SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
 “Uma experiência sensorial e emocional
desagradável que é associada a lesões
reais ou potenciais ou descrita em
termos de tais lesões.
 A dor é sempre subjetiva e cada
indivíduo aprende a utilizar este termo
por meio de suas experiências”.
(Associação Internacional para o estudo
da dor)
DOR
 Dor como prejuízo na qualidade de vida
 Eliminação rápida evita a
hipersensibilização central.
 A percepção da dor é subjetiva
variando de pessoa para pessoa
 Influência psicossociais, varia de acordo
com nossos pensamentos e sentimentos
 As vias nervosas encarregadas de
transmitir informações sobre a
localização e intensidade dos estímulos
nocivos diferem das vias dos estímulos
emocionais.
 A reação do indivíduo diante do
estímulo nocivo traduz a atividade
desses dois sistemas.
 Se manifesta transitoriamente por Um
período curto . Funciona como um
alerta do corpo para lesões em
tecidos, inflamações ou
doenças, centralizada primeiro e depois
capaz de se tornar difusa.
 É aquela que excede seis meses sendo
constante e intermitente. Quase sempre
está associada a um processo de
doença crônica.
 Quando ocorre uma lesão na pele,
receptores sensoriais(terminações
nervosas) que enviam sinais que causam
a percepção da dor são ativados nos
tecidos cutâneos inferiores.
 Localizadas e de curta duração, como
queimaduras de 1º grau e cortes
superficiais.
 Tem origem nos ligamentos, ossos,
tendões, vasos sanguíneos e nervos.
 Poucos receptores de dor nestas regiões
produzem uma sensação maçante, mal
localizada e de maior duração.
 É a dor que a pessoa sente quando
quebra um braço, torce o tornozelo.
 Se origina dentro dos órgãos e
cavidades internas do corpo. Com
menos receptores sensoriais ainda nesta
áreas, produz Uma sensação dolorida e
de maior duração do que a dor
somática, muito difícil de localizar.
 Sendo muitas vezes associada a partes
do corpo totalmente diferente do local
da lesão.
 Ex:Ataque cardíaco.
 É Uma sensação que pode ser expressa
em graus de desconforto provinda de
receptores específicos.
 Este tipo de dor está relacionada com o
grau de lesão do tecido.
 É Uma sensação provinda de nervos
periféricos diretamente por condução
nervosa gerando desconforto
característico em choque
 80% emocional / 20% local
 Significado para o paciente: positivo X
negativo
 Atuação do fisioterapeuta para evitar
 Identificação das dimensões da dor
 Sensitiva e discriminatória da dor:
percepção da área e delimitação
intensidade e comportamento.
 Cognição e avaliação da dor:
as experiências passadas e os
conhecimentos do paciente afetam sua
atitude da dor.
 Ligada a afetividade e motivação :
refere as idéias do paciente sobre a dor
e sua reação (raiva,ansiedade,medo,
preocupação)
 Aguda : inferior a 06 semanas
 Subaguda : de 06 a 12 semanas
 Crônica : duração superior a 3 meses
 1ª Fase : surge simultaneamente com o
estímulo, dor rápida (fibra A-delta
mielinizada velocidade 30m/s) tudo ocorre
por via e terminações nervosas.
 2ª Fase : se caracteriza pela dor
prolongada ( fibra C desmielinizada
3m/s), dor surda e de localização pouco
precisa, provocada pelo processo
inflamatório.
 As 1ª e 2ª fases são de caráter nociceptiva.
 3ª Fase : ocorre pela hipersensibilização
mudanças nas aferências normais
causando mudança do
comportamento e mecanismo de
sensibilização. Dor neuropática
 1 Característica da dor
 1.1 Localização da dor: local/irradiada
 1.2 Qualidade da dor:
 1.2.1 Dor rápida pontada fibras A-delta
 1.2.2 Dor surda de localização indefinida fibras C
 1.2.3 Dor em queimação lesão de mielina nervo
periférico
 1.2.4 Dor pulsátil início da inflamação
 1.2.5 Hiperalgesia : sensibilidade dolorosa
 1.2.6 Alodínea : estímulos táteis indolores mas
podendo desencadear dor.
 1.3 Tipos de dor :
 1.3.1 Neuropática : lesão das fibras
nervosas
 1.3.2 Fisiológica : superficial /
profunda (nociceptores)
 1.3.3 Dor visceral : órgãos internos
 1.3.4 Psicogênica : origem SNC, nem
toda dor resulta da estimulação
nociceptivas.
 Escalonamento da Dor da OMS
 Unidimensionais
 MUltidimensionais
 Multidimensionais
 Questionário de dor MCGILL :
 Avaliação de aspectos
sensoriais, afetivos, avaliativos e
intensidade da dor
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapiaAula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Marcelo Jota
 
Apostila de anatomia palpatória óssea
Apostila de anatomia palpatória ósseaApostila de anatomia palpatória óssea
Apostila de anatomia palpatória óssea
Renato Almeida
 
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
projetacursosba
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
Johnny Martins
 
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuaisTrabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
Wando Pagani
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 

Mais procurados (20)

Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
 
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapiaAula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
 
fraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperioresfraturasdosmembrossuperiores
fraturasdosmembrossuperiores
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
 
Apostila de anatomia palpatória óssea
Apostila de anatomia palpatória ósseaApostila de anatomia palpatória óssea
Apostila de anatomia palpatória óssea
 
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Efeitos da Massagem
Efeitos da MassagemEfeitos da Massagem
Efeitos da Massagem
 
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Biomecanica da marcha
 
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdfLivro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuaisTrabalho de recursos terapêuticos manuais
Trabalho de recursos terapêuticos manuais
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
01 aula biomecanica conceitos
01 aula  biomecanica conceitos01 aula  biomecanica conceitos
01 aula biomecanica conceitos
 
Fisioterapia Neurofuncional.pptx
Fisioterapia Neurofuncional.pptxFisioterapia Neurofuncional.pptx
Fisioterapia Neurofuncional.pptx
 

Semelhante a Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA

Dor o 5_sinal_vital (1)
Dor o 5_sinal_vital (1)Dor o 5_sinal_vital (1)
Dor o 5_sinal_vital (1)
jessdamb
 
Neuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary PortugueseNeuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary Portuguese
Claudio Pericles
 
Neuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary PortugueseNeuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary Portuguese
Claudio Pericles
 
Aula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorialAula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorial
marcioth
 

Semelhante a Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA (20)

Semiologia da dor
Semiologia da dor Semiologia da dor
Semiologia da dor
 
Semiologia da dor 2018
Semiologia da dor 2018Semiologia da dor 2018
Semiologia da dor 2018
 
Dor OpçãO
Dor   OpçãODor   OpçãO
Dor OpçãO
 
Dor 2020
Dor 2020Dor 2020
Dor 2020
 
Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017Semiologia da dor 2017
Semiologia da dor 2017
 
Dor o 5_sinal_vital (1)
Dor o 5_sinal_vital (1)Dor o 5_sinal_vital (1)
Dor o 5_sinal_vital (1)
 
fisiologia da dor
fisiologia da dorfisiologia da dor
fisiologia da dor
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptxAtuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
Atuação fisioterapeutica na Dor Crônica.pptx
 
16. tratamento cognitivo comportamental da dor
16. tratamento cognitivo comportamental da dor16. tratamento cognitivo comportamental da dor
16. tratamento cognitivo comportamental da dor
 
Semiologia da Dor
Semiologia da DorSemiologia da Dor
Semiologia da Dor
 
Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor
 
Dor no idoso
Dor no idosoDor no idoso
Dor no idoso
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
Trabalho tato (1)
Trabalho tato (1)Trabalho tato (1)
Trabalho tato (1)
 
Neuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary PortugueseNeuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary Portuguese
 
Neuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary PortugueseNeuropathic Pain Summary Portuguese
Neuropathic Pain Summary Portuguese
 
dor2020.pdf
dor2020.pdfdor2020.pdf
dor2020.pdf
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
Aula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorialAula fisiologia sensorial
Aula fisiologia sensorial
 

Mais de Nay Ribeiro

Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
Nay Ribeiro
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
Nay Ribeiro
 
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)200611 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
Nay Ribeiro
 
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Lidando com a  famìlia do bebê prematuroLidando com a  famìlia do bebê prematuro
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Nay Ribeiro
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Nay Ribeiro
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Nay Ribeiro
 
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimadosFisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimados
Nay Ribeiro
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Nay Ribeiro
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
Nay Ribeiro
 

Mais de Nay Ribeiro (20)

Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboralTrabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
 
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)200611 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
 
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Lidando com a  famìlia do bebê prematuroLidando com a  famìlia do bebê prematuro
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
 
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerdaInsuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
 
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimadosFisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
 
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
 
Fisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimadosFisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimados
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
 
Dança Sênior
Dança SêniorDança Sênior
Dança Sênior
 
Cinesioterapia II
Cinesioterapia IICinesioterapia II
Cinesioterapia II
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
 
lesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostaslesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostas
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA

  • 1.
  • 2.
  • 3.  “Uma experiência sensorial e emocional desagradável que é associada a lesões reais ou potenciais ou descrita em termos de tais lesões.  A dor é sempre subjetiva e cada indivíduo aprende a utilizar este termo por meio de suas experiências”. (Associação Internacional para o estudo da dor)
  • 4. DOR
  • 5.  Dor como prejuízo na qualidade de vida  Eliminação rápida evita a hipersensibilização central.  A percepção da dor é subjetiva variando de pessoa para pessoa  Influência psicossociais, varia de acordo com nossos pensamentos e sentimentos
  • 6.  As vias nervosas encarregadas de transmitir informações sobre a localização e intensidade dos estímulos nocivos diferem das vias dos estímulos emocionais.  A reação do indivíduo diante do estímulo nocivo traduz a atividade desses dois sistemas.
  • 7.
  • 8.  Se manifesta transitoriamente por Um período curto . Funciona como um alerta do corpo para lesões em tecidos, inflamações ou doenças, centralizada primeiro e depois capaz de se tornar difusa.
  • 9.  É aquela que excede seis meses sendo constante e intermitente. Quase sempre está associada a um processo de doença crônica.
  • 10.  Quando ocorre uma lesão na pele, receptores sensoriais(terminações nervosas) que enviam sinais que causam a percepção da dor são ativados nos tecidos cutâneos inferiores.  Localizadas e de curta duração, como queimaduras de 1º grau e cortes superficiais.
  • 11.  Tem origem nos ligamentos, ossos, tendões, vasos sanguíneos e nervos.  Poucos receptores de dor nestas regiões produzem uma sensação maçante, mal localizada e de maior duração.  É a dor que a pessoa sente quando quebra um braço, torce o tornozelo.
  • 12.  Se origina dentro dos órgãos e cavidades internas do corpo. Com menos receptores sensoriais ainda nesta áreas, produz Uma sensação dolorida e de maior duração do que a dor somática, muito difícil de localizar.  Sendo muitas vezes associada a partes do corpo totalmente diferente do local da lesão.  Ex:Ataque cardíaco.
  • 13.
  • 14.  É Uma sensação que pode ser expressa em graus de desconforto provinda de receptores específicos.  Este tipo de dor está relacionada com o grau de lesão do tecido.
  • 15.  É Uma sensação provinda de nervos periféricos diretamente por condução nervosa gerando desconforto característico em choque
  • 16.  80% emocional / 20% local  Significado para o paciente: positivo X negativo  Atuação do fisioterapeuta para evitar  Identificação das dimensões da dor
  • 17.
  • 18.
  • 19.  Sensitiva e discriminatória da dor: percepção da área e delimitação intensidade e comportamento.  Cognição e avaliação da dor: as experiências passadas e os conhecimentos do paciente afetam sua atitude da dor.  Ligada a afetividade e motivação : refere as idéias do paciente sobre a dor e sua reação (raiva,ansiedade,medo, preocupação)
  • 20.  Aguda : inferior a 06 semanas  Subaguda : de 06 a 12 semanas  Crônica : duração superior a 3 meses
  • 21.
  • 22.  1ª Fase : surge simultaneamente com o estímulo, dor rápida (fibra A-delta mielinizada velocidade 30m/s) tudo ocorre por via e terminações nervosas.  2ª Fase : se caracteriza pela dor prolongada ( fibra C desmielinizada 3m/s), dor surda e de localização pouco precisa, provocada pelo processo inflamatório.  As 1ª e 2ª fases são de caráter nociceptiva.
  • 23.  3ª Fase : ocorre pela hipersensibilização mudanças nas aferências normais causando mudança do comportamento e mecanismo de sensibilização. Dor neuropática
  • 24.
  • 25.  1 Característica da dor  1.1 Localização da dor: local/irradiada  1.2 Qualidade da dor:  1.2.1 Dor rápida pontada fibras A-delta  1.2.2 Dor surda de localização indefinida fibras C  1.2.3 Dor em queimação lesão de mielina nervo periférico  1.2.4 Dor pulsátil início da inflamação  1.2.5 Hiperalgesia : sensibilidade dolorosa  1.2.6 Alodínea : estímulos táteis indolores mas podendo desencadear dor.
  • 26.  1.3 Tipos de dor :  1.3.1 Neuropática : lesão das fibras nervosas  1.3.2 Fisiológica : superficial / profunda (nociceptores)  1.3.3 Dor visceral : órgãos internos  1.3.4 Psicogênica : origem SNC, nem toda dor resulta da estimulação nociceptivas.
  • 27.
  • 28.  Escalonamento da Dor da OMS  Unidimensionais  MUltidimensionais
  • 29.
  • 30.  Multidimensionais  Questionário de dor MCGILL :  Avaliação de aspectos sensoriais, afetivos, avaliativos e intensidade da dor