Snc

226 visualizações

Publicada em

;

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
226
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Irritabilidade (excitabilidade ou responsividade) é a capacidade que permite a uma célula responder a estímulos, sejam eles internos ou externos. Portanto, irritabilidade não é uma resposta, mas a propriedade que torna a célula apta a responder.
    A resposta emitida pelos neurônios assemelha-se a uma corrente elétrica transmitida ao longo de um fio condutor: uma vez excitados pelos estímulos, os neurônios transmitem essa onda de excitação - chamada de impulso nervoso - por toda a sua extensão em grande velocidade e em um curto espaço de tempo. Esse fenômeno deve-se à propriedade de condutibilidade. 
  • O RE rugoso é o maior sítio de síntese protéica nos neurônios. O RE liso é muito heterogêneo e assume diferentes funções em locais distintos: acredita-se que os que estão em continuidade com o RE rugoso sejam os locais onde as proteínas que transpõem a membrana sejam dobradas, assumindo sua forma tridimensional; outros tipos de RE liso regulam as concentrações internas de cálcio e outras substâncias. O aparelho de Golgi é um grande sítio de processamento bioquímico pós- tradução de proteínas. Acredita-se que uma função importante seja a distribuição de certas proteínas destinadas a diferentes partes do neurônio, tais como dendritos e axônios. As mitocôndrias são os locais da respiração celular, que fornece a energia química necessária para o processamento de todas as atividades neuronais.
    O citoesqueleto é responsável por alterações na viscosidade do citoplasma, pela organização integrada das organelas citoplasmáticas e pelo deslocamento de determinadas organelas citoplasmáticas, como as mitocôndrias.
  • Em repouso a membrana da célula nervosa é praticamente impermeável ao sódio, impedindo que esse íon se mova a favor de seu gradiente de concentração (de fora para dentro);  porém, é muito permeável ao potássio, que, favorecido pelo gradiente de concentração e pela permeabilidade da membrana, se difunde livremente para o meio extracelular. A bomba de sódio e potássio bombeia ativamente o sódio para fora, enquanto o potássio é bombeado ativamente para dentro. Porém esse bombeamento não é eqüitativo: para cada três íons sódio bombeados para o líquido extracelular, apenas dois íons potássio são bombeados para o líquido intracelular. Como a saída de sódio não é acompanhada pela entrada de potássio na mesma proporção, estabelece-se uma diferença de cargas elétricas entre os meios intra e extracelular: há déficit de cargas positivas dentro da célula e as faces da membrana mantêm-se eletricamente carregadas. O potencial eletronegativo criado no interior da fibra nervosa é chamado potencial de repouso da membrana, ficando o exterior positivo e o interior negativo. Dizemos, então, que a membrana está polarizada.  
  • A repolarização normalmente se inicia no mesmo ponto onde se originou a despolarização, propagando-se ao longo da fibra. Após a repolarização, a bomba de sódio bombeia novamente os íons sódio para o exterior da membrana, criando um déficit extra de cargas positivas no interior da membrana, que se torna temporariamente mais negativo do que o normal. A eletronegatividade excessiva no interior atrai íons potássio de volta para o interior (por difusão e por transporte ativo). Assim, o processo traz as diferenças iônicas de volta aos seus níveis originais.
  • A ligação do neurotransmissor aos receptores causa uma série de mudanças fisiológicas no segundo neurônio que constituem o sinal. Normalmente a liberação do primeiro neurônio (chamado pré-sináptico) é causado por uma série de eventos intracelulares evocados por uma despolarização de sua membrana, e quase que invariavelmente quando um potencial de ação é gerado.
  • Snc

    1. 1. SISTEMA NERVOSO
    2. 2. FUNÇÕESFUNÇÕES SENSITIVA: detecção de estímulos variados, dentro e fora do corpo. Células nervosas especializadas (neurônios sensitivos) conduzem a informação para o encéfalo. INTEGRADORA: processamento, análise e armazenamento da informação sensitiva e tomada de decisões para respostas apropriadas. Participação dos interneurônios. MOTORA: resposta às decisões integradoras, através da ação dos neurônios motores. Ex.: fibras musculares, células glandulares.
    3. 3. O TECIDO NERVOSOO TECIDO NERVOSO  Origem ectodérmica
    4. 4.  CÉLULASCÉLULAS • NEURÔNIOSNEURÔNIOS  Recepção e transmissão dos estímulos do meio externo e do interior do corpo.  Potenciais de ação.  Comunicação por meio de sinapses. Propriedades: Irritabilidade  capacidade de responder a um estímulo. Condutibilidade  resposta ao estímulo se dá mediante propagação de uma onda excitatória de natureza elétrica (impulso nervoso) ao longo da membrana plasmática das células.
    5. 5. • NEURÔNIOSNEURÔNIOS  Corpo celular (pericário/ soma): citoplasma, organelas e núcleo. Granulações escuras (corpúsculos de Nissl) – Retículo ER bem desenvolvido (ribossomos, síntese proteica).  Prolongamentos (neuritos): finos e podem ser de dois tipos: Axônios (axon= eixo)  compridos, pouco ramificados. Eferentes: Condução do impulso nervoso (IN) para fora do corpo celular. Dendritos (dendros= galhos, ramos)  curtos e ramificados. Aferentes: Condução do IN em direção ao corpo celular.
    6. 6. • NEURÔNIOSNEURÔNIOS Axônios Dendritos Transmissão da informação Recepção da informação
    7. 7. • TIPOS DE NEURÔNIOSTIPOS DE NEURÔNIOS  De acordo com o número de neuritos, os neurônios podem ser classificados em:  Unipolares: apresentam um único neurito.  Bipolares: apresentam dois neuritos.  Multipolares: apresentam três ou mais neuritos.
    8. 8. • TIPOS DE NEURÔNIOSTIPOS DE NEURÔNIOS  De acordo com as conexões ou funções na condução dos impulsos, os neurônios podem ser classificados em:  Neurônios receptores ou sensitivos (aferentes): são os que recebem estímulos sensoriais e conduzem o impulso nervoso ao sistema nervoso central.  Neurônios motores ou efetuadores (eferentes): transmitem os impulsos motores (respostas ao estímulo).  Neurônios associativos ou interneurônios: estabelecem ligações entre os neurônios receptores e os neurônios motores.
    9. 9. • Os Neurônios e a organização do SNOs Neurônios e a organização do SN  Os corpos celulares dos neurônios são geralmente encontrados em áreas restritas do sistema nervoso: Sistema Nervoso Central (SNC – formado pelo encéfalo e pela medula espinhal) Gânglios Nervosos (próximos à coluna vertebral).  Do SNC partem os prolongamentos dos neurônios, formando feixes chamados nervos, que constituem o Sistema Nervoso Periférico (SNP).
    10. 10. • Os Axônios e a Bainha de MielinaOs Axônios e a Bainha de Mielina  O axônio está envolvido por um dos seguintes tipos celulares : Célula de Schwann: encontrada apenas no SNP. Oligodendrócito: encontrado apenas no SNC.  Em muitos axônios, esses tipos celulares determinam a formação da bainha de mielina ( invólucro lipídico e proteico, que atua como isolante térmico e aumenta a velocidade de transmissão do impulso nervoso)  Em axônios mielinizados existem regiões de descontinuidade da bainha de mielina (nódulo de Ranvier).
    11. 11. SNC
    12. 12. SNP
    13. 13. REGENERAÇÃO DOS NEURÔNIOSREGENERAÇÃO DOS NEURÔNIOS  Capacidade de replicação e de realização do seu próprio reparo é muito limitada.  Corpos celulares lesionados não se regeneram.  SNP: axônios e dendritos podem sofrer reparo, se o corpo celular estiver intacto e se as células de Schwann forem funcionais.  SNC: mesmo quando o corpo celular permanece intacto, um axônio cortado em geral não é reparado.  A presença de mielina no SNC é um fator inibidor da regeneração dos neurônios.
    14. 14. O TECIDO NERVOSOO TECIDO NERVOSO  CÉLULASCÉLULAS • NEURÓGLIA (GLIA)NEURÓGLIA (GLIA)  Proteção, sustentação, isolamento e nutrição dos neurônios. Células menores que os neurônios e mais numerosas.  Metade do volume do SNC.  Histologistas antigos: “cola” que mantinha unido o tecido nervoso.  Não produzem nem conduzem impulso nervoso.  Podem multiplica-se e dividir-se no sistema nervoso maduro.  Lesão/Doença: neuróglia multiplica-se para preencher espaços anteriormente ocupados pelos neurônios.
    15. 15.  Tumores cerebrais derivados da Glia (Gliomas): altamente malignos e crescem rapidamente. Tipos de células da glia: Oligodendrócitos  Formação bainha de mielina (SNC).  Um único oligodendrócito contribui para a formação de mielina em vários neurônios (no sistema nervoso periférico, cada célula de Schwann mieliniza apenas um único axônio).  Importantes na manutenção dos neurônios. Sem eles, os neurônios não sobrevivem em meio de cultura. • NEURÓGLIA (GLIA)NEURÓGLIA (GLIA)
    16. 16. Astrócitos  Maiores células da neuróglia.  Sustentação e nutrição dos neurônios.  Preenchimento de espaços entre neurônios. Regulam o excesso de neurotransmissores na fenda sináptica.  Podem ativar a maturação e a proliferação de células-tronco nervosas adultas. Fatores de crescimento produzidos pelos astrócitos podem ser críticos na regeneração dos tecidos cerebrais ou espinhais danificados por traumas ou enfermidades.
    17. 17. Micróglia  Célula fagocitária.  Análoga aos macrófagos.  Defesa do sistema nervoso.
    18. 18. O IMPULSO NERVOSOO IMPULSO NERVOSO  Comunicação entre neurônios: potenciais de ação nervosos ou impulsos nervosos (IN).  A geração deste potencial de ação (neurônios/ fibras musculares) depende de 2 características básicas da membrana plasmática:  Potencial de repouso  Canais iônicos
    19. 19. CANAIS IÔNICOSCANAIS IÔNICOS  Difusão de íons específicos através da membrana plasmática. Difusão = transporte passivo de soluto a favor do gradiente de concentração  Diferença de cargas elétricas também promove o transporte iônico através da membrana.  Fluxo de íons gera uma alteração na carga elétrica através da membrana (potencial de membrana).
    20. 20. POTENCIAL DE REPOUSOPOTENCIAL DE REPOUSO  Neurônios não recebem estímulos. Em repouso: membrana polarizada (Exterior +/ Interior -).  Distribuição desigual de íons no citoplasma e no líquido intersticial.  Líquido intersticial: elevada [Na+ ] e [Cl- ].  Citoplasma: elevada [K+ ] e íons fosfato.  Estabelecimento de cargas opostas entre os meios intra e extracelular. POR QUE ISSO ACONTECE?
    21. 21. Canais de sódio (Na+ ) fechados e em pouca quantidade  membrana praticamente impermeável ao sódio  impede sua difusão a favor do gradiente de concentração (de fora para dentro).  Canais de potássio (K+ ) abertos  gradiente de concentração e permeabilidade da membrana permitem a sua difusão para o meio extracelular.  Bomba de sódio e potássio ativa  sódio é bombeado ativamente para fora da célula e o potássio é bombeado ativamente para dentro (transporte não equitativo)  diferença de cargas elétricas entre os meios intra e extracelular  déficit de cargas positivas dentro da célula  faces da membrana eletricamente carregadas.  Íons com carga negativa não estão livres para sair da célula, pois estão ligados a proteínas e a outras macromoléculas.
    22. 22. POTENCIAL DE AÇÃOPOTENCIAL DE AÇÃO  Membranas dos neurônios recebem algum estímulo. ESTÍMULO = Qualquer coisa no ambiente da célula capaz de alterar o seu potencial de membrana em repouso.  Uma pequena região da membrana torna-se permeável ao sódio (abertura dos canais de sódio)  sódio atravessa a membrana no sentido do interior da célula  acompanhado pela pequena saída de potássio.  Esta inversão vai sendo transmitida ao longo do axônio  onda de despolarização.  Impulso nervoso ou potencial de ação: sequência de eventos de ocorrência rápida, que invertem o potencial de membrana e, depois, restituem o estado de repouso (repolarização).
    23. 23. ESTÍMULO
    24. 24.  Membrana em repouso: canais de sódio fechados  sódio bombeado ativamente para fora (bomba de sódio e potássio)  polarização  potencial de repouso.  Estímulo: abertura dos canais de sódio  entrada na célula  despolarização  potencial de ação.  Transmissão do impulso nervoso.
    25. 25.  Após a onda de despolarização ter-se propagado ao longo da fibra nervosa, o interior da fibra torna-se carregado positivamente = difusão de íons sódio para o interior.  Positividade determina a parada do fluxo de íons sódio para o interior da fibra  membrana torna-se novamente impermeável aos íons sódio e ainda mais permeável ao potássio.  Devido à alta concentração de K+ no interior muitos íons se difundem para o lado de fora  cria novamente eletronegatividade no interior da membrana e positividade no exterior  repolarização  reestabelece a polaridade normal da membrana.
    26. 26. POTENCIAL DE AÇÃO -POTENCIAL DE AÇÃO - característicascaracterísticas  São de tamanho e duração fixos. Aplicação de uma despolarização crescente a um neurônio não tem qualquer efeito até que se cruze o limiar e, então, surja o potencial de ação = "lei do tudo ou nada".  É UNIDIRECIONAL = Um potencial de ação iniciado em uma extremidade de um axônio apenas se propaga em uma direção, não retornando pelo caminho já percorrido. A velocidade depende do tamanho e do diâmetro do axônio. Aumenta com o diâmetro axonal; axônios menores necessitam de uma maior despolarização para alcançar o limiar do potencial de ação (mais susceptíveis aos efeitos da anestesia) A bainha de mielina acelera a velocidade da condução do impulso nervoso = condução saltatória.
    27. 27. Nas regiões dos nódulos de Ranvier, a onda de despolarização "salta“ diretamente de um nódulo para outro, não acontecendo em toda a extensão da região mielinizada (a mielina é isolante). Fala-se em condução saltatória e com isso há um considerável aumento da velocidade do impulso nervoso.
    28. 28. POTENCIAL DE AÇÃO -POTENCIAL DE AÇÃO - percursopercurso Sempre no sentido: dendrito  corpo celular  axônio
    29. 29. SINAPSE NERVOSASINAPSE NERVOSA  São os pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os neurotransmissores.  Ocorrem no "contato" das terminações nervosas (axônios) com os dendritos. O contato físico não existe realmente, pois ambas estruturas estão próximas, mas há um espaço entre ela (fenda sináptica).  Dos axônios são liberadas substâncias (neurotransmissores), que atravessam a fenda e estimulam receptores nos dendritos e assim transmitem o impulso nervoso de um neurônio para o outro.  Podem acontecer entre axônio e (dendrito/ corpo celular/axônio/ células musculares/ glandulares/ sensoriais)
    30. 30.  É a forma de transmissão do impulso nervoso (IN) de uma célula a outra. (do grego synapsis, ação de juntar) Apresenta dois lados: Lado pré-sináptico: consiste de um terminal axonal.  Lado pós-sináptico: pode ser dendrito ou corpo celular de outro neurônio ou ainda outra célula inervada pelo neurônio. As sinapses podem ser:  Elétricas  Químicas (maioria).
    31. 31. Arranjos sinápticos no SNC. A. Uma sinapse axo- dendrítica. B. uma sinapse axo-somática. C. Uma sinapse axo- axônica.
    32. 32. SINAPSE ELÉTRICASINAPSE ELÉTRICA  Forma mais simples de sinapse.  Permite a transferência direta da corrente iônica de uma célula para a célula seguinte.  Ocorrem em locais especializados chamados junções. Elas formam canais que permitem que os íons passem diretamente do citoplasma de uma célula para o citoplasma da outra.  Maioria permite que a corrente iônica passe adequadamente em ambos os sentidos = bidirecionais.  A transmissão nas sinapses elétricas é muito rápida; assim, um potencial de ação no neurônio pré-sináptico, pode produzir quase que instantaneamente um potencial de ação no neurônio pós-sináptico.
    33. 33. SINAPSE QUÍMICASINAPSE QUÍMICA  Forma de transmissão do IN mais comum no sistema nervoso humano.  Liberação de neuro-hormônios ou mediadores químicos ou neurotransmissores na fenda sináptica.  Transmissão do sinal de entrada : um neurônio libera um neurotransmissor na fenda sináptica, o qual é detectado pelo segundo neurônio através da ativação de receptores situados do lado oposto ao sítio de liberação (membrana pós-sináptica).  A informação que viaja na forma de impulsos elétricos ao longo de um axônio é convertida, no terminal axonal, em um sinal químico que atravessa a fenda sináptica. Na membrana pós-sináptica, este sinal químico é convertido novamente em sinal elétrico.
    34. 34.  NEUROTRANSMISSORES  são substâncias químicas produzidas pelos neurônios e utilizadas por eles para transmitir sinais para outros neurônios ou para células não-neuronais (células do músculo esquelético, miocárdio, células glandulares) que eles inervam. Produção e transporte dos neurotransmissores: Vesículas sinápticas  Neurônio pré-sináptico (axônio terminal)  Fenda sináptica  Neurônio pós-sináptico. O que dispara a liberação de um neurotransmissor?
    35. 35. 1. Impulso elétrico (potencial de ação); 2. Abertura canais de sódio; 3. Abertura canais de cálcio; 4. Estimulação das vesículas sinápticas; 5. Liberação (exocitose) dos neurotransmissores na fenda sináptica; 6. Ligação a receptores específicos na membrana pós-sináptica; 7. Abertura canais de sódio na membrana pós-sináptica; 8. Geração de outro potencial de ação; 9. Passagem do impulso nervoso; 10. Para impedir que o neurotransmissor associe-se novamente a um receptor e recomece o ciclo, ele é destruído pela ação de uma enzima, ou absorvido, normalmente na terminação pré- sináptica. Obs: cada neurônio produz somente um tipo de neurotransmissor.
    36. 36. ANIMAÇÃO SINAPSE QUÍMICA
    37. 37. PLACAS MOTORASPLACAS MOTORAS  As sinapses químicas também ocorrem nas junções entre as terminações dos axônios e os músculos  placas motoras ou junções neuro-musculares  Neurotransmissor: ACETILCOLINA
    38. 38. NEUROTRANSMISSORESNEUROTRANSMISSORES 1. DOPAMINA Controla níveis de estimulação e controle motor em muitas partes do cérebro. Quando os níveis estão extremamente baixos na doença de Parkinson, os pacientes são incapazes de se mover voluntariamente. Presume-se que o LSD e outras drogas alucinógenas ajam no sistema da dopamina. Sensações de satisfação e prazer. Uma forma de esquizofrenia é devida ao excesso desse neurotransmissor.
    39. 39. 2. SEROTONINA Regula o humor, o sono, a atividade sexual, o apetite, o ritmo circadiano, as funções neuroendócrinas, temperatura corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções cognitivas. Relacionada aos transtornos do humor, ou transtornos afetivos e a maioria dos medicamentos chamados antidepressivos agem produzindo um aumento da disponibilidade dessa substância no espaço entre um neurônio e outro. 3. ACETILCOLINA Controla a atividade de áreas cerebrais relacionadas à atenção, aprendizagem e memória. Pessoas que sofrem da doença de Alzheimer apresentam tipicamente baixos níveis de acetilcolina. Ação excitatória na junção neuromuscular (placa motora).
    40. 40. 4. ENCEFALINAS e ENDORFINAS São opiáceos que, como as drogas heroína e morfina, modulam a dor, reduzem o estresse, etc. Elas podem estar envolvidas nos mecanismos de dependência. Bloqueiam a dor, agindo naturalmente como analgésicos. 5. NORADRENALINA/ ADRENALINA Além de servir como neurotransmissor no encéfalo, são hormônios liberados pelas glândulas suprarrenais. Têm efeito sobre o sistema nervoso simpático, preparando o organismo para um grande esforço físico (reações rápidas de fuga e de luta). Liberação: suor, vasoconstrição, aumento dos batimentos cardíacos, elevação da pressão arterial, dilatação das pupilas e brônquios, respiração ofegante e elevação na glicemia.

    ×