
Psicanálise introdução aula 1..pptx
 
PsicanáLise e Educação
PsicanáLise e EducaçãoPsicanáLise e Educação
PsicanáLise e Educação
 
Freud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdfFreud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdf
 
As sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptx
As sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptxAs sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptx
As sete escolas da psicanálise Russélia Godoy.pptx
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Piscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifaPiscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifa
 
AULA FREUD.pdf
AULA FREUD.pdfAULA FREUD.pdf
AULA FREUD.pdf
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp01
Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp01Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp01
Teoriapsicanaltica 090908145127-phpapp01
 

O homem e sua eterna busca de sentido

  • 1.
  • 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROFESSORA: SANDRA HELENA CAMPOS CARDOSO   O homem e sua eterna busca de sentido:O homem e sua eterna busca de sentido: Uma abordagem logoterapêuticaUma abordagem logoterapêutica Liliane Félix Ribeiro Maylla Candeia Rebecca Alves Aguiar Athayde Yordan B. Gouveia João Pessoa – PB Junho de 2009
  • 3. Introdução O psiquiatra e psicoterapeuta austríaco Viktor Emil Frankl (1905- 1997), se destacou como o idealizador e pai da escola psicológica fenomenológica, existencial e humanista, conhecida como Logoterapia. Pode-se dizer que Frankl acrescentou à psicoterapia uma visaõ pluridimensinal, livrando-a da hegemônica ênfase no plano somático e instintual. Neste trabalho, pretendemos explorar a vida e teoria de Frankl, enfatizando os aspectos que compõem a compreensão apropriada da visão da personalidade dos sujeitos humanos segundo a Logoterapia, ressaltado suas formulações basilares sobre a “vontade de sentido”, valores e religiosidade, os quais, de acordo com nossa compreensão, representam as proposições básicas para entender a perspectiva de homem da Logoterapia.
  • 4. Viktor Emil Frankl (1905-2005) • Psiquiatra e neurologista. • Viktor Emil Frankl nasceu em Viena, na Áustria, em 26 de março de 1905. • Viktor cresceu em uma família cheia de tradições e calor humanos. • Entre 1914 a 1918, ele e sua família estavam em situação econômica deficitária. • Frankl (1989) aos treze anos de idade ouviu de um professor de Ciências dizer que a vida era resultado do processo de combustão, indignado levantou- se e perguntou:
  • 5. • Quando tinha quinze anos de idade, Frankl passou a se corresponder com Sigmund Freud. • Em 1921, deu sua primeira conferência, sobre o tema "A respeito do sentido da vida". -Em 1925, como estudante de medicina, Frankl encontra-se pessoalmente com Freud e se aproxima do círculo intelectual liderado por Alfred Adler. • No ano seguinte, ele é excluído da Association de Psychologie Individuelle, em razão de suas divergências com Adler.
  • 6. • Por volta de 1926, utilizou pela primeira vez o termo “Logoterapia”, ao expressar questionamentos sobre o sentido da vida em uma conferência proferida em Viena. Nos anos seguintes, Frankl se dedicou a construir e a trabalhar em centros de consultas para os jovens que necessitavam de ajuda psicológica e moral, objetivando reduzir os altos índices de suicídio na Europa, com o apoio de alguns dos autores supracitados (XAUSA, 1986).
  • 7. • Em 1928, Frankl organiza Centros de Aconselhamento Juvenil em Viena, e outras seis cidades, e começou a trabalhar na Clínica Universitária Psiquiátrica. • 1930, Frankl trabalhou no centro neurológico da clínica da universidade, na clínica psiquiátrica de Steinhof e no Rotschildospital. • De 1933 a 1936, Frankl foi diretor do pavilhão das mulheres suicidas do Hospital Psiquiátrico de Viena.
  • 8. • Em 1942 sua família foi deportada da Áustria pelos nazistas. Em 1945 Frankl foi enviado para Auschwitz, recebendo a tatuagem de prisioneiro nº 119.104 (Frizzotti,1998 ). • Doutor em Medicina e Filosofia (MD, PhD). • Professor da Universidade de Viena, San Diego, Harvard, Stanford, Dallas, Pittsburgh e outras universidades da Europa, América e Ásia. • Diretor da Policlínica de Viena durante 25 anos. • Doutor Honoris Causa de universidades do Brasil (PUCRS), França, Polônia, Áustria, Argentina, Harvard, San Diego, Cincinatti, Rockfort, entre outras.
  • 9. • Ex-presidente da Sociedade de Psicoterapia da Áustria. • Autor de extensa obra de psicologia. • Fundador da chamada “Terceira Escola de Psicoterapia deViena - Logoterapia”. • Obra básica: “O homem em busca de sentido”. Um bestseller em diversos países, relato da experiência do autor em campos de concentração da qual resultou sua teoria psicológica-existencial.
  • 10. Comendo apenas uma tigela de sopa aguada e uma pequena ração de pão. Longas horas de trabalho em condições meteorológicas extremas - frio de 20 graus abaixo de zero, e todas as falhas imagináveis. Confrontando atrocidades, mortes e doenças a cada dia. Frankl se apoiou em vários aspectos para lograr sobreviver: Frankl foi apoiado, em várias maneiras para garantir a sobrevivência, principalmente pelo seu grupo de trabalho que se mostrava grato por Frankl lhe ter dado atenção quando contou de seus casos amorosos e conflitos matrimonias, e de tal forma Frankl o impressionou com uma diagnose característica sobre a pessoa do Capo e alguns conselhos terapêuticos (Frankl, 1987).
  • 11. O amor que sentia por sua família e sua esposa lhe deu a força para continuar lutando. Um momento significativo foi quando um outro prisioneiro indagou sobre o destino de suas esposas. O jovem médico começou a pensar em sua própria esposa, e percebeu que ela estava presente dentro dele: “A salvação do homem está no amor e só no amor. Eu percebi como é que um homem que não tem nada neste mundo ainda pode conhecer bem-aventurança, seja apenas por um breve momento, na contemplação de sua amada” (Frankl,1963, p. 59).
  • 12. A experiência da natureza - aguardava com expectativa a hora do pôr do sol na Baviera floresta, e que dava sentido ao seu dia. A experiência de arte - cumpridos nos poucos tempos livres para recitar poesia, cantar e recordar obras de teatro(Frankl, 1987). O senso de humor também foi um elemento importante para a sobrevivência: contar piadas e rir de alegria porque tinha ouvido as sirenes anunciando bombardeamentos, lhes permitia parar o trabalho pesado (Frankl, 1987). A experiência da espiritualidade: Orava dia e noite no barracão, sempre que possível; o grupo cantou e rezou salmos em hebraico. Para Frankl, a oração é um diálogo íntimo com os amigos mais íntimos.
  • 13. Os aportes teóricos metodológicos da teoria estão baseados na influência da fenomenologia e do existencialismo e este se constitui como um método de relação interpessoal e de análise psicológica. Estas não são técnica de cura da perturbação mental, mas objetiva facilitar no sujeito um autoconhecimento, uma autoconsciência, uma auto- compreensão e um autodeterminação. Possibilitam uma autonomia psicológica, que ajuda no crescimento pessoal e no encontro do indivíduo com a autenticidade da sua existência.
  • 14. A Fenomenologia Procura estudar os fenômenos, descrevendo-os, interrogando-os e abordando-os a partir de sua própria existência. A explicação dos fenômenos não é feita a partir de conceitos prévios, crenças ou afirmações sobre o mesmo, traçado por um referencial teórico. O Existencialismo Pondera a importância da essência do homem, destacando principalmente a liberdade individual, a responsabilidade e a subjetividade, enfatizando com isso o homem como individuo responsável pela construção do seu mundo.
  • 15. Muitos autores construíram suas teorias definindo as principais finalidades da psicoterapia existencial: • Procura de si próprio (May, 1958); • Tornar-se mais autêntico na relação consigo próprio e com os outros (Bugental, 1978); • Superar os dilemas, tensões, paradoxos e desafios do viver (Van Deurzen-Smith, 2002); • Facilitar um modo mais autêntico de existir (Cohn, 1997); • Promover o encontro consigo próprio para assumir a sua existência e projetá-la mais livremente no mundo (Villegas, 1989); • Aumentar a autoconsciência, aceitar a liberdade e ser capaz de usar as suas possibilidades de existir (Erthal, 1999); • Viktor Emil Frankl (1984).
  • 16. A teoria frankliana é menos retrospectiva e menos introspectiva, dirigindo o foco de abordagem mais para o futuro e não para o presente ou passado do paciente como as demais terapias.
  • 17. Frankl X Princípio do Prazer de Freud • Visão psicanalítica: A personalidade pode ser explicada com base em um passado determinado por tendências instintivas, sendo elas que decidem pelo homem. Frankl X Principio do Poder de Adler • Visão da Psicologia Individual : A experiências traumáticas durante a infância poderá criar uma imagem distorcida de si mesmo e do mundo em que vive, desenvolvendo com isso, sentimentos de que seu ambiente é um meio hostil e punitivo e de que é impossibilitado de fazer face às tarefas da vida.
  • 18. • Tais teorias apresentam uma idéia reducionista e distorcida do ser humano, como um ser estruturado apenas por uma dimensão psicofísica e condicionada internamente; • Compreendem o homem isolado, e, em seguida, absolutizam um campo ou dimensão do ser humano renunciando a multidimencionalidade do mesmo. • Essas visões de homem tendem a fechar a existência dele em um humanismo sem perspectiva de futuro, fazendo-se prevalecer um “homem” instintivo e deixando de lado o “homem” criativo.
  • 19. Para Victor Frankl, “o passado não decide todo o destino do homem. O homem não é apenas aquilo que ele é, é também aquilo que decide ser... Com o futuro, necessidade, fatalidade e determinismo abrange-se apenas uma parte da condição humana” (Citado por Peter,1999 p. 18).
  • 20. Com a Logoterapia, surge a outra metade da explicação da personalidade humana: “a liberdade do homem não é a liberdade dos condicionamentos; é, antes, a liberdade de tomar atitude em qualquer condição em que se encontre” ( Citado por Peter,1999 p. 18). Esta premissa ontológica ou antropológica dimensional torna-se o alicerce de sua teoria, dando a ela um caráter metodológico que visa instituir critérios que englobam as características da multiplicidade e da unidade que constitui o homem de forma holística.
  • 21. A partir da concepção da ontologia ou antropologia dimensional atestada por Frankl o ser humano passa de uma entidade apenas biológica e psicológica para uma espiritual. Transforma as bases em que se fundamentava as distintas escolas psicológicas. Instala uma lacuna ontológica que reparte dois campos fundamentalmente distintos dentro da estrutura total dessa entidade chamada homem. Trata-se, de um lado, da existência, algo essencialmente espiritual, e, de outro, de tudo aquilo que compete à facticidade, se compõe de elementos tanto psicológicos e fisiológicos .
  • 22. O homem é um ser para além de um corpo orgânico, abre-se ao psiquismo, tomando consciência de sua capacidade de existir para além de si mesmo, isto é, a inscrição do psíquico lhe consente chegar e apreender um sentido último. Apesar desse antagonismo noopsíquico, onde o espírito do homem se contrapõe ao psíquico e ao físico, ele deve ser visto de forma completa, em sua tridimensionalidade, como um ser bio-psíquico- espiritual.
  • 23. “...no homem, porém, nada é meramente biológico, assim como nada é meramente espiritual. Cada célula de seu corpo participa da espiritualidade e todo ato da criatividade espiritual é alimentado por sua dinâmica vital” (Peter, 1999 p.23).
  • 24. Implicações religiosas da Logoterapia • A Religião e a Logoterapia constituem esferas diferente e autônomas • O sistema terapêutico da Logoterapia não renuncia sua forte ligação com a religião, todavia rejeita qualquer tentativa de submeter à psicoterapia à religião, advertindo contra o perigo de adentrar o campo da teologia. • Podemos afirmar que a religião não contém a imunidade das crises e angústias; tampouco a psicoterapia nos faz alcançar o plano da graça.
  • 25. “Não cremos na necessidade de que o analista seja o salvador e o libertador, nem que a psicologia do profundo sirva para solicitar aquela compreensão do processo de libertação universal, que nos intelectuais é defeituosa. Nem a psicoterapia está a serviço da religião, nem a religião é meio para conseguir os fins da psicoterapia. J.H. Schultz observou com justeza que‘ assim como não pode existir neurose copta cristão ou budista, também não pode existir uma ciência psicoterapíca que se inspire numa determinada orientação confessional” ( Frankl, V., Teoria e terapia delle neurosi, op. cit., p. 194.)
  • 26. • A atitude particular da Logoterapia no que diz respeito à religião é de neutralidade, diferenciação, autonomia e abertura. • Não pode haver uma fusão entre essas duas dimensões, nem quando uma está motivada a explorar a outra. • A Logoterapia localiza no inconsciente espiritual o centro da verdadeira pessoa profunda, ou seja, localiza nele a sede de toda ação humana. Conseqüentemente, as decisões existenciais se provêm do Eu-espiritual.
  • 27. Liberdade de vontade, vontade de sentido e sentido da vida A liberdade de vontade diz respeito ao fundamento antropológico que embasa a Logoterapia. Viktor Frankl (1992) concebe o ser humano como sendo consciente e responsável, formando, assim, uma unidade ontológica. Tais pressupostos humanos (consciência e responsabilidade) implicam na resolução de duas questões: “Pelo que o ser humano se sente responsável” e, “Perante quem ele se sente responsável” (Frankl, 1990).
  • 28. Frankl afirma que é a própria pessoa que precisa decidir se deve interpretar a tarefa de sua vida como sendo responsável perante a sociedade ou perante a sua própria consciência. Sendo assim, a consciência da responsabilidade, perante algo ou alguém, constituiria a essência da existência humana (Aquino, 2009).
  • 29. • Para Frankl cada indivíduo é confrontado com um valor específico no mundo, onde ele se torna único e insubstituível. Reconhecendo as pessoas como conscientes e responsáveis implica-se no reconhecimento da liberdade da vontade humana. A liberdade aponta-se como o campo das possibilidades da condição humana e é a antítese da idéia do destino. • Segundo a Logoterapia, a liberdade é compreendida como uma possibilidade de escolha perante as situações. A cada segundo, o indivíduo depara-se com múltiplas possibilidades de escolha, dentre as quais apenas uma poderá ser realizada.
  • 30. A vontade de sentido Refere-se ao interesse contínuo do homem pelo significado para a sua vida. Segundo Frankl, o homem busca um sentido para sua existência, independentemente das outras necessidades. A teoria de Frankl concebe a vontade de sentido como interesse primeiro e último do ser humano, isto é, “apelar para a vontade de sentido significa melhor fazer com que resplandeça o sentido e deixe a vontade querê-lo ou não” (Frankl, 1992). Vontade de sentido
  • 31. Frankl ainda trata do conceito de autotranscendência da existência humana, dizendo que a motivação para o sentido consiste em orientar a própria vida para além de si mesmo, para algo ou alguém, estando em oposição ao egocentrismo. Assim, para Frankl, o homem só é completamente ele mesmo e só se torna homem, quando fica absorvido pela dedicação a uma tarefa, quando consegue esquecer-se de si mesmo tendo em vista uma causa ou o amor a uma pessoa (Aquino, 2009).
  • 32. Há de que se salientar, que o sentido existencial encontra-se sempre no mundo, ou seja, fora do sujeito, como uma pessoa a amar, uma obra a realizar ou uma atitude a tomar, que faz do homem um ser único e irrepetível (Aquino, 2009).
  • 33.
  • 34. Sentido da vida Na concepção de Frankl (1993), o sentido se relaciona a uma situação singular como também a sentidos universais de modo que princípios morais e éticos se cristalizam ao longo da história na sociedade. Frankl (2003) advoga que o sentido de vida é diferente de pessoa para pessoa, de uma hora para outra e de situação para situação. Na concepção de Frankl (1989b) os sentidos são únicos e mutáveis e não faltam nunca, pois a vida não deixa de ter sentido.
  • 35. Frankl afirma que a morte é a instância que impele o indivíduo a tomar consciência da responsabilidade sobre o seu existir no mundo e, conseqüentemente, do sentido de sua existência. Ele afirma que se nossa existência fosse ilimitada temporalmente, adiaríamos constantemente qualquer ação. Ele afirma que o indivíduo comum concebe três formas de encontrar um sentido na vida, sendo estas: a capacidade de amar, trabalhar e suportar o sofrimento. Tais valores existenciais representam caminhos por meio dos quais o ser humano pode encontrar significado para a vida (Aquino, 2009).
  • 36. Frankl afirma que até mesmo no sofrimento pode ser extraído algum sentido, como coragem, intrepidez e dignidade. Desta forma, o sofrimento configura-se como o mais profundo dos sentidos (Aquino, 2009). Ele diz que o mundo pelo qual o ser humano transcende a si mesmo é um mundo pleno de sentido (que constituem as razões e motivações para agir) e preenchido por outros seres humanos (que constituem as pessoas para amar) (Aquino, 2009).
  • 37.
  • 38. As três principais categorias de valores Frankl define valores como sendo “sentidos universais que se cristalizam em situações típicas que uma sociedade ou, ainda, a humanidade deve enfrentar”. As três principais categorias de valores que fomentam a realização existencial, segundo Frankl (2003) são: valores criativos, valores vivenciais e valores atitudinais.
  • 39. Valores criativos Remete-se a idéia de proporcionar significado ao tornar-se envolvido em projetos de vida na arte, música, escrita, invenção, dentre outros. Frankl afirma que a criatividade é uma função do inconsciente espiritual, ou seja, a consciência. A irracionalidade da produção artística é a mesma que a intuição que nos permite reconhecer os bons (Boeree, 1998).
  • 40. Valores vivenciais Dentre os valores vivenciais, o amor que se sente por outra pessoa é o mais importante. Através dele podemos permitir que o outro se sinta amado, e ao fazê-lo, sentimo-nos realizados. Frankl afirma que o amor é a melhor e a mais alta meta para a qual o homem pode aspirar. O amor é o reconhecimento da singularidade de cada um com o outro, com uma intuitiva compreensão de todo o seu potencial como seres humanos.
  • 41. Valores atitudinais •Havia um médico cuja mulher tinha morrido terrivelmente. Frankl perguntou a ele, "se você tivesse morrido antes dela, como teria sido para ela?" O médico respondeu que teria sido incrivelmente difícil para ela. Frankl, em seguida, salientou que, através da morte, primeiramente dela, ele a havia poupado do sofrimento, mas agora ele tinha que pagar o preço por sobreviver. Em outras palavras, angústia é o preço que pagamos por amor. Para o médico, este pensamento deu a morte de sua mulher e de sua própria dor, um significado, o que, por sua vez, permitiu-lhe lidar com ela. Seu sofrimento torna-se algo mais: com significado, o sofrimento foi suportado com dignidade (Boeree, 1998). Incluem atitudes como compaixão, sofrimento, bravura, bom senso de humor, dentre outros. Mas, o principal deles é o sofrimento.
  • 42. Vazio existencial, conformismo e totalitarismo O vazio existencial aparece principalmente na juventude, e é manifestado pelo tédio, e pela sensação de que a vida não tem sentido (Boeree, 1998). Tal sentimento encontra-se presente na vida de cada pessoa, e emerge diante de situações especiais e estressantes. • Difusão a partir do século XX: perda de alguns instintos básicos que regulam o comportamento e asseguram sua existência; tradições (serviam de apoio para seu comportamento e agora se encontram em declínio). Deste modo, nenhum instinto ou tradição lhe diz o que deve fazer, por vezes, ele deseja fazer o que os outros fazem (conformismo), ou ele faz o que outras pessoas querem que ele faça (totalitarismo) (Boeree, 1998).
  • 43. Sobre a liberdade e a auto-transcendência Para Frankl o ser humano tem por essência de sua existência sua disposição à autotranscendência, sendo esta significante da capacidade do homem de sair de si mesmo e voltar-se para algo ou alguém que está além de si próprio. Assim, o ser humano apresenta-se como um ser aberto ao mundo e dirigido para um sentido, e necessita de um fundamento para a felicidade e o prazer.
  • 44. Assim, o interesse que se encontra no cerne do ser humano não é o olhar para si mesmo, mas volver o olhar para o mundo exterior, em busca de um sentido. A pessoa se auto-realiza justamente na proporção em que “esquece de si mesmo” enquanto se dedica a um trabalho ou a uma pessoa.
  • 45. Supra Sentido, a descoberta de sentido e projeto de vida A locução verbal Supra Sentido assume a concepção que se refere diretamente ao sentido que ultrapassa a finitude do intelecto humano, referindo-se a uma dimensão transcendental. Ao passar-se por momentos de extremo sofrimento, se requer que suporte a incapacidade racionalmente o sentido incondicional da vida e as circunstâncias. A este sentido, deu-se o nome de supra sentido. Este só é aprendido pela fé, pela confiança e pelo amor, ou seja, por meios que não o da racionalidade
  • 46. Técnica terapêutica da Logoterapia • Na prática médica, sobretudo nas atuais orientações teóricas da psicologia, se realiza um corte dimensional do homem. • A ciência ressalta a dimensão biológica, os fatos somáticos, mas não pode esconder aquilo que se referem a humanidade do homem. • Para superar este obstáculo, a proposta da logoterapia é incluir necessariamente a dimensão espiritual.
  • 47. • Para a Logoterapia, a prática de um médico não se restringe à cura do organismo, mas sobretudo do sujeito cujo organismo doente pertence. • No plano somático, o ser humano está sujeito ao desgaste. Na pessoa espiritual, o sujeito se conserva são, livre e responsável. • A doença deteriora o corpo e perturba a mente, mas não destrói a possibilidade do homem assumir determinada atitude diante dela.
  • 48. • Mesmo quando há uma neurose ou psicose, o doente é ser exclusivamente humano, ou seja, a dimensão propriamente humana permanece ainda intacta. • O indivíduo doente não é responsável por seus dilaceramentos. Contudo, resta ao sujeito a possibilidade de tomar uma atitude diante de seus próprios desgastes psicofísicos.
  • 49. • A logoterapia, é uma abordagem apropriada para o tratamento de transtornos existenciais relacionados com a frustração do sentido de vida. • Aumentar o entusiasmo pela vida e despertar a suas habilidade de autotranscendência, parecem ser motivos de prevenção de crises. • Percebe-se que a logoterapia pode ser aplicada em grupo, facilitando desvendar os significados e oferecendo uma mudança de percepção e interpretação dos fatos da realidade.
  • 50. Considerações finais O presente trabalho objetivou explanar um pouco acerca da vida e obra do austríaco Viktor Frankl, bem como da abordagem por ele fundada, a Logoterapia. Apresentou-se aqui, acepções para o termo “sentido da vida”, como sentido concreto da cada situação experienciada pelo sujeito. Tal termo concerne o alicerce a mencionada abordagem frankliana, sendo essencial para uma compreensão mais exata sobre o pensamento do autor. Este trabalho tentou ainda, apontar o enfoque teórico sobre o sujeito transcendental, os valores, o vazio existencial, o suprassentido, assim como outros sentidos-chave na Logoterapia. Por fim, o texto foi articulado de modo a transmitir para o leitor como a abordagem supracitada insere-se no contexto clínico, e como os conceitos são utilizados no tratamento psicoterapêutico. A teoria de Frankl vem apontando algo muito relevante o qual foi tratado aqui, o declínio ou esgotamento das tradições. Tal esgotamento é refletido na crescente falta de propósito ou vazio existencial. Ao deparar-se com esta constante “ausência de”, o homem começa a buscar um sentido para supri-la e é nesta busca que o homem tenta transcender o concreto.

Notas do Editor

  1. O filósofo alemão Edmund Husserl (1859-1938) é considerado o fundador da Fenomenologia O fundador do existencialismo é o dinamarquês Kierkegaard (1813-1855)
  2. Ontologia (em grego ontos e logoi, "conhecimento do ser") é a parte da filosofia que trata da natureza do ser, da realidade