SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
Unilever, stakeholders e
                                    criação de valor
                                     compartilhado



Como a Unilever introduziu a responsabilidade social em sua governaça para
criação de valor compartilhado , reverteu sua imagem projetada
negativamente pelo Greenpeace e se tornou uma referência mundial em
boas práticas na cadeia produtiva.



Cristiana Menezes Fonseca Ramos e Mônica Lyra
                                                                             UFRJ – Instituto de Economia
                                                                             Turma EGS 22 – Março/2012
Teoria Stakeholder

Segundo estudo de Freeman e MCVEA, 2000, esta expressão foi usada
pela primeira vez no campo da Administração no Instituto de Pesquisa de
Stanford (Stanford Research Institute – SRI) em 1963. A idéia inicial era
designar “todos os grupos sem os quais a empresa deixaria de
existir”.




Fonte: FREEMAN, R. E.; McVEA, J. A stakeholder approach to strategic management. In: HITT, M.;
FREEMAN, E.; HARRISON, J. Handbook of strategic management. Oxford: Blackwell Publishing, 2000.
p. 189-207.
A empresa não deve pautar-se apenas no interesse

dos acionistas/proprietários porque ela está

situada   dentro    de     um     sistema     maior

chamado     sociedade,     e   por   isso   tem    que

incorporar uma visão sociológica e política à sua

gestão.

Durante o processo de tomada de decisão de uma

empresa   existem   muitos      componentes       desta

sociedade na qual ela está inserida que devem ser

levados em consideração:
“Organismos governamentais, grupos políticos , ONGs, associações
de empresas, sindicatos, associações de consumidores, potenciais
empregados, potenciais clientes, as comunidades e até mesmo as
empresas competidoras”.


                                               (FREEMAN,1984)
Valores são uma parte necessária e
explícita dos negócios.
O papel dos gestores é articular os sentimentos que estes valores criam e trazer,
continuamente para esse processo, os principais stakeholders.


É necessário clareza por parte dos gestores no como eles querem fazer negócio e,
mais especificamente, que tipo de relações eles querem e precisam criar em
conjunto com as partes interessadas para cumprir a finalidade da empresa.




Fonte:FREEMAN,R.E; WICKS, A.C; PARMAR,B. A stakeholder Theory and “The Corporate Objetive
Revisited”, Organization Science, vol.15, n°3, may-june – 2004 pp 364-369.
Valores Sustentáveis

Cultura corporativa ética - Companhias pautadas por princípios têm maior

probabilidade de conseguir que seus próprios negócios sejam rentáveis e

sustentáveis.


“A forma como se comunica, trabalha, se relaciona com os outros, toma

decisões e mantém coerência em suas ações constitui sua fonte duradoura de

vantagem competitiva.”



Fonte: SEIDMAN, D. A Vantagem dos Valores, Direto ao Ponto, HSM Management, São Paulo, Novembro-Dezembro, 2011, pp 21
Tipos de valores adotados na gestão
empresarial e seus resultados

Situacionais : as relações impulsionadas por valores situacionais envolvem cálculos
sobre o que está disponível aqui e agora. A preocupação é explorar oportunidades de
curto prazo e não a viver coerentemente com os princípios que sustentam o sucesso a
longo prazo.


Sustentáveis: estão vinculados ao que devemos fazer e não ao que podemos fazer e ,
por conseqüência, apóiam as relações ao longo do tempo. Transparência, integridade,
honestidade, verdade, responsabilidade compartilhada e esperança são valores que
nos conectam profundamente e formam uma fonte de motivação da liderança
inspiradora.



Fonte: SEIDMAN, D. A Vantagem dos Valores, Direto ao Ponto, HSM Management, São Paulo, Novembro-Dezembro, 2011, pp 21
Criação de valor compartilhado

 “ ... A maioria das empresas continua presa a uma mentalidade de ‘responsabilidade
  social’ na qual questões sociais estão na periferia, e não no centro. A solução está no
  princípio do valor compartilhado, que envolve a geração de valor econômico de forma
  a criar também valor para a sociedade (com o enfrentamento de suas necessidades e
  desafios). É preciso reconectar o sucesso da empresa ao progresso social...”




  Fonte: PORTER,M.E; KRAMER, M.R. Valor Compartilhado – como Reinventar o Capitalismo – e Desencadear uma
  Onde de Inovação e Crescimento, Harvard Bussines Rewiew, São Paulo, Janeiro de 2011, pp 16 – 32.
Três grandes saídas para a empresa criar
  valor compartilhado segundo Porter :




     Fonte: PORTER,M.E; KRAMER, M.R. Valor Compartilhado – como Reinventar o Capitalismo – e Desencadear uma Onde de Inovação e

    Crescimento, Harvard Bussines Rewiew, São Paulo, Janeiro de 2011, pp 19 .
Caso Unilever

Em 2008, a Unilever virou um exemplo mundial de empresa com práticas

irresponsáveis. Naquela oportunidade o Greenpeace fez uma denúncia, através de

campanha publicitária, na qual informava que, por ser a maior compradora mundial

de óleo de palma, a Unilever, estava impulsionando a destruição das florestas da

Indonésia, levando espécies inteiras à extinção e acelerando o aquecimento global.
“Devastar florestas tropicais para fazer sabonetes e outros produtos é errado.

Você irá salvar as florestas agora, ou irá continuar destruindo-as?

98% das florestas estarão devastadas quando Azizah estiver com 25 anos.

Estas florestas são destruídas para fazer o óleo usado nos produtos Dove.

Fale com a Dove antes que seja tarde.”
“Temos  que construir as
                           atividades de um jeito que
                            sustente nossas metas a
                                       longo prazo.”



                       Píer Luigi Sigismondi
Diretor da cadeia de suprimentos da Unilever
Como a Unilever transformou uma crise com seus
stakeholders em um desafio para inovação e criação
de valor compartilhado

1- Plano de Sustentabilidade da Unilever – Elaborou um plano
   alinhado com os objetivos acordados internacionalmente, Metas de
   Desenvolvimento do Milênio e os compromissos internacionais sobre
   mudança climática. Plano>Meta>indicador – tudo registrado e mensurado.
   Relatório anual, checado externamente ( GRI A + ).
2 - Governança – Trouxe a RSC para dentro da gestão estratégica. Criou um
   ‘Comitê de Diretores para Responsabilidade e Reputação Corporativa’,
   liderado diretamente pelo CEO da Unilever. Cada um dos elementos
   principais do plano é liderado por um executivo responsável por atingir as
   metas até as respectivas datas previstas. Este plano é revisto
   trimestralmente.
.
• 3 – Revisão e consulta - Foi criado um grupo externo composto por
  cinco especialistas em responsabilidade e sustentabilidade coorporativa
  para instruir e criticar de forma contínua o andar da estratégia do
  desenvolvimento sustentável da Unilever. A Unilever vai também
  estabelecer mecanismos internacionais,em níveis nacional e regional, para
  buscar opiniões de uma ampla gama de acionistas, e rever periodicamente o
  Plano, levando em consideração suas observações e fatores externos.



  Em 2010 pela primeira vez, a empresa lança
 relatório A+, o mais alto nível de aplicação do
 GRI - Global Reporting Initiative




 Fonte:
 http://www.unileversustentabilidade.com.br/
 relatorios/todos-os-relatorios/relatorio-2010/
O Plano de Sustentabilidade da Unilever:
Espera alcançar três resultados significativos até 2020:

1.    Ajudar mais de um bilhão de pessoas a tomar iniciativas para melhorar sua saúde

     e bem-estar;

2.   Vincular seu crescimento à redução do impacto ambiental, obtendo reduções

     absolutas na vida útil do produto. Sua meta é reduzir pela metade a pegada

     ambiental da fabricação e da utilização dos seus produtos;

3.   Melhorar as condições de vida e trabalho de milhares de

     pessoas que fazem parte da sua cadeia de fornecimento;
Como ela espera alcançar estas metas ?
1 - Melhorando a saúde e o bem-estar:
    Saúde e Higiene
    Nutrição
2 -Reduzir o impacto ambiental
    Gases de efeito estufa
    Água
    Resíduos
    Recurso Sustentável
3 - Melhorando as condições de vida e trabalho
    Contribuindo para o Desenvolvimento Socioambiental
    Pessoas
Saúde e Higiene
Reconceber produtos e mercados (Porter 2011)



Programas: Educação sanitária, melhorar a saúde bucal,
melhorar auto-estima e fornecer água potável.

 Levar o sabonete Lifeboy para novos mercados onde as
crianças possam lavar as mãos com ele pode reduzir em
25% a diarréia, 19% infecções respiratórias, 40%
absentismo nas escolas e 43% infecções oculares. Escovar
os dentes duas vezes por dia com creme dental com flúor
diminui as cáries em 50%. Foi desenvolvido um
purificador de água para ser vendido em áreas em
desenvolvimento.
Nutrição
Reconceber produtos e mercados (Porter 2011)




 Programas: Melhorar a saúde cardíaca, reduzir os níveis de sal ,
gordura saturada, açucar e calorias, remover a gordura trans,
fornecer informações sobre alimentação saudável.

 Novos produtos para um grupo de consumidores
( mercado ) cada vez mais exigente e ao mesmo tempo
 promovendo educação alimentar para quem precisa.
Contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico
Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos
produtos e mercados, fomentar o desenvolvimento de cluster locais
                           ( Porter 2111 )



Programas: ajudando pequenos produtores rurais e apoiando
  microempresários ( projeto Shakit ). Futuro, unir pequenos
  agricultores a rede de abastecimento global.

  Capacitar pequenos agricultores aumenta a
  produtividade e gera valor compartilhado. O projeto
  Shakit gera renda para milhares de mulheres em área
  rural na Índia (venda direta de produtos de higiêne ), e
  expande o mercado da Unilever.
Pessoas
Criação de Valor Compartilhado (Porter 2011)


• Um local de trabalho com práticas justas e uma política de bem-
  estar gera valor compartilhado para as pessoas e para a empresa
  com diminuição de faltas, acidentes etc.
• Uma empresa que usa o mínimo de recursos naturais possíveis
  impacta menos o meio ambiente e diminui os custos.
Gases Efeito Estufa




     EX: Qual o impacto de CEE quando o consumidor bebe uma xícara de chá ?MATERIAS
                                              PRIMAS+FABRICAÇÃO+TRANSPORTE+
                                                  USO DO CONSUMIDOR+ DESCARTE
Redefinir a produtividade na cadeia produtiva (Porter 2011)


• Programas : Reduzir GEE proveniente dos produtos para limpeza
  de pele, dos produtos para cabelos, da lavagem de roupas, da
  refrigeração, dos processos de fabricação e do transporte de
  produtos.


    Bom para os custos da empresa e para o meio-
  ambiente, para a civilização.
Água




                                        EX: água necessária para a lavagem de um cabelo com xampu.
   ÁGUA USADA EM MATERIAS PRIMAS+ÁGUA QUE ADICIONAMOS AO PRODUTO+ ÁGUA UTILIZADA PELOS
                                                     CONSUMIDORES EM PAÍSES COM ESCASSEZ
Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos
produtos e mercados, fomentar o desenvolvimento de cluster locais
                           ( Porter 2111 )


    Programas : Reduzir o uso de água na agricultura, no processo de
   lavagem de roupas e no processo de fabricação da Unilever.


   Na agricultura fortalece cluster locais, na fabricação cria
   eficiência no uso de recursos naturais, reduz custos, na
   lavagem de roupas cria produtos inovadores e acesso a
   mercados com escassez de água ( metade da população
   mundial ).
Resíduos




     EX: utilização por consumidor - O RESÍDUO ASSOCIADO A UMA PORÇÃO DE SOPA

   EMBALAGEM PRIMÁRIA+EMBALAGEM TRANSPORTE+SOBRA DE PRODUTOS-ÍNDICE NACIONAL
   DOS MATERIAIS RECICLADOS E REUTILIZADOS/ESTIMATIVAS
Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos
              produtos e mercados( Porter 2111 )


Programas : reduzir, reutilizar e reciclar embalagens, reduzir os
resíduos de fabricação, cuidar dos resíduos de sachê e eliminar
PVC.

Reduzir, redesenhar, mudar materiais, dispensar o
supérfluo diminui custos matérias primas e diminui o
impacto do descarte.
Promove inovação no produto e aumenta a
produtividade.
Recurso Sustentável
Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos
produtos e mercados, fomentar o desenvolvimento de cluster locais
                           ( Porter 2111 )


 Programas : óleo de palma, chá, soja, frutas, vegetais, cacau,
  açucar, óleo de girassol, de canola, produtos lácteos, certificados
  ou de fontes sustentáveis, ovos de galinhas criadas em liberdade e
  todos os ingredientes do sorvete Bem&Jerry’s com certificação
  fairtrade.

  No programa do chá ( maior volume de compras da
  Unilever – 12% da produção mundial ) já existe valor
  compartilhado pois o aumento da produtividade
  proporcionou ganhos para a Unilever e para os
  produtores.
x

  O tamanho do desafio para se implementar uma cadeia de suprimentos
  responsável:
- 170 milhões de produtos vendidos por ano
- em 180 países
- 150 mil fornecedores de matéria prima
- 250 fábricas


 É preciso quase 1,4 milhão de ovos de 125 mil galinhas criadas
 sem gaiolas, para produzir os 30 milhões de potes de maionese
 Hellman’s Light vendidos só na América do Norte.
Como a Unilever começou este processo ?
No caso específico do óleo de palma
 Consumo anual de 1,4 milhões de toneladas ou 3% de toda produção

  anual.

 Em 2011: mais da metade deste total veio de fornecedores

  certificados;

 Até 2015 a meta é estar usando apenas óleo de palma sustentável.
Substituindo enfrentamento por colaboração

  Hoje é comum ver a Unilever trabalhando em colaboração com governos e ONGs a
   fim de garantir que a cadeia de suprimentos esteja seguindo as melhores práticas.


                     “É impossível fazer isso tudo individualmente”
         Píer Luigi Sigismondi – Diretor da cadeia de suprimentos da Unilever.


  Hoje quando o Greenpeace expõe problemas em certos produtores de óleo de palma,

   a Unilever reage cancelando contratos.
Unilever 2011
Exemplo mundial de responsabilidade na
cadeia de suprimento

Para a matéria “É difícil ser do bem –
mas vale a pena .” Harvard Bussiness
Review, de novembro de 2011, cinco
especialistas elegeram as cinco
empresas cujo sucesso dos negócios é
fundado em práticas responsáveis.
A Unilever foi escolhida por sua
responsabilidade na cadeia de
suprimento.
“Não será fácil cumprir estes compromissos do plano de

sustentabilidade da Unilever. Para alcançá-los, teremos

que trabalhar em parceria com governos,

ONGs, fornecedores e outros, para enfrentarmos os

grandes desafios que nos esperam.”

           Paul Polman (CEO Unilever )
Obrigada!
Anexos com o detalhamento dos programas desenvolvidos pela
Unilever para alcançar as metas do seu plano de sustentabilidade.
( Não apresentados durante nossa exposição oral )
Saúde e Higiene

1 - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO SANITÁRIA - 130 milhões de pessoas desde
2002. Quando as crianças lavam as mãos com Lifebuoy a diarréia é reduzida em
25%, as infecções respiratórias agudas 19%, absentismo nas escolas 40% e
infecções oculares 43%

2 – MELHORAR A SAÚDE BUCAL- incentivar 50 mil pessoas a escovarem os
dentes duas vezes por dia com creme dental com flúor diminui a incidência de
carie em 50%

 3 - MELHORAR A AUTO-ESTIMA através de programas educacionais- marca
Dove- meta é ajudar 15 mil jovens até 2015.


 4 – FORNECER ÁGUA POTÁVEL – tornar disponível água potável para 500
milhões de pessoas até 2020, por meio do purificador de água Pureit.
Nutrição

1 - MELHORAR A SAÚDE CARDÍACA- ferramenta desenvolvida para os
consumidores poderem reduzir em 3 anos as idades cardíacas – MARCAS Flora e
Becel

 2 – REDUZINDO OS NÍVEIS DE SAL – Já reduziram a quantidade de sal mas a
meta é até 2015 , reduzir mais 15 a 20%, em média, para cumprir a meta de 5
gramas de sal por dia.

  3 – REDUZINDO A GORDURA SATURADA – aumentando os níveis de gorduras
essenciais. Maioneses e margarinas com menos 33% de gordura saturada e uma
porção diária fornecendo 15% dos ácidos graxos essenciais recomendados
internacionalmente.

 4 – REMOVER A GORDURA TRANS – até o final deste ano tos os produtos
serão livres de gordura trans.
5 – REDUZIR AÇUCAR – Já reduziram o açúcar nos chás prontos e vão
reduzir mais 25% até 2020.


6 – REDUZIR CALORIAS – Até 2014 todos os sorvetes terão 110 calorias ou
menos por porção. 60% da produção atingirá esta meta até o final deste ano.


 7 – FORNECER INFORMAÇÕES SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL –
todas as embalagens trarão informações nutricionais completas na
embalagem. Na parte frontal o valor energético por porção e a indicação dos
8 nutrientes essenciais. A porcentagem das Recomendações Diárias
Recomendadas (GDA) para os cinco nutrientes virá na parte de trás da
embalagem.
Gases de efeito estufa

1 – REDUZIR GEE PROVENIENTE DOS PRODUTOS PARA LIMPEZA DE PELE
E DOS PRODUTOS PARA CABELOS – até 2015 pretendem alcançar 200
milhões de consumidores com produtos e ferramentas que irão ajudá-los a reduzir
suas emisssões de GEE ao lavar roupas ou tomar banho. Querem chegar a 400
milhões até 2020.

   2 – REDUZIR O GEE PROVENIENTE DA LAVAGEM DE ROUPAS –
Concentrando os líquidos e compactando os produtos em pó. Reformulando os
produtos para reduzir as emissões em 15% até o final deste ano. Incentivando os
consumidores a lavarem roupas em baixa temperatura e na dosagem correta em
70% das lavagens à máquina até 2010.

   3 – REDUZIR O GEE DA REFRIGERAÇÃO – implantação de refrigeradores de
hidrocarbonetos, já tem 450.mil e mais 850 mil serão adquiridos até 2015.
4 - REDUZIR O GEE PROVENIENTE DA FABRICAÇÃO - Até 2020 as emissões
de CO² nas fábricas serão iguais as de 2008 mas com volumes de produção muito
maiores. Redução de 63% por tonelada de produção e uma redução absoluta de
43% ( versus o patamar de 1995). Dobrar a utilização de energia renovável , para
40% da necessidade total até 2020. Até atingir 100%. O objetivo de todas as 250
fábricas é ter menos metade do impacto atual.


  5 – REDUZIR O GEE DO TRANSPORTE – em 2020 as emissões de CO² da rede
logística será menor ou igual a de 2010 com volumes significativamente maiores.
Isso vai representar uma melhoria de 40% na produtividade de CO². Reduzindo a
quilometragem dos caminhões, veículos com emissões mais baixas, transporte
alternativos, e melhorando a eficiência energética dos armazens.
Água

1 – REDUZIR O USO DE ÁGUA NA AGRICULTURA – Desenvolvendo planos
com fornecedores e parceiros


    2 – REDUZIR O USO DE ÁGUA NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS
    Disponibilizando amplamente produtos de enxágüe fácil e detergente que
ofereça excelente limpeza. Meta 2020.


   3 – REDUZIR O USO DA ÁGUA NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO - Mesma
captação de água em 2020 igual a 2008. Redução de 78% por tonelada de
produção e 65% de redução absoluta(versus 1995). Todas as novas fábricas terão
como objetivo captar metade da água das fábricas atuais.
Resíduos

1 – REDUZIR EMBALAGEM – Até 2020 reduzir um terço do peso das embalagens.
Materiais mais leves, otimizando o design da estrutura e do material, eliminando
embalagens desnecessárias, produtos mais concentrados.

2 - REUTILIZAR EMBALAGEM – fornecendo refis

3 – RECICLAR EMBALAGEM – estabelecer parcerias para aumentar a reciclagem,
5% em 2015 e 15% em 2020. Utilizar materiais que se adequam as instalações de
tratamento final de resíduos e até 2020 aumentar o material reciclavel das
embalgens até o limite máximo.

4 – REDUZIR OS RESÍDUOS DA FABRICAÇÃO – a quantidade de resíduos
envidos para eliminação em 2020 será igual a 2008. Uma redução de 80% por
tonelada e 70% de uma redução absoluta( 1995).

5 – CUIDAR DOS RESÍDUOS DE SACHE – modelo de negócio sustentável para
manipulação do fluxo de resíduos dos saches.

6 – ELIMINAR PVC – Eliminar todo o PVC de todas as embalagens até o final deste
ano.
Fontes sustentáveis

1 – ÓLEO DE PALMA - ATÉ 2015 TODO ELE VIRÁ DE FONTES
SUSTENTÁVEIS CERTIFICADAS
2 – PAPEL E PAPELÃO SUSTENTÁVEL – ATÉ 2015, 75% DO PAPEL E
PAPELÃO PARA EMBALAGENS VIRÃO DE FLORESTAS MANEJADAS DE
FORMA SUSTENTÁVEL OU MATERIAIS RECICLADOS. SERÁ 100% EM
2020.
3 – SOJA SUSTENTÁVEL – TODA A SOJA SERÁ PRODUZIDA DE FORMA
SUSTENTÁVEL ATÉ 2014, E O ÓLEO DE SOJA ATÉ 2020.
4 – CHÁ SUSTENTÁVEL – ATÉ 2015 OS CHÁS DA LIPTON
PROVENIENTES DE FONTES CERTIFICADAS Rainforest Alliance Certified.
ATÉ 2020, 100% DOS CHÁS DA UNILEVER SUSTENTÁVEIS, ATÉ A
GRANEL
5 – FRUTAS E VEGETAIS SUSTENTÁVEIS – 100% DAS FRUTAS VIRÃO
DE FONTES SUSTENTÁVEIS ATÉ 2015. 50% DOS 13 VEGETAIS QUE
USAM ( INCLUINDO ERVAS) VIRÃO DE FONTES SUSTENTÁVEIS ATÉ
2012. ATÉ 2015 ESTA TAXA SERÁ DE 100%. REPRESENTANDO 80% DO
VOLUME GLOBAL DA UNILEVER
6 – CACAU SUSTENTÁVEL – O CACAU DO SORVETE MAGNUN VIRÁ DE
FONTES SUSTENTÁVEIS ATÉ 2015 E TODOS OS DERIVADOS SO CACAU
SERÃO OBTIDOS DE FORMA SUSTENTÁVEL ATÉ 2020.

7 – AÇUCAR, ÓLEO DE GIRASSOL, ÓLEO DE CANOLA E PRODUTOS
LÁCTEOS SUSTENTÁVEIS – TODAS ESTAS MATÉRIAS PRIMAS SERÃO
OBTIDAS DE FORMA SUSTENTÁVEL ATÉ 2020

8 – FAIRTRADE DO SORVETE BEM&JERRY’S – TODOS OS
INGREDIENTES DESTE PRODUTO QUE PODEM SER OBTIDOS ATRAVÉS
DE FAIRTRADE SERÃO CERTIFICADOS ATÉ 2013.

9 – OVOS DE GALINHAS CRIADAS EM LIBERDADE(FORA DE GAIOLAS) –
NOSSO OBJETIVO É UTILIZAR SOMENTE OVOS DE GALINHAS CRIADAS
EM LIBERDADE
Contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico


1 – AJUDANDO PEQUENOS AGRICULTORES – unir 50 mil na sua rede de
abastecimento. Ajudar a melhorar as prática agrículas para torná-las capazes de
competir no mercado global.


2 – APOIANDO MICROEMPRESÁRIOS – Shakti, operação de venda porta-a-
porta na India gera trabalho para as comunidades pobres. 45mil pessoas em 2010
para meta de 75 mil em 2015. Sistemas semelhantes estão sendo implantados em
Bangladesh, Sri Lanka e Vietnã.


3 – DESAFIOS FUTUROS – A ambição da Unilever é unir pequenos agricultores a
rede de abastecimento global. Para este fim iniciaram um programa com a Oxfam
no Azerbaijão e em seguida irão atuar na África subsaariana.
Pessoas > Metas:
   1 - Reduzir as doenças e os acidentes de trabalho. Até 2020 reduzirão a
taxa de freqüência de acidentes registrados nas fábricas e escritórios em até 50%,
comparado com o ano de 2008.
   2 – Melhorar a saúde e a nutrição dos funcionários. Programa Lamplighter,
melhora nutrição, capacidade física e resistência mental dos funcionários. Já
funciona em 38 países e impacta mais de 35mil pessoas.
  3 – DIMINUIR O NÚMERO DE VIAGENS – Instalações avançadas de vídeo
conferência para facilitar a comunicação e diminuir as viagens. A rede já abrange
30 países.
 4 – REDUZIR O CONSUMO DE ENERGIA NOS ESCRITÓRIOS – Até 2020 vão
reduzir pela metade a energia elétrica (kWh) gasta por ocupante nos escritórios em
21 países de maior abrangência, comparado com 2010.
 5 – REDUZIR LIXO PRODUZIDO NOS ESCRITÓRIOS – Nos escritórios
localizados em 21 países onde tem maior abrangência: 90% do lixo será será
reutilizado, reciclado ou recuperado até 2015 e , até 2017 não haverá mais lixo
para ser enviado aos aterros. O consumo por pessoa de papel será reduzido em
30%. Até 2015,quando for admissível e legalmente possível, eliminaremos o uso
de papel no faturamento, relatorios financeiros etc.
 6 – ADQUIRIR MATERIAIS DE ESCRITÓRIO DE FONTES SUSTENTÁVEIS –
Todo o papel, até 2013, virá de fontes certificadas ou recicladas.
Fontes:
  - DEARD, A.;HORNIK,R. É difícil ser do bem , Harvard Bussines Reveiw, São Paulo,
Novembro,2011, pp 48-55.
  - Greenpeace x Dove -
http://www.greenpeace.org/international/en/campaigns/forests/asia-pacific/dove-palmoil-action
  - FREEMAN,R.E. Strategic Management: A stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984.
  - FREEMAN, R. E.; McVEA, J. - A stakeholder approach to strategic management. In: HITT, M.;
FREEMAN, E.; HARRISON, J. Handbook of strategic management. Oxford: Blackwell Publishing,
2000.
  - FREEMAN,R.E; WICKS, A.C; PARMAR,B. A stakeholder Theory and “The Corporate Objetive
Revisited”, Organization Science, vol.15, n°3, may-june , 2004.
  - SEIDMAN, D.- A Vantagem dos Valores, Direto ao Ponto, HSM Management, São Paulo,
Novembro-Dezembro, 2011, pp 21e 22.
  - PORTER, M. & KRAMER, M. – Strategy & Society: The link between Competitive Advantage and
Corporate Social Responsibility – Harvard Business Review (2006)
  - PORTER M. & KRAMER, M. – The Competitive Advantage of Corporate Philanthropy – Harvard
Business Review (2002)
 - PORTER,M.E; KRAMER, M.R. Valor Compartilhado – como Reinventar o Capitalismo – e
Desencadear uma Onde de Inovação e Crescimento, Harvard Bussines Rewiew, São Paulo, Janeiro
de 2011, pp 16 – 32.
  - PORTER, M.E. A estratégia e a responsabilidade social , HSM Global, Agosto, 2008 (“Strategy
and Society” (Harvard Business Review, Dec. 2006); “The Competitive Advantage of Corporate
Philanthropy” (Harvard Business Review, Dec. 2002); “What is Strategy?” (Harvard Business
Review, Nov/Dec 1996); CompetitiveAdvantage (Free Press, 1980); and The Competitive
Advantage of Nations (Free Press, 1990).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Firm Resources and Sustained Competitive Advantage
Firm Resources and Sustained Competitive AdvantageFirm Resources and Sustained Competitive Advantage
Firm Resources and Sustained Competitive AdvantageMaximiliano Barroso Bonfá
 
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rspDougPabiton
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCproftstsergioetm
 
Aula estratégias genéricas
Aula estratégias genéricasAula estratégias genéricas
Aula estratégias genéricasWilian Gatti Jr
 
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosfcanico
 
Questões multipla escolha diferenciação
Questões multipla escolha  diferenciaçãoQuestões multipla escolha  diferenciação
Questões multipla escolha diferenciaçãoMoises Ribeiro
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Maritta Barbosa
 
Comportamento do consumidor atualizado
Comportamento do consumidor   atualizadoComportamento do consumidor   atualizado
Comportamento do consumidor atualizadoDawison Calheiros
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeLevi Tancredo
 
Planejamento Estratégico - Nike
Planejamento Estratégico - NikePlanejamento Estratégico - Nike
Planejamento Estratégico - NikeJulio Marçal
 

Mais procurados (20)

Rotulagem ambiental
Rotulagem ambientalRotulagem ambiental
Rotulagem ambiental
 
Análise da concorrência
Análise da concorrênciaAnálise da concorrência
Análise da concorrência
 
Dinâmica: Jeitos de ver o mundo
Dinâmica: Jeitos de ver o mundoDinâmica: Jeitos de ver o mundo
Dinâmica: Jeitos de ver o mundo
 
Firm Resources and Sustained Competitive Advantage
Firm Resources and Sustained Competitive AdvantageFirm Resources and Sustained Competitive Advantage
Firm Resources and Sustained Competitive Advantage
 
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
 
Natura
NaturaNatura
Natura
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 
Economia circular
Economia circular Economia circular
Economia circular
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
 
Aula estratégias genéricas
Aula estratégias genéricasAula estratégias genéricas
Aula estratégias genéricas
 
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
 
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de NegóciosEmpreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
 
Questões multipla escolha diferenciação
Questões multipla escolha  diferenciaçãoQuestões multipla escolha  diferenciação
Questões multipla escolha diferenciação
 
Empresa Natura
Empresa NaturaEmpresa Natura
Empresa Natura
 
Aula 1 - Introdução ao marketing
Aula 1 - Introdução ao marketingAula 1 - Introdução ao marketing
Aula 1 - Introdução ao marketing
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
 
Comportamento do consumidor atualizado
Comportamento do consumidor   atualizadoComportamento do consumidor   atualizado
Comportamento do consumidor atualizado
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
 
Planejamento Estratégico - Nike
Planejamento Estratégico - NikePlanejamento Estratégico - Nike
Planejamento Estratégico - Nike
 

Destaque

UNIP - Unilever
UNIP - UnileverUNIP - Unilever
UNIP - Unilevermafrizzi
 
Aliança Estratégica Perdigão E Unilever[1](3)
Aliança Estratégica   Perdigão E Unilever[1](3)Aliança Estratégica   Perdigão E Unilever[1](3)
Aliança Estratégica Perdigão E Unilever[1](3)GrupoPerdigaoUnilever
 
Planejamento Estratégico: Linha de Concentrados Unilever
Planejamento Estratégico: Linha de Concentrados UnileverPlanejamento Estratégico: Linha de Concentrados Unilever
Planejamento Estratégico: Linha de Concentrados UnileverTatiana Almeida
 
Promocao de vendas_trab
Promocao de vendas_trabPromocao de vendas_trab
Promocao de vendas_trabElliah Pernas
 
Aula 6, 7 e 8 mercadologia
Aula 6, 7 e 8   mercadologiaAula 6, 7 e 8   mercadologia
Aula 6, 7 e 8 mercadologiajoao filho
 
Unilever - History, Evolution, Present and the Future
Unilever - History, Evolution, Present and the FutureUnilever - History, Evolution, Present and the Future
Unilever - History, Evolution, Present and the FutureGreg Thain
 
Vertá Branding: apresentação 2016
Vertá Branding: apresentação 2016Vertá Branding: apresentação 2016
Vertá Branding: apresentação 2016Dilon Henrique
 
pontomobi: skol beats
pontomobi: skol beatspontomobi: skol beats
pontomobi: skol beatsPontomobi
 
Seda - Um tecido nobre
Seda - Um tecido nobreSeda - Um tecido nobre
Seda - Um tecido nobrejuju1301
 
Evolução da Marca: SEDA
Evolução da Marca: SEDAEvolução da Marca: SEDA
Evolução da Marca: SEDAGabriella Bueno
 
Conclusions de l'enquête Parties Prenantes
Conclusions de l'enquête Parties PrenantesConclusions de l'enquête Parties Prenantes
Conclusions de l'enquête Parties PrenantesYoumatter
 
Unilever Human Rights Report 2015
Unilever Human Rights Report 2015Unilever Human Rights Report 2015
Unilever Human Rights Report 2015Sustainable Brands
 
Modelo de Análise Competitiva
Modelo de Análise CompetitivaModelo de Análise Competitiva
Modelo de Análise CompetitivaDébora
 

Destaque (20)

Estudo de Caso Unilever
Estudo de Caso UnileverEstudo de Caso Unilever
Estudo de Caso Unilever
 
Estudo de Caso - Dove
Estudo de Caso - DoveEstudo de Caso - Dove
Estudo de Caso - Dove
 
UNIP - Unilever
UNIP - UnileverUNIP - Unilever
UNIP - Unilever
 
Unilever
UnileverUnilever
Unilever
 
Aliança Estratégica Perdigão E Unilever[1](3)
Aliança Estratégica   Perdigão E Unilever[1](3)Aliança Estratégica   Perdigão E Unilever[1](3)
Aliança Estratégica Perdigão E Unilever[1](3)
 
Planejamento Estratégico: Linha de Concentrados Unilever
Planejamento Estratégico: Linha de Concentrados UnileverPlanejamento Estratégico: Linha de Concentrados Unilever
Planejamento Estratégico: Linha de Concentrados Unilever
 
UNILEVER
UNILEVERUNILEVER
UNILEVER
 
Promocao de vendas_trab
Promocao de vendas_trabPromocao de vendas_trab
Promocao de vendas_trab
 
Aula 6, 7 e 8 mercadologia
Aula 6, 7 e 8   mercadologiaAula 6, 7 e 8   mercadologia
Aula 6, 7 e 8 mercadologia
 
Unilever - History, Evolution, Present and the Future
Unilever - History, Evolution, Present and the FutureUnilever - History, Evolution, Present and the Future
Unilever - History, Evolution, Present and the Future
 
Vertá Branding: apresentação 2016
Vertá Branding: apresentação 2016Vertá Branding: apresentação 2016
Vertá Branding: apresentação 2016
 
pontomobi: skol beats
pontomobi: skol beatspontomobi: skol beats
pontomobi: skol beats
 
Seda - Um tecido nobre
Seda - Um tecido nobreSeda - Um tecido nobre
Seda - Um tecido nobre
 
Os 4P’s do Marketing
Os 4P’s do MarketingOs 4P’s do Marketing
Os 4P’s do Marketing
 
Seda Slide
Seda SlideSeda Slide
Seda Slide
 
Evolução da Marca: SEDA
Evolução da Marca: SEDAEvolução da Marca: SEDA
Evolução da Marca: SEDA
 
Seda
SedaSeda
Seda
 
Conclusions de l'enquête Parties Prenantes
Conclusions de l'enquête Parties PrenantesConclusions de l'enquête Parties Prenantes
Conclusions de l'enquête Parties Prenantes
 
Unilever Human Rights Report 2015
Unilever Human Rights Report 2015Unilever Human Rights Report 2015
Unilever Human Rights Report 2015
 
Modelo de Análise Competitiva
Modelo de Análise CompetitivaModelo de Análise Competitiva
Modelo de Análise Competitiva
 

Semelhante a Unilever, stakeholders e criação de valor compartilhado

Sustentabilidade no Mercado Imobiliário
Sustentabilidade no Mercado ImobiliárioSustentabilidade no Mercado Imobiliário
Sustentabilidade no Mercado Imobiliáriotana bassi
 
020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.ppt
020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.ppt020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.ppt
020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.pptMuniqueHolandaAlves1
 
Como Implantar Gestão de Responsabilidade Social Empresarial
Como Implantar Gestão de Responsabilidade Social EmpresarialComo Implantar Gestão de Responsabilidade Social Empresarial
Como Implantar Gestão de Responsabilidade Social EmpresarialDialogus Consultoria
 
ABPS - Saúde e Responsabilidade Social
ABPS - Saúde e Responsabilidade Social ABPS - Saúde e Responsabilidade Social
ABPS - Saúde e Responsabilidade Social tana bassi
 
Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras
Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras
Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras alfredobottone
 
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambientalTrabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambientalJoao Moreira
 
Palestra: Responsabilidade Social Corporativa - Georges Blanc
Palestra: Responsabilidade Social Corporativa  - Georges Blanc Palestra: Responsabilidade Social Corporativa  - Georges Blanc
Palestra: Responsabilidade Social Corporativa - Georges Blanc ExpoGestão
 
Meio ambiente sust
Meio ambiente sustMeio ambiente sust
Meio ambiente sustMarcelo Lobo
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadoresthaisfantazia
 
Apresentação Multiplicadores
Apresentação MultiplicadoresApresentação Multiplicadores
Apresentação Multiplicadoresguestcd7b95
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadoresthaisfantazia
 
Aula do Prof. Voltolini na Sorbonne
Aula do Prof. Voltolini na SorbonneAula do Prof. Voltolini na Sorbonne
Aula do Prof. Voltolini na SorbonneCadu Souza Aguiar
 
Sustentabilidade setor farmaceutico_luiz henrique
Sustentabilidade setor farmaceutico_luiz henriqueSustentabilidade setor farmaceutico_luiz henrique
Sustentabilidade setor farmaceutico_luiz henriqueIvana da Silveira
 
Gestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocialGestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocialLuana Fidelis
 
Apresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON Day
Apresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON DayApresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON Day
Apresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON Dayrafaelbucco
 
Revista Negócio Sustentável
Revista Negócio SustentávelRevista Negócio Sustentável
Revista Negócio SustentávelSergio Molinari
 
Future Fit Benchmark - Introdução em português
Future Fit Benchmark - Introdução em português Future Fit Benchmark - Introdução em português
Future Fit Benchmark - Introdução em português Holonomics
 
O Boticário - Sustentabilidade nos Negócios
O Boticário - Sustentabilidade nos NegóciosO Boticário - Sustentabilidade nos Negócios
O Boticário - Sustentabilidade nos NegóciosSistema CNC
 

Semelhante a Unilever, stakeholders e criação de valor compartilhado (20)

Sustentabilidade no Mercado Imobiliário
Sustentabilidade no Mercado ImobiliárioSustentabilidade no Mercado Imobiliário
Sustentabilidade no Mercado Imobiliário
 
020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.ppt
020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.ppt020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.ppt
020_circuito_sesi_-_oficina_como_tornar-se_socialmente_responsavel-2.ppt
 
Como Implantar Gestão de Responsabilidade Social Empresarial
Como Implantar Gestão de Responsabilidade Social EmpresarialComo Implantar Gestão de Responsabilidade Social Empresarial
Como Implantar Gestão de Responsabilidade Social Empresarial
 
ABPS - Saúde e Responsabilidade Social
ABPS - Saúde e Responsabilidade Social ABPS - Saúde e Responsabilidade Social
ABPS - Saúde e Responsabilidade Social
 
Rseestratégia
RseestratégiaRseestratégia
Rseestratégia
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras
Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras
Projeto de responsabilidade social para empresas brasileiras
 
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambientalTrabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
Trabalho pesquisa sobre responsabilidade social e ambiental
 
Palestra: Responsabilidade Social Corporativa - Georges Blanc
Palestra: Responsabilidade Social Corporativa  - Georges Blanc Palestra: Responsabilidade Social Corporativa  - Georges Blanc
Palestra: Responsabilidade Social Corporativa - Georges Blanc
 
Meio ambiente sust
Meio ambiente sustMeio ambiente sust
Meio ambiente sust
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadores
 
Apresentação Multiplicadores
Apresentação MultiplicadoresApresentação Multiplicadores
Apresentação Multiplicadores
 
ApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO MultiplicadoresApresentaçãO Multiplicadores
ApresentaçãO Multiplicadores
 
Aula do Prof. Voltolini na Sorbonne
Aula do Prof. Voltolini na SorbonneAula do Prof. Voltolini na Sorbonne
Aula do Prof. Voltolini na Sorbonne
 
Sustentabilidade setor farmaceutico_luiz henrique
Sustentabilidade setor farmaceutico_luiz henriqueSustentabilidade setor farmaceutico_luiz henrique
Sustentabilidade setor farmaceutico_luiz henrique
 
Gestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocialGestaoda responsabilidadesocial
Gestaoda responsabilidadesocial
 
Apresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON Day
Apresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON DayApresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON Day
Apresentação Thymus - Triple Bottom Line - Results ON Day
 
Revista Negócio Sustentável
Revista Negócio SustentávelRevista Negócio Sustentável
Revista Negócio Sustentável
 
Future Fit Benchmark - Introdução em português
Future Fit Benchmark - Introdução em português Future Fit Benchmark - Introdução em português
Future Fit Benchmark - Introdução em português
 
O Boticário - Sustentabilidade nos Negócios
O Boticário - Sustentabilidade nos NegóciosO Boticário - Sustentabilidade nos Negócios
O Boticário - Sustentabilidade nos Negócios
 

Unilever, stakeholders e criação de valor compartilhado

  • 1. Unilever, stakeholders e criação de valor compartilhado Como a Unilever introduziu a responsabilidade social em sua governaça para criação de valor compartilhado , reverteu sua imagem projetada negativamente pelo Greenpeace e se tornou uma referência mundial em boas práticas na cadeia produtiva. Cristiana Menezes Fonseca Ramos e Mônica Lyra UFRJ – Instituto de Economia Turma EGS 22 – Março/2012
  • 2. Teoria Stakeholder Segundo estudo de Freeman e MCVEA, 2000, esta expressão foi usada pela primeira vez no campo da Administração no Instituto de Pesquisa de Stanford (Stanford Research Institute – SRI) em 1963. A idéia inicial era designar “todos os grupos sem os quais a empresa deixaria de existir”. Fonte: FREEMAN, R. E.; McVEA, J. A stakeholder approach to strategic management. In: HITT, M.; FREEMAN, E.; HARRISON, J. Handbook of strategic management. Oxford: Blackwell Publishing, 2000. p. 189-207.
  • 3. A empresa não deve pautar-se apenas no interesse dos acionistas/proprietários porque ela está situada dentro de um sistema maior chamado sociedade, e por isso tem que incorporar uma visão sociológica e política à sua gestão. Durante o processo de tomada de decisão de uma empresa existem muitos componentes desta sociedade na qual ela está inserida que devem ser levados em consideração:
  • 4. “Organismos governamentais, grupos políticos , ONGs, associações de empresas, sindicatos, associações de consumidores, potenciais empregados, potenciais clientes, as comunidades e até mesmo as empresas competidoras”. (FREEMAN,1984)
  • 5. Valores são uma parte necessária e explícita dos negócios. O papel dos gestores é articular os sentimentos que estes valores criam e trazer, continuamente para esse processo, os principais stakeholders. É necessário clareza por parte dos gestores no como eles querem fazer negócio e, mais especificamente, que tipo de relações eles querem e precisam criar em conjunto com as partes interessadas para cumprir a finalidade da empresa. Fonte:FREEMAN,R.E; WICKS, A.C; PARMAR,B. A stakeholder Theory and “The Corporate Objetive Revisited”, Organization Science, vol.15, n°3, may-june – 2004 pp 364-369.
  • 6. Valores Sustentáveis Cultura corporativa ética - Companhias pautadas por princípios têm maior probabilidade de conseguir que seus próprios negócios sejam rentáveis e sustentáveis. “A forma como se comunica, trabalha, se relaciona com os outros, toma decisões e mantém coerência em suas ações constitui sua fonte duradoura de vantagem competitiva.” Fonte: SEIDMAN, D. A Vantagem dos Valores, Direto ao Ponto, HSM Management, São Paulo, Novembro-Dezembro, 2011, pp 21
  • 7. Tipos de valores adotados na gestão empresarial e seus resultados Situacionais : as relações impulsionadas por valores situacionais envolvem cálculos sobre o que está disponível aqui e agora. A preocupação é explorar oportunidades de curto prazo e não a viver coerentemente com os princípios que sustentam o sucesso a longo prazo. Sustentáveis: estão vinculados ao que devemos fazer e não ao que podemos fazer e , por conseqüência, apóiam as relações ao longo do tempo. Transparência, integridade, honestidade, verdade, responsabilidade compartilhada e esperança são valores que nos conectam profundamente e formam uma fonte de motivação da liderança inspiradora. Fonte: SEIDMAN, D. A Vantagem dos Valores, Direto ao Ponto, HSM Management, São Paulo, Novembro-Dezembro, 2011, pp 21
  • 8. Criação de valor compartilhado “ ... A maioria das empresas continua presa a uma mentalidade de ‘responsabilidade social’ na qual questões sociais estão na periferia, e não no centro. A solução está no princípio do valor compartilhado, que envolve a geração de valor econômico de forma a criar também valor para a sociedade (com o enfrentamento de suas necessidades e desafios). É preciso reconectar o sucesso da empresa ao progresso social...” Fonte: PORTER,M.E; KRAMER, M.R. Valor Compartilhado – como Reinventar o Capitalismo – e Desencadear uma Onde de Inovação e Crescimento, Harvard Bussines Rewiew, São Paulo, Janeiro de 2011, pp 16 – 32.
  • 9. Três grandes saídas para a empresa criar valor compartilhado segundo Porter : Fonte: PORTER,M.E; KRAMER, M.R. Valor Compartilhado – como Reinventar o Capitalismo – e Desencadear uma Onde de Inovação e Crescimento, Harvard Bussines Rewiew, São Paulo, Janeiro de 2011, pp 19 .
  • 10. Caso Unilever Em 2008, a Unilever virou um exemplo mundial de empresa com práticas irresponsáveis. Naquela oportunidade o Greenpeace fez uma denúncia, através de campanha publicitária, na qual informava que, por ser a maior compradora mundial de óleo de palma, a Unilever, estava impulsionando a destruição das florestas da Indonésia, levando espécies inteiras à extinção e acelerando o aquecimento global.
  • 11. “Devastar florestas tropicais para fazer sabonetes e outros produtos é errado. Você irá salvar as florestas agora, ou irá continuar destruindo-as? 98% das florestas estarão devastadas quando Azizah estiver com 25 anos. Estas florestas são destruídas para fazer o óleo usado nos produtos Dove. Fale com a Dove antes que seja tarde.”
  • 12. “Temos que construir as atividades de um jeito que sustente nossas metas a longo prazo.” Píer Luigi Sigismondi Diretor da cadeia de suprimentos da Unilever
  • 13. Como a Unilever transformou uma crise com seus stakeholders em um desafio para inovação e criação de valor compartilhado 1- Plano de Sustentabilidade da Unilever – Elaborou um plano alinhado com os objetivos acordados internacionalmente, Metas de Desenvolvimento do Milênio e os compromissos internacionais sobre mudança climática. Plano>Meta>indicador – tudo registrado e mensurado. Relatório anual, checado externamente ( GRI A + ). 2 - Governança – Trouxe a RSC para dentro da gestão estratégica. Criou um ‘Comitê de Diretores para Responsabilidade e Reputação Corporativa’, liderado diretamente pelo CEO da Unilever. Cada um dos elementos principais do plano é liderado por um executivo responsável por atingir as metas até as respectivas datas previstas. Este plano é revisto trimestralmente. .
  • 14. • 3 – Revisão e consulta - Foi criado um grupo externo composto por cinco especialistas em responsabilidade e sustentabilidade coorporativa para instruir e criticar de forma contínua o andar da estratégia do desenvolvimento sustentável da Unilever. A Unilever vai também estabelecer mecanismos internacionais,em níveis nacional e regional, para buscar opiniões de uma ampla gama de acionistas, e rever periodicamente o Plano, levando em consideração suas observações e fatores externos. Em 2010 pela primeira vez, a empresa lança relatório A+, o mais alto nível de aplicação do GRI - Global Reporting Initiative Fonte: http://www.unileversustentabilidade.com.br/ relatorios/todos-os-relatorios/relatorio-2010/
  • 15. O Plano de Sustentabilidade da Unilever: Espera alcançar três resultados significativos até 2020: 1. Ajudar mais de um bilhão de pessoas a tomar iniciativas para melhorar sua saúde e bem-estar; 2. Vincular seu crescimento à redução do impacto ambiental, obtendo reduções absolutas na vida útil do produto. Sua meta é reduzir pela metade a pegada ambiental da fabricação e da utilização dos seus produtos; 3. Melhorar as condições de vida e trabalho de milhares de pessoas que fazem parte da sua cadeia de fornecimento;
  • 16. Como ela espera alcançar estas metas ? 1 - Melhorando a saúde e o bem-estar:  Saúde e Higiene  Nutrição 2 -Reduzir o impacto ambiental  Gases de efeito estufa  Água  Resíduos  Recurso Sustentável 3 - Melhorando as condições de vida e trabalho  Contribuindo para o Desenvolvimento Socioambiental  Pessoas
  • 18. Reconceber produtos e mercados (Porter 2011) Programas: Educação sanitária, melhorar a saúde bucal, melhorar auto-estima e fornecer água potável. Levar o sabonete Lifeboy para novos mercados onde as crianças possam lavar as mãos com ele pode reduzir em 25% a diarréia, 19% infecções respiratórias, 40% absentismo nas escolas e 43% infecções oculares. Escovar os dentes duas vezes por dia com creme dental com flúor diminui as cáries em 50%. Foi desenvolvido um purificador de água para ser vendido em áreas em desenvolvimento.
  • 20. Reconceber produtos e mercados (Porter 2011) Programas: Melhorar a saúde cardíaca, reduzir os níveis de sal , gordura saturada, açucar e calorias, remover a gordura trans, fornecer informações sobre alimentação saudável. Novos produtos para um grupo de consumidores ( mercado ) cada vez mais exigente e ao mesmo tempo promovendo educação alimentar para quem precisa.
  • 21. Contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico
  • 22. Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos produtos e mercados, fomentar o desenvolvimento de cluster locais ( Porter 2111 ) Programas: ajudando pequenos produtores rurais e apoiando microempresários ( projeto Shakit ). Futuro, unir pequenos agricultores a rede de abastecimento global. Capacitar pequenos agricultores aumenta a produtividade e gera valor compartilhado. O projeto Shakit gera renda para milhares de mulheres em área rural na Índia (venda direta de produtos de higiêne ), e expande o mercado da Unilever.
  • 24. Criação de Valor Compartilhado (Porter 2011) • Um local de trabalho com práticas justas e uma política de bem- estar gera valor compartilhado para as pessoas e para a empresa com diminuição de faltas, acidentes etc. • Uma empresa que usa o mínimo de recursos naturais possíveis impacta menos o meio ambiente e diminui os custos.
  • 25. Gases Efeito Estufa EX: Qual o impacto de CEE quando o consumidor bebe uma xícara de chá ?MATERIAS PRIMAS+FABRICAÇÃO+TRANSPORTE+ USO DO CONSUMIDOR+ DESCARTE
  • 26. Redefinir a produtividade na cadeia produtiva (Porter 2011) • Programas : Reduzir GEE proveniente dos produtos para limpeza de pele, dos produtos para cabelos, da lavagem de roupas, da refrigeração, dos processos de fabricação e do transporte de produtos. Bom para os custos da empresa e para o meio- ambiente, para a civilização.
  • 27. Água EX: água necessária para a lavagem de um cabelo com xampu. ÁGUA USADA EM MATERIAS PRIMAS+ÁGUA QUE ADICIONAMOS AO PRODUTO+ ÁGUA UTILIZADA PELOS CONSUMIDORES EM PAÍSES COM ESCASSEZ
  • 28. Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos produtos e mercados, fomentar o desenvolvimento de cluster locais ( Porter 2111 ) Programas : Reduzir o uso de água na agricultura, no processo de lavagem de roupas e no processo de fabricação da Unilever. Na agricultura fortalece cluster locais, na fabricação cria eficiência no uso de recursos naturais, reduz custos, na lavagem de roupas cria produtos inovadores e acesso a mercados com escassez de água ( metade da população mundial ).
  • 29. Resíduos EX: utilização por consumidor - O RESÍDUO ASSOCIADO A UMA PORÇÃO DE SOPA EMBALAGEM PRIMÁRIA+EMBALAGEM TRANSPORTE+SOBRA DE PRODUTOS-ÍNDICE NACIONAL DOS MATERIAIS RECICLADOS E REUTILIZADOS/ESTIMATIVAS
  • 30. Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos produtos e mercados( Porter 2111 ) Programas : reduzir, reutilizar e reciclar embalagens, reduzir os resíduos de fabricação, cuidar dos resíduos de sachê e eliminar PVC. Reduzir, redesenhar, mudar materiais, dispensar o supérfluo diminui custos matérias primas e diminui o impacto do descarte. Promove inovação no produto e aumenta a produtividade.
  • 32. Redefinir a produtividade na cadeia produtiva, reconceber novos produtos e mercados, fomentar o desenvolvimento de cluster locais ( Porter 2111 ) Programas : óleo de palma, chá, soja, frutas, vegetais, cacau, açucar, óleo de girassol, de canola, produtos lácteos, certificados ou de fontes sustentáveis, ovos de galinhas criadas em liberdade e todos os ingredientes do sorvete Bem&Jerry’s com certificação fairtrade. No programa do chá ( maior volume de compras da Unilever – 12% da produção mundial ) já existe valor compartilhado pois o aumento da produtividade proporcionou ganhos para a Unilever e para os produtores.
  • 33. x O tamanho do desafio para se implementar uma cadeia de suprimentos responsável: - 170 milhões de produtos vendidos por ano - em 180 países - 150 mil fornecedores de matéria prima - 250 fábricas É preciso quase 1,4 milhão de ovos de 125 mil galinhas criadas sem gaiolas, para produzir os 30 milhões de potes de maionese Hellman’s Light vendidos só na América do Norte.
  • 34. Como a Unilever começou este processo ?
  • 35. No caso específico do óleo de palma  Consumo anual de 1,4 milhões de toneladas ou 3% de toda produção anual.  Em 2011: mais da metade deste total veio de fornecedores certificados;  Até 2015 a meta é estar usando apenas óleo de palma sustentável.
  • 36. Substituindo enfrentamento por colaboração  Hoje é comum ver a Unilever trabalhando em colaboração com governos e ONGs a fim de garantir que a cadeia de suprimentos esteja seguindo as melhores práticas. “É impossível fazer isso tudo individualmente” Píer Luigi Sigismondi – Diretor da cadeia de suprimentos da Unilever.  Hoje quando o Greenpeace expõe problemas em certos produtores de óleo de palma, a Unilever reage cancelando contratos.
  • 37. Unilever 2011 Exemplo mundial de responsabilidade na cadeia de suprimento Para a matéria “É difícil ser do bem – mas vale a pena .” Harvard Bussiness Review, de novembro de 2011, cinco especialistas elegeram as cinco empresas cujo sucesso dos negócios é fundado em práticas responsáveis. A Unilever foi escolhida por sua responsabilidade na cadeia de suprimento.
  • 38. “Não será fácil cumprir estes compromissos do plano de sustentabilidade da Unilever. Para alcançá-los, teremos que trabalhar em parceria com governos, ONGs, fornecedores e outros, para enfrentarmos os grandes desafios que nos esperam.” Paul Polman (CEO Unilever )
  • 40. Anexos com o detalhamento dos programas desenvolvidos pela Unilever para alcançar as metas do seu plano de sustentabilidade. ( Não apresentados durante nossa exposição oral )
  • 41. Saúde e Higiene 1 - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO SANITÁRIA - 130 milhões de pessoas desde 2002. Quando as crianças lavam as mãos com Lifebuoy a diarréia é reduzida em 25%, as infecções respiratórias agudas 19%, absentismo nas escolas 40% e infecções oculares 43% 2 – MELHORAR A SAÚDE BUCAL- incentivar 50 mil pessoas a escovarem os dentes duas vezes por dia com creme dental com flúor diminui a incidência de carie em 50% 3 - MELHORAR A AUTO-ESTIMA através de programas educacionais- marca Dove- meta é ajudar 15 mil jovens até 2015. 4 – FORNECER ÁGUA POTÁVEL – tornar disponível água potável para 500 milhões de pessoas até 2020, por meio do purificador de água Pureit.
  • 42. Nutrição 1 - MELHORAR A SAÚDE CARDÍACA- ferramenta desenvolvida para os consumidores poderem reduzir em 3 anos as idades cardíacas – MARCAS Flora e Becel 2 – REDUZINDO OS NÍVEIS DE SAL – Já reduziram a quantidade de sal mas a meta é até 2015 , reduzir mais 15 a 20%, em média, para cumprir a meta de 5 gramas de sal por dia. 3 – REDUZINDO A GORDURA SATURADA – aumentando os níveis de gorduras essenciais. Maioneses e margarinas com menos 33% de gordura saturada e uma porção diária fornecendo 15% dos ácidos graxos essenciais recomendados internacionalmente. 4 – REMOVER A GORDURA TRANS – até o final deste ano tos os produtos serão livres de gordura trans.
  • 43. 5 – REDUZIR AÇUCAR – Já reduziram o açúcar nos chás prontos e vão reduzir mais 25% até 2020. 6 – REDUZIR CALORIAS – Até 2014 todos os sorvetes terão 110 calorias ou menos por porção. 60% da produção atingirá esta meta até o final deste ano. 7 – FORNECER INFORMAÇÕES SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL – todas as embalagens trarão informações nutricionais completas na embalagem. Na parte frontal o valor energético por porção e a indicação dos 8 nutrientes essenciais. A porcentagem das Recomendações Diárias Recomendadas (GDA) para os cinco nutrientes virá na parte de trás da embalagem.
  • 44. Gases de efeito estufa 1 – REDUZIR GEE PROVENIENTE DOS PRODUTOS PARA LIMPEZA DE PELE E DOS PRODUTOS PARA CABELOS – até 2015 pretendem alcançar 200 milhões de consumidores com produtos e ferramentas que irão ajudá-los a reduzir suas emisssões de GEE ao lavar roupas ou tomar banho. Querem chegar a 400 milhões até 2020. 2 – REDUZIR O GEE PROVENIENTE DA LAVAGEM DE ROUPAS – Concentrando os líquidos e compactando os produtos em pó. Reformulando os produtos para reduzir as emissões em 15% até o final deste ano. Incentivando os consumidores a lavarem roupas em baixa temperatura e na dosagem correta em 70% das lavagens à máquina até 2010. 3 – REDUZIR O GEE DA REFRIGERAÇÃO – implantação de refrigeradores de hidrocarbonetos, já tem 450.mil e mais 850 mil serão adquiridos até 2015.
  • 45. 4 - REDUZIR O GEE PROVENIENTE DA FABRICAÇÃO - Até 2020 as emissões de CO² nas fábricas serão iguais as de 2008 mas com volumes de produção muito maiores. Redução de 63% por tonelada de produção e uma redução absoluta de 43% ( versus o patamar de 1995). Dobrar a utilização de energia renovável , para 40% da necessidade total até 2020. Até atingir 100%. O objetivo de todas as 250 fábricas é ter menos metade do impacto atual. 5 – REDUZIR O GEE DO TRANSPORTE – em 2020 as emissões de CO² da rede logística será menor ou igual a de 2010 com volumes significativamente maiores. Isso vai representar uma melhoria de 40% na produtividade de CO². Reduzindo a quilometragem dos caminhões, veículos com emissões mais baixas, transporte alternativos, e melhorando a eficiência energética dos armazens.
  • 46. Água 1 – REDUZIR O USO DE ÁGUA NA AGRICULTURA – Desenvolvendo planos com fornecedores e parceiros 2 – REDUZIR O USO DE ÁGUA NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS Disponibilizando amplamente produtos de enxágüe fácil e detergente que ofereça excelente limpeza. Meta 2020. 3 – REDUZIR O USO DA ÁGUA NO PROCESSO DE FABRICAÇÃO - Mesma captação de água em 2020 igual a 2008. Redução de 78% por tonelada de produção e 65% de redução absoluta(versus 1995). Todas as novas fábricas terão como objetivo captar metade da água das fábricas atuais.
  • 47. Resíduos 1 – REDUZIR EMBALAGEM – Até 2020 reduzir um terço do peso das embalagens. Materiais mais leves, otimizando o design da estrutura e do material, eliminando embalagens desnecessárias, produtos mais concentrados. 2 - REUTILIZAR EMBALAGEM – fornecendo refis 3 – RECICLAR EMBALAGEM – estabelecer parcerias para aumentar a reciclagem, 5% em 2015 e 15% em 2020. Utilizar materiais que se adequam as instalações de tratamento final de resíduos e até 2020 aumentar o material reciclavel das embalgens até o limite máximo. 4 – REDUZIR OS RESÍDUOS DA FABRICAÇÃO – a quantidade de resíduos envidos para eliminação em 2020 será igual a 2008. Uma redução de 80% por tonelada e 70% de uma redução absoluta( 1995). 5 – CUIDAR DOS RESÍDUOS DE SACHE – modelo de negócio sustentável para manipulação do fluxo de resíduos dos saches. 6 – ELIMINAR PVC – Eliminar todo o PVC de todas as embalagens até o final deste ano.
  • 48. Fontes sustentáveis 1 – ÓLEO DE PALMA - ATÉ 2015 TODO ELE VIRÁ DE FONTES SUSTENTÁVEIS CERTIFICADAS 2 – PAPEL E PAPELÃO SUSTENTÁVEL – ATÉ 2015, 75% DO PAPEL E PAPELÃO PARA EMBALAGENS VIRÃO DE FLORESTAS MANEJADAS DE FORMA SUSTENTÁVEL OU MATERIAIS RECICLADOS. SERÁ 100% EM 2020. 3 – SOJA SUSTENTÁVEL – TODA A SOJA SERÁ PRODUZIDA DE FORMA SUSTENTÁVEL ATÉ 2014, E O ÓLEO DE SOJA ATÉ 2020. 4 – CHÁ SUSTENTÁVEL – ATÉ 2015 OS CHÁS DA LIPTON PROVENIENTES DE FONTES CERTIFICADAS Rainforest Alliance Certified. ATÉ 2020, 100% DOS CHÁS DA UNILEVER SUSTENTÁVEIS, ATÉ A GRANEL 5 – FRUTAS E VEGETAIS SUSTENTÁVEIS – 100% DAS FRUTAS VIRÃO DE FONTES SUSTENTÁVEIS ATÉ 2015. 50% DOS 13 VEGETAIS QUE USAM ( INCLUINDO ERVAS) VIRÃO DE FONTES SUSTENTÁVEIS ATÉ 2012. ATÉ 2015 ESTA TAXA SERÁ DE 100%. REPRESENTANDO 80% DO VOLUME GLOBAL DA UNILEVER
  • 49. 6 – CACAU SUSTENTÁVEL – O CACAU DO SORVETE MAGNUN VIRÁ DE FONTES SUSTENTÁVEIS ATÉ 2015 E TODOS OS DERIVADOS SO CACAU SERÃO OBTIDOS DE FORMA SUSTENTÁVEL ATÉ 2020. 7 – AÇUCAR, ÓLEO DE GIRASSOL, ÓLEO DE CANOLA E PRODUTOS LÁCTEOS SUSTENTÁVEIS – TODAS ESTAS MATÉRIAS PRIMAS SERÃO OBTIDAS DE FORMA SUSTENTÁVEL ATÉ 2020 8 – FAIRTRADE DO SORVETE BEM&JERRY’S – TODOS OS INGREDIENTES DESTE PRODUTO QUE PODEM SER OBTIDOS ATRAVÉS DE FAIRTRADE SERÃO CERTIFICADOS ATÉ 2013. 9 – OVOS DE GALINHAS CRIADAS EM LIBERDADE(FORA DE GAIOLAS) – NOSSO OBJETIVO É UTILIZAR SOMENTE OVOS DE GALINHAS CRIADAS EM LIBERDADE
  • 50. Contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico 1 – AJUDANDO PEQUENOS AGRICULTORES – unir 50 mil na sua rede de abastecimento. Ajudar a melhorar as prática agrículas para torná-las capazes de competir no mercado global. 2 – APOIANDO MICROEMPRESÁRIOS – Shakti, operação de venda porta-a- porta na India gera trabalho para as comunidades pobres. 45mil pessoas em 2010 para meta de 75 mil em 2015. Sistemas semelhantes estão sendo implantados em Bangladesh, Sri Lanka e Vietnã. 3 – DESAFIOS FUTUROS – A ambição da Unilever é unir pequenos agricultores a rede de abastecimento global. Para este fim iniciaram um programa com a Oxfam no Azerbaijão e em seguida irão atuar na África subsaariana.
  • 51. Pessoas > Metas: 1 - Reduzir as doenças e os acidentes de trabalho. Até 2020 reduzirão a taxa de freqüência de acidentes registrados nas fábricas e escritórios em até 50%, comparado com o ano de 2008. 2 – Melhorar a saúde e a nutrição dos funcionários. Programa Lamplighter, melhora nutrição, capacidade física e resistência mental dos funcionários. Já funciona em 38 países e impacta mais de 35mil pessoas. 3 – DIMINUIR O NÚMERO DE VIAGENS – Instalações avançadas de vídeo conferência para facilitar a comunicação e diminuir as viagens. A rede já abrange 30 países. 4 – REDUZIR O CONSUMO DE ENERGIA NOS ESCRITÓRIOS – Até 2020 vão reduzir pela metade a energia elétrica (kWh) gasta por ocupante nos escritórios em 21 países de maior abrangência, comparado com 2010. 5 – REDUZIR LIXO PRODUZIDO NOS ESCRITÓRIOS – Nos escritórios localizados em 21 países onde tem maior abrangência: 90% do lixo será será reutilizado, reciclado ou recuperado até 2015 e , até 2017 não haverá mais lixo para ser enviado aos aterros. O consumo por pessoa de papel será reduzido em 30%. Até 2015,quando for admissível e legalmente possível, eliminaremos o uso de papel no faturamento, relatorios financeiros etc. 6 – ADQUIRIR MATERIAIS DE ESCRITÓRIO DE FONTES SUSTENTÁVEIS – Todo o papel, até 2013, virá de fontes certificadas ou recicladas.
  • 52. Fontes: - DEARD, A.;HORNIK,R. É difícil ser do bem , Harvard Bussines Reveiw, São Paulo, Novembro,2011, pp 48-55. - Greenpeace x Dove - http://www.greenpeace.org/international/en/campaigns/forests/asia-pacific/dove-palmoil-action - FREEMAN,R.E. Strategic Management: A stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984. - FREEMAN, R. E.; McVEA, J. - A stakeholder approach to strategic management. In: HITT, M.; FREEMAN, E.; HARRISON, J. Handbook of strategic management. Oxford: Blackwell Publishing, 2000. - FREEMAN,R.E; WICKS, A.C; PARMAR,B. A stakeholder Theory and “The Corporate Objetive Revisited”, Organization Science, vol.15, n°3, may-june , 2004. - SEIDMAN, D.- A Vantagem dos Valores, Direto ao Ponto, HSM Management, São Paulo, Novembro-Dezembro, 2011, pp 21e 22. - PORTER, M. & KRAMER, M. – Strategy & Society: The link between Competitive Advantage and Corporate Social Responsibility – Harvard Business Review (2006) - PORTER M. & KRAMER, M. – The Competitive Advantage of Corporate Philanthropy – Harvard Business Review (2002) - PORTER,M.E; KRAMER, M.R. Valor Compartilhado – como Reinventar o Capitalismo – e Desencadear uma Onde de Inovação e Crescimento, Harvard Bussines Rewiew, São Paulo, Janeiro de 2011, pp 16 – 32. - PORTER, M.E. A estratégia e a responsabilidade social , HSM Global, Agosto, 2008 (“Strategy and Society” (Harvard Business Review, Dec. 2006); “The Competitive Advantage of Corporate Philanthropy” (Harvard Business Review, Dec. 2002); “What is Strategy?” (Harvard Business Review, Nov/Dec 1996); CompetitiveAdvantage (Free Press, 1980); and The Competitive Advantage of Nations (Free Press, 1990).