SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Observatório da Equidade:Observatório da Equidade:
Sistema Fiscal Brasileiro
Brasília, 19/04/2013Brasília, 19/04/2013
1
Nova Regulamentação do FPE
C. Alexandre A. Rocha,
Consultor Legislativo dog
Senado Federal
2
Decisão do STF
O FPE está disciplinado no art 2º e no Anexo Único da LeiO FPE está disciplinado no art. 2 e no Anexo Único da Lei
Complementar 62/1989.
Em 24/02/2010, o STF declarou a inconstitucionalidade,
sem a pronúncia da nulidade dos supramencionadossem a pronúncia da nulidade, dos supramencionados
dispositivos, mantendo sua vigência até 31 de dezembro
de 2012.
Constituição Federal de 1988:Constituição Federal de 1988:
Art. 161, inciso II: cabe à lei complementar estabelecer
normas sobre a entrega dos recursos de que trata o art.
159 especialmente sobre os critérios de rateio dos f ndos159, especialmente sobre os critérios de rateio dos fundos
previstos em seu inciso I, objetivando promover o
equilíbrio sócio-econômico entre Estados e entre
Municípios
3
Municípios.
Decisão do STF (Cont.)( )
Segundo o Relator Ministro GilmarSegundo o Relator, Ministro Gilmar
Mendes, deve haver a possibilidade de
revisões periódicas desses coeficientesrevisões periódicas desses coeficientes,
de modo a se avaliar criticamente se os
até então adotados ainda estão ematé então adotados ainda estão em
consonância com a realidade econômica
dos entes federativos e se a políticados entes federativos e se a política
empregada na distribuição dos recursos
produziu o efeito desejado
4
produziu o efeito desejado.
O FPE e o Pacto Federativo
Um dos objetivos fundamentais do pacto federativoUm dos objetivos fundamentais do pacto federativo
brasileiro é a redução das desigualdades regionais.
Os atuais critérios de repartição do FPE dão tratamento
preferencial às regiões CO, N e NE (85% do montante).
A prática da partilha do produto da arrecadação de tributos
federais com os entes subnacionais remonta àfederais com os entes subnacionais remonta à
Constituição de 1946.
O FPE propriamente dito foi criado em 1965, já tendo como
base o IR e o IPIbase o IR e o IPI.
Na Assembléia Constituinte de 1988 cogitou-se excluir do
rateio os entes com renda per capita superior à média
5
nacional.
Características do FPE Atual
É obrigatório incondicional sem contrapartida eÉ obrigatório, incondicional, sem contrapartida e
redistributivo.
Reforça a autonomia subnacional e independe de fatores
políticos.
Possui baixa accountability e baixa flexibilidade para
absorção de choques (natureza procíclica).absorção de choques (natureza procíclica).
Em 2006, representou o 3º principal tipo de transferência,
equivalente a 1,15% do PIB, perdendo apenas para o
repasse do ICMS para os m nicípios e para o FPMrepasse do ICMS para os municípios e para o FPM.
Equivale a 13% da receita tributária disponível de todos os
estados, a 22% da receita desses entes com ICMS e a
6
quase o dobro do que arrecadam por intermédio do IPVA.
Características do FPE Atual (Cont.)( )
Receita do FPE Líquida das Contribuições ao Fundo em 2006Receita do FPE Líquida das Contribuições ao Fundo em 2006
versus a Média Estadual do IDH Municipal em 2000
0,9
R2 = 0,6039
0,8
0,85
,
0,7
0,75
IDH
TO
RO
AC
AP
RR
SE
BA
0,6
0,65
(500) 500 1 000 1 500 2 000
MA AL
PIPB
CS
BA
7
(500) - 500 1.000 1.500 2.000
FPE LÍQUIDO
Fonte: Mendes, Miranda e Cosio (2008, p. 57).
Coeficientes do FPE e Participação
Médi d F d R it T t lMédia do Fundo na Receita Total
UF
COEFICIENTE
FPE
FPE/RECEITA TOTAL
2007/1990FPE 2007/1990
AC 3,4210 58,73%
RR 2,4807 56,97%
AP 3,4120 55,11%
TO 4,3400 53,58%
PI 4 3214 46 48%PI 4,3214 46,48%
MA 7,2182 46,30%
AL 4,1601 40,90%
SE 4,1553 39,64%
PB 4,7889 39,54%
RN 4 1779 35 43%RN 4,1779 35,43%
RO 2,8156 33,64%
PA 6,1120 27,79%
CE 7,3369 26,19%
PE 6,9002 22,11%
BA 9 3962 17 84%BA 9,3962 17,84%
AM 2,7904 15,90%
MT 2,3079 13,68%
GO 2,8431 10,58%
MS 1,3320 9,84%
ES 1 5000 6 73%ES 1,5000 6,73%
PR 2,8832 5,98%
MG 4,4545 5,20%
SC 1,2798 4,06%
RS 2,3548 3,25%
DF 0 6902 2 42%
8
DF 0,6902 2,42%
RJ 1,5277 1,64%
SP 1,0000 0,31%
TOTAL 100,0000 9,34%
Fonte: elaborado pelo autor (vide Anexo, Tabela A.8.1).
Coeficientes do FPE e População e
R d C it 1989 2007Renda per Capita em 1989 e 2007
POPULAÇÃO RENDA PER CAPITA
UF
COEFICIENTE
FPE (A) 1989 2007 1989 2007
AC 3,4210 403.004 668.403 5.786,18 8.789,49
AL 4,1601 2.455.812 3.097.427 4.297,95 5.858,37
AM 2,7904 2.013.587 3.285.935 15.820,82 13.042,83
AP 3,4120 273.210 598.977 11.741,00 10.253,74
BA 9,3962 11.609.906 14.360.329 7.115,43 7.787,40
CE 7,3369 6.266.926 8.347.866 4.514,06 6.149,03
DF 0 6902 1 548 642 2 504 684 18 044 09 40 696 08DF 0,6902 1.548.642 2.504.684 18.044,09 40.696,08
GO 2,8431 3.917.039 5.759.200 6.770,41 11.547,68
MA 7,2182 4.835.358 6.240.533 2.944,71 5.165,23
MS 1,3320 1.732.937 2.310.268 9.836,33 12.411,18
MT 2,3079 1.897.916 2.911.343 7.867,20 14.953,58
PA 6,1120 4.745.784 7.205.914 7.857,29 7.006,81
PB 4,7889 3.170.888 3.713.721 4.051,44 6.097,04
PE 6,9002 7.056.074 8.653.925 6.601,42 7.336,78
PI 4,3214 2.540.664 3.092.652 2.702,04 4.661,56
RN 4,1779 2.358.361 3.073.600 5.839,55 7.607,01
RO 2,8156 1.034.460 1.482.631 8.981,35 10.319,98
RR 2 4807 195 998 403 585 9 279 02 10 534 08RR 2,4807 195.998 403.585 9.279,02 10.534,08
SE 4,1553 1.450.781 1.977.948 6.811,97 8.711,70
TO 4,3400 900.951 1.268.328 2.972,68 8.920,73
CO, N, NE 85,0000 60.408.298 80.957.269 − −
CORRELAÇÃO COM (A) 0,84 0,82 − 0,55 − 0,58
ES 1,5000 2.535.406 3.418.241 12.234,95 18.002,92ES 1,5000 2.535.406 3.418.241 12.234,95 18.002,92
MG 4,4545 15.550.615 19.656.323 11.334,73 12.519,40
PR 2,8832 8.425.858 10.488.777 13.787,77 15.711,20
RJ 1,5277 12.723.998 15.726.659 14.985,08 19.245,08
RS 2,3548 9.028.298 10.793.038 16.690,83 16.688,74
SC 1,2798 4.444.952 5.982.770 17.251,21 17.834,00
SP 1 0000 30 879 821 40 618 637 22 360 45 22 667 25
9
SP 1,0000 30.879.821 40.618.637 22.360,45 22.667,25
S, SE 15,0000 83.588.948 106.684.445 − −
CORRELAÇÃO COM (A) − 0,07 − 0,09 − 0,65 − 0,91
BRASIL 100,0000 143.997.246 187.641.714 12.724,46 14.464,73
Fonte: calculado pelo autor (vide Anexo, Tabelas A.2.4, A.3.2 e A.6).
Características do FPE Atual (Cont.)( )
Nas regiões CO, N e NE, os coeficientes do FPE exibemNas regiões CO, N e NE, os coeficientes do FPE exibem
expressiva correlação positiva com as populações
estimadas e uma moderada correlação negativa com as
rendas per capita.
Nas regiões S e SE, a correlação com as populações é
insignificante, mas não com as rendas.
Já as correlações entre, de um lado, as participações do
FPE it t t l fi i t d f dFPE na receita total ou os coeficientes desse fundo com,
de outro, as taxas de crescimento da população ou da
renda per capita nos períodos 1990/2007 e 1995/2007 são
modestas.modestas.
Não há uma relação, positiva ou negativa, entre as duas
primeiras variáveis e as duas últimas que sugira um papel
virtuoso do FPE no aumento da população ou no
10
crescimento da renda ou pelos menos uma função
estritamente compensatória.
O FPE Atual e as PDRs
50 anos após a introdução de políticas de50 anos após a introdução de políticas de
desenvolvimento regional (PDRs), as rendas per
capita do N e NE permanecem estacionadas um
pouco acima de respectivamente 60% e 40% dapouco acima de, respectivamente, 60% e 40% da
média brasileira.
Enquanto isso, houve um processo de
ê i t d it d COconvergência entre as rendas per capita do CO e
S, de um lado, e SE, de outro.
No período 1990-2008, o FPE destinou aosp ,
estados R$ 547,4 bilhões, em valores de
dezembro de 2008; ainda assim, o País parece
distante da tão-ambicionada convergência
11
g
generalizada dos indicadores de renda.
Evolução do PIB per Capita por Região
(1939/2004)(1939/2004)
180
140
160
rasil=100)
80
100
120
aRelativa(Br
40
60
80
daperCapita
0
20
40
Rend
Início da PDR no Brasil
1939
1949
1952
1955
1958
1961
1964
1967
1970
1985
1988
1991
1994
1997
2000
2003
Centro-Oeste Norte Nordeste Sul Sudeste
F t diê i úbli d S tá i d P líti E ô i ã j t d 14 d j h d 2007 d
12
Fonte: audiência pública do Secretário de Política Econômica na sessão conjunta de 14 de junho de 2007 das
Comissões de Desenvolvimento Regional e Turismo e de Assuntos Econômicos.
Renda per Capita Nacional e Desvio-Padrão das Rendas per Capita Estaduais
1
31
4.465
16.000 10.000
11.247
11.608
11.964
12.343
12.724
11.092
11.032
10.806
11.171
11.654
12.281
12.260
12.403
12.363
12.882
13.101
13.43
1
975
064
.302
141
951
12.000
14.000
de2007)
7.000
8.000
9.000
11.9
12.0
12.
12.
11.9
8.000
10.000
Capita(emR$d
4 000
5.000
6.000
esvio-Padrão
4.000
6.000
RendaperC
2.000
3.000
4.000
De
Novo SCN
0
2.000
1985
1986
1987
1988
1989
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
0
1.000
Novo SCN
RpC Nacional DP das RpC Estaduais
Fonte: elaborado pelo autor (Tabela A.2.3).
13
Reforma do FPE
Será preciso definir uma fórmula que permita ajustesSerá preciso definir uma fórmula que permita ajustes
periódicos nos coeficientes de participação no FPE.
O principal exemplo de coeficientes variáveis pode ser
encontrado na sistemática prevista no CTN revogadaencontrado na sistemática prevista no CTN, revogada
tacitamente pelos atuais critérios.
O CTN estabelecia que os coeficientes seriam fixados
proporcionalmente à área de cada estado (com peso deproporcionalmente à área de cada estado (com peso de
5%) e ao resultado da multiplicação dos fatores
representativos da população e do inverso da renda per
capita (com peso de 95%) - critérios clássicos de demandacapita (com peso de 95%) - critérios clássicos de demanda
por serviços públicos.
Aquela sistemática favorecia os estados com área maior,
crescimento populacional mais acelerado e pior
14
crescimento populacional mais acelerado e pior
desempenho em termos de renda per capita.
Critérios de Rateio
Redistributivo:prioriza os entes menosRedistributivo:prioriza os entes menos
desenvolvidos economicamente.
De ol ti o transfere rec rsos para o estadoDevolutivo: transfere recursos para o estado
onde se deu a arrecadação (PLP 107 e PLS 744).
U if tilh t t i i t t dUniforme: partilha montantes iguais entre todos
os entes (PLP 107 e PLS 761).
P ti tit i f d ó it dPreventivo: constitui fundo com o propósito de
diminuir as oscilações das transferências ao
longo do ciclo econômico (PLS 744 e 761)
15
longo do ciclo econômico (PLS 744 e 761).
Observações Adicionaisç
PLS 741/2011 Complementar prioriza oPLS 741/2011 – Complementar prioriza o
critério devolutivo.
Transição proposta pelo PLS 766/2011Transição proposta pelo PLS 766/2011 –
Complementar contrasta com aquela
contida em Paes et al. (2011):contida em Paes et al. (2011):
– No 1º, valem as novas regras para o principal,
cabendo ao que superar a correção monetária
repor as perdas nominais observadas;
– No 2º, valem as cotas-partes atuais (mantidas
em bases reais) com as novas regras valendo
16
em bases reais), com as novas regras valendo
para o excedente.
17
18
19
Correlaçõesç
Alto grau de associação positiva entre todosAlto grau de associação positiva entre todos
os resultados, com os mais e menos
aquinhoados tendendo a se repetir nosaquinhoados tendendo a se repetir nos
vários cenários (comparação entre entes)
Ganha destaque a questão da viabilidadeGanha destaque a questão da viabilidade
legislativa de cada proposta, com a votação
potencialmente favorável dada pela soma dep p
todos os parlamentares oriundos de entes
ganhadores (comparação entre as situações
l d )
20
proposta e atual de um mesmo ente)
21
Novas Correlaçõesç
Os oito novos projetos combinam critériosOs oito novos projetos combinam critérios
diferentes, contrastando com os cinco
primeirosprimeiros.
Os novos resultados apresentam alto grau
de dispersão.
Há correlações negativas entre os projetos
analisados (PLP 107/2011 e PLS 744/2011
vis-à-vis as demais proposições e a LC
22
62/1989).
Conclusão
Para que o debate sobre eventuaisPara que o debate sobre eventuais
compensações prospere é preciso definir
quais serão os perdedores e quanto será aquais serão os perdedores e quanto será a
perda a ser absorvida.
Esta, espera-se, é a contribuição da presente
análise, que também alerta para a
f énecessidade de melhor especificação técnica
de cada proposição.
23
Informações e Contatoç
Pá i d T Di dPágina dos Textos para Discussão da
Consultoria Legislativa:g
http://www.senado.gov.br/senado/conleg/textos_dis
cussao.htm
Correio eletrônico:
rocha caa@gmail comrocha.caa@gmail.com
24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseNathan Camelo
 
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...
Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...
Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...Palácio do Planalto
 
Nt32 indicadores previdencias_estaduais
Nt32 indicadores previdencias_estaduaisNt32 indicadores previdencias_estaduais
Nt32 indicadores previdencias_estaduaisPortal NE10
 
Palestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo AlckminPalestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo AlckminADVB
 
Brasil necesita viviendas
Brasil necesita viviendasBrasil necesita viviendas
Brasil necesita viviendasagasull_lopez
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas eticademocracia
 
Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...
Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...
Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...Palácio do Planalto
 
Pesquisa emprego e desemprego RMR out 2013
Pesquisa emprego  e desemprego RMR out 2013Pesquisa emprego  e desemprego RMR out 2013
Pesquisa emprego e desemprego RMR out 2013Jornal do Commercio
 
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...
Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...
Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...Jornal do Commercio
 
Pedrmr abr2013 (1)
Pedrmr abr2013 (1)Pedrmr abr2013 (1)
Pedrmr abr2013 (1)Jamildo Melo
 
Ped rmr abril2013
Ped rmr abril2013Ped rmr abril2013
Ped rmr abril2013gomizz
 
Briefing 18/10
Briefing 18/10Briefing 18/10
Briefing 18/10Belmmen
 
A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015Igor Morais
 

Mais procurados (19)

Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do Dieese
 
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Denise Gentil (UFRJ)
 
Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...
Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...
Previdência: Aperfeiçoar para Fortalecer - Fórum de Debates sobre Políticas d...
 
Ceará tem a melhor situação fiscal do País
Ceará tem a melhor situação fiscal do PaísCeará tem a melhor situação fiscal do País
Ceará tem a melhor situação fiscal do País
 
Nt32 indicadores previdencias_estaduais
Nt32 indicadores previdencias_estaduaisNt32 indicadores previdencias_estaduais
Nt32 indicadores previdencias_estaduais
 
Palestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo AlckminPalestra ADVB - Geraldo Alckmin
Palestra ADVB - Geraldo Alckmin
 
Ministro Guido
Ministro GuidoMinistro Guido
Ministro Guido
 
Ldo sefaz seplan 2014 versão 6.0
Ldo sefaz   seplan  2014 versão 6.0Ldo sefaz   seplan  2014 versão 6.0
Ldo sefaz seplan 2014 versão 6.0
 
Brasil necesita viviendas
Brasil necesita viviendasBrasil necesita viviendas
Brasil necesita viviendas
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
 
Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...
Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...
Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdênci...
 
Rateios do FPE e do FPM
Rateios do FPE e do FPMRateios do FPE e do FPM
Rateios do FPE e do FPM
 
Pesquisa emprego e desemprego RMR out 2013
Pesquisa emprego  e desemprego RMR out 2013Pesquisa emprego  e desemprego RMR out 2013
Pesquisa emprego e desemprego RMR out 2013
 
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
Reforma da Previdência: análise da PEC 287/2016 - Manoel Pires (FGV IBRE)
 
Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...
Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...
Análise das finanças públicas do governo de pernambuco nos últimos 5 anos (1)...
 
Pedrmr abr2013 (1)
Pedrmr abr2013 (1)Pedrmr abr2013 (1)
Pedrmr abr2013 (1)
 
Ped rmr abril2013
Ped rmr abril2013Ped rmr abril2013
Ped rmr abril2013
 
Briefing 18/10
Briefing 18/10Briefing 18/10
Briefing 18/10
 
A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015
 

Semelhante a Nova Regulamentação do FPE

Construindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimentoConstruindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimentoEdgar Gonçalves
 
Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)
Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)
Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)Ministério da Economia
 
Apresentacao renato follador macae
Apresentacao renato follador macaeApresentacao renato follador macae
Apresentacao renato follador macaeaepremerj
 
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre Schwartsman
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre SchwartsmanJornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre Schwartsman
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre SchwartsmanExpoGestão
 
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019sincorsc
 
Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015Ministério da Economia
 
BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010Banco do Nordeste
 
Apresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaApresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaCartaCapital
 
Apres Call 1 T09 V8
Apres Call 1 T09 V8Apres Call 1 T09 V8
Apres Call 1 T09 V8Arteris S.A.
 
Movimento brasil justo pedro delarue
Movimento brasil justo   pedro delarueMovimento brasil justo   pedro delarue
Movimento brasil justo pedro delarueEllen Jocham
 
Movimento brasil justo
Movimento brasil justoMovimento brasil justo
Movimento brasil justoEllen Jocham
 
Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema - darcy carvalho dos santos - ...
Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema -  darcy carvalho dos santos - ...Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema -  darcy carvalho dos santos - ...
Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema - darcy carvalho dos santos - ...Fundação de Economia e Estatística
 
6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre Schwartsman
6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre Schwartsman6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre Schwartsman
6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre SchwartsmanCNseg
 
400 relatório da receita
400 relatório da receita400 relatório da receita
400 relatório da receitaWilliam Jordão
 

Semelhante a Nova Regulamentação do FPE (20)

Construindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimentoConstruindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimento
 
Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)
Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)
Apresentação – Programação fiscal 2017-2018 (15/08/2017)
 
Apresentacao renato follador macae
Apresentacao renato follador macaeApresentacao renato follador macae
Apresentacao renato follador macae
 
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre Schwartsman
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre SchwartsmanJornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre Schwartsman
Jornada ExpoGestão 2019 - Palestrante Alexandre Schwartsman
 
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
 
Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015
Resultado do Tesouro Nacional - Outubro de 2015
 
Ped metrop 80_set_2013
Ped metrop 80_set_2013Ped metrop 80_set_2013
Ped metrop 80_set_2013
 
BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010BNB institucional Outubro 2010
BNB institucional Outubro 2010
 
Apresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaApresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido Mantega
 
Apres Call 1 T09 V8
Apres Call 1 T09 V8Apres Call 1 T09 V8
Apres Call 1 T09 V8
 
Movimento brasil justo pedro delarue
Movimento brasil justo   pedro delarueMovimento brasil justo   pedro delarue
Movimento brasil justo pedro delarue
 
Movimento brasil justo
Movimento brasil justoMovimento brasil justo
Movimento brasil justo
 
Apresentação - Sérgio Cabral - Governador do Rio de Janeiro - Audiência Públi...
Apresentação - Sérgio Cabral - Governador do Rio de Janeiro - Audiência Públi...Apresentação - Sérgio Cabral - Governador do Rio de Janeiro - Audiência Públi...
Apresentação - Sérgio Cabral - Governador do Rio de Janeiro - Audiência Públi...
 
Análise da seguridade social - Vanderley Maçaneiro - ANFIP
Análise da seguridade social - Vanderley Maçaneiro - ANFIPAnálise da seguridade social - Vanderley Maçaneiro - ANFIP
Análise da seguridade social - Vanderley Maçaneiro - ANFIP
 
ME.pptx
ME.pptxME.pptx
ME.pptx
 
Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema - darcy carvalho dos santos - ...
Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema -  darcy carvalho dos santos - ...Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema -  darcy carvalho dos santos - ...
Dívida estadual: um pouco de luz sobre o tema - darcy carvalho dos santos - ...
 
6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre Schwartsman
6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre Schwartsman6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre Schwartsman
6º Resseguro - Perspectivas para a Economia no Brasil - Alexandre Schwartsman
 
Riscos da Reforma da Previdência, por Paulo Kliass
Riscos da Reforma da Previdência, por Paulo KliassRiscos da Reforma da Previdência, por Paulo Kliass
Riscos da Reforma da Previdência, por Paulo Kliass
 
400 relatório da receita
400 relatório da receita400 relatório da receita
400 relatório da receita
 
Lava jato
Lava jatoLava jato
Lava jato
 

Mais de Alexandre A. Rocha

Problemas e Desafios do Federalismo Brasileiro
Problemas e Desafios do Federalismo BrasileiroProblemas e Desafios do Federalismo Brasileiro
Problemas e Desafios do Federalismo BrasileiroAlexandre A. Rocha
 
Limites de Endividamento dos Entes Subnacionais
Limites de Endividamento dos Entes SubnacionaisLimites de Endividamento dos Entes Subnacionais
Limites de Endividamento dos Entes SubnacionaisAlexandre A. Rocha
 
Pacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este ano
Pacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este anoPacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este ano
Pacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este anoAlexandre A. Rocha
 
O (Des)Pacto Federativo Brasileiro
O (Des)Pacto Federativo BrasileiroO (Des)Pacto Federativo Brasileiro
O (Des)Pacto Federativo BrasileiroAlexandre A. Rocha
 
Compensação pela Desoneração do ICMS
Compensação pela Desoneração do ICMSCompensação pela Desoneração do ICMS
Compensação pela Desoneração do ICMSAlexandre A. Rocha
 
Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?
Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?
Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?Alexandre A. Rocha
 
Autonomia e Especialização Técnica no TCU
Autonomia e Especialização Técnica no TCUAutonomia e Especialização Técnica no TCU
Autonomia e Especialização Técnica no TCUAlexandre A. Rocha
 
Rateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativa
Rateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativaRateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativa
Rateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativaAlexandre A. Rocha
 
Mayoral Fiscal Performance and Reelection Success
Mayoral Fiscal Performance and Reelection SuccessMayoral Fiscal Performance and Reelection Success
Mayoral Fiscal Performance and Reelection SuccessAlexandre A. Rocha
 
Rateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulaçõesRateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulaçõesAlexandre A. Rocha
 
Rateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulaçõesRateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulaçõesAlexandre A. Rocha
 
El Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad Fiscal
El Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad FiscalEl Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad Fiscal
El Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad FiscalAlexandre A. Rocha
 

Mais de Alexandre A. Rocha (17)

Problemas e Desafios do Federalismo Brasileiro
Problemas e Desafios do Federalismo BrasileiroProblemas e Desafios do Federalismo Brasileiro
Problemas e Desafios do Federalismo Brasileiro
 
Limites de Endividamento dos Entes Subnacionais
Limites de Endividamento dos Entes SubnacionaisLimites de Endividamento dos Entes Subnacionais
Limites de Endividamento dos Entes Subnacionais
 
Pacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este ano
Pacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este anoPacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este ano
Pacto Federativo Brasileiro: o que é necessário e o que se espera para este ano
 
O STF e a Federação
O STF e a FederaçãoO STF e a Federação
O STF e a Federação
 
O (Des)Pacto Federativo Brasileiro
O (Des)Pacto Federativo BrasileiroO (Des)Pacto Federativo Brasileiro
O (Des)Pacto Federativo Brasileiro
 
Pacto Federativo Brasileiro
Pacto Federativo BrasileiroPacto Federativo Brasileiro
Pacto Federativo Brasileiro
 
Compensação pela Desoneração do ICMS
Compensação pela Desoneração do ICMSCompensação pela Desoneração do ICMS
Compensação pela Desoneração do ICMS
 
A Crise Fiscal Brasileira
A Crise Fiscal BrasileiraA Crise Fiscal Brasileira
A Crise Fiscal Brasileira
 
O (Des)Pacto Federativo
O (Des)Pacto FederativoO (Des)Pacto Federativo
O (Des)Pacto Federativo
 
Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?
Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?
Is The Question “For Whom Did You Vote?” Relevant?
 
Autonomia e Especialização Técnica no TCU
Autonomia e Especialização Técnica no TCUAutonomia e Especialização Técnica no TCU
Autonomia e Especialização Técnica no TCU
 
Rateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativa
Rateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativaRateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativa
Rateio do FPE: avaliação de impacto e de viabilidade legislativa
 
Mayoral Fiscal Performance and Reelection Success
Mayoral Fiscal Performance and Reelection SuccessMayoral Fiscal Performance and Reelection Success
Mayoral Fiscal Performance and Reelection Success
 
Rateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulaçõesRateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulações
 
Rateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulaçõesRateio do FPE: análise e simulações
Rateio do FPE: análise e simulações
 
El Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad Fiscal
El Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad FiscalEl Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad Fiscal
El Senado de Brasil y la Ley de Responsabilidad Fiscal
 
O Que Reelege um Prefeito?
O Que Reelege um Prefeito?O Que Reelege um Prefeito?
O Que Reelege um Prefeito?
 

Nova Regulamentação do FPE

  • 1. Observatório da Equidade:Observatório da Equidade: Sistema Fiscal Brasileiro Brasília, 19/04/2013Brasília, 19/04/2013 1
  • 2. Nova Regulamentação do FPE C. Alexandre A. Rocha, Consultor Legislativo dog Senado Federal 2
  • 3. Decisão do STF O FPE está disciplinado no art 2º e no Anexo Único da LeiO FPE está disciplinado no art. 2 e no Anexo Único da Lei Complementar 62/1989. Em 24/02/2010, o STF declarou a inconstitucionalidade, sem a pronúncia da nulidade dos supramencionadossem a pronúncia da nulidade, dos supramencionados dispositivos, mantendo sua vigência até 31 de dezembro de 2012. Constituição Federal de 1988:Constituição Federal de 1988: Art. 161, inciso II: cabe à lei complementar estabelecer normas sobre a entrega dos recursos de que trata o art. 159 especialmente sobre os critérios de rateio dos f ndos159, especialmente sobre os critérios de rateio dos fundos previstos em seu inciso I, objetivando promover o equilíbrio sócio-econômico entre Estados e entre Municípios 3 Municípios.
  • 4. Decisão do STF (Cont.)( ) Segundo o Relator Ministro GilmarSegundo o Relator, Ministro Gilmar Mendes, deve haver a possibilidade de revisões periódicas desses coeficientesrevisões periódicas desses coeficientes, de modo a se avaliar criticamente se os até então adotados ainda estão ematé então adotados ainda estão em consonância com a realidade econômica dos entes federativos e se a políticados entes federativos e se a política empregada na distribuição dos recursos produziu o efeito desejado 4 produziu o efeito desejado.
  • 5. O FPE e o Pacto Federativo Um dos objetivos fundamentais do pacto federativoUm dos objetivos fundamentais do pacto federativo brasileiro é a redução das desigualdades regionais. Os atuais critérios de repartição do FPE dão tratamento preferencial às regiões CO, N e NE (85% do montante). A prática da partilha do produto da arrecadação de tributos federais com os entes subnacionais remonta àfederais com os entes subnacionais remonta à Constituição de 1946. O FPE propriamente dito foi criado em 1965, já tendo como base o IR e o IPIbase o IR e o IPI. Na Assembléia Constituinte de 1988 cogitou-se excluir do rateio os entes com renda per capita superior à média 5 nacional.
  • 6. Características do FPE Atual É obrigatório incondicional sem contrapartida eÉ obrigatório, incondicional, sem contrapartida e redistributivo. Reforça a autonomia subnacional e independe de fatores políticos. Possui baixa accountability e baixa flexibilidade para absorção de choques (natureza procíclica).absorção de choques (natureza procíclica). Em 2006, representou o 3º principal tipo de transferência, equivalente a 1,15% do PIB, perdendo apenas para o repasse do ICMS para os m nicípios e para o FPMrepasse do ICMS para os municípios e para o FPM. Equivale a 13% da receita tributária disponível de todos os estados, a 22% da receita desses entes com ICMS e a 6 quase o dobro do que arrecadam por intermédio do IPVA.
  • 7. Características do FPE Atual (Cont.)( ) Receita do FPE Líquida das Contribuições ao Fundo em 2006Receita do FPE Líquida das Contribuições ao Fundo em 2006 versus a Média Estadual do IDH Municipal em 2000 0,9 R2 = 0,6039 0,8 0,85 , 0,7 0,75 IDH TO RO AC AP RR SE BA 0,6 0,65 (500) 500 1 000 1 500 2 000 MA AL PIPB CS BA 7 (500) - 500 1.000 1.500 2.000 FPE LÍQUIDO Fonte: Mendes, Miranda e Cosio (2008, p. 57).
  • 8. Coeficientes do FPE e Participação Médi d F d R it T t lMédia do Fundo na Receita Total UF COEFICIENTE FPE FPE/RECEITA TOTAL 2007/1990FPE 2007/1990 AC 3,4210 58,73% RR 2,4807 56,97% AP 3,4120 55,11% TO 4,3400 53,58% PI 4 3214 46 48%PI 4,3214 46,48% MA 7,2182 46,30% AL 4,1601 40,90% SE 4,1553 39,64% PB 4,7889 39,54% RN 4 1779 35 43%RN 4,1779 35,43% RO 2,8156 33,64% PA 6,1120 27,79% CE 7,3369 26,19% PE 6,9002 22,11% BA 9 3962 17 84%BA 9,3962 17,84% AM 2,7904 15,90% MT 2,3079 13,68% GO 2,8431 10,58% MS 1,3320 9,84% ES 1 5000 6 73%ES 1,5000 6,73% PR 2,8832 5,98% MG 4,4545 5,20% SC 1,2798 4,06% RS 2,3548 3,25% DF 0 6902 2 42% 8 DF 0,6902 2,42% RJ 1,5277 1,64% SP 1,0000 0,31% TOTAL 100,0000 9,34% Fonte: elaborado pelo autor (vide Anexo, Tabela A.8.1).
  • 9. Coeficientes do FPE e População e R d C it 1989 2007Renda per Capita em 1989 e 2007 POPULAÇÃO RENDA PER CAPITA UF COEFICIENTE FPE (A) 1989 2007 1989 2007 AC 3,4210 403.004 668.403 5.786,18 8.789,49 AL 4,1601 2.455.812 3.097.427 4.297,95 5.858,37 AM 2,7904 2.013.587 3.285.935 15.820,82 13.042,83 AP 3,4120 273.210 598.977 11.741,00 10.253,74 BA 9,3962 11.609.906 14.360.329 7.115,43 7.787,40 CE 7,3369 6.266.926 8.347.866 4.514,06 6.149,03 DF 0 6902 1 548 642 2 504 684 18 044 09 40 696 08DF 0,6902 1.548.642 2.504.684 18.044,09 40.696,08 GO 2,8431 3.917.039 5.759.200 6.770,41 11.547,68 MA 7,2182 4.835.358 6.240.533 2.944,71 5.165,23 MS 1,3320 1.732.937 2.310.268 9.836,33 12.411,18 MT 2,3079 1.897.916 2.911.343 7.867,20 14.953,58 PA 6,1120 4.745.784 7.205.914 7.857,29 7.006,81 PB 4,7889 3.170.888 3.713.721 4.051,44 6.097,04 PE 6,9002 7.056.074 8.653.925 6.601,42 7.336,78 PI 4,3214 2.540.664 3.092.652 2.702,04 4.661,56 RN 4,1779 2.358.361 3.073.600 5.839,55 7.607,01 RO 2,8156 1.034.460 1.482.631 8.981,35 10.319,98 RR 2 4807 195 998 403 585 9 279 02 10 534 08RR 2,4807 195.998 403.585 9.279,02 10.534,08 SE 4,1553 1.450.781 1.977.948 6.811,97 8.711,70 TO 4,3400 900.951 1.268.328 2.972,68 8.920,73 CO, N, NE 85,0000 60.408.298 80.957.269 − − CORRELAÇÃO COM (A) 0,84 0,82 − 0,55 − 0,58 ES 1,5000 2.535.406 3.418.241 12.234,95 18.002,92ES 1,5000 2.535.406 3.418.241 12.234,95 18.002,92 MG 4,4545 15.550.615 19.656.323 11.334,73 12.519,40 PR 2,8832 8.425.858 10.488.777 13.787,77 15.711,20 RJ 1,5277 12.723.998 15.726.659 14.985,08 19.245,08 RS 2,3548 9.028.298 10.793.038 16.690,83 16.688,74 SC 1,2798 4.444.952 5.982.770 17.251,21 17.834,00 SP 1 0000 30 879 821 40 618 637 22 360 45 22 667 25 9 SP 1,0000 30.879.821 40.618.637 22.360,45 22.667,25 S, SE 15,0000 83.588.948 106.684.445 − − CORRELAÇÃO COM (A) − 0,07 − 0,09 − 0,65 − 0,91 BRASIL 100,0000 143.997.246 187.641.714 12.724,46 14.464,73 Fonte: calculado pelo autor (vide Anexo, Tabelas A.2.4, A.3.2 e A.6).
  • 10. Características do FPE Atual (Cont.)( ) Nas regiões CO, N e NE, os coeficientes do FPE exibemNas regiões CO, N e NE, os coeficientes do FPE exibem expressiva correlação positiva com as populações estimadas e uma moderada correlação negativa com as rendas per capita. Nas regiões S e SE, a correlação com as populações é insignificante, mas não com as rendas. Já as correlações entre, de um lado, as participações do FPE it t t l fi i t d f dFPE na receita total ou os coeficientes desse fundo com, de outro, as taxas de crescimento da população ou da renda per capita nos períodos 1990/2007 e 1995/2007 são modestas.modestas. Não há uma relação, positiva ou negativa, entre as duas primeiras variáveis e as duas últimas que sugira um papel virtuoso do FPE no aumento da população ou no 10 crescimento da renda ou pelos menos uma função estritamente compensatória.
  • 11. O FPE Atual e as PDRs 50 anos após a introdução de políticas de50 anos após a introdução de políticas de desenvolvimento regional (PDRs), as rendas per capita do N e NE permanecem estacionadas um pouco acima de respectivamente 60% e 40% dapouco acima de, respectivamente, 60% e 40% da média brasileira. Enquanto isso, houve um processo de ê i t d it d COconvergência entre as rendas per capita do CO e S, de um lado, e SE, de outro. No período 1990-2008, o FPE destinou aosp , estados R$ 547,4 bilhões, em valores de dezembro de 2008; ainda assim, o País parece distante da tão-ambicionada convergência 11 g generalizada dos indicadores de renda.
  • 12. Evolução do PIB per Capita por Região (1939/2004)(1939/2004) 180 140 160 rasil=100) 80 100 120 aRelativa(Br 40 60 80 daperCapita 0 20 40 Rend Início da PDR no Brasil 1939 1949 1952 1955 1958 1961 1964 1967 1970 1985 1988 1991 1994 1997 2000 2003 Centro-Oeste Norte Nordeste Sul Sudeste F t diê i úbli d S tá i d P líti E ô i ã j t d 14 d j h d 2007 d 12 Fonte: audiência pública do Secretário de Política Econômica na sessão conjunta de 14 de junho de 2007 das Comissões de Desenvolvimento Regional e Turismo e de Assuntos Econômicos.
  • 13. Renda per Capita Nacional e Desvio-Padrão das Rendas per Capita Estaduais 1 31 4.465 16.000 10.000 11.247 11.608 11.964 12.343 12.724 11.092 11.032 10.806 11.171 11.654 12.281 12.260 12.403 12.363 12.882 13.101 13.43 1 975 064 .302 141 951 12.000 14.000 de2007) 7.000 8.000 9.000 11.9 12.0 12. 12. 11.9 8.000 10.000 Capita(emR$d 4 000 5.000 6.000 esvio-Padrão 4.000 6.000 RendaperC 2.000 3.000 4.000 De Novo SCN 0 2.000 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 0 1.000 Novo SCN RpC Nacional DP das RpC Estaduais Fonte: elaborado pelo autor (Tabela A.2.3). 13
  • 14. Reforma do FPE Será preciso definir uma fórmula que permita ajustesSerá preciso definir uma fórmula que permita ajustes periódicos nos coeficientes de participação no FPE. O principal exemplo de coeficientes variáveis pode ser encontrado na sistemática prevista no CTN revogadaencontrado na sistemática prevista no CTN, revogada tacitamente pelos atuais critérios. O CTN estabelecia que os coeficientes seriam fixados proporcionalmente à área de cada estado (com peso deproporcionalmente à área de cada estado (com peso de 5%) e ao resultado da multiplicação dos fatores representativos da população e do inverso da renda per capita (com peso de 95%) - critérios clássicos de demandacapita (com peso de 95%) - critérios clássicos de demanda por serviços públicos. Aquela sistemática favorecia os estados com área maior, crescimento populacional mais acelerado e pior 14 crescimento populacional mais acelerado e pior desempenho em termos de renda per capita.
  • 15. Critérios de Rateio Redistributivo:prioriza os entes menosRedistributivo:prioriza os entes menos desenvolvidos economicamente. De ol ti o transfere rec rsos para o estadoDevolutivo: transfere recursos para o estado onde se deu a arrecadação (PLP 107 e PLS 744). U if tilh t t i i t t dUniforme: partilha montantes iguais entre todos os entes (PLP 107 e PLS 761). P ti tit i f d ó it dPreventivo: constitui fundo com o propósito de diminuir as oscilações das transferências ao longo do ciclo econômico (PLS 744 e 761) 15 longo do ciclo econômico (PLS 744 e 761).
  • 16. Observações Adicionaisç PLS 741/2011 Complementar prioriza oPLS 741/2011 – Complementar prioriza o critério devolutivo. Transição proposta pelo PLS 766/2011Transição proposta pelo PLS 766/2011 – Complementar contrasta com aquela contida em Paes et al. (2011):contida em Paes et al. (2011): – No 1º, valem as novas regras para o principal, cabendo ao que superar a correção monetária repor as perdas nominais observadas; – No 2º, valem as cotas-partes atuais (mantidas em bases reais) com as novas regras valendo 16 em bases reais), com as novas regras valendo para o excedente.
  • 17. 17
  • 18. 18
  • 19. 19
  • 20. Correlaçõesç Alto grau de associação positiva entre todosAlto grau de associação positiva entre todos os resultados, com os mais e menos aquinhoados tendendo a se repetir nosaquinhoados tendendo a se repetir nos vários cenários (comparação entre entes) Ganha destaque a questão da viabilidadeGanha destaque a questão da viabilidade legislativa de cada proposta, com a votação potencialmente favorável dada pela soma dep p todos os parlamentares oriundos de entes ganhadores (comparação entre as situações l d ) 20 proposta e atual de um mesmo ente)
  • 21. 21
  • 22. Novas Correlaçõesç Os oito novos projetos combinam critériosOs oito novos projetos combinam critérios diferentes, contrastando com os cinco primeirosprimeiros. Os novos resultados apresentam alto grau de dispersão. Há correlações negativas entre os projetos analisados (PLP 107/2011 e PLS 744/2011 vis-à-vis as demais proposições e a LC 22 62/1989).
  • 23. Conclusão Para que o debate sobre eventuaisPara que o debate sobre eventuais compensações prospere é preciso definir quais serão os perdedores e quanto será aquais serão os perdedores e quanto será a perda a ser absorvida. Esta, espera-se, é a contribuição da presente análise, que também alerta para a f énecessidade de melhor especificação técnica de cada proposição. 23
  • 24. Informações e Contatoç Pá i d T Di dPágina dos Textos para Discussão da Consultoria Legislativa:g http://www.senado.gov.br/senado/conleg/textos_dis cussao.htm Correio eletrônico: rocha caa@gmail comrocha.caa@gmail.com 24