SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 68
Baixar para ler offline
Kleitor Franklint
Estratégias
Sob
pressão
Ágeis
para Testes
KLEITOR
Entusiasta da Vida,
Qualidade, Ágil, Teste
.. De abordagens...
que descobrem surpresas,
adaptam-se às circunstâncias
e recebem um "wow !" do cliente
kleitor.franklint@gmail.com
br.linkedin.com/in/kfranklint
99416-0873
3
Por que Ágil? pouco tempo, demanda maior que
a capacidade de atendimento, dentre outros. 
4
Agile ALM - Jurgen Appelo
Repensando o saber.
Essencialmente todos os modelos estão errados,
mas alguns são úteis
George E. P. Box
5
Agile!
Agile!!
Agile!!!
6
O que é “Ágil”, Afinal?
 Agil não é metodologia, mas praticas uteis,
principalmente comportamentais
 Agil é adaptativo ao invés de prescritivo
 Agil é orientado a pessoas, não aa processo.
 Maximiza o valor do negócio com processos e
documentação right-sized, just-enough, e just-in-
time
7
just-enough
-Construa só o necessário
just-in-time
-Parar se der errado
-Entregue o mais rápido possível
right-sized
Elimine tarefas que não gerem valor– Kaizen
Modelo colaborativo
-Visão do time mais importante que a individual
-Toda visão individual precisa ser avalida
-Utilização máxima de esforço intelectual
-Confiança, responsabilidade, autoridade e autonomia
8
• Forneça continuo feedback
• Entregue valor ao cliente (agregar valor ao produto)
• Habilite a comunicação face a face
• Tenha coragem
• Mantenha as coisas simples
• Pratique a melhoria continua (Kaizen)
• Responda às mudanças
• Organize-se
• Aproveite ( enjoy )
Dez princípios para testadores ágeis
“Agile Testing”, Crispin & Gregory
9
Mundo Ágil e produtividade
Um estudo independente feito com amostras de mais de 8.000
projetos mostrou que equipes ágeis são, em média, 25% mais
produtivas do que seus pares da indústria.
http://www.deltamatrix.com/why-are-agile-teams-25-more-productive
10
Lean, Agile at all
Garantia da qualidade: prevenção
x
Controle da qualidade: detecção
Kentô: planeje com cuidado
execute com precisão
http://www.slideshare.net/barbaracabral/lean-software-testing
11
Orientado a valor.
Valor pra quem? Clientes, stakeholders, time at all
Necessidade gera valor
Cliente puxa a produção.. Não empurrar o produto que o
cliente não quer
Lean, Agile at all
http://www.slideshare.net/barbaracabral/lean-software-testing
12
Seja um
testador!!!
-Simples verificação deve ser automatizada
-Testadores fazem trabalho que computadores não podem fazer:
coisas como teste exploratório ou testes de usabilidade
-Defensores do cliente
- Não seja um checador, seja um testador
13
KISS, MAB e MVP:
Como, quando e porquê?
14
KISS - Keep It Simple, Stupid
-Simplicidade é o objetivo do planejamento e do design. --Evite
complexidade desnecessária
-Fazer a coisa mais simples possível.
-Se quiser inventar que seja pra simplificar.
DRY: “Don’t Repeat Yourself”:
-Não repita pedaços de código.
- DRY violado = WET
Write Everything Twice ou We Enjoy Typing.
YAGNI(XP)
“You Aren’t Gonna Need It”: ... no caso de... ou ..eventualmente
posso precisar
15
MAB
Minimal Acceptable Beurocracy
Conheça o MAB antes de
implantar o ágil em seu
time e empresa
16
MVP
Mínimo produto viável
Cliente puxa a produção..
Não empurrar o produto
que o cliente não quer
17
Modelagem
Ágil de requisitos
Algumas ferramentas
Mind Maps
User Stories
Exploratórios
18
Testes Exploratórios
sob Pressão!!!
19
Quem precisa deQuem precisa de
ExploratóriosExploratórios??
20
Quem precisa deQuem precisa de
ExploratóriosExploratórios??
21
Teste Exploratório:Teste Exploratório:
CaracterísticasCaracterísticas
Gente, desculpa, ainda
não entendi o que é
teste exploratório
Gente, desculpa, ainda
não entendi o que é
teste exploratório
Essa é fácil!!! Design,
execução e
aprendizagem ao
mesmo tempo
Essa é fácil!!! Design,
execução e
aprendizagem ao
mesmo tempo
Deixa comigo!!! Seus
elementos são três..
Deixa comigo!!! Seus
elementos são três..
James Bach’s 2003 paper, “Exploratory Testing Explained.”
“Exploratory testing is simultaneous learning, test design, and test execution.”
É estruturado. Não é
“Testa eah!”
É estruturado. Não é
“Testa eah!”
Seu ponto de partida
são ideias, propósitos e
missão definidas
Seu ponto de partida
são ideias, propósitos e
missão definidas
identificar riscos críticos,
necessidades e fatores
de qualidade
identificar riscos críticos,
necessidades e fatores
de qualidade
Porque o objetivo é
agregar valor ao
produto
Porque o objetivo é
agregar valor ao
produto
Por quê?Por quê?
22
Por que usar Exploratorios?Por que usar Exploratorios?
Software perfeito e outras ilusõesSoftware perfeito e outras ilusões
Não consigo cobrir
com antecedência
todas as condições
Não consigo cobrir
com antecedência
todas as condições
...e é muita coisa que
leva tempo!
configurações,
interações, execução,
sumarização... rsrs
...e é muita coisa que
leva tempo!
configurações,
interações, execução,
sumarização... rsrs
...e o conhecimento?!
dados, cenários,
configurações... nem se
fala!
...e o conhecimento?!
dados, cenários,
configurações... nem se
fala!
...e nem todas
condições são úteis de
serem cobertas
...e nem todas
condições são úteis de
serem cobertas
23
Por que usar Exploratorios?Por que usar Exploratorios?
Respondendo a questões críticasRespondendo a questões críticas
O que de pior pode
ocorrer?
O que de pior pode
ocorrer?
Quais outros riscos não
foram identificados?
Quais outros riscos não
foram identificados? Gostei! Rsrs
E se...
Gostei! Rsrs
E se... Que rica esta sessão de
questões críticas!
Que rica esta sessão de
questões críticas!
O vídeo de basketO vídeo de basket
24
Aprendizagem e design de teste
O crucial
25
Turismo bem orientado:
Cartas de Expedição, Cartas de Teste, Cartas de Navegação, Charters
Uma carta pode ser dividida em três partes:
•O que explorar
•Que recursos utilizar
•Que informações descobrir quando explorar
Explorar: _________(Destino)____________
Com: _________( Recursos)______________
Para descobrir:____( Informação)_________
Template de carta de expedição
26
Cartas de Expedição: exemplos
Explorar: _a tela de autenticação____
Com: __inputs que indiquem usuário inválido_
Para descobrir:___falhas de segurança_____
Fonte imagem: http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/leitores-de-
impressoes-digitais-sao-muito-faceis-de-enganar-diz-pesquisador/
Imagine um sistema de biometria que solicita a digital do
polegar para fornecer acesso ao sistema.
Foco: Escopo segurança:
Explorar a tela de login com inputs que indiquem
usuário inválido para descobrir surpresas
Foco: Escopo multidisciplinar
27
Cartas de Expedição: contra-exemplos
Explorar a edição de dados funcionais de
funcionários com salário > 800 para descobrir
quem trabalha a mais de um ano.
Não é uma carta, mas um caso de teste estranhamente redigido.
Uma boa carta oferece direção
sem sobre-especificar as ações, mas com foco.
Não
precisou do
“com” ?
28
Atividade 1- Explorar carta de teste
Escreva uma carta
de teste que
explore a tela de
login
29
Fonte de inspiração para Cartas
Quando explorar
Vc faz parte!
Discussões de requisitos
Quem sabe fará parte
Apresentação de um produto
Vc ficou de fora!
Analise de artefatos
30
Técnicas Exploratórias- Como explorar
Jogos de
catástrofes
Modelos de estado,
Técnica de relações,
CRUD, QQC,
Comportamento padrão
Técnica
de turismo
Session Based e
de Reconhecimento
Persona
Não são
sequenciais
31
• E se... O que de pior pode ocorrer? O que pode
comprometer?
• E se a primeira camada de segurança quebrar?
• E se eu mudar um parâmetro da requisição e o captha não
impedir um DOS?
• E se eu testar este trecho de funcionalidade, o que ocorre?
• O que acontece se eu...
Onde ( o que ) : Riscos
Técnica de Jogos de catástrofes
32
Onde ( o que ) : Riscos
Atividade 2-Jogos de catástrofes
Explore a tela de login com jogos de
catástrofes para descobrir riscos que
comprometam a segurança do produto.
33
Mind Maps
-Começe com um alvo base
-Estratégias: top down e bottom up
-Deixe as ideias explodirem
-Planeje: KISS at all
-Recall da conversation
34
Mind Maps- Atividade
Crie um mind map para um sistema
de passagens aéreas.
http://www.wikihow.com/Make-a-Mind-Map#/Image:Make-a-Mind-Map-Step-6-
Version-2.jpg
Sessões de 5 minutos:
Reconhecimento, exploração
35
User stories
Sob Pressão
Usando 3C
-Card
-Conversation
-Confirmation
"User Stories… Unleashed"; Mike Turner, Sean Hurst, Ray Jordan
36
Meu reino por
um requisito... E
um aceite!!
Meu reino por
um requisito... E
um aceite!!
Requisitos Ágeis sob pressão
37
User story?
-Descrição escrita usada para descrever cenários de negócios
-Testes que transmitem e documentam os detalhes de um projeto
(confirmação).
"User Stories… Unleashed"; Mike Turner, Sean Hurst, Ray Jordan
38
Não fique obcecado pelo formato
“In order to eu registre
atividade no SGTI
As um usuário válido
I want acesso ao sistema
http://blog.crisp.se/2014/09/25/david-evans/as-a-i-want-so-that-considered-harmful
“As a usuário PRODAM
I want acesso ao SGTI
So that possa registrar minhas
atividades
39
A compra pode ser
paga com cartão
de crédito
Nota: aceitar Visa,
Master Card.
Considere explorar.
-Explore com
Visa e Master
Card (pass / fail)
-Explore com ids
corretos,
incorretos e faltando
Verso
Story
Não fique obcecado pelo formato
40
User stories - Sob Pressão
Usando 3C
Card: para lembrar da conversa
Conversation: onde pegar os detalhes que
não estão no card?
Confirmation: para teste de aceitação.
Pode ser escrito nas costas do card
41
-Enfatizam comunicação verbal ao invés de escrita.
-São compreensíveis pela equipe e cliente
-São ferramentas de desenvolvimento iterativo.
-Encorajam detalhes até que se tenha entendimento do
que realmente precisa.
User stories - Sob Pressão
Usando 3C
-Card
-Conversation
-Confirmation
42
Um caminho…
-Quem é o usuário da feature?
-Esta estória melhora a interação com o usuário?
-O que você quer resolver?
-Por que precisa revolver isso?
Usando 3C
-Card
-Conversation
-Confirmation
User stories - Sob Pressão
Story maps
43
Atividade 3- Escrever user stories
Utilizando seu mind map e o
resultado da exploração. Escreva
cinco user stories para o sistema de
passagens aéreas
44
Estimativas ágeis para
Pressão extrema
45
Projetos de sucesso
- Extraem informação de diferentes fontes e pessoas
- Delicado equilibrio entre time de negócio e time técnico
-Decisões a serem tomadas com o que se tem à mão.
-Tomam decisões durante todo o projeto
46
Nós não sabemos estimar
O problema da espera. Ágil nele!!!
47
Segundo Martin Fowler, não é o projeto que
falha mas a estimativa.
http://martinfowler.com/bliki/WhatIsFailure.html
Sucesso é o ROI!!!
Estimativas ágeis para Pressão extrema
48
1. Productivity index
2. COCOMO, SEER-SIM, SLIM
models
3. Test distribution percentage
4. Test Case Points Analysis
5. FIA (finger in the air) or best
guess
6. Ad-hoc method
7. Experience Based - Analogies
and experts
8. WBS
9. Delphi technique
10.Three-point estimation
(successive calculation)
11.Function points / Test point
Analysis
12.Use case point estimation
method
13.Object Point Estimation
14.Intuição e adivinhação
15.Parkinson’s law
16.Price to win
17.Requirements-Based Testing
18.Padrões e normas da empresa
19.% of project effort or staffing
20.Team estimation sessions
21.Story point sizing
Poker estimation
T-shirt sizing
Nós não sabemos estimar, mesmo com métodos diversos
49
Por que usar estimativa Ágil?
Qual o esforço pra atravessar o universo?
http://www.messagetoeagle.com/interstella
rbeacons.php#.VlEX5uI2O1s
http://www.gospelgifs.com/art_pages_22/no_limit_01.htm
50
Por que usar estimativa Ágil?
Meu reino por uma técnica.. :)
"User Stories… Unleashed"; Mike Turner, Sean Hurst, Ray Jordan
51
Story Points
-Trabalha comparando esforços
-Somos melhores em comparar que em
calcular
52
Story Points e planning poker
-Vários decks com a mesma série
-User story é discutida até ter
suficiente informação
-Análise de esforço inicia
- Cartas para baixo
- Cada player expõe seu ponto de complexidade
- Pontos extremos justificam sua escolha ( simples,
complexo)
- No empate ou no empasse faz mais rodadas
-Tá uniforme? Vai pra próxima estória
O moderador
53
Atividade 4- Estime esforço usando estórias
Usando as estórias estime pontos de
esforço para o projeto do sistema de
Passagem aérea
54
Gestão Àgil:
backlogs e sprints eficazes, time feliz!
KAIZEN
Mapeamento do fluxo de valor: geram, agregam ,
não geram
Fluxo continuo: produzir e distribuir rapidamente
55
Velocidade
Se tudo parece estar sob
controle, você não está indo
rápido o suficiente
Mario Andretti, http://www.goodreads.com/author/show/2115694.Mario_Andretti
56
Dashboards eficazes
Eu amo dashboards
57
-Fácil de ser mantido atualizado pelo time
-Rápida rastreabilidade
-Progresso e valor do produto
-Permite voltar atenção ao que é crítico e tomar
decisões
-Ver o valor do negócio
Dashboards eficazes
Projeto de Layout
58
Atividade 5- Equilibrando cronograma
Faça 2 rodadas de teste exploratório e
atualize o dashboard a cada 30 minutos
59
Quanto tempo para completar
todas as estórias?
-O time não pode trabalhar todas as estórias de uma vez.
-É necessário um método de estimar esforço para completar
todas as estórias=
Pontuação de cada estória x tempo para completá-las.
-Necessário métrica simples, mas realista e flexível para
medir progresso.
A ideia geral é medir o progresso ( pontos) por
período e ajustar o esforço geral das estórias
60
Atividade 6- Equilibrando cronograma
Explore o sistema de passagens aéreas
A partir das estórias criadas.
Ajuste o cronograma e o dashboard a
cada 30 minutos.
Direções:
Status da estória, quanto falta,
dificuldade, boas práticas
61
Quadrantes Ágeis
do jeito fácil
-Teste é uma atividade ou uma fase?
Começo, meio e fim
-Se o seu taskboard tem uma coluna separada pra
teste é uma fase
-Quantas tarefas podem ser feitas antes
das tarefas do desenvolvimento?
-Você acredita que pode prevenir bugs antes
do produto ser escrito?
A IDEIA É SEMPRE PREVENIR AO INVÉS DE CONTROLAR
62
Face de negócio
Face de tecnologia
Suportarotime
Criticaroproduto
Quadrantes Ágeis do jeito fácil
Atividade 7- teste que me vêm à cabeça
63
Quadrantes Ágeis do jeito fácil
Exemplos de testes
“Agile testing”; Samantha Laing and Karen Greaves
64
Faça Daily Scrum: várias e em pé?!
Evite: pouco no inicio e exprimido no final: rever
assim que concluir a tarefa.
Bugs corrigidos assim que eles são
encontrados:
-Reduz o custo da correção. Mais tempo, mais contexto e
menos memória.
-Menos entorno, menos complexidade de código, camadas
e elementos a serem corrigidos
Durante o SPRINT
65
-Gerar reflexão
-Decidir o que fazer
-Encerramento
KAIZEN - Melhoria continua - Retrospectivas
66
KAIZEN - Melhoria continua - Retrospectivas
Preparar o cenário
-Por que estamos nos reunindo?
-Como será a retrospectiva? Qual o objetivo?
-Em que período faremos retrospectivas?
Adquirir Informações
-Equipe compartilha seu ponto de vista sobre
eventos e fatos.
-Atividades e questionamentos
67
Atividade 7- Restrospectivas
Praticar restropectiva do projeto de
Passagens aéreas
68
POSSO COLABORAR COM
MAIS RESPOSTAS?
kleitor.franklint@gmail.com
br.linkedin.com/in/kfranklint
92-99416-0873

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredos
A Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredosA Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredos
A Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredosCarlos Eduardo Polegato
 
21 técnicas para quebra de User Stories para os PO's
21 técnicas para quebra de User Stories para os PO's21 técnicas para quebra de User Stories para os PO's
21 técnicas para quebra de User Stories para os PO'sCarlos Silva Júnior
 
Todas as abordagens de testes dentro do ágil
Todas as abordagens de testes dentro do ágilTodas as abordagens de testes dentro do ágil
Todas as abordagens de testes dentro do ágilElias Nogueira
 
Desig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativaDesig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativaColaborativismo
 
Value proposition canvas v3.0
Value proposition canvas v3.0Value proposition canvas v3.0
Value proposition canvas v3.0DTStartups
 
Exemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitosExemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitosLeandro Rodrigues
 
Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018
Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018
Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018Márcio Darlen Lopes Cavalcante
 
Palestra Gamificação e Storytelling
Palestra Gamificação e StorytellingPalestra Gamificação e Storytelling
Palestra Gamificação e StorytellingHenrique Dezani
 
Gamificação na aprendizagem
Gamificação na aprendizagemGamificação na aprendizagem
Gamificação na aprendizagemfabriciofava
 
Lean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certo
Lean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certoLean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certo
Lean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certoPaulo Caroli
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoMaristela Meireles
 
Briefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicioBriefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicioCíntia Dal Bello
 
STATIK para facilitadores
STATIK para facilitadoresSTATIK para facilitadores
STATIK para facilitadoresNatalia Manha
 
Crazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu time
Crazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu timeCrazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu time
Crazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu timeCarla De Bona
 
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)Mayra de Souza
 

Mais procurados (20)

A Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredos
A Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredosA Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredos
A Arte de Escrever User Stories: Quais são os segredos
 
Prototipagem
PrototipagemPrototipagem
Prototipagem
 
Exemplos de User Stories
Exemplos de User StoriesExemplos de User Stories
Exemplos de User Stories
 
21 técnicas para quebra de User Stories para os PO's
21 técnicas para quebra de User Stories para os PO's21 técnicas para quebra de User Stories para os PO's
21 técnicas para quebra de User Stories para os PO's
 
Ferramenta 70 20-10
Ferramenta 70 20-10Ferramenta 70 20-10
Ferramenta 70 20-10
 
Prototipação
PrototipaçãoPrototipação
Prototipação
 
Todas as abordagens de testes dentro do ágil
Todas as abordagens de testes dentro do ágilTodas as abordagens de testes dentro do ágil
Todas as abordagens de testes dentro do ágil
 
Desig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativaDesig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativa
 
Value proposition canvas v3.0
Value proposition canvas v3.0Value proposition canvas v3.0
Value proposition canvas v3.0
 
Exemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitosExemplo de documento de requisitos
Exemplo de documento de requisitos
 
Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018
Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018
Palestra Gamificação na Educação - Congresso Internacional do IESPES 2018
 
Palestra Gamificação e Storytelling
Palestra Gamificação e StorytellingPalestra Gamificação e Storytelling
Palestra Gamificação e Storytelling
 
Gamificação na aprendizagem
Gamificação na aprendizagemGamificação na aprendizagem
Gamificação na aprendizagem
 
Pós-graduação: Gestão da Inovação 2014 1 (FTEC Porto Alegre)
Pós-graduação: Gestão da Inovação 2014 1 (FTEC Porto Alegre)Pós-graduação: Gestão da Inovação 2014 1 (FTEC Porto Alegre)
Pós-graduação: Gestão da Inovação 2014 1 (FTEC Porto Alegre)
 
Lean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certo
Lean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certoLean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certo
Lean inception: como alinhar pessoas e construir o produto certo
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
 
Briefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicioBriefing de criação exercicio
Briefing de criação exercicio
 
STATIK para facilitadores
STATIK para facilitadoresSTATIK para facilitadores
STATIK para facilitadores
 
Crazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu time
Crazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu timeCrazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu time
Crazy Eights: uma técnica rápida e visual para explorar ideias com seu time
 
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
 

Semelhante a Estrategias Ágeis para testes sob pressão

O que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de UsabilidadeO que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de UsabilidadeGustavo Silveira
 
Quebrando Histórias de Usuário
Quebrando Histórias de UsuárioQuebrando Histórias de Usuário
Quebrando Histórias de UsuárioGiuliano Sposito
 
Palestra agile brazil (versão atualizada)
Palestra agile brazil (versão atualizada)Palestra agile brazil (versão atualizada)
Palestra agile brazil (versão atualizada)Paulo Igor Alves Godinho
 
Os Rumos do Teste de Software
Os Rumos do Teste de SoftwareOs Rumos do Teste de Software
Os Rumos do Teste de Softwareandrevdrodrigues
 
Planejamento de testes em um mundo ágil
Planejamento de testes em um mundo ágilPlanejamento de testes em um mundo ágil
Planejamento de testes em um mundo ágilAriane Izac
 
Curso Scrum e Métodos Ágeis 07
Curso Scrum e Métodos Ágeis 07Curso Scrum e Métodos Ágeis 07
Curso Scrum e Métodos Ágeis 07Luiz Duarte
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Lu Terceiro
 
Adaptacao Ágil para Times de Desenvolvimento
Adaptacao Ágil para Times de DesenvolvimentoAdaptacao Ágil para Times de Desenvolvimento
Adaptacao Ágil para Times de DesenvolvimentoFábio Câmara
 
Ferramentas de resultados lactec
Ferramentas de resultados   lactecFerramentas de resultados   lactec
Ferramentas de resultados lactecAntonio Moreira
 
Falácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste ÁgilFalácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste ÁgilMario Ramos
 
Pesquisa e teste com usuários: modo de usar
Pesquisa e teste com usuários: modo de usarPesquisa e teste com usuários: modo de usar
Pesquisa e teste com usuários: modo de usarPatricia De Cia
 
Testador Tipo T
Testador Tipo TTestador Tipo T
Testador Tipo TGTS-CE
 

Semelhante a Estrategias Ágeis para testes sob pressão (20)

Teste Ágeis para todo o time
Teste Ágeis para todo o timeTeste Ágeis para todo o time
Teste Ágeis para todo o time
 
Requisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempoRequisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempo
 
O que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de UsabilidadeO que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de Usabilidade
 
Não São Apenas Sapatos
Não São Apenas SapatosNão São Apenas Sapatos
Não São Apenas Sapatos
 
Quebrando Histórias de Usuário
Quebrando Histórias de UsuárioQuebrando Histórias de Usuário
Quebrando Histórias de Usuário
 
Palestra agile brazil (versão atualizada)
Palestra agile brazil (versão atualizada)Palestra agile brazil (versão atualizada)
Palestra agile brazil (versão atualizada)
 
Os Rumos do Teste de Software
Os Rumos do Teste de SoftwareOs Rumos do Teste de Software
Os Rumos do Teste de Software
 
Planejamento de testes em um mundo ágil
Planejamento de testes em um mundo ágilPlanejamento de testes em um mundo ágil
Planejamento de testes em um mundo ágil
 
Curso Scrum e Métodos Ágeis 07
Curso Scrum e Métodos Ágeis 07Curso Scrum e Métodos Ágeis 07
Curso Scrum e Métodos Ágeis 07
 
Lean startup
Lean startupLean startup
Lean startup
 
Lean mv ps
Lean mv psLean mv ps
Lean mv ps
 
Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9Transformational Design Thinking - Aula 9
Transformational Design Thinking - Aula 9
 
Adaptacao Ágil para Times de Desenvolvimento
Adaptacao Ágil para Times de DesenvolvimentoAdaptacao Ágil para Times de Desenvolvimento
Adaptacao Ágil para Times de Desenvolvimento
 
Ferramentas de resultados lactec
Ferramentas de resultados   lactecFerramentas de resultados   lactec
Ferramentas de resultados lactec
 
Falácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste ÁgilFalácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
Falácias e outras ilusões sobre Teste Ágil
 
Pesquisa e teste com usuários: modo de usar
Pesquisa e teste com usuários: modo de usarPesquisa e teste com usuários: modo de usar
Pesquisa e teste com usuários: modo de usar
 
Testador Tipo T
Testador Tipo TTestador Tipo T
Testador Tipo T
 
Testador tipo t
Testador tipo tTestador tipo t
Testador tipo t
 
Gp g riscos
Gp   g riscosGp   g riscos
Gp g riscos
 
Test First, TDD e outros Bichos
Test First, TDD e outros BichosTest First, TDD e outros Bichos
Test First, TDD e outros Bichos
 

Mais de Kleitor Franklint Correa Araujo

Automação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégiasAutomação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégiasKleitor Franklint Correa Araujo
 
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentosGestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentosKleitor Franklint Correa Araujo
 

Mais de Kleitor Franklint Correa Araujo (20)

Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projetoMetricas (e previsões) acionáveis de projeto
Metricas (e previsões) acionáveis de projeto
 
Modelagem com historias bem além dos requisitos
Modelagem com historias bem além dos requisitosModelagem com historias bem além dos requisitos
Modelagem com historias bem além dos requisitos
 
Engenharia de software Lean Kanban
Engenharia de software  Lean KanbanEngenharia de software  Lean Kanban
Engenharia de software Lean Kanban
 
Fundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
Fundamentos Gestão de Escopo e QualidadeFundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
Fundamentos Gestão de Escopo e Qualidade
 
MBA em projetos - Gestao Ágil
MBA em projetos - Gestao ÁgilMBA em projetos - Gestao Ágil
MBA em projetos - Gestao Ágil
 
Automação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégiasAutomação de testes - uma introdução sobre estratégias
Automação de testes - uma introdução sobre estratégias
 
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional ScrumPapeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
 
Teste de software gestao e kaizen
Teste de software gestao e kaizenTeste de software gestao e kaizen
Teste de software gestao e kaizen
 
Introdução ao design de teste de software
Introdução ao design de teste de softwareIntrodução ao design de teste de software
Introdução ao design de teste de software
 
Gestao de Projeto com gráfico burndown
Gestao de Projeto com gráfico burndownGestao de Projeto com gráfico burndown
Gestao de Projeto com gráfico burndown
 
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
Teste de segurança do lado servidor - Nível 1
 
Introdução de teste de segurança app web
Introdução de teste de segurança app webIntrodução de teste de segurança app web
Introdução de teste de segurança app web
 
Gestão Agil de tudo - Retrospectivas
Gestão Agil de tudo - RetrospectivasGestão Agil de tudo - Retrospectivas
Gestão Agil de tudo - Retrospectivas
 
Gestao Ágil do Backlog - Taskboards
Gestao Ágil do Backlog - TaskboardsGestao Ágil do Backlog - Taskboards
Gestao Ágil do Backlog - Taskboards
 
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlogGestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
Gestão Ágil de tudo: Planejamento backlog
 
Gestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
Gestao Ágil de Projeto - Reunião DiáriaGestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
Gestao Ágil de Projeto - Reunião Diária
 
Agil - coisas essenciais de sempre
Agil - coisas essenciais de sempreAgil - coisas essenciais de sempre
Agil - coisas essenciais de sempre
 
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentosGestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil -  praticas de fundamentos
Gestão de projeto PMBOK 5 com um Toque Agil - praticas de fundamentos
 
Gestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciaisGestão de projeto- conceitos essenciais
Gestão de projeto- conceitos essenciais
 
Teste de Segurança orientado a valor
Teste de Segurança orientado a valorTeste de Segurança orientado a valor
Teste de Segurança orientado a valor
 

Estrategias Ágeis para testes sob pressão

  • 2. KLEITOR Entusiasta da Vida, Qualidade, Ágil, Teste .. De abordagens... que descobrem surpresas, adaptam-se às circunstâncias e recebem um "wow !" do cliente kleitor.franklint@gmail.com br.linkedin.com/in/kfranklint 99416-0873
  • 3. 3 Por que Ágil? pouco tempo, demanda maior que a capacidade de atendimento, dentre outros. 
  • 4. 4 Agile ALM - Jurgen Appelo Repensando o saber. Essencialmente todos os modelos estão errados, mas alguns são úteis George E. P. Box
  • 6. 6 O que é “Ágil”, Afinal?  Agil não é metodologia, mas praticas uteis, principalmente comportamentais  Agil é adaptativo ao invés de prescritivo  Agil é orientado a pessoas, não aa processo.  Maximiza o valor do negócio com processos e documentação right-sized, just-enough, e just-in- time
  • 7. 7 just-enough -Construa só o necessário just-in-time -Parar se der errado -Entregue o mais rápido possível right-sized Elimine tarefas que não gerem valor– Kaizen Modelo colaborativo -Visão do time mais importante que a individual -Toda visão individual precisa ser avalida -Utilização máxima de esforço intelectual -Confiança, responsabilidade, autoridade e autonomia
  • 8. 8 • Forneça continuo feedback • Entregue valor ao cliente (agregar valor ao produto) • Habilite a comunicação face a face • Tenha coragem • Mantenha as coisas simples • Pratique a melhoria continua (Kaizen) • Responda às mudanças • Organize-se • Aproveite ( enjoy ) Dez princípios para testadores ágeis “Agile Testing”, Crispin & Gregory
  • 9. 9 Mundo Ágil e produtividade Um estudo independente feito com amostras de mais de 8.000 projetos mostrou que equipes ágeis são, em média, 25% mais produtivas do que seus pares da indústria. http://www.deltamatrix.com/why-are-agile-teams-25-more-productive
  • 10. 10 Lean, Agile at all Garantia da qualidade: prevenção x Controle da qualidade: detecção Kentô: planeje com cuidado execute com precisão http://www.slideshare.net/barbaracabral/lean-software-testing
  • 11. 11 Orientado a valor. Valor pra quem? Clientes, stakeholders, time at all Necessidade gera valor Cliente puxa a produção.. Não empurrar o produto que o cliente não quer Lean, Agile at all http://www.slideshare.net/barbaracabral/lean-software-testing
  • 12. 12 Seja um testador!!! -Simples verificação deve ser automatizada -Testadores fazem trabalho que computadores não podem fazer: coisas como teste exploratório ou testes de usabilidade -Defensores do cliente - Não seja um checador, seja um testador
  • 13. 13 KISS, MAB e MVP: Como, quando e porquê?
  • 14. 14 KISS - Keep It Simple, Stupid -Simplicidade é o objetivo do planejamento e do design. --Evite complexidade desnecessária -Fazer a coisa mais simples possível. -Se quiser inventar que seja pra simplificar. DRY: “Don’t Repeat Yourself”: -Não repita pedaços de código. - DRY violado = WET Write Everything Twice ou We Enjoy Typing. YAGNI(XP) “You Aren’t Gonna Need It”: ... no caso de... ou ..eventualmente posso precisar
  • 15. 15 MAB Minimal Acceptable Beurocracy Conheça o MAB antes de implantar o ágil em seu time e empresa
  • 16. 16 MVP Mínimo produto viável Cliente puxa a produção.. Não empurrar o produto que o cliente não quer
  • 17. 17 Modelagem Ágil de requisitos Algumas ferramentas Mind Maps User Stories Exploratórios
  • 19. 19 Quem precisa deQuem precisa de ExploratóriosExploratórios??
  • 20. 20 Quem precisa deQuem precisa de ExploratóriosExploratórios??
  • 21. 21 Teste Exploratório:Teste Exploratório: CaracterísticasCaracterísticas Gente, desculpa, ainda não entendi o que é teste exploratório Gente, desculpa, ainda não entendi o que é teste exploratório Essa é fácil!!! Design, execução e aprendizagem ao mesmo tempo Essa é fácil!!! Design, execução e aprendizagem ao mesmo tempo Deixa comigo!!! Seus elementos são três.. Deixa comigo!!! Seus elementos são três.. James Bach’s 2003 paper, “Exploratory Testing Explained.” “Exploratory testing is simultaneous learning, test design, and test execution.” É estruturado. Não é “Testa eah!” É estruturado. Não é “Testa eah!” Seu ponto de partida são ideias, propósitos e missão definidas Seu ponto de partida são ideias, propósitos e missão definidas identificar riscos críticos, necessidades e fatores de qualidade identificar riscos críticos, necessidades e fatores de qualidade Porque o objetivo é agregar valor ao produto Porque o objetivo é agregar valor ao produto Por quê?Por quê?
  • 22. 22 Por que usar Exploratorios?Por que usar Exploratorios? Software perfeito e outras ilusõesSoftware perfeito e outras ilusões Não consigo cobrir com antecedência todas as condições Não consigo cobrir com antecedência todas as condições ...e é muita coisa que leva tempo! configurações, interações, execução, sumarização... rsrs ...e é muita coisa que leva tempo! configurações, interações, execução, sumarização... rsrs ...e o conhecimento?! dados, cenários, configurações... nem se fala! ...e o conhecimento?! dados, cenários, configurações... nem se fala! ...e nem todas condições são úteis de serem cobertas ...e nem todas condições são úteis de serem cobertas
  • 23. 23 Por que usar Exploratorios?Por que usar Exploratorios? Respondendo a questões críticasRespondendo a questões críticas O que de pior pode ocorrer? O que de pior pode ocorrer? Quais outros riscos não foram identificados? Quais outros riscos não foram identificados? Gostei! Rsrs E se... Gostei! Rsrs E se... Que rica esta sessão de questões críticas! Que rica esta sessão de questões críticas! O vídeo de basketO vídeo de basket
  • 24. 24 Aprendizagem e design de teste O crucial
  • 25. 25 Turismo bem orientado: Cartas de Expedição, Cartas de Teste, Cartas de Navegação, Charters Uma carta pode ser dividida em três partes: •O que explorar •Que recursos utilizar •Que informações descobrir quando explorar Explorar: _________(Destino)____________ Com: _________( Recursos)______________ Para descobrir:____( Informação)_________ Template de carta de expedição
  • 26. 26 Cartas de Expedição: exemplos Explorar: _a tela de autenticação____ Com: __inputs que indiquem usuário inválido_ Para descobrir:___falhas de segurança_____ Fonte imagem: http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/leitores-de- impressoes-digitais-sao-muito-faceis-de-enganar-diz-pesquisador/ Imagine um sistema de biometria que solicita a digital do polegar para fornecer acesso ao sistema. Foco: Escopo segurança: Explorar a tela de login com inputs que indiquem usuário inválido para descobrir surpresas Foco: Escopo multidisciplinar
  • 27. 27 Cartas de Expedição: contra-exemplos Explorar a edição de dados funcionais de funcionários com salário > 800 para descobrir quem trabalha a mais de um ano. Não é uma carta, mas um caso de teste estranhamente redigido. Uma boa carta oferece direção sem sobre-especificar as ações, mas com foco. Não precisou do “com” ?
  • 28. 28 Atividade 1- Explorar carta de teste Escreva uma carta de teste que explore a tela de login
  • 29. 29 Fonte de inspiração para Cartas Quando explorar Vc faz parte! Discussões de requisitos Quem sabe fará parte Apresentação de um produto Vc ficou de fora! Analise de artefatos
  • 30. 30 Técnicas Exploratórias- Como explorar Jogos de catástrofes Modelos de estado, Técnica de relações, CRUD, QQC, Comportamento padrão Técnica de turismo Session Based e de Reconhecimento Persona Não são sequenciais
  • 31. 31 • E se... O que de pior pode ocorrer? O que pode comprometer? • E se a primeira camada de segurança quebrar? • E se eu mudar um parâmetro da requisição e o captha não impedir um DOS? • E se eu testar este trecho de funcionalidade, o que ocorre? • O que acontece se eu... Onde ( o que ) : Riscos Técnica de Jogos de catástrofes
  • 32. 32 Onde ( o que ) : Riscos Atividade 2-Jogos de catástrofes Explore a tela de login com jogos de catástrofes para descobrir riscos que comprometam a segurança do produto.
  • 33. 33 Mind Maps -Começe com um alvo base -Estratégias: top down e bottom up -Deixe as ideias explodirem -Planeje: KISS at all -Recall da conversation
  • 34. 34 Mind Maps- Atividade Crie um mind map para um sistema de passagens aéreas. http://www.wikihow.com/Make-a-Mind-Map#/Image:Make-a-Mind-Map-Step-6- Version-2.jpg Sessões de 5 minutos: Reconhecimento, exploração
  • 35. 35 User stories Sob Pressão Usando 3C -Card -Conversation -Confirmation "User Stories… Unleashed"; Mike Turner, Sean Hurst, Ray Jordan
  • 36. 36 Meu reino por um requisito... E um aceite!! Meu reino por um requisito... E um aceite!! Requisitos Ágeis sob pressão
  • 37. 37 User story? -Descrição escrita usada para descrever cenários de negócios -Testes que transmitem e documentam os detalhes de um projeto (confirmação). "User Stories… Unleashed"; Mike Turner, Sean Hurst, Ray Jordan
  • 38. 38 Não fique obcecado pelo formato “In order to eu registre atividade no SGTI As um usuário válido I want acesso ao sistema http://blog.crisp.se/2014/09/25/david-evans/as-a-i-want-so-that-considered-harmful “As a usuário PRODAM I want acesso ao SGTI So that possa registrar minhas atividades
  • 39. 39 A compra pode ser paga com cartão de crédito Nota: aceitar Visa, Master Card. Considere explorar. -Explore com Visa e Master Card (pass / fail) -Explore com ids corretos, incorretos e faltando Verso Story Não fique obcecado pelo formato
  • 40. 40 User stories - Sob Pressão Usando 3C Card: para lembrar da conversa Conversation: onde pegar os detalhes que não estão no card? Confirmation: para teste de aceitação. Pode ser escrito nas costas do card
  • 41. 41 -Enfatizam comunicação verbal ao invés de escrita. -São compreensíveis pela equipe e cliente -São ferramentas de desenvolvimento iterativo. -Encorajam detalhes até que se tenha entendimento do que realmente precisa. User stories - Sob Pressão Usando 3C -Card -Conversation -Confirmation
  • 42. 42 Um caminho… -Quem é o usuário da feature? -Esta estória melhora a interação com o usuário? -O que você quer resolver? -Por que precisa revolver isso? Usando 3C -Card -Conversation -Confirmation User stories - Sob Pressão Story maps
  • 43. 43 Atividade 3- Escrever user stories Utilizando seu mind map e o resultado da exploração. Escreva cinco user stories para o sistema de passagens aéreas
  • 45. 45 Projetos de sucesso - Extraem informação de diferentes fontes e pessoas - Delicado equilibrio entre time de negócio e time técnico -Decisões a serem tomadas com o que se tem à mão. -Tomam decisões durante todo o projeto
  • 46. 46 Nós não sabemos estimar O problema da espera. Ágil nele!!!
  • 47. 47 Segundo Martin Fowler, não é o projeto que falha mas a estimativa. http://martinfowler.com/bliki/WhatIsFailure.html Sucesso é o ROI!!! Estimativas ágeis para Pressão extrema
  • 48. 48 1. Productivity index 2. COCOMO, SEER-SIM, SLIM models 3. Test distribution percentage 4. Test Case Points Analysis 5. FIA (finger in the air) or best guess 6. Ad-hoc method 7. Experience Based - Analogies and experts 8. WBS 9. Delphi technique 10.Three-point estimation (successive calculation) 11.Function points / Test point Analysis 12.Use case point estimation method 13.Object Point Estimation 14.Intuição e adivinhação 15.Parkinson’s law 16.Price to win 17.Requirements-Based Testing 18.Padrões e normas da empresa 19.% of project effort or staffing 20.Team estimation sessions 21.Story point sizing Poker estimation T-shirt sizing Nós não sabemos estimar, mesmo com métodos diversos
  • 49. 49 Por que usar estimativa Ágil? Qual o esforço pra atravessar o universo? http://www.messagetoeagle.com/interstella rbeacons.php#.VlEX5uI2O1s http://www.gospelgifs.com/art_pages_22/no_limit_01.htm
  • 50. 50 Por que usar estimativa Ágil? Meu reino por uma técnica.. :) "User Stories… Unleashed"; Mike Turner, Sean Hurst, Ray Jordan
  • 51. 51 Story Points -Trabalha comparando esforços -Somos melhores em comparar que em calcular
  • 52. 52 Story Points e planning poker -Vários decks com a mesma série -User story é discutida até ter suficiente informação -Análise de esforço inicia - Cartas para baixo - Cada player expõe seu ponto de complexidade - Pontos extremos justificam sua escolha ( simples, complexo) - No empate ou no empasse faz mais rodadas -Tá uniforme? Vai pra próxima estória O moderador
  • 53. 53 Atividade 4- Estime esforço usando estórias Usando as estórias estime pontos de esforço para o projeto do sistema de Passagem aérea
  • 54. 54 Gestão Àgil: backlogs e sprints eficazes, time feliz! KAIZEN Mapeamento do fluxo de valor: geram, agregam , não geram Fluxo continuo: produzir e distribuir rapidamente
  • 55. 55 Velocidade Se tudo parece estar sob controle, você não está indo rápido o suficiente Mario Andretti, http://www.goodreads.com/author/show/2115694.Mario_Andretti
  • 57. 57 -Fácil de ser mantido atualizado pelo time -Rápida rastreabilidade -Progresso e valor do produto -Permite voltar atenção ao que é crítico e tomar decisões -Ver o valor do negócio Dashboards eficazes Projeto de Layout
  • 58. 58 Atividade 5- Equilibrando cronograma Faça 2 rodadas de teste exploratório e atualize o dashboard a cada 30 minutos
  • 59. 59 Quanto tempo para completar todas as estórias? -O time não pode trabalhar todas as estórias de uma vez. -É necessário um método de estimar esforço para completar todas as estórias= Pontuação de cada estória x tempo para completá-las. -Necessário métrica simples, mas realista e flexível para medir progresso. A ideia geral é medir o progresso ( pontos) por período e ajustar o esforço geral das estórias
  • 60. 60 Atividade 6- Equilibrando cronograma Explore o sistema de passagens aéreas A partir das estórias criadas. Ajuste o cronograma e o dashboard a cada 30 minutos. Direções: Status da estória, quanto falta, dificuldade, boas práticas
  • 61. 61 Quadrantes Ágeis do jeito fácil -Teste é uma atividade ou uma fase? Começo, meio e fim -Se o seu taskboard tem uma coluna separada pra teste é uma fase -Quantas tarefas podem ser feitas antes das tarefas do desenvolvimento? -Você acredita que pode prevenir bugs antes do produto ser escrito? A IDEIA É SEMPRE PREVENIR AO INVÉS DE CONTROLAR
  • 62. 62 Face de negócio Face de tecnologia Suportarotime Criticaroproduto Quadrantes Ágeis do jeito fácil Atividade 7- teste que me vêm à cabeça
  • 63. 63 Quadrantes Ágeis do jeito fácil Exemplos de testes “Agile testing”; Samantha Laing and Karen Greaves
  • 64. 64 Faça Daily Scrum: várias e em pé?! Evite: pouco no inicio e exprimido no final: rever assim que concluir a tarefa. Bugs corrigidos assim que eles são encontrados: -Reduz o custo da correção. Mais tempo, mais contexto e menos memória. -Menos entorno, menos complexidade de código, camadas e elementos a serem corrigidos Durante o SPRINT
  • 65. 65 -Gerar reflexão -Decidir o que fazer -Encerramento KAIZEN - Melhoria continua - Retrospectivas
  • 66. 66 KAIZEN - Melhoria continua - Retrospectivas Preparar o cenário -Por que estamos nos reunindo? -Como será a retrospectiva? Qual o objetivo? -Em que período faremos retrospectivas? Adquirir Informações -Equipe compartilha seu ponto de vista sobre eventos e fatos. -Atividades e questionamentos
  • 67. 67 Atividade 7- Restrospectivas Praticar restropectiva do projeto de Passagens aéreas
  • 68. 68 POSSO COLABORAR COM MAIS RESPOSTAS? kleitor.franklint@gmail.com br.linkedin.com/in/kfranklint 92-99416-0873