SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Projetos e Práticas Educacionais II
Professora: Fernanda
Guimarães Correia
Acadêmicas:
Cristiana dos Santos Barboza
Daniele Kazue Sugioka
Dirce Cristiane Camilotti
Jaqueline Santos Vargas Plaça
Penha Claudia Poloni
Faculdade Unyleya -
Segunda Licenciatura em
Pedagogia
Introdução
- O presente trabalho foi elaborado a partir de uma Curadoria
Digital realizada na disciplina Projetos e Práticas Educacionais II.
- O objetivo da curadoria foi levantar textos e materiais
audiovisuais que auxiliassem no entendimento sobre os espaços
de memória, patrimônio e territórios para a promoção da
educação integral, cidadã e que valorize a cultura brasileira e
fomente o sentido de pertencimento.
Espaço de Memória
Análise baseada no vídeo do professor Jefferson Evanio,
publicado no canal “Navegando nas Humanidades”. Ele
usa um texto de Pierre Nora, criador da expressão lugar
de memória, chamado “Entre Memória e História: A
problemática dos lugares”.
Nora conceitua memória e História. Fala da diferença
entre memória e História, além de construir uma nova
ideia que se localiza no limite desses dois conceitos, o
lugar de memória.
Catedral da Sé | Foto: @hudsonsfmelo
Memória: no mundo antigo era a própria
História, havia uma simultaneidade entre elas,
ambas se relacionando à duração.
A memória se enraíza no concreto, no espaço, no
gesto, na imagem, no objeto. É:
• Natural
• Orgânica
• Fisiológica;
• Um elo entre as gerações.
História: é a reconstrução do que não existe mais,
é a desnaturalização da natureza, é um discurso
sobre a memória.
https://br.freepik.com/fotos-gratis/escadas-
coloridas-de-selaron-no-rio-de-janeiro-
brasil_11942792.htm?query=rio%20de%20janeiro
História: é a reconstrução do que não existe mais,
é a desnaturalização da natureza, é um discurso
sobre a memória.
No mundo moderno, ocorre uma mudança na
forma como os homens lidam com o tempo. Com
os avanços dos processos de industrialização e
dos fenômenos de “mundialização”,
democratização e massificação, há uma percepção
de aceleração do tempo. O que era, rapidamente
deixa de ser.
Essa aceleração do tempo provoca uma ruptura
de equilíbrio que resulta em uma crescente
preocupação pelo manutenção do passado
histórico e numa sensação generalizada de que
não haveria mais memória espontânea. Bairro da Liberdade – Fonte: Wikipédia
Espaço de memória é um vestígio/rastro da
memória, materializada na forma de instituições
específicas, para salvaguardar o que deve ser
lembrado. É uma maneira de se opor ao efeito
devastador e desintegrador da rapidez
contemporânea.
A função do espaço de memória é pedagógica,
tendo três características:
● ocupam lugar na demografia social;
● são lugares rituais, criam as condições para
uma experiência simbólica;
● se aprende alguma coisa. Museu da Língua Portuguesa – Fonte: Wikipédia
Espaço de memória, segundo Pierre Nora, é
toda unidade significativa, de ordem material
ou ideal, que a vontade dos homens ou o
trabalho do tempo converteu em elemento
simbólico do patrimônio memorial de uma
comunidade qualquer.
Exemplos citados: monumentos, cemitérios,
coleções, festas, santuários, arquivos, rituais,
museus, livros.
Bumba-Meu-Boi – Fonte: Wikipédia
Território
A incorporação do termo território em instrumentos legais
do governo federal brasileiro, tais como a Constituição de
1988 e a Lei do Sistema Nacional de Unidades de
Conservação, reflete uma ressemantização do termo e
demonstra uma dimensão política, enfatizando a
importância de noção do termo.
Os Direitos Fundamentais e a Política Nacional de
Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades
Tradicionais, estabelecem garantias de direitos a populações
tradicionais, dentre as quais o reconhecimento de direitos
sociais, territoriais e culturais.
http://www.ecobrasil.eco.br/noticias-rodape/1272-
comunidades-ou-populacoes-tradicionais
Povos e Comunidades Tradicionais são grupos culturalmente diferenciados e que se
reconhecem como tais, que possuem formas próprias de organização social, que ocupam
e usam territórios e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social,
religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados
e transmitidos pela tradição."
Decreto Federal nº. 6.040 de 7 de fevereiro de 2000
A Constituição Federal diz que "Povos e Comunidades
Tradicionais são grupos que possuem culturas diferentes
da cultura predominante na sociedade e se reconhecem
como tal."
http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/
A ideia de território como espaço territorial utilizado é definido
a partir de dois campos distintos: de um lado a apropriação
efetiva do espaço, e de outro, a utilização deste como meio para
a prática de atividade.
A noção de território sobrepõe a ideia do localismo reducionista,
tendo em vista que a própria história e as condições de vida
existentes naquele espaço remetem a uma análise social do
território, que pode ser traduzido na manutenção e condições de
vida de grupos de populações bastante antigas, as quais
compreendem o território, sobretudo, como algo indispensável à
sua reprodução física e cultural.
https://ceert.org.br/noticias/educacao/5843/mestrado-
inovador-para-comunidades-tradicionais-indigenas-e-
quilombolas
No Brasil existe uma imensa diversidade sociocultural que é acompanhada por uma
extraordinária diversidade fundiária. As múltiplas sociedades indígenas em seus
ambientes geográficos, com formas próprias de inter-relacionamento, os remanescentes
das comunidades dos quilombos, espalhadas por todo o território nacional, formam
núcleos importantes desta diversidade.
Essa diversidade fundiária inclui também as chamadas “terras de preto”, “terras de
santo” e as “terras de índio”. Ainda, há as distintas formas fundiárias mantidas pelas
comunidades de açorianos, babaçueiros, caboclos, caiçairas, caipiras, campeiros,
jangadeiros, pantaneiros, pescadores artesanais, praierios, sertanejos e varjeiros.
A categorização deste grande leque de
grupos humanos abrange os termos
“populações”, “comunidades”, “povos”,
“sociedades”, “culturas” e tende a ser
acompanhada por adjetivos:
“tradicionais”, “rurais”, “locais”,
“residentes” nas áreas protegidas.
Entretanto a heterogeneidade dentro de
cada categoria torna inviável tratá-los em
uma mesma classificação.
https://carollinasalle.jusbrasil.com.br/noticias/121548596/comeca-encontro-de-povos-e-
comunidades-tradicionais
https://cebi.org.br/noticias/povos-tradicionais
A territorialidade para as populações tradicionais é destacada a partir de três
elementos:
a) regime de propriedade comum;
b) sentido de pertencimento a um lugar específico;
c) profundidade histórica da ocupação guardada na memória coletiva, embora tais
elementos serem comuns para outros povos tradicionais em planos socioculturais
A territorialidade para as populações tradicionais pode ser definida como um conjunto de
fatores que transcendem o mero aspecto de ocupação geográfica, para expressar a
existência de vínculos sociais e simbólicos, onde se predomina o uso sustentável e de
baixo impacto dos recursos naturais, o desempenho de práticas culturais não predatórias e
a gestão compartilhada de recursos naturais, sendo o esforço coletivo de um grupo social
para ocupar, usar, controlar e se identificar com uma parcela específica de seu ambiente
biofísico, convertendo-a assim em seu “território”.
http://pnc.cultura.gov.br/2017/07/29/meta-6
A renovação da teoria de territorialidade na antropologia tem como ponto de partida uma
abordagem que considera a conduta territorial como parte integral de todos os grupos
humanos.
Das condutas de territorialidade de um grupo social surge um território, que é um produto
histórico de processos sociais e políticos. A análise antropológica da territorialidade também
precisa de abordagens etnográficas para entender as formas específicas dessa diversidade de
territórios.
Outro aspecto fundamental da territorialidade humana é que ela tem uma multiplicidade de
expressões, o que produz um leque muito amplo de tipos de territórios, cada um com suas
particularidades socioculturais, ou seja, existe uma relação particular que um grupo social
mantém com seu respectivo território, como os saberes ambientais, ideologias e identidades
− coletivamente criados e historicamente situados − que um grupo social utiliza para
estabelecer e manter seu território.
Patrimônio Cultural
De acordo com Silva Junior, & Tavares (2018), o Patrimônio Cultural é
tudo aquilo que possui importância histórica para um povo, uma
sociedade ou para um país; e até mesmo para a história da humanidade,
ou seja, patrimônio cultural é tudo aquilo que tem esse valor relevante.
É um bem que possui um valor inestimável para história de
uma civilização ou povo.
Patrimônios culturais são nossa interligação com passado,
um resgate da nossa memória.
Os patrimônios culturais nos ajudam a conhecer nossas
origens e o que diferencia nos define como grupo cultural.
Fonte: Site pixabay
Fonte: Site pixabay
Patrimônio Cultural
A palavra patrimônio vem do latim 'pater', que significa pai. Apresenta uma
noção daquilo que é passado como herança entre as gerações. É uma herança
compartilhada entre os cidadãos, que carrega em si aspectos referentes a
identidade daquela sociedade.
O Patrimônio Cultural é dividido em dois grupos, de acordo com a sua natureza.
Sendo eles: Material e Imaterial.
Fonte: Site pixabay
Patrimônios de natureza materiais e imateriais
Patrimônios materiais: São os bens
materiais de um grupo social, , ou seja,
tangíveis, de um povo. Abrange os
museus, monumentos arquitetônicos,
igrejas, bibliotecas, etc.
Exemplos de Patrimônios materiais: Centro
Histórico de Ouro Preto (Minas Gerais), Cristo
Redentor (Rio de Janeiro), o conjunto
arquitetônico de Paraty (Rio de Janeiro), centro
histórico de Olinda (Pernambuco), entre outros.
Fonte: https://viagemeturismo.abril.com.br/materias/patrimonios-culturais-da-humanidade-unesco-brasil/
Centro Histórico de Ouro Preto, Minas Gerais Centro Histórico de Olinda, Pernambuco
Patrimônios imateriais: São
considerados intangíveis e abrange as
expressões simbólicas e culturais de
um povo, como as festas, as danças,
músicas, saberes, costumes, formas de
expressão, entre outros.
Exemplos de Patrimônios imateriais: Danças:
Samba, frevo, capoeira e forró. Comidas:
churrasco gaúcho, tapioca, feijoada, bolo de
rolo. Outros exemplos são a literatura de
cordel, festa do Senhor de Bom Jesus do
Bonfim, a festa do boi-bumbá e a missa do
vaqueiro.
Dança: Frevo Comida: Feijoada Manifestação folclórica: Maracatu
Fonte: Wikipédia Fonte: Wikipédia
Fonte: Wikipédia
Patrimônios Culturais do Brasil
O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) reconhece no
Brasil 14 Patrimônios Culturais da Humanidade, que também são tombados
pela Unesco. São eles:
• Centro Histórico de Ouro Preto -MG; • Centro Histórico de Olinda - PE
• Ruínas de São Miguel das Missões - RS; • Centro Histórico de Salvador - BA
• Santuário de Bom Jesus de Matosinhos - Congonhas do Campo - MG;
• Brasília- DF; • Parque Nacional Serra da Capivara -PI;
• Centro Histórico São Luís- MA; • Centro Histórico de Diamantina - MG;
• Centro Histórico de Goiás - GO; • Praça de São Francisco - São Cristóvão - SE;
• Paisagens Cariocas - RJ; • Pampulha - Belo Horizonte - MG;
• Cais do Valongo - RJ
Patrimônios Culturais Mundiais
A Organização das Nações Unidas para a Ciência e a Cultura (Unesco) com o
objetivo de promover a preservação dos bens culturais, históricos e naturais da
humanidade, criou a categoria patrimônio cultural, sendo mais de mil locais em todo o
mundo. Exemplos:
Taj Mahal (Índia)
Grand Canyon (EUA)
Machu Picchu (Peru)
Fonte: Site pixabay
Havana (Cuba)
Pirâmides de Gizé (Egito)
A Grande Muralha da China (China)
Centro Histórico de Roma (Itália) Acrópoles de Atenas (Grécia)
Catedral de Notre Dame (França)
Fonte: Site pixabay
Patrimônios Culturais Mundiais
Educação Patrimonial
Definições
- É o processo de ensino e aprendizagem em que se estabelece a troca entre os
agentes do patrimônio e a comunidade.
- Implementação de ações educativas que possibilitem a apropriação, valorização
e preservação do patrimônio cultural, por meio de atividades que permitem
conhecer e usufruir desse patrimônio (história local, arquitetura, folclore,
tradição, música, arte, tetro, hábitos e costumes de determinada localidade).
Os agentes do patrimônio trazem noções de patrimônio e de bem cultural e
a história desse bem e a comunidade apresenta a sua relação com esse bem.
Tem a intenção de levar à obtenção das diversas
noções sobre o bem (noções de pertencimento,
identidade), o desenvolvimento do pensamento crítico
sobre o bem, a relação dele com a história local e
global, de si e da sua família.
É um instrumento de “alfabetização cultural” que possibilita ao indivíduo fazer a
leitura do mundo que o rodeia, levando-o à compreensão do universo
sociocultural e da trajetória histórico-temporal em que está inserido.
Educação Patrimonial
Principais Objetivos da Educação Patrimonial
1. Possibilitar aos indivíduos e aos diferentes grupos sociais o acesso aos
instrumentos e a leitura crítica dos bens culturais em suas múltiplas manifestações,
sentidos e significados;
2. Fortalecer a identidade cultural individual e coletiva, aumentando o sentimento
de autoestima e considerando a cultura brasileira como múltipla e plural;
3. Estimular a comunidade para apropriar-se do patrimônio cultural que ela detém e
pelo qual é também responsável;
4. Promover o diálogo entre a sociedade e os órgãos responsáveis pela
identificação, proteção e promoção do patrimônio cultural;
5. Experimentar e desenvolver metodologias que permitam um processo contínuo
de produção de conhecimento, compreensão e avaliação;
6. Possibilitar a produção de novos conhecimentos, integrando-os às ações de
identificação, proteção e valorização do patrimônio.
Características da Educação Patrimonial
Foco: desenvolvimento dos sentimentos de pertencimento e de troca, troca
de experiências com base nas relações das pessoas com o bem
patrimonial.
Diversidade de público: crianças, jovens, adultos e idosos.
“as crianças são consideradas o principal público-alvo da educação patrimonial
porque são multiplicadores em potencial, levando o que aprendem para a família e
seu grupo de convívio”.
Características da Educação Patrimonial
Diversidade de técnicas: exposição teórica sobre o bem; elaboração de desenhos,
fotografias e mapas culturais.
Elemento fundamental: colocar os grupos em contato com o bem (patrimônio material
ou imaterial).
Processo educacional:
a) Inicia com as atividades mais teóricas;
b) Na sequência desenvolvem-se atividades práticas (contato com o bem);
c) Produção de material sobre o bem (desenhos, mapas, por exemplo).
Teoria Prática Produção
Características da Educação Patrimonial
Educação patrimonial na perspectiva freireana
Possibilita:
a) O papel ativo do aluno no processo de aprendizagem, constituindo-se uma ferramenta importante
na construção da cidadania e da transformação social.
b) A formação de cidadãos capazes de ler, interpretar, questionar e intervir no seu meio sociocultural
e político, para além do seu patrimônio cultural.
c) A apropriação e valorização da herança cultural, preparando os sujeitos para usufruir destes bens e
produzir novos conhecimentos, sendo um processo permanente e sistemático centrado no patrimônio
cultural, que compreende um instrumento de afirmação da cidadania e de alfabetização cultural.
- A Educação Patrimonial, tendo como base as ideias de
Paulo Freire, fortalece a identidade, consciência social e
cidadania e tem no patrimônio cultural a fonte primária do
conhecimento.
A partir das ideias freireanas a educação patrimonial torna-se um
instrumento importante para a identificação, construção de saberes e
posicionamento crítico diante desse patrimônio.
Referências Bibliográficas
● SILVA JUNIOR, J. E. da, & TAVARES, A. L. de O. Patrimônio Cultural, Identidade e Memória Social: suas
interfaces com a sociedade. Ciência Da Informação Em Revista, 5(1), 3–10, 2018. Disponível em:
<https://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/3775>. Acesso em: 01 de set. de 2021.
● LITTLE, P. E. (2003). Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade.
Anuário antropológico, Vol. 28, Nº. 1, 2003, págs. 251-290. Disponível em:
<https://dialnet.unirioja.es/ejemplar/548411>. Acesso em: 01 de set. de 2021.
● BALDISSERA, Giulie et. al. Espaço da memória: a história não pode ser esquecida. Uniritter, 2014. Disponível em:
<https://www.uniritter.edu.br/uploads/eventos/sepesq/x_sepesq/arquivos_trabalhos/2968/153/130.pdf>. Acesso em: 01
de set. de 2021.
● CASTRO, C. 2005. A importância da Educação Patrimonial para o desenvolvimento do Turismo Cultural. In: III
Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul, Caxias do Sul. Disponível em:
<https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/gt5-a-importancia.pdf>. Acesso em: 01 de set. de 2021.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de aula quilombolas- francisca roseane
 Plano de aula quilombolas- francisca roseane Plano de aula quilombolas- francisca roseane
Plano de aula quilombolas- francisca roseaneRoseane Ribeiro
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano Mary Alvarenga
 
Plano de ensino do componente curricular de História Local
Plano de ensino do componente curricular de História LocalPlano de ensino do componente curricular de História Local
Plano de ensino do componente curricular de História LocalViegas Fernandes da Costa
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoDuzg
 
História e memória marize cunha
História e memória marize cunhaHistória e memória marize cunha
História e memória marize cunhaMarize da Cunha
 
Cultura Religiosa - Espaços Sagrados
Cultura Religiosa - Espaços SagradosCultura Religiosa - Espaços Sagrados
Cultura Religiosa - Espaços SagradosFábio Faturi
 
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do desehoApresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do desehoColégio Santa terezinha
 
memória e identidade-semana1-14a18-fevereiro
memória e identidade-semana1-14a18-fevereiromemória e identidade-semana1-14a18-fevereiro
memória e identidade-semana1-14a18-fevereiroGiseleFinatti
 
plano de ensino cultura e patrimônio.docx
plano de ensino cultura e patrimônio.docxplano de ensino cultura e patrimônio.docx
plano de ensino cultura e patrimônio.docxJuliaCristina03
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosettoGleibiane Silva
 
Atividade de Filosofia - III bimestre
Atividade de Filosofia - III bimestre Atividade de Filosofia - III bimestre
Atividade de Filosofia - III bimestre Mary Alvarenga
 
Patrimônios materiais e imateriais
Patrimônios materiais e imateriaisPatrimônios materiais e imateriais
Patrimônios materiais e imateriaisAntnyoAllysson
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalCarminha
 

Mais procurados (20)

Plano de aula quilombolas- francisca roseane
 Plano de aula quilombolas- francisca roseane Plano de aula quilombolas- francisca roseane
Plano de aula quilombolas- francisca roseane
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
 
Plano de ensino do componente curricular de História Local
Plano de ensino do componente curricular de História LocalPlano de ensino do componente curricular de História Local
Plano de ensino do componente curricular de História Local
 
atividade 2 ano.pdf
atividade 2 ano.pdfatividade 2 ano.pdf
atividade 2 ano.pdf
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º ano
 
História e memória marize cunha
História e memória marize cunhaHistória e memória marize cunha
História e memória marize cunha
 
Cultura Religiosa - Espaços Sagrados
Cultura Religiosa - Espaços SagradosCultura Religiosa - Espaços Sagrados
Cultura Religiosa - Espaços Sagrados
 
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do desehoApresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
 
memória e identidade-semana1-14a18-fevereiro
memória e identidade-semana1-14a18-fevereiromemória e identidade-semana1-14a18-fevereiro
memória e identidade-semana1-14a18-fevereiro
 
plano de ensino cultura e patrimônio.docx
plano de ensino cultura e patrimônio.docxplano de ensino cultura e patrimônio.docx
plano de ensino cultura e patrimônio.docx
 
A diversidade cultural no brasil (1)
A diversidade cultural no brasil (1)A diversidade cultural no brasil (1)
A diversidade cultural no brasil (1)
 
Patrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e CulturalPatrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e Cultural
 
Plano de aula 1 liberdade de expressão
Plano de aula 1 liberdade de expressãoPlano de aula 1 liberdade de expressão
Plano de aula 1 liberdade de expressão
 
Em his
Em hisEm his
Em his
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
 
Atividade de Filosofia - III bimestre
Atividade de Filosofia - III bimestre Atividade de Filosofia - III bimestre
Atividade de Filosofia - III bimestre
 
Patrimônios materiais e imateriais
Patrimônios materiais e imateriaisPatrimônios materiais e imateriais
Patrimônios materiais e imateriais
 
Cultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileirasCultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileiras
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
 

Semelhante a Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii

Aula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoriaAula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoriaGiseleFinatti
 
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...1sested
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Viegas Fernandes da Costa
 
Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Alice Fonseca
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsMARCIA GOMES FREIRE
 
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptxEspaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptxKaren Pinheiro
 
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptxEspaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptxKaren Pinheiro
 
Apresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptx
Apresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptxApresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptx
Apresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptxssuserbe3ddf
 
Projeto eeefm luiz jouffroy cultura im foco
Projeto eeefm luiz jouffroy cultura im focoProjeto eeefm luiz jouffroy cultura im foco
Projeto eeefm luiz jouffroy cultura im focoMarilia Frizzera Dias
 
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVAMEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVAPedagogiapibid
 
Ressonancia jose reginaldo
Ressonancia jose reginaldoRessonancia jose reginaldo
Ressonancia jose reginaldoJunior Pacifico
 
Aula 1: Fundamentos legais e princípios da educação
Aula 1: Fundamentos legais e princípios da educaçãoAula 1: Fundamentos legais e princípios da educação
Aula 1: Fundamentos legais e princípios da educaçãoIsrael serique
 
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombosPovoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombosAlunos da UNEB
 
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2Fabio Salvari
 
Aula 1: História local no Quilombo do Fortunato
Aula 1: História local no Quilombo do FortunatoAula 1: História local no Quilombo do Fortunato
Aula 1: História local no Quilombo do FortunatoViegas Fernandes da Costa
 

Semelhante a Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii (20)

Aula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoriaAula 1 patrimonio e memoria
Aula 1 patrimonio e memoria
 
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012
 
slides.ppe2
slides.ppe2slides.ppe2
slides.ppe2
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno pps
 
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptxEspaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
 
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptxEspaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
Espaço de memória, patrimônio e territórios.pptx
 
Apresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptx
Apresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptxApresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptx
Apresentação -Slide- ESPAÇOS DE MEMÓRIA.pptx
 
Monografia Cleia pedagogia 2011
Monografia Cleia pedagogia 2011Monografia Cleia pedagogia 2011
Monografia Cleia pedagogia 2011
 
Projeto eeefm luiz jouffroy cultura im foco
Projeto eeefm luiz jouffroy cultura im focoProjeto eeefm luiz jouffroy cultura im foco
Projeto eeefm luiz jouffroy cultura im foco
 
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVAMEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
 
PPE 2.pptx
PPE 2.pptxPPE 2.pptx
PPE 2.pptx
 
Ressonancia jose reginaldo
Ressonancia jose reginaldoRessonancia jose reginaldo
Ressonancia jose reginaldo
 
Aula 1: Fundamentos legais e princípios da educação
Aula 1: Fundamentos legais e princípios da educaçãoAula 1: Fundamentos legais e princípios da educação
Aula 1: Fundamentos legais e princípios da educação
 
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombosPovoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombos
 
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
 
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural -  Projeto AripuanãPatrimônio cultural -  Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
 
Aula 1: História local no Quilombo do Fortunato
Aula 1: História local no Quilombo do FortunatoAula 1: História local no Quilombo do Fortunato
Aula 1: História local no Quilombo do Fortunato
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
 

Mais de Dirce Cristiane Camilotti

Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio culturalPlanejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio culturalDirce Cristiane Camilotti
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialDirce Cristiane Camilotti
 
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MSPlanejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MSGerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MSFormação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MSFormação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4  - Editor de apresentação - ImpressApostila módulo 4  - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - ImpressDirce Cristiane Camilotti
 
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)Dirce Cristiane Camilotti
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)Dirce Cristiane Camilotti
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)Dirce Cristiane Camilotti
 

Mais de Dirce Cristiane Camilotti (20)

Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio culturalPlanejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
 
Imersão na prática ed. patrimonial
Imersão na prática   ed. patrimonialImersão na prática   ed. patrimonial
Imersão na prática ed. patrimonial
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Apostila Módulo 6 - Internet e Mozilla
Apostila Módulo 6  - Internet e MozillaApostila Módulo 6  - Internet e Mozilla
Apostila Módulo 6 - Internet e Mozilla
 
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MSPlanejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
 
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MSGerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
 
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MSFormação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
 
Projetos - NTE-Regional
Projetos - NTE-RegionalProjetos - NTE-Regional
Projetos - NTE-Regional
 
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MSFormação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
 
Apostila módulo 5 - Calc - fonte IFRS
Apostila módulo 5 - Calc - fonte IFRSApostila módulo 5 - Calc - fonte IFRS
Apostila módulo 5 - Calc - fonte IFRS
 
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4  - Editor de apresentação - ImpressApostila módulo 4  - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - Impress
 
Apostila módulo 3c
Apostila módulo 3cApostila módulo 3c
Apostila módulo 3c
 
Apostila módulo 3b
Apostila módulo 3bApostila módulo 3b
Apostila módulo 3b
 
Apostila módulo 3a
Apostila módulo 3aApostila módulo 3a
Apostila módulo 3a
 
Apostila Módulo 2 - Linux Educacional
Apostila Módulo 2  - Linux EducacionalApostila Módulo 2  - Linux Educacional
Apostila Módulo 2 - Linux Educacional
 
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
 
Parte 2 gamificação
Parte 2   gamificaçãoParte 2   gamificação
Parte 2 gamificação
 
Parte 1 jogos educativos
Parte 1   jogos educativosParte 1   jogos educativos
Parte 1 jogos educativos
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii

  • 1. Projetos e Práticas Educacionais II Professora: Fernanda Guimarães Correia Acadêmicas: Cristiana dos Santos Barboza Daniele Kazue Sugioka Dirce Cristiane Camilotti Jaqueline Santos Vargas Plaça Penha Claudia Poloni Faculdade Unyleya - Segunda Licenciatura em Pedagogia
  • 2. Introdução - O presente trabalho foi elaborado a partir de uma Curadoria Digital realizada na disciplina Projetos e Práticas Educacionais II. - O objetivo da curadoria foi levantar textos e materiais audiovisuais que auxiliassem no entendimento sobre os espaços de memória, patrimônio e territórios para a promoção da educação integral, cidadã e que valorize a cultura brasileira e fomente o sentido de pertencimento.
  • 3. Espaço de Memória Análise baseada no vídeo do professor Jefferson Evanio, publicado no canal “Navegando nas Humanidades”. Ele usa um texto de Pierre Nora, criador da expressão lugar de memória, chamado “Entre Memória e História: A problemática dos lugares”. Nora conceitua memória e História. Fala da diferença entre memória e História, além de construir uma nova ideia que se localiza no limite desses dois conceitos, o lugar de memória. Catedral da Sé | Foto: @hudsonsfmelo
  • 4. Memória: no mundo antigo era a própria História, havia uma simultaneidade entre elas, ambas se relacionando à duração. A memória se enraíza no concreto, no espaço, no gesto, na imagem, no objeto. É: • Natural • Orgânica • Fisiológica; • Um elo entre as gerações. História: é a reconstrução do que não existe mais, é a desnaturalização da natureza, é um discurso sobre a memória. https://br.freepik.com/fotos-gratis/escadas- coloridas-de-selaron-no-rio-de-janeiro- brasil_11942792.htm?query=rio%20de%20janeiro
  • 5. História: é a reconstrução do que não existe mais, é a desnaturalização da natureza, é um discurso sobre a memória. No mundo moderno, ocorre uma mudança na forma como os homens lidam com o tempo. Com os avanços dos processos de industrialização e dos fenômenos de “mundialização”, democratização e massificação, há uma percepção de aceleração do tempo. O que era, rapidamente deixa de ser. Essa aceleração do tempo provoca uma ruptura de equilíbrio que resulta em uma crescente preocupação pelo manutenção do passado histórico e numa sensação generalizada de que não haveria mais memória espontânea. Bairro da Liberdade – Fonte: Wikipédia
  • 6. Espaço de memória é um vestígio/rastro da memória, materializada na forma de instituições específicas, para salvaguardar o que deve ser lembrado. É uma maneira de se opor ao efeito devastador e desintegrador da rapidez contemporânea. A função do espaço de memória é pedagógica, tendo três características: ● ocupam lugar na demografia social; ● são lugares rituais, criam as condições para uma experiência simbólica; ● se aprende alguma coisa. Museu da Língua Portuguesa – Fonte: Wikipédia
  • 7. Espaço de memória, segundo Pierre Nora, é toda unidade significativa, de ordem material ou ideal, que a vontade dos homens ou o trabalho do tempo converteu em elemento simbólico do patrimônio memorial de uma comunidade qualquer. Exemplos citados: monumentos, cemitérios, coleções, festas, santuários, arquivos, rituais, museus, livros. Bumba-Meu-Boi – Fonte: Wikipédia
  • 8. Território A incorporação do termo território em instrumentos legais do governo federal brasileiro, tais como a Constituição de 1988 e a Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, reflete uma ressemantização do termo e demonstra uma dimensão política, enfatizando a importância de noção do termo. Os Direitos Fundamentais e a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, estabelecem garantias de direitos a populações tradicionais, dentre as quais o reconhecimento de direitos sociais, territoriais e culturais. http://www.ecobrasil.eco.br/noticias-rodape/1272- comunidades-ou-populacoes-tradicionais
  • 9. Povos e Comunidades Tradicionais são grupos culturalmente diferenciados e que se reconhecem como tais, que possuem formas próprias de organização social, que ocupam e usam territórios e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição." Decreto Federal nº. 6.040 de 7 de fevereiro de 2000 A Constituição Federal diz que "Povos e Comunidades Tradicionais são grupos que possuem culturas diferentes da cultura predominante na sociedade e se reconhecem como tal." http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/
  • 10. A ideia de território como espaço territorial utilizado é definido a partir de dois campos distintos: de um lado a apropriação efetiva do espaço, e de outro, a utilização deste como meio para a prática de atividade. A noção de território sobrepõe a ideia do localismo reducionista, tendo em vista que a própria história e as condições de vida existentes naquele espaço remetem a uma análise social do território, que pode ser traduzido na manutenção e condições de vida de grupos de populações bastante antigas, as quais compreendem o território, sobretudo, como algo indispensável à sua reprodução física e cultural. https://ceert.org.br/noticias/educacao/5843/mestrado- inovador-para-comunidades-tradicionais-indigenas-e- quilombolas
  • 11. No Brasil existe uma imensa diversidade sociocultural que é acompanhada por uma extraordinária diversidade fundiária. As múltiplas sociedades indígenas em seus ambientes geográficos, com formas próprias de inter-relacionamento, os remanescentes das comunidades dos quilombos, espalhadas por todo o território nacional, formam núcleos importantes desta diversidade. Essa diversidade fundiária inclui também as chamadas “terras de preto”, “terras de santo” e as “terras de índio”. Ainda, há as distintas formas fundiárias mantidas pelas comunidades de açorianos, babaçueiros, caboclos, caiçairas, caipiras, campeiros, jangadeiros, pantaneiros, pescadores artesanais, praierios, sertanejos e varjeiros.
  • 12. A categorização deste grande leque de grupos humanos abrange os termos “populações”, “comunidades”, “povos”, “sociedades”, “culturas” e tende a ser acompanhada por adjetivos: “tradicionais”, “rurais”, “locais”, “residentes” nas áreas protegidas. Entretanto a heterogeneidade dentro de cada categoria torna inviável tratá-los em uma mesma classificação. https://carollinasalle.jusbrasil.com.br/noticias/121548596/comeca-encontro-de-povos-e- comunidades-tradicionais
  • 13. https://cebi.org.br/noticias/povos-tradicionais A territorialidade para as populações tradicionais é destacada a partir de três elementos: a) regime de propriedade comum; b) sentido de pertencimento a um lugar específico; c) profundidade histórica da ocupação guardada na memória coletiva, embora tais elementos serem comuns para outros povos tradicionais em planos socioculturais
  • 14. A territorialidade para as populações tradicionais pode ser definida como um conjunto de fatores que transcendem o mero aspecto de ocupação geográfica, para expressar a existência de vínculos sociais e simbólicos, onde se predomina o uso sustentável e de baixo impacto dos recursos naturais, o desempenho de práticas culturais não predatórias e a gestão compartilhada de recursos naturais, sendo o esforço coletivo de um grupo social para ocupar, usar, controlar e se identificar com uma parcela específica de seu ambiente biofísico, convertendo-a assim em seu “território”. http://pnc.cultura.gov.br/2017/07/29/meta-6
  • 15. A renovação da teoria de territorialidade na antropologia tem como ponto de partida uma abordagem que considera a conduta territorial como parte integral de todos os grupos humanos. Das condutas de territorialidade de um grupo social surge um território, que é um produto histórico de processos sociais e políticos. A análise antropológica da territorialidade também precisa de abordagens etnográficas para entender as formas específicas dessa diversidade de territórios. Outro aspecto fundamental da territorialidade humana é que ela tem uma multiplicidade de expressões, o que produz um leque muito amplo de tipos de territórios, cada um com suas particularidades socioculturais, ou seja, existe uma relação particular que um grupo social mantém com seu respectivo território, como os saberes ambientais, ideologias e identidades − coletivamente criados e historicamente situados − que um grupo social utiliza para estabelecer e manter seu território.
  • 16. Patrimônio Cultural De acordo com Silva Junior, & Tavares (2018), o Patrimônio Cultural é tudo aquilo que possui importância histórica para um povo, uma sociedade ou para um país; e até mesmo para a história da humanidade, ou seja, patrimônio cultural é tudo aquilo que tem esse valor relevante. É um bem que possui um valor inestimável para história de uma civilização ou povo. Patrimônios culturais são nossa interligação com passado, um resgate da nossa memória. Os patrimônios culturais nos ajudam a conhecer nossas origens e o que diferencia nos define como grupo cultural. Fonte: Site pixabay Fonte: Site pixabay
  • 17. Patrimônio Cultural A palavra patrimônio vem do latim 'pater', que significa pai. Apresenta uma noção daquilo que é passado como herança entre as gerações. É uma herança compartilhada entre os cidadãos, que carrega em si aspectos referentes a identidade daquela sociedade. O Patrimônio Cultural é dividido em dois grupos, de acordo com a sua natureza. Sendo eles: Material e Imaterial. Fonte: Site pixabay
  • 18. Patrimônios de natureza materiais e imateriais Patrimônios materiais: São os bens materiais de um grupo social, , ou seja, tangíveis, de um povo. Abrange os museus, monumentos arquitetônicos, igrejas, bibliotecas, etc. Exemplos de Patrimônios materiais: Centro Histórico de Ouro Preto (Minas Gerais), Cristo Redentor (Rio de Janeiro), o conjunto arquitetônico de Paraty (Rio de Janeiro), centro histórico de Olinda (Pernambuco), entre outros. Fonte: https://viagemeturismo.abril.com.br/materias/patrimonios-culturais-da-humanidade-unesco-brasil/ Centro Histórico de Ouro Preto, Minas Gerais Centro Histórico de Olinda, Pernambuco
  • 19. Patrimônios imateriais: São considerados intangíveis e abrange as expressões simbólicas e culturais de um povo, como as festas, as danças, músicas, saberes, costumes, formas de expressão, entre outros. Exemplos de Patrimônios imateriais: Danças: Samba, frevo, capoeira e forró. Comidas: churrasco gaúcho, tapioca, feijoada, bolo de rolo. Outros exemplos são a literatura de cordel, festa do Senhor de Bom Jesus do Bonfim, a festa do boi-bumbá e a missa do vaqueiro. Dança: Frevo Comida: Feijoada Manifestação folclórica: Maracatu Fonte: Wikipédia Fonte: Wikipédia Fonte: Wikipédia
  • 20. Patrimônios Culturais do Brasil O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) reconhece no Brasil 14 Patrimônios Culturais da Humanidade, que também são tombados pela Unesco. São eles: • Centro Histórico de Ouro Preto -MG; • Centro Histórico de Olinda - PE • Ruínas de São Miguel das Missões - RS; • Centro Histórico de Salvador - BA • Santuário de Bom Jesus de Matosinhos - Congonhas do Campo - MG; • Brasília- DF; • Parque Nacional Serra da Capivara -PI; • Centro Histórico São Luís- MA; • Centro Histórico de Diamantina - MG; • Centro Histórico de Goiás - GO; • Praça de São Francisco - São Cristóvão - SE; • Paisagens Cariocas - RJ; • Pampulha - Belo Horizonte - MG; • Cais do Valongo - RJ
  • 21. Patrimônios Culturais Mundiais A Organização das Nações Unidas para a Ciência e a Cultura (Unesco) com o objetivo de promover a preservação dos bens culturais, históricos e naturais da humanidade, criou a categoria patrimônio cultural, sendo mais de mil locais em todo o mundo. Exemplos: Taj Mahal (Índia) Grand Canyon (EUA) Machu Picchu (Peru) Fonte: Site pixabay
  • 22. Havana (Cuba) Pirâmides de Gizé (Egito) A Grande Muralha da China (China) Centro Histórico de Roma (Itália) Acrópoles de Atenas (Grécia) Catedral de Notre Dame (França) Fonte: Site pixabay Patrimônios Culturais Mundiais
  • 23. Educação Patrimonial Definições - É o processo de ensino e aprendizagem em que se estabelece a troca entre os agentes do patrimônio e a comunidade. - Implementação de ações educativas que possibilitem a apropriação, valorização e preservação do patrimônio cultural, por meio de atividades que permitem conhecer e usufruir desse patrimônio (história local, arquitetura, folclore, tradição, música, arte, tetro, hábitos e costumes de determinada localidade). Os agentes do patrimônio trazem noções de patrimônio e de bem cultural e a história desse bem e a comunidade apresenta a sua relação com esse bem.
  • 24. Tem a intenção de levar à obtenção das diversas noções sobre o bem (noções de pertencimento, identidade), o desenvolvimento do pensamento crítico sobre o bem, a relação dele com a história local e global, de si e da sua família. É um instrumento de “alfabetização cultural” que possibilita ao indivíduo fazer a leitura do mundo que o rodeia, levando-o à compreensão do universo sociocultural e da trajetória histórico-temporal em que está inserido. Educação Patrimonial
  • 25. Principais Objetivos da Educação Patrimonial 1. Possibilitar aos indivíduos e aos diferentes grupos sociais o acesso aos instrumentos e a leitura crítica dos bens culturais em suas múltiplas manifestações, sentidos e significados; 2. Fortalecer a identidade cultural individual e coletiva, aumentando o sentimento de autoestima e considerando a cultura brasileira como múltipla e plural; 3. Estimular a comunidade para apropriar-se do patrimônio cultural que ela detém e pelo qual é também responsável; 4. Promover o diálogo entre a sociedade e os órgãos responsáveis pela identificação, proteção e promoção do patrimônio cultural; 5. Experimentar e desenvolver metodologias que permitam um processo contínuo de produção de conhecimento, compreensão e avaliação; 6. Possibilitar a produção de novos conhecimentos, integrando-os às ações de identificação, proteção e valorização do patrimônio.
  • 26. Características da Educação Patrimonial Foco: desenvolvimento dos sentimentos de pertencimento e de troca, troca de experiências com base nas relações das pessoas com o bem patrimonial. Diversidade de público: crianças, jovens, adultos e idosos. “as crianças são consideradas o principal público-alvo da educação patrimonial porque são multiplicadores em potencial, levando o que aprendem para a família e seu grupo de convívio”.
  • 27. Características da Educação Patrimonial Diversidade de técnicas: exposição teórica sobre o bem; elaboração de desenhos, fotografias e mapas culturais. Elemento fundamental: colocar os grupos em contato com o bem (patrimônio material ou imaterial).
  • 28. Processo educacional: a) Inicia com as atividades mais teóricas; b) Na sequência desenvolvem-se atividades práticas (contato com o bem); c) Produção de material sobre o bem (desenhos, mapas, por exemplo). Teoria Prática Produção Características da Educação Patrimonial
  • 29. Educação patrimonial na perspectiva freireana Possibilita: a) O papel ativo do aluno no processo de aprendizagem, constituindo-se uma ferramenta importante na construção da cidadania e da transformação social. b) A formação de cidadãos capazes de ler, interpretar, questionar e intervir no seu meio sociocultural e político, para além do seu patrimônio cultural. c) A apropriação e valorização da herança cultural, preparando os sujeitos para usufruir destes bens e produzir novos conhecimentos, sendo um processo permanente e sistemático centrado no patrimônio cultural, que compreende um instrumento de afirmação da cidadania e de alfabetização cultural. - A Educação Patrimonial, tendo como base as ideias de Paulo Freire, fortalece a identidade, consciência social e cidadania e tem no patrimônio cultural a fonte primária do conhecimento.
  • 30. A partir das ideias freireanas a educação patrimonial torna-se um instrumento importante para a identificação, construção de saberes e posicionamento crítico diante desse patrimônio.
  • 31. Referências Bibliográficas ● SILVA JUNIOR, J. E. da, & TAVARES, A. L. de O. Patrimônio Cultural, Identidade e Memória Social: suas interfaces com a sociedade. Ciência Da Informação Em Revista, 5(1), 3–10, 2018. Disponível em: <https://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/3775>. Acesso em: 01 de set. de 2021. ● LITTLE, P. E. (2003). Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Anuário antropológico, Vol. 28, Nº. 1, 2003, págs. 251-290. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/ejemplar/548411>. Acesso em: 01 de set. de 2021. ● BALDISSERA, Giulie et. al. Espaço da memória: a história não pode ser esquecida. Uniritter, 2014. Disponível em: <https://www.uniritter.edu.br/uploads/eventos/sepesq/x_sepesq/arquivos_trabalhos/2968/153/130.pdf>. Acesso em: 01 de set. de 2021. ● CASTRO, C. 2005. A importância da Educação Patrimonial para o desenvolvimento do Turismo Cultural. In: III Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul, Caxias do Sul. Disponível em: <https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/gt5-a-importancia.pdf>. Acesso em: 01 de set. de 2021.