SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Em 27 de Novembro de
1807 a rainha e o príncipe
regente fugiram para o
Brasil acompanhados por
muitos elementos da Corte.

Militares ingleses dão apoio
aos portugueses na luta
contra      os      invasores
franceses.
• A corte portuguesa permaneceu
   no Brasil perto de 14 anos.
   Durante esse tempo o Brasil
   sofreu      algumas        alterações
   profundas:
a) A cidade do Rio de Janeiro
   tornou-se a Sede do Governo;
b) Foram criadas repartições de
   finanças, justiça e polícia;
c) Foram criadas escolas, hospitais,
   teatros e bibliotecas;
d) Foram      criadas indústrias e
   fizeram-se estradas;
e) Os    portos brasileiros foram
   abertos       aos      comerciantes
   estrangeiros, o que desenvolveu o
   comércio externo.
• Como     vimos, D. João VI
   regressou a Portugal. Quem
   ficou a governar o Brasil foi o
   seu irmão, o príncipe D. Pedro.
   Com o regresso de D. João VI a
   Portugal        as       Cortes
   Constituintes ordenaram:
1. Que o Brasil voltasse a ter
   condição de colónia;
2. Que o comércio externo
   voltasse a fazer-se passando
   por Portugal;
3. Que D. Pedro viesse viver
   para Portugal.
• D.   Pedro, apoiado pela
  burguesia, decidiu ficar no
  Brasil. Como resposta as
  Cortes          Constituintes
  enviaram para o Brasil novas
  ordem a anular todos os
  poderes de D. Pedro.
• Quando D. Pedro recebeu a
  notícia decidiu declarar a
  independência do Brasil. Foi
  no dia 7 de Setembro de 1822.
• Conta-se que D. Pedro correu
  as margens do Rio Ipiranga
  gritando: «Independência ou
  Morte!»
Com a Revolução de 1820 a Nobreza e o Clero
 perderam muitos privilégios e nunca aceitaram as
 ideias liberais. D. Miguel, filho segundo de D. João VI
 era apoiante deste descontentamento…
D. João VI morre…
D. Pedro (I do Brasil, IV de Portugal) é imperador do
 Brasil e não quer regressar a Portugal…
• D. Pedro pensou numa solução que garantisse a
   sucessão ao trono e ao mesmo tempo unisse liberais e
   absolutistas…
1. Abdicou do trono português em favor da sua filha, D.
   Maria, que tinha apenas 7 anos.
2. D. Miguel (seu irmão) ficaria a governar Portugal
   como regente de acordo com as leis liberais e casaria
   com D. Maria logo que ela fosse maior de idade…
D. Miguel começou por aceitar as condições de D.
 Pedro mas em 1828 dissolveu as cortes e fez-se
 aclamar Rei absoluto!
Nessa altura já existiam dois grupos rivais: os liberais
 e os absolutistas.
• Os    liberais eram, na sua maioria, burgueses
  (comerciantes, proprietários, juízes, médicos…) que
  defendiam a monarquia liberal.
• Os absolutistas eram na sua maioria nobres e
  clérigos que chefiados por D. Miguel queriam
  regressar à monarquia absoluta.
• Os    Absolutistas começam
  então a perseguir os Liberais.
  Os que não conseguem fugir
  são mortos ou presos.
• Ao saber do que se passa em
  Portugal, D. Pedro resolve
  deixar o Brasil e juntando-se
  com os liberais que tinham
  fugido   para     os   Açores
  organizou um exército.
D. Pedro IV - Liberal
                        Vs   D. Miguel I - Absolutista
• Em 8 de Junho de 1832, o
 exército          liberal
 comandado por D. Pedro
 desembarcou na praia de
 Pampelido - Mindelo e
 seguiu para a cidade do
 Porto que ocupou sem
 resistência…
D. Miguel organizou as suas tropas e cercou a cidade
 do Porto. Foram tempos difíceis: faltou comida, houve
 muitas doenças e morreu muita gente.
• Perante uma derrota quase que
  certa, D. Pedro e os militares
  liberais decidiram que a solução
  passava por uma nova frente de
  combate. Organizaram uma
  nova armada comandada pelo
  Duque      da    Terceira    que
  desembarcou no Algarve.
• D. Miguel ao saber desta
  armada levantou o cerco do
  Porto e enviou parte do seu
  exército para o sul…
Após   um conjunto de derrotas de D. Miguel,
 principalmente nas batalhas de Almoster e Asseiceira,
 os Absolutistas foram obrigados a assinar um acordo
 de paz – a Convenção de Évora Monte.
Durante 2 anos, Portugal viveu numa guerra civil.
D. Miguel foi expulso de Portugal. Quando D. Pedro
 IV morreu foi D. Maria quem ficou no trono de
 Portugal.
A derrota de D. Miguel contribuiu para o triunfo da
 monarquia constitucional que se manterá em
 Portugal até 1910.
 A corte portuguesa ficou cerca de 14 anos no Brasil e este território
  desenvolveu-se em todas as áreas.
 Com a vinda de D. João VI para Portugal, D. Pedro, seu filho, ficou a
  governar o Brasil e quando as cortes exigiram o seu regresso este, com o
  apoio da burguesia, declarou a independência daquela território.
 No entanto, quando D. João VI morreu D. Pedro é declarado rei de Portugal
  e tenta negociar com o seu irmão, D. Miguel, uma forma de governar
  Portugal que fosse do agrado dos dois grupos que se opunham – Liberais e
  Absolutistas. Deixou o trono para a sua filha e D. Miguel como regente. No
  entanto este, rapidamente, deixou de respeitar as condições de D. Pedro e
  corou-se rei absoluto.
 Os absolutistas começaram a perseguir os liberais e D. Pedro organizou um
  exército que desembarcou em Portugal vindo dos Açores e tomou a cidade
  do Porto. Estava iniciada uma guerra civil. O exército de D. Miguel cercou o
  Porto e obrigou D. Pedro a começar uma nova frente de combate pelo
  Algarve.
 D. Miguel perdeu a guerra e assinou a Convenção de Évora Monte. D. Pedro
  venceu e com ele as ideias liberais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Independência política brasileira
Independência política brasileiraIndependência política brasileira
Independência política brasileiraFernanda Hellen
 
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILINDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILAndrea Lemos
 
Gaia ao tempo de garret- Guerras liberais
Gaia ao tempo de garret- Guerras liberaisGaia ao tempo de garret- Guerras liberais
Gaia ao tempo de garret- Guerras liberaisHigh School
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasilMarco Santos
 
Chegada da Família Real – início do processo de independência do brasil
Chegada da Família Real – início do processo de independência do brasilChegada da Família Real – início do processo de independência do brasil
Chegada da Família Real – início do processo de independência do brasilFelipe de Souza
 
Resumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família realResumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família realJanine Schwartz
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colôniasProfessoresColeguium
 
A independência política do brasil e o primeiro
A independência política do brasil e o primeiroA independência política do brasil e o primeiro
A independência política do brasil e o primeirogarridodocordel
 
Consolidação da independência do brasil
Consolidação da independência do brasilConsolidação da independência do brasil
Consolidação da independência do brasilVailson Wagner Waguinho
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoValéria Shoujofan
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesJanayna Lira
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutistaCarla Teixeira
 
Independencia do Brasil
Independencia do BrasilIndependencia do Brasil
Independencia do BrasilJoão Marcelo
 
A Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPointA Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPointNunoAlmeida
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILIsabel Aguiar
 
Independencia do brasil
Independencia do brasilIndependencia do brasil
Independencia do brasilfelipe_paes
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução AmericanaMaria Costa
 

Mais procurados (20)

Independência política brasileira
Independência política brasileiraIndependência política brasileira
Independência política brasileira
 
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILINDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
 
Gaia ao tempo de garret- Guerras liberais
Gaia ao tempo de garret- Guerras liberaisGaia ao tempo de garret- Guerras liberais
Gaia ao tempo de garret- Guerras liberais
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Chegada da Família Real – início do processo de independência do brasil
Chegada da Família Real – início do processo de independência do brasilChegada da Família Real – início do processo de independência do brasil
Chegada da Família Real – início do processo de independência do brasil
 
Resumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família realResumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família real
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colônias
 
A independência política do brasil e o primeiro
A independência política do brasil e o primeiroA independência política do brasil e o primeiro
A independência política do brasil e o primeiro
 
Consolidação da independência do brasil
Consolidação da independência do brasilConsolidação da independência do brasil
Consolidação da independência do brasil
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Perguntas sobre 7 de setembro
Perguntas sobre 7 de setembroPerguntas sobre 7 de setembro
Perguntas sobre 7 de setembro
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutista
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
 
Independencia do Brasil
Independencia do BrasilIndependencia do Brasil
Independencia do Brasil
 
A Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPointA Independência dos E.U.A. - PowerPoint
A Independência dos E.U.A. - PowerPoint
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
Independencia do brasil
Independencia do brasilIndependencia do brasil
Independencia do brasil
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 

Destaque

4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugalR C
 
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaodeR C
 
7 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-857 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-85R C
 
14 estadonovo
14 estadonovo14 estadonovo
14 estadonovoR C
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxixR C
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na piR C
 
10 revliberal1820
10 revliberal182010 revliberal1820
10 revliberal1820R C
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesaR C
 
9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica9 dauniãoibérica
9 dauniãoibéricaR C
 
1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovosR C
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibéricaR C
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abrilR C
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiiiR C
 
O novo ordenamento político e sócio económico- 1834-1851
O novo ordenamento político e sócio económico-  1834-1851O novo ordenamento político e sócio económico-  1834-1851
O novo ordenamento político e sócio económico- 1834-1851Carla Teixeira
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicodiariohistoria
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...maria.antonia
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xixPelo Siro
 

Destaque (20)

4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal
 
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
 
7 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-857 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-85
 
14 estadonovo
14 estadonovo14 estadonovo
14 estadonovo
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
 
10 revliberal1820
10 revliberal182010 revliberal1820
10 revliberal1820
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa
 
9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica
 
1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abril
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii
 
O novo ordenamento político e sócio económico- 1834-1851
O novo ordenamento político e sócio económico-  1834-1851O novo ordenamento político e sócio económico-  1834-1851
O novo ordenamento político e sócio económico- 1834-1851
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
 

Semelhante a A Guerra Civil Portuguesa entre Liberais e Absolutistas (1828-1834

RevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º TesteRevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º Testejdlimaaear
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesapereiraepereira1
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinadoDaniel Alves Bronstrup
 
A revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquelA revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquelceufaias
 
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoRevolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoLuisMagina
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatívelAnabela Sobral
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilhelenasoares
 
Resumo liberalismo guerrra vivil portugal
Resumo liberalismo guerrra vivil portugalResumo liberalismo guerrra vivil portugal
Resumo liberalismo guerrra vivil portugalSilvia Oliveira
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinadoLucas Reis
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa13_ines_silva
 
O governo de d. pedro i
O governo de d. pedro iO governo de d. pedro i
O governo de d. pedro iNana Tru
 
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)Daniel Alves Bronstrup
 
Historia e geografia de portugal
Historia e geografia de portugalHistoria e geografia de portugal
Historia e geografia de portugalLara Cardoso
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01blade40p
 
Trabalho do Vinícius
Trabalho do ViníciusTrabalho do Vinícius
Trabalho do Viníciusdouglaseleo
 

Semelhante a A Guerra Civil Portuguesa entre Liberais e Absolutistas (1828-1834 (20)

RevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º TesteRevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º Teste
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo 1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
 
A revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquelA revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquel
 
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoRevolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
 
Resumo liberalismo guerrra vivil portugal
Resumo liberalismo guerrra vivil portugalResumo liberalismo guerrra vivil portugal
Resumo liberalismo guerrra vivil portugal
 
Dom Pedro 1ª
Dom Pedro 1ªDom Pedro 1ª
Dom Pedro 1ª
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
 
O governo de d. pedro i
O governo de d. pedro iO governo de d. pedro i
O governo de d. pedro i
 
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
 
Historia e geografia de portugal
Historia e geografia de portugalHistoria e geografia de portugal
Historia e geografia de portugal
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
 
Trabalho do Vinícius
Trabalho do ViníciusTrabalho do Vinícius
Trabalho do Vinícius
 

Mais de R C

Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1R C
 
Higiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoHigiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoR C
 
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aOrganizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aR C
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveisR C
 
Toxicodep..
Toxicodep..Toxicodep..
Toxicodep..R C
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiarR C
 
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaAtividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaR C
 
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresDsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresR C
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociaisR C
 

Mais de R C (9)

Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1
 
Higiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoHigiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismo
 
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aOrganizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
 
Toxicodep..
Toxicodep..Toxicodep..
Toxicodep..
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaAtividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
 
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresDsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais
 

A Guerra Civil Portuguesa entre Liberais e Absolutistas (1828-1834

  • 1.
  • 2. Em 27 de Novembro de 1807 a rainha e o príncipe regente fugiram para o Brasil acompanhados por muitos elementos da Corte. Militares ingleses dão apoio aos portugueses na luta contra os invasores franceses.
  • 3. • A corte portuguesa permaneceu no Brasil perto de 14 anos. Durante esse tempo o Brasil sofreu algumas alterações profundas: a) A cidade do Rio de Janeiro tornou-se a Sede do Governo; b) Foram criadas repartições de finanças, justiça e polícia; c) Foram criadas escolas, hospitais, teatros e bibliotecas; d) Foram criadas indústrias e fizeram-se estradas; e) Os portos brasileiros foram abertos aos comerciantes estrangeiros, o que desenvolveu o comércio externo.
  • 4. • Como vimos, D. João VI regressou a Portugal. Quem ficou a governar o Brasil foi o seu irmão, o príncipe D. Pedro. Com o regresso de D. João VI a Portugal as Cortes Constituintes ordenaram: 1. Que o Brasil voltasse a ter condição de colónia; 2. Que o comércio externo voltasse a fazer-se passando por Portugal; 3. Que D. Pedro viesse viver para Portugal.
  • 5. • D. Pedro, apoiado pela burguesia, decidiu ficar no Brasil. Como resposta as Cortes Constituintes enviaram para o Brasil novas ordem a anular todos os poderes de D. Pedro. • Quando D. Pedro recebeu a notícia decidiu declarar a independência do Brasil. Foi no dia 7 de Setembro de 1822. • Conta-se que D. Pedro correu as margens do Rio Ipiranga gritando: «Independência ou Morte!»
  • 6. Com a Revolução de 1820 a Nobreza e o Clero perderam muitos privilégios e nunca aceitaram as ideias liberais. D. Miguel, filho segundo de D. João VI era apoiante deste descontentamento…
  • 7. D. João VI morre… D. Pedro (I do Brasil, IV de Portugal) é imperador do Brasil e não quer regressar a Portugal…
  • 8. • D. Pedro pensou numa solução que garantisse a sucessão ao trono e ao mesmo tempo unisse liberais e absolutistas… 1. Abdicou do trono português em favor da sua filha, D. Maria, que tinha apenas 7 anos. 2. D. Miguel (seu irmão) ficaria a governar Portugal como regente de acordo com as leis liberais e casaria com D. Maria logo que ela fosse maior de idade…
  • 9. D. Miguel começou por aceitar as condições de D. Pedro mas em 1828 dissolveu as cortes e fez-se aclamar Rei absoluto! Nessa altura já existiam dois grupos rivais: os liberais e os absolutistas.
  • 10. • Os liberais eram, na sua maioria, burgueses (comerciantes, proprietários, juízes, médicos…) que defendiam a monarquia liberal. • Os absolutistas eram na sua maioria nobres e clérigos que chefiados por D. Miguel queriam regressar à monarquia absoluta.
  • 11. • Os Absolutistas começam então a perseguir os Liberais. Os que não conseguem fugir são mortos ou presos. • Ao saber do que se passa em Portugal, D. Pedro resolve deixar o Brasil e juntando-se com os liberais que tinham fugido para os Açores organizou um exército.
  • 12. D. Pedro IV - Liberal Vs D. Miguel I - Absolutista
  • 13. • Em 8 de Junho de 1832, o exército liberal comandado por D. Pedro desembarcou na praia de Pampelido - Mindelo e seguiu para a cidade do Porto que ocupou sem resistência…
  • 14. D. Miguel organizou as suas tropas e cercou a cidade do Porto. Foram tempos difíceis: faltou comida, houve muitas doenças e morreu muita gente.
  • 15. • Perante uma derrota quase que certa, D. Pedro e os militares liberais decidiram que a solução passava por uma nova frente de combate. Organizaram uma nova armada comandada pelo Duque da Terceira que desembarcou no Algarve. • D. Miguel ao saber desta armada levantou o cerco do Porto e enviou parte do seu exército para o sul…
  • 16. Após um conjunto de derrotas de D. Miguel, principalmente nas batalhas de Almoster e Asseiceira, os Absolutistas foram obrigados a assinar um acordo de paz – a Convenção de Évora Monte.
  • 17. Durante 2 anos, Portugal viveu numa guerra civil. D. Miguel foi expulso de Portugal. Quando D. Pedro IV morreu foi D. Maria quem ficou no trono de Portugal. A derrota de D. Miguel contribuiu para o triunfo da monarquia constitucional que se manterá em Portugal até 1910.
  • 18.  A corte portuguesa ficou cerca de 14 anos no Brasil e este território desenvolveu-se em todas as áreas.  Com a vinda de D. João VI para Portugal, D. Pedro, seu filho, ficou a governar o Brasil e quando as cortes exigiram o seu regresso este, com o apoio da burguesia, declarou a independência daquela território.  No entanto, quando D. João VI morreu D. Pedro é declarado rei de Portugal e tenta negociar com o seu irmão, D. Miguel, uma forma de governar Portugal que fosse do agrado dos dois grupos que se opunham – Liberais e Absolutistas. Deixou o trono para a sua filha e D. Miguel como regente. No entanto este, rapidamente, deixou de respeitar as condições de D. Pedro e corou-se rei absoluto.  Os absolutistas começaram a perseguir os liberais e D. Pedro organizou um exército que desembarcou em Portugal vindo dos Açores e tomou a cidade do Porto. Estava iniciada uma guerra civil. O exército de D. Miguel cercou o Porto e obrigou D. Pedro a começar uma nova frente de combate pelo Algarve.  D. Miguel perdeu a guerra e assinou a Convenção de Évora Monte. D. Pedro venceu e com ele as ideias liberais.