SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
1
IMERSÃO NA VIVÊNCIA PRÁTICA
1. APRESENTAÇÃO DO ESPAÇO OBSERVADO
Nome do espaço
Museu das Culturas Dom Bosco - MCDB/UCDB
Endereço/link da Internet do espaço:
http://www.mcdb.org.br/
http://www.conhecendomuseus.com.br/museus/museu-das-culturas-dom-bosco/
Área de Atuação:
Educação, Etnologia, Mineralogia, Paleontologia e Zoologia.
Público-alvo:
Adultos, jovens e crianças.
Como este espaço atua para a transformação social do contexto na qual está inserida?
Promove atividades como palestras, seminários e oficinas culturais. Possui exposições de longa
duração e temporárias e tem o objetivo de promover educação, desenvolvimento e o lazer de
adultos, jovens e crianças.
Análise dos dados da observação
O Museu das Culturas Dom Bosco inaugurado em 1951 foi idealizado pela Missão Salesiana e
durante anos formou um acervo variado a partir da dedicação dos salesianos e especialistas de
arqueologia, etnologia, mineralogia e paleontologia. Esse espaço está localizado no Parque das
Nações Unidas na cidade de Campo Grande no estado de Mato Grosso do Sul. Esse estado possui
uma grande população de povos indígenas e o Museu Dom Bosco possui uma extensa coleção de
objetos de cultura material indigena, possuindo a maior e mais completa coleção bororo do mundo.
Esse espaço recebe visitas da população e também das escolas promovendo a divulgação científica
e histórica da origem e cultura dos povos indígenas, principalmente da região centro-oeste do Brasil.
O prédio dispõe de recepção, um auditório para 130 pessoas e espaço para exposições temáticas.
Possui rampas de acesso para deficientes físicos e idosos, o que é um diferencial e alguns trabalhos
para alunos surdos e cegos utilizando língua de sinais e escrita braille. O espaço hospeda hoje uma
coleção das mais significativas, elaboradas pelo taxidermista Giovani Magnin, durante as suas
viagens feitas ao pantanal e demais regiões. Possui 40.000 peças divididas entre diferentes áreas
como mineralogia, paleontologia, etnografia, arqueologia e zoologia e mais de 5.000 peças
indígenas de várias culturas como Xavantes, Bororos e outros, além de centenas de aves e
mamíferos do Pantanal embalsamados, milhares de conchas e borboletas de vários continentes,
além de uma enorme coleção de minerais e insetos. Professores que querem realizar uma atividade
com seus alunos nesse espaço podem fazer reservas e terão o acompanhamento de guias que
auxiliam com explicações e apresentação do acervo, assim como a história de cada objeto. Além
disso, o museu também oferece vídeos e apresentações no auditório com intérpretes de libras e áudio
transcrição apresentando o acervo e a história do espaço.
2
Fotos do espaço observado1
Guia do museu Modelo de uma oca Cocar
Apresentação dos sinais em
libras dos itens do museu Roupas utilizadas em ritos
Hall de entrada do museu
Parte da coleção Bororo
Parte da coleção de animais Modelo de uma oca
1 Espaço visitado antes da Pandemia (fotos do acervo pessoal).
3
2. APRESENTAÇÃO DO ESPAÇO OBSERVADO
Nome do espaço
Museu de Zoologia da USP - MZUSP
Endereço/link da Internet do espaço:
https://mz.usp.br/pt/museu/historia/
Área de Atuação:
Educação, Zoologia, Sistemática, Taxinomia, Animal, Biodiversidade
Público-alvo:
Crianças, Jovens e Adultos
Como este espaço atua para a transformação social do contexto na qual está inserida?
O MZUSP demonstra ter como missão primordial o zelo pela manutenção, integridade e
crescimento de tal patrimônio, assim como engajamento na educação e formação de profissionais,
o que pode ser visto pela disponibilização dos dados relevantes para utilização em pesquisa, além
de uma Biblioteca com mais de 100 mil volumes em estudos sobre biodiversidade, e os acervos
servem como base para a educação formal de graduandos e pós-graduandos de todo o país. Oferece
exposições, palestras, oficinas, mostras e festivais, cursos de extensão gratuitos e programações
especiais, e ainda possibilita a inclusão com visitas direcionadas a pessoas com deficiência visual e
intelectual que incluem a manipulação de objetos e maquetes.
Análise dos dados da observação
O Museu de Zoologia teve seu início na década de 1890 quando diversas coleções formaram o
Museu Paulista. Nos 40 anos seguintes, muitos trabalhos foram desenvolvidos com o auxílio das
crescentes coleções zoológicas, botânicas, etnográficas e históricas abrigadas no Museu Paulista.
Em 1969, o museu passou a fazer parte da Universidade de São Paulo e recebeu seu nome atual.
Atualmente,, o Museu de Zoologia é detentor de um dos maiores acervos zoológicos da América
Latina e cumpre um papel crucial no desenvolvimento do conhecimento acerca da biodiversidade
brasileira e global, tendo sido a primeira instituição brasileira a ser reconhecida como fiel
depositária pelo Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (Ministério do Meio Ambiente). Com
mais de 10 milhões de exemplares preservados, guarda testemunhos únicos sobre espécies e
ecossistemas, alguns hoje extintos. Esse patrimônio é fonte de dados importantes em biologia
evolutiva, paleontologia, ecologia, e biologia molecular. Por sua vez, essa informação é utilizada
em estudos de monitoramento ambiental, mudanças climáticas e bioprospecção, temas de grande
relevância no momento atual. O MZUSP tem como principal atividade compreender padrões e
processos da Biodiversidade brasileira. O museu abriga cerca de 20% de toda a biodiversidade do
planeta, sendo guardião de uma das maiores coleções da nossa fauna brasileira. O museu oferece
inúmeras exposições em biodiversidade, além de palestras, oficinas com opções de atividades para
todos os públicos de diversas faixas etárias, mostras e festivais, cursos de extensão e algumas
programações especiais, como USP e profissões, semana nacional de ciência e tecnologia e
primavera dos museus. O Museu de Zoologia também tem engajamento efetivo na formação de
zoólogos, pois os seus acervos servem como base para a educação formal de graduandos e pós-
graduandos de todo o país, para a formação e desenvolvimento de pesquisa e educação em zoologia.
Possui também uma biblioteca que assegura um grande número de recursos e serviços diferenciados
para a formação e desenvolvimento da pesquisa em zoologia. As visitas podem ser orientadas,
livres ou virtuais. A visita virtual é muito interessante, uma vez que possibilita a visualização 360º
de todo o acervo do museu, com direito a trilha sonora, sendo possível comandar a direção e assim
olhar o museu pelo ângulo que se deseja, além de disponibilizar de um ícone explicativo para cada
amostra.
4
Fotos referentes a visita virtual
Visitas orientadas Visitas orientadas
Visita virtual Visita Virtual
Visita Virtual Visita Virtual
5
Visita virtual
Oficina com interação animal
Visitas às exposições Visitas orientadas
Visitas às coleções Visitas direcionadas à pessoas com deficiência
6
3. APRESENTAÇÃO DO ESPAÇO OBSERVADO E SELECIONADO
Nome do espaço
Casa Museu da Pessoa
Endereço/link da Internet do espaço:
https://museudapessoa.org/
Área de Atuação:
Educação, memória, diversidade e pesquisa.
Público-alvo:
Adultos, jovens e crianças.
Como este espaço atua para a transformação social do contexto na qual está inserida?
O Museu da pessoa desde sua origem tem como objetivo registrar, preservar e transformar em
informação histórias de vida de toda e qualquer pessoa da sociedade. Seu principal papel é
disseminar e valorizar a cultura popular, através das histórias de vida das pessoas.
Análise dos dados da observação
O Museu da Pessoa fica na Rua Natingui, 110, Vila Madalena - São Paulo. Foi fundado em
1991, e apesar de não haver internet naquela época, o formato de preservação em base digital (CD-
roms multimídia) o transformou no primeiro 'museu virtual' brasileiro conhecido.
Apesar de normalmente ter as atividades físicas e online, desde o início da pandemia ele está
fechado, tendo hoje somente as atividades online. Mesmo quando havia visitas físicas os acervos lá
são virtuais, portanto a experiência foi muito igual à que seria antes da pandemia. Ele é um museu
virtual, aberto e colaborativo que transforma histórias de vida em fonte de conhecimento,
compreensão e conexão entre pessoas e povos.
Minha visita foi virtual, e o impacto que tive foi fortíssimo. Quando vi o nome do museu, pensei,
todo museu é da pessoa, as obras que ali estão, foram feitas por pessoas. Através da arte, as pessoas
contam a sua história e do seu tempo. O grande diferencial do Museu da Pessoa é que as obras de
arte ali expostas são as histórias de vida de pessoas, que sendo comuns, são extraordinárias. Foi
incrível ouvir histórias de um determinado tempo passado, me deu uma compreensão muito mais
empática daquele momento.
O Museu da Pessoa acredita que valorizar a diversidade cultural e a história de cada pessoa como
patrimônio da humanidade é contribuir para a construção de uma cultura de paz.
No site podemos ouvir histórias de pessoas aleatórias (a busca pode ser feita por coleções, histórias,
pessoas, imagens e vídeos) ou ainda ver uma exposição. São muitos disponíveis. Eu vi “Amigos do
Vlado”. Através dos depoimentos mergulhamos na história de Vladimir Herzog. É possível
perdermos a noção do tempo e passar horas neste museu.
Fotos referentes visita virtual
Obra artística composta 100% por materiais
recicláveis
Detalhe da fachada - Uma intervenção artística
composta 100% por materiais recicláveis
7
Sala do Museu da Pessoa
Foto de uma das pessoas com a história
registrada
Foto de uma das pessoas com a história
registrada Foto de uma das pessoas com a história
registrada
Foto de Vladimir Herzog - Presente na
Exposição “Amigos do Vlado”
Vídeo de Paulo Freire da exposição Idade do
Pensar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...Maria José Brollo
 
Educacao tradicional em moc
Educacao tradicional em mocEducacao tradicional em moc
Educacao tradicional em mocjohnbank1
 
Construindo bezerros de ouro.
Construindo bezerros de ouro.Construindo bezerros de ouro.
Construindo bezerros de ouro.Humberto Fontoura
 
Cap 2 o jesus histórico
Cap 2 o jesus históricoCap 2 o jesus histórico
Cap 2 o jesus históricoPetula
 
Apostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoesApostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoesCaetan Capellan
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosettoGleibiane Silva
 
Efrain desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-cultural
Efrain  desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-culturalEfrain  desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-cultural
Efrain desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-culturalThaís Gomes
 
Lição 2 - A escravidão dos hebreus no Egito
Lição 2 - A escravidão dos hebreus no EgitoLição 2 - A escravidão dos hebreus no Egito
Lição 2 - A escravidão dos hebreus no EgitoÉder Tomé
 
Apresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romanoApresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romanoPET-PEDAGOGIA2012
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialJunior Lima
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoHerbert Santana
 
Resumo pcn história1
Resumo pcn história1Resumo pcn história1
Resumo pcn história1cmsrial13
 
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoRODRIGO FERREIRA
 

Mais procurados (20)

A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
A REDUÇÃO DOS RISCOS DE DESASTRES COMEÇA NA ESCOLA: ESTUDO DE CASO EM CAMPOS ...
 
Deuteronomio 4
Deuteronomio 4Deuteronomio 4
Deuteronomio 4
 
Educacao tradicional em moc
Educacao tradicional em mocEducacao tradicional em moc
Educacao tradicional em moc
 
Construindo bezerros de ouro.
Construindo bezerros de ouro.Construindo bezerros de ouro.
Construindo bezerros de ouro.
 
Cap 2 o jesus histórico
Cap 2 o jesus históricoCap 2 o jesus histórico
Cap 2 o jesus histórico
 
A conquista de canaã lição 04
A conquista de canaã  lição 04A conquista de canaã  lição 04
A conquista de canaã lição 04
 
Apostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoesApostila teologia-biblica-de-missoes
Apostila teologia-biblica-de-missoes
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
 
Efrain desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-cultural
Efrain  desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-culturalEfrain  desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-cultural
Efrain desenvolvimento-e-aprendizagem-na-perspectiva-historico-cultural
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
 
Lição 2 - A escravidão dos hebreus no Egito
Lição 2 - A escravidão dos hebreus no EgitoLição 2 - A escravidão dos hebreus no Egito
Lição 2 - A escravidão dos hebreus no Egito
 
Apresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romanoApresentação o pensamento pedagógico romano
Apresentação o pensamento pedagógico romano
 
Pcn história
Pcn históriaPcn história
Pcn história
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonial
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
 
Resumo pcn história1
Resumo pcn história1Resumo pcn história1
Resumo pcn história1
 
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodo
 
Meditação na palavra
Meditação na palavraMeditação na palavra
Meditação na palavra
 

Semelhante a Museu da Pessoa: histórias que contam a história

11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barraslides-mci
 
Fonte de informações em Museus
Fonte de informações em MuseusFonte de informações em Museus
Fonte de informações em MuseusIngridy Dias
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de HistóriaCintia Dias
 
Guia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrjGuia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrjGuiaDidatico
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...Juliana Gulka
 
Hora do Sul 11-11-2011
Hora do Sul 11-11-2011Hora do Sul 11-11-2011
Hora do Sul 11-11-2011Hora do Sul
 
Apresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologiaApresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologiacarinacrislai
 
Experiencia Com Universitarios
Experiencia Com UniversitariosExperiencia Com Universitarios
Experiencia Com UniversitariosMargari León
 
Guia museusdeciencia2005
Guia museusdeciencia2005Guia museusdeciencia2005
Guia museusdeciencia2005Rafael Soares
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...Jessica Amaral
 

Semelhante a Museu da Pessoa: histórias que contam a história (20)

Museu
MuseuMuseu
Museu
 
Museus e centros de ciencias
Museus e centros de cienciasMuseus e centros de ciencias
Museus e centros de ciencias
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
 
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom BoscoEncontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
 
Livro Museus de Maceió.pdf
Livro Museus de Maceió.pdfLivro Museus de Maceió.pdf
Livro Museus de Maceió.pdf
 
Fonte de informações em Museus
Fonte de informações em MuseusFonte de informações em Museus
Fonte de informações em Museus
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
Museu...Programa de Criança?
Museu...Programa de Criança?Museu...Programa de Criança?
Museu...Programa de Criança?
 
Guia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrjGuia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrj
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
 
Parque água branca
Parque água brancaParque água branca
Parque água branca
 
Parque água branca-1
Parque água branca-1Parque água branca-1
Parque água branca-1
 
Museologia
MuseologiaMuseologia
Museologia
 
Hora do Sul 11-11-2011
Hora do Sul 11-11-2011Hora do Sul 11-11-2011
Hora do Sul 11-11-2011
 
Apresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologiaApresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologia
 
Centros e museus de ciência do brasil 2015
Centros e museus de ciência do brasil 2015Centros e museus de ciência do brasil 2015
Centros e museus de ciência do brasil 2015
 
Guia Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015
Guia Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015Guia Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015
Guia Centros e Museus de Ciência do Brasil 2015
 
Experiencia Com Universitarios
Experiencia Com UniversitariosExperiencia Com Universitarios
Experiencia Com Universitarios
 
Guia museusdeciencia2005
Guia museusdeciencia2005Guia museusdeciencia2005
Guia museusdeciencia2005
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
 

Mais de Dirce Cristiane Camilotti

Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio culturalPlanejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio culturalDirce Cristiane Camilotti
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialDirce Cristiane Camilotti
 
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MSPlanejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MSGerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MSFormação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MSFormação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MSDirce Cristiane Camilotti
 
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4  - Editor de apresentação - ImpressApostila módulo 4  - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - ImpressDirce Cristiane Camilotti
 
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)Dirce Cristiane Camilotti
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)Dirce Cristiane Camilotti
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)Dirce Cristiane Camilotti
 

Mais de Dirce Cristiane Camilotti (20)

Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio culturalPlanejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
Planejamento de aula - receitas de famílias - patrimônio cultural
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Apostila Módulo 6 - Internet e Mozilla
Apostila Módulo 6  - Internet e MozillaApostila Módulo 6  - Internet e Mozilla
Apostila Módulo 6 - Internet e Mozilla
 
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MSPlanejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
Planejamento e atividades com uso das TDIC - NTE0Regional/MS
 
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MSGerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
Gerenciamento e registros de uso das TIC - NTE-Regional/MS
 
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MSFormação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
Formação continuada e PROGETECs no NTE-Regional/MS
 
Projetos - NTE-Regional
Projetos - NTE-RegionalProjetos - NTE-Regional
Projetos - NTE-Regional
 
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MSFormação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
Formação inicial - PROGETECs - NTE-Regional/MS
 
Apostila módulo 5 - Calc - fonte IFRS
Apostila módulo 5 - Calc - fonte IFRSApostila módulo 5 - Calc - fonte IFRS
Apostila módulo 5 - Calc - fonte IFRS
 
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4  - Editor de apresentação - ImpressApostila módulo 4  - Editor de apresentação - Impress
Apostila módulo 4 - Editor de apresentação - Impress
 
Apostila módulo 3c
Apostila módulo 3cApostila módulo 3c
Apostila módulo 3c
 
Apostila módulo 3b
Apostila módulo 3bApostila módulo 3b
Apostila módulo 3b
 
Apostila módulo 3a
Apostila módulo 3aApostila módulo 3a
Apostila módulo 3a
 
Apostila Módulo 2 - Linux Educacional
Apostila Módulo 2  - Linux EducacionalApostila Módulo 2  - Linux Educacional
Apostila Módulo 2 - Linux Educacional
 
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
Oficina Jogos e Gamificação (NTE-Regional/MS)
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 2 (gamificação)
 
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
 
Parte 2 gamificação
Parte 2   gamificaçãoParte 2   gamificação
Parte 2 gamificação
 
Parte 1 jogos educativos
Parte 1   jogos educativosParte 1   jogos educativos
Parte 1 jogos educativos
 
Oficina - Jogos e Gamificação
Oficina - Jogos e GamificaçãoOficina - Jogos e Gamificação
Oficina - Jogos e Gamificação
 

Último

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 

Último (20)

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 

Museu da Pessoa: histórias que contam a história

  • 1. 1 IMERSÃO NA VIVÊNCIA PRÁTICA 1. APRESENTAÇÃO DO ESPAÇO OBSERVADO Nome do espaço Museu das Culturas Dom Bosco - MCDB/UCDB Endereço/link da Internet do espaço: http://www.mcdb.org.br/ http://www.conhecendomuseus.com.br/museus/museu-das-culturas-dom-bosco/ Área de Atuação: Educação, Etnologia, Mineralogia, Paleontologia e Zoologia. Público-alvo: Adultos, jovens e crianças. Como este espaço atua para a transformação social do contexto na qual está inserida? Promove atividades como palestras, seminários e oficinas culturais. Possui exposições de longa duração e temporárias e tem o objetivo de promover educação, desenvolvimento e o lazer de adultos, jovens e crianças. Análise dos dados da observação O Museu das Culturas Dom Bosco inaugurado em 1951 foi idealizado pela Missão Salesiana e durante anos formou um acervo variado a partir da dedicação dos salesianos e especialistas de arqueologia, etnologia, mineralogia e paleontologia. Esse espaço está localizado no Parque das Nações Unidas na cidade de Campo Grande no estado de Mato Grosso do Sul. Esse estado possui uma grande população de povos indígenas e o Museu Dom Bosco possui uma extensa coleção de objetos de cultura material indigena, possuindo a maior e mais completa coleção bororo do mundo. Esse espaço recebe visitas da população e também das escolas promovendo a divulgação científica e histórica da origem e cultura dos povos indígenas, principalmente da região centro-oeste do Brasil. O prédio dispõe de recepção, um auditório para 130 pessoas e espaço para exposições temáticas. Possui rampas de acesso para deficientes físicos e idosos, o que é um diferencial e alguns trabalhos para alunos surdos e cegos utilizando língua de sinais e escrita braille. O espaço hospeda hoje uma coleção das mais significativas, elaboradas pelo taxidermista Giovani Magnin, durante as suas viagens feitas ao pantanal e demais regiões. Possui 40.000 peças divididas entre diferentes áreas como mineralogia, paleontologia, etnografia, arqueologia e zoologia e mais de 5.000 peças indígenas de várias culturas como Xavantes, Bororos e outros, além de centenas de aves e mamíferos do Pantanal embalsamados, milhares de conchas e borboletas de vários continentes, além de uma enorme coleção de minerais e insetos. Professores que querem realizar uma atividade com seus alunos nesse espaço podem fazer reservas e terão o acompanhamento de guias que auxiliam com explicações e apresentação do acervo, assim como a história de cada objeto. Além disso, o museu também oferece vídeos e apresentações no auditório com intérpretes de libras e áudio transcrição apresentando o acervo e a história do espaço.
  • 2. 2 Fotos do espaço observado1 Guia do museu Modelo de uma oca Cocar Apresentação dos sinais em libras dos itens do museu Roupas utilizadas em ritos Hall de entrada do museu Parte da coleção Bororo Parte da coleção de animais Modelo de uma oca 1 Espaço visitado antes da Pandemia (fotos do acervo pessoal).
  • 3. 3 2. APRESENTAÇÃO DO ESPAÇO OBSERVADO Nome do espaço Museu de Zoologia da USP - MZUSP Endereço/link da Internet do espaço: https://mz.usp.br/pt/museu/historia/ Área de Atuação: Educação, Zoologia, Sistemática, Taxinomia, Animal, Biodiversidade Público-alvo: Crianças, Jovens e Adultos Como este espaço atua para a transformação social do contexto na qual está inserida? O MZUSP demonstra ter como missão primordial o zelo pela manutenção, integridade e crescimento de tal patrimônio, assim como engajamento na educação e formação de profissionais, o que pode ser visto pela disponibilização dos dados relevantes para utilização em pesquisa, além de uma Biblioteca com mais de 100 mil volumes em estudos sobre biodiversidade, e os acervos servem como base para a educação formal de graduandos e pós-graduandos de todo o país. Oferece exposições, palestras, oficinas, mostras e festivais, cursos de extensão gratuitos e programações especiais, e ainda possibilita a inclusão com visitas direcionadas a pessoas com deficiência visual e intelectual que incluem a manipulação de objetos e maquetes. Análise dos dados da observação O Museu de Zoologia teve seu início na década de 1890 quando diversas coleções formaram o Museu Paulista. Nos 40 anos seguintes, muitos trabalhos foram desenvolvidos com o auxílio das crescentes coleções zoológicas, botânicas, etnográficas e históricas abrigadas no Museu Paulista. Em 1969, o museu passou a fazer parte da Universidade de São Paulo e recebeu seu nome atual. Atualmente,, o Museu de Zoologia é detentor de um dos maiores acervos zoológicos da América Latina e cumpre um papel crucial no desenvolvimento do conhecimento acerca da biodiversidade brasileira e global, tendo sido a primeira instituição brasileira a ser reconhecida como fiel depositária pelo Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (Ministério do Meio Ambiente). Com mais de 10 milhões de exemplares preservados, guarda testemunhos únicos sobre espécies e ecossistemas, alguns hoje extintos. Esse patrimônio é fonte de dados importantes em biologia evolutiva, paleontologia, ecologia, e biologia molecular. Por sua vez, essa informação é utilizada em estudos de monitoramento ambiental, mudanças climáticas e bioprospecção, temas de grande relevância no momento atual. O MZUSP tem como principal atividade compreender padrões e processos da Biodiversidade brasileira. O museu abriga cerca de 20% de toda a biodiversidade do planeta, sendo guardião de uma das maiores coleções da nossa fauna brasileira. O museu oferece inúmeras exposições em biodiversidade, além de palestras, oficinas com opções de atividades para todos os públicos de diversas faixas etárias, mostras e festivais, cursos de extensão e algumas programações especiais, como USP e profissões, semana nacional de ciência e tecnologia e primavera dos museus. O Museu de Zoologia também tem engajamento efetivo na formação de zoólogos, pois os seus acervos servem como base para a educação formal de graduandos e pós- graduandos de todo o país, para a formação e desenvolvimento de pesquisa e educação em zoologia. Possui também uma biblioteca que assegura um grande número de recursos e serviços diferenciados para a formação e desenvolvimento da pesquisa em zoologia. As visitas podem ser orientadas, livres ou virtuais. A visita virtual é muito interessante, uma vez que possibilita a visualização 360º de todo o acervo do museu, com direito a trilha sonora, sendo possível comandar a direção e assim olhar o museu pelo ângulo que se deseja, além de disponibilizar de um ícone explicativo para cada amostra.
  • 4. 4 Fotos referentes a visita virtual Visitas orientadas Visitas orientadas Visita virtual Visita Virtual Visita Virtual Visita Virtual
  • 5. 5 Visita virtual Oficina com interação animal Visitas às exposições Visitas orientadas Visitas às coleções Visitas direcionadas à pessoas com deficiência
  • 6. 6 3. APRESENTAÇÃO DO ESPAÇO OBSERVADO E SELECIONADO Nome do espaço Casa Museu da Pessoa Endereço/link da Internet do espaço: https://museudapessoa.org/ Área de Atuação: Educação, memória, diversidade e pesquisa. Público-alvo: Adultos, jovens e crianças. Como este espaço atua para a transformação social do contexto na qual está inserida? O Museu da pessoa desde sua origem tem como objetivo registrar, preservar e transformar em informação histórias de vida de toda e qualquer pessoa da sociedade. Seu principal papel é disseminar e valorizar a cultura popular, através das histórias de vida das pessoas. Análise dos dados da observação O Museu da Pessoa fica na Rua Natingui, 110, Vila Madalena - São Paulo. Foi fundado em 1991, e apesar de não haver internet naquela época, o formato de preservação em base digital (CD- roms multimídia) o transformou no primeiro 'museu virtual' brasileiro conhecido. Apesar de normalmente ter as atividades físicas e online, desde o início da pandemia ele está fechado, tendo hoje somente as atividades online. Mesmo quando havia visitas físicas os acervos lá são virtuais, portanto a experiência foi muito igual à que seria antes da pandemia. Ele é um museu virtual, aberto e colaborativo que transforma histórias de vida em fonte de conhecimento, compreensão e conexão entre pessoas e povos. Minha visita foi virtual, e o impacto que tive foi fortíssimo. Quando vi o nome do museu, pensei, todo museu é da pessoa, as obras que ali estão, foram feitas por pessoas. Através da arte, as pessoas contam a sua história e do seu tempo. O grande diferencial do Museu da Pessoa é que as obras de arte ali expostas são as histórias de vida de pessoas, que sendo comuns, são extraordinárias. Foi incrível ouvir histórias de um determinado tempo passado, me deu uma compreensão muito mais empática daquele momento. O Museu da Pessoa acredita que valorizar a diversidade cultural e a história de cada pessoa como patrimônio da humanidade é contribuir para a construção de uma cultura de paz. No site podemos ouvir histórias de pessoas aleatórias (a busca pode ser feita por coleções, histórias, pessoas, imagens e vídeos) ou ainda ver uma exposição. São muitos disponíveis. Eu vi “Amigos do Vlado”. Através dos depoimentos mergulhamos na história de Vladimir Herzog. É possível perdermos a noção do tempo e passar horas neste museu. Fotos referentes visita virtual Obra artística composta 100% por materiais recicláveis Detalhe da fachada - Uma intervenção artística composta 100% por materiais recicláveis
  • 7. 7 Sala do Museu da Pessoa Foto de uma das pessoas com a história registrada Foto de uma das pessoas com a história registrada Foto de uma das pessoas com a história registrada Foto de Vladimir Herzog - Presente na Exposição “Amigos do Vlado” Vídeo de Paulo Freire da exposição Idade do Pensar