Limpeza e desinfecção hospitalar

40.660 visualizações

Publicada em

1 comentário
14 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
40.660
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
90
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
846
Comentários
1
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Limpeza e desinfecção hospitalar

  1. 1. LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES • Definição de Termos• Classificação de Áreas Hospitalares • Histórico • Legislação vigente • Princípios ativos • Informações Técnicas • Recomendações e Tendências
  2. 2. DEFINIÇÃO DE TERMOS Operação realizada para a remoção física LIMPEZA de sujidades (detritos, insetos, poeira etc.) e microorganismos (parcial) presentes em artigos, áreas e instalações.DESINFECÇÃO Processo de destruição de microorganismos na forma vegetativa (vírus, fungos e bactérias).ESTERILIZAÇÃO Processo de destruição de todo e qualquer tipo de microorganismos, incluindo esporos. É a redução do número deANTISSEPSIA microorganismos existentes nas camadas superficiais ou profundas da pele. Este termo somente se aplica a tecidos vivos.
  3. 3. DEFINIÇÃO DE TERMOS Processo utilizado para inativação deDESCONTAMINAÇÃO microorganismos presentes em artigosou ou superfícies hospitalares que foramDESINFECÇÃO PRÉVIA contaminados (entraram em contato com matéria orgânica), tornando-os aptos para o manuseio seguro. É a remoção de detritos, impurezas e reduçãoDEGERMAÇÃO de microorganismos depositados sobre a camada superficial da pele, através de sabões e / ou detergentes. É um agente que destrói microorganismos. GERMICIDA Refere-se a agentes químicos. Não inclui necessariamente a capacidade de destruir esporos. Em um desinfetante hospitalar é aquele PRINCÍPIO ATIVO componente ou conjunto de componentes presentes na formulação, responsáveis pela inativação (morte) dos microorganismos.
  4. 4. CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS E ARTIGOS HOSPITALARES ARTIGOS ÁREAS São aquelas onde o risco aumentadoC São aqueles que penetram nos tecidos de transmissão de infecção pelas sub-epiteliais (embaixo da pele), no sistema vascular e em outros órgãos atividades desenvolvidas ou onde se encontram pacientes cujo sistemaR isentos de flora microbiana. imunológico esteja deprimido.Í Exemplos: - Risco aumentado pelas atividadesT Exemplos: desenvolvidas: - Instrumentos cirúrgicos de corte ou  Área suja da lavanderia de ponta (pinças , afastadores,  Laboratório de Anatomia PatológicaI próteses, fios). e Análises Clínicas  Banco de SangueC - agulhas - soluções injetáveis - Risco aumentado pela baixa resistência - roupas utilizadas nos atos cirúrgicos e do paciente:O obstétricos.  Centro Cirúrgico, Unidade de Terapia Intensiva ( UTI ) , Berçário de Alto Risco, Unidade de QueimadosS Devem ser: ESTERILIZADOS (Inativação Devem ser: de todo e qualquer tipo de LIMPAS e DESINFETADAS diariamente. microorganismo, incluindo os esporos).
  5. 5. CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS E ARTIGOS HOSPITALARES ARTIGOS ÁREASSE São aqueles que entram em contato com São aquelas ocupadas por pacientesM as mucosas íntegras do ouvido, nariz, portadores de doenças de baixa trato genito-urinário etc. transmissibilidade.IC Exemplos: Exemplos: - Equipamentos de anestesia gasosa eR de assistência ventilatória (máscaras, Enfermarias, ambulatórios, inaladores) quarto de pacientes - Endoscópios semi-críticos (otoscópios,Í broncoscópios)TI Devem ser: DESINFETADOS Devem ser: LIMPAS (Inativação de fungos, bactérias e vírus)COS
  6. 6. CLASSIFICAÇÃO DE ÁREAS E ARTIGOS HOSPITALARES ARTIGOS ÁREASNÃO São todas as áreas que teoricamente São aqueles que entram com a pele não íntegra e ainda os que não entramC apresentam risco de transmissão de emR contato direto com o paciente. infecção.ÍT Exemplos: Exemplos: - Recepção do Hospital, Contabilidade,I - Mesa de Raio X Salas dos DiretoresC - TelefoneO Devem ser : LIMPAS Devem ser : LIMPOSSCON Qualquer artigo (seja ele crítico, semi- Qualquer área do Hospital (seja ela crítico ou não crítico) que entrar em crítica, semi-crítica ou não crítica) queT contato com sangue, fezes, pus, entrar em contato com sangue, fezes,A urina, pus, urina, secreção ou excreçãoM secreção ou excreção corpórea deve corpórea deve ser consideradaI ser considerado contaminado. contaminada.N Devem sofrer:A Devem sofrer:D DESINFECÇÃO-PRÉVIA, também DESCONTAMINAÇÃOO denominada DESCONTAMINAÇÃOS
  7. 7. CÍRCULO DE SINNER TEMPERATURA TEMPO ( Tº ) (t) AÇÃO AÇÃO QUÍMICA MECÂNICA ( AQ ) ( AM ) EFICÁCIA DA LIMPEZA :COMBINAÇÃO DE AÇÃO QUÍMICA + AÇÃO FÍSICA + AÇÃO TÉRMICA + TEMPO
  8. 8. HISTÓRICO1983 - Portaria 196 (tempo de contato 30 minutos)1988 - Portaria 15 (tempo de contato 10 minutos)1992 - Portaria 930 (outros P.A.)1994 - Manual de Processamento de Artigos e Superfícies Ministério da Saúde (descontaminação)1998 - Portaria 2616
  9. 9. PORTARIA 15 - 23/08/88 Normas para Registro de Desinfetantes/ Esterilizantes Hospitalares DESINFETANTES DESINFETANTES DESINFETANTES PARA PARA ESTERILIZANTES PARA LACTÁRIO SUPERF. FIXAS ARTIGOS•Hipoclorito de •Fenólicos •Fenólicos •Fenólicos Sódio •Quat. de Amônio •Quat. de Amônio •Quat. de Amônio •Cloro Inorg. •Cloro Inorg. •Cloro Inorg. •Cloro Org. •Cloro Org. •Cloro Org. •Outros P.A. •Aldeídos •Aldeídos •Outros P.A. •Outros P.A.Tempo de contato: Tempo de contato: Tempo de contato: Tempo de contato:60 minutos 10 minutos 30 minutos teste e aprovação
  10. 10. PRINCÍPIOS ATIVOSÁLCOOL ETÍLICOCONCENTRAÇÃO DE USO: 70% em peso ou 80% em volumeINDICAÇÃO: Desinfecção de superfícies - fricção por 3 vezesPROPRIEDADES: Inativado por matéria orgânica Não possui efeito residual Volátil e inflamável Ataca borracha, plástico e acrílicoFENÓIS SINTÉTICOSCONCENTRAÇÃO DE USO: 0,15 a 0,60% (1500 a 6000 ppm)INDICAÇÃO: Limpeza e desinfecção de superfícies DescontaminaçãoPROPRIEDADES: Possui efeito residual Ativo na presença de matéria orgânica Estável Toxicidade cutânea e ocular
  11. 11. PRINCÍPIOS ATIVOSQUATERNÁRIOS DE AMÔNIOCONCENTRAÇÃO DE USO: 0,1 a 0,5% (1000 a 5000 ppm)INDICAÇÃO: Limpeza e desinfecção de superfíciesPROPRIEDADES: Inativado por matéria orgânica e tensoativos Possui efeito residual Inodoros Não atacam as superfíciesCLORO INORGÂNICOCONCENTRAÇÃO DE USO: 0,03% a 1% (300 a 10000 ppm)INDICAÇÃO: Desinfecção de superfícies Descontaminação de superfíciesPROPRIEDADES: Altamente instável por fatores ou agentes: Luz, pH, cátions de metais pesados Matéria orgânica, concentração, detergentes Atacam borrachas, plásticos e têxteis São corrosivos
  12. 12. PRINCÍPIOS ATIVOSCLORO ORGÂNICOCONCENTRAÇÃO DE USO: 0,05 a 1,8% (500 a 18000 ppm)INDICAÇÃO: Limpeza e desinfecção de superfícies Descontaminação de superfíciesPROPRIEDADES: Estável (pó) Compatível com tensoativos Menor corrosividade e inativação por matéria orgânica Liberação gradativa do cloro Uso de máscaras especiaisOUTROSMONOPERSULFATO DE POTÁSSIOINDICAÇÃO: Limpeza e desinfecção de superfícies Descontaminação de superfícies
  13. 13. INFORMAÇÕES TÉCNICASNOME DO PROD. NOME, END.e FINALIDADE e C.G.C. FABRIC. NONO ONONON NOME TÉC. RESP.INSTRUÇÕES, N° REGISTROMODO DE USO ePRECAUÇÕES COMPOSIÇÃO REGISTRO DO do PRODUTO PRODUTO NO M.S. PRAZO DEPRINCÍPIO ATIVO VALIDADE (%) CONT. EMBAL.
  14. 14. INFORMAÇÕES TÉCNICASINDICADO COMO DETERGENTE DESINFETANTE:Realiza os processos de limpeza e desinfecção simultaneamenteAplicar o produto para remoção da sujidadeRepetir o procedimento, deixando-o em contato com a superfície por 10 minutosINDICADO COMO DESINFETANTE:Limpar a superfície com água e detergenteEnxaguar abundantemente para remoção do detergenteAplicar o produto, deixando-o em contato com a superfície por 10 minutosINDICADO PARA DESCONTAMINAÇÃO:Colocar o produto sobre a matéria orgânicaApós o tempo de ação remover com papel toalha ou panoLimpar o local e o restante da área com o produto ou com água e detergenteOURetirar a matéria orgânica com pano ou papel toalhaAplicar o produtoApós o tempo de ação remover o desinfetante da área
  15. 15. INFORMAÇÕES PARA AQUISIÇÃODOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA:• CRP (Certificado de Registro de Produto)• Laudo de eficácia antimicrobiana compatível com a finalidade do produto• Revalidação do registro• Laudos de irritabilidade dérmica e ocularOBSERVAÇÕES:• Aquisição de produto não fabricado no mercado nacional• Métodos físicos para desinfecção de superfícies
  16. 16. RECOMENDAÇÕES E TENDÊNCIAS  C.D.C. “Guia para Isolamento e Precauções” • Aumento da freqüência de limpeza e desinfecção (Precauções por transmissão por contato) • Procedimento de descontaminação (“valorizar todos os fluidos corpóreos”)  Desinfecção dos “pontos críticos”Simplificação dos procedimentosMenor utilização dos desinfetantes em superfíciesValorização da prática de descontaminaçãoReforçar a importância dos procedimentos de limpeza

×