Família e Limites

6.291 visualizações

Publicada em

www.oconsultorio.com - Fone 0 (11) 2274-8217 - O Psicólogo Alexandre Rivero Nesta Apresentação discute a importância da Família, como estabelecer Limites para nossos filhos e o Elogio como forma de educar e corrigir.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.291
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
252
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Família e Limites

  1. 1. Educação e FamíliaEducação e Família Alexandre RiveroAlexandre Rivero www.oconsultorio.comwww.oconsultorio.com Fone 0 11 2274-8217Fone 0 11 2274-8217
  2. 2. Busca do EquilíbrioBusca do Equilíbrio  Visão Castigo / RelaçãoVisão Castigo / Relação Autoritária (Passado) -Autoritária (Passado) -  Visão do Trauma / SemVisão do Trauma / Sem Limites / RelaçãoLimites / Relação PermissivaPermissiva  Visão do Equilíbrio :Visão do Equilíbrio : caminha do meio –caminha do meio – respeito a limites, garanterespeito a limites, garante segurança e proteçãosegurança e proteção
  3. 3. Relação AutoritáriaRelação Autoritária VerbalVerbal FísicaFísica PsicológicaPsicológica
  4. 4. Relação PermissivaRelação Permissiva  Punição ReparadoraPunição Reparadora  Não Vingança – SimNão Vingança – Sim Educação e ReeducaçãoEducação e Reeducação
  5. 5. Estabelecer limites não significa:Estabelecer limites não significa:  --bater nos filhosbater nos filhos (medo do(medo do maior, agressão física então émaior, agressão física então é válida, pais não sãoválida, pais não são confiáveis, força físicaconfiáveis, força física substitui diálogo)substitui diálogo)  --pais fazerempais fazerem arbitrariamente o quearbitrariamente o que desejamdesejam  --ser autoritárioser autoritário  --gritargritar  --não atender necessidadesnão atender necessidades  --invadir privacidadeinvadir privacidade  --falar sem pararfalar sem parar
  6. 6. Como dar limites?Como dar limites?  -elogiar as atitudes pró-sociais:-elogiar as atitudes pró-sociais: verbalmente mostrar o efeitoverbalmente mostrar o efeito de tal atitude e quanto é agradável. Relação de conseqüências.de tal atitude e quanto é agradável. Relação de conseqüências.  -olhar – atenção-olhar – atenção  -abraço -beijo-abraço -beijo  -relato para a família de atitudes positivas-relato para a família de atitudes positivas  -bilhete-bilhete  -passeio para comemorar-passeio para comemorar  -festejar não criar um consumista – moderação-festejar não criar um consumista – moderação  -criticar a situação específica não generalizar-criticar a situação específica não generalizar (critique o ato(critique o ato não a pessoa)não a pessoa)  -reprovar as atitudes disfuncionais:-reprovar as atitudes disfuncionais: verbalmente mostrar overbalmente mostrar o efeito de tal atitude e quanto é desagradável. Relação deefeito de tal atitude e quanto é desagradável. Relação de conseqüênciasconseqüências  --valorizar o combinado – envolver na construção de regrasvalorizar o combinado – envolver na construção de regras  -clareza na colocação das regras-clareza na colocação das regras de maneira objetivade maneira objetiva
  7. 7. Como dar limites?Como dar limites?  -buscar flexibilidade, mas não mudar as regras por-buscar flexibilidade, mas não mudar as regras por interesses particularesinteresses particulares ou como demonstração de amorou como demonstração de amor  -buscar justiça no tratamento entre filhos-buscar justiça no tratamento entre filhos (dois pesos duas(dois pesos duas medidas – explicar eqüidade).medidas – explicar eqüidade).  -evitar descarregar problemas nos filhos-evitar descarregar problemas nos filhos  -credibilidade-credibilidade (cumprir promessas)(cumprir promessas)  -coerência-coerência no discurso valores com uma certa constânciano discurso valores com uma certa constância  --ajude-os a assumir responsabilidadesajude-os a assumir responsabilidades (conseqüências)(conseqüências)  -durante a raiva,-durante a raiva, mostrar que você o ama, no local oportuno emostrar que você o ama, no local oportuno e quando se acalmar você irá explicar o porque do “não”quando se acalmar você irá explicar o porque do “não”  -agressões físicas das crianças e adolescentes devem ser-agressões físicas das crianças e adolescentes devem ser contidascontidas  -nunca goze, ironize, caçoe.-nunca goze, ironize, caçoe.  -faça balanços-faça balanços constantes da melhoria em lidar com limitesconstantes da melhoria em lidar com limites (ressalte progressos)(ressalte progressos)
  8. 8. Como dar limites?Como dar limites?  Respeito a Privacidade / Intimidade / decisões: corte de cabelo,Respeito a Privacidade / Intimidade / decisões: corte de cabelo, namorada, vocaçãonamorada, vocação  Conceito de Risco / Abandono / discernir graus de importância deConceito de Risco / Abandono / discernir graus de importância de comportamento: álcool e desarrumação do quartocomportamento: álcool e desarrumação do quarto  Arbitrariedade / quebra de Regras, sinal de AmorArbitrariedade / quebra de Regras, sinal de Amor  --Inclua na reparaçãoInclua na reparação aos danos causados sugerindo como deve ser feita aaos danos causados sugerindo como deve ser feita a mesma - diálogomesma - diálogo  -alerte-alerte sobre a possibilidade de ofereceremsobre a possibilidade de oferecerem drogasdrogas  -tolere-tolere expressões moderadas de rebeldia / frustração tolerância aprendizadoexpressões moderadas de rebeldia / frustração tolerância aprendizado  -na adolescência-na adolescência é preciso sempre saber aonde estão e com quem estão,é preciso sempre saber aonde estão e com quem estão, vincule independência com responsabilidade, inclusive com tarefas familiaresvincule independência com responsabilidade, inclusive com tarefas familiares  -forneça exemplos e modelos, fale de seus princípios, faça divulgação-forneça exemplos e modelos, fale de seus princípios, faça divulgação através de sua conduta – lembre-se você esta sendo sempre observadoatravés de sua conduta – lembre-se você esta sendo sempre observado (a linguagem verbal esclarece, sua conduta transforma)(a linguagem verbal esclarece, sua conduta transforma)  O aprendizado do limite leva a construção de uma pessoa autoconfianteO aprendizado do limite leva a construção de uma pessoa autoconfiante capaz de se auto administrar, dirigindo comcapaz de se auto administrar, dirigindo com autonomiaautonomia sua vida. Afastandosua vida. Afastando os dissabores da impulsividade, num processo de educação emocional.os dissabores da impulsividade, num processo de educação emocional.
  9. 9. FamíliaFamília  Família amparo,Família amparo, fortalecimentofortalecimentoDiálogoDiálogo  Diversos TiposDiversos Tipos  Companheiro fazendo parte daCompanheiro fazendo parte da família, comprometer-se com ofamília, comprometer-se com o compromisso de educarcompromisso de educar  Pai MãePai Mãe  Função paterna e maternaFunção paterna e materna  Discernir parceiroDiscernir parceiro ocasional/carência doocasional/carência do companheiro de vida,companheiro de vida, comprometido com o projetocomprometido com o projeto familiarfamiliar
  10. 10. Privacidade e PúblicoPrivacidade e Público  Intimidade e RespeitoIntimidade e Respeito  Ações individuaisAções individuais  Ações do casalAções do casal  Ações familiaresAções familiares  Ações sociaisAções sociais  Crianças e AdolescentesCrianças e Adolescentes compreenderem açõescompreenderem ações com naturalidade ecom naturalidade e respeitorespeito
  11. 11. Idades e CompreensãoIdades e Compreensão  A cada fase da vida temosA cada fase da vida temos possibilidades depossibilidades de compreender determinadoscompreender determinados assuntos.assuntos.  Metáfora do CaminhãoMetáfora do Caminhão  Cuidado com acesso aCuidado com acesso a conteúdo adulto(filmes, tv,conteúdo adulto(filmes, tv, internet, revistas, etc...)internet, revistas, etc...) Construir discernimento emConstruir discernimento em relação a TVrelação a TV
  12. 12. Educar CriticamenteEducar Criticamente  Fontes Pró-VidaFontes Pró-Vida  Fontes Disfuncionais nãoFontes Disfuncionais não comprometidas com ocomprometidas com o desenvolvimento humanodesenvolvimento humano  Separar Joio do TrigoSeparar Joio do Trigo  Fontes impactam noFontes impactam no desenvolvimento da Criançadesenvolvimento da Criança de maneira Positiva oude maneira Positiva ou NegativaNegativa
  13. 13. Familiares AdoecidosFamiliares Adoecidos  Alcool e DrogasAlcool e Drogas  Abuso SexualAbuso Sexual  Abuso Moral (piadas, gozações...)Abuso Moral (piadas, gozações...)  Abuso em ações (agressividade ouAbuso em ações (agressividade ou “goles” de alcool)“goles” de alcool)  Devemos proteger nossos filhos:Devemos proteger nossos filhos: crianças e adolescentes, assimcrianças e adolescentes, assim construiremos um novo mundoconstruiremos um novo mundo
  14. 14. Orientação SexualOrientação Sexual  ComportamentosComportamentos desenvolvidos a partir dadesenvolvidos a partir da educação.educação.  Orientação SexualOrientação Sexual Cuidado com a banalização
  15. 15. Expressão AfetivaExpressão Afetiva  Falar palavras deFalar palavras de encorajamento e elogios,encorajamento e elogios, interessar-se por sua vida –interessar-se por sua vida – perguntar e comentar,perguntar e comentar,  Abraçar,Abraçar,  Alimentar,Alimentar,  Cuidar da higiene,Cuidar da higiene,  Atenção – dedicar tempo,Atenção – dedicar tempo,  Pais interessar-se emPais interessar-se em conversar com educadores,conversar com educadores, tomar conhecimento da vidatomar conhecimento da vida da consciência,da consciência,
  16. 16. EducaçãoEducação EDUCAÇÃO OBRAEDUCAÇÃO OBRA AMPLAAMPLA  FamíliaFamília  Instituição EducacionalInstituição Educacional  Amigos EdificantesAmigos Edificantes  Recursos SociaisRecursos Sociais EducativosEducativos  ReligiãoReligião
  17. 17. Promoção da VidaPromoção da Vida  Frases PositivasFrases Positivas  Exemplos animadoresExemplos animadores  Incentivar o amor aIncentivar o amor a leitura, estudo,leitura, estudo, professoresprofessores  Colaborar para a criançaColaborar para a criança construir um projeto deconstruir um projeto de vida – este olhar para ovida – este olhar para o futuro protege a criançafuturo protege a criança e o jovem, gerae o jovem, gera valorização da vidavalorização da vida

×