SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
TECIDO NERVOSO
Por Andreza Campos
TECIDO NERVOSO
• O tecido nervoso é o principal constituinte do
sistema nervoso. Esse sistema tem a
capacidade de captar, transmitir e integrar
informações de todas as regiões do corpo. Ele
controla funções como digestão, respiração,
reprodução e excreção.
Sistema Nervoso Central
Sistema Nervoso
Sistema nervoso periférico (SNP)
 Constituído por:
a) Nervos
b) Gânglios nervosos
c) Terminações nervosas (receptores para dor, tato, frio,
pressão, calor, paladar, etc.).
TECIDO NERVOSO
• Células nervosas: NEURÔNIOS
Capaz de se comunicar e captar informações por meio
de impulsos elétricos.
85 bilhões de neurônios
• No corpo celular, a parte mais volumosa da célula
nervosa, se localizam o núcleo e a maioria das
estruturas citoplasmáticas.
• Os dendritos (do grego dendron, árvore) são
prolongamentos finos e geralmente ramificados, que
conduzem os estímulos captados do ambiente ou de
outras células em direção ao corpo celular.
• O axônio é um prolongamento fino, geralmente mais
longo que os dendritos, cuja função é transmitir para
as outras células os impulsos nervosos provenientes do
corpo celular.
TECIDO NERVOSO
CONDUÇÃO SALTATÓRIA
O impulso nervoso se propaga através de saltos
TECIDO NERVOSO
Sistema Nervoso
Nervos
São fios finos formados por vários axônios de
neurônios envolvidos por tecido conjuntivo.
Transmitem mensagens de várias partes do corpo
para o sistema nervoso central ou destes para as
regiões corporais.
Sistema Nervoso
Classificação dos nervos
I) Quanto ao tipo de neurônio
 Sensitivos ou aferentes (contém apenas neurônios sensitivos)
 Motores ou eferentes (contém apenas neurônios motores)
 Mistos (contém neurônios sensitivos e motores)
II) Quanto à posição anatômica
 Cranianos (ligados ao encéfalo) – 12 pares
 Raquidianos ou espinhais (ligados à medula) – 31 pares
Células de Schwann
Certos tipos de neurônios são envolvidos por
células especiais, as células de Schwann. Essas
células se enrolam dezenas de vezes em torno
do axônio e formam uma capa membranosa,
chamada bainha de mielina.
CÉLULAS DA GLIA
Elas digerem em forma e função, cada uma desempenha um
papel diferente na estrutura e no funcionamento do tecido
nervoso.
GLIÓCITOS
Astrócitos: Participam da manutenção do ambiente químico
apropriado para a geração dos potenciais de ação neuronais;
fornecem nutrientes aos neurônios; mantêm o balanço
apropriado de Cálcio e Potássio.
TECIDO NERVOSO
Oligodendrócitos: Formam malha de sustentação em torno dos
neurônios do SNC; produzem a bainha de mielina, em torno de
diversos axônios adjacentes, dos neurônios do SNC.
TECIDO NERVOSO
Micróglia: Protegem as células do SNC de doenças, por
engolfarem os micróbios invasores; removem detritos e células
mortas; migram para os áreas lesadas do tecido nervoso.
TECIDO NERVOSO
Células Ependimárias: Revestem as cavidades do SNC (formam o
líquido cefalorraquidiano e participam da sua circulação)
TECIDO NERVOSO
TRANSMISSÃO DO IMPULSO NERVOSO
Em um neurônio, os estímulos se propagam sempre no mesmo sentido: são
recebidos pelos dendritos, seguem pelo corpo celular, percorrem o axônio e,
da extremidade deste, são passados à célula seguinte (dendrito – corpo
celular – axônio). O impulso nervoso que se propaga através do neurônio é
de origem elétrica e resulta de alterações nas cargas elétricas das superfícies
externa e interna da membrana celular.
• Membrana polarizada neurônio em repouso apresenta-se
com carga elétrica positiva do lado externo (voltado para fora
da célula) e negativa do lado interno (em contato com o
citoplasma da célula).
• Membrana despolarizada alteração da permeabilidade da
membrana, permitindo grande entrada de sódio na célula e
pequena saída de potássio.
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO
A transmissão do impulso nervoso de um neurônio a outro ou às células de órgãos
efetores é realizada por meio de uma região de ligação especializada denominada
sinapse.
O tipo mais comum de sinapse é a química, em que as membranas de duas células
ficam separadas por um espaço chamado fenda sináptica.
TECIDO NERVOSO
Na porção terminal do axônio, o impulso nervoso proporciona a liberação das vesículas
que contêm mediadores químicos, denominados NEUROTRANSMISSORES. Os mais
comuns são acetilcolina e adrenalina.
Esses NEUROTRANSMISSORES caem na fenda sináptica e dão origem ao impulsos
nervosos na célula seguinte. Logo a seguir, os neurotransmissores que estão na fenda
sináptica são degradados por enzimas específicas, cessando seus efeitos.
TECIDO NERVOSO
Os neurônios não se dividem mais depois de diferenciados. Desse modo, se forem
destruídos, não são mais repostos.
No entanto, os prolongamentos dos neurônios podem, dentro de certos limites, sofrer
regeneração, desde que o corpo celular não tenha sido destruído.
SITES
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/His
tologia/epitelio30.php
http://cabuloso.com/Anatomia-
Humana/Sistema-Nervoso-SNC/Sinapses.htm
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Fisi
ologiaAnimal/nervoso2.php
http://cabuloso.com/Anatomia-
Humana/Sistema-Nervoso-SNC/Impulso-
Nervoso.htm
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/His
tologia/epitelio29.phphttp://www.icb.usp.br/
mol/9-2-neuronios1.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Histofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelialHistofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelialMarília Gomes
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscularDeaaSouza
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculinoMarcionedes De Souza
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial César Milani
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologiaemanuel
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfáticoCatir
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOSheila Cassenotte
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaRonaldo Santana
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivoCésar Milani
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoNatalianeto
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celularFlávio Silva
 

Mais procurados (20)

Sistema sensorial humano
Sistema sensorial humanoSistema sensorial humano
Sistema sensorial humano
 
Histofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelialHistofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelial
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular
 

Semelhante a Tecido nervoso

Semelhante a Tecido nervoso (20)

Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O  Sistema NervosoFrente 2 módulo 12 O  Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
Histo II - Sist. Nervoso
Histo II - Sist. NervosoHisto II - Sist. Nervoso
Histo II - Sist. Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Introdução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.pptIntrodução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.ppt
 
O Sistema Nervoso - Texto Complementar.
O Sistema Nervoso - Texto Complementar.O Sistema Nervoso - Texto Complementar.
O Sistema Nervoso - Texto Complementar.
 
06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc
 
Snc
SncSnc
Snc
 
Tecido nervoso histologia
Tecido nervoso   histologiaTecido nervoso   histologia
Tecido nervoso histologia
 
UFCD - 6568 - Noções Gerais sobre Sistema Neurológico, Endócrino e Órgãos dos...
UFCD - 6568 - Noções Gerais sobre Sistema Neurológico, Endócrino e Órgãos dos...UFCD - 6568 - Noções Gerais sobre Sistema Neurológico, Endócrino e Órgãos dos...
UFCD - 6568 - Noções Gerais sobre Sistema Neurológico, Endócrino e Órgãos dos...
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Estrutura..
Estrutura..Estrutura..
Estrutura..
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
 
Tecido Nervoso Pris
Tecido Nervoso PrisTecido Nervoso Pris
Tecido Nervoso Pris
 
Impulso Nervoso
Impulso NervosoImpulso Nervoso
Impulso Nervoso
 

Mais de Andreza Campos

Reprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosReprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosAndreza Campos
 
Vitamina b1 e b2 (complexo b)
Vitamina b1 e b2 (complexo b)Vitamina b1 e b2 (complexo b)
Vitamina b1 e b2 (complexo b)Andreza Campos
 
A sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica de George Louis Leclerc
A sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica  de George Louis LeclercA sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica  de George Louis Leclerc
A sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica de George Louis LeclercAndreza Campos
 
TIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/MorfologiaTIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/MorfologiaAndreza Campos
 
Vinicius de moraes por Andreza Campos
Vinicius de moraes por Andreza CamposVinicius de moraes por Andreza Campos
Vinicius de moraes por Andreza CamposAndreza Campos
 

Mais de Andreza Campos (9)

Reprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivosReprodução dos deres vivos
Reprodução dos deres vivos
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Vitamina b1 e b2 (complexo b)
Vitamina b1 e b2 (complexo b)Vitamina b1 e b2 (complexo b)
Vitamina b1 e b2 (complexo b)
 
A sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica de George Louis Leclerc
A sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica  de George Louis LeclercA sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica  de George Louis Leclerc
A sistemática de Carl Von Linné e a filosofia biológica de George Louis Leclerc
 
Ametais
Ametais   Ametais
Ametais
 
Função Logarítmica
Função LogarítmicaFunção Logarítmica
Função Logarítmica
 
TIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/MorfologiaTIPOS DE CAULES/Morfologia
TIPOS DE CAULES/Morfologia
 
anos 60 resumo
anos 60 resumoanos 60 resumo
anos 60 resumo
 
Vinicius de moraes por Andreza Campos
Vinicius de moraes por Andreza CamposVinicius de moraes por Andreza Campos
Vinicius de moraes por Andreza Campos
 

Último

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 

Último (20)

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 

Tecido nervoso

  • 2. TECIDO NERVOSO • O tecido nervoso é o principal constituinte do sistema nervoso. Esse sistema tem a capacidade de captar, transmitir e integrar informações de todas as regiões do corpo. Ele controla funções como digestão, respiração, reprodução e excreção.
  • 4. Sistema Nervoso Sistema nervoso periférico (SNP)  Constituído por: a) Nervos b) Gânglios nervosos c) Terminações nervosas (receptores para dor, tato, frio, pressão, calor, paladar, etc.).
  • 5. TECIDO NERVOSO • Células nervosas: NEURÔNIOS Capaz de se comunicar e captar informações por meio de impulsos elétricos. 85 bilhões de neurônios
  • 6. • No corpo celular, a parte mais volumosa da célula nervosa, se localizam o núcleo e a maioria das estruturas citoplasmáticas. • Os dendritos (do grego dendron, árvore) são prolongamentos finos e geralmente ramificados, que conduzem os estímulos captados do ambiente ou de outras células em direção ao corpo celular. • O axônio é um prolongamento fino, geralmente mais longo que os dendritos, cuja função é transmitir para as outras células os impulsos nervosos provenientes do corpo celular. TECIDO NERVOSO
  • 7.
  • 8. CONDUÇÃO SALTATÓRIA O impulso nervoso se propaga através de saltos TECIDO NERVOSO
  • 9. Sistema Nervoso Nervos São fios finos formados por vários axônios de neurônios envolvidos por tecido conjuntivo. Transmitem mensagens de várias partes do corpo para o sistema nervoso central ou destes para as regiões corporais.
  • 10. Sistema Nervoso Classificação dos nervos I) Quanto ao tipo de neurônio  Sensitivos ou aferentes (contém apenas neurônios sensitivos)  Motores ou eferentes (contém apenas neurônios motores)  Mistos (contém neurônios sensitivos e motores) II) Quanto à posição anatômica  Cranianos (ligados ao encéfalo) – 12 pares  Raquidianos ou espinhais (ligados à medula) – 31 pares
  • 11. Células de Schwann Certos tipos de neurônios são envolvidos por células especiais, as células de Schwann. Essas células se enrolam dezenas de vezes em torno do axônio e formam uma capa membranosa, chamada bainha de mielina.
  • 12. CÉLULAS DA GLIA Elas digerem em forma e função, cada uma desempenha um papel diferente na estrutura e no funcionamento do tecido nervoso. GLIÓCITOS Astrócitos: Participam da manutenção do ambiente químico apropriado para a geração dos potenciais de ação neuronais; fornecem nutrientes aos neurônios; mantêm o balanço apropriado de Cálcio e Potássio. TECIDO NERVOSO
  • 13. Oligodendrócitos: Formam malha de sustentação em torno dos neurônios do SNC; produzem a bainha de mielina, em torno de diversos axônios adjacentes, dos neurônios do SNC. TECIDO NERVOSO
  • 14. Micróglia: Protegem as células do SNC de doenças, por engolfarem os micróbios invasores; removem detritos e células mortas; migram para os áreas lesadas do tecido nervoso. TECIDO NERVOSO
  • 15. Células Ependimárias: Revestem as cavidades do SNC (formam o líquido cefalorraquidiano e participam da sua circulação) TECIDO NERVOSO
  • 16. TRANSMISSÃO DO IMPULSO NERVOSO Em um neurônio, os estímulos se propagam sempre no mesmo sentido: são recebidos pelos dendritos, seguem pelo corpo celular, percorrem o axônio e, da extremidade deste, são passados à célula seguinte (dendrito – corpo celular – axônio). O impulso nervoso que se propaga através do neurônio é de origem elétrica e resulta de alterações nas cargas elétricas das superfícies externa e interna da membrana celular.
  • 17. • Membrana polarizada neurônio em repouso apresenta-se com carga elétrica positiva do lado externo (voltado para fora da célula) e negativa do lado interno (em contato com o citoplasma da célula). • Membrana despolarizada alteração da permeabilidade da membrana, permitindo grande entrada de sódio na célula e pequena saída de potássio. TECIDO NERVOSO
  • 20. A transmissão do impulso nervoso de um neurônio a outro ou às células de órgãos efetores é realizada por meio de uma região de ligação especializada denominada sinapse. O tipo mais comum de sinapse é a química, em que as membranas de duas células ficam separadas por um espaço chamado fenda sináptica. TECIDO NERVOSO
  • 21. Na porção terminal do axônio, o impulso nervoso proporciona a liberação das vesículas que contêm mediadores químicos, denominados NEUROTRANSMISSORES. Os mais comuns são acetilcolina e adrenalina. Esses NEUROTRANSMISSORES caem na fenda sináptica e dão origem ao impulsos nervosos na célula seguinte. Logo a seguir, os neurotransmissores que estão na fenda sináptica são degradados por enzimas específicas, cessando seus efeitos. TECIDO NERVOSO
  • 22. Os neurônios não se dividem mais depois de diferenciados. Desse modo, se forem destruídos, não são mais repostos. No entanto, os prolongamentos dos neurônios podem, dentro de certos limites, sofrer regeneração, desde que o corpo celular não tenha sido destruído.
  • 23.