António Damásio

9.346 visualizações

Publicada em

2º- Trabalho de Psicologia 12ºB

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.346
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
97
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

António Damásio

  1. 1. António Damásio <br />Trabalho elaborado por:<br />André Teixeira<br />Joana Gomes<br />Guilherme Silva<br />Filipe Garcia<br />Bárbara Granja<br />
  2. 2. Teoria de Damásio<br />Damásio rejeita a ideia de uma mente separada do corpo. Os processos mentais têm uma base biológica. <br />Damásio defende que o organismo é constituído por corpo, cérebro e mente. E não pode ser visto separado da sua interacção com o meio. <br />No “Erro de Descartes” argumenta que é possível separar os processos cognitivos dos emocionais, que o corpo e a mente não são entidades separadas e independentes. No seu entender, o erro de Descartes foi o de julgar que o ser humano podia ser uma razão pura. Nos seus estudos de pacientes com lesões no córtex pré-frontal, Damásio reparou que há uma participação substancial das emoções nos processos de decisão e raciocínio.<br />
  3. 3. António Damásio – Biografia <br />Nasceu em Lisboa a 25 de Fevereiro a 1944.<br />É um médico neurologista e neurocientista português que trabalha no estudo do cérebro e das emoções humanas.<br />É professor de neurociências na University of Southern Califórnia, onde dirigiu o instituto de pesquisas do cérebro e da criatividade.<br />Licenciou-se em medicina na faculdade de medicina na universidade de Lisboa.<br />O primeiro livro publicado foi: “O erro de Descartes’’ e mais tarde publicou o “Sentimento de Si” e “Ao encontro de Espinosa”.<br />
  4. 4. Por mais racionais que possamos considerar as nossas decisões, há sempre emoções a elas associadas. Ficaríamos incapacitados de tomar decisões e de fazer escolhas se deixássemos de sentir emoções.<br />
  5. 5. PhineasGage e Elliot<br />Estes casos mostraram a Damásio que a perda da capacidade de sentir emoções prejudicou profundamente a vida dessas pessoas.<br />Tinham um desempenho normal em tarefas verbais e linguísticas, em raciocínio e cálculo matemático, mas não conseguiam decidir em que restaurantes deveriam almoçar. Tornaram-se irresponsáveis.<br />Damásio interpretou essas deficiências como resultado de lesões com áreas cerebrais cujo a função era controlar os sentimentos e as emoções.<br />
  6. 6. O caso de Elliot era elucidativo: em laboratório, ou seja, sem o envolvimento emocional, Elliot conseguia predizer o que aconteceria numa dada situação e planearam uma resposta adequada. Mas na vida real era incapaz de tomar a opção correcta e seguia de desastre em desastre.<br />É crença generalizada e muito enraizada que uma pessoa muito emocional ou que age de «cabeça quente» toma frequentemente más decisões.<br />Tomar decisões sensatas e produtivas parece exigir cabeça fria que de forma desapaixonada e puramente racional pesemos os prós e os contras. <br />
  7. 7. Damásio mostrou que um reduzido nível de emoção e de paixão é tão prejudicial como um excesso de emoção.<br />A emoção é tão importante como a razão na tomada de decisões e subjaz a todos os nossos processos cognitivos. <br />
  8. 8. Hipótese do marcador somático<br />Apresentada por Damásio para explicar o funcionamento da mente quanto a nossa capacidade de escolha.<br />Procura através dessa hipótese fazer-nos compreender o papel das emoções na tomada de decisões.<br />Sem a excitação da emoção, o processo da razão ficaria simplesmente vazio. Nesta e outras situações em que realizamos opções, é preciso restringir o leque das consequências em que possamos pensar ou retirar-lhes peso. É aqui que então os marcadores somáticos.<br />
  9. 9. Objecto de estudo<br />Interacção entre corpo e mente, entre processos cognitivos e biológicos ou emocionais. Defende a integração entre corpo e mente. Rejeita uma concepção imaterial da mente . O corpo é a mente dotada das funções de agir, pensar e sentir.<br />
  10. 10. Concepção de Ser Humano <br />O ser humano é uma realidade cuja a dimensão biológica é a base da constituição da sua identidade e subjectividade.<br />O homem é sem duvida um animal racional, mas não no sentido a que se defina pela razão. A razão abstracta não é o centro da nossa identidade, não é o que nos define. O que nos caracteriza fundamentalmente é o enraizamento biológico da nossa razão. Não existem processos cognitivos puramente racionais, nem uma razão separada da emoção.<br />
  11. 11. A posição de Damásio não é anti-racionalista. A razão é um trunfo adaptativo valioso porque lhe devemos a capacidade de planear, ou ponderar entre alternativas e de antecipar consequências das nossas acções.<br />O que Damásio nega à nossa razão é que possa por si só tomar decisões e avaliar o que é melhor para nós. A razão não perde direitos. Unicamente perde o privilégio de comandar por si o nosso comportamento, as nossas decisões, e de ser desejável que o faça. A nossa razão tem uma base biológica e esquecê-lo é iludir-se sobre uma verdade básica, no entender de Damásio: as emoções e os sentimentos são os pilares do nosso funcionamento mental e do nosso agir.<br />
  12. 12. Dicotomia Inato/Adquirido<br />O nosso organismo possui mecanismos automáticos de avaliação dos nossos estados corporais, cujo objectivo é o assegurar a nossa sobrevivência, a nossa integridade física e o funcionamento regular da nossa vida social. Estes mecanismos são designados marcadores somáticos.<br />
  13. 13. Dicotomia Interno/Externo<br />A mente não é uma entidade imaterial. Ela é o corpo que age, pensa e sente. As nossas emoções e sentimentos não são ditados pelo mundo externo porque são a forma de o avaliarmos. <br />
  14. 14. FIM!<br />

×