Caro Professor,Em 2009 os Cadernos do Aluno foram editados e distribuídos a todos os estudantes darede estadual de ensino....
Caderno do Aluno de Matemática – 7ª série/8º ano – Volume 2  SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1  ARITMÉTICA COM ÁLGEBRA: AS LETRAS...
3. Segue solução que leva em consideração as soluções apresentadas nas atividades 1     e 2.     Uma vez que as duas expre...
Resolução 2     Na resolução 1, organizamos a figura em n linhas por n + 2 colunas,     (1: 1 linha – 3 colunas; 2: 2 linh...
Desafio!Página 71. Solução 1: é possível observar que a cada número n da figura corresponde um   quadrado de n + 1 linhas ...
Observe que, para formar esse último quadro, necessitamos:      • Acrescentar a diagonal, indicada em vermelho, que possui...
a)  b)3. É possível obter as seguintes soluções:                                             7
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2  PRODUTOS NOTÁVEIS: SIGNIFICADOS GEOMÉTRICOSPáginas 12 - 141. A área da figura (a) pode ser ass...
Figura b2. Aqui devemos observar que, como o 3 é um fator comum em ambas as parcelas, uma  das dimensões do retângulo deve...
3. Nesse caso, o fator comum é o x; portanto, ele será a medida do lado comum na  construção do retângulo; a outra medida ...
O aparecimento, nessa expressão, da soma xa + xb pode ser interpretado como  (a + b)x, pois, conforme o que foi discutido ...
A área do quadrado inteiro corresponde a x2; para chegarmos ao valor de(x – a).(x – b), devemos retirar os retângulos de á...
6.     a) (x + 3).(x + 5) = x2 + (3 + 5)x + 3 . 5 = x2 + 8x + 15.     b) (x – 7).(x – 10) = x2 – (7 + 10)x + 7 . 10 = x2 –...
3.4.     a)     b)          14
Desafio!Páginas 16 - 171.     A área do quadrado interno de lado (a – b) vale (a – b)2. Ela equivale à área do     quadrad...
Páginas 17 - 201.     a)     b)2.          9 – x2 = (3 + x).(3 – x)                                     16
3. 1a solução: agora o aluno pode pensar que temos a “diferença de dois quadrados”, um  com área 16x2 e outro com área 9y2...
Portanto, podemos concluir que 16x2 – 9y2 = (4x + 3y).(4x – 3y).4. A área do quadrado de lado c vale c2. Os triângulos de ...
soma dos quadrados dos catetos. Nesse momento, você não precisa enunciar esse  teorema, uma vez que ele é objeto de estudo...
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3     ÁLGEBRA: FATORAÇÃO E EQUAÇÕESPáginas 22 - 271.     a) 9 cm.     b) 57 cm.     c) 270 cm².  ...
3.     a) 20 e 23.     b) 304.     c)     d) P = 2x + 2x + 2x + 3 + 2x + 3 = 8x + 6     e) A área do retângulo pode ser ob...
(2x2 + 4x) ÷ 2x = 2x(x + 2) ÷ 2x = x + 2.3. Se os números são x e y, temos a seguinte expressão:  (x2 – y2) ÷ (x + y) = [(...
Página 331. Se os números são a e b, temos a seguinte expressão: a . b = –27 e a + b = – 6. Agora,     como o produto é ne...
d) – 5.     e) 4 ou –4.     f)   1 ou 3.3.     a) (x + 0).(x + 16) = x(x + 16) = 0; soluções: 0 ou –16.     b) (x + 5).(x ...
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4  ARITMÉTICA E GEOMETRIA: EXPRESSÕES ALGÉBRICAS DE  ALGUMAS IDEIAS FUNDAMENTAISDesafio!Página 39...
retangular com n linhas, em que cada linha tem n + 1 bolinhas, chegando ao mesmoresultado para Sn.Páginas 40 - 441.     a)...
Páginas 44 - 451. 1 080º2. No caso do quilógono, com 1 000 lados, o número de triângulos em que é possível     dividi-lo, ...
b) Raciocinando analogamente, o número de diagonais de um hexágono pode ser  calculado da seguinte forma:  •    de cada vé...
AJUSTES              Caderno do Professor de Química – 7ª série/8º ano – Volume 2  Professor, a seguir você poderá conferi...
Nesse caso, note que na primeira linha sem-         Fechando retângulos de n linhas e 3 colunas,     pre teremos o número ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_7aserie_gabarito

388 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2010 volume2 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_7aserie_gabarito

  1. 1. Caro Professor,Em 2009 os Cadernos do Aluno foram editados e distribuídos a todos os estudantes darede estadual de ensino. Eles serviram de apoio ao trabalho dos professores ao longo detodo o ano e foram usados, testados, analisados e revisados para a nova edição a partirde 2010.As alterações foram apontadas pelos autores, que analisaram novamente o material, porleitores especializados nas disciplinas e, sobretudo, pelos próprios professores, quepostaram suas sugestões e contribuíram para o aperfeiçoamento dos Cadernos. Notetambém que alguns dados foram atualizados em função do lançamento de publicaçõesmais recentes.Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analiseas diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas.Na primeira parte deste documento, você encontra as orientações das atividadespropostas no Caderno do Aluno. Como os Cadernos do Professor não serão editados em2010, utilize as informações e os ajustes que estão na segunda parte deste documento.Bom trabalho!Equipe São Paulo faz escola. 1
  2. 2. Caderno do Aluno de Matemática – 7ª série/8º ano – Volume 2 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 ARITMÉTICA COM ÁLGEBRA: AS LETRAS COMO NÚMEROSPáginas 3 - 51. Segue possível solução: Nesse caso, note que na primeira linha sempre teremos o número de bolinhas igual ao número que representa a figura, e na segunda linha o total de bolinhas será sempre um a menos que o número da figura. Usando a letra n para representar o número da figura, o total de bolinhas pode ser representado por n + (n – 1).2. Segue possível solução: Agora o número de colunas é igual ao número da figura e temos duas bolinhas em cada coluna, exceto em uma delas (última coluna), que terá apenas uma bolinha. Se preenchermos a coluna que tem apenas uma bolinha com mais uma bolinha, podemos calcular o total de bolinhas multiplicando o número de colunas pelo de linhas e subtraindo a bolinha adicional ao final da conta. Usando letras, o total de bolinhas da figura n será 2n – 1. 2
  3. 3. 3. Segue solução que leva em consideração as soluções apresentadas nas atividades 1 e 2. Uma vez que as duas expressões obtidas são equivalentes, n + (n – 1) tem de ser idêntico a 2n – 1, o que significa dizer que ambas as expressões devem ser válidas para qualquer n. Decorre, portanto, que n + n tem de ser igual a 2n.4. Segue possível solução: Fechando retângulos de n linhas e três colunas, devemos acrescentar ainda n – 1 bolinhas. Nesse caso, a fórmula seria 3n + (n – 1). Completando a figura com uma bolinha, fechamos retângulos de n linhas por quatro colunas. A fórmula agora será 4n – 1.5. Comparando 4n – 1 com 3n + (n – 1), segue que 3n + n tem de ser igual a 4n.6. Resolução 1 3
  4. 4. Resolução 2 Na resolução 1, organizamos a figura em n linhas por n + 2 colunas, (1: 1 linha – 3 colunas; 2: 2 linhas – 4 colunas; 3: 3 linhas – 5 colunas, etc.). Já na resolução 2, temos a organização em quadrados com n² bolinhas mais o dobro de n (1: 1 + 2; 2: 4 + 4; 3: 9 + 6; 4: 16 + 8, etc.). Com isso, chegamos à expressão n(n + 2) na resolução 1 e à expressão geral n² + 2n na resolução 2.7. Como n(n + 2) é equivalente a n² + 2n, segue que n . n = n² e que n . 2 = 2n.Página 61. Respostas possíveis: 4n 4(n+1) – 4 4 + 4 (n – 1) (n + 1)2 – (n – 1)2 4
  5. 5. Desafio!Página 71. Solução 1: é possível observar que a cada número n da figura corresponde um quadrado de n + 1 linhas e n + 1 colunas. A fórmula será (n + 1)2. Numericamente, é possível observar a validade dessa fórmula: 1: (1 + 1)2; 2: (2 + 1)2; 3: (3 + 1)2; 4: (4 + 1)2; ...; n: (n + 1)2. Solução 2: nesse caso formamos um quadrado de n linhas por n colunas, dois retângulos de n por 1 e devemos acrescentar ainda uma bolinha. Temos, portanto, a fórmula: n2 + 2n +1. Com isso, estabelecemos a equivalência entre (n + 1)2 e n2 + 2n + 1.2. Para resolver o problema, vamos reagrupar as bolinhas de forma diferente: Agora, completando os retângulos, teremos: 5
  6. 6. Observe que, para formar esse último quadro, necessitamos: • Acrescentar a diagonal, indicada em vermelho, que possui uma bolinha a mais que o número da figura. • Acrescentar uma quantidade igual à que queremos contar numa forma espelhada, com relação à diagonal, indicada na cor verde. • Portanto, temos quadrados de n + 1 linhas por n + 1 colunas, formados pelos acréscimos das n + 1 bolinhas (diagonal) e da imagem espelhada de bolinhas que queremos contar. (n  1) 2  (n  1) Assim, o total de bolinhas da figura n será dado por . 2Páginas 8 - 101.2. Uma possível solução é: 6
  7. 7. a) b)3. É possível obter as seguintes soluções: 7
  8. 8. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 PRODUTOS NOTÁVEIS: SIGNIFICADOS GEOMÉTRICOSPáginas 12 - 141. A área da figura (a) pode ser assim calculada: Assim, essa situação nos permite escrever que x(a + 7 + y) = ax + 7x + yx. Para a Figura (b), temos duas possibilidades: 8
  9. 9. Figura b2. Aqui devemos observar que, como o 3 é um fator comum em ambas as parcelas, uma das dimensões do retângulo deve ser 3, e a outra, a soma de a com b. Portanto, a figura será: Uma expressão equivalente à dada no exercício é 3(a+b). Com isso, observamos que 3(a + b) = 3a + 3b, o que evidencia a propriedade distributiva da multiplicação em relação à adição. 9
  10. 10. 3. Nesse caso, o fator comum é o x; portanto, ele será a medida do lado comum na construção do retângulo; a outra medida deve ser (y – 3). Essa situação pode ser interpretada geometricamente como: Pensando na área do retângulo de lados x e y, podemos observar que: Portanto, x(y – 3) = xy – 3x, o que evidencia a propriedade distributiva da multiplicação em relação à subtração.4. Para resolver essa situação, propomos que você discuta com a turma que esse produto pode ser interpretado como a área de um retângulo de medidas de lados (x + a) e (x + b). Decompondo a figura pelas medidas x, a e b, encontramos: um quadrado de lado x, um retângulo de lados x e a, um retângulo de lados x e b e um retângulo de lados a e b. Dessa forma, podemos escrever: (x + a).(x + b) = x2 + xa + xb + ab. 10
  11. 11. O aparecimento, nessa expressão, da soma xa + xb pode ser interpretado como (a + b)x, pois, conforme o que foi discutido anteriormente, podemos realocar os retângulos da seguinte maneira......obtendo a seguinte configuração: Portanto, (x + a).(x + b) = x2 + (a + b)x + ab. Nessa expressão, identificamos que, no desenvolvimento de (x + a).(x + b), a quantidade de x, isto é, o coeficiente de x, é a soma dos números (a + b) e o termo independente é o produto dos mesmos termos a.b.5. Pensando nesse produto como a área de um retângulo, a medida de um lado será (x – a), e a de outro, (x – b). Isso pode ser formado a partir de um quadrado de lado x, como mostra a figura: 11
  12. 12. A área do quadrado inteiro corresponde a x2; para chegarmos ao valor de(x – a).(x – b), devemos retirar os retângulos de áreas ax e bx e acrescentar uma vez aárea do retângulo de lado ab, que foi retirada duas vezes (uma na área ax e outra naárea bx). Geometricamente temos:Chegamos, então, à expressão (x – a).(x – b) = x2 – xa – xb + ab. Vale observar queessa expressão é equivalente a (x – a).(x – b) = x2 – (a + b)x + ab, o que, mais umavez, nos permite concluir que o coeficiente de x, embora negativo, refere-se à soma(a + b) e o termo independente ao produto a . b. 12
  13. 13. 6. a) (x + 3).(x + 5) = x2 + (3 + 5)x + 3 . 5 = x2 + 8x + 15. b) (x – 7).(x – 10) = x2 – (7 + 10)x + 7 . 10 = x2 – 17x + 70.7.Páginas 15 - 161. a) (x + 1).(x + 1) = x2 + (1 + 1)x + 1 . 1 = x2 + 2x + 1 b) (x – 3).(x – 6) = x2 – (3 + 6)x + 3 . 6 = x2 – 9x + 182. 13
  14. 14. 3.4. a) b) 14
  15. 15. Desafio!Páginas 16 - 171. A área do quadrado interno de lado (a – b) vale (a – b)2. Ela equivale à área do quadrado maior (a2), subtraída das áreas dos retângulos de lados a e b (a . b). Contudo, é preciso adicionar a área do quadrado de lado b (b2), pois o mesmo foi retirado duas vezes ao subtrairmos os retângulos do quadrado maior. Essa operação pode ser visualizada geometricamente na figura a seguir:2. O produto notável (x – 5)2 pode ser representado geometricamente da seguinte forma: 15
  16. 16. Páginas 17 - 201. a) b)2. 9 – x2 = (3 + x).(3 – x) 16
  17. 17. 3. 1a solução: agora o aluno pode pensar que temos a “diferença de dois quadrados”, um com área 16x2 e outro com área 9y2. Portanto, deve concluir que o lado do quadrado maior é 4x, e o do quadrado menor, 3y. Procedendo conforme o modelo, podemos encontrar como solução: Concluindo que 16x2 – 9y2 = (4x + 3y).(4x – 3y). 2a solução: outra forma que você pode encontrar ou sugerir aos alunos é a que se segue. Toma-se um quadrado de lado 4x e em seu interior um quadrado de lado 3y. Em seguida, observe que a diferença dos quadrados (16x2 – 9y2) significa a sobra do retângulo com medidas 4x e (4x – 3y), 3y e (4x – 3y). 17
  18. 18. Portanto, podemos concluir que 16x2 – 9y2 = (4x + 3y).(4x – 3y).4. A área do quadrado de lado c vale c2. Os triângulos de lado a, b e c possuem área a .b igual a . O quadrado menor, como vemos na figura, tem lados iguais a b – a; 2 portanto, sua área é (b – a)2. A área do quadrado maior é igual à soma das áreas dos triângulos e do quadrado menor. a .b Portanto: c2 = 4 . ( ) + (b – a)2 2 c2 = 2ab + b2 – 2ab + a2 c 2 = b2 + a 2 . A solução desse problema é uma demonstração do Teorema de Pitágoras, que tem como enunciado: em todo triângulo retângulo, o quadrado da hipotenusa é igual à 18
  19. 19. soma dos quadrados dos catetos. Nesse momento, você não precisa enunciar esse teorema, uma vez que ele é objeto de estudo da 7a série do Volume 4.5. Seguindo a abordagem de uso de tabelas para o desenvolvimento de a  b 1 , a  b 2 , a  b 3 ... , pode-se concluir que: a  b 8  a 8  8.a 7 .b  28.a 6 .b 2  56.a 5 .b 3  70.a 4 .b 4  56.a 3 .b 5  28.a 2 .b 6  8.a.b 7  b 8 a  b 4  a 4  4a 3b  6a 2 b 2  4ab 3  b4 19
  20. 20. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 ÁLGEBRA: FATORAÇÃO E EQUAÇÕESPáginas 22 - 271. a) 9 cm. b) 57 cm. c) 270 cm². d) 154 cm². e) x + 3. f) m – 3. g) Perímetro: (I) e (VI); área: (II), (III), (IV) e (V). h) 70 cm². i) Os polinômios (III) e (IV) são idênticos, e vale a pena chamar a atenção para o fato de que eles obedecem à condição de serem iguais para qualquer valor de y que se imaginar. Inclusive, pode-se pedir que os alunos calculem alguns valores numéricos positivos, negativos, fracionários ou decimais para verificação. j) Os polinômios (II) e (III) não são idênticos. Apesar de terem o mesmo valor numérico para y = 0, eles têm valores diferentes para outros valores de y, ainda que ambos os polinômios possam representar a área do mesmo retângulo VASO.2. a) A e C. b) B e D. c) 84 cm². d) 169 cm². e) Nesse caso, para verificar se eles são idênticos, os alunos poderão atribuir a x apenas valores positivos por se tratar de medida de lado de retângulo. Todavia, você deve pedir que não sejam atribuídos apenas valores naturais. 20
  21. 21. 3. a) 20 e 23. b) 304. c) d) P = 2x + 2x + 2x + 3 + 2x + 3 = 8x + 6 e) A área do retângulo pode ser obtida pela expressão (2x + 3) . 2x, que é idêntica a 4x2 + 6x. Você pode pedir aos alunos que verifiquem a identidade com base em alguns valores atribuídos a x, a fim de atribuir significado ao conceito de valor numérico de um polinômio.Páginas 27 - 301. a) 5. b) (a + 3)2 = 64. c) (I), (II), (IV) e (V). d) –11. e) (I), (II), (III) e (IV). f) (I), (II) e (IV). g) As equações (I), (II) e (IV) são equivalentes.Páginas 30 - 331. Se o número é x, temos a seguinte expressão: (5x + 15) ÷ (x + 3) = 5(x + 3) ÷ (x + 3) = 5. Observação: Professor, comente que o número pensado não poderia ser – 3.2. Se o número é x, temos a seguinte expressão: 21
  22. 22. (2x2 + 4x) ÷ 2x = 2x(x + 2) ÷ 2x = x + 2.3. Se os números são x e y, temos a seguinte expressão: (x2 – y2) ÷ (x + y) = [(x – y).(x + y)] ÷ (x + y) = x – y. Como x e y são consecutivos, x – y = 1 3x  6 34. O que se está calculando nesse exercício é o resultado de , que é igual a , 2x  4 2 3 x  6 3( x  2) 3 de acordo com a seguinte simplificação:   . No entanto, 2 x  4 2( x  2) 2 considere com os alunos que 2x – 4 deve ser diferente de 0 e, portanto, x não pode ser 2.5. Se os números são a e b, temos a seguinte expressão: a . b = 36 e a + b = 15. Embora a solução desse exercício possa ser resolvida por cálculo mental, é interessante explorar alguns aspectos dessa situação: como o produto é positivo, os dois números têm o mesmo sinal, ou ambos são positivos ou ambos são negativos, e nenhum deles será 0, pois senão o produto seria 0. Estudando os possíveis números positivos, podemos decompor o 36 como: 36 . 1, 18 . 2, 12 . 3 e 9 . 4. Montando uma tabela Observamos que os números serão 12 e 3. 22
  23. 23. Página 331. Se os números são a e b, temos a seguinte expressão: a . b = –27 e a + b = – 6. Agora, como o produto é negativo, os números deverão ter sinais diferentes. Como a soma é negativa, o número negativo terá valor absoluto maior que o positivo. Estudando os possíveis números, podemos decompor o –27 como: Observamos que os números serão 3 e – 9.2. Se os números são a e b, temos a seguinte expressão: a . b = 0 e a + b = 8. Agora, como o produto é 0, um dos números será 0 e, como a soma é 8, o outro número será 8. Portanto, os números são 0 e 8.Páginas 33 - 351. a) 4 ou – 4. b) 8. c) – 4. d) 0 ou –1.2. a) 8. b) 0 ou 5. c) 2 ou 5. 23
  24. 24. d) – 5. e) 4 ou –4. f) 1 ou 3.3. a) (x + 0).(x + 16) = x(x + 16) = 0; soluções: 0 ou –16. b) (x + 5).(x – 5) = 0; soluções: 5 ou –5. c) (x + 3).(x – 3) = 0; soluções: 3 ou –3.  1  1 1 1 d)  x   .  x    0 ; soluções: ou  .  2  2 2 2 e) (x – 3).(x – 3) = (x – 3)2 = 0 solução: 3. f) (x + 6).(x + 6) = (x + 6)2 = 0 solução: – 6. g) (x – 3).(x – 1) = 0, portanto, x = 3 ou x = 1. h) (x – 2).(x – 5) = 0, portanto, x = 2 ou x = 5. 24
  25. 25. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 ARITMÉTICA E GEOMETRIA: EXPRESSÕES ALGÉBRICAS DE ALGUMAS IDEIAS FUNDAMENTAISDesafio!Página 39 Chamando de Sn a soma 1 + 2 + 3 + 4 + ... + (n – 3) + (n – 2) + (n – 1) + n, podemosnotar que as somas 1 + n, 2 + (n – 1), 3 + (n – 2), 4 + (n – 3), e assim por diante, dão nsempre 1 + n; poderíamos concluir que as n parcelas seriam equivalentes a parcelas 2 niguais a 1 + n, disso resultando que o valor de Sn seria igual a . (1  n) , ou seja, 2 n . (n  1)Sn  . 2 Tal raciocínio seria perfeito se soubéssemos que n é um número par, mas isso nemsempre ocorre. Para chegar a uma conclusão sobre o valor de Sn que seja válida quer n seja par, quern seja ímpar, podemos raciocinar de outra maneira. Certamente Sn pode ser escrita dasduas formas indicadas a seguir: Sn = 1 + 2 + 3+ 4 + ... + (n – 3) + (n – 2) + (n – 1) + n Sn = n + (n – 1) + (n – 2) + (n – 3) + ... + 4 + 3 + 2 + 1. Disso segue que, somando os primeiros membros e os segundos membros das duasigualdades, temos: 2 Sn = (1 + n) + (1 + n) + (1 + n) + (1 + n) + ... + (1 + n) + (1 + n) +(1 + n) + (1 + n) = n . (1 + n). n . n  1  Logo, S n  , e isso independe do fato de n ser par ou ímpar. 2 Poderíamos imaginar uma forma triangular, como nos exemplos anteriores,representando a soma Sn; reunindo duas formas triangulares e formando uma forma 25
  26. 26. retangular com n linhas, em que cada linha tem n + 1 bolinhas, chegando ao mesmoresultado para Sn.Páginas 40 - 441. a) 2 . 5 = 10. b) 2 . 100 = 200. c) 2 . 7 – 1 = 13. d) 2 . 30 – 1 = 59. e) 2n. f) 2n – 1.2. 813. Desenvolver a fórmula até chegar à resposta, como está apresentada no Caderno do Professor: S n  1  3  5  ...  (2n  1)  n 2 i4. a) A soma S np  2  4  6  ...  (2n) é igual ao dobro da soma dos n primeiros naturais, ou seja, S np  2  4  6  ...  (2n) = 2(1 + 2 + 3 +...+ n). Como já vimos que n.(n  1) a soma dos n primeiros naturais é igual a , resulta que 2 2.n.( n  1) . S np   n.( n  1)  n 2  n 2 2n.2n  1 b) Para S2n, temos: S2n = = 2n2 + n. 2 i p Somando os valores de S n e de S n , obtemos, então, o mesmo valor que o de S2n.5. 540º 26
  27. 27. Páginas 44 - 451. 1 080º2. No caso do quilógono, com 1 000 lados, o número de triângulos em que é possível dividi-lo, traçando as diagonais a partir de um dos vértices, é igual a 998 (excetuando-se os dois lados cuja interseção é o vértice de onde partem as diagonais, a cada um dos outros lados corresponde um triângulo); logo, a soma dos ângulos internos do quilógono é igual a 998 . 180º, ou seja, 179 640º.3. (n – 2) . 180º. Lembramos que a fórmula da soma dos ângulos internos de um polígono convexo foi discutida na 6a série e está sendo retomada na 7a série.Páginas 46 - 471. a) Um pentágono tem cinco diagonais. Para verificar isso, basta notar que, de cada um dos vértices do pentágono, é possível traçar duas diagonais, uma vez que, unindo-se o vértice considerado aos vértices adjacentes, não temos uma diagonal, mas sim um lado. Assim, sendo cinco vértices, teremos, aparentemente, um total de dez diagonais. Na verdade, esse número precisa ser dividido por dois, uma vez que cada diagonal é contada duas vezes: a diagonal AB é contada a partir do vértice A e a partir do vértice B. Logo, o número de diagonais do pentágono é cinco. 27
  28. 28. b) Raciocinando analogamente, o número de diagonais de um hexágono pode ser calculado da seguinte forma: • de cada vértice partem três diagonais (descontando-se o próprio vértice e os dois adjacentes); • o número de diagonais será igual à metade de 6 . 3, ou seja, será igual a 9. c) Analogamente, o número N de diagonais de um polígono de n lados será tal que: 1 N .n.( n  3) . 22. Aqui tratamos um problema muito comum de contagem. O entendimento do problema e a análise das condições necessárias à sua solução devem ser o ponto de partida. No caso, devemos considerar que, quando uma pessoa A aperta a mão de outra pessoa B, é o mesmo que quando B aperta a mão de A. Outra condição do problema é que A não cumprimenta a si mesmo; portanto, para n pessoas, cada pessoa dará n – 1, apertos de mãos. Uma estratégia que pode ser utilizada na resolução desse problema é partir de um número menor de pessoas. Por exemplo, sendo duas pessoas, só haverá um aperto de mãos; com três pessoas, esse número passa para três apertos; para quatro pessoas, serão seis apertos, e assim por diante. Desse modo, busca-se encontrar uma regularidade entre o número de pessoas e o número de apertos de mãos. Outro raciocínio é pensarmos que cada uma das sete pessoas apertará a mão de outras seis. Serão ao todo 7 . 6 cumprimentos, mas aqui estão sendo contadas todas as repetições (A – B e B – A). Portanto, o total de 7 . 6 cumprimentos deverá, então, 7 .6 ser dividido por 2. O total de apertos de mãos distintos é, pois, , ou seja, é igual 2 a 21. n.( n  1)3. O número de apertos de mãos é, nesse caso, igual a . 2   28
  29. 29. AJUSTES Caderno do Professor de Química – 7ª série/8º ano – Volume 2 Professor, a seguir você poderá conferir alguns ajustes. Eles estão sinalizados a cadapágina. 29
  30. 30. Nesse caso, note que na primeira linha sem- Fechando retângulos de n linhas e 3 colunas, pre teremos o número de bolinhas igual ao nú- devemos acrescentar ainda n – 1 bolinhas. mero que representa a e figura e, na segunda li- 1 2 3 4 5 nha, o total de bolinhas será sempre um a menos que o número da figura. Usando a letra n para ... representar o número da figura, o total de boli- nhas pode ser representado por n+(n – 1). Nesse caso, a fórmula seria 3n + (n – 1). 2. Identificando a regularidade por colunas Completando a figura com uma bolinha, fe- 1 2 3 4 5 chamos retângulos de n linhas por 4 colunas. ... 1 2 3 4 5 Agora, o número de colunas é igual ao nú- ... mero da figura e temos duas bolinhas em cada coluna, exceto em uma delas (última coluna) que terá apenas uma bolinha. Se preencher- A fórmula, que agora seria 4n – 1, pode ser mos a coluna que tem apenas uma bolinha comparada com a anterior de onde se conclui com mais uma bolinha, podemos calcular o que 3n + n tem de ser igual a 4n. total de bolinhas multiplicando-se o número de colunas pelo de linhas e subtraindo a boli- Veremos, a seguir, um exemplo em que po- nha adicional ao final da conta. Usando letras, demos trabalhar a multiplicação de letras: o total de bolinhas da figura n será 2n – 1. 1 2 4 3 Uma vez que as duas expressões obtidas são ... equivalentes, n + (n – 1) tem de ser idêntico a 2n – 1, o que significa dizer que ambas expres- Na resolução 1, organizamos a figura em n li- sões devem ser válidas para qualquer n. Decorre, nhas por n + 2 colunas, (1: 1 linha – 3 colunas; 2: 2 linhas – 4 colunas; 3: 3 linhas – 5 colunas, etc.). portanto, que n + n tem de ser igual a 2n. Já na resolução 2, a organizamo-la em quadra- dos com n² bolinhas, mais o dobro de n (1: 1 + 2; Veja agora outra sequência e algumas das 2: 4 + 4; 3: 9 + 6; 4: 16 + 8, etc.). soluções possíveis: Resolução 1 1 2 3 4 5 1 2 3 4 ... ...12

×