SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
NEUROFISIOLOGIA
Prof: Cleanto Santos Vieira
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas,
organização geral; Sentidos Tátil
e de posição
Neurofisiologia
• Classificação dos sentidos somáticos:
• Podem ser classificados em três tipos
fisiológicos.
• 1 – Sentidos somáticos
mecanorreceptivos (incluem sensação
de tato e posição, que são estimulados
por deslocamento mecânico de alguns
tecidos corporais);
• 2 – Sentidos termoreceptivos (detectam
calor e frio);
• 3 – Sentido da dor (ativado por qualquer
fator que leve a uma lesão tecidual).
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• Detecção e transmissão das sensações táteis:
• Inter-relação entre sensações táteis de toque, pressão
e vibração.
• Apesar de classificadas como distintas, tanto o toque
como, pressão e a vibração são detectados pelos
mesmos tipos de receptores.
• Entre essas sensações só existem três diferenças:
• 1 – A sensação de toque resulta da estimulação de
receptores táteis localizados na pele ou em tecidos
imediatamente abaixo dela;
• 2 – A sensação de pressão resulta geralmente de
tecidos mais profundos;
• 3 – A sensação de vibração resulta de sinais sensoriais
rapidamente repetitivos, mas são utilizados alguns dos
mesmos tipos de receptors usados na detecção de
toque e pressão – especificamente os receptors se
adaptam muito rapidamente.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• Os sentidos táteis envolvem os de toque,
pressão, vibração e cócegas, os sentidos
de posição envolvem os de postura
estática e de velocidade de movimento.
• Outras classificações de sensações
somáticas incluem ainda outras classes
não necessariamente mutuamente
exclusivas como por exemplo:
• Sensações exterorreceptivas:
provenientes da superfície corporal.
• Sensações proprioceptivas: relacionadas
ao estado físico corporal, incluídas aí as
sensações de posição, as sensações
músculo-tendíneas, as sensações de
pressão vindas de áreas profundas dos
pés e espacialmente a sensação de
equílibrio, geralmente considerada uma
sensação especial.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização
geral; Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• Sensações viscerais:
provenientes das vísceras,
geralmente provenientes dos
órgãos internos (intestinos,
bexiga, rins, baço, etc…)
• Sensações profundas: oriundas
dos tecidos profundos, como as
fáscias, músculos, óssos e
outras, estando incluídas a
pressão profunda, a dor e a
vibração.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• Detecção e transmissão das sensações táteis:
• Receptores táteis: são conhecidos pelo menos seis
diferentes, mas há muitos outros semelhantes a
eles.
• 1 – terminações nervosas livres -> encontradas
em toda a pele e em muitos outro tecidos, podem
detectar toque e pressão.
• 2 – Corpúsculo de Meissner -> é uma terminação
nervosa encapsulada e alongada que excita uma
fibra nervosa sensorial de grande diâmetro (tipo
Aβ). Estes receptores estão presentes na pele que
não possui pelos (chamada pele glabra), são
abundantes nas pontas dos dedos, lábios, etc...
• Se adaptam em fração de segundos após serem
estimulados (particularmente sensíveis ao
movimento de objetos leves sobre a superfície da
pele e vibrações de baixa frequência.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• 3 – Discos de Merkel -> A parte pilosa da pele também
contém uma quantidade moderada de receptors de
ponta expandida, esses receptors se diferem dos
corpúsculos de Meissner pelo fato de transmitirem um
sinal inicialmente forte, mas que se adapta parcialmente,
seguindo-se um sinal contínuo mais fraco, de adaptação
muito lenta.
• São responsáveis pelo fornecimento de sinais
estacionários, que permitem a detecção de toque
continuado de objetos sobre a pele.
• Se grupam formando um só receptor, denominado
receptor de cúpula de iggo (projeta-se para cima contra a
face interna do tecido epithelial da pele.
• O grupo de discos de Merkel é inervado por só uma fibra
nervosa mielínica, de grande diâmetro (Aβ).
• Tem papel importante na localização das sensações de
toque em áreas superficiais específicas do corpo, e na
determinação da textura do que se está sentindo.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• 4 – Órgão piloso terminal -> o
movimento suave de qualquer pêlo
do corpo estimula a fibra nervosa
basal, denominada órgão piloso
terminal, que é também um receptor
de toque.
• Esse receptor se adapta facilmente, e
da mesma maneira que os
corpúsculos de Meissner, detecta
principalmente os movimentos de
objetos sobre a superfície corporal,
ou o contato inicial com o corpo.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• 5 – Órgãos terminais de Ruffini ->
terminações encapsuladas e com muitas
ramificações, essas terminações se adaptam
muito pouco, por isso, são importantes para a
detecção de estados de deformação
continuada da pele e dos tecidos mais
profundos, como por exemplo: sinais de toque
e pressão mais fortes e contínuos (ajudam a
sinalizar o grau de rotação das articulações).
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• 6 – Corpúculo de Vater Pacini -> situados
imediatamente abaixo da pele e também em
regiões mais profundas, nas fáscias teciduais
do corpo.
• Só são estimulados por movimentos muito
rápidos dos tecidos (adaptam-se em
centesimos de Segundo).
• Particularmente importantes para a detecção
de vibrações dos tecidos ou de outras
modificações rápidas do estado mecânico
tecidual.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• Detecção da vibração: Todos os diferentes
receptors táteis estão envolvidos na detecção
da vibração, apesar de serem sensíveis a
diferentes frequências de vibração.
• Ex: corpúsculos de Pacini são capazes de
sinalizar vibrações na faixa entre 30 e 800
ciclos/s, respondendo de forma extremamente
rápida as deformações teciduais pequenas e
rápidas, além disso, transmitem seus sinais via
tipo Aβ, capazes de transmitir mais de 1.000
impulsos por Segundo.
• Vibrações de baixa frequência, até 80 ciclos/s
estimulam outros receptors táteis
(especialmente os corpúsculos de Meissner),
que se adaptam mais lentamente.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição
Neurofisiologia
• Prurido e cócega: Estudos recentes
demonstraram a exitência de terminações
nervosas livres mecanorreceptivas de alta
sensibilidade e adaptação muito rápida
(especializadas em prurido e cócega).
• São encontradas quase exclusivamente nas
camadas superficiais da pele (único tecido em
que as sensações de prurido e cócegas podem
ser detectadas).
• Essas sensações são transmitidas por fibras
amielínicas do tipo C (semelhantes às que
transmitem a dor epicrítica ou lenta).
• O objetivo da sensação de prurido é chamar a
atenção para estimulos superficiais médios (o
arrastar de uma pulga na pele ou picada de
mutuca).
• Os sinais gerados por esses estímulos excitam o
reflex de coçar ou outras manobras que afastem
o hospedeiro do fator irritante.
Aula 4 – Capítulo 4
Sensações somáticas, organização geral;
Sentidos Tátil e de posição

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Classificação dos sentidos somáticos e receptores táteis

Fisiologia da dor.pdf
Fisiologia da dor.pdfFisiologia da dor.pdf
Fisiologia da dor.pdfRicardoLeao12
 
Morfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorialMorfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorialbioalvarenga
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaNatha Fisioterapia
 
Neurociência da dor
Neurociência da dorNeurociência da dor
Neurociência da dorLuciene Ceci
 
A pele é o sentido do tato
A pele é o sentido do tatoA pele é o sentido do tato
A pele é o sentido do tatorobertaoliva
 
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Cleanto Santos Vieira
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxXaynulMazive
 
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3Cleanto Santos Vieira
 

Semelhante a Classificação dos sentidos somáticos e receptores táteis (20)

Fisiologia da dor.pdf
Fisiologia da dor.pdfFisiologia da dor.pdf
Fisiologia da dor.pdf
 
Trabalho tato (1)
Trabalho tato (1)Trabalho tato (1)
Trabalho tato (1)
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
Trabalho de fisiologia
Trabalho de  fisiologiaTrabalho de  fisiologia
Trabalho de fisiologia
 
Morfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorialMorfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorial
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Tato
TatoTato
Tato
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
sistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdfsistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdf
 
Semiologia da Dor
Semiologia da DorSemiologia da Dor
Semiologia da Dor
 
Neurociência da dor
Neurociência da dorNeurociência da dor
Neurociência da dor
 
A pele é o sentido do tato
A pele é o sentido do tatoA pele é o sentido do tato
A pele é o sentido do tato
 
semio.ppt
semio.pptsemio.ppt
semio.ppt
 
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
Neurofisiologia - organização do sistema nervoso - aula 1 capítulo 1
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
 
Exame físico
Exame físicoExame físico
Exame físico
 
Homos Sapiens Trab Bilo
Homos Sapiens Trab BiloHomos Sapiens Trab Bilo
Homos Sapiens Trab Bilo
 
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
Neurofisiologia - receptores sensoriais - aula 3 capítulo 3
 
aula+somestesia.ppt
aula+somestesia.pptaula+somestesia.ppt
aula+somestesia.ppt
 
Aula+somestesia
Aula+somestesiaAula+somestesia
Aula+somestesia
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaCleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoCleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 

Último

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 

Último (9)

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 

Classificação dos sentidos somáticos e receptores táteis

  • 1. NEUROFISIOLOGIA Prof: Cleanto Santos Vieira Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 2. Neurofisiologia • Classificação dos sentidos somáticos: • Podem ser classificados em três tipos fisiológicos. • 1 – Sentidos somáticos mecanorreceptivos (incluem sensação de tato e posição, que são estimulados por deslocamento mecânico de alguns tecidos corporais); • 2 – Sentidos termoreceptivos (detectam calor e frio); • 3 – Sentido da dor (ativado por qualquer fator que leve a uma lesão tecidual). Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 3. Neurofisiologia • Detecção e transmissão das sensações táteis: • Inter-relação entre sensações táteis de toque, pressão e vibração. • Apesar de classificadas como distintas, tanto o toque como, pressão e a vibração são detectados pelos mesmos tipos de receptores. • Entre essas sensações só existem três diferenças: • 1 – A sensação de toque resulta da estimulação de receptores táteis localizados na pele ou em tecidos imediatamente abaixo dela; • 2 – A sensação de pressão resulta geralmente de tecidos mais profundos; • 3 – A sensação de vibração resulta de sinais sensoriais rapidamente repetitivos, mas são utilizados alguns dos mesmos tipos de receptors usados na detecção de toque e pressão – especificamente os receptors se adaptam muito rapidamente. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 4. Neurofisiologia • Os sentidos táteis envolvem os de toque, pressão, vibração e cócegas, os sentidos de posição envolvem os de postura estática e de velocidade de movimento. • Outras classificações de sensações somáticas incluem ainda outras classes não necessariamente mutuamente exclusivas como por exemplo: • Sensações exterorreceptivas: provenientes da superfície corporal. • Sensações proprioceptivas: relacionadas ao estado físico corporal, incluídas aí as sensações de posição, as sensações músculo-tendíneas, as sensações de pressão vindas de áreas profundas dos pés e espacialmente a sensação de equílibrio, geralmente considerada uma sensação especial. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 5. Neurofisiologia • Sensações viscerais: provenientes das vísceras, geralmente provenientes dos órgãos internos (intestinos, bexiga, rins, baço, etc…) • Sensações profundas: oriundas dos tecidos profundos, como as fáscias, músculos, óssos e outras, estando incluídas a pressão profunda, a dor e a vibração. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 6. Neurofisiologia • Detecção e transmissão das sensações táteis: • Receptores táteis: são conhecidos pelo menos seis diferentes, mas há muitos outros semelhantes a eles. • 1 – terminações nervosas livres -> encontradas em toda a pele e em muitos outro tecidos, podem detectar toque e pressão. • 2 – Corpúsculo de Meissner -> é uma terminação nervosa encapsulada e alongada que excita uma fibra nervosa sensorial de grande diâmetro (tipo Aβ). Estes receptores estão presentes na pele que não possui pelos (chamada pele glabra), são abundantes nas pontas dos dedos, lábios, etc... • Se adaptam em fração de segundos após serem estimulados (particularmente sensíveis ao movimento de objetos leves sobre a superfície da pele e vibrações de baixa frequência. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 7. Neurofisiologia • 3 – Discos de Merkel -> A parte pilosa da pele também contém uma quantidade moderada de receptors de ponta expandida, esses receptors se diferem dos corpúsculos de Meissner pelo fato de transmitirem um sinal inicialmente forte, mas que se adapta parcialmente, seguindo-se um sinal contínuo mais fraco, de adaptação muito lenta. • São responsáveis pelo fornecimento de sinais estacionários, que permitem a detecção de toque continuado de objetos sobre a pele. • Se grupam formando um só receptor, denominado receptor de cúpula de iggo (projeta-se para cima contra a face interna do tecido epithelial da pele. • O grupo de discos de Merkel é inervado por só uma fibra nervosa mielínica, de grande diâmetro (Aβ). • Tem papel importante na localização das sensações de toque em áreas superficiais específicas do corpo, e na determinação da textura do que se está sentindo. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 8. Neurofisiologia • 4 – Órgão piloso terminal -> o movimento suave de qualquer pêlo do corpo estimula a fibra nervosa basal, denominada órgão piloso terminal, que é também um receptor de toque. • Esse receptor se adapta facilmente, e da mesma maneira que os corpúsculos de Meissner, detecta principalmente os movimentos de objetos sobre a superfície corporal, ou o contato inicial com o corpo. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 9. Neurofisiologia • 5 – Órgãos terminais de Ruffini -> terminações encapsuladas e com muitas ramificações, essas terminações se adaptam muito pouco, por isso, são importantes para a detecção de estados de deformação continuada da pele e dos tecidos mais profundos, como por exemplo: sinais de toque e pressão mais fortes e contínuos (ajudam a sinalizar o grau de rotação das articulações). Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 10. Neurofisiologia • 6 – Corpúculo de Vater Pacini -> situados imediatamente abaixo da pele e também em regiões mais profundas, nas fáscias teciduais do corpo. • Só são estimulados por movimentos muito rápidos dos tecidos (adaptam-se em centesimos de Segundo). • Particularmente importantes para a detecção de vibrações dos tecidos ou de outras modificações rápidas do estado mecânico tecidual. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 11. Neurofisiologia • Detecção da vibração: Todos os diferentes receptors táteis estão envolvidos na detecção da vibração, apesar de serem sensíveis a diferentes frequências de vibração. • Ex: corpúsculos de Pacini são capazes de sinalizar vibrações na faixa entre 30 e 800 ciclos/s, respondendo de forma extremamente rápida as deformações teciduais pequenas e rápidas, além disso, transmitem seus sinais via tipo Aβ, capazes de transmitir mais de 1.000 impulsos por Segundo. • Vibrações de baixa frequência, até 80 ciclos/s estimulam outros receptors táteis (especialmente os corpúsculos de Meissner), que se adaptam mais lentamente. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição
  • 12. Neurofisiologia • Prurido e cócega: Estudos recentes demonstraram a exitência de terminações nervosas livres mecanorreceptivas de alta sensibilidade e adaptação muito rápida (especializadas em prurido e cócega). • São encontradas quase exclusivamente nas camadas superficiais da pele (único tecido em que as sensações de prurido e cócegas podem ser detectadas). • Essas sensações são transmitidas por fibras amielínicas do tipo C (semelhantes às que transmitem a dor epicrítica ou lenta). • O objetivo da sensação de prurido é chamar a atenção para estimulos superficiais médios (o arrastar de uma pulga na pele ou picada de mutuca). • Os sinais gerados por esses estímulos excitam o reflex de coçar ou outras manobras que afastem o hospedeiro do fator irritante. Aula 4 – Capítulo 4 Sensações somáticas, organização geral; Sentidos Tátil e de posição