SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Apostila página 17 a 31



SISTEMA NERVOSO
FUNÇÕES

SENSITIVA: detecção de estímulos variados,
dentro e fora do corpo.        Células nervosas
especializadas (neurônios sensitivos) conduzem a
informação para o encéfalo.

INTEGRADORA:       processamento,   análise  e
armazenamento da informação sensitiva e tomada
de decisões para respostas apropriadas.
Participação dos interneurônios.

MOTORA: resposta às decisões integradoras,
através da ação dos neurônios motores. Ex.:
fibras musculares, células glandulares.
O TECIDO NERVOSO

 Origem ectodérmica
 CÉLULAS
   • NEURÔNIOS
 Recepção e transmissão dos estímulos do meio externo
e do interior do corpo.
 Potenciais de ação.
 Comunicação por meio de sinapses.
Propriedades:
Irritabilidade  capacidade de responder a um estímulo.
Condutibilidade  resposta ao estímulo se dá mediante
propagação de uma onda excitatória de natureza elétrica
(impulso nervoso) ao longo da membrana plasmática das
células.
• NEURÔNIOS
 Corpo celular (pericário/ soma): citoplasma,
organelas e núcleo. Granulações escuras
(corpúsculos de Nissl) – Retículo ER bem
desenvolvido (ribossomos, síntese proteica).
 Prolongamentos (neuritos): finos e podem ser
de dois tipos:
Axônios (axon= eixo)  compridos, pouco
ramificados. Eferentes: Condução do impulso
nervoso (IN) para fora do corpo celular.
Dendritos (dendros= galhos, ramos)  curtos e
ramificados. Aferentes: Condução do IN em
direção ao corpo celular.
• NEURÔNIOS


Axônios       Transmissão da informação

Dendritos      Recepção da informação
• TIPOS DE NEURÔNIOS

 De acordo com o número de neuritos, os
neurônios podem ser classificados em:
     Unipolares: apresentam um único neurito.
     Bipolares: apresentam dois neuritos.
     Multipolares: apresentam três ou mais neuritos.
• TIPOS DE NEURÔNIOS

 De acordo com as conexões ou funções na
condução dos impulsos, os neurônios podem ser
classificados em:
 Neurônios receptores ou sensitivos (aferentes): são os
que recebem estímulos sensoriais e conduzem o impulso
nervoso ao sistema nervoso central.
 Neurônios motores ou efetuadores (eferentes):
transmitem os impulsos motores (respostas ao estímulo).
 Neurônios associativos ou interneurônios: estabelecem
ligações entre os neurônios receptores e os neurônios
motores.
• Os Neurônios e a organização do SN

 Os corpos celulares dos neurônios são
geralmente encontrados em áreas restritas do
sistema nervoso:
Sistema Nervoso Central (SNC – formado pelo encéfalo e
pela medula espinhal)
Gânglios Nervosos (próximos à coluna vertebral).

 Do SNC partem os prolongamentos dos
neurônios, formando feixes chamados nervos,
que constituem o Sistema Nervoso Periférico
(SNP).
• Os Axônios e a Bainha de Mielina
 O axônio está envolvido por um dos seguintes
tipos celulares :
     Célula de Schwann: encontrada apenas no SNP.
     Oligodendrócito: encontrado apenas no SNC.

 Em muitos axônios, esses tipos celulares
determinam a formação da bainha de mielina
( invólucro lipídico e proteico, que atua como
isolante térmico e aumenta a velocidade de
transmissão do impulso nervoso)
 Em axônios mielinizados existem regiões de
descontinuidade da bainha de mielina (nódulo de
Ranvier).
SNC
SNP
REGENERAÇÃO DOS NEURÔNIOS
 Capacidade de replicação e de realização do
seu próprio reparo é muito limitada.
 Corpos celulares lesionados não se regeneram.
 SNP: axônios e dendritos podem sofrer reparo,
se o corpo celular estiver intacto e se as células
de Schwann forem funcionais.
 SNC: mesmo quando o corpo celular
permanece intacto, um axônio cortado em geral
não é reparado.
 A presença de mielina no SNC é um fator
inibidor da regeneração dos neurônios.
O TECIDO NERVOSO
 CÉLULAS
   • NEURÓGLIA (GLIA)
 Proteção, sustentação, isolamento e nutrição dos
neurônios.
Células menores que os neurônios e mais numerosas.
 Metade do volume do SNC.
 Histologistas antigos: “cola” que mantinha unido o
tecido nervoso.
 Não produzem nem conduzem impulso nervoso.
 Podem multiplica-se e dividir-se no sistema nervoso
maduro.
 Lesão/Doença: neuróglia multiplica-se para preencher
espaços anteriormente ocupados pelos neurônios.
• NEURÓGLIA (GLIA)
 Tumores cerebrais derivados da Glia (Gliomas):
altamente malignos e crescem rapidamente.
Tipos de células da glia:

Oligodendrócitos
 Formação bainha de mielina (SNC).
 Um único oligodendrócito contribui para a formação de
mielina em vários neurônios (no sistema nervoso
periférico, cada célula de Schwann mieliniza apenas um
único axônio).
 Importantes na manutenção dos neurônios. Sem eles,
os neurônios não sobrevivem em meio de cultura.
Astrócitos

 Maiores células da neuróglia.

 Sustentação e nutrição dos neurônios.

 Preenchimento de espaços entre neurônios.

Regulam o excesso de neurotransmissores na
fenda sináptica.

 Podem ativar a maturação e a proliferação de
células-tronco nervosas adultas. Fatores de
crescimento produzidos pelos astrócitos podem
ser críticos na regeneração dos tecidos
cerebrais ou espinhais danificados por traumas
ou enfermidades.
Micróglia
 Célula
fagocitária.
 Análoga aos
macrófagos.
 Defesa do
sistema
nervoso.
O IMPULSO NERVOSO

 Comunicação entre neurônios: potenciais de
ação nervosos ou impulsos nervosos (IN).
 A geração deste potencial de ação (neurônios/
fibras musculares) depende de 2 características
básicas da membrana plasmática:

 Potencial de repouso
 Canais iônicos
CANAIS IÔNICOS
 Difusão de íons       específicos   através   da
membrana plasmática.

Difusão = transporte passivo de soluto a favor do
gradiente de concentração
 Diferença de cargas elétricas também promove
o transporte iônico através da membrana.
 Fluxo de íons gera uma alteração na carga
elétrica através da membrana (potencial de
membrana).
POTENCIAL DE REPOUSO
 Neurônios não recebem estímulos.
Em repouso: membrana polarizada (Exterior +/ Interior
-).
 Distribuição desigual de íons no citoplasma e no líquido
intersticial.
 Líquido intersticial: elevada [Na+] e [Cl-].
 Citoplasma: elevada [K+] e íons fosfato.
 Estabelecimento de cargas opostas entre os meios intra
e extracelular.



               POR QUE ISSO ACONTECE?
Canais de sódio (Na+) fechados e em pouca
quantidade  membrana praticamente impermeável ao
sódio  impede sua difusão a favor do gradiente de
concentração (de fora para dentro).
 Canais de potássio (K+) abertos  gradiente de
concentração e permeabilidade da membrana permitem a
sua difusão para o meio extracelular.
  Bomba de sódio e potássio ativa  sódio é bombeado
ativamente para fora da célula e o potássio é bombeado
ativamente para dentro (transporte não equitativo) 
diferença de cargas elétricas entre os meios intra e
extracelular  déficit de cargas positivas dentro da célula 
faces da membrana eletricamente carregadas.
  Íons com carga negativa não estão livres para sair da
célula, pois estão ligados a proteínas e a outras
macromoléculas.
POTENCIAL DE AÇÃO
 Membranas dos neurônios recebem algum estímulo.
ESTÍMULO = Qualquer coisa no ambiente da célula capaz
de alterar o seu potencial de membrana em repouso.
 Uma pequena região da membrana torna-se permeável
ao sódio (abertura dos canais de sódio)  sódio atravessa
a membrana no sentido do interior da célula 
acompanhado pela pequena saída de potássio.
 Esta inversão vai sendo transmitida ao longo do axônio
 onda de despolarização.
 Impulso nervoso ou potencial de ação: sequência de
eventos de ocorrência rápida, que invertem o potencial de
membrana e, depois, restituem o estado de repouso
(repolarização).
ESTÍMULO
 Membrana em repouso: canais de sódio fechados 
sódio bombeado ativamente para fora (bomba de sódio e
potássio)  polarização  potencial de repouso.

 Estímulo: abertura dos canais de sódio  entrada na
célula  despolarização  potencial de ação.

 Transmissão do impulso nervoso.
 Após a onda de despolarização ter-se propagado ao longo da
fibra nervosa, o interior da fibra torna-se carregado positivamente
= difusão de íons sódio para o interior.
 Positividade determina a parada do fluxo de íons sódio para o
interior da fibra  membrana torna-se novamente impermeável
aos íons sódio e ainda mais permeável ao potássio.
 Devido à alta concentração de K+ no interior muitos íons se
difundem para o lado de fora  cria novamente
eletronegatividade no interior da membrana e positividade no
exterior  repolarização  reestabelece a polaridade normal da
membrana.
POTENCIAL DE AÇÃO - características
 São de tamanho e duração fixos.
Aplicação de uma despolarização crescente a um
neurônio não tem qualquer efeito até que se cruze o limiar
e, então, surja o potencial de ação = "lei do tudo ou nada".
 É UNIDIRECIONAL = Um potencial de ação iniciado em
uma extremidade de um axônio apenas se propaga em
uma direção, não retornando pelo caminho já percorrido.
A velocidade depende do tamanho e do diâmetro do
axônio. Aumenta com o diâmetro axonal; axônios menores
necessitam de uma maior despolarização para alcançar o
limiar do potencial de ação (mais susceptíveis aos efeitos
da anestesia)
A bainha de mielina acelera a velocidade da condução
do impulso nervoso = condução saltatória.
Nas regiões dos nódulos de Ranvier, a onda de
despolarização "salta“ diretamente de um nódulo para outro,
não acontecendo em toda a extensão da região mielinizada (a
mielina é isolante). Fala-se em condução saltatória e com isso
há um considerável aumento da velocidade do impulso
nervoso.
POTENCIAL DE AÇÃO - percurso
Sempre no sentido: dendrito  corpo celular  axônio
SINAPSE NERVOSA
 São os pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos
se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o
seguinte   por   meio   de   mediadores    químicos,    os
neurotransmissores.
 Ocorrem no "contato" das terminações nervosas (axônios)
com os dendritos. O contato físico não existe realmente, pois
ambas estruturas estão próximas, mas há um espaço entre ela
(fenda sináptica).
      Dos     axônios     são       liberadas substâncias
(neurotransmissores), que atravessam a fenda e estimulam
receptores nos dendritos e assim transmitem o impulso
nervoso de um neurônio para o outro.
 Podem acontecer entre axônio e (dendrito/ corpo
celular/axônio/ células musculares/ glandulares/ sensoriais)
 É a forma de transmissão do impulso nervoso (IN) de
uma célula a outra. (do grego synapsis, ação de juntar)
Apresenta dois lados:
Lado pré-sináptico: consiste de um terminal axonal.
 Lado pós-sináptico: pode ser dendrito ou corpo celular
de outro neurônio ou ainda outra célula inervada pelo
neurônio.
As sinapses podem ser:
 Elétricas
 Químicas (maioria).
Arranjos     sinápticos  no   SNC. A. Uma     sinapse   axo-
dendrítica. B. uma sinapse axo-somática. C. Uma sinapse axo-
axônica.
SINAPSE ELÉTRICA
 Forma mais simples de sinapse.
 Permite a transferência direta da corrente iônica de uma
célula para a célula seguinte.
 Ocorrem em locais especializados chamados junções. Elas
formam canais que permitem que os íons passem diretamente
do citoplasma de uma célula para o citoplasma da outra.
 Maioria permite que a corrente iônica passe adequadamente
em ambos os sentidos = bidirecionais.
 A transmissão nas sinapses elétricas é muito rápida; assim,
um potencial de ação no neurônio pré-sináptico, pode produzir
quase que instantaneamente um potencial de ação no neurônio
pós-sináptico.
SINAPSE QUÍMICA
 Forma de transmissão do IN mais comum no sistema
nervoso humano.
 Liberação de neuro-hormônios ou mediadores químicos
ou neurotransmissores na fenda sináptica.
 Transmissão do sinal de entrada : um neurônio libera
um neurotransmissor na fenda sináptica, o qual é
detectado pelo segundo neurônio através da ativação de
receptores situados do lado oposto ao sítio de liberação
(membrana pós-sináptica).
 A informação que viaja na forma de impulsos elétricos
ao longo de um axônio é convertida, no terminal axonal,
em um sinal químico que atravessa a fenda sináptica. Na
membrana pós-sináptica, este sinal químico é convertido
novamente em sinal elétrico.
 NEUROTRANSMISSORES  são substâncias químicas
produzidas pelos neurônios e utilizadas por eles para
transmitir sinais para outros neurônios ou para células
não-neuronais     (células   do   músculo      esquelético,
miocárdio, células glandulares) que eles inervam.

Produção e transporte dos neurotransmissores:

Vesículas   sinápticas    Neurônio   pré-sináptico     (axônio
terminal)  Fenda sináptica  Neurônio pós-sináptico.


   O que dispara a liberação de um neurotransmissor?
1. Impulso elétrico (potencial de ação);
2. Abertura canais de sódio;
3. Abertura canais de cálcio;
4. Estimulação das vesículas sinápticas;
5. Liberação    (exocitose)   dos   neurotransmissores   na   fenda
   sináptica;
6. Ligação a receptores específicos na membrana pós-sináptica;
7. Abertura canais de sódio na membrana pós-sináptica;
8. Geração de outro potencial de ação;
9. Passagem do impulso nervoso;
10. Para impedir que o neurotransmissor associe-se novamente a
    um receptor e recomece o ciclo, ele é destruído pela ação de
    uma enzima, ou absorvido, normalmente na terminação pré-
    sináptica.
Obs: cada neurônio produz somente um tipo de neurotransmissor.
ANIMAÇÃO SINAPSE QUÍMICA
PLACAS MOTORAS
 As sinapses químicas também ocorrem nas junções entre as
terminações dos axônios e os músculos  placas motoras ou
junções neuro-musculares
 Neurotransmissor: ACETILCOLINA
NEUROTRANSMISSORES
1. DOPAMINA
  Controla níveis de estimulação e controle motor em muitas
  partes do cérebro. Quando os níveis estão extremamente
  baixos na doença de Parkinson, os pacientes são incapazes
  de se mover voluntariamente. Presume-se que o LSD e
  outras drogas alucinógenas ajam no sistema da dopamina.
  Sensações de satisfação e prazer.
  Uma forma de esquizofrenia é devida ao excesso desse
  neurotransmissor.
•   SEROTONINA
    Regula o humor, o sono, a atividade sexual, o apetite, o
    ritmo circadiano, as funções neuroendócrinas, temperatura
    corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções
    cognitivas. Relacionada aos transtornos do humor, ou
    transtornos afetivos e a maioria dos medicamentos
    chamados antidepressivos agem produzindo um aumento
    da disponibilidade dessa substância no espaço entre um
    neurônio e outro.
3. ACETILCOLINA
    Controla a atividade de áreas cerebrais relacionadas à
    atenção, aprendizagem e memória. Pessoas que sofrem da
    doença de Alzheimer apresentam tipicamente baixos níveis
    de acetilcolina.
    Ação excitatória na junção neuromuscular (placa motora).
•   ENCEFALINAS e ENDORFINAS
    São opiáceos que, como as drogas heroína e morfina,
    modulam a dor, reduzem o estresse, etc. Elas podem estar
    envolvidas nos mecanismos de dependência. Bloqueiam a
    dor, agindo naturalmente como analgésicos.


4. NORADRENALINA/ ADRENALINA
    Além de servir como neurotransmissor no encéfalo, são
    hormônios liberados pelas glândulas suprarrenais. Têm
    efeito sobre o sistema nervoso simpático, preparando o
    organismo para um grande esforço físico (reações rápidas
    de fuga e de luta).
    Liberação: suor, vasoconstrição, aumento dos batimentos
    cardíacos, elevação da pressão arterial, dilatação das
    pupilas e brônquios, respiração ofegante e elevação na
    glicemia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Neuronio
NeuronioNeuronio
Neuronio
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Est.mov. m3 - sistema nervoso
Est.mov.   m3 - sistema nervosoEst.mov.   m3 - sistema nervoso
Est.mov. m3 - sistema nervoso
 
Sistema nervoso 9º ano
Sistema nervoso 9º ano Sistema nervoso 9º ano
Sistema nervoso 9º ano
 
Sistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomoSistema nervoso autonomo
Sistema nervoso autonomo
 
Aula Sistema Nervoso
Aula Sistema NervosoAula Sistema Nervoso
Aula Sistema Nervoso
 
Aula de neurotranmissores
Aula de neurotranmissores   Aula de neurotranmissores
Aula de neurotranmissores
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Sistema nervoso
Sistema nervoso Sistema nervoso
Sistema nervoso
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Os neurónios
Os neuróniosOs neurónios
Os neurónios
 
Neurônio
NeurônioNeurônio
Neurônio
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebeloMedresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
 
Neuroanatomia Inicial
Neuroanatomia Inicial Neuroanatomia Inicial
Neuroanatomia Inicial
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
 

Semelhante a Sistema nervoso

SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralRevila Santos
 
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02Jonathan Silva
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivosHugo Martins
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoMarco Antonio
 
Neuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accaoNeuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accaoMariana Ferreira
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivosPelo Siro
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaismargaridabt
 
Sistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumoSistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumoBriefCase
 

Semelhante a Sistema nervoso (20)

Snc
SncSnc
Snc
 
SNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso CentralSNC - Sistema Nervoso Central
SNC - Sistema Nervoso Central
 
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSOTECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Neuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accaoNeuronios e potencial de accao
Neuronios e potencial de accao
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
 
Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O  Sistema NervosoFrente 2 módulo 12 O  Sistema Nervoso
Frente 2 módulo 12 O Sistema Nervoso
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
Sistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumoSistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumo
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 

Sistema nervoso

  • 1. Apostila página 17 a 31 SISTEMA NERVOSO
  • 2. FUNÇÕES SENSITIVA: detecção de estímulos variados, dentro e fora do corpo. Células nervosas especializadas (neurônios sensitivos) conduzem a informação para o encéfalo. INTEGRADORA: processamento, análise e armazenamento da informação sensitiva e tomada de decisões para respostas apropriadas. Participação dos interneurônios. MOTORA: resposta às decisões integradoras, através da ação dos neurônios motores. Ex.: fibras musculares, células glandulares.
  • 3. O TECIDO NERVOSO  Origem ectodérmica
  • 4.  CÉLULAS • NEURÔNIOS  Recepção e transmissão dos estímulos do meio externo e do interior do corpo.  Potenciais de ação.  Comunicação por meio de sinapses. Propriedades: Irritabilidade  capacidade de responder a um estímulo. Condutibilidade  resposta ao estímulo se dá mediante propagação de uma onda excitatória de natureza elétrica (impulso nervoso) ao longo da membrana plasmática das células.
  • 5. • NEURÔNIOS  Corpo celular (pericário/ soma): citoplasma, organelas e núcleo. Granulações escuras (corpúsculos de Nissl) – Retículo ER bem desenvolvido (ribossomos, síntese proteica).  Prolongamentos (neuritos): finos e podem ser de dois tipos: Axônios (axon= eixo)  compridos, pouco ramificados. Eferentes: Condução do impulso nervoso (IN) para fora do corpo celular. Dendritos (dendros= galhos, ramos)  curtos e ramificados. Aferentes: Condução do IN em direção ao corpo celular.
  • 6.
  • 7.
  • 8. • NEURÔNIOS Axônios Transmissão da informação Dendritos Recepção da informação
  • 9. • TIPOS DE NEURÔNIOS  De acordo com o número de neuritos, os neurônios podem ser classificados em:  Unipolares: apresentam um único neurito.  Bipolares: apresentam dois neuritos.  Multipolares: apresentam três ou mais neuritos.
  • 10. • TIPOS DE NEURÔNIOS  De acordo com as conexões ou funções na condução dos impulsos, os neurônios podem ser classificados em:  Neurônios receptores ou sensitivos (aferentes): são os que recebem estímulos sensoriais e conduzem o impulso nervoso ao sistema nervoso central.  Neurônios motores ou efetuadores (eferentes): transmitem os impulsos motores (respostas ao estímulo).  Neurônios associativos ou interneurônios: estabelecem ligações entre os neurônios receptores e os neurônios motores.
  • 11.
  • 12. • Os Neurônios e a organização do SN  Os corpos celulares dos neurônios são geralmente encontrados em áreas restritas do sistema nervoso: Sistema Nervoso Central (SNC – formado pelo encéfalo e pela medula espinhal) Gânglios Nervosos (próximos à coluna vertebral).  Do SNC partem os prolongamentos dos neurônios, formando feixes chamados nervos, que constituem o Sistema Nervoso Periférico (SNP).
  • 13.
  • 14. • Os Axônios e a Bainha de Mielina  O axônio está envolvido por um dos seguintes tipos celulares : Célula de Schwann: encontrada apenas no SNP. Oligodendrócito: encontrado apenas no SNC.  Em muitos axônios, esses tipos celulares determinam a formação da bainha de mielina ( invólucro lipídico e proteico, que atua como isolante térmico e aumenta a velocidade de transmissão do impulso nervoso)  Em axônios mielinizados existem regiões de descontinuidade da bainha de mielina (nódulo de Ranvier).
  • 15. SNC
  • 16. SNP
  • 17.
  • 18. REGENERAÇÃO DOS NEURÔNIOS  Capacidade de replicação e de realização do seu próprio reparo é muito limitada.  Corpos celulares lesionados não se regeneram.  SNP: axônios e dendritos podem sofrer reparo, se o corpo celular estiver intacto e se as células de Schwann forem funcionais.  SNC: mesmo quando o corpo celular permanece intacto, um axônio cortado em geral não é reparado.  A presença de mielina no SNC é um fator inibidor da regeneração dos neurônios.
  • 19. O TECIDO NERVOSO  CÉLULAS • NEURÓGLIA (GLIA)  Proteção, sustentação, isolamento e nutrição dos neurônios. Células menores que os neurônios e mais numerosas.  Metade do volume do SNC.  Histologistas antigos: “cola” que mantinha unido o tecido nervoso.  Não produzem nem conduzem impulso nervoso.  Podem multiplica-se e dividir-se no sistema nervoso maduro.  Lesão/Doença: neuróglia multiplica-se para preencher espaços anteriormente ocupados pelos neurônios.
  • 20. • NEURÓGLIA (GLIA)  Tumores cerebrais derivados da Glia (Gliomas): altamente malignos e crescem rapidamente. Tipos de células da glia: Oligodendrócitos  Formação bainha de mielina (SNC).  Um único oligodendrócito contribui para a formação de mielina em vários neurônios (no sistema nervoso periférico, cada célula de Schwann mieliniza apenas um único axônio).  Importantes na manutenção dos neurônios. Sem eles, os neurônios não sobrevivem em meio de cultura.
  • 21. Astrócitos  Maiores células da neuróglia.  Sustentação e nutrição dos neurônios.  Preenchimento de espaços entre neurônios. Regulam o excesso de neurotransmissores na fenda sináptica.  Podem ativar a maturação e a proliferação de células-tronco nervosas adultas. Fatores de crescimento produzidos pelos astrócitos podem ser críticos na regeneração dos tecidos cerebrais ou espinhais danificados por traumas ou enfermidades.
  • 22. Micróglia  Célula fagocitária.  Análoga aos macrófagos.  Defesa do sistema nervoso.
  • 23.
  • 24.
  • 25. O IMPULSO NERVOSO  Comunicação entre neurônios: potenciais de ação nervosos ou impulsos nervosos (IN).  A geração deste potencial de ação (neurônios/ fibras musculares) depende de 2 características básicas da membrana plasmática:  Potencial de repouso  Canais iônicos
  • 26. CANAIS IÔNICOS  Difusão de íons específicos através da membrana plasmática. Difusão = transporte passivo de soluto a favor do gradiente de concentração  Diferença de cargas elétricas também promove o transporte iônico através da membrana.  Fluxo de íons gera uma alteração na carga elétrica através da membrana (potencial de membrana).
  • 27.
  • 28. POTENCIAL DE REPOUSO  Neurônios não recebem estímulos. Em repouso: membrana polarizada (Exterior +/ Interior -).  Distribuição desigual de íons no citoplasma e no líquido intersticial.  Líquido intersticial: elevada [Na+] e [Cl-].  Citoplasma: elevada [K+] e íons fosfato.  Estabelecimento de cargas opostas entre os meios intra e extracelular. POR QUE ISSO ACONTECE?
  • 29. Canais de sódio (Na+) fechados e em pouca quantidade  membrana praticamente impermeável ao sódio  impede sua difusão a favor do gradiente de concentração (de fora para dentro).  Canais de potássio (K+) abertos  gradiente de concentração e permeabilidade da membrana permitem a sua difusão para o meio extracelular.  Bomba de sódio e potássio ativa  sódio é bombeado ativamente para fora da célula e o potássio é bombeado ativamente para dentro (transporte não equitativo)  diferença de cargas elétricas entre os meios intra e extracelular  déficit de cargas positivas dentro da célula  faces da membrana eletricamente carregadas.  Íons com carga negativa não estão livres para sair da célula, pois estão ligados a proteínas e a outras macromoléculas.
  • 30.
  • 31. POTENCIAL DE AÇÃO  Membranas dos neurônios recebem algum estímulo. ESTÍMULO = Qualquer coisa no ambiente da célula capaz de alterar o seu potencial de membrana em repouso.  Uma pequena região da membrana torna-se permeável ao sódio (abertura dos canais de sódio)  sódio atravessa a membrana no sentido do interior da célula  acompanhado pela pequena saída de potássio.  Esta inversão vai sendo transmitida ao longo do axônio  onda de despolarização.  Impulso nervoso ou potencial de ação: sequência de eventos de ocorrência rápida, que invertem o potencial de membrana e, depois, restituem o estado de repouso (repolarização).
  • 33.  Membrana em repouso: canais de sódio fechados  sódio bombeado ativamente para fora (bomba de sódio e potássio)  polarização  potencial de repouso.  Estímulo: abertura dos canais de sódio  entrada na célula  despolarização  potencial de ação.  Transmissão do impulso nervoso.
  • 34.
  • 35.  Após a onda de despolarização ter-se propagado ao longo da fibra nervosa, o interior da fibra torna-se carregado positivamente = difusão de íons sódio para o interior.  Positividade determina a parada do fluxo de íons sódio para o interior da fibra  membrana torna-se novamente impermeável aos íons sódio e ainda mais permeável ao potássio.  Devido à alta concentração de K+ no interior muitos íons se difundem para o lado de fora  cria novamente eletronegatividade no interior da membrana e positividade no exterior  repolarização  reestabelece a polaridade normal da membrana.
  • 36.
  • 37. POTENCIAL DE AÇÃO - características  São de tamanho e duração fixos. Aplicação de uma despolarização crescente a um neurônio não tem qualquer efeito até que se cruze o limiar e, então, surja o potencial de ação = "lei do tudo ou nada".  É UNIDIRECIONAL = Um potencial de ação iniciado em uma extremidade de um axônio apenas se propaga em uma direção, não retornando pelo caminho já percorrido. A velocidade depende do tamanho e do diâmetro do axônio. Aumenta com o diâmetro axonal; axônios menores necessitam de uma maior despolarização para alcançar o limiar do potencial de ação (mais susceptíveis aos efeitos da anestesia) A bainha de mielina acelera a velocidade da condução do impulso nervoso = condução saltatória.
  • 38. Nas regiões dos nódulos de Ranvier, a onda de despolarização "salta“ diretamente de um nódulo para outro, não acontecendo em toda a extensão da região mielinizada (a mielina é isolante). Fala-se em condução saltatória e com isso há um considerável aumento da velocidade do impulso nervoso.
  • 39. POTENCIAL DE AÇÃO - percurso Sempre no sentido: dendrito  corpo celular  axônio
  • 40. SINAPSE NERVOSA  São os pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os neurotransmissores.  Ocorrem no "contato" das terminações nervosas (axônios) com os dendritos. O contato físico não existe realmente, pois ambas estruturas estão próximas, mas há um espaço entre ela (fenda sináptica).  Dos axônios são liberadas substâncias (neurotransmissores), que atravessam a fenda e estimulam receptores nos dendritos e assim transmitem o impulso nervoso de um neurônio para o outro.  Podem acontecer entre axônio e (dendrito/ corpo celular/axônio/ células musculares/ glandulares/ sensoriais)
  • 41.  É a forma de transmissão do impulso nervoso (IN) de uma célula a outra. (do grego synapsis, ação de juntar) Apresenta dois lados: Lado pré-sináptico: consiste de um terminal axonal.  Lado pós-sináptico: pode ser dendrito ou corpo celular de outro neurônio ou ainda outra célula inervada pelo neurônio. As sinapses podem ser:  Elétricas  Químicas (maioria).
  • 42.
  • 43.
  • 44. Arranjos sinápticos no SNC. A. Uma sinapse axo- dendrítica. B. uma sinapse axo-somática. C. Uma sinapse axo- axônica.
  • 45. SINAPSE ELÉTRICA  Forma mais simples de sinapse.  Permite a transferência direta da corrente iônica de uma célula para a célula seguinte.  Ocorrem em locais especializados chamados junções. Elas formam canais que permitem que os íons passem diretamente do citoplasma de uma célula para o citoplasma da outra.  Maioria permite que a corrente iônica passe adequadamente em ambos os sentidos = bidirecionais.  A transmissão nas sinapses elétricas é muito rápida; assim, um potencial de ação no neurônio pré-sináptico, pode produzir quase que instantaneamente um potencial de ação no neurônio pós-sináptico.
  • 46.
  • 47. SINAPSE QUÍMICA  Forma de transmissão do IN mais comum no sistema nervoso humano.  Liberação de neuro-hormônios ou mediadores químicos ou neurotransmissores na fenda sináptica.  Transmissão do sinal de entrada : um neurônio libera um neurotransmissor na fenda sináptica, o qual é detectado pelo segundo neurônio através da ativação de receptores situados do lado oposto ao sítio de liberação (membrana pós-sináptica).  A informação que viaja na forma de impulsos elétricos ao longo de um axônio é convertida, no terminal axonal, em um sinal químico que atravessa a fenda sináptica. Na membrana pós-sináptica, este sinal químico é convertido novamente em sinal elétrico.
  • 48.
  • 49.  NEUROTRANSMISSORES  são substâncias químicas produzidas pelos neurônios e utilizadas por eles para transmitir sinais para outros neurônios ou para células não-neuronais (células do músculo esquelético, miocárdio, células glandulares) que eles inervam. Produção e transporte dos neurotransmissores: Vesículas sinápticas  Neurônio pré-sináptico (axônio terminal)  Fenda sináptica  Neurônio pós-sináptico. O que dispara a liberação de um neurotransmissor?
  • 50.
  • 51. 1. Impulso elétrico (potencial de ação); 2. Abertura canais de sódio; 3. Abertura canais de cálcio; 4. Estimulação das vesículas sinápticas; 5. Liberação (exocitose) dos neurotransmissores na fenda sináptica; 6. Ligação a receptores específicos na membrana pós-sináptica; 7. Abertura canais de sódio na membrana pós-sináptica; 8. Geração de outro potencial de ação; 9. Passagem do impulso nervoso; 10. Para impedir que o neurotransmissor associe-se novamente a um receptor e recomece o ciclo, ele é destruído pela ação de uma enzima, ou absorvido, normalmente na terminação pré- sináptica. Obs: cada neurônio produz somente um tipo de neurotransmissor.
  • 53. PLACAS MOTORAS  As sinapses químicas também ocorrem nas junções entre as terminações dos axônios e os músculos  placas motoras ou junções neuro-musculares  Neurotransmissor: ACETILCOLINA
  • 54. NEUROTRANSMISSORES 1. DOPAMINA Controla níveis de estimulação e controle motor em muitas partes do cérebro. Quando os níveis estão extremamente baixos na doença de Parkinson, os pacientes são incapazes de se mover voluntariamente. Presume-se que o LSD e outras drogas alucinógenas ajam no sistema da dopamina. Sensações de satisfação e prazer. Uma forma de esquizofrenia é devida ao excesso desse neurotransmissor.
  • 55. SEROTONINA Regula o humor, o sono, a atividade sexual, o apetite, o ritmo circadiano, as funções neuroendócrinas, temperatura corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções cognitivas. Relacionada aos transtornos do humor, ou transtornos afetivos e a maioria dos medicamentos chamados antidepressivos agem produzindo um aumento da disponibilidade dessa substância no espaço entre um neurônio e outro. 3. ACETILCOLINA Controla a atividade de áreas cerebrais relacionadas à atenção, aprendizagem e memória. Pessoas que sofrem da doença de Alzheimer apresentam tipicamente baixos níveis de acetilcolina. Ação excitatória na junção neuromuscular (placa motora).
  • 56. ENCEFALINAS e ENDORFINAS São opiáceos que, como as drogas heroína e morfina, modulam a dor, reduzem o estresse, etc. Elas podem estar envolvidas nos mecanismos de dependência. Bloqueiam a dor, agindo naturalmente como analgésicos. 4. NORADRENALINA/ ADRENALINA Além de servir como neurotransmissor no encéfalo, são hormônios liberados pelas glândulas suprarrenais. Têm efeito sobre o sistema nervoso simpático, preparando o organismo para um grande esforço físico (reações rápidas de fuga e de luta). Liberação: suor, vasoconstrição, aumento dos batimentos cardíacos, elevação da pressão arterial, dilatação das pupilas e brônquios, respiração ofegante e elevação na glicemia.

Notas do Editor

  1. Irritabilidade (excitabilidade ou responsividade) é a capacidade que permite a uma c é lula responder a est í mulos, sejam eles internos ou externos. Portanto, irritabilidade não é uma resposta, mas a propriedade que torna a c é lula apta a responder. A resposta emitida pelos neurônios assemelha-se a uma corrente el é trica transmitida ao longo de um fio condutor: uma vez excitados pelos est í mulos, os neurônios transmitem essa onda de excita ç ão - chamada de impulso nervoso - por toda a sua extensão em grande velocidade e em um curto espa ç o de tempo. Esse fenômeno deve-se à propriedade de condutibilidade .  
  2. O RE rugoso é o maior s í tio de s í ntese prot é ica nos neurônios. O RE liso é muito heterogêneo e assume diferentes fun ç ões em locais distintos: acredita-se que os que estão em continuidade com o RE rugoso sejam os locais onde as prote í nas que transpõem a membrana sejam dobradas, assumindo sua forma tridimensional; outros tipos de RE liso regulam as concentra ç ões internas de c á lcio e outras substâncias. O aparelho de Golgi é um grande s í tio de processamento bioqu í mico p ó s- tradu ç ão de prote í nas. Acredita-se que uma fun ç ão importante seja a distribui ç ão de certas prote í nas destinadas a diferentes partes do neurônio, tais como dendritos e axônios. As mitocôndrias são os locais da respira ç ão celular, que fornece a energia qu í mica necess á ria para o processamento de todas as atividades neuronais. O citoesqueleto é respons á vel por altera ç ões na viscosidade do citoplasma, pela organiza ç ão integrada das organelas citoplasm á ticas e pelo deslocamento de determinadas organelas citoplasm á ticas, como as mitocôndrias.
  3. Em repouso a membrana da c é lula nervosa é praticamente imperme á vel ao s ó dio, impedindo que esse í on se mova a favor de seu gradiente de concentra ç ão (de fora para dentro);   por é m, é muito perme á vel ao pot á ssio, que, favorecido pelo gradiente de concentra ç ão e pela permeabilidade da membrana, se difunde livremente para o meio extracelular. A bomba de s ó dio e pot á ssio bombeia ativamente o s ó dio para fora, enquanto o pot á ssio é bombeado ativamente para dentro. Por é m esse bombeamento não é eq ü itativo: para cada três í ons s ó dio bombeados para o l í quido extracelular, apenas dois í ons pot á ssio são bombeados para o l í quido intracelular. Como a sa í da de s ó dio não é acompanhada pela entrada de pot á ssio na mesma propor ç ão, estabelece-se uma diferen ç a de cargas el é tricas entre os meios intra e extracelular: h á d é ficit de cargas positivas dentro da c é lula e as faces da membrana mantêm-se eletricamente carregadas. O potencial eletronegativo criado no interior da fibra nervosa é chamado potencial de repouso da membrana, ficando o exterior positivo e o interior negativo. Dizemos, então, que a membrana est á polarizada.  
  4. A repolariza ç ão normalmente se inicia no mesmo ponto onde se originou a despolariza ç ão, propagando-se ao longo da fibra. Ap ó s a repolariza ç ão, a bomba de s ó dio bombeia novamente os í ons s ó dio para o exterior da membrana, criando um d é ficit extra de cargas positivas no interior da membrana, que se torna temporariamente mais negativo do que o normal. A eletronegatividade excessiva no interior atrai í ons pot á ssio de volta para o interior (por difusão e por transporte ativo). Assim, o processo traz as diferen ç as iônicas de volta aos seus n í veis originais.
  5. A ligação do neurotransmissor aos receptores causa uma série de mudanças fisiológicas no segundo neurônio que constituem o sinal. Normalmente a liberação do primeiro neurônio (chamado pré-sináptico) é causado por uma série de eventos intracelulares evocados por uma despolarização de sua membrana, e quase que invariavelmente quando um potencial de ação é gerado.