15 25abril

2.150 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.150
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.606
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

15 25abril

  1. 1. 2
  2. 2. Guerra Colonial  Portugal:  Pluricontinental;  Multiracial. 3
  3. 3. Guerra Colonial  Década de 50  A União Indiana pretende a integração das cidades de Goa, Damão e Diu no seu território;  Portugal recusa-se a discutir o tema;  Surgem os primeiros movimentos independentistas. 4
  4. 4. Guerra Colonial  Década de 60  Dezembro de 1961 – A União Indiana invade as cidades de Goa, Damão e Diu  1961 – Ataques às fazendas do norte de Angola e às prisões de Luanda  1963 – Alastramento das insurreições à Guiné-Bissau…  1964 – e a Moçambique.  A guerra só terminaria em 1974 com a revolução de 25 de Abril. 5
  5. 5. 6
  6. 6. Guerra ColonialAmílcar Cabral Holden Roberto Agostinho Neto Jonas Savimbi Samora Machel 7 1924-1973 1923-2007 1922-1979 1934-2002 1933-1986
  7. 7. 8
  8. 8. Portugal: Do Autoritarismo à Democracia AS IDADES DE SALAZAR, João Abel Manta. 9
  9. 9. A Liberalização fracassada  1968  Salazar sofre um acidente e fica incapacitado para dirigir o governo;  É substituído por Marcello Caetano. António Oliveira Salazar Marcello Caetano 10 1889-1970 1906-1980
  10. 10. Primavera Marcelista  Política no sentido de uma maior liberdade e democratização;  Política marcada por grandes hesitações e contradições;  Recusa de discutir a questão da Guerra colonial;  Governação segundo o princípio da continuidade. 11
  11. 11. Acção governativa  Área política – Maquilhagem das instituições PIDE DGS Censura Exame prévio União Nacional Acção Nacional Popular E ainda… autorização do regresso de exilados políticos como Mário Soares (mais tarde regressa ao exílio) 12
  12. 12. Acção governativa  Área Social – Maquilhagem das instituições Criação da ADSE – Assistência na Doença dos Servidores do Estado; Instituição do subsídio de Férias e de Natal; Atribuição de pensões aos trabalhadores rurais e de profissões mais modestas; Criação de nova legislação sindical. 13
  13. 13. Acção governativa  Área Educativa Maior acesso ao ensino; Renovação dos conteúdos; Escolaridade Obrigatória. 14
  14. 14. Eleições Legislativas de 1969 participação da oposição nas eleições após 44 anos demonstração de abertura política, porém… eleições marcadas por limitações à liberdade de voto aumento da contestação nos meios universitários, fabris e militares 15
  15. 15. Contestação ao regime  Abril de 1973  Reuniu-se o 3º Congresso da Oposição Democrática.  Defende-se os 3 D’s: Descolonização; Desenvolvimento e Democratização  Fevereiro de 1974  O General Spínola publica o livro Portugal e o futuro;  Defendia uma solução política para resolver a Guerra Colonial e a liberalização do País 16
  16. 16. 17
  17. 17. Causas para a Revolta Militar  Insistência na Guerra Colonial;  Equiparação dos oficiais milicianos aos oficiais do quadro; Levam à criação do MFA  Falta de Liberdade; Movimento das Forças Armadas  Dificuldades económicas.Revolta das Caldas (Março de 1974)  Primeira tentativa para depor o regime;  Falhou. 18
  18. 18. Revolta das Caldas  Primeira tentativa para depor o regime;  Reacção à demissão do General Spínola e Costa Gomes;  Falhou. 19
  19. 19. 25 de Abril de 1974  Na noite de 24 para 25 de Abril dá- se início ao golpe militar;  Apoio da população de Lisboa;  Os pontos chave da cidade de Lisboa são ocupados pelos revoltosos;  Só a PIDE oferece resistência;  Marcello Caetano rende-se no Convento do Carmo. 20
  20. 20. 21
  21. 21. Junta de Salvação Nacional  Presidida pelo General Spínola.  Objectivos:  Zelar que o Governo Provisório cumprisse o Programa do MFA.  António de Spínola acaba por ser nomeado Presidente da República. 22
  22. 22. Pinheiro de Azevedo Costa Gomes António de Spínola Silvério MarquesRosa Coutinho Galvão de Melo 23 Falta: General Diogo Neto ausente em Moçambique
  23. 23. Objectivos do MFA  Destituição das suas funções o Presidente da República e o governo;  Fim da Pide, Censura, Legião Portuguesa, Mocidade Portuguesa, Acção Nacional Popular, Assembleia Nacional, Câmara Corporativa;  Libertação dos presos políticos;  Regresso dos exilados (Mário Soares e Álvaro Cunhal);  Autorização de criação de Partidos Políticos;  Criação de Sindicatos para a função pública;  Independência das colónias;  Eleições livres para a formação de uma Assembleia Constituinte;  Nova Constituição da República. 24
  24. 24. Criação de partidos políticosMário Soares Francisco Sá Carneiro Álvaro Cunhal Freitas do Amaral 25 1924 1934-1980 1913-2005 1941
  25. 25. 26
  26. 26. Verão Quente de 1975  11 Março de 1975 Face ao aumento da influência do Partido Comunista no MFA e receio da tomada de poder tentativa de golpe militar, liderado pelo General Spínola Fuga para o estrangeiro 27
  27. 27. 28
  28. 28. Governo de Vasco Gonçalves  Segue uma tendência marxista;  Promove:  Nacionalização dos seguros, bancos, grandes empresas ligadas à siderurgia, electricidade, cimentos, transportes, adubos, tabacos…  Reforma Agrária – expropriação dos latifúndios do Alentejo e do Ribatejo e criação das Unidades Colectivas de Produção (UCP’s). 29
  29. 29. Instabilidade política e social  O PS e o PPD abandonam o governo;  Aumento do número de greves;  Ocupação de campos e fábricas;  Ataques às sedes de partidos e sindicatos;  Cerco à Assembleia da República.  25 de Novembro de 1975 – golpe militar de esquerda neutralizado pelo Tenente-coronel Ramalho Eanes 30
  30. 30. Constituição de 1976  Consignou uma nova organização democrática:  Permitiu eleições livres;  Independência dos órgãos de soberania;  Descentralização e autonomia regional;  Reforço do poder autárquico. 31
  31. 31. 32
  32. 32. Independência das Colónias  Do programa do MFA:  A solução para as colónias não era militar mas sim política;  Lançamento de uma política que conduzisse à paz.  Início de conversações:  Junho de 74 – Conferência de Lusaca;  Agosto de 74 – Acordo entre Portugal e a ONU;  Setembro de 74 – Encontro da ilha do Sal;  Novembro de 74 – Declaração de Argel;  Janeiro de 75 – Cimeira do Algarve. 33
  33. 33. Cinco Novos PaísesGuiné-Bissau Moçambique Cabo Verde S. Tomé e Príncipe Angola23 Agosto de 74 26 Junho de 75 05 Julho de 75 12 de Julho de 75 11 Novembro 75 Ainda faltavam Macau e Timor 34
  34. 34. O regresso a casa Macau foi entregue à China em 1999 Timor Leste foi ocupado, em 1975, pela Indonésia; Tornou-se independente em 2002. 35
  35. 35. Retornados  O fim da guerra e a independência levou a situações de violência;  Cerca de 500 mil pessoas foram obrigadas a “regressar” a Portugal;  Abandono dos bens;  Difícil integração na sociedade portuguesa 36
  36. 36. 37
  37. 37. 38
  38. 38. Integração na CEE  Março de 1977 – Pedido de Adesão;  1985 – Pedido é aceite;  1 de Janeiro de 1986 – Portugal passa a ser membro de pleno Direito 39
  39. 39. Tratado de Maastricht  Assinado em 1992;  A CEE passa a designar-se por UE – União Europeia;  Objectivos:  Maior participação dos cidadãos na vida comunitária;  Cidadania europeia;  Maior solidariedade entre os Estados-membros;  Meios para garantir a paz e a segurança;  Criação de uma moeda única - euro 40
  40. 40. Ramalho Eanes 1936 1976-1986 Costa Gomes Mário Soares 1914-2001 1924 1974-1976 1986-1996António Spínola Jorge Sampaio 1910-1996 1939 1974 1996-2006 Aníbal Cavaco Silva 41 1939 2006

×