António Damásio

13.020 visualizações

Publicada em

3º Trabalho de Psicologia - 12ºB

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.020
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
557
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

António Damásio

  1. 1. António Damásio<br />As emoções são parte integrante dos processos cognitivos sendo necessárias para agir e pensar<br />
  2. 2. Biografia<br />Estudou medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, graduando-se em 1969.<br />Cursou residência em neurologia no Hospital Universitário e, em 1974, doutorou-se também pela mesma Universidade. <br />Mudou-se para os Estados Unidos como pesquisador do Centro de Pesquisas da Afasia de Boston. <br />Actuou como clínico no tratamento dos transtornos do comportamento e da cognição.<br />Como teórico começou a interessar-se por neurobiologia da mente, estudando em especial os sistemas neurais relacionados à consciência. <br />Actualmente António Damásio integra o Departamento de Neurologia da Universidade de Iowa, onde é pesquisador.<br />
  3. 3. Em 1994 publicou o seu primeiro livro, "O Erro de Descartes", recebido com entusiasmo. <br />Em 2001 publicou o seu segundo livro, "O Mistério da Consciência", outro grande sucesso de público. A sua obra mais recente, "Em Busca de Espinosa" (2003), trata das relações entre a filosofia e a neurobiologia, explorando as questões que envolvem o comportamento humano e a ética. <br />Casado com a cientista Hanna Damásio, que também é co-autora de várias de suas obras, Damásio é membro da Academia Americana de Artes e Ciências e de diversas instituições científicas americanas e europeias. Também faz parte do conselho editorial de dezenas de revistas de ciências, como "LearningandMemory", "EuropeanNeurology" e "BrainandCognition". <br />Pela sua actuação no campo das ciências cognitivas, recebeu diversos prémios.<br />
  4. 4. Razão e Emoção<br />Segundo António Damásio, as emoções e os sentimentos estão envolvidos nos processos de decisão, ou seja, não são um obstáculo ao funcionamento da razão.<br />Para o investigador, se fosse apenas a razão a participar nos momentos de decisão, seria muito complicado tomar uma decisão.<br />
  5. 5. Se as decisões fossem tomadas sem recorrer às emoções, ou seja, só com a interferência do raciocínio, levaríamos tanto tempo a analisar logicamente todas as opções e respectivas consequências, o que tornaria a tomada de decisão completamente inviável.<br /> Contudo, a emoção, por si só, não permite a tomada de decisão. Aliás, muitas vezes, as emoções são tão fortes e intensas que nos perturbam ao ponto de influenciarem negativamente uma decisão.<br />
  6. 6. A. Damásio: “a emoção bem dirigida parece ser o sistema de <br />apoio sem o qual o edifício da razão <br />não pode funcionar eficazmente”.<br /> Tanto a emoção como a razão estão na base do processo de tomada de decisão, levando a que esta possa ser suportada por duas vias complementares.<br />
  7. 7. A tomada de decisão é suportada por duas vias complementares:<br />a representação das consequências das opções (fruto do raciocínio);<br />a activação de experiências emocionais através da percepção da situação e consequente comparação com acontecimentos anteriores (fruto da emoção).<br />
  8. 8. A Hipótese do Marcador Somático<br /> Segundo Damásio, a tomada de decisões seria suportada por um mecanismo automático, a que chamou Marcador Somático: <br /><ul><li>Mecanismo automático que suporta as nossas decisões. Permite-nos decidir eficientemente num curto intervalo de tempo. Actua como um sinal de alarme automático que diz: atenção ao perigo decorrente da escolha de determinada acção. Este sinal protege-nos de prejuízos futuros, sem mais hesitações, permitindo-nos escolher uma alternativa entre as várias. Os marcadores somáticos aumentam provavelmente a precisão e a eficiência do processo de decisão.</li></li></ul><li> Na ausência de marcador somático, opções e consequências tornam-se indiferentes, o que implica trabalho redobrado para a lógica e, por isso, mais tempo para a tomada de decisão. Assim, os marcadores somáticos apresentam-se essenciais para limitar o espaço de decisão porque o tornam apto para análises lógicas rápidas.<br />
  9. 9. Conclusão<br />As emoções tornam possível realizar as escolhas mais simples;<br />É a ligação entre o tipo de situação e o estado somático (corpo) que actua como sinal de alarme ou como sinal de incentivo, podendo levar à rejeição ou adopção de uma opção.<br />O nosso pensamento tem necessidade das emoções para ser eficaz.<br />
  10. 10. Trabalho elaborado por:<br />12º B<br />António Rodrigues, nº 2 <br />Jessica Castro, nº 9<br />

×