Jacques Dupuis<br />INTRODUÇÃO à CRISTOLOGIA<br />
JACQUES DUPUIS<br />
Articulação da obra<br />
Jesus cristo, salvador universal<br />
Articulação do capítulo (esquema)<br />
Dialética entre Cristologia e Soteriologia norteia a reflexão da Igreja sobre o mistério de Jesus Cristo.<br />Cristologia...
QUESTÃO CENTRAL DO CAPÍTULO <br />Por quê Jesus Cristo e para quê?<br />
ASPECTOS DA QUESTÃO<br />1) Qual foi o intuito de Deus ao condicionar sua autocomunicação com os homens à encarnação histó...
EM SÍNTESE...<br />Qual a relevância de Jesus Cristo como salvador diante do pluralismo religioso e dos avanços da ciência...
Jesus Cristo no mundo e na história<br />
Para a TRADIÇÃO CRISTÃ Jesus Cristo é o fundamento da fé, alguém no qual e pelo qual Deus se manifesta a si mesmo, de form...
Jesus Cristo no centro da fé<br />“O cristianismo é o Cristo”.<br />O cristianismo vivido pela Igreja não é o Cristo. Ele ...
São Pedro – At 4,12<br />Grandes hinos de Paulo – Ef 1,3-13; Cl 1,15-20<br />Jo 3,17; At 10,44-48; 17,24-31.<br />PATRÍSTI...
O sentido de Cristo no plano divino<br />Jesus Cristo – mediador universal da salvação.<br />Tema equivalente – o motivo d...
Qual é o sentido do evento Cristo para a humanidade, em quem reconhecemos a plena gratuidade da parte de Deus na ordem da ...
E. SCHILLEBECKX – Cristo Deus dos homens de modo humano – “Cristo é Deus em forma humana e homem em forma divina”.<br />MA...
POR QUE JESUS CRISTO??? – Jo 3,16-17; I Jo 1,1-2; Jesus, Filho do Pai, aparece como princípio de vida, profundamente inser...
PROBLEMAS SUSCITADOS- contexto da ciência moderna e pluralismo religioso<br />1)Essa intrusão do divino no humano não será...
4) Por que Jesus veio tão tarde?<br />5) Por que veio tão cedo?<br />6) Por que escolheu uma tradição religiosa em especia...
K. Rahner – tarefa cristológica- demonstração do sentido universal e da dimensão cósmica do evento Jesus Cristo.<br />Cris...
O evento Cristo, centro da história da salvação<br />
Visão cristã <br />Visão de mundo e de homem que haure de Jesus Cristo.<br />A história da salvação é a própria história u...
Jesus Cristo e as religiões do mundo<br />
A posição central de Cristo na teologia das religiões<br />UR – hierarquia de verdade na doutrina católica (11)<br />Taref...
PROBLEMAS SUSCITADOS<br />1) Como reconhecer uma presença oculta do Cristo nessas tradições e entrever uma mediação do pró...
Jesus no debate sobre o pluralismo religioso<br />
3 modelos – exclusivismo, inclusivismo e pluralismo<br />Mais plausível – tese inclusivista – K. Rahner. Afirma que Jesus ...
Jesus Cristo Salvador universal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jesus Cristo Salvador universal

1.980 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.980
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jesus Cristo Salvador universal

  1. 1. Jacques Dupuis<br />INTRODUÇÃO à CRISTOLOGIA<br />
  2. 2. JACQUES DUPUIS<br />
  3. 3. Articulação da obra<br />
  4. 4.
  5. 5. Jesus cristo, salvador universal<br />
  6. 6. Articulação do capítulo (esquema)<br />
  7. 7. Dialética entre Cristologia e Soteriologia norteia a reflexão da Igreja sobre o mistério de Jesus Cristo.<br />Cristologia – fundamentação soteriológica – compreender melhor quem é Jesus Cristo abre caminho a novas instituições do mistério de nossa salvação por meio dele.<br />
  8. 8. QUESTÃO CENTRAL DO CAPÍTULO <br />Por quê Jesus Cristo e para quê?<br />
  9. 9. ASPECTOS DA QUESTÃO<br />1) Qual foi o intuito de Deus ao condicionar sua autocomunicação com os homens à encarnação histórica de seu Filho?<br />2) Como o plano divino se desenrola dentro da história da humanidade e do mundo?<br />3)Qual o significado de Jesus Cristo no contexto da criação e da história humana?<br />4)Qual o sentido e o lugar de Jesus Cristo dentro das outras culturas?<br />
  10. 10. EM SÍNTESE...<br />Qual a relevância de Jesus Cristo como salvador diante do pluralismo religioso e dos avanços da ciência moderna? Tem sentido o cristocentrismo tradicional sustentado pela Igreja? Ou precisa ser redimensionado?<br />
  11. 11. Jesus Cristo no mundo e na história<br />
  12. 12. Para a TRADIÇÃO CRISTÃ Jesus Cristo é o fundamento da fé, alguém no qual e pelo qual Deus se manifesta a si mesmo, de forma definitiva, insuperável e irrepetível. Sua obra de salvação se estende a todos os homens de todos os tempos e lugares. O Cristo, como mistério, é Deus que se volta para os homens em sua automanifestação e auto-revelação.<br />Este mistério permanece “anônimo” para as demais religiões. Somente os cristãos têm condições de identifica-lo em seu verdadeiro nome – essência.<br />Teologia do Cristo cósmico.<br />
  13. 13. Jesus Cristo no centro da fé<br />“O cristianismo é o Cristo”.<br />O cristianismo vivido pela Igreja não é o Cristo. Ele vai além e se torna sempre instância de reavaliação crítica da Igreja.<br />Cristo é o centro da fé – mensageiro e mensagem – revelação de uma pessoa.<br />NT – São Paulo – mystérion – pessoa de Jesus Cristo. (Hb 3,5-7; Cl 1,26-27;2,2; I Tm 3,6)<br />Jesus é o único mediador (I Tm 2,5)- salvador universal<br />
  14. 14. São Pedro – At 4,12<br />Grandes hinos de Paulo – Ef 1,3-13; Cl 1,15-20<br />Jo 3,17; At 10,44-48; 17,24-31.<br />PATRÍSTICA – a unicidade de Jesus Cristo constitui o coração da fé. Não necessita ser questionado.<br />VATICANO II – Cristocentrismo e Pneumatologia – mistério de Cristo é fonte e razão de ser da Igreja<br />Definição de Igreja – Sacramento universal de salvação- sacramento de Cristo.<br />Superação do conceito de encarnação continuada – J. Moeller.<br />
  15. 15. O sentido de Cristo no plano divino<br />Jesus Cristo – mediador universal da salvação.<br />Tema equivalente – o motivo da encarnação<br />O particularismo e o universalismo deste acontecimento causa escândalo e banalização do evento em seu contexto histórico.<br />Modelos: S. Anselmo – “satisfação adequada”; S. Tomás – “Razões de conveniência”.; Escotistas – Jesus estava, desde o primeiro instante no centro do desígnio de Deus.<br />
  16. 16. Qual é o sentido do evento Cristo para a humanidade, em quem reconhecemos a plena gratuidade da parte de Deus na ordem da criação e da redenção, como dom do ser e do perdão?<br />Intenção formal – inserir o dom de si mesmo no gênero humano o mais profundamente possível, na própria substância da humanidade, por ele chamada a compartilhar sua vida.<br />Inserção do próprio Deus na família humana e em sua historia.<br />Mistério da encarnação do Filho de Deus em Jesus Cristo – autocomunicação criadora e reparadora.<br />Colocou o próprio Deus e o dom que ele nos faz de sua própria vida ao nosso alcance e em nosso nível.<br />
  17. 17. E. SCHILLEBECKX – Cristo Deus dos homens de modo humano – “Cristo é Deus em forma humana e homem em forma divina”.<br />MARTELET – Motivo de encarnação – o pressuposto imediato não é o pecado, mas a adoção, a deificação. A encarnação é a nossa adoção.<br />
  18. 18. POR QUE JESUS CRISTO??? – Jo 3,16-17; I Jo 1,1-2; Jesus, Filho do Pai, aparece como princípio de vida, profundamente inserido na essência mesma de tudo o que é humano. Rm 5,12-20 – Jesus e Adão.<br />São Paulo não afirma apenas que em Jesus se realizou a redenção, mas também que isso aconteceu por meio de um homem- a causalidade humana no dom gratuito de Deus em Jesus Cristo.<br />TRADIÇÃO PATRÍSTICA – integridade da natureza humana de Jesus, e sua real identificação com a condição pecadora da humanidade. “Ele se fez homem para que fôssemos divinizados”. Admirável intercâmbio.<br />
  19. 19. PROBLEMAS SUSCITADOS- contexto da ciência moderna e pluralismo religioso<br />1)Essa intrusão do divino no humano não será, talvez, inumana, da parte de Deus?<br />2) Não é escandaloso, parcial e injusto que o dom da salvação venha a depender de um evento histórico necessariamente particular e proposto como único?<br />3) Não se poderia pensar em encarnações múltiplas para amenizar este particularismo?<br />
  20. 20. 4) Por que Jesus veio tão tarde?<br />5) Por que veio tão cedo?<br />6) Por que escolheu uma tradição religiosa em especial, marginalizando, por exemplo, tradições religiosas e culturais antigas e não menos ricas, como as da Asia?<br />
  21. 21. K. Rahner – tarefa cristológica- demonstração do sentido universal e da dimensão cósmica do evento Jesus Cristo.<br />Cristologia cósmica – o que significaria Jesus Cristo para todo o universo?<br />Teilhard de Chardin – teoria evolutiva – cristogênese<br />
  22. 22. O evento Cristo, centro da história da salvação<br />
  23. 23. Visão cristã <br />Visão de mundo e de homem que haure de Jesus Cristo.<br />A história da salvação é a própria história universal, como diálogo entre Deus e os homens. Distingue-se da história profana, mas dela não se separa.<br />Experiência religiosa de Israel – Aliança com YHWH – Shemà Israel.<br />A história da salvação vai do início ao fim da história, da criação até o fim do mundo. Não no sentido cronológico, mas teológico.<br />GS 10 – Jesus Cristo é a chave, o centro e o fim de toda a história humana.<br />Tempo da Igreja – tensão escatológica.<br />Equívocos da escatologia consequente.<br />O. Cullmann – contraste entre a psicologia de Israel e a dos cristãos= futuro e presente; espera e concretização.<br />
  24. 24. Jesus Cristo e as religiões do mundo<br />
  25. 25. A posição central de Cristo na teologia das religiões<br />UR – hierarquia de verdade na doutrina católica (11)<br />Tarefa – descentrar eclesiologicamente a teologia das religiões e centrá-la em Cristo.<br />RELAÇÃO VERTICAL COM O MISTÉRIO DE CRISTO<br />A sentença: “extra Ecclesiam nulla salus” <br />Os requisitos para a salvação eram enfocados negativamente e a partir de uma perspectiva centrada na Igreja.<br />GS 22<br />Nostra Aetate – religiões não-cristãs.<br />
  26. 26. PROBLEMAS SUSCITADOS<br />1) Como reconhecer uma presença oculta do Cristo nessas tradições e entrever uma mediação do próprio mistério por meio delas? <br />2) Por que o Concílio não reconhece estas tradições como caminhos legítimos de salvação para seus seguidores?<br />H. Kung – cristocentrismo inclusivo – à luz do plano divino da salvação não existe o fora, mas somente o dentro<br />
  27. 27. Jesus no debate sobre o pluralismo religioso<br />
  28. 28. 3 modelos – exclusivismo, inclusivismo e pluralismo<br />Mais plausível – tese inclusivista – K. Rahner. Afirma que Jesus Cristo é a revelação decisiva de Deus e o Salvador absoluto; ao mesmo tempo reconhece as manifestações divinas na história do gênero humano e nas diferentes culturas e elementos de graça nas demais tradições religiosas para a salvação de seus adeptos.<br />A teologia cristã é teocêntrica, porque cristocêntrica; e cristocêntrica porque teocêntrica.<br />

×