SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
1
2.1. Estrutura familiaar e dinâmica social
Constituição da República Portuguesa
PREÂMBULO
A 25 de Abril de 1974, o Movimento das Forças Armadas, coroando a longa resistência do povo
português e interpretando os seus sentimentos profundos, derrubou o regime fascista.
Libertar Portugal da ditadura, da opressão e do colonialismo representou uma transformação
revolucionária e o início de uma viragem histórica da sociedade portuguesa.
A Revolução restituiu aos Portugueses os direitos e liberdades fundamentais. No exercício
destes direitos e liberdades,os legítimos representantes do povo reúnem-se para elaborar uma
Constituição que corresponde às aspirações do país.
A Assembleia Constituinte afirma a decisão do povo português de defender a independência
nacional, de garantir os direitos fundamentais dos cidadãos, de estabelecer os princípios
basilares da democracia, de assegurar o primado do Estado de Direito democrático e de abrir
caminho para uma sociedade socialista, no respeito da vontade do povo português, tendo em
vista a construção de um país mais livre, mais justo e mais fraterno.
A Assembleia Constituinte, reunida na sessão plenária de 2 de Abril de 1976, aprova e decreta a
seguinte Constituição da República Portuguesa:
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
2
Princípios fundamentais
Artigo 1.º
República Portuguesa
Portugal é uma República soberana, baseada na dignidade da pessoa humana e na vontade
popular e empenhada na construção de uma sociedade livre, justa e solidária.
Artigo 2.º
Estado de direito democrático
A República Portuguesa é um Estado de direito democrático,baseado na soberania popular, no
pluralismo de expressão e organização política democráticas, no respeito e na garantia de
efectivação dos direitos e liberdades fundamentais e na separação e interdependência de
poderes, visando a realização da democracia económica, social e cultural e o aprofundamento
da democracia participativa.
Artigo 3.º
Soberania e legalidade
1. A soberania, una e indivisível, reside no povo, que a exerce segundo as formas previstas na
Constituição.
2. O Estado subordina-se à Constituição e funda-se na legalidade democrática.
3. A validade das leis e dos demais actos do Estado,das regiões autónomas, do poder local e de
quaisquer outras entidades públicas depende da sua conformidade com a Constituição.
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
3
Artigo 4.º
Cidadania portuguesa
São cidadãos portugueses todos aqueles que como tal sejam considerados pela lei ou por
convenção internacional.
Artigo 5.º
Território
1. Portugal abrange o território historicamente definido no continente europeu e os arquipélagos
dos Açores e da Madeira.
2. A lei define a extensão e o limite das águas territoriais, a zona económica exclusiva e os
direitos de Portugal aos fundos marinhos contíguos.
3. O Estado não aliena qualquer parte do território português ou dos direitos de soberania que
sobre ele exerce, sem prejuízo da rectificação de fronteiras.
Artigo 6.º
Estado unitário
1. O Estado é unitário e respeita na sua organização e funcionamento o regime autonómico
insular e os princípios da subsidiariedade, da autonomia das autarquias locais e da
descentralização democrática da administração pública.
2. Os arquipélagos dos Açores e da Madeira constituem regiões autónomas dotadas de
estatutos político-administrativos e de órgãos de governo próprio.
Artigo 7.º
Relações internacionais
1. Portugal rege-se nas relações internacionais pelos princípios da independência nacional, do
respeito dos direitos do homem, dos direitos dos povos, da igualdade entre os Estados, da
solução pacífica dos conflitos internacionais, da não ingerência nos assuntos internos dos outros
Estados e da cooperação com todos os outros povos para a emancipação e o progresso da
humanidade.
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
4
2. Portugal preconiza a abolição do imperialismo, do colonialismo e de quaisquer outras formas
de agressão, domínio e exploração nas relações entre os povos, bem como o desarmamento
geral, simultâneo e controlado, a dissolução dos blocos político-militares e o estabelecimento de
um sistema de segurança colectiva, com vista à criação de uma ordem internacional capaz de
assegurar a paz e a justiça nas relações entre os povos.
3. Portugal reconhece o direito dos povos à autodeterminação e independência e ao
desenvolvimento, bem como o direito à insurreição contra todas as formas de opressão.
4. Portugal mantém laços privilegiados de amizade e cooperação com os países de língua
portuguesa.
5. Portugal empenha-se no reforço da identidade europeia e no fortalecimento da acção dos
Estados europeus a favor da democracia, da paz, do progresso económico e da justiça nas
relações entre os povos.
6. Portugal pode, em condições de reciprocidade, comrespeito pelos princípios fundamentais do
Estado de direito democrático e pelo princípio da subsidiariedade e tendo em vista a realização
da coesão económica, social e territorial, de um espaço de liberdade, segurança e justiça e a
definição e execução de uma política externa, de segurança e de defesa comuns, convencionar
o exercício, em comum, em cooperação ou pelas instituições da União, dos poderes necessários
à construção e aprofundamento da união europeia.
7. Portugal pode, tendo em vista a realização de uma justiça internacional que promova o
respeito pelos direitos da pessoa humana e dos povos, aceitar a jurisdição do Tribunal Penal
Internacional, nas condições de complementaridade e demais termos estabelecidos no Estatuto
de Roma.
Artigo 8.º
Direito internacional
1. As normas e os princípios de direito internacional geral ou comum fazem parte integrante do
direito português.
2. As normas constantes de convenções internacionais regularmente ratificadas ou aprovadas
vigoram na ordem interna após a sua publicação oficial e enquanto vincularem
internacionalmente o Estado Português.
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
5
3. As normas emanadas dos órgãos competentes das organizações internacionais de que
Portugal seja parte vigoram directamente na ordem interna, desde que tal se encontre
estabelecido nos respectivos tratados constitutivos.
4. As disposições dos tratados que regem a União Europeia e as normas emanadas das suas
instituições, no exercício das respectivas competências, são aplicáveis na ordem interna, nos
termos definidos pelo direito da União, com respeito pelos princípios fundamentais do Estado de
direito democrático.
Artigo 9.º
Tarefas fundamentais do Estado
São tarefas fundamentais do Estado:
a) Garantir a independência nacional e criar as condições políticas, económicas, sociais e
culturais que a promovam;
b) Garantir os direitos e liberdades fundamentais e o respeito pelos princípios do Estado de
direito democrático;
c) Defender a democracia política, assegurar e incentivar a participação democrática dos
cidadãos na resolução dos problemas nacionais;
d) Promover o bem-estar e a qualidade de vida do povo e a igualdade real entre os portugueses,
bem como a efectivação dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, mediante a
transformação e modernização das estruturas económicas e sociais;
e) Proteger e valorizar o património cultural do povo português, defender a natureza e o
ambiente, preservar os recursos naturais e assegurar um correcto ordenamento do território;
f) Assegurar o ensino e a valorização permanente, defender o uso e promover a difusão
internacional da língua portuguesa;
g) Promover o desenvolvimento harmonioso de todo o território nacional, tendo em conta,
designadamente, o carácter ultraperiférico dos arquipélagos dos Açores e da Madeira;
h) Promover a igualdade entre homens e mulheres.
Artigo 10.º
Sufrágio universal e partidos políticos
1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal, igual, directo, secreto e
periódico, do referendo e das demais formas previstas na Constituição.
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
6
2. Os partidos políticos concorrem para a organização e para a expressão da vontade popular,
no respeito pelos princípios da independência nacional, da unidade do Estado e da democracia
política.
Artigo 11.º
Símbolos nacionais e língua oficial
1. A Bandeira Nacional, símbolo da soberania da República, da independência, unidade e
integridade de Portugal, é a adoptada pela República instaurada pela Revolução de 5 de
Outubro de 1910.
2. O Hino Nacional é A Portuguesa.
3. A língua oficial é o Português.
Leis da Família
Artigo 36.º
Família, casamento e filiação
1. Todos têm o direito de constituir família e de contrair casamento em condições de plena
igualdade.
2. A lei regula os requisitos e os efeitos do casamento e da sua dissolução, por morte ou
divórcio, independentemente da forma de celebração.
3. Os cônjuges têm iguais direitos e deveres quanto à capacidade civile política e à manutenção
e educação dos filhos.
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
7
4. Os filhos nascidos fora do casamento não podem, por esse motivo, ser objecto de qualquer
discriminação e a lei ou as repartições oficiais não podem usar designações discriminatórias
relativas à filiação.
5. Os pais têm o direito e o dever de educação e manutenção dos filhos.
6. Os filhos não podem ser separados dos pais, salvo quando estes não cumpram os seus
deveres fundamentais para com eles e sempre mediante decisão judicial.
7. A adopção é regulada e protegida nos termos da lei, a qual deve estabelecer formas céleres
para a respectiva tramitação.
Artigo 67.º
Família
1. A família, como elemento fundamental da sociedade, tem direito à protecção da sociedade e
do Estado e à efectivação de todas as condições que permitam a realização pessoal dos seus
membros.
2. Incumbe, designadamente, ao Estado para protecção da família:
a) Promover a independência social e económica dos agregados familiares;
b) Promover a criação e garantir o acesso a uma rede nacional de creches e de outros
equipamentos sociais de apoio à família, bem como uma política de terceira idade;
c) Cooperar com os pais na educação dos filhos;
d) Garantir, no respeito da liberdade individual, o direito ao planeamento familiar, promovendo a
informação e o acesso aos métodos e aos meios que o assegurem, e organizar as estruturas
jurídicas e técnicas que permitam o exercício de uma maternidade e paternidade conscientes;
e) Regulamentar a procriação assistida, em termos que salvaguardem a dignidade da pessoa
humana;
f) Regular os impostos e os benefícios sociais, de harmonia com os encargos familiares;
g) Definir, ouvidas as associações representativas das famílias, e executar uma política de
família com carácter global e integrado;
h) Promover, através da concertação das várias políticas sectoriais, a conciliação da actividade
profissional com a vida familiar.
Escola Segundária Manuel Cargaleiro
Curso Profissional Técnico de Multimédia
Área de Integração
8
Artigo 68.º
Paternidade e maternidade
1. Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua
insubstituível acção em relação aos filhos, nomeadamente quanto à sua educação, com garantia
de realização profissional e de participação na vida cívica do país.
2. A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.
3. As mulheres têm direito a especial protecção durante a gravidez e após o parto, tendo as
mulheres trabalhadoras ainda direito a dispensa do trabalho por período adequado, sem perda
da retribuição ou de quaisquer regalias.
4. A lei regula a atribuição às mães e aos pais de direitos de dispensa de trabalho por período
adequado, de acordo com os interesses da criança e as necessidades do agregado familiar.
Site: http://www.parlamento.pt/Legislacao/Paginas/ConstituicaoRepublicaPortuguesa.aspx
Nome: Daniela Correia de Almeida
Turma:11ºI nº4
Professora: Leonor Ramalho
Ano:2014/2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo : Evolução da Constituição Brasileira
Resumo : Evolução da Constituição BrasileiraResumo : Evolução da Constituição Brasileira
Resumo : Evolução da Constituição BrasileiraAnne Santos
 
Novas instituições democráticas
Novas instituições democráticasNovas instituições democráticas
Novas instituições democráticasmaria40
 
Auxiliar Administrativo
Auxiliar AdministrativoAuxiliar Administrativo
Auxiliar AdministrativoEvandro Brasil
 
Organização do estado
Organização do estadoOrganização do estado
Organização do estadoAna Cristina F
 
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questõesDireitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questõesFabio Lucio
 
Constituicoes 1824 1988
Constituicoes 1824 1988Constituicoes 1824 1988
Constituicoes 1824 1988janioguga
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do Tomazipascoalnaib
 
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no BrasilSociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no BrasilMiro Santos
 
Aulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileirasAulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileirasGilbert Patsayev
 
CP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e votoCP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e votoDireito Nabuco
 
Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1direitounimonte
 
O Estado e a Constituição
O Estado e a ConstituiçãoO Estado e a Constituição
O Estado e a ConstituiçãoPaulo Alexandre
 
O Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsO Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsPaulo Alexandre
 
3.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 2017
3.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 20173.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 2017
3.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 2017Professor_Emerson
 
Evolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanosEvolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanosamanda cristina
 

Mais procurados (20)

Resumo : Evolução da Constituição Brasileira
Resumo : Evolução da Constituição BrasileiraResumo : Evolução da Constituição Brasileira
Resumo : Evolução da Constituição Brasileira
 
As Constituições do Brasil
As Constituições do BrasilAs Constituições do Brasil
As Constituições do Brasil
 
Novas instituições democráticas
Novas instituições democráticasNovas instituições democráticas
Novas instituições democráticas
 
Auxiliar Administrativo
Auxiliar AdministrativoAuxiliar Administrativo
Auxiliar Administrativo
 
O Poder Local
O Poder LocalO Poder Local
O Poder Local
 
Organização do estado
Organização do estadoOrganização do estado
Organização do estado
 
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questõesDireitos humanos e cidadania   brigada militar. material + questões
Direitos humanos e cidadania brigada militar. material + questões
 
Constituicoes 1824 1988
Constituicoes 1824 1988Constituicoes 1824 1988
Constituicoes 1824 1988
 
constituição de 1969 x 1988
constituição de 1969 x 1988constituição de 1969 x 1988
constituição de 1969 x 1988
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 16 do Tomazi
 
A democracia
A democraciaA democracia
A democracia
 
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no BrasilSociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
Sociologia Capítulo 16-direitos e cidadania no Brasil
 
Aulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileirasAulão constituições brasileiras
Aulão constituições brasileiras
 
CP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e votoCP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e voto
 
Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1Direitosegarantiasfundamentais1
Direitosegarantiasfundamentais1
 
O Estado e a Constituição
O Estado e a ConstituiçãoO Estado e a Constituição
O Estado e a Constituição
 
O Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsO Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHs
 
3.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 2017
3.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 20173.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 2017
3.ª Série EM - E.E Jardim Bopeva 2017
 
Estado democrático
Estado democráticoEstado democrático
Estado democrático
 
Evolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanosEvolucao historica dos direitos humanos
Evolucao historica dos direitos humanos
 

Destaque

Direitos e deveres fundamentais emilia
Direitos e deveres fundamentais emiliaDireitos e deveres fundamentais emilia
Direitos e deveres fundamentais emiliaturmab
 
A 1ª República e o ensino global
A 1ª República e o ensino global A 1ª República e o ensino global
A 1ª República e o ensino global becreebsr
 
Apontamentos documentação comercial e administrativa
Apontamentos documentação comercial e administrativaApontamentos documentação comercial e administrativa
Apontamentos documentação comercial e administrativaleticiaferreira
 
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesaDireitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesastcnsaidjv
 

Destaque (7)

626 constituição
626 constituição626 constituição
626 constituição
 
Deveres fundamentais
Deveres fundamentaisDeveres fundamentais
Deveres fundamentais
 
Direitos e deveres fundamentais emilia
Direitos e deveres fundamentais emiliaDireitos e deveres fundamentais emilia
Direitos e deveres fundamentais emilia
 
A 1ª República e o ensino global
A 1ª República e o ensino global A 1ª República e o ensino global
A 1ª República e o ensino global
 
Apontamentos documentação comercial e administrativa
Apontamentos documentação comercial e administrativaApontamentos documentação comercial e administrativa
Apontamentos documentação comercial e administrativa
 
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesaDireitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
Direitos, liberdade e garantias da constituição da república portuguesa
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
 

Semelhante a Constituição da república portuguesa e leis da família

Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976João Soares
 
Constituicao angolana aprovada 4.2.2010-Luciano Daniel
Constituicao angolana  aprovada 4.2.2010-Luciano DanielConstituicao angolana  aprovada 4.2.2010-Luciano Daniel
Constituicao angolana aprovada 4.2.2010-Luciano DanielLuciano_Wombili
 
Constituicao da republica_de_angola
Constituicao da republica_de_angolaConstituicao da republica_de_angola
Constituicao da republica_de_angolaTrovoada Magalhães
 
Constituicao da Republica de Angola
Constituicao da Republica de AngolaConstituicao da Republica de Angola
Constituicao da Republica de AngolaBenilde Malé
 
42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).doc42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).docMarleneRicardo2
 
Área de Integração
Área de Integração Área de Integração
Área de Integração Estudante
 
Os Meus Direitos Fundamentais Na Uniao Europeia
Os Meus Direitos Fundamentais Na Uniao EuropeiaOs Meus Direitos Fundamentais Na Uniao Europeia
Os Meus Direitos Fundamentais Na Uniao EuropeiaVale Rodrigues
 
Constituicao Da Republica De Angola Projecto Final
Constituicao Da Republica De Angola Projecto FinalConstituicao Da Republica De Angola Projecto Final
Constituicao Da Republica De Angola Projecto Finalguest49e5de
 
Cartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus DireitosCartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus DireitosStander Pool Guess Guess
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaFillipe Lobo
 
Direitos e deveres
Direitos e deveresDireitos e deveres
Direitos e deveresfigo
 
Constituicao
ConstituicaoConstituicao
Constituicaoosjotamo
 
Constituicao republica moc
Constituicao republica mocConstituicao republica moc
Constituicao republica mocjoao feniasse
 
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiencia
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficienciaA convenção sobre os direitos das pessoas com deficiencia
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficienciarosania39
 
A cidadania portuguesa
A cidadania portuguesaA cidadania portuguesa
A cidadania portuguesakatrina71
 

Semelhante a Constituição da república portuguesa e leis da família (20)

Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976
 
Constituicao angolana aprovada 4.2.2010-Luciano Daniel
Constituicao angolana  aprovada 4.2.2010-Luciano DanielConstituicao angolana  aprovada 4.2.2010-Luciano Daniel
Constituicao angolana aprovada 4.2.2010-Luciano Daniel
 
Constituicao da republica_de_angola
Constituicao da republica_de_angolaConstituicao da republica_de_angola
Constituicao da republica_de_angola
 
Constituicao da Republica de Angola
Constituicao da Republica de AngolaConstituicao da Republica de Angola
Constituicao da Republica de Angola
 
42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).doc42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).doc
 
Cp 3
Cp 3Cp 3
Cp 3
 
Área de Integração
Área de Integração Área de Integração
Área de Integração
 
Os Meus Direitos Fundamentais Na Uniao Europeia
Os Meus Direitos Fundamentais Na Uniao EuropeiaOs Meus Direitos Fundamentais Na Uniao Europeia
Os Meus Direitos Fundamentais Na Uniao Europeia
 
Constituicao Da Republica De Angola Projecto Final
Constituicao Da Republica De Angola Projecto FinalConstituicao Da Republica De Angola Projecto Final
Constituicao Da Republica De Angola Projecto Final
 
Cartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus DireitosCartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus Direitos
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Constituição 1988
Constituição 1988Constituição 1988
Constituição 1988
 
Direitos e deveres
Direitos e deveresDireitos e deveres
Direitos e deveres
 
Constituição
ConstituiçãoConstituição
Constituição
 
Constituicao
ConstituicaoConstituicao
Constituicao
 
Constituicao
ConstituicaoConstituicao
Constituicao
 
Constituicao republica moc
Constituicao republica mocConstituicao republica moc
Constituicao republica moc
 
Constituicao
ConstituicaoConstituicao
Constituicao
 
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiencia
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficienciaA convenção sobre os direitos das pessoas com deficiencia
A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiencia
 
A cidadania portuguesa
A cidadania portuguesaA cidadania portuguesa
A cidadania portuguesa
 

Mais de Nome Sobrenome

Mais de Nome Sobrenome (20)

PAP
PAPPAP
PAP
 
Arte urbana
Arte urbanaArte urbana
Arte urbana
 
Future Career
Future CareerFuture Career
Future Career
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
 
Luís de Miranda Pereira de Meneses
Luís de Miranda Pereira de MenesesLuís de Miranda Pereira de Meneses
Luís de Miranda Pereira de Meneses
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Interação sol terra
Interação sol terraInteração sol terra
Interação sol terra
 
Trabalho final do tema 2.1 do módulo 6
Trabalho final  do tema 2.1 do módulo 6Trabalho final  do tema 2.1 do módulo 6
Trabalho final do tema 2.1 do módulo 6
 
Dimensão média das famílias em portugal
Dimensão média das famílias em portugalDimensão média das famílias em portugal
Dimensão média das famílias em portugal
 
Empreendedorismo jovem
Empreendedorismo jovemEmpreendedorismo jovem
Empreendedorismo jovem
 
Taxa bruta de natalidade
Taxa bruta de natalidadeTaxa bruta de natalidade
Taxa bruta de natalidade
 
Famílias clássicas total e por tipo de famílias
Famílias clássicas total e por tipo de famíliasFamílias clássicas total e por tipo de famílias
Famílias clássicas total e por tipo de famílias
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Poster
PosterPoster
Poster
 
Realizador
RealizadorRealizador
Realizador
 
Projeto de tic
Projeto de ticProjeto de tic
Projeto de tic
 
Diagrama e esquema
Diagrama e esquema Diagrama e esquema
Diagrama e esquema
 
Sumol
SumolSumol
Sumol
 
Sumol
SumolSumol
Sumol
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 

Constituição da república portuguesa e leis da família

  • 1. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 1 2.1. Estrutura familiaar e dinâmica social Constituição da República Portuguesa PREÂMBULO A 25 de Abril de 1974, o Movimento das Forças Armadas, coroando a longa resistência do povo português e interpretando os seus sentimentos profundos, derrubou o regime fascista. Libertar Portugal da ditadura, da opressão e do colonialismo representou uma transformação revolucionária e o início de uma viragem histórica da sociedade portuguesa. A Revolução restituiu aos Portugueses os direitos e liberdades fundamentais. No exercício destes direitos e liberdades,os legítimos representantes do povo reúnem-se para elaborar uma Constituição que corresponde às aspirações do país. A Assembleia Constituinte afirma a decisão do povo português de defender a independência nacional, de garantir os direitos fundamentais dos cidadãos, de estabelecer os princípios basilares da democracia, de assegurar o primado do Estado de Direito democrático e de abrir caminho para uma sociedade socialista, no respeito da vontade do povo português, tendo em vista a construção de um país mais livre, mais justo e mais fraterno. A Assembleia Constituinte, reunida na sessão plenária de 2 de Abril de 1976, aprova e decreta a seguinte Constituição da República Portuguesa:
  • 2. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 2 Princípios fundamentais Artigo 1.º República Portuguesa Portugal é uma República soberana, baseada na dignidade da pessoa humana e na vontade popular e empenhada na construção de uma sociedade livre, justa e solidária. Artigo 2.º Estado de direito democrático A República Portuguesa é um Estado de direito democrático,baseado na soberania popular, no pluralismo de expressão e organização política democráticas, no respeito e na garantia de efectivação dos direitos e liberdades fundamentais e na separação e interdependência de poderes, visando a realização da democracia económica, social e cultural e o aprofundamento da democracia participativa. Artigo 3.º Soberania e legalidade 1. A soberania, una e indivisível, reside no povo, que a exerce segundo as formas previstas na Constituição. 2. O Estado subordina-se à Constituição e funda-se na legalidade democrática. 3. A validade das leis e dos demais actos do Estado,das regiões autónomas, do poder local e de quaisquer outras entidades públicas depende da sua conformidade com a Constituição.
  • 3. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 3 Artigo 4.º Cidadania portuguesa São cidadãos portugueses todos aqueles que como tal sejam considerados pela lei ou por convenção internacional. Artigo 5.º Território 1. Portugal abrange o território historicamente definido no continente europeu e os arquipélagos dos Açores e da Madeira. 2. A lei define a extensão e o limite das águas territoriais, a zona económica exclusiva e os direitos de Portugal aos fundos marinhos contíguos. 3. O Estado não aliena qualquer parte do território português ou dos direitos de soberania que sobre ele exerce, sem prejuízo da rectificação de fronteiras. Artigo 6.º Estado unitário 1. O Estado é unitário e respeita na sua organização e funcionamento o regime autonómico insular e os princípios da subsidiariedade, da autonomia das autarquias locais e da descentralização democrática da administração pública. 2. Os arquipélagos dos Açores e da Madeira constituem regiões autónomas dotadas de estatutos político-administrativos e de órgãos de governo próprio. Artigo 7.º Relações internacionais 1. Portugal rege-se nas relações internacionais pelos princípios da independência nacional, do respeito dos direitos do homem, dos direitos dos povos, da igualdade entre os Estados, da solução pacífica dos conflitos internacionais, da não ingerência nos assuntos internos dos outros Estados e da cooperação com todos os outros povos para a emancipação e o progresso da humanidade.
  • 4. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 4 2. Portugal preconiza a abolição do imperialismo, do colonialismo e de quaisquer outras formas de agressão, domínio e exploração nas relações entre os povos, bem como o desarmamento geral, simultâneo e controlado, a dissolução dos blocos político-militares e o estabelecimento de um sistema de segurança colectiva, com vista à criação de uma ordem internacional capaz de assegurar a paz e a justiça nas relações entre os povos. 3. Portugal reconhece o direito dos povos à autodeterminação e independência e ao desenvolvimento, bem como o direito à insurreição contra todas as formas de opressão. 4. Portugal mantém laços privilegiados de amizade e cooperação com os países de língua portuguesa. 5. Portugal empenha-se no reforço da identidade europeia e no fortalecimento da acção dos Estados europeus a favor da democracia, da paz, do progresso económico e da justiça nas relações entre os povos. 6. Portugal pode, em condições de reciprocidade, comrespeito pelos princípios fundamentais do Estado de direito democrático e pelo princípio da subsidiariedade e tendo em vista a realização da coesão económica, social e territorial, de um espaço de liberdade, segurança e justiça e a definição e execução de uma política externa, de segurança e de defesa comuns, convencionar o exercício, em comum, em cooperação ou pelas instituições da União, dos poderes necessários à construção e aprofundamento da união europeia. 7. Portugal pode, tendo em vista a realização de uma justiça internacional que promova o respeito pelos direitos da pessoa humana e dos povos, aceitar a jurisdição do Tribunal Penal Internacional, nas condições de complementaridade e demais termos estabelecidos no Estatuto de Roma. Artigo 8.º Direito internacional 1. As normas e os princípios de direito internacional geral ou comum fazem parte integrante do direito português. 2. As normas constantes de convenções internacionais regularmente ratificadas ou aprovadas vigoram na ordem interna após a sua publicação oficial e enquanto vincularem internacionalmente o Estado Português.
  • 5. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 5 3. As normas emanadas dos órgãos competentes das organizações internacionais de que Portugal seja parte vigoram directamente na ordem interna, desde que tal se encontre estabelecido nos respectivos tratados constitutivos. 4. As disposições dos tratados que regem a União Europeia e as normas emanadas das suas instituições, no exercício das respectivas competências, são aplicáveis na ordem interna, nos termos definidos pelo direito da União, com respeito pelos princípios fundamentais do Estado de direito democrático. Artigo 9.º Tarefas fundamentais do Estado São tarefas fundamentais do Estado: a) Garantir a independência nacional e criar as condições políticas, económicas, sociais e culturais que a promovam; b) Garantir os direitos e liberdades fundamentais e o respeito pelos princípios do Estado de direito democrático; c) Defender a democracia política, assegurar e incentivar a participação democrática dos cidadãos na resolução dos problemas nacionais; d) Promover o bem-estar e a qualidade de vida do povo e a igualdade real entre os portugueses, bem como a efectivação dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, mediante a transformação e modernização das estruturas económicas e sociais; e) Proteger e valorizar o património cultural do povo português, defender a natureza e o ambiente, preservar os recursos naturais e assegurar um correcto ordenamento do território; f) Assegurar o ensino e a valorização permanente, defender o uso e promover a difusão internacional da língua portuguesa; g) Promover o desenvolvimento harmonioso de todo o território nacional, tendo em conta, designadamente, o carácter ultraperiférico dos arquipélagos dos Açores e da Madeira; h) Promover a igualdade entre homens e mulheres. Artigo 10.º Sufrágio universal e partidos políticos 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal, igual, directo, secreto e periódico, do referendo e das demais formas previstas na Constituição.
  • 6. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 6 2. Os partidos políticos concorrem para a organização e para a expressão da vontade popular, no respeito pelos princípios da independência nacional, da unidade do Estado e da democracia política. Artigo 11.º Símbolos nacionais e língua oficial 1. A Bandeira Nacional, símbolo da soberania da República, da independência, unidade e integridade de Portugal, é a adoptada pela República instaurada pela Revolução de 5 de Outubro de 1910. 2. O Hino Nacional é A Portuguesa. 3. A língua oficial é o Português. Leis da Família Artigo 36.º Família, casamento e filiação 1. Todos têm o direito de constituir família e de contrair casamento em condições de plena igualdade. 2. A lei regula os requisitos e os efeitos do casamento e da sua dissolução, por morte ou divórcio, independentemente da forma de celebração. 3. Os cônjuges têm iguais direitos e deveres quanto à capacidade civile política e à manutenção e educação dos filhos.
  • 7. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 7 4. Os filhos nascidos fora do casamento não podem, por esse motivo, ser objecto de qualquer discriminação e a lei ou as repartições oficiais não podem usar designações discriminatórias relativas à filiação. 5. Os pais têm o direito e o dever de educação e manutenção dos filhos. 6. Os filhos não podem ser separados dos pais, salvo quando estes não cumpram os seus deveres fundamentais para com eles e sempre mediante decisão judicial. 7. A adopção é regulada e protegida nos termos da lei, a qual deve estabelecer formas céleres para a respectiva tramitação. Artigo 67.º Família 1. A família, como elemento fundamental da sociedade, tem direito à protecção da sociedade e do Estado e à efectivação de todas as condições que permitam a realização pessoal dos seus membros. 2. Incumbe, designadamente, ao Estado para protecção da família: a) Promover a independência social e económica dos agregados familiares; b) Promover a criação e garantir o acesso a uma rede nacional de creches e de outros equipamentos sociais de apoio à família, bem como uma política de terceira idade; c) Cooperar com os pais na educação dos filhos; d) Garantir, no respeito da liberdade individual, o direito ao planeamento familiar, promovendo a informação e o acesso aos métodos e aos meios que o assegurem, e organizar as estruturas jurídicas e técnicas que permitam o exercício de uma maternidade e paternidade conscientes; e) Regulamentar a procriação assistida, em termos que salvaguardem a dignidade da pessoa humana; f) Regular os impostos e os benefícios sociais, de harmonia com os encargos familiares; g) Definir, ouvidas as associações representativas das famílias, e executar uma política de família com carácter global e integrado; h) Promover, através da concertação das várias políticas sectoriais, a conciliação da actividade profissional com a vida familiar.
  • 8. Escola Segundária Manuel Cargaleiro Curso Profissional Técnico de Multimédia Área de Integração 8 Artigo 68.º Paternidade e maternidade 1. Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação aos filhos, nomeadamente quanto à sua educação, com garantia de realização profissional e de participação na vida cívica do país. 2. A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes. 3. As mulheres têm direito a especial protecção durante a gravidez e após o parto, tendo as mulheres trabalhadoras ainda direito a dispensa do trabalho por período adequado, sem perda da retribuição ou de quaisquer regalias. 4. A lei regula a atribuição às mães e aos pais de direitos de dispensa de trabalho por período adequado, de acordo com os interesses da criança e as necessidades do agregado familiar. Site: http://www.parlamento.pt/Legislacao/Paginas/ConstituicaoRepublicaPortuguesa.aspx Nome: Daniela Correia de Almeida Turma:11ºI nº4 Professora: Leonor Ramalho Ano:2014/2015