SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 EMOÇÃO: uma reacção
complexa a estímulos
externos (mais
frequentemente) e
também a estímulos
internos, que se traduz
em reacções fisiológicas,
comportamentais,
cognitivas, afetivas,
sentimentais e em
expressões faciais.
AS EMOÇÕES
 As emoções são um elemento muito
importante no comportamento humano;
 Tenta ver quais são as expressões emocionais
em cada uma das imagens que se seguem;
 É uma forma de avaliarmos a nossa
capacidade de avaliação das emoções dos
outros.
AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS
 Que emoção é
exprimida neste
rosto?
ALEGRIA
AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS
 Que emoção é
exprimida neste
rosto?
SURPRESA
AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS
 Que emoção é
exprimida neste
rosto?
AVERSÃO
NOJO
AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS
 Que emoção é
exprimida neste
rosto?
RAIVA
ÓDIO
AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS
 Que emoção é
exprimida neste
rosto?
MEDO
AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS
 Que emoção é
exprimida neste
rosto?
TRISTEZA
AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS
 Que emoção é
exprimida neste
rosto?
DESPREZO
PERSPECTIVA EVOLUTIVA
 Darwin procurou traços comuns na expressão
de emoções em vários povos, e identificou
seis emoções primárias ou universais: a
alegria, a tristeza, a surpresa, a cólera, o
desgosto e o medo;
PERSPECTIVA EVOLUTIVA
 Considerou que as
emoções têm um papel
adaptativo fundamental
na história da espécie
humana, sendo
determinantes para a
sua capacidade de
sobrevivência.
PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES
 Mais tarde Ekman tentou provar a tese
que defendia que povos diferentes
teriam emoções diferentes;
 Confirmou a tese de Darwin: há
emoções que são universais,
independentes do processo de
aprendizagem e da cultura em que se
manifestam.
PERSPECTIVA FISIOLÓGICA
 Defendida porWilliam James, que
considerava que as emoções
resultariam da consciência das
mudanças orgânicas provocadas por
determinados estímulos;
 O estado de consciência de emoções
como a cólera, a alegria, a raiva,
resume-se à consciência de
manifestações fisiológicas.
 Exemplo: Posso sentir-me triste se
assumir uma expressão facial de
tristeza. (numa situação que nos
provoca um choro de tristeza, só depois
é que tomamos consciência da
tristeza).
PERSPECTIVA COGNITIVISTA
 Afirma que os processos
cognitivos, como as
percepções, recordações e
aprendizagens, são
fundamentais para se
perceberem as emoções.
 Exemplo: Zango-me com
uma pessoa porque
interpreto o seu
comportamento como
ofensivo.
PERSPECTIVA CULTURALISTA
 As emoções são processos
aprendidos no processo
de socialização, são uma
construção social.
 As diferentes sociedades e
culturas definem o tipo de
emoções que se podem
manifestar e como as
manifestar;
PERSPECTIVA CULTURALISTA
 Exemplo: Em algumas culturas
não se admite que os homens
chorem, enquanto que noutras
culturas a expressão das
emoções pelo choro é
valorizada.
 Um desgosto profundo pode
ser sentido da mesma forma
idêntica por um japonês, um
português, ou um indiano, mas
o modo de o exprimir é
diferente.
ANTÓNIO DAMÁSIO
 Segundo António Damásio é
absurdo separar cognição e
emoção.O funcionamento
equilibrado da mente só é
possível com o contributo da
emoção.
 Damásio ilustra as suas
concepções com os casos de
Phineas Gage e Elliot, pessoas
que, em virtude de lesões no
córtex pré-frontal, perderam a
capacidade de sentir emoções.
Phineas Gage sobreviveu a um acidente de trabalho que
sofreu em 1848, em que uma barra de ferro lhe
atravessou a cabeça.
Cento e cinquenta anos depois, Damásio e outros
cientistas analisaram o esqueleto e reconstituíram o
trajeto seguido pela barra no cérebro de Phineas Gage.
Como se pode ver na figura, uma porção do córtex pré-
frontal foi danificado.
De acordo com os relatórios médicos da época, Phineas
Gage perdeu quase tida a capacidade emotiva, bem
como os valores por que se regera até ao acidente.
Tendo sido um trabalhador consciencioso, tornou-se
desleixado relativamente à profissão e aos seus hábitos
pessoais.Com dificuldade de se concentrar em qualquer
atividade, era incapaz de seguir planos a médio e a longo
prazo.
Curioso é constatar que as alterações decorrentes do
acidente não se verificaram a nível fisiológico nem
intelectual.
APÓS O ACIDENTE DE PHINEAS GAGE
O QUE PERMANECEU O QUE SEALTEROU
Estrutura e funcionamento corporal: robustez e
capacidades físicas intactas.
Funcionamento da sensibilidade: normalidade das
sensações corporais, exceto a perda de visão do
olho esquerdo.
Destreza manual: habilidade no que respeita ao uso
e manuseamento de objetos.
Domínio da linguagem: conservação das
capacidades de comunicação e expressão.
Funcionamento das capacidades intelectuais:
atenção, perceção e memória em situação de
normalidade.
Novos traços de personalidade.
Impossibilidade de antecipar o futuro.
Impossibilidade de elaborar planos.
Incapacidade de fazer escolhas acertadas.
Perda do sentido de responsabilidade perante si e
perante os outros.
Alteração dos valores éticos (incapacidade de seguir
princípios éticos.
O CASO ELLIOT
Submetido a uma cirurgia para remoção de um tumor cerebral,
Elliot tinha sofrido danos no córtex pré-frontal. Daí ter ficado
diminuído na sua capacidade emocional: deixou de reagir à
frustração e de sentir prazer com a música e com a arte em geral;
raramente se mostrava irritado, relatando friamente o que lhe
aconteceu, desde a cirurgia até às mudanças da sua vida.Tal como
Gage, tem problemas em seguir planos previamente delineados. É
capaz de discutir lógica e prever teoricamente as consequências
da adoção de determinadas estratégias, mas dificilmente delibera
acerca da melhor decisão a tomar na prática. Se eventualmente
anuncia uma decisão, rapidamente a abandona. Não consegue
fixar-se num emprego, nem é capaz de saber aplicar as suas
economias. O relacionamento com familiares e amigos
deteriorou-se, atingindo o ponto de rutura.
APÓS A INTERVENÇÃO CIRÚRGICA DE ELLIOT
O QUE PERMANECEU O QUE SEALTEROU
Capacidades físicas intactas: saúde e
robustez.
Sentidos e sensações do corpo perfeitos.
Simpatia e bom humor.
Capacidade de linguagem.
Eloquência e capacidades argumentativas.
Conhecimento do mundo e da atualidade.
Capacidades mentais intactas: atenção,
perceção, inteligência, memória, coerência
de pensamento.
Novos traços de personalidade: frieza,
distanciamento, impassibilidade.
Incapacidade de agir sem incentivos.
Incapacidade de tomar decisões e de fazer
escolhas acertadas.
Perda de vista do objetivo principal,
valorizando aspetos secundários.
Uso do livre-arbítrio comprometido.
Incapacidade de se comportar como ser social.
Impossibilidade de elaborar planos a médio e
longo prazo.
O ERRO DE DESCARTES
 Os casos clínicos (Cage e Elliot) mostraram
que a perda de capacidade de sentir emoções
prejudicou profundamente a vida destas
pessoas.
 Damásio mostrou que um reduzido nível de
emoção e de paixão é tão prejudicial como
um excesso de emoção. A emoção é tão
importante como a razão na tomada de
decisões e subjaz a todos os processos
cognitivos.
O ERRO DE DESCARTES
 Esta nova conceção fez ruir a tese
bissubstancialista de Descartes que separava
a mente do corpo (res cogitans e res extensa)
e que dava total independência à mente.
 Damásio, na sua obra O Erro de Descartes,
argumenta que não é possível separar os
processos cognitivos dos emocionais, o corpo
e a mente não são entidades separadas e
independentes.
O MARCADOR SOMÁTICO
 A hipótese dos marcadores somáticos,
enunciada por António Damásio, deve-se a
casos da natureza dos de Gage e Elliot.
 No passado aprendemos a associar a certas
situações sensações agradáveis ou
desagradáveis, ou seja, determinadas
emoções, e essas associações aprendidas
modificam os padrões neuronais ficando,
portanto, marcadas.
 Quando, mais tarde, somos confrontados
com situações semelhantes, o marcador-
somático rapidamente avalia as situações a
fim de escolher uma opção.
O MARCADOR SOMÁTICO
 Se vemos um cão com ar feroz a
aproximar-se, esta imagem vai ativar
o sistema nervoso simpático:
 O ritmo cardíaco acelera;
 A respiração fica mais rápida;
 A tensão muscular aumenta.
 Estas modificações corporais
correspondem a uma emoção a que
chamamos medo. Quando vimos o
cão, o estado corporal de medo ficou
registado, marcado.A informação
guardada será utilizada numa
situação semelhante.
O MARCADOR SOMÁTICO
 O marcador somático permite-
nos decidir eficientemente num
curto intervalo de tempo. Atua
como um sinal de alarme
automático que diz: atenção ao
perigo decorrente da escolha de
determinada acção.
 De acordo com Damásio,
pessoas com lesões no lobo
frontal têm muita dificuldade ou
são mesmo incapazes de ativar
estes marcadores somáticos.
TIPOS DE EMOÇÕES
 Emoções primárias ou universais – surgem na
infância com o intuito de reagir rapidamente a
diferentes estímulos – alegria, tristeza, medo,
surpresa,...
 Emoções secundárias ou sociais – constituem-se
por cima das primárias, experimentando-se mais
tarde. Implicam uma avaliação cognitiva das
situações e o recurso a aprendizagens feitas (córtex
pré-frontal) - vergonha, ciúme, culpa, orgulho,...
 Emoções de fundo – bem ou mal-estar, calma ou
tensão,...
COMPONENTE FISIOLÓGICA
 A emoção faz-se acompanhar de uma série
de reacções corporais ou fisológicas –
alterações orgânicas.
COMPONENTE FISIOLÓGICA
 Respiração ofegante (ritmo respiratório intesificado).
 Tremuras musculares.
 Modificação da cor do rosto (rubor; palidez).
 Acelaração do ritmo cardíaco.
 Aumento da pressão arterial.
 Decréscimo da secreção salivar, provocando secura
na boca e garganta.
 Alterações ou mesmo paragem da digestão.
 Reações pilomotoras (“pele de galinha”).
 Estimulação das glandulas endócrinas, designadamente
das supra-renais, que segregam adrenalina (hormonas
excitantes).
COMPONENTE FISIOLÓGICA
 Algumas reacções são óbvias e facilmente observáveis;
outras são mais subtis e dificeis e só mediante um polígrafo
conseguem ser detetadas.
 O polígrafo é usado para avaliar a excitação nervosa
mediante alterações respiratórias e pressão arterial.
COMPONENTE COMPORTAMENTAL
 O estado emocional pode desencadear um
conjunto de comportamentos como, por
exemplo, a agressão, a crítica verbal, a elevada
gesticulação, os saltos de alegria, os gritos.
COMPONENTE EXPRESSÍVA
 Sendo a mais comunicativa das componentes,
refere-se às alterações físicas que se verificam no
indivíduo e que são visíveis aos outros: aumento
do tom de voz, expressão facial mais aberta ou
fechada, sorriso, choro, etc. É a mais importante
a nível social pois demonstra claramente o
estado de espírito.
COMPONENTE COGNITIVA
 Refere-se ao
conhecimento do
facto que desencadeia
a emoção: se não
houver conhecimento
do facto, não se
experimenta qualquer
emoção.
COMPONENTE AVALIATIVA
 Fazemos uma
avaliação,
agradável ou
desagradável, da
situação;
 Refere-se à
influência que os
nossos interesses,
valores, objetivos
e necessidades
têm na formação
da emoção.
COMPONENTE SUBJECTIVA
 Relaciona-se com o que o
indivíduo sente a nível
emocional e interior a que
só ele tem acesso, ou seja,
é o estado afetivo
associado à emoção -
refere-se ao estado
afetivo associado à
emoção.
AFETOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS
 Os afetos têm a ver com aquilo
que nos afeta, são algo de que
somos dotados. São tendências
para responder positiva ou
negativamente a experiências
emocionais relacionadas com
objetos ou pessoas.
 Ter afetos é ser dotado da
capacidade de dar e de receber,
de amar e de ser amado, de
perturbar e de ser perturbado,
por exemplo.
AFECTOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS
 Os afetos exprimem-se
através das emoções e têm
uma ligação especial com o
passado, com experiências e
vivências (as emoções estão
ligadas sobretudo com
situações presentes).
AFECTOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS
 Normalmente, emoção e sentimento
surgem como sinónimos, mas segundo
António Damásio, a relação entre
ambos é muito estreita.
 A emoção é um conjunto de reacções
corporais, automáticas e inconscientes,
face a determinados estímulos
provenientes do meio onde estamos
inseridos.
 “A partir do momento em que sentimos
medo, o ritmo cardíaco acelera-se, a boca
seca, a pele empalidece, os músculos
contraem-se.Tais reacções são
automáticas e inconscientes.” (Damásio)
AFECTOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS
 O sentimento surge quando
tomamos consciência das
nossas emoções, isto é, o
sentimento dá-se quando as
nossas emoções são
transferidas para
determinadas zonas do nosso
cérebro, onde são codificadas
sob a forma de atividade
neuronal.
EMOÇÕES SENTIMENTOS
Tem origem numa causa, num objeto;
São reações corporais específicas,
observáveis;
São publicas e voltadas para o exterior;
São automáticas e inconscientes;
Polaridade: podem ser negativas ou
positivas;
São versáteis: variam em intensidade e
são de breve duração;
Relacionam-se com o tempo: as emoções
têm princípio e fim.
Não são observáveis, são privados e
relacionam-se com o interior;
Prolongam-se no tempo e são de menor
intensidade de expressão que as emoções;
Não se associam a nenhuma causa
imediata;
Surgem quando tomamos consciência das
nossas emoções.
Mente asemcoes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
 
Comportamento Emocional
Comportamento EmocionalComportamento Emocional
Comportamento Emocional
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 
Emoções básicas
Emoções básicasEmoções básicas
Emoções básicas
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia PastoralCETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
 
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Emoções e sentimentos.pptx
Emoções e sentimentos.pptxEmoções e sentimentos.pptx
Emoções e sentimentos.pptx
 
António Damásio
António DamásioAntónio Damásio
António Damásio
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Educação do afeto
Educação do afetoEducação do afeto
Educação do afeto
 
O Erro de Descartes - António Damásio
O Erro de Descartes - António DamásioO Erro de Descartes - António Damásio
O Erro de Descartes - António Damásio
 
Seminário de neuroanatomia: Emoções
Seminário de neuroanatomia: EmoçõesSeminário de neuroanatomia: Emoções
Seminário de neuroanatomia: Emoções
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 

Destaque

Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentaresMaria Pires
 
O segundo cerebro dr. michael gershon
O segundo cerebro dr. michael gershonO segundo cerebro dr. michael gershon
O segundo cerebro dr. michael gershonVeviell Matuchaki
 
Mente e cérebro 161 junho 2006 - neurônios espelho
Mente e cérebro   161 junho 2006 - neurônios espelhoMente e cérebro   161 junho 2006 - neurônios espelho
Mente e cérebro 161 junho 2006 - neurônios espelhoOutro Luiz
 
Participação política / partidária
Participação política / partidáriaParticipação política / partidária
Participação política / partidáriaAndré Lopes
 
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14Elisio Estanque
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1Elisio Estanque
 
Os problemas da globalização
Os problemas da globalizaçãoOs problemas da globalização
Os problemas da globalizaçãoCarlos Vieira
 
Neurônios Espelho
Neurônios EspelhoNeurônios Espelho
Neurônios Espelhomayarafn
 
Delson ferreira manual de sociologia
Delson ferreira   manual de sociologiaDelson ferreira   manual de sociologia
Delson ferreira manual de sociologianandoflorippa
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartesAlan
 
Pesquisa Correlacional
Pesquisa CorrelacionalPesquisa Correlacional
Pesquisa CorrelacionalHilma Khoury
 
Google Classroom - Set Up and Tips for Teachers
Google Classroom - Set Up and Tips for TeachersGoogle Classroom - Set Up and Tips for Teachers
Google Classroom - Set Up and Tips for TeachersJohn Sowash
 
Software para las ciencias sociales
Software para las ciencias socialesSoftware para las ciencias sociales
Software para las ciencias socialesZaiRaa Matz
 
Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento Harley Alves
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalAlexandre Rivero
 
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...Klicia Mendonca
 

Destaque (20)

Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográfico
 
Habitos alimentares
Habitos alimentaresHabitos alimentares
Habitos alimentares
 
O segundo cerebro dr. michael gershon
O segundo cerebro dr. michael gershonO segundo cerebro dr. michael gershon
O segundo cerebro dr. michael gershon
 
Mente e cérebro 161 junho 2006 - neurônios espelho
Mente e cérebro   161 junho 2006 - neurônios espelhoMente e cérebro   161 junho 2006 - neurônios espelho
Mente e cérebro 161 junho 2006 - neurônios espelho
 
Participação política / partidária
Participação política / partidáriaParticipação política / partidária
Participação política / partidária
 
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
A praxe e o novo tribalismo 22.out.14
 
Ee_publico_entrevista-1
  Ee_publico_entrevista-1  Ee_publico_entrevista-1
Ee_publico_entrevista-1
 
Memória humana
Memória humanaMemória humana
Memória humana
 
Os problemas da globalização
Os problemas da globalizaçãoOs problemas da globalização
Os problemas da globalização
 
Neurônios Espelho
Neurônios EspelhoNeurônios Espelho
Neurônios Espelho
 
Inteligencia emocional
Inteligencia emocionalInteligencia emocional
Inteligencia emocional
 
Delson ferreira manual de sociologia
Delson ferreira   manual de sociologiaDelson ferreira   manual de sociologia
Delson ferreira manual de sociologia
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
 
Pesquisa Correlacional
Pesquisa CorrelacionalPesquisa Correlacional
Pesquisa Correlacional
 
Google Classroom - Set Up and Tips for Teachers
Google Classroom - Set Up and Tips for TeachersGoogle Classroom - Set Up and Tips for Teachers
Google Classroom - Set Up and Tips for Teachers
 
Cérebro 010-f
Cérebro 010-fCérebro 010-f
Cérebro 010-f
 
Software para las ciencias sociales
Software para las ciencias socialesSoftware para las ciencias sociales
Software para las ciencias sociales
 
Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
 
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
 

Semelhante a Mente asemcoes

Semelhante a Mente asemcoes (20)

NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
Inteligência emocional pronto
Inteligência emocional prontoInteligência emocional pronto
Inteligência emocional pronto
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
 
1 inteligencia emocional
1 inteligencia emocional1 inteligencia emocional
1 inteligencia emocional
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
educação socioemovional.pptx
educação socioemovional.pptxeducação socioemovional.pptx
educação socioemovional.pptx
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
 
Linguagem emocional e afetividade na educação
Linguagem emocional e afetividade na educaçãoLinguagem emocional e afetividade na educação
Linguagem emocional e afetividade na educação
 
O SEQUESTRO DA AMIGDALA CEREBRAL
O SEQUESTRO DA AMIGDALA CEREBRALO SEQUESTRO DA AMIGDALA CEREBRAL
O SEQUESTRO DA AMIGDALA CEREBRAL
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.pptAMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
AMIGDALA SEQUESTRO EMOCIONAL.ppt
 
Emoções cognição
Emoções cogniçãoEmoções cognição
Emoções cognição
 
ARTIGO 4.pdf
ARTIGO 4.pdfARTIGO 4.pdf
ARTIGO 4.pdf
 
inteligência emocional PARTE 1.pptx
inteligência emocional PARTE 1.pptxinteligência emocional PARTE 1.pptx
inteligência emocional PARTE 1.pptx
 

Mais de António Moreira

Mais de António Moreira (19)

5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt
5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt
5_Dierenças_em_funcao_do_genero.ppt
 
1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt
 
2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt
2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt
2_ a inevitabilidade das diferenças.ppt
 
1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt
 
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
 
Tf03991830 win32
Tf03991830 win32Tf03991830 win32
Tf03991830 win32
 
Emocoes
EmocoesEmocoes
Emocoes
 
Escolamod3
Escolamod3Escolamod3
Escolamod3
 
Amotivao
AmotivaoAmotivao
Amotivao
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Emocoes
EmocoesEmocoes
Emocoes
 
Ainstituiofamiliar
AinstituiofamiliarAinstituiofamiliar
Ainstituiofamiliar
 
A familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-pointA familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-point
 
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
DonaldsupereodesenvolvimentoprofissionalDonaldsupereodesenvolvimentoprofissional
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
 
Eriksoneodesenvolvimentopsicossocial
EriksoneodesenvolvimentopsicossocialEriksoneodesenvolvimentopsicossocial
Eriksoneodesenvolvimentopsicossocial
 
Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
 
Life spanpiaget
Life spanpiagetLife spanpiaget
Life spanpiaget
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Psicologia aplicada
Psicologia aplicadaPsicologia aplicada
Psicologia aplicada
 

Mente asemcoes

  • 2. AS EMOÇÕES  EMOÇÃO: uma reacção complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reacções fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afetivas, sentimentais e em expressões faciais.
  • 3. AS EMOÇÕES  As emoções são um elemento muito importante no comportamento humano;  Tenta ver quais são as expressões emocionais em cada uma das imagens que se seguem;  É uma forma de avaliarmos a nossa capacidade de avaliação das emoções dos outros.
  • 4. AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS  Que emoção é exprimida neste rosto? ALEGRIA
  • 5. AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS  Que emoção é exprimida neste rosto? SURPRESA
  • 6. AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS  Que emoção é exprimida neste rosto? AVERSÃO NOJO
  • 7. AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS  Que emoção é exprimida neste rosto? RAIVA ÓDIO
  • 8. AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS  Que emoção é exprimida neste rosto? MEDO
  • 9. AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS  Que emoção é exprimida neste rosto? TRISTEZA
  • 10. AVALIAR AS EMOÇÕES DOS OUTROS  Que emoção é exprimida neste rosto? DESPREZO
  • 11. PERSPECTIVA EVOLUTIVA  Darwin procurou traços comuns na expressão de emoções em vários povos, e identificou seis emoções primárias ou universais: a alegria, a tristeza, a surpresa, a cólera, o desgosto e o medo;
  • 12. PERSPECTIVA EVOLUTIVA  Considerou que as emoções têm um papel adaptativo fundamental na história da espécie humana, sendo determinantes para a sua capacidade de sobrevivência.
  • 13. PERSPECTIVAS SOBRE AS EMOÇÕES  Mais tarde Ekman tentou provar a tese que defendia que povos diferentes teriam emoções diferentes;  Confirmou a tese de Darwin: há emoções que são universais, independentes do processo de aprendizagem e da cultura em que se manifestam.
  • 14. PERSPECTIVA FISIOLÓGICA  Defendida porWilliam James, que considerava que as emoções resultariam da consciência das mudanças orgânicas provocadas por determinados estímulos;  O estado de consciência de emoções como a cólera, a alegria, a raiva, resume-se à consciência de manifestações fisiológicas.  Exemplo: Posso sentir-me triste se assumir uma expressão facial de tristeza. (numa situação que nos provoca um choro de tristeza, só depois é que tomamos consciência da tristeza).
  • 15. PERSPECTIVA COGNITIVISTA  Afirma que os processos cognitivos, como as percepções, recordações e aprendizagens, são fundamentais para se perceberem as emoções.  Exemplo: Zango-me com uma pessoa porque interpreto o seu comportamento como ofensivo.
  • 16. PERSPECTIVA CULTURALISTA  As emoções são processos aprendidos no processo de socialização, são uma construção social.  As diferentes sociedades e culturas definem o tipo de emoções que se podem manifestar e como as manifestar;
  • 17. PERSPECTIVA CULTURALISTA  Exemplo: Em algumas culturas não se admite que os homens chorem, enquanto que noutras culturas a expressão das emoções pelo choro é valorizada.  Um desgosto profundo pode ser sentido da mesma forma idêntica por um japonês, um português, ou um indiano, mas o modo de o exprimir é diferente.
  • 18. ANTÓNIO DAMÁSIO  Segundo António Damásio é absurdo separar cognição e emoção.O funcionamento equilibrado da mente só é possível com o contributo da emoção.  Damásio ilustra as suas concepções com os casos de Phineas Gage e Elliot, pessoas que, em virtude de lesões no córtex pré-frontal, perderam a capacidade de sentir emoções.
  • 19. Phineas Gage sobreviveu a um acidente de trabalho que sofreu em 1848, em que uma barra de ferro lhe atravessou a cabeça. Cento e cinquenta anos depois, Damásio e outros cientistas analisaram o esqueleto e reconstituíram o trajeto seguido pela barra no cérebro de Phineas Gage. Como se pode ver na figura, uma porção do córtex pré- frontal foi danificado. De acordo com os relatórios médicos da época, Phineas Gage perdeu quase tida a capacidade emotiva, bem como os valores por que se regera até ao acidente. Tendo sido um trabalhador consciencioso, tornou-se desleixado relativamente à profissão e aos seus hábitos pessoais.Com dificuldade de se concentrar em qualquer atividade, era incapaz de seguir planos a médio e a longo prazo. Curioso é constatar que as alterações decorrentes do acidente não se verificaram a nível fisiológico nem intelectual.
  • 20. APÓS O ACIDENTE DE PHINEAS GAGE O QUE PERMANECEU O QUE SEALTEROU Estrutura e funcionamento corporal: robustez e capacidades físicas intactas. Funcionamento da sensibilidade: normalidade das sensações corporais, exceto a perda de visão do olho esquerdo. Destreza manual: habilidade no que respeita ao uso e manuseamento de objetos. Domínio da linguagem: conservação das capacidades de comunicação e expressão. Funcionamento das capacidades intelectuais: atenção, perceção e memória em situação de normalidade. Novos traços de personalidade. Impossibilidade de antecipar o futuro. Impossibilidade de elaborar planos. Incapacidade de fazer escolhas acertadas. Perda do sentido de responsabilidade perante si e perante os outros. Alteração dos valores éticos (incapacidade de seguir princípios éticos.
  • 21. O CASO ELLIOT Submetido a uma cirurgia para remoção de um tumor cerebral, Elliot tinha sofrido danos no córtex pré-frontal. Daí ter ficado diminuído na sua capacidade emocional: deixou de reagir à frustração e de sentir prazer com a música e com a arte em geral; raramente se mostrava irritado, relatando friamente o que lhe aconteceu, desde a cirurgia até às mudanças da sua vida.Tal como Gage, tem problemas em seguir planos previamente delineados. É capaz de discutir lógica e prever teoricamente as consequências da adoção de determinadas estratégias, mas dificilmente delibera acerca da melhor decisão a tomar na prática. Se eventualmente anuncia uma decisão, rapidamente a abandona. Não consegue fixar-se num emprego, nem é capaz de saber aplicar as suas economias. O relacionamento com familiares e amigos deteriorou-se, atingindo o ponto de rutura.
  • 22. APÓS A INTERVENÇÃO CIRÚRGICA DE ELLIOT O QUE PERMANECEU O QUE SEALTEROU Capacidades físicas intactas: saúde e robustez. Sentidos e sensações do corpo perfeitos. Simpatia e bom humor. Capacidade de linguagem. Eloquência e capacidades argumentativas. Conhecimento do mundo e da atualidade. Capacidades mentais intactas: atenção, perceção, inteligência, memória, coerência de pensamento. Novos traços de personalidade: frieza, distanciamento, impassibilidade. Incapacidade de agir sem incentivos. Incapacidade de tomar decisões e de fazer escolhas acertadas. Perda de vista do objetivo principal, valorizando aspetos secundários. Uso do livre-arbítrio comprometido. Incapacidade de se comportar como ser social. Impossibilidade de elaborar planos a médio e longo prazo.
  • 23. O ERRO DE DESCARTES  Os casos clínicos (Cage e Elliot) mostraram que a perda de capacidade de sentir emoções prejudicou profundamente a vida destas pessoas.  Damásio mostrou que um reduzido nível de emoção e de paixão é tão prejudicial como um excesso de emoção. A emoção é tão importante como a razão na tomada de decisões e subjaz a todos os processos cognitivos.
  • 24. O ERRO DE DESCARTES  Esta nova conceção fez ruir a tese bissubstancialista de Descartes que separava a mente do corpo (res cogitans e res extensa) e que dava total independência à mente.  Damásio, na sua obra O Erro de Descartes, argumenta que não é possível separar os processos cognitivos dos emocionais, o corpo e a mente não são entidades separadas e independentes.
  • 25. O MARCADOR SOMÁTICO  A hipótese dos marcadores somáticos, enunciada por António Damásio, deve-se a casos da natureza dos de Gage e Elliot.  No passado aprendemos a associar a certas situações sensações agradáveis ou desagradáveis, ou seja, determinadas emoções, e essas associações aprendidas modificam os padrões neuronais ficando, portanto, marcadas.  Quando, mais tarde, somos confrontados com situações semelhantes, o marcador- somático rapidamente avalia as situações a fim de escolher uma opção.
  • 26. O MARCADOR SOMÁTICO  Se vemos um cão com ar feroz a aproximar-se, esta imagem vai ativar o sistema nervoso simpático:  O ritmo cardíaco acelera;  A respiração fica mais rápida;  A tensão muscular aumenta.  Estas modificações corporais correspondem a uma emoção a que chamamos medo. Quando vimos o cão, o estado corporal de medo ficou registado, marcado.A informação guardada será utilizada numa situação semelhante.
  • 27. O MARCADOR SOMÁTICO  O marcador somático permite- nos decidir eficientemente num curto intervalo de tempo. Atua como um sinal de alarme automático que diz: atenção ao perigo decorrente da escolha de determinada acção.  De acordo com Damásio, pessoas com lesões no lobo frontal têm muita dificuldade ou são mesmo incapazes de ativar estes marcadores somáticos.
  • 28. TIPOS DE EMOÇÕES  Emoções primárias ou universais – surgem na infância com o intuito de reagir rapidamente a diferentes estímulos – alegria, tristeza, medo, surpresa,...  Emoções secundárias ou sociais – constituem-se por cima das primárias, experimentando-se mais tarde. Implicam uma avaliação cognitiva das situações e o recurso a aprendizagens feitas (córtex pré-frontal) - vergonha, ciúme, culpa, orgulho,...  Emoções de fundo – bem ou mal-estar, calma ou tensão,...
  • 29. COMPONENTE FISIOLÓGICA  A emoção faz-se acompanhar de uma série de reacções corporais ou fisológicas – alterações orgânicas.
  • 30. COMPONENTE FISIOLÓGICA  Respiração ofegante (ritmo respiratório intesificado).  Tremuras musculares.  Modificação da cor do rosto (rubor; palidez).  Acelaração do ritmo cardíaco.  Aumento da pressão arterial.  Decréscimo da secreção salivar, provocando secura na boca e garganta.  Alterações ou mesmo paragem da digestão.  Reações pilomotoras (“pele de galinha”).  Estimulação das glandulas endócrinas, designadamente das supra-renais, que segregam adrenalina (hormonas excitantes).
  • 31. COMPONENTE FISIOLÓGICA  Algumas reacções são óbvias e facilmente observáveis; outras são mais subtis e dificeis e só mediante um polígrafo conseguem ser detetadas.  O polígrafo é usado para avaliar a excitação nervosa mediante alterações respiratórias e pressão arterial.
  • 32. COMPONENTE COMPORTAMENTAL  O estado emocional pode desencadear um conjunto de comportamentos como, por exemplo, a agressão, a crítica verbal, a elevada gesticulação, os saltos de alegria, os gritos.
  • 33. COMPONENTE EXPRESSÍVA  Sendo a mais comunicativa das componentes, refere-se às alterações físicas que se verificam no indivíduo e que são visíveis aos outros: aumento do tom de voz, expressão facial mais aberta ou fechada, sorriso, choro, etc. É a mais importante a nível social pois demonstra claramente o estado de espírito.
  • 34. COMPONENTE COGNITIVA  Refere-se ao conhecimento do facto que desencadeia a emoção: se não houver conhecimento do facto, não se experimenta qualquer emoção.
  • 35. COMPONENTE AVALIATIVA  Fazemos uma avaliação, agradável ou desagradável, da situação;  Refere-se à influência que os nossos interesses, valores, objetivos e necessidades têm na formação da emoção.
  • 36. COMPONENTE SUBJECTIVA  Relaciona-se com o que o indivíduo sente a nível emocional e interior a que só ele tem acesso, ou seja, é o estado afetivo associado à emoção - refere-se ao estado afetivo associado à emoção.
  • 37. AFETOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS  Os afetos têm a ver com aquilo que nos afeta, são algo de que somos dotados. São tendências para responder positiva ou negativamente a experiências emocionais relacionadas com objetos ou pessoas.  Ter afetos é ser dotado da capacidade de dar e de receber, de amar e de ser amado, de perturbar e de ser perturbado, por exemplo.
  • 38. AFECTOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS  Os afetos exprimem-se através das emoções e têm uma ligação especial com o passado, com experiências e vivências (as emoções estão ligadas sobretudo com situações presentes).
  • 39. AFECTOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS  Normalmente, emoção e sentimento surgem como sinónimos, mas segundo António Damásio, a relação entre ambos é muito estreita.  A emoção é um conjunto de reacções corporais, automáticas e inconscientes, face a determinados estímulos provenientes do meio onde estamos inseridos.  “A partir do momento em que sentimos medo, o ritmo cardíaco acelera-se, a boca seca, a pele empalidece, os músculos contraem-se.Tais reacções são automáticas e inconscientes.” (Damásio)
  • 40. AFECTOS, EMOÇÕES E SENTIMENTOS  O sentimento surge quando tomamos consciência das nossas emoções, isto é, o sentimento dá-se quando as nossas emoções são transferidas para determinadas zonas do nosso cérebro, onde são codificadas sob a forma de atividade neuronal.
  • 41. EMOÇÕES SENTIMENTOS Tem origem numa causa, num objeto; São reações corporais específicas, observáveis; São publicas e voltadas para o exterior; São automáticas e inconscientes; Polaridade: podem ser negativas ou positivas; São versáteis: variam em intensidade e são de breve duração; Relacionam-se com o tempo: as emoções têm princípio e fim. Não são observáveis, são privados e relacionam-se com o interior; Prolongam-se no tempo e são de menor intensidade de expressão que as emoções; Não se associam a nenhuma causa imediata; Surgem quando tomamos consciência das nossas emoções.