SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
1
Panteão de Roma
Daniela Almeida nº4
Diogo Folgado nº5
Ano: 11º Turma: I
Curso: Profissional Técnico de Multimédia
Disciplina: História e Cultura das Artes
Professora: Conceição Carinhas
Ano:2014/2015
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
2
Índice
Introdução ...............................................................................................3
Panteão de Roma .....................................................................................4
A reconstrução do Panteão ................................................................... 4-5
Arquitectura do Panteão de Roma .......................................................... 6-8
Conclusão ..............................................................................................9
Web Grafia .............................................................................................10
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
3
Introdução
Este trabalho tem como tema “Panteão de Roma ” A escolha deste tema
resulta do nosso interesse em conhecer e explorar os diversos aspetos deste
magnifico edifício.
Com esta pesquisa, desejo atingir os seguintes objetivos:
- Conhecer melhor a sua história;
- Conhecer a sua arquitetura;
- Saber o porque do panteão ter sido reconstruído.
Tendo em atenção este objetivos, o trabalho divide-se em três partes.
- Na primeira, vou abordar a sua história, quem mandou contruir, o
porquê de ter sido construído.
- A segunda parte vou falar da sua reconstrução.
-Na terceira parte, vou apresentar algumas imagens da sua arquitetura e
imagens atuais do panteão.
Vejamos então a informação pesquisada e os resultados obtidos.
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
4
Panteão de Roma
O panteão, situa-se em Roma, Itália, também conhecido como panteão de
Agripa.
É o único edifício construído na época greco-romana, desde que foi
construído que se manteve em uso, primeiro como templo dedicado a todos os
deuses do panteão romano e depois, desde do século VII, como templo cristão.
O panteão, original, foi construído em 27 a.C. durante a república romana e
durante o terceiro consulado de Marco Vipsânio Agripa.
O seu nome encontra-se inscrito sobre o pórtico do panteão a onde se pode
ler: M.AGRIPPA.L.F.COS.TERTIUM.FECIT, o que significa: "Construído por Marco
Agripa, filho de Lúcio, pela terceira vez cônsul”.
Em 80 d.C. o panteão de Agripa foi destruído por um incêndio sendo
totalmente reconstruído em 125, durante o reinado do imperador Adriano,
como se pode comprovar pelas datas impressas nos tijolos que fazem parte da
sua estrutura.
Em 609 d.C. o imperador romano, Phocas, entregou o panteão aos papas
para poderem celebrar os rituais cristãos. Daí pensa-se que esta possa ser
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
5
uma das razões para o panteão se encontrar tão bem conservado e em bom-
estado.
O Panteão, é um vasto templo redondo, é um edifício cujo interior é o
mais bem conservado e o mais imponente de todas as construções romanas
subsistentes.
A reconstrução do Panteão
Esta construção que, atualmente, encontra-se na praça Panteão numa
posição central entre a Via “del Corso” e a Praça Navona. Em 118 e 125 o
imperador Adriano mandou reconstruir o Panteão. Este novo edifício substitui
uma construção mais pequena dedicada a Júpiter, arquitetada por Marcus
Agripa.
Exteriormente, a cella é um tambor cilíndrico sem decoração, fechado por
uma cúpula suavemente encurvada de 43,5 metros de diâmetro.
À entrada possui um pórtico profundo do tipo corrente nos templos
romanos de planta regular. Originalmente este pronaos apresentava um
envasamento alto ao qual se subia por largos degraus, mas com a subida do
nível das ruas vizinhas este elemento arquitetónico ficou subterrado. Além
disso, este pórtico, com 3 naves e de 24 colunas ao todo, fora delineado como
parte de um átrio retangular que devia ter o efeito de destacá-lo da rotunda.
No entablamento desta fachada, coroada por um amplo frontão, Adriano
mandou colocar uma inscrição de Agripa, aproveitada dos restos do edifício
anterior.
As dimensões do Panteão, foram uma novidade para aquela época (43,5
m de altura) fazem com que este monumento tenha o espaço mais amplo, com
a maior cúpula da história até o séc. XIX. Esta contém uma abertura circular
(óculos zenital), ao centro, com 9 metros de diâmetro, que dá passagem à luz
tão abundante que produz uma sensação de leveza dentro do panteão. Este
óculo encontra-se a mais de 40 metros acima do pavimento, e como o
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
6
diâmetro do recinto tem a mesma dimensão, a cúpula e o tambor, sendo de
igual altura, encontram-se em perfeito equilíbrio.
No exterior, esse equilíbrio não foi possível, porque para se conter o
empuxo da cúpula era necessário fazer uma base consideravelmente mais
pesada que o cimo, para isso concentrou-se o peso da cúpula em oito
grossos pilares e espessas paredes (7 metros, que foram construídas com
materiais leves (cimento romano e tijolo) e que vão adelgaçando até chegarem
ao topo.)
Acreditava-se que por a cúpula ser tão alta que a chuva evaporar-se-ia
antes de chegar ao chão. Tal não é verdade, pois quando chove o chão de
mármore fica molhado, mas um eficaz sistema de drenagem aliado ao facto de
o chão ser convexo impede o Panteão de ficar inundado.
Outra novidade foram os nichos que fechados ao fundo, mas com colunas à
frente, dão o efeito de aberturas para outras salas, evitando que nos sintamos
presos no interior do Panteão. As colunas, as paredes de mármore colorido e
o pavimento permanecem, na sua essência, tal como eram nos tempos
romanos. Os caixotões da cúpula são igualmente os da origem, mas o dourado
que os cobria foi desaparecendo ao longo dos tempos.
Como o nome o sugere, o Panteão de Roma foi dedicado a "todos os
deuses", ou, mais exatamente, às sete divindades planetárias que justificam os
nichos com altares existentes no interior da cella.
Com este edifício, Adriano tornou a sua quimera em algo concreto,
construiu um edifício onde cabia todo o mundo. E, na verdade, o seu traçado
geométrico está dotado de propriedades numéricas e simbólicas que o
remetem para a abóbada e o movimento celeste.
Este edifício clássico tem, no entanto, uma modesta ascendência. O
arquiteto romano Vitruvius descreveu no seu "tratado", mais de um século
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
7
antes, a estufa de um balneário que antevia já, mas a uma escala bastante
menor.
Os traços mais importantes do Panteão: uma cúpula hemisférica, uma
relação proporcional entre a altura e a largura, a abertura circular ao centro
(que podia fechar-se com um postigo de bronze, para regular a temperatura
da sala).
Arquitetura do Panteão de
Roma
Imagem 1 - Panteão num
corte de secção e modelação
matemática esferical
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
8
Imagem 2 - Corte transversal do
Panteão
Imagem 3 - Exterior do
Panteão
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
9
Imagem 4 - Exterior do Panteão visto de cima
Imagem 5 - Interior do Panteão
Imagem 6 - Cúpula do Panteão, com oculus zenital
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
10
Imagem 7: Frase escrita no Panteão a onde se lê:
M.AGRIPPA.L.F.COS.TERTIUM.FECIT, o que significa: "Construído por Marco
Conclusão
A realização deste trabalho permitiu-nos chegar às seguintes conclusões:
 Situa-se em Roma, Itália.
 É conhecido como panteão de Agripa. É o único edifício construído na
época greco-romana.
 Foi o primeiro templo dedicado a todos os deuses.
 Foi construído em 27 a.C. durante o terceiro consulado de Marco
Vipsânio Agripa.
 Em 80 d.C. o panteão de Agripa foi destruído por um incêndio sendo
totalmente reconstruído em 125, durante o reinado do imperador
Adriano.
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
11
 Em 609 d.C. o imperador romano, Phocas, entregou o panteão aos
papas para poderemcelebrar os rituais cristãos.
 Atualmente o panteão encontra-se na praça Panteão entre a Via “del
Corso” e a Praça Navona.
 Em 118 e 125 o imperador Adriano mandou reconstruir o Panteão. À
entrada possui um pórtico profundo do tipo corrente nos templos
romanos de planta regular.
 O panteão possui uma altura de 43,5m de altura, tem uma abertura
circular, ao centro, com 9m de diâmetro.
 Na abertura circular tem um óculo que encontra-se a mais de 40 metros
acima do pavimento, e como o diâmetro do recinto tem a mesma
dimensão, a cúpula e o tambor, sendo de igual altura, encontram-se em
perfeito equilíbrio.
 O peso da cúpula em oito grossos pilares e espessas paredes (7 metros,
que foram construídas com materiais leves (cimento romano e tijolo) e
que vão adelgaçando até chegaremao topo.
 O Panteão de Roma foi dedicado a "todos os deuses".
 Com este edifício, Adriano tornou a sua quimera em algo concreto.
 Os traços mais importantes do Panteão: uma cúpula hemisférica, uma
relação proporcional entre a altura e a largura, a abertura circular ao
centro (que podia fechar-se com um postigo de bronze, para regular a
temperatura da sala).
Escola Secundária Manuel Cargaleiro
12
Web grafia
http://historiadaarte.pbworks.com/w/page/18413911/Pante%C3%A3o
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pante%C3%A3o_(Roma)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ana Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
Ana Barreiros
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquitetura
Carlos Vieira
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Arquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimentoArquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimento
 
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
Aula 10 arte e arquitetura romana [revisado em 180514]
 
A Arquitetura Renascentista.pdf
A Arquitetura Renascentista.pdfA Arquitetura Renascentista.pdf
A Arquitetura Renascentista.pdf
 
A cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º anoA cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º ano
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de ToulouseCultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
 
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Arte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquiteturaArte do renascimento - arquitetura
Arte do renascimento - arquitetura
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e MoçárabeMódulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
 
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da ÁgoraGuião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 

Semelhante a Panteão de roma

Catedral de notre dame paris
Catedral de notre dame parisCatedral de notre dame paris
Catedral de notre dame paris
Amadeu Wolff
 
Catedral de Notre Dame Paris
Catedral de Notre Dame ParisCatedral de Notre Dame Paris
Catedral de Notre Dame Paris
BiaEsteves
 
Catedral de notre dame paris
Catedral de notre dame parisCatedral de notre dame paris
Catedral de notre dame paris
Marcio Bern
 
Catedral de Notre-Dame-Paris
Catedral de Notre-Dame-ParisCatedral de Notre-Dame-Paris
Catedral de Notre-Dame-Paris
BiaEsteves
 
Catedral de notre dame paris
Catedral de notre dame parisCatedral de notre dame paris
Catedral de notre dame paris
Marcio Bern
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
cabee1995
 
Roteiro de viagem europa antiga e medieval
Roteiro de viagem europa antiga e medievalRoteiro de viagem europa antiga e medieval
Roteiro de viagem europa antiga e medieval
Raquel Amaro
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
10B
 

Semelhante a Panteão de roma (20)

Arte Romana (3).pdf
Arte Romana (3).pdfArte Romana (3).pdf
Arte Romana (3).pdf
 
Catedral de notre dame paris
Catedral de notre dame parisCatedral de notre dame paris
Catedral de notre dame paris
 
Catedral de Notre Dame - Paris
Catedral de Notre Dame - ParisCatedral de Notre Dame - Paris
Catedral de Notre Dame - Paris
 
Catedral de Notre Dame Paris
Catedral de Notre Dame ParisCatedral de Notre Dame Paris
Catedral de Notre Dame Paris
 
Roteiro de viagem itália maravilhosa
Roteiro de viagem itália maravilhosaRoteiro de viagem itália maravilhosa
Roteiro de viagem itália maravilhosa
 
Catedral de Notre Dame Paris
Catedral de Notre Dame ParisCatedral de Notre Dame Paris
Catedral de Notre Dame Paris
 
Catedral de notre-dame_paris
Catedral de notre-dame_parisCatedral de notre-dame_paris
Catedral de notre-dame_paris
 
Catedral de notre dame paris
Catedral de notre dame parisCatedral de notre dame paris
Catedral de notre dame paris
 
Catedral de Notre-Dame-Paris
Catedral de Notre-Dame-ParisCatedral de Notre-Dame-Paris
Catedral de Notre-Dame-Paris
 
Catedral de notre dame paris
Catedral de notre dame parisCatedral de notre dame paris
Catedral de notre dame paris
 
Catedral de notre dame paris
Catedral de notre dame parisCatedral de notre dame paris
Catedral de notre dame paris
 
Arquitectura Romântica em Sintra
Arquitectura Romântica em SintraArquitectura Romântica em Sintra
Arquitectura Romântica em Sintra
 
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
 
Roteiro de viagem europa antiga e medieval
Roteiro de viagem europa antiga e medievalRoteiro de viagem europa antiga e medieval
Roteiro de viagem europa antiga e medieval
 
Roteiro de viagem europa ocidental
Roteiro de viagem europa ocidentalRoteiro de viagem europa ocidental
Roteiro de viagem europa ocidental
 
A Arte Em Roma Laysa
A Arte Em Roma   LaysaA Arte Em Roma   Laysa
A Arte Em Roma Laysa
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c16 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
 
Arte romanica
Arte romanicaArte romanica
Arte romanica
 

Mais de Nome Sobrenome

Mais de Nome Sobrenome (20)

PAP
PAPPAP
PAP
 
Arte urbana
Arte urbanaArte urbana
Arte urbana
 
Future Career
Future CareerFuture Career
Future Career
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
 
Luís de Miranda Pereira de Meneses
Luís de Miranda Pereira de MenesesLuís de Miranda Pereira de Meneses
Luís de Miranda Pereira de Meneses
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Interação sol terra
Interação sol terraInteração sol terra
Interação sol terra
 
Constituição da república portuguesa e leis da família
Constituição da república portuguesa e leis da famíliaConstituição da república portuguesa e leis da família
Constituição da república portuguesa e leis da família
 
Trabalho final do tema 2.1 do módulo 6
Trabalho final  do tema 2.1 do módulo 6Trabalho final  do tema 2.1 do módulo 6
Trabalho final do tema 2.1 do módulo 6
 
Dimensão média das famílias em portugal
Dimensão média das famílias em portugalDimensão média das famílias em portugal
Dimensão média das famílias em portugal
 
Empreendedorismo jovem
Empreendedorismo jovemEmpreendedorismo jovem
Empreendedorismo jovem
 
Taxa bruta de natalidade
Taxa bruta de natalidadeTaxa bruta de natalidade
Taxa bruta de natalidade
 
Famílias clássicas total e por tipo de famílias
Famílias clássicas total e por tipo de famíliasFamílias clássicas total e por tipo de famílias
Famílias clássicas total e por tipo de famílias
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Poster
PosterPoster
Poster
 
Realizador
RealizadorRealizador
Realizador
 
Projeto de tic
Projeto de ticProjeto de tic
Projeto de tic
 
Diagrama e esquema
Diagrama e esquema Diagrama e esquema
Diagrama e esquema
 
Sumol
SumolSumol
Sumol
 
Sumol
SumolSumol
Sumol
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 

Panteão de roma

  • 1. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 1 Panteão de Roma Daniela Almeida nº4 Diogo Folgado nº5 Ano: 11º Turma: I Curso: Profissional Técnico de Multimédia Disciplina: História e Cultura das Artes Professora: Conceição Carinhas Ano:2014/2015
  • 2. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 2 Índice Introdução ...............................................................................................3 Panteão de Roma .....................................................................................4 A reconstrução do Panteão ................................................................... 4-5 Arquitectura do Panteão de Roma .......................................................... 6-8 Conclusão ..............................................................................................9 Web Grafia .............................................................................................10
  • 3. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 3 Introdução Este trabalho tem como tema “Panteão de Roma ” A escolha deste tema resulta do nosso interesse em conhecer e explorar os diversos aspetos deste magnifico edifício. Com esta pesquisa, desejo atingir os seguintes objetivos: - Conhecer melhor a sua história; - Conhecer a sua arquitetura; - Saber o porque do panteão ter sido reconstruído. Tendo em atenção este objetivos, o trabalho divide-se em três partes. - Na primeira, vou abordar a sua história, quem mandou contruir, o porquê de ter sido construído. - A segunda parte vou falar da sua reconstrução. -Na terceira parte, vou apresentar algumas imagens da sua arquitetura e imagens atuais do panteão. Vejamos então a informação pesquisada e os resultados obtidos.
  • 4. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 4 Panteão de Roma O panteão, situa-se em Roma, Itália, também conhecido como panteão de Agripa. É o único edifício construído na época greco-romana, desde que foi construído que se manteve em uso, primeiro como templo dedicado a todos os deuses do panteão romano e depois, desde do século VII, como templo cristão. O panteão, original, foi construído em 27 a.C. durante a república romana e durante o terceiro consulado de Marco Vipsânio Agripa. O seu nome encontra-se inscrito sobre o pórtico do panteão a onde se pode ler: M.AGRIPPA.L.F.COS.TERTIUM.FECIT, o que significa: "Construído por Marco Agripa, filho de Lúcio, pela terceira vez cônsul”. Em 80 d.C. o panteão de Agripa foi destruído por um incêndio sendo totalmente reconstruído em 125, durante o reinado do imperador Adriano, como se pode comprovar pelas datas impressas nos tijolos que fazem parte da sua estrutura. Em 609 d.C. o imperador romano, Phocas, entregou o panteão aos papas para poderem celebrar os rituais cristãos. Daí pensa-se que esta possa ser
  • 5. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 5 uma das razões para o panteão se encontrar tão bem conservado e em bom- estado. O Panteão, é um vasto templo redondo, é um edifício cujo interior é o mais bem conservado e o mais imponente de todas as construções romanas subsistentes. A reconstrução do Panteão Esta construção que, atualmente, encontra-se na praça Panteão numa posição central entre a Via “del Corso” e a Praça Navona. Em 118 e 125 o imperador Adriano mandou reconstruir o Panteão. Este novo edifício substitui uma construção mais pequena dedicada a Júpiter, arquitetada por Marcus Agripa. Exteriormente, a cella é um tambor cilíndrico sem decoração, fechado por uma cúpula suavemente encurvada de 43,5 metros de diâmetro. À entrada possui um pórtico profundo do tipo corrente nos templos romanos de planta regular. Originalmente este pronaos apresentava um envasamento alto ao qual se subia por largos degraus, mas com a subida do nível das ruas vizinhas este elemento arquitetónico ficou subterrado. Além disso, este pórtico, com 3 naves e de 24 colunas ao todo, fora delineado como parte de um átrio retangular que devia ter o efeito de destacá-lo da rotunda. No entablamento desta fachada, coroada por um amplo frontão, Adriano mandou colocar uma inscrição de Agripa, aproveitada dos restos do edifício anterior. As dimensões do Panteão, foram uma novidade para aquela época (43,5 m de altura) fazem com que este monumento tenha o espaço mais amplo, com a maior cúpula da história até o séc. XIX. Esta contém uma abertura circular (óculos zenital), ao centro, com 9 metros de diâmetro, que dá passagem à luz tão abundante que produz uma sensação de leveza dentro do panteão. Este óculo encontra-se a mais de 40 metros acima do pavimento, e como o
  • 6. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 6 diâmetro do recinto tem a mesma dimensão, a cúpula e o tambor, sendo de igual altura, encontram-se em perfeito equilíbrio. No exterior, esse equilíbrio não foi possível, porque para se conter o empuxo da cúpula era necessário fazer uma base consideravelmente mais pesada que o cimo, para isso concentrou-se o peso da cúpula em oito grossos pilares e espessas paredes (7 metros, que foram construídas com materiais leves (cimento romano e tijolo) e que vão adelgaçando até chegarem ao topo.) Acreditava-se que por a cúpula ser tão alta que a chuva evaporar-se-ia antes de chegar ao chão. Tal não é verdade, pois quando chove o chão de mármore fica molhado, mas um eficaz sistema de drenagem aliado ao facto de o chão ser convexo impede o Panteão de ficar inundado. Outra novidade foram os nichos que fechados ao fundo, mas com colunas à frente, dão o efeito de aberturas para outras salas, evitando que nos sintamos presos no interior do Panteão. As colunas, as paredes de mármore colorido e o pavimento permanecem, na sua essência, tal como eram nos tempos romanos. Os caixotões da cúpula são igualmente os da origem, mas o dourado que os cobria foi desaparecendo ao longo dos tempos. Como o nome o sugere, o Panteão de Roma foi dedicado a "todos os deuses", ou, mais exatamente, às sete divindades planetárias que justificam os nichos com altares existentes no interior da cella. Com este edifício, Adriano tornou a sua quimera em algo concreto, construiu um edifício onde cabia todo o mundo. E, na verdade, o seu traçado geométrico está dotado de propriedades numéricas e simbólicas que o remetem para a abóbada e o movimento celeste. Este edifício clássico tem, no entanto, uma modesta ascendência. O arquiteto romano Vitruvius descreveu no seu "tratado", mais de um século
  • 7. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 7 antes, a estufa de um balneário que antevia já, mas a uma escala bastante menor. Os traços mais importantes do Panteão: uma cúpula hemisférica, uma relação proporcional entre a altura e a largura, a abertura circular ao centro (que podia fechar-se com um postigo de bronze, para regular a temperatura da sala). Arquitetura do Panteão de Roma Imagem 1 - Panteão num corte de secção e modelação matemática esferical
  • 8. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 8 Imagem 2 - Corte transversal do Panteão Imagem 3 - Exterior do Panteão
  • 9. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 9 Imagem 4 - Exterior do Panteão visto de cima Imagem 5 - Interior do Panteão Imagem 6 - Cúpula do Panteão, com oculus zenital
  • 10. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 10 Imagem 7: Frase escrita no Panteão a onde se lê: M.AGRIPPA.L.F.COS.TERTIUM.FECIT, o que significa: "Construído por Marco Conclusão A realização deste trabalho permitiu-nos chegar às seguintes conclusões:  Situa-se em Roma, Itália.  É conhecido como panteão de Agripa. É o único edifício construído na época greco-romana.  Foi o primeiro templo dedicado a todos os deuses.  Foi construído em 27 a.C. durante o terceiro consulado de Marco Vipsânio Agripa.  Em 80 d.C. o panteão de Agripa foi destruído por um incêndio sendo totalmente reconstruído em 125, durante o reinado do imperador Adriano.
  • 11. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 11  Em 609 d.C. o imperador romano, Phocas, entregou o panteão aos papas para poderemcelebrar os rituais cristãos.  Atualmente o panteão encontra-se na praça Panteão entre a Via “del Corso” e a Praça Navona.  Em 118 e 125 o imperador Adriano mandou reconstruir o Panteão. À entrada possui um pórtico profundo do tipo corrente nos templos romanos de planta regular.  O panteão possui uma altura de 43,5m de altura, tem uma abertura circular, ao centro, com 9m de diâmetro.  Na abertura circular tem um óculo que encontra-se a mais de 40 metros acima do pavimento, e como o diâmetro do recinto tem a mesma dimensão, a cúpula e o tambor, sendo de igual altura, encontram-se em perfeito equilíbrio.  O peso da cúpula em oito grossos pilares e espessas paredes (7 metros, que foram construídas com materiais leves (cimento romano e tijolo) e que vão adelgaçando até chegaremao topo.  O Panteão de Roma foi dedicado a "todos os deuses".  Com este edifício, Adriano tornou a sua quimera em algo concreto.  Os traços mais importantes do Panteão: uma cúpula hemisférica, uma relação proporcional entre a altura e a largura, a abertura circular ao centro (que podia fechar-se com um postigo de bronze, para regular a temperatura da sala).
  • 12. Escola Secundária Manuel Cargaleiro 12 Web grafia http://historiadaarte.pbworks.com/w/page/18413911/Pante%C3%A3o http://pt.wikipedia.org/wiki/Pante%C3%A3o_(Roma)