MENINGITE BACTERIANA        2009
COLETA DE LCR PARA DIAGNÓSTICO DE           MENINGITE BACTERIANA MATERIAL : LCR obtido por punção lombar espinhal ; PROC...
COLETA E TRANSPORTE DE LCR E SANGUE PARA  DIAGNÓSTICO DE MENINGITE BACTERIANAM a teria l       E xame             V olum e...
PUNÇÃO LOMBAR
COLETA E SEMEIO DO LCR
CONSERVAÇÃO DO LCR EM MICROAEROFILIA
COLETA DO SANGUE PARA HEMOCULTURA
MENINGITE BACTERIANA                INTRODUÇÃOMeningite bacteriana é uma infecção grave das membranas que envolvem osistem...
INTRODUÇÃO A maioria dos casos ocorre em crianças com menos de 6 anosde idade; A taxa de mortalidade varia com a idade d...
INTRODUÇÃO  Grande número das meningites notificadas, sãoclassificadas como “Meningites Bacterianas NãoEspecificadas”( MB...
Meningite MeningocócicaAGENTE ETIOLÓGICO: Neisseria meningitidis Família: Neisseriaceae Gênero: Neisseria Espécies imp...
Meningite Meningocócica                   Neisseria meningitidis Patógeno estritamente humano Portador assintomático: p...
Neisseria Meningitidis                  Componentes da Membrana Celular                                                   ...
Neisseria meningitidis                      ClassificaçãoSorogrupo 12 sorogrupos baseados no polissacáridecapsular 5 so...
Meningite Meningocócica           Diagnóstico laboratorial Amostras: Sangue (hemocultura), líquor com suspeita demeningit...
Meningite Meningocócica           Diagnóstico laboratorialEsfregaço do Liquor corado pelo Gram: DGN –associados a neutróf...
Meningite Meningocócica             Diagnóstico laboratorialCultura:  Meio Agar chocolate em atm. de CO2 e umidade;  Fa...
Meningite Meningocócica                Diagnóstico laboratorialIdentificação: Provas Bioquímicas : Oxidase (+)       Rea...
Meningite Meningocócica                  Diagnóstico laboratorialIdentificação:Teste de aglutinação em látex: Detecção d...
Meningite Pneumocócica Agente etiológico: Streptococcus pneumoniae; Gênero: Streptococcus; Espécie : Streptococcus pneu...
Meningite Pneumocócica        Diagnóstico laboratorial Esfregaço de liquor corado pelo Gram DGP associado a Neutrófilos
Meningite Pneumocócica         Diagnóstico laboratorialCULTURAMeio Agar-sangue em atmosfera de CO2 eumidade;Colônias alf...
Meningite Pneumocócica           Diagnóstico laboratorial 1967 - foram reportadas na Austrália as primeirascepas de S.pne...
Meningite Pneumocócica        Diagnóstico laboratorialLACEN - CE (2003 a 2007) foram isolados10casos de S.pneumoniae resi...
Meningite Pneumocócica         X Mortalidade2006 - 4 pacientes com diagnóstico deS.pneumoniae por cultura foram a óbito: ...
Meningite por Haemophilus AGENTE ETIOLÓGICO: Haemophilusinfluenzae;GÊNERO: Haemophilus; ESPÉCIE: Haemophilus inluenzae;...
Meningite por Haemophilus    Diagnóstico Laboratorial ESFREGAÇO CORADO PELO GRAM:Bacilos Gram negativos pleomórficos; Pr...
Meningite por Haemophilus    Diagnóstico Laboratorial ESFREGAÇO CORADO PELO GRAM:Bacilos Gram negativos pleomórficos; Pr...
ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO          LACEN, 2004                                              N.meningitides B 33      ...
ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO          LACEN, 2005                   ISOLADOS DE CULTURA DE LCR EM 2005                  ...
ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO          LACEN, 2006                  ISOLADOS DE CULTURA DE LCR EM 2006                   ...
ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO             LACEN, 2007 614 amostras, 39 (6,4%) tiveram seuagente etiológico Identificado;...
ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO             LACEN, 2008 Foram analisadas 816 amostras de LCR,54 (6,6%), tiveram seu agente...
CONCLUSÃO Os dados representam apenas os casos com diagnóstico laboratorialcom a identificação do agente etiológico; Não...
Equipe do LACEN-CEIracema PatrícioLucia PortelaMaria do Carmo MacielMaria do Carmo VidalNúbia SalvianoRozzelê Ângelo      ...
3. apresenta+ç+âo meningite bacteriana iracema-2009
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

3. apresenta+ç+âo meningite bacteriana iracema-2009

3.097 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.097
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3. apresenta+ç+âo meningite bacteriana iracema-2009

  1. 1. MENINGITE BACTERIANA 2009
  2. 2. COLETA DE LCR PARA DIAGNÓSTICO DE MENINGITE BACTERIANA MATERIAL : LCR obtido por punção lombar espinhal ; PROCEDIMENTO : Após desinfetar a pele lombar, o paciente deita de lado, com otronco dobrado para frente, a fim de separar as apófises espinhaisdas vértebras lombares; Sob anestesia local, introduz-se uma agulha no canal espinhal,entre a terceira e a quarta vértebras..
  3. 3. COLETA E TRANSPORTE DE LCR E SANGUE PARA DIAGNÓSTICO DE MENINGITE BACTERIANAM a teria l E xame V olum e M eio de c ultura C ons erva ç ã o a té c línic o entreg a no la bora tó rio LC R Q uim ioc itoló g 1 - 2 ml 1 tubo de vodro ¬entreg a im edia ta ic o + es téril B a c terioló g ic ¬a té 3 hora s , o m a nter em tem pera tura a m biente ¬po r m a is de 3 hora s , m a nter a 4 °C C ultura 0,5 - 1,0 m l 1 tubo de a g a r ¬s em ea r c hoc ola te im edia ta m ente - a té 3 hora s , m a nter a 36 °C (nunc a refrig era r) L á tex 0,5 m l 1 tubo de vidro ¬m a nter a 4 °C es téril ¬viá vel a té 5 dia s a 4 °CS a ng ue H em oc ultura 10 - 20 % fra s c os de ¬s em ea r hem oc ultura (T B S im edia ta m ente ou B H I c om S P S ) ¬m a nter a 36 °C
  4. 4. PUNÇÃO LOMBAR
  5. 5. COLETA E SEMEIO DO LCR
  6. 6. CONSERVAÇÃO DO LCR EM MICROAEROFILIA
  7. 7. COLETA DO SANGUE PARA HEMOCULTURA
  8. 8. MENINGITE BACTERIANA INTRODUÇÃOMeningite bacteriana é uma infecção grave das membranas que envolvem osistema nervoso central, causada por diferentes agentes, destacando-se: Neisseria meningitidis; Haemophyllus influenzae tipo b(Hib); Streptococcus pneumoniae;
  9. 9. INTRODUÇÃO A maioria dos casos ocorre em crianças com menos de 6 anosde idade; A taxa de mortalidade varia com a idade do paciente e com omicrorganismo envolvido; sintomas como febre alta, dor de cabeça, rigidez na nuca,náusea, vômito e sintomas neurológicos são observados; A doença tem evolução rápida, levando à morte ou deixandograves seqüelas irreversíveis, como retardo mental e surdez; O diagnóstico laboratorial fundamental para caracterizar o tipode meningite e seu agente etiológico.
  10. 10. INTRODUÇÃO Grande número das meningites notificadas, sãoclassificadas como “Meningites Bacterianas NãoEspecificadas”( MBNE) ficando o diagnóstico baseado na sintomatologia e outros parâmetros clínicos Critério Diagnóstico : Clínico ou Quimiocitológico; Desafio: Entender o número elevado de MBNE; Quais os fatores que contribuem para a alta ocorrência?
  11. 11. Meningite MeningocócicaAGENTE ETIOLÓGICO: Neisseria meningitidis Família: Neisseriaceae Gênero: Neisseria Espécies importantes: N.gonorrohoeae e N.meningitidis Morfologia e Fisiologia Diplococos Gram negativos (DGN) capsulado; Em associação a polimorfonucleares; Imóveis, anaeróbios facultativos;
  12. 12. Meningite Meningocócica Neisseria meningitidis Patógeno estritamente humano Portador assintomático: prevalência: 5%–10% <1% dos portadores se tornamSintomáticos;Transmissão: Secreção respiratória Contato direto Período de incubação : 2–10 dias Coloração Gram Neisseria meningitidis é a única bactéria capazde provocar surtos e epidemias de meningite
  13. 13. Neisseria Meningitidis Componentes da Membrana Celular Membrana citoplasmática Espaco periplásmicoMembrana citoplasmática Membrana externa Lipooligossacáride Pili Cápsula polissacarídica (sorogrupo) Proteínas de membrana externa (sorotipo/sorosubtipo) Fosfolípede
  14. 14. Neisseria meningitidis ClassificaçãoSorogrupo 12 sorogrupos baseados no polissacáridecapsular 5 sorogrupos - A, B, C, W135, e Y- causammaioria da doença; Sorotipo e sorosubtipo Baseado nas proteínas de membrana externaincluindo as proteínas de classe 2 e 3 (porB) eproteínas de classe 1(porA); Imunotipo Baseado no lipooligossacáride
  15. 15. Meningite Meningocócica Diagnóstico laboratorial Amostras: Sangue (hemocultura), líquor com suspeita demeningite, são enviadas ao LACEN para a realização daCultura ,Contra-Imunoeletroforese e PCR Exame Físico do líquor  Aspecto – turvo  Exame citológico Quantitativo – contagem total dos leucócitos Cito-morfológico – contagem específica das células Exame Bioquímico Determinação da proteína total – aumentada Determinação da glicose – diminuída
  16. 16. Meningite Meningocócica Diagnóstico laboratorialEsfregaço do Liquor corado pelo Gram: DGN –associados a neutrófilos
  17. 17. Meningite Meningocócica Diagnóstico laboratorialCultura: Meio Agar chocolate em atm. de CO2 e umidade; Fatores V(NAD) e X (hemina); Colônias pequenas(1,5mm), mucóides, convexas, brilhantes e translúcidas. Cultura em meio Agar chocolate
  18. 18. Meningite Meningocócica Diagnóstico laboratorialIdentificação: Provas Bioquímicas : Oxidase (+) Reativo (Tetrametilparafenileno diamino)Fermentação de carboidratos: Glicose (+) Maltose (+) Sacarose (-) Lactose (-) N.gonorrhoea N.meningitidis
  19. 19. Meningite Meningocócica Diagnóstico laboratorialIdentificação:Teste de aglutinação em látex: Detecção de antígenos antígenoscapsulares no líquor; Prova + Prova -Teste sorológico para determinação do sorogrupo: utilizando anti-sorosaglutinantes específicos;Contra Imuno Eletroforese (CIE) – pesquisa de antígenosbacterianos no liquor: o liquor é submetido a um campoelétrico juntamente com anti-soros específicos –para determinação do sorogrupo. CIE
  20. 20. Meningite Pneumocócica Agente etiológico: Streptococcus pneumoniae; Gênero: Streptococcus; Espécie : Streptococcus pneumoniae; Morfologia e Fisiologia: Diplococos gram positivos; Possui mais de 80 sorotipos; A cápsula antifagocítica é o seu fator de virulência O tipo 3 é o mais virulento. Microbiota transitória da nasofaringe;Transmissao: Respiratória.
  21. 21. Meningite Pneumocócica Diagnóstico laboratorial Esfregaço de liquor corado pelo Gram DGP associado a Neutrófilos
  22. 22. Meningite Pneumocócica Diagnóstico laboratorialCULTURAMeio Agar-sangue em atmosfera de CO2 eumidade;Colônias alfa-hemolíticas
  23. 23. Meningite Pneumocócica Diagnóstico laboratorial 1967 - foram reportadas na Austrália as primeirascepas de S.pneumoniae Penicilina – Resistente;1974, nos Estados Unidos; 1992 - Hungria, 69 % dos isolados de S.pneumoniaeeram resistentes a Penicilina;No Brasil, há relatos de surgimento de cepasresistentes a Penicilina partir de 1993; 27% dos pneumococo atualmente apresentaresistência intermediária e alta à Penicilina,
  24. 24. Meningite Pneumocócica Diagnóstico laboratorialLACEN - CE (2003 a 2007) foram isolados10casos de S.pneumoniae resistentes a Penicilina:2003 – 2 isolados;2004 – 3 isolados;2006 – 5 isolados.
  25. 25. Meningite Pneumocócica X Mortalidade2006 - 4 pacientes com diagnóstico deS.pneumoniae por cultura foram a óbito: Meningite Pneumocócica 02 amostras - Hospital São José; e Mortalidade 02 amostras - SVO
  26. 26. Meningite por Haemophilus AGENTE ETIOLÓGICO: Haemophilusinfluenzae;GÊNERO: Haemophilus; ESPÉCIE: Haemophilus inluenzae; MORFOLOGIA E FISIOLOGIA: Bacilos gram negativos pleomórficos.
  27. 27. Meningite por Haemophilus Diagnóstico Laboratorial ESFREGAÇO CORADO PELO GRAM:Bacilos Gram negativos pleomórficos; Prova do satelitismo; Necessidade de fatores de crescimento V e X; Soro aglutinação em lâmina com soropolivalente.
  28. 28. Meningite por Haemophilus Diagnóstico Laboratorial ESFREGAÇO CORADO PELO GRAM:Bacilos Gram negativos pleomórficos; Prova do satelitismo; Necessidade de fatores de crescimento V e X; Soro aglutinação em lâmina com soropolivalente.
  29. 29. ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO LACEN, 2004 N.meningitides B 33 Outros 30 N.meningitides B N.meningitides C H.influenzae N.meningitides C 2 S.pneumoniae Outros S.pneumoniae 20 H.influenzae 3453 amostras, 88 (19,4%) tiveram seu agente etiológicoidentificado;Dentre as meningites meningocócicas, a incidência maior foi dosorogrupo B.
  30. 30. ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO LACEN, 2005 ISOLADOS DE CULTURA DE LCR EM 2005 N.meningitides B N.meningitides B Outros 17 20 N.meningitides C S.pneumoniae N.meningitides C 3 Outros S.pneumoniae 13 465 amostras, 50 (11%) tiveram seu agente etiológico identificado; A partir deste ano não foi mais isolado H.influenzae.
  31. 31. ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO LACEN, 2006 ISOLADOS DE CULTURA DE LCR EM 2006 N.m eningitides B 15 N.meningitides B Outros 30 N.meningitides C N.m eningitides C 3 S.pneumoniae Outros S.pneum oniae 20  599 amostras, 68 tiveram seu agente etiológico identificado; O Streptococcus pneumoniae foi mais predominante que as meningites meningocócicas.
  32. 32. ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO LACEN, 2007 614 amostras, 39 (6,4%) tiveram seuagente etiológico Identificado;O Streptococcus pneumoniae foi maispredominante que as meningitesmeningocócicas
  33. 33. ISOLADOS DE CULTURAS DE LCR NO LACEN, 2008 Foram analisadas 816 amostras de LCR,54 (6,6%), tiveram seu agente etiológicoidentificado; O S.pneumoniae, 14 (29%) foi mais isoladoque N.meningitidis B, 11(20%); Foram isoladas, 4(7,9%) de N.meningitidesC.
  34. 34. CONCLUSÃO Os dados representam apenas os casos com diagnóstico laboratorialcom a identificação do agente etiológico; Não representa a totalidade dos casos ocorridos dura o ano; Representa um subconjunto de um conjunto maior de dados que devemser levantados, para se CONHECER E ANALISAR o perfil epidemiológico,a evolução e as tendências das MB no Ceará; Diante da gravidade e alto índice de mortalidade, as MB representam umgrave problema de saúde pública; É fundamental a participação dos profissionais de saúde naNOTIFICAÇÃO DOS CASOS, NO DIAGNÓSTICO PRECOCE, eTRATAMENTO; O APOIO LABORATORIAL é muito importante para esclarecer o ag.etiológico, para o desenvolvimento de ações de saúde, que permitamreduzir a disseminação, a morbidade e mortalidade da doença..
  35. 35. Equipe do LACEN-CEIracema PatrícioLucia PortelaMaria do Carmo MacielMaria do Carmo VidalNúbia SalvianoRozzelê Ângelo iracemapatricio@lacen.ce.gov.br

×