SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR
By Prof. Cloves Rocha
2019.2
AGENDA
- QUEM SOU e QUEM É VOCÊ?
- CALENDÁRIO ACADÊMICO 2019.2;
- MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO;
- REGRAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA;
- CONTATOS.
Quem Sou...
Cloves Rocha | Agente de Inovação e Transformação
Professor and Researcher at Laureate International Universities and ETE PORTO DIGITAL
Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação (GTI) pelo Centro Universitário Guararapes
(FG).
Mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2017), com
foco em Engenharia de Software e Aplicações WEB.
Doutorando em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2019),
com foco em Gestão de Projetos de Software e Data Mining.
Mais informações
acesse
O que realmente importa...
CALENDÁRIO ACADÊMICO 2019.2
No seu
Autoatendimento…
...mas irei apresentar.
FUNDAMENTOS PARA
CERTIFICAÇÃO TÉCNICA
(66h)
...começamos às 19h+3h
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
a. Aplicar os conceitos da certificação ofertada em situações práticas.
b. Analisar um problema proposto em estudo de caso e apresentar
soluções aplicando os conceitos aprendidos na certificação ofertada
no curso.
● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS
a. Os critérios de avaliação estão explícitos no ambiente virtual de
aprendizagem (Blackboard) da disciplina.
b. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como
rubrica, que confere transparência às expectativas em relação à performance do
estudante. São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua APS
(peso 1) que, é um dos instrumentos avaliativos que compõem a N1.
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
TÉCNICAS DE
PROGRAMAÇÃO
(66h)
...começamos às 19h+3h
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
a. Aplicar os princípios de programação estruturada na resolução de problemas.
b. Utilizar uma linguagem de programação estruturada para implementar sistemas computacionais.
c. Investigar os principais conceitos de programação estruturada tais como ponteiros, alocação
dinâmica de memória, registros e passagem de parâmetros.
d. Analisar a descrição de um problema e identificar quais conceitos de programação estruturada serão
utilizados na implementação de uma solução.
e. Explorar um ambiente integrado de desenvolvimento para dar suporte à implementação de soluções
utilizando uma linguagem de programação estruturada.
f. Aplicar os conceitos de ponteiros e alocação dinâmica de memória em problemas práticos em uma
linguagem de programação estruturada.
● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS
a. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção
conhecido como rubrica, que confere transparência às expectativas em
relação à performance do estudante. São esses padrões que o
professor utilizará ao corrigir sua APS (peso 1) que, é um dos
instrumentos avaliativos que compõem a N1.
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
LÓGICA DE
PROGRAMAÇÃO
(66h)
...começamos às 19h+3h
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
a. Desenvolver a lógica de programação através de uma linguagem de
programação estruturada.
b. Interpretar textos para identificar os componentes básicos visando a criação de
uma solução.
c. Escolher a melhor estrutura e o melhor algoritmo para a solução de um
determinado problema.
d. Conceituar variável, estrutura de decisão, estrutura de repetição, vetor e matriz
no contexto de algoritmos.
e. Avaliar algoritmos utilizando teste de mesa.
f. Implementar algoritmos simples utilizando uma linguagem de programação.
● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS
a. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como
rubrica, que confere transparência às expectativas em relação à performance
do estudante. São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua
APS (peso 1) que, é um dos instrumentos avaliativos que compõem a N1.
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
ENGENHARIA DE
SOFTWARE I
(66h)
...começamos às 19h+3h
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
a. Analisar características, vantagens e desvantagens dos processos de
desenvolvimento de software tradicionais e ágeis.
b. Comparar os diferentes modelos de desenvolvimento
c. Avaliar a aplicação de modelos tradicionais no desenvolvimento de
software.
d. Avaliar a aplicação de modelos ágeis no desenvolvimento de software
e. Analisar o manifesto ágil no contexto de desenvolvimento de software.
f. Aplicar Scrum no desenvolvimento de um software e exemplos de
aplicações.
● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS
a. Os critérios de avaliação estão explícitos no ambiente virtual de
aprendizagem (Blackboard) da disciplina.
b. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como rubrica,
que confere transparência às expectativas em relação à performance do estudante.
São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua APS (peso 1) que, é
um dos instrumentos avaliativos.
MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
● RUBRICA DE AVALIAÇÃO
REGRAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA
?
Dúvidas?
Sentimentos?
Obrigado! Thank you!
Prof. CLOVES ROCHA
Contatos no Linkedin
<?php
print("ACESSO AO MATERIAL");

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de softwareGerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de softwareRoberto Brandini
 
Métricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De SoftwareMétricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De SoftwareLuiz Borba
 
Workshop Gestão de projetos: Da teoria à pratica
Workshop Gestão de projetos: Da teoria à praticaWorkshop Gestão de projetos: Da teoria à pratica
Workshop Gestão de projetos: Da teoria à praticaEli Rodrigues
 
Metodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos ÁgilMetodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos ÁgilPablo Marquesi
 
SCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetos
SCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetosSCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetos
SCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetosGUGP SUCESU-RS
 
Extreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoExtreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoDaniel Brandão
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumIgor Macaubas
 
Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...
Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...
Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...Alejandro Olchik
 
Scrum in a nutshell - business perspective
Scrum in a nutshell - business perspectiveScrum in a nutshell - business perspective
Scrum in a nutshell - business perspectiveMarcos Alves
 
Métodos Ágeis e o PMBOK
Métodos Ágeis e o PMBOKMétodos Ágeis e o PMBOK
Métodos Ágeis e o PMBOKFelipe Plets
 
Gerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshell
Gerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshellGerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshell
Gerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshellDextra
 
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012Alejandro Olchik
 
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de softwareGerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
 
Requisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempoRequisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempo
 
Métricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De SoftwareMétricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De Software
 
Workshop Gestão de projetos: Da teoria à pratica
Workshop Gestão de projetos: Da teoria à praticaWorkshop Gestão de projetos: Da teoria à pratica
Workshop Gestão de projetos: Da teoria à pratica
 
Estrategias Ágeis para testes sob pressão
Estrategias Ágeis para testes sob pressãoEstrategias Ágeis para testes sob pressão
Estrategias Ágeis para testes sob pressão
 
Metodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos ÁgilMetodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
Metodologia de Gerenciamento de Projetos Ágil
 
SCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetos
SCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetosSCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetos
SCRUM e PMBOK unidos no gerenciamento de projetos
 
Extreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoExtreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - Resumo
 
Treinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetosTreinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetos
 
Metodologias Ageis
Metodologias AgeisMetodologias Ageis
Metodologias Ageis
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com Scrum
 
Gestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciaisGestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciais
 
Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...
Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...
Formação de Equipes de Alto Desempenho para Desenvolvimento de Software: O Pa...
 
Extreme Programming
Extreme ProgrammingExtreme Programming
Extreme Programming
 
Scrum in a nutshell - business perspective
Scrum in a nutshell - business perspectiveScrum in a nutshell - business perspective
Scrum in a nutshell - business perspective
 
Métodos Ágeis e o PMBOK
Métodos Ágeis e o PMBOKMétodos Ágeis e o PMBOK
Métodos Ágeis e o PMBOK
 
Gerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshell
Gerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshellGerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshell
Gerando Resultados com Scrum: Scrum in a nutshell
 
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
 
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software 2 - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Metodologias ágeis de desenvolvimento
Metodologias ágeis de desenvolvimento Metodologias ágeis de desenvolvimento
Metodologias ágeis de desenvolvimento
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha

Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE I
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE IApresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE I
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE ICloves da Rocha
 
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE II
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE IIApresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE II
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE IICloves da Rocha
 
Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....
Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....
Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....Cloves da Rocha
 
Algoritmos e-programacao-apostila-completa
Algoritmos e-programacao-apostila-completaAlgoritmos e-programacao-apostila-completa
Algoritmos e-programacao-apostila-completaAssis Alcantara
 
Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...
Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...
Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...Juliano Oliveira
 
T@rget trust curso de planejamento e execução de testes de software
T@rget trust   curso de planejamento e execução de testes de softwareT@rget trust   curso de planejamento e execução de testes de software
T@rget trust curso de planejamento e execução de testes de softwareTargettrust
 
TCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINAL
TCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINALTCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINAL
TCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINALAndre Luis de Andrade
 
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...Os Fantasmas !
 
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL GPROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL Gjrnavarro
 
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...Adson Wendel
 
Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...
Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...
Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...Ana Pavan
 
Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo?
Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo? Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo?
Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo? Venícios Gustavo
 
PMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de Projetos
PMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de ProjetosPMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de Projetos
PMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de ProjetosUrique Hoffmann
 
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Murilo Lima
 
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Murilo Lima
 
MPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasMPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasGorio Eduardo
 
Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...
Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...
Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...Erivan de Sena Ramos
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha (20)

Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE I
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE IApresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE I
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE I
 
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE II
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE IIApresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE II
Apresentação do Professor CCO 3 BV - ENGENHARIA DE SOFTWARE II
 
Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....
Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....
Apresentação do Professor MSc Cloves Rocha - PIE - MA | CCO 6 período | 2016....
 
Algoritmos e-programacao-apostila-completa
Algoritmos e-programacao-apostila-completaAlgoritmos e-programacao-apostila-completa
Algoritmos e-programacao-apostila-completa
 
Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...
Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...
Proposta TCC - METODOLOGIA SCRUM APLICADA AOS PROCESSOS DE GERÊNCIA E DESENVO...
 
T@rget trust curso de planejamento e execução de testes de software
T@rget trust   curso de planejamento e execução de testes de softwareT@rget trust   curso de planejamento e execução de testes de software
T@rget trust curso de planejamento e execução de testes de software
 
Syllabus ibqts-atc-nf
Syllabus ibqts-atc-nfSyllabus ibqts-atc-nf
Syllabus ibqts-atc-nf
 
TCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINAL
TCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINALTCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINAL
TCC_CMMI_Projeto_AndreLuisDeAndrade_FINAL
 
Ementa curso de dados
Ementa curso de dadosEmenta curso de dados
Ementa curso de dados
 
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 5º PERÍODO PADRÕES DE PROJE...
 
Tudo são Dados - PHP Conference 2008
Tudo são Dados - PHP Conference 2008Tudo são Dados - PHP Conference 2008
Tudo são Dados - PHP Conference 2008
 
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL GPROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
 
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
 
Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...
Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...
Framework para Integração de Metodologias Ágeis com o Controle Estatístico de...
 
Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo?
Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo? Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo?
Quero ser analista de requisitos ou negócios. Por onde eu começo?
 
PMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de Projetos
PMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de ProjetosPMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de Projetos
PMBOK & RUP - UFAM 2012/2 - Gerência de Projetos
 
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
 
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
Chamada para o Segundo grupo do MPT.Br (Melhoria do Processo de Teste Brasile...
 
MPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasMPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições Aprendidas
 
Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...
Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...
Artigo Um Mapeamento Sistemático sobre Padrões de Software para Reengenharia ...
 

Mais de Cloves da Rocha

Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdfMineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdfCloves da Rocha
 
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresasLive: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresasCloves da Rocha
 
Introdução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na PráticaIntrodução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na PráticaCloves da Rocha
 
II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS Cloves da Rocha
 
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...Cloves da Rocha
 
Introdução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareIntrodução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareCloves da Rocha
 
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertosObservatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertosCloves da Rocha
 
Gestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de NegóciosGestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de NegóciosCloves da Rocha
 
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...Cloves da Rocha
 
Aula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso AtacadãoAula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso AtacadãoCloves da Rocha
 
Café com André Menelau
Café com André MenelauCafé com André Menelau
Café com André MenelauCloves da Rocha
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosCloves da Rocha
 
Principais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITILPrincipais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITILCloves da Rocha
 
Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC Cloves da Rocha
 
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21Cloves da Rocha
 
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do MestreXII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do MestreCloves da Rocha
 
Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a ObjetosPadrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a ObjetosCloves da Rocha
 
XI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do MestreXI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do MestreCloves da Rocha
 
Introdução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareIntrodução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareCloves da Rocha
 

Mais de Cloves da Rocha (20)

Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdfMineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
 
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresasLive: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
 
Introdução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na PráticaIntrodução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na Prática
 
II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS
 
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...
 
Introdução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareIntrodução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de Software
 
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertosObservatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
 
Gestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de NegóciosGestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de Negócios
 
Palestra GEOMARKETING
Palestra GEOMARKETINGPalestra GEOMARKETING
Palestra GEOMARKETING
 
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
 
Aula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso AtacadãoAula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso Atacadão
 
Café com André Menelau
Café com André MenelauCafé com André Menelau
Café com André Menelau
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Principais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITILPrincipais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITIL
 
Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC
 
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
 
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do MestreXII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
 
Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a ObjetosPadrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
 
XI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do MestreXI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do Mestre
 
Introdução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareIntrodução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de Software
 

Último

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha

  • 1. APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR By Prof. Cloves Rocha 2019.2
  • 2. AGENDA - QUEM SOU e QUEM É VOCÊ? - CALENDÁRIO ACADÊMICO 2019.2; - MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO; - REGRAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA; - CONTATOS.
  • 3. Quem Sou... Cloves Rocha | Agente de Inovação e Transformação Professor and Researcher at Laureate International Universities and ETE PORTO DIGITAL Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação (GTI) pelo Centro Universitário Guararapes (FG). Mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2017), com foco em Engenharia de Software e Aplicações WEB. Doutorando em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2019), com foco em Gestão de Projetos de Software e Data Mining. Mais informações acesse
  • 4. O que realmente importa...
  • 5.
  • 6. CALENDÁRIO ACADÊMICO 2019.2 No seu Autoatendimento… ...mas irei apresentar.
  • 8. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO ● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM a. Aplicar os conceitos da certificação ofertada em situações práticas. b. Analisar um problema proposto em estudo de caso e apresentar soluções aplicando os conceitos aprendidos na certificação ofertada no curso. ● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS a. Os critérios de avaliação estão explícitos no ambiente virtual de aprendizagem (Blackboard) da disciplina. b. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como rubrica, que confere transparência às expectativas em relação à performance do estudante. São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua APS (peso 1) que, é um dos instrumentos avaliativos que compõem a N1.
  • 9. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
  • 11. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO ● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM a. Aplicar os princípios de programação estruturada na resolução de problemas. b. Utilizar uma linguagem de programação estruturada para implementar sistemas computacionais. c. Investigar os principais conceitos de programação estruturada tais como ponteiros, alocação dinâmica de memória, registros e passagem de parâmetros. d. Analisar a descrição de um problema e identificar quais conceitos de programação estruturada serão utilizados na implementação de uma solução. e. Explorar um ambiente integrado de desenvolvimento para dar suporte à implementação de soluções utilizando uma linguagem de programação estruturada. f. Aplicar os conceitos de ponteiros e alocação dinâmica de memória em problemas práticos em uma linguagem de programação estruturada. ● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS a. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como rubrica, que confere transparência às expectativas em relação à performance do estudante. São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua APS (peso 1) que, é um dos instrumentos avaliativos que compõem a N1.
  • 12. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
  • 13. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
  • 15. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO ● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM a. Desenvolver a lógica de programação através de uma linguagem de programação estruturada. b. Interpretar textos para identificar os componentes básicos visando a criação de uma solução. c. Escolher a melhor estrutura e o melhor algoritmo para a solução de um determinado problema. d. Conceituar variável, estrutura de decisão, estrutura de repetição, vetor e matriz no contexto de algoritmos. e. Avaliar algoritmos utilizando teste de mesa. f. Implementar algoritmos simples utilizando uma linguagem de programação. ● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS a. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como rubrica, que confere transparência às expectativas em relação à performance do estudante. São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua APS (peso 1) que, é um dos instrumentos avaliativos que compõem a N1.
  • 16. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
  • 17. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO
  • 19. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO ● OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM a. Analisar características, vantagens e desvantagens dos processos de desenvolvimento de software tradicionais e ágeis. b. Comparar os diferentes modelos de desenvolvimento c. Avaliar a aplicação de modelos tradicionais no desenvolvimento de software. d. Avaliar a aplicação de modelos ágeis no desenvolvimento de software e. Analisar o manifesto ágil no contexto de desenvolvimento de software. f. Aplicar Scrum no desenvolvimento de um software e exemplos de aplicações. ● AVALIAÇÃO A SEREM DESENVOLVIDAS a. Os critérios de avaliação estão explícitos no ambiente virtual de aprendizagem (Blackboard) da disciplina. b. A avaliação das APS será baseada em um padrão de correção conhecido como rubrica, que confere transparência às expectativas em relação à performance do estudante. São esses padrões que o professor utilizará ao corrigir sua APS (peso 1) que, é um dos instrumentos avaliativos.
  • 20. MÉTODOS E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO ● RUBRICA DE AVALIAÇÃO
  • 21. REGRAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA ?
  • 22.
  • 23.
  • 24. Dúvidas? Sentimentos? Obrigado! Thank you! Prof. CLOVES ROCHA Contatos no Linkedin <?php print("ACESSO AO MATERIAL");